quinta-feira, 14 de outubro de 2010

ABDI e MBC: edital no âmbito do Programa Visitante Brasil ICSI

A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), o Movimento Brasil Competitivo (MBC), e o Instituto Internacional de Ciência da Computação (ICSI), sediado em Berkeley, Califórnia (EUA), lançaram um edital voltado para instituições industriais, de negócios e de pesquisa no âmbito do Programa Visitante Brasil ICSI. As inscrições podem ser feitas até 5 de novembro.

Podem participar organizações ou universidades brasileiras que possuam em sua equipe profissionais que tenham formação acadêmica, no mínimo, no nível de mestrado na área de tecnologia da informação e comunicação (TIC) e tópicos relacionados.

A bolsa para cada candidato terá o valor de US$ 3 mil por mês. O auxílio financeiro oferecido pelo MBC-ICSI destina-se a subsidiar as despesas dos selecionados, durante o período em que estiverem trabalhando no ICSI, equivalente a um ano letivo.

As organizações candidatas deverão preencher os seguintes requisitos: ser uma empresa brasileira com perfil orientado para a inovação, comprometida com o desenvolvimento de tecnologia de ponta nas áreas de pesquisa do ICSI; ser um instituto de pesquisa brasileiro com experiência em pesquisa e desenvolvimento (P&D); ou ser uma universidade brasileira.

Já os candidatos devem ter título de mestre, ou superior, nas áreas de TIC, além de ter realizado atividades significativas na área de P&D em organização pública ou privada, no campo das TICs, durante os últimos cinco anos. Também é exigível proficiência em inglês.

Serão priorizadas as áreas-chave de pesquisa do ICSI, como arquitetura da internet, segurança e roteamento; fala e reconhecimento de voz, interação em idioma falado em reuniões, compreensão da fala; modelos complexos da linguagem humana, lingüística computacional e anotação semântica; ciência da computação teórica; biologia computacional; visão robótica; e arquitetura de computadores.

Fonte: Gestão CT

CNPq: apoio a estudos sobre crack

O CNPq lançou o Edital 41/2010, voltado para apoiar projetos de pesquisa científica e tecnológica que visem contribuir para o desenvolvimento do país, com a realização de estudos sobre o crack, como perfil do usuário, padrões de consumo, vulnerabilidade e modelos de intervenção. As inscrições podem ser feitas até 25 de novembro.

Os temas contemplados são: caracterização dos usuários; avaliação da rede assistencial; e atenção clínica ao usuário de crack. As propostas aprovadas serão financiadas com recursos da ordem de R$ 4 milhões, sendo R$ 2 milhões oriundos do orçamento do CT-Saúde, R$ 1 milhão do Fundo Nacional da Saúde, e R$ 1 milhão proveniente da Secretaria de Atenção à Saúde.

O proponente deve possuir o título de doutor e ter seu currículo cadastrado na Plataforma Lattes, além de possuir vínculo celetista ou estatutário com a instituição de execução do projeto.

Fonte: Gestão CT

Brasil e Rússia: intensificando a cooperação científica

Brasil e Rússia assinaram na última sexta-feira (8) um memorando de cooperação na área de nanotecnologia para desenvolver pesquisas em conjunto e incentivar o intercâmbio entre cientistas e centros de pesquisa.

O acordo foi assinado durante a reunião da Comissão Intergovernamental Brasil-Rússia de Cooperação Econômica, Comercial, Política e Tecnológica. De acordo com o embaixador do Brasil na Rússia, Carlos Antonio da Rocha Paranhos, esse tema faz parte das prioridades dos dois países.

“Nossa ideia é poder colocar em contato empresas e cientistas dos dois países com o objetivo de desenvolver projetos concretos. Não de comprar caixas pretas, mas desenvolver projetos concretos bilaterais de interesse comum, seja aqui no Brasil ou na Rússia”, informou.

Durante a reunião da comissão foram discutidos temas nas áreas de economia, tecnologia, aeroespacial, energia nuclear, entre outros temas.

Paranhos disse ainda que foram discutidos vários projetos de cooperação, como uma linha área direta entre o Rio de Janeiro e Moscou, que deverá ser operada por uma empresa área russa, e a criação de um grupo de trabalho para examinar a possibilidade de se usar moedas dos dois países nas transações comerciais.

O embaixador afirmou também que os dois países querem diversificar o comércio, que hoje está muito centrado commodities, produtos considerados básico. Ele disse ainda que Rússia e Brasil querem incentivar os seus bancos a instalarem sucursais nos dois países, o que seria importante para o financiamento do comércio bilateral.

Fonte: Agência Brasil

Brasil e Jordânia: incremento nos acordos de cooperação

O Brasil e a Jordânia vão incrementar acordos de cooperação na área de ciência, tecnologia e inovação (CT&I). Um deles será voltado para promover um estudo comparativo entre as regiões do Semiárido brasileiro e do árido jordaniano, com pesquisas relacionadas à questão da água. Os temas foram tratados na semana passada durante missão brasileira de CT&I àquele país.

O estudo comparativo das áreas mais áridas dos dois países será coordenado, no Brasil, pelo Instituto Nacional do Semiárido (Insa). A iniciativa deve mobilizar universidades, centros de pesquisa, grupos e redes de pesquisadores que investigam os desafios do Semiárido e da escassez de recursos hídricos.

No âmbito da parceria também está prevista, para março de 2011, uma visita exploratória de técnicos da Secretaria de Política de Informática (Sepin) do MCT, com vistas a identificar oportunidades de cooperação no campo das tecnologias da informação e comunicação (TICs).

Ainda como parte do acordo está em estudo a assinatura de um memorando de entendimento, proposto pelos jordanianos, entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Centro Nacional de Pesquisa Agrícola e Extensão na Jordânia para ajudar a alavancar a produtividade da agricultura e pecuária jordaniana.  (Com informações do MCT) 

Fonte: Gestão CT

Lançado edital relacionado à avaliação de tecnologias em saúde - REBRATS

Financiar projetos de pesquisa no campo do desenvolvimento e inovação que venham a suprir lacunas do conhecimento sobre a temática relacionada à avaliação de tecnologias em saúde. Este é o objetivo do Edital 69/2010 lançado pelo CNPq e que recebe propostas até 22 de novembro.

A ideia é permitir avanços no conhecimento, fornecer subsídios para a tomada de decisões para as políticas de saúde adotadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e proporcionar melhorias na qualidade de vida da população.

Serão contemplados os seguintes temas: condições reumatológicas; leishmaniose tegumentar americana; hanseníase; hipertensão arterial sistêmica; parâmetros para programação de ações de saúde em redes integradas orientadas pela equipe de saúde da família; condições oncológicas; transtornos de humor; HIV ou AIDS.

As propostas aprovadas serão financiadas com recursos da ordem de R$ 2 milhões, oriundos do Fundo Nacional de Saúde. O proponente deve possuir o título de doutor e ter seu currículo cadastrado na Plataforma Lattes, além de possuir vínculo celetista ou estatutário com a instituição de execução do projeto.

Fonte:Gestão CT

FFCLRP-USP e IPT desenvolvem nanocarreador de medicamentos

Nanotecnologia para transporte eficaz de medicamentos
Uma nova geração de sistemas nanométricos capazes de levar medicamentos até o local do organismo no qual devem agir foi desenvolvida em um trabalho conjunto feito entre pesquisadores da Universidade de São Paulo (FFCLRP-USP) e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

O trabalho gerou um depósito de patente feito com apoio do Programa de Apoio à Propriedade Intelectual da FAPESP e foi apresentado na 2nd Conference Innovation in Drug Delivery, em Aix-en-Provence, na França, na semana passada.

“Trata-se de um nanocarreador capaz de levar drogas hidrofílicas (solúveis em água), o que é inédito”, disse o professor Antonio Cláudio Tedesco, do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP.

Ele conta que os nanocarreadores já desenvolvidos só obtiveram sucesso ao transportar substâncias hidrofóbicas, as quais não se dissolvem na água, o que limitava o campo de aplicação.

Tedesco é coordenador de um Projeto Temático FAPESP voltado ao desenvolvimento de nanocarreadores de fármacos aplicados à saúde (câncer, doenças degenerativas do sistema nervoso central, entre outros). O produto desenvolvido em parceria com o IPT surgiu do projeto de doutorado em desenvolvimento da bioquímica-farmacêutica Natália Neto Pereira Cerize, orientanda de Tedesco.

Natália tinha Bolsa de Doutorado Direto da FAPESP até o início de 2010, quando passou em um concurso para pesquisadora do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas (LPP-IPT). A pesquisa desenvolvida desde o início na USP em parceria com o instituto contou sempre com a coorientação da pesquisadora Maria Inês Ré, do LPP.

“Tivemos a preocupação de utilizar substâncias biocompatíveis, de modo que não apresentem problemas em uma futura aplicação em humanos”, afirmou Natália.

Ela também salientou a versatilidade do produto, que poderá ser empregado em diferentes partes do organismo, como pele e mucosas. “Por esse motivo, patenteamos o processo de fabricação do nanocarreador e não de um medicamento ou de uma aplicação específica”, explicou.

Diferentemente dos medicamentos convencionais, que precisam ser administrados em doses maiores a fim de que uma parte deles chegue ao local desejado, os nanocarreadores podem levar quantidades bem menores do princípio ativo.

Além de gerar economia de fármacos, essa característica reduz os efeitos colaterais causados pelas drogas. Isso ocorre porque as nanopartículas são projetadas para apresentar seletividade para um determinado alvo biológico.

Outra vantagem é que as partículas nanométricas executam uma liberação controlada do medicamento. Essa ação evita os picos de dosagem que ocorrem com os remédios convencionais. Ao serem liberados continuamente, os princípios ativos mantêm níveis constantes no organismo.

Escala industrial
O novo nanocarreador começou a ser aplicado em testes laboratoriais no tratamento de câncer de pele. A ideia é que uma solução tópica aplicada sobre a pele atinja as células tumorais. O estímulo para a ação do medicamento é dado pela exposição à luz, na chamada terapia fotodinâmica.

Ao serem expostas à luz, as substâncias utilizadas no medicamento dão início a um processo complexo que resulta na liberação de radicais livres, que funcionariam como disparadores da apoptose (morte celular programada) das células doentes.

“A célula neoplásica não dispara a apoptose. É como se ela se esquecesse de morrer e assim se reproduz indefinidamente. Ao receber um choque de radicais livres disparados por um flash de luz, a célula reativa o sistema de apoptose”, explicou Tedesco.

Natália ressalta que outra preocupação da equipe foi produzir um nanocarreador que pudesse ser fabricado em larga escala e com os equipamentos já existentes na indústria farmacêutica. “Há muita pesquisa que gera produtos eficazes, mas que são comercialmente inviáveis, pois apresentam incompatibilidade com a tecnologia farmacêutica atual”, pontuou.

No entanto, apesar de apresentar grande potencial, a tecnologia patenteada ainda terá de percorrer um longo caminho antes de ser disponibilizada nas farmácias, ressaltam os pesquisadores.

O grupo acaba de iniciar a etapa laboratorial dos testes e ainda virão as fases in vitro, in vivo em animais e, finalmente, testes clínicos, com muitos ativos de interesse.

“Trata-se de um produto inovador e promissor, com perspectivas de aplicação, mas que ainda precisa de muitos estudos para que seja disponibilizado no mercado”, disse Natália.

Fonte: Fabio Reynol / Agência FAPESP

Maria Cecília Calani Baranauskas e Clarisse de Souza ganham o Rigo Award

Pesquisadora da Unicamp ganha Rigo Award
A professora Maria Cecília Calani Baranauskas, do Instituto da Computação da Universidade Estadual de Campinas (IC-Unicamp), conquistou o ACM SIGDOC Rigo Award 2010, destinado a pesquisadores cujas carreiras apresentem destacada contribuição na área de design da comunicação.

A cerimônia de premiação ocorreu durante o 28º ACM International Conference on Design of Communication (ACM SIGDOC'10), que foi realizado no fim de setembro em São Carlos (SP). Cecília dividiu o prêmio com a professora Clarisse de Souza, do Departamento de Informática da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (INF-PUC-Rio).

“Trata-se de um reconhecimento internacional importante na área de pesquisa sobre a interação homem-computador”, disse Cecília.

Ela destacou o fato de seus trabalhos recentes estarem focados na temática da cidadania. “É importante ver a valorização no exterior de trabalhos voltados para dentro do Brasil”, disse.

Cecília é coordenadora do e-Cidadania, projeto realizado no âmbito do Instituto Virtual de Pesquisas FAPESP-Microsoft Research que busca desenvolver redes sociais que atendam usuários com baixo letramento e pouca ou nenhuma experiência no uso de computadores.

Um dos frutos do e-Cidadania é a rede social Vila na Rede, montada por moradores do bairro Vila União, de Campinas (SP), por meio de ferramentas computacionais desenvolvidas pelo projeto.

“Como o SIGDOC Rigo é um prêmio que abrange toda a carreira, com certeza o trabalho desenvolvido no Instituto Virtual FAPESP-Microsoft contribuiu para conquistá-lo”, afirmou Cecília.

O Special Interest Group on the Design of Communication (SIGDOC) é um grupo especializado ligado à Association for Computing Machinery's (ACM), sociedade internacional que congrega pesquisadores e demais profissionais ligados ao desenvolvimento da computação.

O Rigo Award foi instituído em homenagem ao fundador do SIGDOC, Joseph Rigo, e é voltado a profissionais de destaque no desenvolvimento de projetos de comunicação.

Inicialmente, a SIGDOC mantinha seu foco somente em trabalhos sobre hardwares e softwares. Desde 2003, a organização passou a abranger temas relacionados a vários tipos de tecnologias da comunicação, como interfaces para usuários, aplicações para internet e documentação on line e impressa.

Chamada aberta

O Instituto Virtual de Pesquisas FAPESP-Microsoft Research, resultado de um acordo de cooperação assinado entre as duas instituições em abril de 2007, é uma iniciativa pioneira no Brasil que associa os setores público e privado de modo a estimular a geração e a aplicação de conhecimento em tecnologias de informação e comunicação.

O acordo está com chamada de propostas aberta até o dia 18 de outubro. O objetivo da chamada é selecionar e financiar projetos que explorem a aplicação da ciência da computação aos desafios da pesquisa fundamental em áreas tais como educação, saúde e bem-estar ou produção de energia e várias outras disciplinas ligadas às ciências do meio ambiente.

O total de recursos disponível para atender às propostas selecionadas é de R$ 1 milhão. Espera-se selecionar em torno de cinco propostas com valor individual entre R$ 100 mil e R$ 300 mil.

As propostas deverão considerar projetos com duração de no máximo dois anos e podem ser apresentadas por pesquisadores de instituições de ensino superior e de pesquisa, públicas ou privadas sem fins lucrativos, no Estado de São Paulo.

Fonte: Fabio Reynol / Agência FAPESP

Academia Brasileira de Ciências divulga relação de novos membros


Novos membros Afiliados da ABC
A Academia Brasileira de Ciências (ABC) tem o prazer de divulgar os nomes dos novos Membros Afiliados encaminhados pelos vice-presidentes regionais  da ABC, que farão parte dos quadros dessa Casa no período  de 1º de janeiro de 2011 até 31 de dezembro de 2015. Dos indicados desse ano, 31% são mulheres. 

A categoria de membro afiliado foi criada em 2007, juntamente com a criação das vice-presidências regionais, visando a descentralização das atividades da Academia e o estímulo a jovens cientistas de excelência de todo o país. Vejam o perfil dos novos indicados.

REGIONAL NORTE
Vice-presidente: Adalberto Val (INPA)

Ana Carla dos Santos Bruno
Ciências Sociais (INPA-AM)
Graduada em História pela Universidade Católica de Pernambuco com mestrado em Lingüística e doutorado em Antropologia e Lingüística, ambos pela Universidade do Arizona (EUA), atualmente é pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Tem experiência na área de Lingüística Antropológica, com ênfase em Lingüística Indígena, atuando principalmente na revitalização e manutenção de línguas indígenas, lingüística antropológica, língua e ideologia, relação entre língua, cultura e sociedade, comunidades tradicionais. 

Carlos Gustavo Nunes da Silva
Ciências da Engenharia (UFAM)Engenheiro Agrônomo graduado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), possui mestrado em Ciências Biológicas (Entomologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e doutorado em Biotecnologia pela Universidade Federal do Amazonas, (UFAM), com atividades realizadas na Heinrich-Heine Universität, em Düsseldorf, na Alemanha. Atualmente é professor e pesquisador da UFAM e atua em áreas como Biologia Molecular e purificação de biomoléculas de interese biotecnológico. É sócio fundador da Biotech Amazonia, micro empresa de produtos biotecnológicos incubada no CDTECH- UFAM. 

Eduardo Freire Nakamura
Ciências da Engenharia (UFAM)
Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), com mestrado e doutorado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é professor do Programa de Pós-Graduação em Informática da UFAM e da Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica, atuando nos cursos de graduação em Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Trabalha com redes de sensores sem fio, atuando principalmente em roteamento, comunicação, fusão de dados, inferência e estimação. 

Marcelo Cancela Lisboa Cohen
Ciências da Terra (UFPA)
Graduado em Geologia, com mestrado em Geologia e Geoquímica pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e doutorado (Magna Cum Laude, ou seja, com grandes honras) em Biologia Química pela Universidade Bremen, na Alemanha. Atualmente é professor da graduação em Oceanografia e da pós-graduação em Geologia e Geoquímica da UFPA. Coordena projetos na área de mudanças climáticas. Trabalha nas áreas de Oceanografia Geológica e Geoquímica Marinha, especialmente com manguezais, variações no nível do mar, mudanças climáticas e biogeoquímica.

Rodrigo da Silva

Ciências Físicas (UFPA)Licenciado em Física pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) com mestrado e doutorado pela mesma instituição, tendo sido este último realizado em cooperação com a State University of New York (SUNY), dentro do Programa LBA. Desde 2005 atua no Programa LBA na Amazônia, sendo coordenador regional desde 2009. É professor da Universidade Federal do Pará (UFPA) em Santarém e diretor de pós-graduação da Universidade Federal do Oeste do Pará. tendo participado da elaboração do inédito curso de Física Ambiental da UFPA, assim como do projeto do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais da Amazônia (PGRNA), que atualmente coordena. Sua experiência é na área de Geociências e Física, com ênfase em Micrometeorologia, atuando principalmente em Física do Clima na Amazônia e sua relação com as mudanças no uso da terra e as mudanças climáticas globais. 

REGIONAL RIO DE JANEIRO
Vice-presidente: Elisa Reis (UFRJ)

Alexander E. Arbieto Mendoza
Ciências Matemáticas (UFRJ)
Bacharel em Matemática pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mestre e doutor em Matemática pela Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA).Tem pós-doutorado pela UFRJ, onde atualmente é professor.Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Sistemas Dinâmicos, Equações Diferenciais Parciais e Geometria. 

Eduardo Souza Fraga
Ciências Físicas (UFRJ)
Possui bacharelado e mestrado em Fisica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)e doutorado em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Realizou pós-doutorados na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Brookhaven National Laboratory, em Nova Iorque, e no Laboratório de Física Teórica da Universidade de Paris XI (CNRS, Orsay). É professor do Instituto de Física da UFRJ. Tem experiência na área de Física de Partículas e Campos, especialmente em sistemas em condições extremas, atuando principalmente em modelos efetivos para a QCD, transição de fase quiral, QCD a temperatura e densidade finitas, teoria de campos a temperatura finita, com aplicações em colisões de íons pesados ultra-relativísticos, estrelas compactas e raios cósmicos de altíssima energia. 

Emiliano Horacio Medei
Ciências Biomédicas (UFRJ)
Graduado em Medicina pela Universidade de Buenos Aires, com doutorado em Ciências Biológicas (Fisiologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pós-doutorado pela Universidade de Rochester, nos EUA. É professor de Fisiologia e Biofísica de Sistemas na UFRJ/Xerém. Atua principalmente em eletrofisiologia e doença de Chagas. Atualmente desenvolve projetos na área das células-tronco e da terapia celular e é membro do Centro Nacional de Bioimagem (Cenabio) do Instituto Nacional de Biologia Estrutural e Bioimagem (Inbeb). 

Flavia Carvalho Alcântara GomesCiências Biológicas (UFRJ)
Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), com mestrado e doutorado em Ciências Biológicas (Biofísica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente é professora da UFRJ e chefe do Laboratório de Neurobiologia Celular do Programa de Biologia Celular e do Desenvolvimento do Instituto de Ciências Biomédicas. É membro do Instituto Nacional de Neurociência Translacional (INNT), tendo experiência na área de Morfologia, com ênfase em Neurobiologia Celular, atuando principalmente na interação neurônio-glia, hormônio da tireóide, diferenciação glial, glia e sinapses, TGFbeta e fatores de crescimento.

REGIONAL NORDESTE
Vice-presidente: Cid Bartolomeu de Araújo (UFPE)

Antonio Gomes de Souza FilhoCiências Físicas (UFC)Com graduação, mestrado e doutorado em Física pela Universidade Federal do Ceará (UFC), realizou estágio sanduíche no Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT-EUA). Atualmente é professor do Departamento de Física da UFC e bolsista de produtividade do CNPq, nível 1D. Atua na área de Física da Matéria Condensada com ênfase em Nanociência e Nanotecnologia. 

Camila Indiani de Oliveira
Ciências Biológicas (Fiocruz, BA)
Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo (USP) e doutorado em Ciências (Biologia da Relação Patógeno-Hospedeiro) pela mesma instituição. Atualmente é pesquisadora do Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz/Fiocruz, professora do curso de pós-graduação em Patologia e da Fundação Bahiana Para o Desenvolvimento das Ciências. Tem experiência na área de Parasitologia, com ênfase em Protozoologia Parasitária Humana e Leishmaniose. Atualmente, vem se dedicando a estudos de interação entre Leishmania e o hospedeiro vertebrado. 

Gisele Olímpio da Rocha
Ciências Químicas (UFBA)
Licenciada em Química -Licenciatura pelo Departamento de Química da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e doutorada pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), com estágio supervisionado (doutorado sanduíche) na Division of Environmental Health and Risk Management, School of Geography, The University of Birmingham, em Birmingham, no Reino Unido e pós-doutorado em Energia e Ambiente pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atualmente é professora do Departamento de Química Analítica da UFBA e bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - nível 2. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Análise de Traços e Química Ambiental, Química Atmosférica e também em Química de Alimentos, atuando também em biodiesel, compostos orgânicos voláteis e determinação de substâncias orgânicas e inorgânicas em diferentes matrizes. 

Severino Alves Jr. Ciências Químicas (UFPE)
Possui graduação em Quimica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e doutorado em Química pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Atualmente é professor adjunto da UFPE. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Campos de Coordenação, atuando principalmente em luminescência de complexos com íons lantanídeos, síntese de supramoleculas, marcadores fotônicos para o diagnóstico auxiliar de câncer de mama e próstata, carreadores de fármacos e síntese de redes de coordenação.

REGIONAL SÃO PAULO
Vice-presidente: Adolpho Melfi (USP)

Antonio José da Costa Filho
Ciências Físicas (USP)Possui graduação, mestrado e doutorado em Física pela Universidade de São Paulo (USP), com estágio de doutorado sanduíche na Cornell University (1999-2001). Atualmente é professor associado da USP. Tem experiência na área de Biofísica Molecular, com ênfase em espectroscopia por ressonância magnética, atuando principalmente no estudo de mudanças conformacionais em proteínas e suas interações com modelos de membranas biológicas. Mais recentemente, expandiu seus interesses para incluir também estudos da interação entre pequenas moléculas, como fármacos e complexos metálicos, e modelos de membrana. 

Cristiano M. de B. Cordeiro
Ciências Físicas (Unicamp)
Bacharel e mestre em Física pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), com doutorado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pós-doutorado na University of Bath, Inglaterra, na área de fibras ópticas micro-estruturadas. Atualmente, é professor do Instituto de Física Gleb Wataghin da Unicamp. Seus estudos são principalmente na área de fibras ópticas, com especial atenção para fibras de cristal fotônico, fibras ópticas especiais com novas funcionalidades, sensores e dispositivos a fibra óptica, proposta/design e fabricação de fibras especiais, óptica não-linear, cristal fotônico, estudo holográfico de redes em materiais foto-sensíveis. 

Dario Simões ZamboniCiências Biológicas (USP)
Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília (UnB), doutorado em Microbiologia e Imunologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e pós-doutorado em Patogenicidade Microbiana pela Universidade de Yale, EUA (2006). Atualmente, é professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP). Tem experiência na área de Microbiologia e Imunologia, com ênfase na interação patógeno-célula hospedeira. 

Leandro Helgueira de Andrade
Ciências Químicas (USP)     
Possui licenciatura, mestrado e doutorado em Química pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Fez estágio de pós-doutorado na Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, é professor do Instituto de Química da USP e diretor da Divisão de Química Orgânica da Sociedade Brasileira de Química (2010-2012). Tem experiência na área de Química Orgânica e desenvolve atividades de pesquisa com ênfase em biocatálise aplicada a síntese orgânica. Atua principalmente na bioprospecçâo de enzimas (álcool desidrogenases) e estudos de reações enzimáticas aplicadas a química de boro e selênio. 

Thiago Mattar CunhaCiências Biomédicas (USP)
Possui graduação em Farmácia pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), com mestrado, doutorado e pós-doutorado em Farmacologia pela Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto (FMRP-USP). Atualmente, é professor da FMRP-USP. Tem experiência na área de Farmacologia, com ênfase em Farmacologia da inflamação e da dor, tendo pesquisado os mecanismos envolvidos na gênese da dor inflamatória e neuropática, os mecanismos moleculares envolvidos nos efeitos dos analgésicos e o papel de citocinas e leucócitos nas lesões observadas em doenças inflamatórias.

REGIONAL MINAS/CENTRO-OESTE
Vice-presidente: Francisco César de Sá Barreto (UFMG)

Diego Marques Ferreira
Ciências Matemáticas (UnB)
Possui graduação e mestrado em Matemática pela Universidade Federal do Ceará (UFC).  É doutor em Matemática pela Universidade de Brasília (UnB), sendo o recordista brasileiro em término de doutorado em Matemática em menor tempo. Atualmente é professor do Departamento de Matemática da UnB e professor do Programa de Iniciação Cientifica para alunos medalhistas das Olimpíadas Brasileiras de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP). Tem grande interesse por pesquisas em Teoria dos Números, principalmente sobre Teoria Transcendente: Equações Diofantinas Exponenciais, Conjectura de Schanuel, Irracionalidade e Valores Complexos de Funções Transcendentes. 

João Trindade MarquesCiências Biológicas (UFMG)
Graduado em Ciências Biológicas com mestrado e doutorado em Microbiologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Fez seu pós-doutoramento na Cleveland Clinic, nos EUA, de 2002 a 2006, trabalhando com o Dr. Bryan Williams no reconhecimento de RNA de fita dupla viral e as implicações para o uso seguro de RNA de interferência em humanos. Em seguida, juntou-se ao grupo do Dr. Richard Carthew, de 2006 a 2010, na Northwestern University em Chicago, onde trabalhou no desenvolvimento do modelo animal de Drosophila melanogaster para o estudo da resposta imune a vírus e o papel das vias de RNAi na defesa contra vírus, utilizando sequenciamento em larga escala. Atualmente é professor adjunto do Departamento de Bioquímica e Imunologia da UFMG e suas pesquisas tratam de virologia, imunidade inata a vírus e nas vias de RNA de interferência.

Jussara Marques de Almeida

Ciências da Engenharia (UFMG)
Possui graduação e mestrado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com mestrado e doutorado na mesma área pela University of Wisconsin, nos EUA. Atualmente é professora adjunta da UFMG. Trabalha com sistemas para distribuição de mídia continua, atuando principalmente em sistemas par-a-par, análise de desempenho, poluição de conteúdo e servidor web. 

Luiz Gustavo Farah Dias
Ciências Matemáticas (UFMG)
Graduado em Matemática pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestrado em Economia Matemática pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), doutorado em Matemática também pelo IMPA, um pós-doutorado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pós-doutorado pela University of California, Santa Bárbara, nos EUA (2010). Tem experiência na área de equações diferenciais parciais, com ênfase em equações dispersivas. 

Paulo Anselmo Ziani Suarez
Ciências Químicas (UNB)
É engenheiro químico, Mestre em Química e Doutor em Ciências dos Materiais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e especialista em Ensino a Distância pela Universidade Federal de Brasília (UnB). Realizou doutorado-sanduíche na Université Louis Pasteur (Estrasburgo-França), onde estagiou durante o ano de 1998. Desenvolve projetos de pesquisa na área de processos catalíticos para insumos petroquímicos e oleoquímicos, com especial interesse na área de combustíveis. Atualmente, é professor adjunto no Instituto de Química da UnB.

REGIONAL SUL
Vice-presidente: Francisco Salzano (UFRGS)

Diego Bonatto
Ciências Biológicas (UFRGS)Graduado em Ciências Biológicas com mestrado e doutorado em Biologia Celular e Molecular pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente, é professor da UFRGS e consultor ad-hoc da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética Molecular e de Microorganismos, tendo pesquisado Saccharomyces cerevisiae, bioinformática, biologia de sistemas, redes livres de escala, longevidade, senescência e filogenia de proteínas. 

Lisiane de Oliveira Porciúncula
Ciências Biológicas (UFRGS)Licenciada em Química pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com mestrado e doutorado em Ciências Biológicas (Bioquimica) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é professora adjunta e orientadora de dois cursos de pós graduação na UFRGS. Cursou durante dois anos pós-doutorado no Centro de Neurociências da Universidade de Coimbra (2005), onde atualmente mantém vínculo como pesquisadora convidada. Os projetos desenvolvidos no Laboratório de Estudos sobre o Sistema Purinérgico abrangem temas como receptores de adenosina como estratégias de neuroproteção, interações dos receptores de adenosina com o sistema glutamatérgico e fatores tróficos, mecanismos celulares e moleculares dos efeitos benéficos da cafeína. Em 2006, recebeu o prêmio L'Oréal- ABC-Unesco para Mulheres na Ciência. 

Maria Martha Campos
Ciências Biomédicas (PUC-RS)Possui graduação em Odontologia com mestrado e doutorado em Farmacologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atualmente é professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Seus trabalhos tratam de farmacologia da dor e da inflamação, sistema cininas, citocinas, plantas medicinais. 

Patricia Fernanda Schuck
Ciências Biológicas (UNESC)Possui graduação em Farmácia com habilitação em Análises Clínicas, mestrado e doutorado em Ciências Biológicas (Bioquímica), todos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é professora da Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc) e orientadora do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde. Sua pesquisa atual é sobre os distúrbios hereditários do metabolismo intermediário. 

Tatiana Roman
Ciências Biológicas (UFRGS)Graduada em Ciências Biológicas com mestrado e doutorado em Genética e Biologia Molecular pela Universidade Federal doRio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é professora adjunta do Departamento de Genética da UFRGS. Tem experiência na área de Genética Humana, com ênfase em Genética Psiquiátrica, tendo pesquisas relativas ao transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, sistema dopaminérgico e noradrenérgico e estudos de associação.
A Academia Brasileira de Ciências parabeniza todos os eleitos e informa que em breve serão divulgadas as Reuniões Regionais, nas quais os novos Membros apresentarão suas contribuições científicas e receberão seus diplomas. Sejam bem-vindos!
Fonte: Elisa Oswaldo-Cruz e Julia Dias  / Notícias da ABC

Incor: Curso gratuíto "Como cuidar do seu coração"

Incor tem curso sobre coração
O Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) abriu inscrições para o curso “Como cuidar do seu coração”, que será ministrado no dia 16 de outubro.

O curso é organizado em palestras e terá duas modalidade: presencial e on-line. Na modalidade presencial as 90 vagas já foram preenchidas. O programa é destinado a qualquer pessoa de qualquer idade ou nível de escolaridade.

Conduzido pela equipe de médicos, nutricionistas, psicólogos e professores de educação física do Incor, o curso abordará conceitos de alimentação saudável, prática de exercícios físicos e controle do estresse e da depressão. Como prevenir doenças cardíacas e fatores de risco como hipertensão, diabetes, obesidade e colesterol e triglicérides altos serão assuntos abordados.

Pelo computador, os participantes, individualmente ou em família, poderão assistir às palestras dos médicos e especialistas do Incor, com dicas sobre como superar, de maneira simples, as ameaças de doenças do coração.

As inscrições para o curso on-line são gratuitas e devem ser feitas pelo endereço .
Mais informações: (11) 3069-5428

Fonte: Agência FAPESP

CDV - Inova Findes: Elaboração de Projetos para o 7o Programa Quadro da FINEP - UNIÃO EUROPÉIA


Fonte: CDV