terça-feira, 14 de setembro de 2010

Revisão do Código Florestal poderá levar a perdas irreversíveis na biodiversidade tropical

 No Return from Biodiversity Loss  -  Revisão sem volta 
Se for aprovada em sua forma atual, a revisão do Código Florestal brasileiro, em votação no Congresso Nacional, poderá levar a perdas irreversíveis na biodiversidade tropical, alertam cientistas em carta publicada na edição atual da revista Science.

Intitulada Perda de biodiversidade sem volta, a carta tem autoria de Fernanda Michalski, professora do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Tropical da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), Darren Norris, do Departamento de Ecologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), e Carlos Peres, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido.

Na carta, os pesquisadores apontam que as propriedades privadas correspondem a 39% do território brasileiro e representam um componente essencial para a conservação da biodiversidade florestal, à parte das áreas protegidas formalmente.

Mas os “interesses de curto prazo de poderosos grupos econômicos, influentes proprietários de terra e políticos, ao diluir o Código Florestal, ignoram o valor das florestas privadas para a conservação”, segundo eles.

De acordo com Fernanda, a manifestação é um complemento à carta publicada na Science no dia 16 de julho, por pesquisadores ligados ao Programa Biota-FAPESP, com o título Legislação brasileira: retrocesso em velocidade máxima?. Segundo ela, o objetivo foi colocar em evidência a modificação do código relacionada à redução de área das Áreas de Proteção Permanente (APP).

“A Science abre espaço para que possamos reforçar comentários feitos em edições anteriores. Quisemos fazer isso para enfatizar um pouco mais o problema diretamente ligado à redução das áreas de APP, que está sendo levantado na proposta de reforma do Código Florestal”, disse.

Professora do Departamento de Ecologia da Unesp até o fim do primeiro semestre de 2010, Fernanda concluiu seu doutorado em 2007, na Universidade de East Anglia, sob orientação de Peres, e realizou pós-doutorado na Universidade de São Paulo (USP), com Bolsa da FAPESP.

“Parte do meu pós-doutorado correspondeu exatamente à avaliação do uso de áreas de APP por vertebrados de médio e grande porte. A partir dos dados obtidos nessa pesquisa achamos relevante destacar esse tópico no contexto da reforma do Código Florestal”, destacou.

A carta enviada em julho pelos pesquisadores do Biota-FAPESP apontava que as novas regras do Código Florestal reduziriam a restauração obrigatória de vegetação nativa ilegalmente desmatada desde 1965. Com isso, as emissões de dióxido de carbono poderão aumentar substancialmente e, a partir de simples análises da relação espécies-área, “é possível prever a extinção de mais de 100 mil espécies, uma perda massiva que invalidará qualquer comprometimento com a conservação da biodiversidade”, segundo eles.

O texto foi assinado por Jean Paul Metzger, do Instituto de Biociências da USP, Thomas Lewinsohn, do Departamento de Biologia Animal da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Luciano Verdade e Luiz Antonio Martinelli, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena), da USP, Ricardo Ribeiro Rodrigues, do Departamento de Ciências Biológicas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, e Carlos Alfredo Joly, do Instituto de Biologia da Unicamp.

Efeito de borda
A carta publicada na edição atual da revista científica norte-americana afirma que a reforma da legislação irá “efetivamente condenar remanescentes florestais e a rebrota em terras privadas no maior país tropical da Terra”.

Segundo Fernanda, o texto reforça uma questão levantada na manifestação anterior, relacionada a um possível aumento do “efeito de borda” – uma alteração na estrutura, na composição ou na abundância de espécies na parte marginal de um fragmento florestal que acaba tendo impactos sobre a fauna e flora de toda a região.

“O efeito de borda se manifesta à medida que a permeabilidade da matriz aumenta e cria uma série de efeitos adversos para a flora e para a fauna. Mas, além disso, nossas pesquisas revelaram um outro dado importante que merecia ser destacado: quando a área de proteção é reduzida a menos de 50 metros de cada lado da APP, o resultado é um aumento considerável na mortalidade das árvores”, afirmou.

Os cientistas brasileiros alertam que, com as modificações propostas na legislação, a redução das áreas de proteção deverá provocar mudanças nas características da paisagem que reduzirão a capacidade da floresta para reter e conectar espécies, ou para manter a qualidade dos corpos d’água.

Segundo o texto, os proprietários rurais que cumprirem a nova legislação aumentarão a fragmentação da paisagem e reduzirão o valor das suas propriedades, por conta da erosão do solo e pela má regulação de captação de água nas bacias hidrográficas.

Mas ainda é possível ter esperança: “a comunidade científica e ambiental, as organizações não governamentais e o Ministério do Meio Ambiente ainda podem se conciliar com os defensores da reforma do Código Florestal”, ressaltam os autores.

“Para isso, será preciso melhorar a comunicação entre os segmentos da sociedade, desenvolvendo alternativas de gestão inteligente do uso do solo na matriz agropecuária existente e evitando, com isso, a expansão de novas fronteiras de desmatamento”, afirmam.

O artigo No Return from Biodiversity Loss (doi: 10.1126/science.329.5997.1282-a), de Fernanda Michalski, Darren Norris, and Carlos A. Peres, pode ser lido por assinantes da Science

Fonte: Fábio de Castro /Agência FAPESP

CNPq: apoio a projetos voltados a inclusão digital

Apoiar projetos de extensão inovadora que tenham como suporte as redes informacionais e as tecnologias de informação e comunicação. Este é o objetivo do Edital 49/2010, lançado pelo CNPq, e que está com as inscrições abertas até 20 de outubro.

O intuito da chamada é contribuir para a inclusão digital e social e para o desenvolvimento sustentável local, por meio da disseminação e transferência de tecnologia em contextos comunitários. As propostas aprovadas serão financiadas com recursos da ordem de R$ 5,5 milhões, sendo o valor máximo solicitado por projeto de R$ 68,7 mil.

As propostas deverão ser executadas em 12 meses. Excepcionalmente, caso haja acréscimos de recursos originados do MCT, o prazo poderá ser prorrogado por igual período. O proponente deve ser professor de instituição de ensino superior (IES) pública ou privada, sem fins lucrativos, além de ter currículo cadastrado na Plataforma Lattes, e vínculo celetista ou estatutário com a instituição de execução do projeto.

Fonte:Gestão CT

Jorge Kalil na presidência da International Union of Immunological Societes - IUIS

O professor Jorge Elias Kalil Filho, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), foi eleito para a presidência da International Union of Immunological Societes (IUIS) , que congrega 65 sociedades nacionais e cinco federações continentais de imunologia.

O regimento da entidade determina que o presidente deve assumir inicialmente a vice-presidência durante três anos para depois tomar posse como presidente. Isso significa que Kalil ficará como vice-presidente da IUIS até 2013, quando assumirá a presidência para um mandato até 2016.

A presidência da IUIS já foi ocupada por dois prêmios Nobel e o atual presidente, Stefan H.E. Kaufmann, é diretor do Instituto Max Planck, na Alemanha.

“A eleição de um brasileiro será importante para dar visibilidade à ciência do país no cenário mundial, especialmente na área de imunologia”, disse Kalil.

Em sua gestão, o professor pretende aumentar a participação de pesquisadores brasileiros nas atividades internacionais promovidas pela IUIS, entre elas a edição de um periódico científico que a entidade pretende lançar no próximo ano.

Kalil é professor titular de Imunologia Clínica e Alergia do Departamento de Clínica Médica da FMUSP e diretor do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor-USP). Coordena o Instituto de Investigação em Imunologia, um dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT) que recebem apoio da FAPESP e do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).

Fonte: Agência FAPESP

Sai o resultado da segunda chamada da Escola São Paulo de Ciência Avançada – ESPCA

Aprovados na chamada ESPCA
A FAPESP divulga o resultado da segunda chamada da Escola São Paulo de Ciência Avançada – ESPCA (Chamada FAPESP 04/2010), lançada em 28 de abril de 2010.

O objetivo da ESPCA é criar oportunidades para que pesquisadores de São Paulo organizem eventos que tragam ao Estado jovens estudantes ou pós-doutores de outros países e regiões, possibilitando a interação com estudantes e pesquisadores locais e debatendo temas avançados da ciência.

A expectativa da FAPESP é que esses eventos contribuam para a atração de talentos e para a visibilidade internacional da pesquisa no Estado de São Paulo.

As propostas selecionadas foram:

Aprovados na chamada ESPCA

14/9/2010
A FAPESP divulga o resultado da segunda chamada da Escola São Paulo de Ciência Avançada – ESPCA (Chamada FAPESP 04/2010), lançada em 28 de abril de 2010.
O objetivo da ESPCA é criar oportunidades para que pesquisadores de São Paulo organizem eventos que tragam ao Estado jovens estudantes ou pós-doutores de outros países e regiões, possibilitando a interação com estudantes e pesquisadores locais e debatendo temas avançados da ciência.
A expectativa da FAPESP é que esses eventos contribuam para a atração de talentos e para a visibilidade internacional da pesquisa no Estado de São Paulo.

As propostas selecionadas foram:

Nº processo Beneficiário Instituição Título Área/Subárea
2010/51533-0 Carlos Afonso Nobre Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais/MCT Escola São Paulo on Global Climate Modeling – ESPGCM – Cachoeira Paulista – SP Geociências/
Meteorologia
2010/51566-6 Carlos Alberto Moreira dos Santos Escola de Engenharia de Lorena/USP Escola Avançada Materiais Condutores Supercondutores Anisotrópicos – Lorena – SP Física/Física da matéria condensada
2010/51405-2 Fernando Ferreira Costa Faculdade de Ciências Médicas/Unicamp School Advanced Science - Advanced Topics Human Molecular Genetics – Campinas – SP Genética/Genética humana e médica
2010/51395-7 Thomas Michael Lewinsohn Instituto de Biologia/Unicamp Redes em Ecologia: Teoria, Métodos e Aplicações – Campinas – SP Ecologia/Ecologia teórica
2010/51535-3 Vanderlei Salvador Bagnato Instituto de Física de São Carlos/USP Desafios Modernos com Matéria Quântica: Átomos e Moléculas Frias – São Carlos – SP Física/Física atômica e molecular

Propostas em diligência:

Nº processo Beneficiário Instituição Título Área/Subárea
2010/51534-7 Luciana Correia de Almeida Regitano Embrapa Pecuária Sudeste/Embrapa Avanços no conhecimento da resistência parasitária do hospedeiro ruminante e parasita – São Carlos – SP Medicina veterinária/Med. vet. preventiva
2010/51393-4 Ohara Augusto Instituto de Química/USP Escola São Paulo de Ciência Avançada de Processos Redox em Biomedicina – Ribeirão Preto – SP Física/Física atômica e molecular

Mais informações: www.fapesp.br/espca

Fonte:Agência FAPESP

Capes - DAAD: financiamento de missões de curta-duração para Alemanha

     A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) selecionará candidatos para o Programa de Intercâmbio Científico Brasil-Alemanha de Curta Duração. As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas exclusivamente pela internet com, no mínimo, 90 dias de antecedência da viagem.

     O objetivo da iniciativa, realizada em parceria com o Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD), é fortalecer a cooperação científica entre os dois países. A ação financiará a ida de pesquisadores de instituições brasileiras à Alemanha e a vinda de pesquisadores de instituições alemãs ao Brasil.

     Podem participar do edital 58/2010 pesquisadores que possuam diploma de doutorado há, pelo menos, dois anos. O proponente deve ainda possuir atuação acadêmica qualificada na área e reconhecida competência profissional com produção intelectual consistente.

     As missões devem ter duração de, no mínimo, 30 e, no máximo, 90 dias, improrrogáveis. Para realização das missões, a Capes concederá auxílio deslocamento no valor de US$ 2,2 mil e diárias no Brasil no valor de R$ 240.

Fonte: Gestão CT

MP nº 501 altera regras para subvenção econômica ao BNDES

O governo federal alterou na semana passada as condições para concessão de subvenção econômica ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em operações de financiamento destinadas à aquisição e produção de bens de capital e à inovação tecnológica.

A Medida Provisória (MP) nº 501, publicada no Diário Oficial da União na quarta-feira (8), dá nova redação ao artigo 1º da Lei nº 12.096, de 24 de novembro de 2009. O novo texto autoriza, por exemplo, operações destinadas à produção de bens de consumo para a exportação e ao setor de energia elétrica.

Também foi elevado o limite de financiamentos subvencionados pela União. O valor passou de R$ 44 bilhões para R$ 90 bilhões, um crescimento de aproximadamente 105%.

Outra novidade é a ampliação do prazo para a concessão da subvenção sob a modalidade de equalização de taxas de juros. As operações de financiamento poderão ser contratadas até 31 de março de 2011. Anteriormente o prazo estava limitado a 31 de dezembro de 2009.

Fonte:Gestão CT

Programa Capes/COT: Parceria incentiva doutorado em Cambridge

Parceria incentiva doutorado em Cambridge
Estudantes brasileiros poderão cursar doutorado pleno na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, com duração de até quatro anos, financiados pelo Programa Capes/COT. No último dia 8, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) assinou um memorando de entendimento sobre Ensino Superior e Pesquisa com o Cambridge Overseas Trust (COT), estabelecendo o novo programa.

O objetivo da iniciativa é aprofundar a cooperação entre acadêmicos e cientistas de instituições brasileiras e daquela universidade. Será concedido até dez bolsas de estudo no primeiro ano, sendo que o custeio de mensalidade, auxílio instalação, seguro-saúde e passagem aérea ficarão a cargo da Capes.

O presidente da coordenação, Jorge Almeida Guimarães, acredita que o programa Capes-COT vai abrir uma série de oportunidades por se tratar de uma parceria com uma das instituições mais importantes do mundo acadêmico, e disse que o acordo deve alcançar um grande número de universidades.

Já o embaixador da Inglaterra no Brasil, Alan Charlton, afirmou que a iniciativa pode mudar o cenário acadêmico de seu país. "As parcerias que Cambridge tem realizado são diferentes das outras instituições inglesas. Esperamos com isso iniciar um círculo virtuoso de competição com outras universidades britânicas". (Com informações da Capes)

Fonte:Gestão CT

Seminário: Internacionalização e Educação Tecnológica na América Latina e Europa: os casos de França, México e Colômbia

Seminário encerra programa de capacitação de dirigentes da rede federal
Promover o intercâmbio de experiências entre gestores da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Este foi o objetivo do seminário “Internacionalização e Educação Tecnológica na América Latina e Europa: os casos de França, México e Colômbia”, que aconteceu na semana passada, em Brasília (DF).

De acordo com Gleisson Rubin, diretor de Articulação e Projetos Especiais da Educação Profissional do Ministério da Educação (MEC), o encontro permitiu formar uma nova cultura nas relações internacionais dentro da rede federal.

“Um caminho que não é apenas de busca, mas também de oferta de experiências por parte de nossas instituições”, disse. Segundo Rubin, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) estuda o modelo da rede federal para servir de base ao continente africano.

O seminário encerrou o programa de capacitação dos dirigentes da rede federal onde, ao longo de seis meses, foram abordados temas como gestão estratégica de pessoas e equipes, comunicação organizacional, liderança, planejamento, entre outros.(Com informações do MEC) 

Fonte:Gestão CT

Prêmio Inova Unicamp

A Agência de Inovação da Universidade Estadual de Campinas (Inova-Unicamp) realizará o Prêmio Inova Unicamp de Iniciação à Inovação durante o 18º Congresso Interno de Iniciação Científica da Unicamp, nos dias 22 e 23 de setembro no Centro de Convenções da universidade.

Um comitê julgador composto por profissionais da equipe de propriedade intelectual da agência avaliará o potencial de inovação dos trabalhos apresentados no congresso e escolherá seis, dos quais dois de cada área do conhecimento: ciências humanas, exatas e biológicas.

Serão utilizados três critérios de avaliação: relevância do problema a ser resolvido, criatividade e efetividade da proposta de resolução do problema e estágio de desenvolvimento da tecnologia. Os vencedores receberão certificados de honra ao mérito.

No dia 23, Gabriel Gustavo Guio, agente de propriedade intelectual da Inova Unicamp, realizará a palestra “Como patentear sua invenção na Unicamp”.

Fonte: Agência FAPESP

Reflora: edital resgata informações sobre flora brasileira

Estão abertas as inscrições, até o dia 25 de outubro, para o Edital 56/2010, uma parceria entre o CNPq, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e as Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs). Os investimentos somam R$ 17 milhões.

A chamada visa resgatar e disponibilizar, no Herbário Virtual para o Conhecimento e Conservação da Flora Brasileira (Reflora), as informações relacionadas às plantas do Brasil coletadas nos séculos 18, 19 e 20 e depositadas nos herbários do Royal Botanic Gardens (RBG) de Kew, Inglaterra, e do Muséum National d’Histoire Naturelle (MNHN) de Paris, França.

As propostas devem envolver projetos individuais ou em redes temáticas com o foco em pesquisas integradas ao processo de repatriamento, que contribuam para a ampliação do conhecimento e maior colaboração entre grupos brasileiros e o RBG Kew e o MNHN.

Entre os temas a serem contemplados estão taxonomia, filogenia, evolução e adaptação das espécies de plantas brasileiras; fitogeografia dos biomas brasileiros; conservação, uso e biodiversidade, com ênfase na dinâmica de espécies e populações; estudos de biologia molecular com ênfase em ecologia molecular e código de barras de DNA (“barcode”) para espécies de uso econômico ou com potencial de uso; entre outros.

As propostas deverão ter seu prazo máximo de execução estabelecido em 36 meses. Para participar, o proponente deve atender a alguns requisitos, como possuir o título de doutor e ter seu currículo cadastrado na Plataforma Lattes, além de ter vínculo celetista ou estatutário com a instituição de execução do projeto.

Fonte: Gestão CT

Portaria nº 696 do MCT cria conselho consultivo para o Nordeste

O MCT publicou na última quarta-feira (8), no Diário Oficial da União, a portaria nº 696 de 3 de setembro de 2010, que cria o Conselho Consultivo da Representação Regional do ministério no Nordeste. O objetivo é propor políticas de CT&I para o desenvolvimento da região a serem implementadas por agências de fomento nas esferas federais, estaduais e municipais.

Caberá ao comitê definir mecanismos de acompanhamento e avaliação de resultados das ações e programas dos diversos agentes de apoio e fomento às atividades de CT&I. A comissão deverá, ainda, identificar e estimular articulações regionais que visem novas áreas de atuação para o desenvolvimento tecnológico regional, assim como propor programas que visem consolidar os projetos já existentes.

A comissão será formada por representantes de diversas instituições públicas e privadas, que atuam na promoção e gestão de atividades de CT&I no país. 

Fonte:Gestão CT

Capes: 60 propostas aprovadas no Programa Novos Talentos

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divulgou, na última sexta-feira (10), o resultado do Programa Novos Talentos. No total, foram aprovados 62 projetos, em todas as regiões do Brasil. Pela iniciativa, estudantes da rede pública de ensino terão uma série de atividades extracurriculares em universidades públicas e institutos de ciência e tecnologia.

Os projetos aprovados vão de "Escola aberta de iniciação à ciência" a "Cursos de férias de física, química e astronomia", passando por "A biologia como foco para alfabetização científica". O ponto em comum entre os projetos é o objetivo de integrar universidade e escola pública, ensino básico e superior.(Com informações da Capes)

Fonte:Gestão CT

Projeto Milton Santos beneficia graduandos estrangeiros em instituições federais

Programa de cooperação beneficia graduandos estrangeiros em instituições federais

O Projeto Milton Santos de Acesso ao Ensino Superior (Promisaes) irá conceder um salário mínimo mensal para 150 alunos estrangeiros, de 16 países, participantes do Programa Estudantes–Convênio de Graduação (PEC-G). Todos cursam graduação em instituições federais de ensino superior brasileiras.

Os universitários selecionados este ano estão distribuídos em 35 universidades federais nas cinco regiões brasileiras e no Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) do Rio de Janeiro. Dos 150 escolhidos, 130 são de países africanos, 12 da América Latina e oito do Caribe. O auxílio tem duração de 12 meses.

De acordo com a Secretaria de Educação Superior (Sesu) do Ministério da Educação (MEC), com a renovação anual do auxílio, o Promisaes atende 626 alunos. O programa foi criado em 2003 para fomentar a cooperação técnico-científica e cultural entre os países com os quais o Brasil mantém acordos nas áreas de educação e cultura. (Com informações do MEC)

Fonte:Gestão CT

INPA: 2º Fórum de Gestores Públicos e Transferência de Tecnologia da Região Norte

Desenvolvimento sustentável é tema de fórum do Inpa

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) promoveu, nos dias 9 e 10, o “2º Fórum de Gestores Públicos e Transferência de Tecnologia da Região Norte”. O objetivo do evento, realizado na sede da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), foi discutir a inovação como forma de desenvolver de maneira sustentável a Amazônia.

“A questão da inovação é relativamente recente, por isso é importante que ocorram mais reuniões como essa. A inovação daqui pra frente deve ser olhada sempre com a ótica do desenvolvimento sustentável”, destacou o coordenador geral das Unidades de Pesquisas do MCT, Carlos Oiti.

O evento reuniu gestores públicos ligados à área de pesquisas de toda a região Amazônica e também destacou formas de envolver as indústrias no processo de inovação. “A importância desse evento é trocar experiências, formular propostas e debatê-las nacionalmente”, concluiu o coordenador de Ações Estratégicas do Inpa, Estevão Monteiro de Paula. O Inpa é uma entidade associada à ABIPTI. (Com informações do Inpa)

Fonte:Gestão CT

MJ: Força Nacional treinará 500 policiais civis

Com objetivo de reduzir índice de homicídios não solucionados no país, curso do Ministério da Justiça abrangerá não apenas agentes militares

O Ministério da Justiça inicia nesta segunda-feira (13) o treinamento de 500 policiais civis que integrarão a Força Nacional. A capacitação, que antes abrangia apenas agentes militares, tem como objetivos principais reduzir o índice de homicídios não elucidados no país e suprir carências na área de investigação.

“A Força Nacional de Segurança Pública necessita de um braço investigativo desde sua criação, pois percebeu que algumas operações realizadas tinham seu esclarecimento prejudicado pela ausência de polícia judiciária própria. Quem estava fazendo essa função era a corporação do local para o qual era acionada a força", avalia o delegado Edilson de Brito, assessor especial de gabinete da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP).

Em um primeiro momento, 120 profissionais serão divididos em três turmas para a capacitação, em um curso com duração de 12 dias. O treinamento vai formar servidores dos Estados em disciplinas que incluem toda a atividade investigativa policial, tendo como princípios básicos o respeito à dignidade humana, à ética e aos direitos humanos.

Além disso, o ministério investirá R$ 100 milhões na compra de equipamentos para perícia e investigação criminal.

“Faremos uma seleção dos 40 que se saírem melhor neste curso, e eles vão receber aulas com médicos e delegados experientes na resolução de homicídios, pois desejamos reduzir o numero de casos não resolvidos. Com isso, os policiais estarão mais capacitados não apenas para atuar na Força Nacional, mas também para servirem em seus próprios Estados, além de contarem com novos e modernos equipamentos”, afirma Brito.

Copa e Olimpíada
Ainda de acordo com o delegado, com a entrada de policiais civis na corporação, poderão ser canalizados esforços de investigação para as unidades da federação que mais necessitam, mediante sua requisição. Assim, por exemplo, a Força Nacional poderá prestar apoio para minimizar o acúmulo de perícias ou laudos não realizados em um determinado Estado.

Além disso, a corporação estará em melhores condições para atender aos locais que vão receber grandes eventos como a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016, ambas no Brasil.

Inspirada nas Forças de Paz da ONU, a Força Nacional foi criada em 2004 com o objetivo de atuar em situações de crise e apoiar os governos estaduais quando solicitada.

Ela é coordenada pela SENASP (Secretaria Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça), por meio do Projeto Segurança Cidadã, que tem o apoio do PNUD.

Fonte: Bruno Meirelles/PrimaPagina -PNUD