quinta-feira, 3 de março de 2011

Em 1910 era anunciada a cura da sífilis

No dia 3 de março de 1910, foi anunciado o sucesso de um novo medicamento contra a sífilis, descoberto pelo sorologista Paul Ehrlich. O Salvarsan combate a doença que matara milhares de europeus durante séculos.

Ninguém quis acreditar quando o psiquiatra Konrad Alt anunciou à Associação de Medicina de Magdeburg, no dia 3 de março de 1910, que o tratamento de 27 pacientes de sífilis com um novo medicamento havia obtido êxito.

O novo antídoto contra a epidemia popular se chamava Salvarsan, e foi a sensação da época. Para se imaginar a euforia provocada pela notícia, pode-se pensar no que representaria o anúncio da cura da aids hoje.

A pessoa por trás do grande feito foi o sorologista Paul Ehrlich, de Frankfurt, que necessitou de dinheiro, paciência, talento e sorte para realizar seus experimentos.

Origem da doença
A sífilis foi trazida para a Europa com a expedição de Cristóvão Colombo ao retornar da América do Sul. Em 1495, houve a primeira epidemia entre soldados e marinheiros em Nápoles, na Itália, e a partir de então milhares de pessoas morreram vítimas da "doença do amor" ou "lues", alguns dos nomes comumente dados à sífilis.

Segundo um historiador de Düsseldorf, estima-se que um terço da população europeia tenha sido dizimada pela epidemia. "Havia, naquela época, duas doenças populares, a tuberculose e a sífilis. A sífilis era a mais temida."

Veneno contra veneno
A doença não escolhia classe social para fazer suas vítimas. Grandes personalidades como Beethoven, Schubert, Schiller, Schopenhauer, ETA Hoffmann e Nietzsche sofreram de sífilis, mal que podia levar à cegueira, à surdez, à loucura e frequentemente à morte, se não diagnosticado e tratado a tempo.

A descoberta de Ehrlich deu um novo rumo à história. A substância básica da sua pílula mágica era o arsênico. O nome, Salvarsan, vem das palavras latinas salve, que significa saudável, e arsen, o arsênico. Durante 400 anos, havia sido usado o mercúrio para o tratamento da sífilis, com sucesso duvidoso, devido à toxicidade da substância. Do arsênico também se tinha medo, pois uma dosagem alta demais é fatal.

O agente causador da sífilis é a bactéria treponema pallidum, descoberta em 1905 por Fritz Richard Schaudinn e Paul Erich Hoffmann. Ela é quase invisível ao microscópio e por isso só foi descoberta tão tardiamente, bem mais tarde do que os microorganismos causadores da tuberculose, malária e difteria.

Paul Ehrlich desenvolveu o Salvarsan o medicamento em 1907 – mais de dois anos antes de a novidade ser apresentada em Magdeburg por seu colega Alt – depois de anos analisando preparados, mudando componentes, buscando encontrar alguma substância que combatesse o agente, sem prejudicar o organismo. E assim foi criado o Salvarsan 606, o 606º experimento. O restante do processo ainda demoraria anos. Ehrlich somente queria lançar o medicamento no mercado após havê-lo testado-lo em seres humanos.

A "guerra do Salvarsan"
Houve uma grande pressão da mídia em favor da liberação do medicamento e, em consequência, processos que forçaram Ehrlich a colocar a substância à disposição do público. Ainda assim, ele recebeu em 1908 o Prêmio Nobel da Medicina.

1910 foi o ano decisivo. O medicamento tornou-se uma verdadeira fábrica de dinheiro. A industrialização foi feita pela detentora da patente, a Hoechst. Mas para Ehrlich a história ainda não terminara. Iniciou-se a chamada "guerra do Salvarsan", com inúmeras acusações de efeitos colaterais, que na maioria dos casos eram resultados de aplicação imprópria.

Na Alemanha havia então forte movimento antissemita, que organizou uma campanha contra o sorologista, que era judeu. E havia também os religiosos fanáticos, para quem a sífilis era o castigo merecido para o pecado a luxúria: portanto não deveria haver cura.

Para os editores de um livreto cristão, todos os possíveis medicamentos eram um escândalo, pois ainda contribuíam para sossegar a consciência e deixar de lado as medidas de precaução dos libertinos.

Paul Ehrlich morreu em 1915. Aos poucos, o escândalo em torno do Salvarsan se acalmou e o medicamento fez sucesso em todo o mundo. A história da pílula mágica de Ehrlich terminou com o aparecimento dos antibióticos modernos.

Fonte: Ramón Garcia-Ziemsen (cv) / DW

O Plano e o pânico: os movimentos sociais na década da Abolição

Movimento da senzala
Com base na historiografia tradicional, o abolicionismo e o fim da escravidão no Brasil foram interpretados por muito tempo como processos elitistas, nos quais o escravo aparecia como um personagem passivo. O livro O Plano e o pânico: os movimentos sociais na década da Abolição, que acaba de ganhar sua segunda edição, revista, vem contribuindo desde 1994 para mudar essa visão.

O fim da escravidão foi resultado de uma cultura política gestada no cotidiano do trabalho nas senzalas, de acordo com a obra, fundamentada em pesquisa realizada a partir de múltiplas fontes por Maria Helena Toledo de Machado, professora do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com Maria Helena, a tese central do livro – que teve origem em sua pesquisa de doutorado, concluída na USP em 1991 – é que os escravos não tiveram um papel passivo no processo que culminou com o fim da escravidão, que não teve nada de elitista, ao contrário do que deixava transparecer a historiografia abolicionista.

“Os escravos tiveram ampla participação no processo, em um movimento que também envolveu trabalhadores livres pobres e imigrantes. A atuação dos líderes abolicionistas só é compreensível como parte de um contexto de uma cultura política que teve origem nas senzalas, com a tensão social causada por sucessivas fugas em massa ao longo da década de 1880”, disse à Agência FAPESP.

Segundo a historiadora, o objetivo do livro era analisar a atuação dos escravos no processo de abolição, no período entre 1880 e 1888, no contexto paulista. Para isso, além de consultar uma bibliografia internacional, ela realizou uma pesquisa inédita considerando acervos judiciários e a documentação da polícia em cidades paulistas.

“Tratava-se de uma documentação massiva, com milhares de documentos que mapeei para selecionar apenas o que se referia aos escravos. A partir dessa seleção, valorizei os casos que relatavam revoltas, fugas em massa, homicídios, invasões de cidades e outros movimentos de maior impacto”, afirmou.

A pesquisadora, então, visitou diversas cidades paulistas, consultou cartórios locais e levantou processos criminais relacionados aos eventos que estavam listados na documentação oficial da polícia.

“Além disso, encontrei no Arquivo do Estado, pela primeira vez, o livro de reservados da polícia – onde eram registrados os fatos que não podiam ser divulgados para o público. Colhi os relatórios mais gerais dos chefes da polícia, dos presidentes das províncias e dos jornais da época”, disse Maria Helena.

No ano de 1885, por exemplo, os relatórios do chefe de polícia de Campinas relatavam que havia sido um ano tranquilo, sem maiores problemas a não ser pequenas ocorrências pontuais com escravos. Enquanto isso, o livro de reservados registrava um cenário certamente mais próximo da realidade: a cidade estava em perigo iminente com as fugas em massa de escravos.

“Percebi que os jornais eram censurados e retratavam uma versão rósea da realidade que a polícia de fato estava enfrentando. Acompanhei diversos estágios da produção dos eventos. Desde os primeiros telegramas, nos quais os fazendeiros pediam socorro ao subdelegado depois da invasão da sede de uma fazenda por escravos armados, passando pela notificação de cada autoridade, até chegar ao desenrolar do conflito e à divulgação nos jornais”, disse.

Onda de pânico

A historiadora descobriu revoltas de escravos que não haviam sido documentadas anteriormente. Uma delas, abortada, estava planejada para ser realizada em Resende (RJ), em 1881. Os registros diziam que um homem branco conhecido como Mesquita tinha chegado dos Estados Unidos e estava organizando uma revolta de escravos sem precedentes.

“Ele orientava os escravos a roubar armas dos senhores, a cortar os fios dos telégrafos e a roubar cavalos. Planejava articular uma ação orquestrada e formar uma excursão para a corte, no Rio de Janeiro, a fim de exigir a abolição da escravidão. Vários episódios mostravam grande movimentação social naquela década – entre São Paulo e Rio de Janeiro – com participação ativa dos escravos”, disse Maria Helena.

Outra revolta estudada foi organizada em 1882, em Campinas (SP), e chegou a ser realizada, embora em dimensão menor que a planejada. Liderada por um escravo liberto chamado Felipe Santiago, essa revolta foi associada à organização de uma seita religiosa denominada Arásia.

“Os adeptos tinham iniciações, recebiam novos nomes e eram marcados no corpo em ritos iniciáticos. Esses escravos haviam comprado armas e invadiram a cidade de Campinas em uma ação muito violenta. Esse tipo de episódio dissipa a ideia de que a abolição foi uma libertação passiva, ou um protesto irracional e apolítico dos escravos”, contou.

O título do livro – O Plano e o pânico –, segundo Maria Helena, remete à organização deliberada das revoltas arquitetadas por escravos e à onda de pânico por elas espalhada entre os escravistas.

“Depois da revolta de Resende em 1881, houve vários outros episódios e o pânico se espalhou pelo território paulista. O medo era tamanho que, em Bananal, por exemplo, as pessoas chegaram a abandonar as fazendas e fugir para a cidade. As polícias paulista e fluminense, despreparadas, sem armamentos, sem treinamento, viram-se sob o risco palpável de eventos violentos durante toda a década”, disse Maria Helena.

Fonte: Fábio de Castro /Agência FAPESP