segunda-feira, 6 de junho de 2011

Nobel - ESPCA em química terá quatro prêmios

Estão abertas até o dia 16 de junho as inscrições para a São Paulo Advanced School on Natural Products, Medicinal Chemistry and Organic Synthesis Integrated Solutions for Tomorrow’s World (ESPCA-Chemistry). Realizado no âmbito da Escola São Paulo de Ciência Avançada (ESPCA) – modalidade de apoio lançada pela FAPESP em 2009 –, o evento ocorrerá de 14 a 18 de agosto na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Serão selecionados 150 estudantes para participar do evento, dos quais 100 terão suas despesas com transporte, alimentação e hospedagem pagas pela organização do evento.

Desses 100 estudantes que receberão auxílio para participar da ESPCA, 50 deverão ser originários do Brasil e os outros 50 de outros países. Além deles, mais 50 estudantes serão selecionados para participar do evento por conta própria.

Podem se candidatar estudantes matriculados em cursos de graduação ou pós-graduação no Brasil ou exterior, que sejam candidatos potenciais aos cursos de doutorado ou pós-doutorado em instituições de ensino superior ou pesquisa no Estado de São Paulo. Também poderão ser aceitos para participar do evento alguns jovens doutores.

Os selecionados terão a oportunidade de assistir aulas e apresentar, em sessões de pôsteres, os resultados de suas pesquisas, discutindo os progressos de seus resultados com renomados cientistas do Brasil e do exterior.

“A seleção será feita por mérito. Queremos estudantes talentosos dos quatro continentes e de todo o Brasil, principalmente das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste”, disse a professora da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e coordenadora do evento, Vanderlan Bolzani.

O evento integra o calendário das comemorações oficiais no Brasil do Ano Internacional da Química (AIQ), instituído pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a União Internacional de Química Pura e Aplicada (Iupac, na sigla em inglês).

Para contemplar um dos principais tópicos dos temas abordados nesta celebração mundial – a química no contexto dos atuais desafios globais –, o tema escolhido para a ESPCA de Química foi “Produtos Naturais, Química Medicinal e Síntese Orgânica”.

De acordo com Bolzani, os principais desafios globais de hoje são energia, mudanças climáticas e saúde. Produtos naturais, química medicinal e síntese orgânica são áreas de pesquisa extremamente importantes para solucionar de forma integrada alguns desses desafios, como a saúde e bem-estar da humanidade.

“A natureza é um laboratório perfeito e produz inumeras moléculas, e estas constituem um constante desafio aos químicos sintéticos que podem sintetizá-las ou modificá-las. Muitas têm grande utilidade em áreas como a química medicinal, sendo portanto produtos de alto valor para a medicina. A síntese de algumas dessas moléculas rendeu prêmios Nobel para vários químicos que de forma engenhosa imitaram a natureza”, afirmou a pesquisadora, que é membro da coordenação do programa BIOTA-FAPESP.

Alguns desses ganhadores do Nobel de Química, como o japonês Ei-ichi Negishi, a israelense Ada Yonath, o norte-americano Richard Schrock e o suíço Kurt Wüthrich, foram convidados e darão aulas durante a ESPCA de Química.

Negishi, que fará sua primeira visita ao Brasil, ganhou o prêmio em 2010, juntamente com o também japonês Akira Suzuki e o norte-americano Robert Heck, por criar moléculas complexas de carbono que possibilitam a fabricação de dispositivos variados como medicamentos contra o câncer ou equipamentos eletrônicos.

Yonath, Nobel em 2009 juntamente com o indiano Venkatraman Ramakrishnan e o norte-americano Thomaz Steitz por pesquisas sobre o ribossomo, esteve no Brasil para participar também como professora da ESPCA New Developments in the Field of Synchrotron Radiation, que ocorreu no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), em Campinas (SP), em janeiro último.

Schrock, que também virá pela primeira vez ao Brasil, recebeu o Nobel em 2005 com o também norte-americano Robert Grubbs e o francês Yves Chauvin pelo desenvolvimento do método de metátese em síntese orgânica, que é utilizado na indústria química para o desenvolvimento de fármacos e materiais plásticos avançados.

O suíço Kurt Wüthrich ganhou em 2002 por ter desenvolvido um método para determinar a estrutural tridimensional de proteínas utilizando ressonância magnética nuclear como ferramenta de análise.

Jovens e mulheres

Mas a ESPCA de Química não se limitará aos prêmios Nobel. Participarão cientistas eminentes como o inglês Simon Fraser Campbell, que liderou a equipe de pesquisadores responsáveis pelo desenvolvimento do Viagra e de outros produtos farmacêuticos, como o Cardura, para tratar de pressão alta e problemas de próstata, e o Norvasc, utilizado para pressão alta e angina. Campbell morou no Brasil, no início da década de 1970, quando foi professor visitante da Universidade de São Paulo (USP).

“Esses cientistas estrangeiros foram convidados levando-se em conta o estado da arte das pesquisas em química tanto na área de produtos naturais como química medicinal e síntese orgânica”, disse Bolzani.

Durante o evento, além das aulas e das apresentações de trabalhos, os alunos participantes terão a oportunidade de interagir com os cientistas em um jantar típico brasileiro que está sendo programado para ocorrer em uma fazenda antiga de café, nas imediações de Campinas.

O formato do evento será inspirado nas reuniões de Lindau, em que jovens pesquisadores do mundo inteiro são selecionados por mérito para se reunir, por uma semana, com laureados com o prêmio Nobel na cidade alemã, com o objetivo de discutir informalmente sobre ciência, pesquisas e o que o avanço de conhecimento representa para o desenvolvimento pessoal, social e econômico de uma nação e futuro da humanidade.

“Queremos que os jovens pesquisadores da ESPCA de Química participem de maneira descontraída em todas atividades, que o contato com os pesquisadores não seja apenas assistir as aulas de maneira formal. Que o evento seja uma experiência enriquecedora em todos os sentidos. Queremos ver esses jovens discutindo descontraidamente com os cientistas convidados sobre química, ciência e outros assuntos. Momentos assim certamente marcarão suas vidas positivamente. Comento isso pois, quando ainda jovem, fui apresentada a Sir Derek Harold Richard Barton, Nobel de Química em 1969, fiquei encantada e até hoje tenho este momento na memória”, disse Bolzani.

O evento apoiado pela FAPESP, uma homenagem do Estado de São Paulo ao AIQ, está sendo organizado pela Sociedade Brasileira de Química em parceria com a Universidade Estadual Paulista (Unesp), a Universidade de Campinas (Unicamp), a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

“O AIQ também é uma celebração sobre o papel das mulheres na ciência e gostaria de ver muitas garotas talentosas participando da ESPCA”, disse Bolzani.

Os estudantes interessados em participar devem submeter suas candidaturas por meio do site. 

Fonte: Agência FAPESP

Nenhum comentário: