segunda-feira, 28 de março de 2011

Ceunsp: Estudante desenvolve fresadora CNC de R$ 10 mil

Uma fresadora CNC capaz de usinar diversos tipos de materiais, como madeira, nylon, alumínio e até alguns aços doces - com menor teor de carbono. O desenvolvimento e produção desta máquina foi o trabalho de conclusão de curso (TCC) de Cláudio Luís de Oliveira, aluno de Mecatrônica do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio (Ceunsp), que mantém campi em Salto e em Itu (SP).

Com custo de produção estimado em R$ 10 mil, Oliveira já tem clientes interessados em adquirir a máquina com adequações para aplicações específicas.

O modelo desenvolvido para o TCC, sob orientação do professor Flávio Ramirez foi doado à instituição de ensino. Construído sobre uma base de MDF, o equipamento com três eixos, permite a usinagem de peças em 3D e até a fabricação de placas de circuito. Para construir o equipamento, o aluno desembolsou pouco mais de R$ 1 mil, porque ao procurar empresas para fazer orçamento dos materiais, acabava ganhando o apoio que precisava para construir a máquina. “Isso foi o mais interessante, pois o pessoal aderiu ao projeto espontaneamente”, afirma.

Entre as empresas que já encomendaram a fresadora está a Maqui Móveis, que encomendou uma unidade de menor porte. Outra encomenda é de uma empresa de joias, que pediu uma versão em escala menor.

Conforme Oliveira, um dos maiores desafios foi fazer com que os três motores de passo tivessem a precisão e o funcionamento correto. “Estava trabalhando com o Windows XP, mas o sistema perdia informações no decorrer do processo e também superaquecia. Cheguei a comprar alguns drivers, mas nenhum funcionava e até em Linux, mas aí teria que formatar qualquer computador que quisesse ser usado para isso. Foi quando conheci, através da internet, o proprietário da CNC Motion que me apresentou um driver para Linux que não exige isso e funciona perfeitamente com os drivers que tinha, sem aquecer os motores”, conta.

O equipamento doado à escola, segundo o professor Carlos Eduardo Hellmeister, será aplicado no trabalho de usinagem de peças em polímeros em geral, e também no ensino do CNC, pois é uma máquina programável. O professor informa que o protótipo desenvolvido por Oliveira tem a possibilidade de expansão. “Podemos implementar uma refrigeração para trabalhar com materiais ainda mais duros e com isso produzir outras máquinas.”

De acordo com o coordenador de Mecatrônica, César Daltoé Berci, a possibilidade de criar novos equipamentos é a grande vantagem da fresadora. “Se quisermos fazer um robô, podemos confeccionar braços e alavancas e também a placa de circuitos. Será um equipamento muito útil para todos os cursos de Engenharia do Ceunsp e também para outros, como os de Arquitetura e Design”, avalia. 

Fonte: IPESI

Pesquisadores brasileiros propõem uma ferramenta biotecnológica para recuperar o desenvolvimento de óvulos de mulheres inférteis

 Ooplast-mediated developmental rescue of bovine oocytes exposed to ethidium bromide
Óvulos renovados
Um grupo de pesquisadores brasileiros confirmou a eficiência de uma nova ferramenta biotecnológica para recuperar o desenvolvimento de óvulos de mulheres inférteis. O estudo, feito em modelos bovinos, foi capa edição de fevereiro da revista Reproductive Biomedicine.

O trabalho foi coordenado por Flávio Meirelles, professor da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (FZEA- USP), em Pirassununga, e teve apoio da FAPESP na modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular.

Além de Meirelles e do primeiro autor do artigo, Marcos Chiaratti, pós-doutorando da FZEA-USP, o estudo também teve colaboração de pesquisadores da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Jaboticabal (SP), da Embrapa Pecuária Sudeste, em São Carlos (SP), e da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Montréal (Canadá).

De acordo com Chiaratti, o trabalho ressalta a enorme capacidade da técnica para restaurar o desenvolvimento embrionário de óvulos inférteis sem consequências para o recém-nascido.

“No estudo, utilizamos o modelo bovino, mas a grande similaridade do período de desenvolvimento embrionário e fetal indica que a técnica poderá ser importante também no contexto humano. O estudo abre as portas para estudos pré-clínicos visando à futura aplicação dessa ferramenta em humanos”, disse à Agência FAPESP.

Segundo Chiaritti, a técnica tem grande implicação para mulheres que sofrem de infertilidade, principalmente devido ao envelhecimento. “De acordo com a Sociedade Norte-Americana de Medicina Reprodutiva, 30% das mulheres entre 35 e 39 anos de idade são inférteis e esta porcentagem cresce para 64% entre as mulheres com 40 a 44 anos”, disse.

A técnica consiste na transferência de pequenas porções de citoplasma provenientes de óvulos de mulheres mais jovens para óvulos de mulheres inférteis. “Havia a hipótese de que essa transferência de citoplasma pudesse suprir possíveis deficiências dos óvulos dessas mulheres com problemas de fertilidade”, apontou.

A transferência de citoplasma foi utilizada no final da década de 1990 em clínicas de reprodução humana assistida dos Estados Unidos e também em alguns outros países, resultando no nascimento de pelo menos 16 crianças. Entretanto, embora tenha se mostrado muito promissora, foi proibida pela pela Food and Drug Administration (FDA), agência do governo dos Estados Unidos.

“A ferramenta foi utilizada em humanos sem a realização de ensaios pré-clínicos. Embora fosse um recurso promissor, não havia informação suficiente sobre ela, que acabou sendo proibida. Não se tinha garantias de que o uso da técnica pudesse perpetuar alguma patologia hereditária de uma mãe que tem um quadro de infertilidade”, disse.

Na época, segundo Chiaritti, não se sabia porque a técnica funcionava. Uma das hipóteses levantadas era a de que os óvulos recuperavam o desenvolvimento embrionário graças à introdução de mitocôndrias novas contidas no citoplasma implantado. “Conjecturou-se que a infertilidade fosse causada por baixa atividade das mitocôndrias, mas nada disso foi provado”, disse.

Gravidez tardia e segura

Nos últimos anos, vários trabalhos têm investigado a técnica em modelos animais, confirmando os resultados prévios descritos em humanos. “Nosso experimento gerou animais saudáveis em 100% dos casos. Como foi feito em bovinos, é um excelente indicativo de que a técnica é segura também para humanos”, disse Chiaritti.

No experimento, os óvulos bovinos foram submetidos a aplicação de brometo de etídio. A droga tem efeito específico nas mitocôndrias e o defeito causado nos óvulos simulava o problema das mulheres que sofrem com a infertilidade.

“Depois disso, utilizamos a técnica de transferência de citoplasma e tivemos uma recuperação de 100% do rendimento dos óvulos, em termos de desenvolvimento embrionário”, afirmou.

Na época em que a técnica foi aplicada em humanos, duas das crianças nasceram com defeitos cromossômicos. Isso também foi um dos argumentos para que a FDA proibisse o procedimento.

“Hoje, sabemos que esses defeitos não foram causados pelo uso da técnica, mas porque há uma incidência maior desses defeitos cromossômicos na gravidez de mulheres mais velhas. No caso das vacas, nenhum dos animais nascidos apresentou qualquer anomalia”, disse.

De acordo com Meirelles, após a publicação, o artigo mereceu um comentário na própria Reproductive Biomedicine, assinado por Henry Malter, renomado especialista em reprodução humana assistida do centro Genesis Fertility and Reproductive Medicine, nos Estados Unidos.

“O artigo foi considerado muito importante, porque a técnica, que pode trazer grandes benefícios para a medicina reprodutiva, havia sido deixada de lado há muitos anos. A pesquisa abre a perspectiva para que finalmente possam ser feitos estudos pré-clínicos, possibilitando a aplicação no futuro”, afirmou Meirelles.

Segundo ele, o desenvolvimento de técnicas que ajudem a recuperar o desenvolvimento embrionário se torna cada vez mais importante à medida que as mulheres estão engravidando cada vez mais tarde.

“Sabemos que a fertilidade do ser humano cai gradualmente com o tempo. Essa técnica, especificamente, consegue trazer benefícios para indivíduos que não respondem nem mesmo à fertilização in vitro. O grande avanço que esse trabalho representa consiste em mostrar, mediante o modelo animal, que a técnica é segura”, afirmou.

Leia o resumo em  Ooplast-mediated developmental rescue of bovine oocytes exposed to ethidium bromide (doi:10.1016/j.rbmo.2010.10.011), de Marcos Chiaratti, Flávio Meirelles e outros.

Fonte: Fábio de Castro / Agência FAPESP

Prêmio Pemberton - abertas inscrições

A Coca-Cola Brasil lançou a segunda edição do Prêmio Pemberton, que tem o objetivo de estimular pesquisas científicas na área da saúde.

O prêmio destinará um total de R$ 55 mil aos três trabalhos finalistas, dos quais R$ 20 mil irão para a instituição em que for realizada a pesquisa classificada em primeiro lugar.

O pesquisador vencedor também receberá uma viagem aos Estados Unidos para conhecer a sede da Coca-Cola Company, em Atlanta.

Podem concorrer ao prêmio pesquisadores de universidades e instituições de pesquisa em medicina, educação física, nutrição, odontologia e áreas afins.

As inscrições podem ser feitas até 31 de março.

Fonte: Agência FAPESP

FCF - USP : vaga para pós-doutoramento


O Projeto Temático "Reações de Acoplamento de 1-Halo-2,3-diol cis-Ciclohexadieno e Sais de Organotrifluoroboratos de Potássio", apoiado pela FAPESP, dispõe de uma vaga para pós-doutoramento.

O projeto visa a funcionalização de 1-halo-2,3-diol cis-ciclohexadieno empregando reações de acoplamento de Suzuki-Miyaura e obtido por meio de reação de biotransformação empregando Pseudomonas putida, com sais de organotrifluoroboratos de potássio catalisados por metais de transição.

Os candidatos devem ter fomação na área de química orgânica, particularmente com qualificações em reações de biotransformação

Interessados podem enviar, até o dia 15 de abril, currículo para o professor Hélio Stefani, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, coordenador do Temátic

A vaga está aberta a brasileiros e estrangeiros. O selecionado receberá Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP, no valor de R$ 5.028,90 mensais.

Fonte: Agência FAPESP