segunda-feira, 27 de junho de 2011

MCT celebra acordo de cooperação com Reino Unido

Na última semana, o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, e o ministro para Universidades e Ciências do Reino Unido, David Willetts, firmaram, em Brasília (DF), um acordo de cooperação em ciência, tecnologia e inovação. Um dos interesses do Reino Unido, informou o ministro brasileiro, é o programa Ciências sem Fronteira, do governo federal, que prevê, até 2014, 75 mil bolsas do nível médio ao pós-doutorado no exterior.

O objetivo do acordo é explorar pesquisas conjuntas em geração de biocombustível, ecossistemas sustentáveis, tecnologias espaciais e limpas. Foram discutidas parcerias em educação superior e pesquisa científica, a fim de expandir a mobilidade de trabalhadores e estudantes entre o Brasil e o Reino Unido. “Queremos focar as áreas de biotecnologia, nanotecnologia, exatas e, particularmente, as engenharias. A Inglaterra é um parceiro muito importante”, disse Mercadante.(Com informações do MCT)

Fonte: Gestão CT

CNPq lança edital Universal

O CNPq recebe propostas até o dia 8 de agosto para o edital 14/2011 - Universal, cujo objetivo é apoiar projetos de pesquisa que visem contribuir para o desenvolvimento científico e tecnológico do país, em qualquer área do conhecimento.

As propostas aprovadas serão financiadas com recursos no valor de R$ 120 milhões, sendo R$ 50 milhões oriundos do CNPq e R$ 70 milhões do FNDCT/Fundos Setoriais. O proponente deve possuir o título de doutor e ter seu currículo cadastrado na Plataforma Lattes, além de vínculo formal com a instituição de execução do projeto.

O projeto deverá ser desenvolvido em instituições de ensino superior, institutos e centros de pesquisa e desenvolvimento, públicos ou privados sem fins lucrativos; e empresas públicas que executem atividades de pesquisa em ciência, tecnologia ou inovação.

Fonte: Gestão CT

FAPESP e Danish Council for Strategic Research lançam chamada para financiar pesquisas em ciência de alimentos

Apoio à pesquisa em alimentos
A FAPESP e o Danish Council for Strategic Research – DCSR divulgam chamada de propostas de pesquisa no âmbito do acordo de cooperação entre as instituições.

A seleção está aberta a pesquisadores de universidades, instituições de pesquisas e de empresas no Estado de São Paulo e na Dinamarca, que atuam na área de ciência de alimentos.

As propostas devem ser preparadas em conjunto por pesquisadores do Estado de São Paulo e da Dinamarca. No Estado de São Paulo, podem participar proponentes vinculados a instituições de ensino superior ou pesquisa, públicas ou privadas, que sejam pesquisadores responsáveis ou pesquisadores principais de auxílios apoiados pela FAPESP e vigentes nas modalidades Auxílio à Pesquisa – Regular, Auxílio à Pesquisa – Projetos Temáticos, Apoio a Jovens Pesquisadores ou Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID).

FAPESP e DCSR destinarão até US$ 4 milhões para financiar até três projetos selecionados. A duração dos projetos propostos poderá ser de até 36 meses.

O propósito da chamada é apoiar o desenvolvimento de pesquisas que forneçam soluções na área de ciência de alimentos em questões e desafios relacionados à produção e obtenção de alimentos e recursos naturais de modo sustentável.

Propostas devem ser submetidas simultaneamente à FAPESP e ao DCSR de acordo com as normas descritas na chamada. O prazo para recebimento é 6 de setembro.

Fonte: Agência FAPESP

TWAS oferece mais de 280 bolsas para 2012

A Academia de Ciências para o Mundo em Desenvolvimento (TWAS) abriu inscrições para bolsas de estudo referentes ao ano acadêmico de 2012. O prazo para as inscrições varia de acordo com o programa. Enquanto alguns se encerram no dia 29 de julho, outros seguem com inscrições abertas até o dia 1º de outubro.

São mais de 280 vagas para pesquisadores interessados em cursar doutorado ou fazer pós-doutorado, além de realizar pesquisa avançada em países em desenvolvimento. Também há oportunidades para visitas de curta duração.

As bolsas são oferecidas em cooperação com agências e organismos nacionais de ciência e tecnologia, universidades e centros de pesquisa. Há oportunidades tanto no Brasil como na China, Índia, Quênia, Malásia, México, Itália, Tailândia e Paquistão.

As áreas contempladas incluem Ciências Naturais, Biotecnologia, Ciências Físicas, Ciências Moleculares, Química, Ciências Biológicas, Farmacologia e Nutrição.

Os critérios de participação variam de acordo com cada país. No entanto, os interessados não podem se candidatar para bolsas de estudos em seu próprio país. Também serão considerados inelegíveis profissionais que já residam no país almejado para estudar.

O limite de idade para os programas de doutorado e pós-doutorado varia de 30 a 40 anos. Para as pesquisas avançadas o limite de idade sobe para 55 anos. Todos os candidatos devem ainda ter relevância científica na área de atuação, além do título de mestre, para os programas de doutorado, e título de doutor, para os programas de pós-doutorado e pesquisa avançada.

Fonte: Agência FAPESP

63ª Reunião Anual da SBPC discutirá o marco legal para CT&I

Além de divulgar os avanços da ciência nas mais diversas áreas de conhecimento, a reunião desse ano discutirá o marco legal para CT&I.

A 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que ocorrerá de 10 a 15 de julho de 2011, na Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia (GO), terá como tema central “Cerrado: água, alimento e energia”. Trata-se de um dos maiores eventos científicos do país.

Realizada desde 1948, com a participação de autoridades, gestores do sistema nacional de ciência e tecnologia (C&T) e representantes de sociedades científicas, a Reunião é um importante meio de difusão dos avanços da ciência nas diversas áreas do conhecimento e um fórum de debate de políticas públicas em C&T. No entanto, esse ano além da divulgação científica, outro tema permeará os debates, fóruns e mesas, o novo marco legal para CT&I no país. O assunto que foi tema do Fórum Nacional Consecti e Confap, em Belo Horizonte, no final do mês de maio, volta a pauta na reunião da SBPC.

No dia 12 de junho o tema será discutido em uma mesa redonda com a participação do Prof. Odenildo Sena (Secretário de Ciência e Tecnologia do Estado do Amazonas – SECT/AM e Presidente do Conselho Nacional de Secretários Estaduais para assuntos de CT&I – CONSECTI), Prof. Mário Neto Borges (Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais – FAPEMIG e do Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa – CONFAP), Siba Machado (Deputado Federal e membro da comissão da Câmara para C&T) e Eduardo Braga (Senador e presidente da Comissão do Senado para C&T).

O foco do debate será a necessidade da criação de uma legislação que seja adequada às características da ciência e tecnologia, pois no momento aplicam-se leis ultrapassadas e que não foram idealizadas tendo em vista as demandas e especificidades do campo da pesquisa e da inovação. Também permeará o debate a qualificação dos operadores de controle, para que ao fiscalizarem as atividades científicas, tecnológicas e de inovação o façam com outro olhar que não o da fiscalização contábil e financeira unicamente.

O Secretário Geral da Sociedade para o Progresso da Ciência – SBPC, Aldo Malavasi, ressaltou que a pesquisa no país está ficando cada vez mais difícil em virtude de dois aspectos: gestão pública e da legislação. “A legislação atual não permite a gestão de pesquisa como deveria. A Lei determina a compra do mais barato, mas isso não funciona na área de pesquisa, quase sempre o mais barato não é o adequado”, explica o Secretário Geral.

Aldo Malavasi acrescenta que na reunião anual da SBPC será lançada uma grande frente nacional pela criação do marco legal de CT&I, para tanto estarão reunidos pesquisadores, juristas e gestores públicos. “Precisamos facilitar a vida do pesquisador de alguma forma, caso contrário em um futuro próximo ninguém irá trabalhar com pesquisa no país”, afirma.

No mesmo sentido a posição do presidente do Confap, Mário Neto Borges, que também preside a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG), “a questão do arcabouço trata-se hoje de um dos maiores entraves para que a CT&I no Brasil possa ganhar agilidade, qualidade e competitividade”.

Por último o Secretário Geral da SBPC esclarece que os pesquisadores não são contra a transparência e a fiscalização dos gastos públicos, o que não pode acontecer é que a austeridade fiscal acabe impossibilitando o desenvolvimento da pesquisa no país.

Serviço:

Mesa-redonda: MARCO LEGAL PARA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Data: 12/07 (terça-feira)
Horário:15h30 às 18h00
Coordenador: Helena Bonciani Nader (SBPC)

Participantes: Odenildo Sena (SECT/AM), Mário Neto Borges (FAPEMIG), Sibá Machado (CD) e Eduardo Braga (SF)

Fonte: CONFAP