segunda-feira, 21 de março de 2011

Em 1919 era inaugurada a escola Bauhaus em Weimar


No dia 21 de março de 1919, o arquiteto Walter Gropius inaugurou a Escola Bauhaus em Weimar, no Leste da Alemanha. Apesar de subsequente perseguição pelo regime nazista, movimento alcançou renome mundial.

Ao fundar o movimento Bauhaus – que significa "Casa de construção" –, o arquiteto Walter Gropius criou uma instituição de ensino com ideéias vanguardistas, numa época em que o mundo enfrentava séria crise econômica. Engenheiros e arquitetos buscavam uma maneira simples de produzir em série objetos de consumo baratos.

No primeiro manifesto da Bauhaus, publicado em 1919, Gropius declarou que a arquitetura é a meta de toda atividade criadora. Completá-la e embelezá-la foi, antigamente, a principal tarefa das artes plásticas. "Não há diferença entre o artesão e o artista, mas todo artista deve necessariamente possuir competência técnica", pregava o fundador da Bauhaus.

Aprendizado em três fases
Entre professores e alunos, havia liberdade de criação, desde que obedecendo a convicções filosóficas comuns. O currículo da Bauhaus previa três fases: o primeiro semestre era o fundamento da própria Bauhaus. Inspirava-se nas ideias de Alfred Hozel, da Academia de Stuttgart. Ele havia elaborado um método de ensino para libertar os estudantes de preconceitos em relação ao "belo" e à "estética" adquiridos nas escolas primárias e nos ginásios. Era a preparação intelectual para a próxima fase.

Na segunda etapa, eram desenvolvidos problemas mais complexos e mais diversificados, como projetos industriais, pintura, escultura, arte publicitária, teatro, arte cênica e dança. Concluída esta fase, o aluno recebia o diploma da Bauhaus e podia começar o curso de arquitetura propriamente dito.

Em 1925, o governo cortou os subsídios à escola, obrigando sua transferência para outra cidade, Dessau, também no leste alemão. Lá se construiu uma universidade seguindo os planos de Gropius, mas que foi fechada pelos nazistas em 1932. A difusão do movimento se deu através de exposições na Alemanha e no exterior, além de publicações.

Quando a perseguição nazista se acirrou, seus principais expoentes emigraram para a Inglaterra e os Estados Unidos. Hoje, a Bauhaus de Weimar é uma escola superior, enquanto Dessau abriga a Fundação Bauhaus.

Fonte: Gaby Reucher (rw) /DW

OBM - Olimpíada Brasileira de Matemática tem inscrições abertas

Com o intuito de estimular o estudo da matemática entre alunos e professores das escolas do Brasil, o Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) realiza neste ano a 33ª edição da Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM). As inscrições para a competição já estão abertas e podem ser realizadas até o dia 30 de abril.

Apoiada pelo CNPq e Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Matemática (INCTMat), a iniciativa reunirá professores e alunos das redes pública e particular de todo o país, dos ensinos fundamental, médio e universitário. Os vencedores serão agraciados com medalhas e prêmios e também serão inscritos em concursos semelhantes internacionais.

Calendário
A primeira fase da 33ª OBM será realizada em junho e a segunda etapa no dia 3 de setembro. As fases seguintes ocorrerão nos dias 15 e 16 de outubro e os resultados serão divulgados em dezembro.

(Com informações da OBM)

Brasil e EUA - assinados acordos para pesquisas


O intercâmbio educacional e científico entre Brasil e Estados Unidos foi intensificado durante a visita do presidente americano Barack Obama ao país. Dois acordos foram assinados: o primeiro permitirá que as agências federais de formação científica dos dois países identifiquem pesquisas em áreas prioritárias para ambos. O outro intensifica o intercâmbio acadêmico.

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos, agência vinculada à presidência americana, a partir do memorando de entendimento, vão atuar conjuntamente no incremento do intercâmbio de cientistas, pós-graduandos e professores, especialmente na área de biodiversidade. Com a parceria, grupos de pesquisa e universidades serão incentivados a promover a troca de conhecimento científico por meio de diversas ações, e as duas agências vão auxiliar a implementação das referidas pesquisas e projetos que forem propostos.

Em outra iniciativa, Capes e Comissão Fulbright, que já possuem 11 parcerias, iniciam uma nova ação, o programa Diálogos Estratégicos. A cooperação intensifica a relação entre acadêmicos de instituições brasileiras e norte-americanas, em áreas de interesse para as duas comunidades científicas. O programa apoiará a participação de docentes e pesquisadores de alto nível em programas de pós-graduação de doutorado e mestrado ministrados no Brasil e nos EUA. Além disso, as universidades serão estimuladas a fortalecer e aumentar a cooperação acadêmica.

De 1998 a 2010, a Capes financiou a formação de 6.016 bolsistas em universidades dos Estados Unidos em todas as áreas do conhecimento, principalmente qualificando profissionais em engenharias, ciências sociais aplicadas, ciências agrárias e da saúde. No total, a Capes mantém 14 programas de intercâmbio educacional e científico com os Estados Unidos.(ACS/MEC)

Fonte: CAPES

Brasil e China buscam cooperação científica entre as duas nações

Em visita ao Brasil, uma delegação liderada pelo vice-presidente da Academia Chinesa de Ciências (CSA, na sigla em inglês), Mianheng Jiang, participou de uma reunião, nesta segunda-feira (14), no MCT. No encontro, os participantes assinaram um memorando de entendimento entre o ministério e a CSA na intenção de promover o intercâmbio entre os dois países, com base em benefícios mútuos e reciprocidade.

O acordo visa concentrar atividades nos segmentos de nanociência, energias renováveis e biomedicina, mudanças climáticas e desastres naturais, tecnologias da informação e comunicação, difusão e popularização da ciência. As partes incentivarão o intercâmbio de pesquisadores em projetos conjuntos de pesquisa de interesse comum. Jiang sinalizou interesse nas áreas de segurança alimentar e energia.

Para agilizar as conversações, ficou acordada a indicação de pesquisadores dos dois países para acompanhar as ações e facilitar os encaminhamentos necessários com vistas à visita da presidente Dilma Roussef à China, prevista para abril. (Com informações do MCT)

Os Anos 70: Vladimir Herzog e sua Experiência Pioneira de Jornalismo Independente em uma Instituição Pública

Conferência de Paulo Markun sobre Vladimir Herzog abre ciclo sobre jornalismo e direitos humanos

O jornalista, escritor e diretor de documentários Paulo Markun faz a conferência "Os Anos 70: Vladimir Herzog e sua Experiência Pioneira de Jornalismo Independente em uma Instituição Pública" no dia 22 de março (terça-feira), às 13h, no Auditório Freitas Nobre da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP.

O evento abre o ciclo de conferências "Jornalismo, Liberdade e Direitos Humanos", que tem o objetivo de propiciar uma reflexão sobre o papel do jornalismo na promoção dos direitos humanos na sociedade brasileira.

O ciclo é uma realização do IEA, Departamento de Jornalismo e Editora (CJE) da ECA-USP e Instituto Vladimir Herzog (IVH). A coordenação é de Dennis de Oliveira, do CJE, com a colaboração de Eugênio Bucci, também do CJE, e Ivo Herzog, do IVH.

Local
O Auditório Freitas Nobre fica no Prédio de Jornalismo e Editoração da ECA-USP, Av. Lúcio Martins Rodrigues, 443, Cidade Universitária, São Paulo.

O evento terá transmissão ao vivo em www.iptv.usp.br.

Informações com com Sandra Sedini , tel. (11) 3091-1678.

BNDES - dotação de programa de microcrédito é aumentada

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) elevou a dotação do seu programa de microcrédito de R$ 250 milhões para R$ 450 milhões, a serem desembolsados até o fim de 2012. Em nota, o banco informou que o objetivo do programa é promover a geração de renda e emprego na economia popular aumentando as fontes de financiamentos para pequenos empreendedores, pessoa física ou jurídica, com receita bruta anual igual ou inferior a R$ 240 mil.

Os recursos do BNDES chegarão aos tomadores por uma rede de repassadores formada por agências de fomento regionais, instituições financeiras públicas ou privadas, cooperativas de crédito, bancos cooperativos, organizações da sociedade civil de interesse público (Oscips) e sociedades de crédito ao microempreendedor (SCM). O prazo máximo dos financiamentos é de 96 meses, dependendo de pisos estabelecidos pelo banco.

Entre 2008 e 2010, os desembolsos da carteira de microcrédito do BNDES atingiram R$ 101 milhões. Segundo o BNDES, atualmente o banco tem 58 operações contratadas no âmbito do Programa BNDES de Microcrédito: 34 são com Oscips, dez com cooperativas de crédito singulares, cinco com cooperativas centrais, quatro com agências de fomento, duas com bancos comerciais, duas com bancos cooperativos e uma com sociedade de crédito ao microempreendedor.

Fonte:  BNDES

British Council - Universidades alemãs são as mais internacionalizadas do mundo

A Alemanha figura em primeiro lugar no ranking das instituições de ensino superior mais internacionalizadas do mundo, à frente de universidades da Austrália, do Reino Unido e da China, de acordo com estudo realizado pelo British Council. Os Estados Unidos aparecem na sexta posição, atrás da Malásia. 

O ranking compara sistemas de ensino superior de 12 países, considerando aspectos como acessibilidade, qualidade e reputação, o apoio dispensado aos estudantes estrangeiros e o incentivo dado aos próprios alunos para que tenham experiências de estudo e pesquisa no exterior. O British Council, organização internacional sobre educação e cultura do Reino Unido, apresentou os resultados do estudo na conferência Going Global, realizada em Hong Kong na semana passada (11.03). A ótima posição obtida pela Alemanha no ranking resulta especialmente da estratégia de internacionalização e da promoção ativa da mobilidade, tanto para receber estrangeiros quanto para incentivar alemães a estudar no exterior, também por meio da conceção de bolsas de estudos.

De acordo com o British Council, as universidades alemãs tornaram-se significativamente mais atraentes para estudantes estrangeiros nos últimos anos. Uma das razões é que mais e mais cursos e até programas inteiros estão sendo oferecidos em inglês. Além disso, taxas de matrícula e semestralidades são bastante baixas. O estudo também refere-se positivamente à legislação que permite que estudantes estrangeiros trabalhem na Alemanha. Outro aspecto apontado no estudo é que os alemães são os estudantes com maior mobilidade na Europa. Colabora com esse resultado o fato de o Ministério Alemão da Educação e Pesquisa (BMBF) ter como meta que pelo menos metade de seus estudantes faça parte dos estudos fora do país.

O DAAD (Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico) é a agência que representa internacionalmente as instituições de ensino da Alemanha. O DAAD as aconselha e apoia e, com recursos do BMBF, desenvolve campanhas de marketing sobre estudo e pesquisa na Alemanha. “A posição da Alemanha no ranking é uma merecida conquista para nossas instituições de ensino superior. Nos últimos anos, elas fizeram consideráveis esforços e enfrentaram a competição global para atrair estudantes estrangeiros. E vamos continuar trabalhando para dar às universidades maior suporte”, afirma a secretária-geral do DAAD, Dr. Dorothea Rüland.

Fonte:DAAD

ANVISA - normas para funcionamento dos Centros de Tecnologia Celular

Vigilância Sanitária estabelece normas para funcionamento dos Centros de Tecnologia Celular
Foi publicada, no Diário Oficial da União do dia 16 de março, a resolução nº 9 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que dispõe sobre o funcionamento dos Centros de Tecnologia Celular para fins de pesquisa clínica e terapia.

O objetivo é estabelecer requisitos técnico-sanitários mínimos para a coleta, processamento, acondicionamento, armazenamento, testes de controle de qualidade, descarte, liberação para uso e transporte de células humanas e seus derivados visando à segurança e à qualidade das células e de seus derivados disponibilizados para pesquisa clínica e terapia.

Estão excluídos desta resolução os estabelecimentos que utilizem células humanas e seus derivados em pesquisa básica e pré-clínica. Os estabelecimentos abrangidos por essa resolução terão o prazo de um ano, contado a partir da data de sua publicação para promover as adequações necessárias ao seu cumprimento.

Fonte: Gestão CT

Brasil forma poucos engenheiros


Os índices de titulação nas engenharias atingiam, em 2008, 35% nas instituições de ensino superior (IES) públicas e 25% nas IES particulares, demonstrando elevada evasão. Também naquele ano, cerca de 90 mil vagas em engenharia oferecidas no vestibular não foram ocupadas.

Essas informações foram constatadas pelo Grupo de Trabalho GT-Engenharia, a partir da base de dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O grupo se reuniu nesta semana na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) para discutir o assunto.

Os números ainda revelam que o Brasil forma menos engenheiros por ano quando comparado aos outros países que compõem os Brics (Rússia, Índia e China). São cerca de 40 mil, incluindo tecnólogos e habilitações em construção civil, produção e meio ambiente, contra 650 mil na China, 220 mil na Índia, e 190 mil na Rússia, conforme dados de 2009.

Para sustentar um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da ordem de 5% ao ano, seria necessário aumentar em 21% a formação anual destes profissionais, e em 41% caso o crescimento atinja 7%. O GT preparou proposta de decreto para implantar o Programa Pró-Engenharias, pelo qual a Capes e o CNPq concederiam bolsas de estudo e pesquisa, e promoveriam ações de apoio visando reduzir a ociosidade de vagas disponíveis e a evasão.

O GT-Engenharia foi instituído em fevereiro de 2010, sendo composto por representantes da comunidade acadêmica, de agências de fomento e da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Sua missão principal é analisar a situação da formação de engenheiros no Brasil e propor medidas visando a melhoria quantitativa e qualitativa de sua formação. (Com informações da Capes)

Fonte: Gestão CT

Inpe- aberta seleção para bolsistas de pós-doutorado

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) receberá, até o dia 30 deste mês, as inscrições para concessão de bolsa de pós-doutorado. Os selecionados atuarão no Laboratório Associado de Sensores e Materiais (LAS), instalado em São José dos Campos, e desenvolverá pesquisa na área de mecanismos de absorção de água.

O benefício tem valor de R$ 3,3 mil e duração de até cinco anos. A carga horária é de 40 horas semanais e a instituição exige dedicação exclusiva. Podem concorrer doutores em ciência ou engenharia de materiais, engenharia química, química ou física, que tenham obtido o título há no máximo cinco anos. As atividades terão início em maio próximo.(Com informações do Inpe)

Fonte: Gestão CT

FINEP e BNDES - acordo de R$1 bi para inovação em açúcar e etanol

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Ministério da Ciência e Tecnologia, assinaram hoje, no Rio, acordo de cooperação técnica de R$1 bilhão para execução do Plano Conjunto de Apoio à Inovação Tecnológica Industrial dos Setores Sucroenergético e Sucroquímico (PAISS).

Os recursos serão liberados entre 2011 e 2014, dentro das linhas e programas já existentes nas duas instituições.

"O acordo é um esforço conjunto das duas instituições de enfrentar o desafio tecnológico dos biocombustíveis de segunda geração, para manter nossa liderança e colocar o país mais próximo ou a fronteira de criação tecnológica de pesquisas nestas áreas", indicou o presidente do BNDES, Luciano Coutinho.

O novo programa é para o período 2011-2014 e seu objetivo é fomentar projetos que visem o desenvolvimento, a produção e a comercialização de novas tecnologias industriais destinadas ao processamento da biomassa proveniente da cana-de-açúcar.

"As pesquisas que hoje ainda são necessárias na área de primeira geração, onde o Brasil é altamente competitivo, permitem um aumento de produtividade na ordem de 4% ao ano. Nas áreas de segunda geração, há uma competição internacional entre os países para ver quem vai ser o mais ou o menos competitivo e estas pesquisas podem permitir que a cheguemos em até 50% o aumento no incremento de competitividade ao ano, o que significa um salto de qualidade gigantesco. Não esta claro ainda quais serão as nações que dispontarão neste cenário, mas o Brasil tem muitas vantagens. Logo, temos que investir nisso e acredito que este acordo irá impulsionar a pesquisa e o desenvolvimento nessas áreas de segunda geração no país", explica o presidente da FINEP, Glauco Arbix.

Os investidores poderão obter financiamento dentro das diversas linhas e programas do BNDES e da FINEP, de acordo com as características dos projetos, incluindo participação societária por intermédio da BNDESPAR.

O programa contará com três linhas temáticas: o Bioetanol de 2ª geração; novos produtos de cana-de-açúcar, incluindo o desenvolvimento a partir da biomassa da cana por meio de processos biotecnológicos; e gaseificação, com ênfase em tecnologias, equipamentos, processos e catalisadores.

Fonte: Maria Fernanda Romero - TN Petróleo

UFRJ - Estudo desenvolve suplementos alimentares para melhorar desempenho físico de atletas

Quantos anos a mais Ronaldo, o fenômeno, permaneceria nos campos se tivesse recebido, diariamente, suplementos que ajudassem na recuperação de seu corpo após cada treinamento e jogo? Quantas lesões teriam sido evitadas e quantos jogos a mais ele teria jogado? Isso não dá para saber ao certo, mas, visando melhorar o desempenho de atletas, a pesquisadora Anna Paola Pierucci já desenvolve um estudo para gerar esses que seriam os melhores amigos dos profissionais do esporte.

Nutricionista e professora do Instituto de Nutrição Josué de Castro da Universidade Federal do Rio de Janeiro (INJC – UFRJ), Anna Paola Pierucci comanda, no Laboratório de Desenvolvimento de Alimentos para Fins Especiais e Educacionais (LabDAFEE), um estudo que visa a orientação nutricional e suplementação alimentar para formação de atletas de alto desempenho. O estudo foi desenvolvido com biomaterias ativos, micro e nanoencapsulados, e seu campo de estudo envolve pentatletas de base que treinam na Federação de Pentatlo Moderno do Estado do Rio de Janeiro (FPMERJ).

No caso específico dessa pesquisa, os chamados biomateriais são transportadores (pequenas cápsulas) que levam nutrientes, através da membrana do intestino, até o seu destino dentro do organismo. Eles só começam a afrouxar a sua estrutura dentro do intestino. “Existem substâncias que são muito instáveis. Elas acabam degradando-se antes de chegar ao seu final esperado. Encapsular, logo, é proteger essas vitaminas dos outros componentes do alimento que vai recebê-las, e vice versa, pois elas também podem provocar alterações nas propriedades do alimento”, explica Anna Paola.

A grande questão do trabalho é se as partículas das vitaminas devem ser micro ou nano, expõe a pesquisadora. A diferença entre eles é basicamente o tamanho. O nano é mil vezes menor que o micrometro, mas, segundo a pesquisadora, isso faz toda a diferença: “Teoricamente, o que se vê é que as substâncias micro não são absorvidas pelas células, pois precisam ser liberadas antes, devido ao seu tamanho. Alguns estudos, na literatura, já mostraram que, ao reduzir essas estruturas para nano, é possível uma absorção direta, ainda encapsulada”, detalha.

A expectativa é grande. “Se comprovado para esse caso em especial o que a literatura afirma, poderemos garantir as propriedades da substância até ela entrar na corrente sanguínea e, dependendo do material que está encapsulando pode encaminhar para algum órgão específico”, anima-se Anna Paola Pierucci. “A nossa grande intenção é chegar nessa escala nano, para verificar de fato se há essa diferença na captação desses materiais”, declara a pesquisadora.

Por que utilizar atletas no estudo?

A nutricionista e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Anna Paola Pierucci, segundo ela própria, sempre trabalhou com a parte de nutrição de atletas. Logo, esse know-how adquirido contou na hora de escolher o seu campo de estudo. Segundo ela, a sua experiência facilita a aplicação das substâncias envolvidas e a avaliação dos efeitos desse estudo.

“Atletas, teoricamente, são pessoas saudáveis. Então, para você interferir e administrar uma substância é mais fácil que em pessoas enfermas”, declara a professora. Segundo sua explicação, como os atletas treinam intensamente e as atividades são muito desgastantes, eles entram no chamado estresse oxidativo. Esse fenômeno é caracterizado pela produção de uma série de moléculas oxidadas, podendo provocar morte celular, lesões, dores musculares e outros malefícios.

As famosas lesões no joelho de jogadores de futebol são em parte ocasionadas por esse estresse oxidativo, ressalta a pesquisadora. Além disso, de acordo com ela, esse fenômeno reduz a capacidade de se exercitar do atleta. Os que competem seguidamente, como é o caso dos jogadores de futebol, dos pentatletas, tem treinos diários e desgastantes. “O quanto mais rápido eles se recuperarem daquele treino, melhor será o desempenho atlético no dia seguinte”, afirma Anna Paola.
Dessa forma, o produto desenvolvido tem essa intenção: acelerar a recuperação pós-treino ou competição, de forma que o desportista possa estar restabelecido para a nova competição ou o novo treinamento dele, no dia seguinte. “O estudo é com atletas, mas provavelmente poderá ser utilizado no tratamento de outras doenças. Para comprovar, teremos que utilizar outro estudo. Mas se nós percebemos o efeito antioxidante frente à atividade física, provavelmente, também observaremos frente a uma patologia”, acredita Anna Paola Pierucci.

Gel enérgético

O início desse estudo se deu com o desenvolvimento do alimento com o gel, em 1999, para a dissertação de mestrado da pesquisadora. “Eu desenvolvi esse gel energético para ser utilizado na recuperação de atletas, após eventos esportivos ou treinamentos muito intensos. Por conter carboidratos, ele pode acelerar a reposição de energia na forma de glicogênio para o músculo”, declara.

Depois disso, Anna Pierucci resolveu testar a introdução de partículas antioxidante, como as vitaminas C e E, nesse alimento em gel. Contudo, ela percebeu que dessa forma, as vitaminas degradavam com muita rapidez. “Elas interagem entre si. A vitamina C protege a vitamina E contra oxidação, mas ao fazer isso ela própria se oxida, degradando-se”, explica. Foi assim que surgiu a idéia de encapsular essas as vitaminas e introduzi-las no gel, em seu trabalho de doutorado: o processo de encapsulamento dessas vitaminas.

Na sequência, veio o estudo com atletas de futebol, na orientação de uma dissertação de mestrado. A intenção era ver se essas vitaminas encapsuladas teriam uma ação diferenciada no combate ao estresse oxidativo. Para isso, a pesquisa selecionou atletas de elite de futebol, juniores. O resultado do estudo mostrou que após um jogo, o consumo dessa vitamina encapsulada e inserida dentro do gel, pode criar um efeito oxidante prolongado, maior que quando oferecida de forma livre.

“Isso é vantajoso, pois quando o atleta sai do jogo ele está em uma situação de estresse oxidativo que se prolonga, às vezes por um ou dois dias. Então, quando você tem um produto administrado, gradativamente, ao longo de um determinado tempo, isso é interessante, pois à medida que o organismo vai produzindo radicais livres, a vitamina vai atuando sobre eles. Não é aquela coisa pontual”, explica Anna.

O estudo com atletas do pentaclo moderno é o estágio mais avançado desse estudo que começou em 1999. Os desgastes provocados pela carga excessiva de atividade, podem diminuir o seu tempo de carreira do profissional. É difícil comprovar isso, assume ela, é um estudo que demanda tempo, longitudinal, grande, mas a intenção final do estudo é essa: proporcionar ao atleta uma recuperação rápida, para que ele possa manter, ou até mesmo, melhorar a sua performance.

Diferença para os outros tipos de suplemento
De acordo com a professora do Instituto de Nutrição Josué de Castro da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Anna Paola Pierucci, os suplementos disponíveis no mercado, não possuem a mesma função que os que estão em desenvolvimento no laboratório. “A aplicação desses produtos desenvolvidos não é para produzir aumento de massa muscular ou emagrecimento. Eles são específicos para os atletas que apresentam alto desgaste físico, durante a carga de treinamento ou competição. Não é para ser consumido por pessoas comuns, é para atletas” informa.

Fonte: Luana Severiano / Olhar Vital - UFRJ

Biblioteca Nacional da França - BNF - abre chamada para pesquisadores

Com o objetivo de desenvolver vínculos com o mundo da pesquisa, a Biblioteca Nacional da França – BnF lança, desde de 2003, chamadas anuais a estudantes e doutorandos, e acolhe pesquisadores interessados em suas coleções ou em sua organização

Essa chamada destina-se aos estudantes franceses e estrangeiros titulares de um master Recherche (M2) ou que tenham um doutorado em projeto ou em curso e sejam vinculados a um estabelecimento francês de pesquisa. A BnF propõe trabalhos, ligados a uma pesquisa universitária, sobre suas coleções ou sobre meios de valorizá-las. Os pesquisadores podem também propor outros temas ligados às coleções da BnF.

Os candidatos são selecionados por uma comissão específica, composta por membros do Conselho científico da Biblioteca, e os aprovados beneficiam-se do status de pesquisador associado. A comissão também avalia os dossiês dos pesquisadores associados a fim de determinar dois beneficiários de uma bolsa de 10.000 euros concedida por um ano , aos quais é atribuído o status de pesquisador convidado.

Bolsas de pesquisa sobre temas específicos são concedidas através do apoio de diversos mecenas da BnF (Louis Roederer, Fondation d'entreprise L'Oréal, entre outros).

Os projetos de pesquisa são dirigidos conjuntamente por um tutor na biblioteca e pelo orientador de pesquisa na universidade. Possibilidades de publicação são oferecidas para a divulgação dos resultados dos trabalhos empreendidos.

As candidaturas e os pedidos de bolsa devem ser feitos até 30 de março de 2011.

Fonte: CenDoTeC

CMN aprova concessão de financiamentos para bens de capital e inovação

A Resolução nº 3.955, de 9 de março de 2011, publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU) de quinta-feira (10/03), informa sobre decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN que “amplia o limite, altera a distribuição de recursos e modifica condições para a concessão de financiamentos” que constam na Resolução nº 3.759, de 9 de julho de 2009. Tal resolução de 2009 “estabelece condições para a concessão de financiamentos passíveis de subvenção econômica pela União, destinados à aquisição e produção de bens de capital e à inovação tecnológica”.

Com o novo texto, sob modalidade de equalização de taxas de juros, observam-se alguns critérios elencados no bojo da resolução:

“I – beneficiários e itens financiáveis, respeitadas as exigências do BNDES:
i) sociedades nacionais e estrangeiras, com sede e administração no Brasil, empresários individuais, associações e fundações para aquisição de peças, partes e componentes de fabricação nacional, bem como de serviços tecnológicos, tais como itens para incorporação em máquinas e equipamentos em fase de produção ou de desenvolvimento;

j) sociedades nacionais e estrangeiras, com sede e administração no Brasil, empresários individuais, associações e fundações, que pretendam desenvolver projetos: (i) de engenharia nos setores de bens de capital, defesa, automotivo, aeronáutico, aeroespacial, nuclear e na cadeia de fornecedores das indústrias de petróleo e gás e naval; (ii) de inovação tecnológica que apresentem oportunidade comprovada de mercado; e (iii) de investimentos necessários à absorção dos resultados do processo de inovação tecnológica; e k) sociedades nacionais e estrangeiras, com sede e administração no Brasil, empresários individuais, associações, fundações e pessoas jurídicas de direito público, nas esferas estadual, municipal e do Distrito Federal, para produção ou aquisição de bens de informática e automação, e o capital de giro associado, abrangidos pela Lei nº 8.248, de 23 de outubro de 1991, que cumpram o Processo Produtivo Básico (PPB) e que sejam desenvolvidos no País de acordo com a Portaria nº 950, de 12 de dezembro de 2006, do Ministério da Ciência e Tecnologia;”(Com informações do Blog do Planalto)

Fonte: Blog do Planalto

USP - Bolsas de Pós Graduação em Educação

PD em educação com Bolsas da FAPESP
O grupo de estudos Programas Especiais de Formação de Professores, Educação a Distância e Escolarização da Universidade de São Paulo, apoiado pela FAPESP na modalidade Auxílio à Pesquisa – Projeto Temático, em colaboração com pesquisadoras da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e do Instituto de Psicologia da USP, dispõe de três Bolsas de Pós-Doutorado destinadas ao desenvolvimento de pesquisa sobre os seguintes temas e objetivos:

1) Novos modelos de formação de professores em serviço em países da América Latina (séries iniciais do EF) – duas bolsas
Supervisão: Belmira Oliveira Bueno e Marilene Proença Rebello de Souza
Objetivos: Desenvolver análises comparativas entre os modelos de formação de professores que surgem após os anos 1990 na Argentina e no México; analisar as estratégias de ajuste às demandas nacionais; levantar dados sobre as repercussões de tais modelos para os processos de escolarização nos países em questão.

2. O trabalho docente nos diferentes modelos criados na América Latina para formação de professores em serviço (séries iniciais do EF) – uma bolsa
Supervisão: Alda Junqueira Marin
Objetivos: Rastrear a gênese desses cursos no que tange às propostas de trabalho docente na Argentina e no México; localizar, na documentação específica, a regulação para o exercício das funções de ensino nesses modelos; desenvolver análises comparativas entre tais modelos de formação e aqueles adotados no Brasil, especialmente os cursos especiais para professores em serviço.

O valor da bolsa é de R$ 5.028,90 mensais. A duração do projeto será de 12 meses. Há também Reserva Técnica, conforme tabela da FAPESP.

Pré-requisitos para aplicações:

* Ter título de doutor, com comprovada competência na área e tema proposto;
* Se houver vínculo empregatício, comprovar a concordância da instituição em conceder afastamento sem vencimentos;
Apresentar currículo atualizado, carta de recomendação, carta contendo breve relato de sua experiência e objetivo de carreira. Os documentos devem ser enviados em formato PDF.

Os candidatos aceitos deverão:

* Apresentar ao menos um artigo científico para publicação em periódicos nacionais ou internacionais na área da pesquisa e um relatório anual de atividades;
* Participar ativamente do Grupo de Pesquisa e apresentar ao menos um seminário por semestre;
* Reconhecer e citar o Grupo de Pesquisa nos resultados do projeto de pesquisa, como livros, artigos e outras formas de transferência de conhecimento.

As propostas deverão ser enviadas até o dia 31 de março de 2011 para a dra. Marilene Proença, no e-mail.

A vaga está aberta a brasileiros e estrangeiros. O selecionado receberá Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP, no valor de R$ 5.028,90 mensais.

Outras vagas de Bolsas de Pós-Doutorado, em diversas áreas do conhecimento, estão no site FAPESP-Oportunidades.

Fonte: Agência FAPESP

Unesp e Univesp adquirem nove mil livros para bibliotecas de ensino a distância

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp) irão financiar a aquisição de mais 9 mil títulos da área de humanidades para as bibliotecas do curso semipresencial de pedagogia oferecido em parceria pelas duas instituições.

O material será distribuído entre as bibliotecas dos 21 polos de apoio presencial do curso de graduação em Pedagogia, situados em campi da Unesp. Serão investidos R$ 450 mil nesta primeira etapa de aquisição.

O curso é a primeira graduação a distância da Univesp e atende preferencialmente professores de educação básica da rede de ensino estadual. O acervo estará disponível também para os demais alunos dos câmpus da Unesp e para a comunidade em geral.

Em dezembro de 2010, as bibliotecas haviam recebido mais de 1,3 mil livros. A previsão é que até 2013 cerca de R$ 1 milhão seja destinado para a compra de livros.

As publicações foram indicadas pelos professores autores das disciplinas do curso de Pedagogia, que são também docentes da Unesp. Os títulos adquiridos nesta primeira compra contemplam os módulos “Introdução à educação” e “Educação, cultura e desenvolvimento”.

Mais informações: www.cidadao.sp.gov.br

Fonte: Agência FAPESP

FAO e a OMS solicitam dados científicos relacionados ao melão

Solicitação de dados científicos sobre melões
A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgaram uma chamada mundial de solicitação de dados científicos relacionados ao tema “Identificação e controle de riscos microbiológicos associados a melões”. As informações devem ser enviadas até o dia 1º de maio.

De acordo com as instituições, o objetivo da chamada é reunir dados e informações do maior número possível de fontes, a fim de se obter uma visão geral da extensão atual do problema e inventariar as várias práticas de produção e colheita ao redor do mundo, possibilitando uma avaliação dos riscos ou benefícios potenciais associados a essas práticas.

Os dados serão utilizados para o desenvolvimento de um código de práticas internacional. Esse tipo de iniciativa exige que se leve em consideração as variedades de melões produzidos em todo o mundo, a gama de riscos existentes, as práticas de produção e de pós-colheita empregadas, a distribuição e venda no varejo e a forma como os melões são utilizados pelo consumidor final.

Os eixos temáticos de interesse são: “As doenças ligadas aos melões”, “Práticas de produção”, “Práticas de colheita”, “Práticas pós-colheita”, “Processamento”, “Distribuição”, “Utilização pelo varejo e pelo consumidor” e “Documentação e rastreamento de produto”.

As chamadas de solicitação de dados da FAO-OMS são abertas a todas as partes interessadas. As entidades estão fazendo a solicitação a governos, organizações interessadas, produtores, exportadores, varejistas, associações de comércio, profissionais da saúde, universidades, institutos de pesquisa, laboratórios e indivíduos que possam apresentar qualquer dado disponível sobre as áreas de interesse.

Os dados podem ser inéditos ou publicados. Quando aplicáveis, os dados devem conter referência para estudos publicados. A FAO e a OMS reconhecem que algumas das informações e dados relevantes que são solicitados podem ser de natureza sensível ou confidencial. No caso de material inédito, a propriedade dos dados permanecerá com o autor, para subsequente publicação.

Fonte: Agência FAPESP