sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Prêmio Capes de Tese: prorrogadas as inscrições

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) prorrogou para o dia 6 de outubro as inscrições para o Prêmio Capes de Tese. Os resultados da seleção serão divulgados até 26 de novembro. A entrega dos prêmios está marcada para o dia 10 de dezembro, na sede da coordenação, em Brasília (DF).

A iniciativa premiará as melhores teses de doutorado, defendidas em 2009, selecionadas em cada uma das áreas do conhecimento reconhecidas pela coordenação nos cursos de pós-graduação adimplentes e reconhecidos no Sistema Nacional de Pós-Graduação. As teses vencedoras ainda concorrem ao Grande Prêmio Capes de Tese.

Para participar, o trabalho deve estar disponível no banco de teses da Capes, ter sido defendido no Brasil, em um programa de pós-graduação que tenha tido, no mínimo, cinco teses de doutorado defendidas no ano passado.(Com informações da Capes) 

Fonte: Gestão CT

Cell homeostasis in a Leishmania major mutant overexpressing the spliced leader RNA is maintained by an increased proteolytic activity

Genética da leishmania
Um novo estudo realizado por um grupo de cientistas brasileiros, com colaboração de colegas de outros países, acaba de trazer um novo avanço para a compreensão dos mecanismos de controle da expressão gênica do parasita causador da leishmaniose.

A expressão gênica é o processo pelo qual a informação hereditária contida em um gene é transcrita no RNA, ou em proteínas, por exemplo. No novo estudo, o grupo investigou as alterações moleculares, bioquímicas e morfológicas observadas em um parasita mutante que teve sua virulência atenuada devido à superexpressão dos chamados miniéxons – ou spliced leader RNA –, curtas sequências de nucleotídeos que são adicionadas aos RNA mensageiros, tornando-os "maduros" e funcionais.

O trabalho foi publicado na edição de outubro do The International Journal of Biochemistry & Cell Biology e faz parte de um Projeto Temático apoiado pela FAPESP e coordenado por Angela Kaysel Cruz, professora do Departamento de Biologia Celular e Molecular da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (BIOCEL-FMRP), da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com Angela, o grupo envolvido com o Temático já havia demonstrado anteriormente que a presença de uma quantidade aumentada de transcritos dos miniéxons diminuía a virulência do parasita.

“Desta vez, investigamos como se dá o envolvimento dos miniéxons com a atenuação da virulência que foi observada. Verificamos que a superexpressão dos miniéxons não afeta a multiplicação de promastigotas –a forma infecciosa, flagelada, do parasita –, mas parece impossibilitar a multiplicação dos amastigotas, ou seja, o parasita em sua forma intracelular, que se estabelece no homem e em outros mamíferos”, disse.

A ineficácia do parasita mutante para se multiplicar na forma de amastigotas parece estar relacionada com um esforço do parasita para manter sua homeostase celular – a propriedade da célula de regular seu ambiente interno para manter uma condição estável, por meio de múltiplos ajustes controlados por mecanismos de regulação.

“O esforço do parasita para reverter esse desequilíbrio da homeostase celular parece impedir que os amastigotas se multipliquem como eles fariam naturalmente no interior da célula do hospedeiro vertebrado – isso parece causar a perda de virulência observada”, indicou Angela.

A descoberta é importante porque o mecanismo descrito pode contribuir para elucidar diferentes níveis de controle da expressão gênica dos parasitas. Além disso, a revelação das moléculas envolvidas na atenuação de virulência observada pode representar uma rota para identificação de novos alvos para o desenvolvimento de drogas contra a leishmania.

“O estudo representa mais um passo no caminho que leva à compreensão dos processos de controle de expressão gênica em leishmania. Outro aspecto importante é que a identificação de um ou mais genes diminuídos nesse superexpressor poderá nos ajudar a gerar mutantes que possam ter esses genes desligados. Com isso, talvez possamos gerar um parasita que é incapaz de se multiplicar no meio intracelular”, explicou Angela.

Futura vacina viva
Segundo a professora da FMRP-USP, as pesquisas se voltaram para a questão do desequilíbrio homeostático por essa ser considerada uma peça- chave no processo de expressão gênica.

“Quando a homeostase está desbalanceada, a célula do parasita precisa fazer uma série de processos para se estabelecer intracelularmente – livrando-se de certas proteínas, por exemplo – e não consegue se multiplicar”, disse.

Entender a ligação entre o desequilíbrio da homeostase celular e a atenuação da virulência é fundamental, segundo Angela, para verificar se a atenuação poderá ser utilizada, no futuro, como uma ferramenta para gerar uma vacina viva.

“Acredita-se que as vacinas vivas são a única forma para prevenir leishmaniose, pois as vacinas de subunidades – que usam somente os fragmentos antigênicos de um microrganismo que mais estimulam a resposta imune – não estão se mostrando eficientes”, disse Angela.

“Nada do que foi feito até agora está funcionando, mesmo as experiências mais interessantes com combinação de diversos determinantes antigênicos. Seria interessante se pudéssemos localizar um ou mais genes que atenuem a ação do parasita – impossibilitando que ele se multiplique no hospedeiro”, destacou.

Além de Angela, participaram da elaboração do artigo Juliano Toledo, Tiago Ferreira e Tânia Defina, também da FMRP-USP, Fernando Dossin, atualmente no Centro de Deonças Negligenciadas do Instituto Pasteur Coreia, em Bundang-gu (Coreia do Sul), Sergio Schenkman, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Kenneth Beattie e Douglas Lamont, da Faculdade de Ciências da Vida da Universidade de Dundee (Escócia), e Serge Cloutier e Barbara Papadopoulou, do Centro de Pesquisa em Infectologia da Universidade Laval, em Quebec (Canadá).

O artigo Cell homeostasis in a Leishmania major mutant overexpressing the spliced leader RNA is maintained by an increased proteolytic activity, de Angela Kaysel Cruz e outros, pode ser lido por assinantes da The International Journal of Biochemistry & Cell Biology

Fonte: Fábio de Castro / Agência FAPESP

Brasil: 1º lugar na Olimpíada Iberoamericana de Matemática

Com duas medalhas de ouro e duas de prata, o Brasil alcançou o primeiro lugar na 25ª edição da Olimpíada Iberoamericana de Matemática, realizada de 20 a 30 de setembro, no Paraguai. O país conquistou também a maior pontuação total da competição, com 133 pontos.

Desde 1985, o país participa da competição, que neste ano contou com a presença de 21 nações, como Bolívia, Chile, México, Peru, Venezuela, entre outros. Em 25 anos, o Brasil já conquistou 89 medalhas.

O evento é realizado com a colaboração dos Ministérios de Educação e de Sociedades de Matemática. A proposta é fortalecer e estimular o estudo da matemática e contribuir para o desenvolvimento científico da comunidade iberoamericana.(Com informações do CNPq)

Fonte: Gestão CT

2º Workshop sobre a Qualidade da Água e Recuperação Ambiental

Entre 24 e 26 de outubro será realizado, em Novo Airão (AM), o 2º Workshop sobre a Qualidade da Água e Recuperação Ambiental, cujo objetivo é promover discussões sobre qualidade da água, principais fontes e processos de contaminações e técnicas de recuperação de águas contaminadas.

O evento, uma iniciativa do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia: Centro de Energia, Ambiente e Biodiversidade (INCT/CEAB), contará com a participação de pesquisadores do Brasil e do exterior.

A programação prevê palestras como "Princípios de tecnologias limpas na prevenção de áreas contaminadas"; “Aplicação de processos de oxidação avançada para ao tratamento de águas contaminadas com hidrocarbonetos”; entre outros.

Fonte: Gestão CT

FAPDF: prorrogada inscrição para edital de capacitação tecnológica - Censipam

A Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF) prorrogou até o dia 8 de outubro o prazo para inscrição no Edital 14/2010 - Programa de Capacitação Científica e Tecnológica para o Desenvolvimento de Estudos e Projetos Aplicados ao Censipam.

Serão oferecidas 30 bolsas para complementação profissional de tecnologia da informação (TI). O objetivo é contribuir para fortalecer a integração de diversas áreas de conhecimento sobre a região amazônica, por meio das ferramentas oferecidas pela TI.

O desenvolvimento das atividades de pesquisa ocorrerá no Centro de Coordenação Geral do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), em Brasília, e na FAPDF.

As bolsas oferecidas são para candidatos com nível médio ou superior, com duração de 18 meses. Serão disponibilizados recursos da ordem de R$ 3 milhões, dos quais R$ 2 milhões do Censipam e da FAPDF e R$ 1 milhão do governo do Distrito Federal.

Fonte:Gestão CT

R$ 6 milhões para o pós-graduação na Uepa

Financiar bolsas em projetos estratégicos na área da saúde, com reflexos nos setores da educação e tecnologia. Este é o objetivo do convênio de R$ 6 milhões assinado esta semana entre a Fundação de Amparo à Pesquisa do Pará (Fapespa) e a Universidade Estadual do Pará (Uepa).

O aporte será destinado para o Programa de Fortalecimento da Pesquisa e Pós-Graduação da instituição de ensino superior do Estado. De acordo com o secretário adjunto da Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect), João Weyl, a Uepa é importante no cenário de desenvolvimento da ciência e tecnologia no Pará, principalmente na área da saúde.

Já a reitora da universidade, Marília Brasil Xavier, disse que a parceria é fundamental para fixar mão-de-obra especializada na região. “Perdemos alunos que vão fazer pós-graduação lá fora e não voltam. Com investimento em recursos humanos podemos ter uma instituição com compromisso e visão estratégica para fixar esses pesquisadores no Estado”.A Fapespa é uma instituição associada à ABIPTI.(Com informações da Fapespa)

Fonte: Gestão CT

Fapesb: apoio a projeto de metareciclagem de computador

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) apoia um projeto voltado para metareciclagem de computadores, com vistas à promoção da inclusão digital em comunidades baianas com baixo índice de desenvolvimento.

O Metarede é desenvolvido em parceria com pesquisadores de 12 comunidades de Salvador (BA) e, por meio da iniciativa, são oferecidos cursos de manutenção de microcomputadores, instalação e operacionalização de softwares livres e treinamento de gestão e empreendedorismo.

O programa foi contemplado no edital de apoio de tecnologias para o desenvolvimento social da Fapesb. O diretor de Inovação da fundação, Elias Souza, disse que a ideia é buscar soluções inovadoras para problemas de desigualdades sociais. “Assim, os pesquisadores baianos são estimulados a buscar soluções tecnológicas e inovadoras, aliando a pesquisa acadêmica com saberes populares, tradicionais e locais”.

Após a manutenção, os computadores são vendidos a preços populares ou doados para organizações não governamentais. O coordenador da iniciativa, Hugo Saba Pereira, disse que o Metarede viabiliza a criação de centros de informática para a capacitação profissional dos jovens.A Fapesb é uma instituição associada à ABIPTI.

Informações podem ser obtidas pelo telefone (71) 8295-9655.(Com informações da Fapesb)

Fonte: Gestão CT

Miguel Nicolelis receberá o NIH Director’s Transformative R01 Award em 2010

Nicolelis recebe nova distinção dos NIH
O neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, codiretor do Centro de Neuroengenharia da Universidade Duke, nos Estados Unidos, foi distinguido novamente pelos Institutos Nacionais de Saúde (NIH).

Nicolelis foi anunciado nesta quinta-feira (30/9) como um dos escolhidos para receber o NIH Director’s Transformative R01 Award em 2010, que concederá cerca de US$ 4 milhões para aplicação no desenvolvimento de uma nova terapia para o mal de Parkinson.

Segundo o NIH, a pesquisa, que vem sendo conduzida há alguns anos, é “arrojada, criativa e de alto impacto”. Há apenas dois meses, Nicolelis foi um dos contemplados do Director’s Pioneer Award, outro programa de apoio a pesquisas dos NIH. O auxílio consiste em US$ 2,5 milhões para investir em estudos com interface cérebro-máquina, área em que o cientista é um dos maiores expoentes no mundo.

Nicolelis é o primeiro cientista a receber no mesmo ano o Director’s Pioneer Award e o Director’s Transformative R01 Award.

O novo apoio permitirá que Nicolelis continue seu trabalho inovador no desenvolvimento de um novo método de estimulação, que se constitui a primeira terapia potencial que tem como alvo a medula espinhal, e não o cérebro, podendo resultar em abordagem eficiente e menos invasiva para o tratamento de Parkinson.

O cientista pretende usar os recursos para viabilizar o desenvolvimento de próteses para melhorar as habilidades motoras debilitadas em estágios avançados da doença.

O objetivo é que os dispositivos estimulem eletricamente a medula. O grupo de Nicolelis obteve sucesso ao devolver movimentos normais em camundongos com capacidade motora interrompida poucos segundos após o dispositivo ser ligado.

“As opções de tratamento atuais para a doença de Parkinson estão frequentemente associadas com efeitos colaterais, costumam perder a eficácia com o tempo ou são invasivas e usadas como última opção. O estímulo da espinha dorsal é fácil de ser feito, significativamente menos invasivo e tem o potencial de uso generalizado em conjunto com medicamentos tipicamente usados no tratamento de Parkinson”, disse Nicolelis.

O pesquisador estuda há mais de 20 anos os princípios neurofisiológicos básicos que permitem que circuitos neurais no cérebro de mamíferos produzam comportamentos sensoriais, motores e cognitivos. Tem desenvolvido abordagens experimentais e inovadoras que combinam enfoques computacionais, genéticos, eletrofisiológicos, farmacológicos e comportamentais.

O conhecimento resultante tem possibilitado a evolução da tecnologia cérebro-máquina, um campo revolucionário no qual Nicolelis é pioneiro, em uma ampla variedade de terapias clínicas.

Por meio da tecnologia cérebro-máquina, o grupo do brasileiro tem demonstrado que humanos e outros primatas podem usar efetivamente a atividade elétrica derivada de seus cérebros para controlar diretamente o movimento de dispositivos artificiais e complexos, como próteses e ferramentas computacionais.

Nicolelis graduou-se em medicina pela Universidade de São Paulo (1984), onde fez o doutorado em ciências-fisiologia geral (1989), com Bolsa da FAPESP. É também professor do  Instituto Cérebro e Menteda Escola Politécnica Federal de Lausanne e fundador do Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra (IINN-ELS).

Fonte: Agência FAPESP

Fapema: Maranhão lança edital no âmbito do PPSUS

A Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) recebe inscrições até 12 de novembro para o Edital 25/2010, no âmbito do Programa Pesquisa para o SUS: gestão compartilhada em saúde.

O objetivo é apoiar atividades de pesquisa, mediante o aporte de recursos financeiros a projetos que visem promover o desenvolvimento científico, tecnológico ou de inovação da área de saúde, em temas prioritários para o Maranhão.

Poderão apresentar propostas pesquisadores doutores e, excepcionalmente, mestres, vinculados a instituições de ensino superior, institutos e centros de pesquisa e desenvolvimento, públicos ou privados, sem fins lucrativos, além de empresas públicas que executem atividades de pesquisa em ciência, tecnologia e inovação.

As propostas aprovadas serão financiadas com recursos de capital e custeio, no valor estimado de R$ 510 mil, dos quais R$ 170 mil oriundos da Fapema e a contrapartida do Ministério da Saúde.A Fapema é uma instituição associada à ABIPTI.

Fonte: Gestão CT

Grand Challenges Exploration: inscrições abertas

Até o dia 2 de novembro, a Fundação Bill e Melinda Gates receberá inscrições para a sexta rodada do Grand Challenge Exploration, que distribuirá US$ 100 milhões aos projetos selecionados que apresentarem soluções inéditas para problemas mundiais de saúde.

A organização receberá propostas que contemplem os seguintes tópicos: novas abordagens voltadas à cura da infecção por HIV; nova geração de tecnologias sanitárias; novas tecnologias voltadas à saúde de mães e recém-nascidos; novas tecnologias celulares de baixo custo voltadas a doenças globais; e a criação de meios de acelerar, manter e monitorar a erradicação do vírus da poliomielite.

O prêmio visa a estimular pesquisadores, estudantes e demais interessados em todo o mundo a desenvolver inovações que contemplem os principais desafios ligados à saúde.

De acordo com os organizadores, os critérios de escolha dos melhores trabalhos estão baseados mais na qualidade da ideia apresentada e nos possíveis impactos de sua aplicação do que na experiência dos candidatos ou em vínculo com alguma instituição de pesquisa.

Duas vezes ao ano, a fundação do fundador da Microsoft e sua mulher distribui apoios no valor de US$ 100 mil a fim de financiar a fase inicial dos projetos escolhidos e entre aqueles que obtêm maior sucesso são selecionados alguns para receber um financiamento de US$ 1 milhão ou mais.

Para se inscrever é preciso preencher o formulário na internet e apresentar o projeto em duas páginas, não sendo necessários dados preliminares.

Fonte: Agência FAPESP

R$ 55 milhões para Fundação Araucária e Tecpar

A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado do Paraná e o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) receberão aporte de R$ 36,9 milhões e R$ 18,1 milhões, respectivamente.

Na última segunda-feira (27), o governador do Estado, , pediu agilização na transferência de R$ 55 milhões de recursos relativos ao Sistema de Fomento da Ciência e Tecnologia no Estado do Paraná, que prevê que 2% da receita tributária estadual sejam transferidos para o Fundo Paraná.

Os recursos vão acelerar o cumprimento dos programas de fomento da fundação, assim como as pesquisas com biotecnologia para a produção de insulina e microbiologia para produção de vacinas desenvolvidas pelo Tecpar.(Com informações da Seti-PR)

Fonte: Gestão CT

Excesso de sódio e déficit de ferro em alimentos de transição


Sal de mais e ferro de menos
A partir do sexto mês de vida, crianças nutridas somente com leite materno precisam também passar a se alimentar com alimentos sólidos preparados em casa.

Ao analisar amostras de alimentos de 78 lactentes, entre 6 e 18 meses, um estudo publicado no Jornal de Pediatria indica que eles apresentaram em geral baixo teor de ferro, mas quantidade excessiva de sódio.

O objetivo do estudo, desenvolvido na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e na Universidade do Estado do Pará (UEPA), foi determinar, por análise química, a composição nutricional de macronutrientes, energia e quantidades de sódio e ferro em alimentos preparados em domicílio para lactantes em Belém (PA) em dois grupos de estratos socioeconômicos diferentes.

O estudo apontou que 95% dos chamados alimentos de transição tinham teor inadequado de ferro no grupo socioeconômico mais baixo, contra 65% no estrato mais elevado. Todas as amostras analisadas, em ambos os grupos, apresentaram quantidade de ferro abaixo do mínimo recomendado (6,0 mg/100 g).

Por outro lado, o excesso de sódio foi constatado em 89,2% e 31,7%, respectivamente, para a referência que é de 200 mg/100 g.

De acordo com Mauro Batista de Morais, professor do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), apesar de serem raros os estudos de composição química de alimentos para lactentes preparados em domicílio, a pesquisa mostra que o período de transição é realizado frequentemente de maneira imprópria.

“O estudo lança um alerta em relação à quantidade de sódio encontrada na comida. O termo ‘papa salgada’, frequentemente usado na orientação para que a mãe introduza comida salgada na dieta infantil, deveria ser abolido. O termo funciona como um incentivo para se adicionar mais sal. Preferimos ‘papa para o almoço’”, disse Morais, que é professor da disciplina de Gastroenterologia na Unifesp.

Segundo o pesquisador, o estudo possibilita uma revisão na elaboração de diretrizes metodológicas na área. A pesquisa corresponde à tese de doutorado de Marcia Bitar Portela Neves, defendida em 2009 na Unifesp, com orientação de Morais.


O estudo em Belém foi realizado entre junho de 2005 e setembro de 2006. Foram analisadas 78 amostras de alimentos de transição preparados em domicílios. As crianças eram sadias e não apresentavam peso ou estatura baixos para a idade.

As amostras foram coletadas de famílias atendidas em dois tipos de serviço de atendimento pediátrico: na Unidade Materno-Infantil da UEPA e em quatro consultórios privados em Belém. A proposta foi comparar crianças de diferentes estratos socioeconômicos.

As porções – refeições servidas no almoço, como feijão, arroz, macarrão, carne e hortaliças – foram coletadas nas casas dos participantes, congeladas e, posteriormente, enviadas por via aérea a São Paulo, onde foram analisadas no Laboratório de Bromatologia e Microbiologia de Alimentos da Unifesp.

Poucos lipídios
Os pesquisadores analisaram quimicamente as proteínas, lipídios, hidrato de carbono, ferro, sódio e valor energético total. De acordo com Tania Beninga de Morais, coordenadora do Laboratório de Bromatologia e Microbiologia de Alimentos da Unifesp e co-orientadora do estudo, o teor de ferro foi escolhido porque sua deficiência é a principal carência nutricional nessa faixa etária.

“Até o sexto mês de vida, o leite materno é o melhor e mais completo alimento para o lactente. Após essa idade, torna-se necessária a introdução de outros alimentos na dieta. Mas o que temos percebido é que o processo de transição para a dieta da criança se faz de maneira inadequada pela oferta, em quantidade e em qualidade, de alimentos inapropriados. Isso pode ser crítico para a manutenção de um crescimento saudável”, disse Tania.

Segundo ela, a necessidade de ferro nessa faixa etária é de 11 mg/dia nos menores de 1 ano. “Essa taxa é difícil de ser atingida pela alimentação normal, pois as carnes têm teor de ferro relativamente baixo frente à capacidade gástrica reduzida das crianças nessa fase da vida”, explicou.

A pesquisadora conta que a carne bovina, como acém moído e cozido, por exemplo, tem cerca de 3 miligramas de ferro em cada 100 gramas, o equivalente a um bife médio.

O estudo demonstrou também a insuficiência na quantidade de lipídios encontrada nos alimentos. “Acredita-se que a recomendação de limitação da ingestão de lipídios na dieta de adultos esteja, possivelmente, influenciando também a preparação de refeições para as crianças. Ressalte-se que os lipídios são essenciais, nessa fase da vida, na maturação do sistema nervoso”, disse.

De acordo a professora da Unifesp, o excesso de sódio pode ser explicado pelo hábito da população brasileira de consumir sal de cozinha em quantidades muito acima do recomendado, o que pode se refletir também na preparação de alimentos destinados às crianças.

“Educar o paladar dos lactentes para alimentos com baixo teor de sal é importante, uma vez que sua ingestão excessiva está associada com aumento da pressão arterial no futuro”, alertou.

Para ler o artigo Excesso de sódio e déficit de ferro em alimentos de transição, disponível na biblioteca on-line SciELO (Bireme/FAPESP), clique aqui

Fonte: Alex Sander Alcântara / Agência FAPESP

1º Encontro Internacional de Inovação Tecnológica Sustentável

Acontece nos dias 15 e 16 de outubro, em Juiz de Fora (MG), o 1º Encontro Internacional de Inovação Tecnológica Sustentável. A proposta é incentivar o intercâmbio entre instituições de ensino e pesquisa do Brasil e do exterior, em áreas como agronegócio, energias renováveis, gestão de resíduos e competitividade industrial.

O encontro,  reunirá palestrantes do Brasil, Espanha, Áustria, Colômbia e Equador.

Informações sobre o evento podem ser obtidas no telefone (32) 3241-3107.

Fonte: Gestão CT

Fapeam: bolsas para especialização em jornalismo científico

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) selecionou 20 profissionais e estudantes de comunicação e áreas afins para participar da quinta edição do Programa de Apoio à Divulgação da Ciência. A iniciativa, considerada uma referência em nível nacional na área de popularização da ciência, será realizada de 1º de outubro de 2010 a 30 de setembro de 2011.

Os beneficiados receberão bolsa na modalidade jornalismo científico, pelo período de um ano, com valores que variam de R$ 550 (estudante) a R$ 2,2 mil (profissional), dependendo da titulação do bolsista, para uma jornada semanal de 20 horas. Os profissionais selecionados vão produzir material para mídia impressa e digital, rádio e produtos para a televisão sobre ciência, de acordo com as demandas do programa.

O objetivo da iniciativa é despertar e desenvolver vocações na área de difusão científica para diferentes meios de divulgação, como jornais, revistas, rádio, televisão e internet, a partir do envolvimento de pesquisadores, profissionais e estudantes de comunicação e áreas afins.A Fapeam é uma entidade associada à ABIPTI.(Com informações da Fapeam) 

Fonte: Gestão CT