sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Prêmio Idea Brasil 2011

Prêmio Idea Brasil 2011 recebe inscrições
Estão abertas até o dia 31 de janeiro as inscrições para o Prêmio Idea Brasil 2011, edição nacional do maior prêmio de design dos Estados Unidos, o International Design Excellence Awards (Idea). O objetivo é premiar a excelência do design brasileiro.

Podem participar profissionais de design, empresas de todos os portes, estudantes e instituições de ensino. As categorias são: comerciais e industriais; comunicação; informática; estratégia de design; entretenimento; ambientes; casa; design de interface; lazer e recreação; médicos e científicos; escritório; embalagens; acessórios pessoais; estudantes; pesquisa; transportes automóveis; joias; têxtil; e design de serviço.

Os projetos e produtos inscritos devem ter sido colocados em distribuição comercial no Brasil entre os dias 6 de fevereiro de 2009 e 6 de fevereiro de 2011. O produto deve estar disponível, na sua forma definitiva, para venda ao usuário final durante aquele período.

Os premiados na edição brasileira são automaticamente inscritos no prêmio norte-americano, o Idea Awards, concorrendo com participantes do mundo inteiro. Além disso, os cases dos vencedores são divulgados pela mídia no Brasil e no exterior, facilitando contatos com empresas nacionais e internacionais.

Os vencedores do Idea Brasil podem utilizar um selo exclusivo alusivo à premiação, indicando ouro, prata ou bronze que, além de atestar a excelência do produto, confere um importante diferencial competitivo no mercado.

Premiados
No ano passado, foram mais de 400 projetos inscritos, com 78 vencedores, dos quais nove premiados na versão americana, incluindo quatro ouros. Algumas das empresas contempladas na edição brasileira são: Caloi, Deca, Electrolux, Embraer, Faber-Castell, Fiat, Havaianas, Massey Ferguson, Motorola, Natura, Nestlé, O Boticário, Pão de Açúcar, entre outras.

O Idea Brasil é realizado pela Associação Objeto Brasil, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (Apex-Brasil), sob licença da Industrial Designers Society of America (IDSA).

Fonte: Gestão CT

INPI registra recorde histórico de pedidos de marcas em 2010

Um dos indicadores que mostram a volta da economia em 2010, depois da crise de 2008, é o recorde histórico de pedidos de novas marcas ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Em 2010, a instituição recebeu 129,6 mil solicitações, aumento de 16% em relação a 2009, que registrou 111,7 mil pedidos. O recorde anterior foi em 2008, quando o instituto havia recebido 123,7 mil pedidos de marcas, o equivalente a 4,7% a menos do que o resultado obtido em 2010. Na última década, o crescimento acumulado chegou a quase 40%.

Uma das razões para explicar esse aumento é a implantação do sistema eletrônico e-Marcas. Este ano, os pedidos pela internet cresceram 20% contra apenas 3% de incremento nas solicitações em papel. Do total dos pedidos de 2010, 70,3% - o equivalente a 91,1 mil - foram realizados via web, enquanto 29,7% - correspondente a 38,5 mil pedidos - foram feitos pelo método tradicional.

Fonte:Gestão CT

Embrapa e MCT discutem parceria

O diretor presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Pedro Arraes, se reuniu nesta terça-feira (18) com o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, e discutiu a participação mais ativa da Embrapa no Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA).

A ideia é transformá-lo em um espaço de excelência em bioprospecção da biodiversidade amazônica. “Creio que essa seja uma grande oportunidade para a Embrapa na Amazônia. Ela vem ao encontro dos estudos que vêm sendo desenvolvidos pela Embrapa Estudos e Capacitação”, disse Arraes.

Durante o encontro também foi tratado a submissão de um projeto da Embrapa, na área de recursos genéticos, ao CT-Infra. A intenção da empresa é continuar com a reestruturação dos bancos de germoplasma dos quais é guardiã. “Também discutimos sobre a problemática da lei de acesso a recursos genéticos, que são estratégicos para o Estado brasileiro. Entendo que é importante termos uma lei que possa estimular a pesquisa e garantir que esse conhecimento fique no Brasil”, afirmou o diretor presidente.

De acordo com Arraes, o ministro da C&T mostrou-se interessado em conhecer melhor o programa Labex, os laboratórios virtuais da Embrapa no exterior. “Foi comentada, inclusive, a possibilidade de se abrir bolsas sanduíche invertidas, trazendo pesquisadores estrangeiros, ou brasileiros que atuam no exterior, para passar um período no Brasil”.

Fonte: Gestão CT

Sistema Nacional de Prevenção e Alerta irá informar sobre desastres naturais


O Sistema Nacional de Prevenção e Alerta, anunciado na segunda-feira (17) pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, irá informar sobre os desastres naturais mais comuns no Brasil, a exemplo dos deslizamentos de terra e inundações que ocorreram nos últimos dias na região serrana do Rio de Janeiro.

Segundo Mercadante, os dados das áreas de risco mais críticas já devem estar disponíveis no próximo verão, mas o sistema só deverá entrar em funcionamento integral em quatro anos. Para auxiliar as operações, será utilizado o supercomputador adquirido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

“O computador pode esquadrinhar o Brasil a cada cinco km² e aumentar a nossa capacidade de processar as informações. Isso nos dará informações mais precisas sobre a condição do tempo em cada local crítico”, disse. O ministro ressaltou ainda que para aprimorar os dados será ampliada a rede de radares meteorológicos e adquiridos pluviômetros. “Assim saberemos o volume e o local onde vai chover”.

O Sistema Nacional de Prevenção e Alerta será coordenado pelo secretário de Políticas de Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (Seped) do MCT, Carlos Nobre.

Fonte: Gestão CT

TecVitória - Estímulo à Adoção de Condutas Inovativas na Indústria Capixaba de Software e Serviços de TI

A TecVitória tem a satisfação de anunciar o Evento de Lançamento do projeto aprovado pelo CNPq, “Estímulo à Adoção de Condutas Inovativas na Indústria Capixaba de Software e Serviços de TI”.

Para este lançamento convidamos o prof. Silvio Meira, Cientista Chefe do C.E.S.A.R. (Instituição Vencedora do Prêmio FINEP de Inovação em 2010), que dentre diversos outros reconhecimentos recebeu em 15 de janeiro último o Prêmio Faz Diferença de O Globo, na categoria Economia.

O prof. Silvio Meira conduzirá o tema “Estimulo à Inovação para Empresas de TIC”, quando discorrerá sobre a Inovação no Porto Digital e como o C.E.S.A.R. fez para faturar R$ 46 mi em 2009, mantém 670 colaboradores e 75% de clientes internacionais.

O evento está marcado para o dia 8 de fevereiro de 2011 (terça-feira), às 13h30, no auditório do CCJE da UFES (Campus Goiabeiras).

A inscrição para a participação no evento é gratuita e deve ser feita através do endereço , onde há um conjunto de 7 perguntas, de cunho não sigiloso ou estratégico, a serem respondidas pelos responsáveis da empresa.

As respostas integrarão o julgamento para o Prêmio Inovação do Pólo de Software de Vitória a ser entregue ao final do projeto (2012), além de garantirem subsídios especiais ou gratuidade para a participação em diversos cursos, workshops e seminários durante o projeto (24 meses).

O número de vagas para este evento é limitado a 3 por empresa sendo dada prioridade a empresas de TIC associadas à TecVitória e à Assespro-ES, parceira nesta empreitada.

Fonte: Vinicius C. Barbosa / TecVitória – Pólo de Software de Vitória

Programa NossaBolsa - resultado aguarda lista de selecionados do Inep

Os candidatos que concorrem às vagas do Programa NossaBolsa, com foco em áreas estratégicas para o desenvolvimento do Espírito Santo, como engenharias (principalmente a do Petróleo), biomédicas e pedagogia, devem ficar atentos . O resultado será publicado em breve. Problemas no banco de dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) atrasaram a divulgação da lista de selecionados.

O número de vagas disponibilizadas pelo edital 2011 foi de 1,1 mil, distribuídas em 55 cursos de 32 instituições privadas. Os cursos mais procurados foram administração, com 1,9 mil inscrições, seguido de direito, com 1,6 mil, e pedagogia, que teve 1,2 mil inscritos. Já medicina teve o maior índice na relação candidato/vaga, com 297 concorrentes.(Com informações do Sect/ES) 

Fonte: Gestão CT

1954 - Lançado o Nautilus, o primeiro submarino nuclear

No dia 21 de janeiro de 1954, foi lançado pela primeira vez ao mar o submarino Nautilus, nos Estados Unidos.
A necessidade de uma fonte de energia adequada a longas missões navais foi um dos impulsos iniciais à pesquisa nuclear. Sob a direção de Hyman Rickover, os Estados Unidos implementaram o programa de desenvolvimento de um reator naval no fim dos anos 1940.
 
O submarino USS Nautilus, desenvolvido pela Electric Boat Division e lançado em 1954, provou as vantagens da propulsão nuclear principalmente para embarcações militares, sendo o primeiro a cruzar por baixo a placa de gelo do Polo Norte.
Hoje, o Nautilus é uma das principais atrações do Historic Ship Nautilus & Submarine Force Museum, na base naval de Groton (Connecticut). Seus sucessores provam o avanço tecnológico ocorrido nesse campo na segunda metade do século 20.
Os modernos submarinos atômicos são gigantes de até 150 metros de comprimento e 18 mil toneladas de peso, que se movimentam silenciosamente a 35 nós (cerca de 65 km/h). Mergulham até 450 metros de profundidade e podem permanecer durante meses no fundo do mar.

Ameaça e chantagem
Embora o então presidente norte-americano Dwigth Eisenhower tivesse feito uma apologia dos "átomos para a paz" diante da Assembleia Geral das Nações Unidas em 1953, os submarinos atômicos transformaram-se nos principais instrumentos de ameaça e chantagem durante a Guerra Fria.
"Difíceis de serem localizados e destruídos, eram esconderijos ideais para armas nucleares distribuídas pelos oceanos", explica Gerhard Schmidt, engenheiro nuclear do Instituto Ecológico de Darmstadt.
Segundo a organização ambientalista Greenpeace, de 1955 a 1995, as potências atômicas (Estados Unidos, União Soviética, França, Reino Unido e China) construíram 465 submarinos a propulsão nuclear. Mais da metade desse total é de fabricação soviética.

Lixo atômico
Nas últimas três décadas da Guerra Fria, ocorreram vários acidentes (em parte, nunca esclarecidos), principalmente envolvendo as frotas norte-americana e soviética. Pelo menos quatro submarinos soviéticos e dois norte-americanos, danificados ou afundados de propósito, permanecem no fundo do mar, supostamente impossíveis de serem resgatados.

Segundo a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), até 1988 as potências atômicas simplesmente abandonavam no fundo do mar o lixo nuclear (reatores e submarinos sucateados).

A AIEA calcula que, entre 1964 e 1986, a Marinha da União Soviética haja lançado 16 mil toneladas de lixo radioativo líquido e 11 mil metros cúbicos de lixo sólido nos mares de Barents e Kara. Em março de 1993, uma comissão do governo russo revelou que, desde 1959, cerca de 80 mil toneladas de lixo atômico, incluindo dois submarinos nucleares da frota do Pacífico, foram afundados no Mar do Japão.

A Rússia, principalmente, não tem recursos financeiros para manter a frota de submarinos atômicos, como ficou evidente no acidente do Kursk em agosto de 2000.

A Marinha norte-americana, pioneira no desenvolvimento da tecnologia de propulsão nuclear, também já teve diversos acidentes. Segundo um relatório sobre a Submarine Force elaborado por William Arkin e Joshua Handler entre 1983 e 1987, ocorreram 12 encalhes, 50 colisões, 113 incêndios e 48 inundações em submarinos norte-americanos. Não há, porém, informações confiáveis sobre danos ocorridos nos reatores a bordo.

Fonte: Geraldo Hoffmann / DW