terça-feira, 24 de agosto de 2010

INCT reúne instituições de cinco estados para desenvolver meios de controle de pragas

Pragas controladas sem impacto ambiental
A aplicação de inseticidas pode resolver a incidência de doenças em uma determinada lavoura, mas traz uma série de efeitos colaterais indesejáveis. Eliminar o inseto transmissor pode afetar a reprodução de outras espécies vegetais que dependem dele para a polinização. Além disso, resquícios dos químicos empregados aderem à planta e podem contaminar a alimentação humana, bem como rios e outros corpos d'água.

A preocupação com essas questões fez surgir o conceito de controle biorracional de pragas, uma maneira de controlar o desenvolvimento de insetos sem exterminá-los com o uso de produtos naturais e seus derivados, procurando minimizar os impactos ambientais.

No Brasil, oito unidades de pesquisa de cinco estados se uniram para formar o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) de Controle Biorracional de Insetos Pragas, com a proposta de desenvolver soluções de diversos problemas que atingem as plantações brasileiras.

A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), campus de Rio Claro, e a Universidade de São Paulo (USP), com seus campi de Ribeirão Preto e da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), em Piracicaba, são as quatro unidades paulistas que integram o instituto e recebem apoio da FAPESP e do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) por meio da modalidade Temático-INCT.

O INCT também é integrado pelas universidades federais do Paraná e de Sergipe e por duas unidades da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac): a Estação Experimental Sósthenes de Miranda, em São Sebastião do Passé (BA), e a Superintendência da Amazônia Oriental, em Belém (PA).

Uma das vantagens de utilizar compostos naturais no controle de pragas é retirar substâncias tóxicas dos processos ecológicos. “A probabilidade de uma substância natural apresentar toxicidade a um inseto é pequena. Ela pode inibir o desenvolvimento de um determinado inseto, por exemplo, e isso poupa de produtos tóxicos o animal, o meio ambiente e o próprio ser humano, que consumirá alimentos vindos daquela planta”, disse a coordenadora do INCT, Maria de Fátima das Graças Fernandes da Silva, professora do Departamento de Química da UFSCar.

Por serem mais familiares ao organismo, as substâncias naturais são metabolizadas mais facilmente, enquanto os produtos sintéticos podem acabar se acumulando. Isso ocorre porque os produtos de origem natural fazem parte de um processo de coevolução entre a planta e o inseto. No caso da aplicação de um inseticida sintético, a probabilidade dessa interação é bem menor.

As fontes de substâncias naturais não são somente as plantas, mas também fungos e bactérias, e o trabalho de pesquisa também envolve os mecanismos de interação entre insetos e plantas. “É preciso entender por que o inseto vai até a planta, por que ele carrega a bactéria e por que essa bactéria se desenvolve bem no vegetal, provocando doença”, disse Maria de Fátima.

Uma abordagem como essa foi feita para entender a propagação da Xylella fastidiosa, bactéria causadora da clorose variegada de citros, popularmente conhecida como praga do amarelinho, e cujo vetor são pequenas cigarras da família Cicadellidae.

“Ao entender a interação química entre bactéria e planta, podemos desenvolver um metabólito que iniba a proliferação do patógeno no vegetal ou ainda buscar uma substância que controle a proliferação do inseto vetor”, explicou Maria de Fátima.

O controle dos insetos é ambientalmente mais interessante do que a sua eliminação completa, de acordo com a pesquisadora, pois ele pode ser o vetor de uma doença para uma determinada planta e ao mesmo tempo o polinizador de outra. Portanto, eliminá-lo resultaria em perdas ambientais maiores na região em que o inseto desaparecesse.

Formigas famintas
Outro braço dessa pesquisa investiga a formiga-cortadeira (Atta sexdens rubropilosa), considerada praga de vários tipos de plantas. Para abordar o problema, a equipe da Unesp de Rio Claro estuda o comportamento social desses insetos e o grupo da UFSCar analisa os processos químicos envolvidos.

Uma das abordagens envolve um ataque indireto. Em vez de atingir as próprias formigas, uma substância desenvolvida no projeto elimina os fungos das quais elas se alimentam.

As formigas cortam as folhas das plantas e as levam para um compartimento do formigueiro. Nele, as folhas alimentam uma colônia de fungos que, por sua vez, alimenta toda a comunidade de insetos.

O produto desenvolvido na pesquisa pode ser aplicado sobre a planta ou sobre o solo e é absorvido pelo vegetal e se mistura à seiva, espalhando-se por toda a sua estrutura. O produto que fica nas folhas é recolhido pela formiga e, uma vez no formigueiro, inibe a proliferação do fungo.

Sem alimento suficiente, a colônia de insetos abandona a área deixando aquela plantação. “Eliminar completamente a formiga não seria interessante, pois elas realizam funções importantes como a aeração do solo”, explicou Maria de Fátima.

A pesquisadora conta que foram desenvolvidos no âmbito do INCT dois produtos para combater a Xylella fastidiosa e um para o controle da formiga-cortadeira, que já despertaram o interesse de duas empresas. Os produtos deverão ser patenteados e comercializados.

Algumas dessas sustâncias são envolvidas em cápsulas de escala nanométrica. Esse encapsulamento imprime uma estabilidade muito maior ao princípio ativo, que dura mais e tem sua eficácia aumentada. Isso permite que ele seja aplicado em uma quantidade menor, gerando economia ao produtor agrícola.

Resistência dos produtores
O INCT de Controle Biorracional de Insetos Pragas também está colaborando com a eliminação de uma doença que atinge o mogno africano (Khaya ivorensis). Essa espécie fornecedora de madeira foi importada com o intuito de substituir o mogno brasileiro (Swietenia macrophylla), alvo da lagarta da mariposa Hypsipyla grandela.

Entretanto, embora resistente à mariposa, o mogno africano começou a ser alvo de um fungo que atinge o seu tronco e o deforma, inutilizando a parte comercialmente mais valiosa da planta. O trabalho conjunto com a Ceplac do Pará objetiva encontrar uma solução para o problema.

A pesquisa foca ainda em diversos tipos de lagartas que atacam lavouras. Estão em testes substâncias naturais que inibem o desenvolvimento de suas larvas ou que produzam insetos incapazes de atingir uma plantação.

Embora ambientalmente mais saudável, o controle biorracional de pragas enfrenta um grande obstáculo para sua aplicação: a resistência dos produtores rurais.

“Esse é o maior obstáculo, não apenas no Brasil, mas em diversos outros países. Muitos produtores consideram mais fácil a aplicação de inseticidas e a eliminação completa do inseto causador do problema, ainda que ele seja importante para outras plantas e culturas”, lamentou Maria de Fátima.

Fonte: Fabio Reynol / Agência FAPESP

Cnpq: Sustentabilidade da agropecuária nacional tem aporte de R$ 51,7 milhões

Estão abertas as inscrições para o edital 22/2010 do CNPq, cujo objetivo é apoiar projetos em redes que visem contribuir para o avanço da sustentabilidade da agropecuária nacional. A data limite para a submissão das propostas é 30 de setembro. Os projetos aprovados serão financiados com recursos da ordem de R$ 51,7 milhões.

A ideia é estimular pesquisas sobre o estado de conhecimento; ameaças e oportunidades para o avanço continuado da sustentabilidade; estímulo à revitalização do Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária com ênfase nas Organizações Estaduais de Pesquisa Agropecuária (Oepas); e geração de bases de dados e informações.

As propostas deverão ser orientadas pelas seguintes linhas de pesquisa: disponibilidade, uso racional e “economia de uso” dos recursos naturais; proteção e qualidade do solo e da biosfera; qualidade e segurança dos produtos; economia da produção e aspectos socioambientais; análise da vulnerabilidade, resiliência, proteção e restauração funcional de agrossistemas; sistemas de produção; inovação tecnológica e a cadeia de insumos agropecuários, entre outros.

O edital foi lançado em conjunto com o MCT, o Ministério da Educação (MEC), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), as Fundações de Amparo à Pesquisa Estaduais e os CTs Agro e Hidro.

Fonte: Gestão CT

CNPq: edital fortalece colaboração interamericana em materiais

O CNPq lançou a quinta chamada de propostas de trabalhos conjuntos de pesquisa, desenvolvimento e inovação na área de ciência dos materiais desenvolvidos em colaboração científica entre pesquisadores da Argentina, Brasil, Chile, Estados Unidos e México. A data limite para a submissão das propostas é 21 de outubro.

As propostas aprovadas contarão com recursos da ordem de R$ 1 milhão, oriundos do Programa de Capacitação de Recursos Humanos para Pesquisa (PPA). Serão priorizados projetos que envolvam pesquisadores de no mínimo três países, sendo um deles obrigatoriamente o Brasil, e, pelo menos, mais um país latino-americano.

Para participar, o pesquisador deve possuir o título de doutor e experiência em projetos de cooperação internacional, ser brasileiro ou estrangeiro com visto permanente, residente no Brasil, e ter o seu currículo cadastrado na Plataforma Lattes.

Fonte: Gestão CT

O plural da infância: aportes da sociologia

Olhar sociológico sobre a infância
Desde a década de 1980, a sociologia da infância vem se constituindo como um campo de pesquisa no plano internacional. Nos últimos anos, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) tem trabalhado para construir uma genealogia da sociologia da infância brasileira.

Os resultados conseguidos até agora por esse esforço coletivo de pesquisa estão reunidos no livro O plural da infância: aportes da sociologia, organizado por Anete Abramowicz e Andrea Braga Moruzzi e lançado recentemente pela EdUFSCar. Andrea é doutoranda orientada por Anete, professora do Departamento de Metodologia de Ensino da UFSCar.

De acordo com Anete, a infância, em especial na faixa de zero a seis anos, sempre foi tema estudado de forma abundante pela psicologia. Mas, até a década de 1980, a sociologia pouco havia produzido sobre o assunto."Quando estudava a criança, fazia isso por meio de suas 'instituições zeladoras', como a família ou a escola. A criança, para além de seu métier como aluno, nasce nessa trajetória", disse.

A partir de 1980 – e com mais intensidade na década de 1990 –, a sociologia da infância começou a se tornar um campo do conhecimento.

“Os sociólogos haviam abandonado a criança, mas nos últimos anos esse panorama foi sendo transformado e o nosso grupo na UFSCar tem trabalhado intensamente com o tema. O livro discute as múltiplas possibilidades da sociologia quando toma a criança pequena como foco”, afirmou Anete.

Do ponto de vista da sociologia da infância, as crianças são entendidas como atores sociais e como sujeitos dos seus processos de socialização, produtoras da diferença e da pluralidade.


“O livro procura introduzir os aportes teóricos desse campo, valorizando a afirmação das crianças como categoria social que deve ser entendida no plural, já que as experiências de infância são infinitas”, disse.

A obra, que reúne artigos de diversos autores ligados ao grupo da UFSCar, destaca os temas fundamentais desse campo emergente do conhecimento e indica o que a sociologia tem a dizer sobre a criança e a infância. “Essa área tem como temas de destaque a cultura da infância, o trabalho infantil, a sexualidade infantil e a construção da institucionalização da criança, por exemplo”, explicou Anete.

A partir de autores pós-estruturalistas e pós-colonialistas, o grupo também trabalhou o pensamento sobre a criança em relação a temas como gênero, raça e etnia. “O livro é produto de um longo trabalho de pesquisa, em um esforço coletivo dedicado a organizar essa temática”, disse a pesquisadora, que concluiu em 2010 um pós-doutorado sobre sociologia da infância na Universidade Paris-Descartes, na França.

O objetivo do grupo é contribuir para o debate sobre o que significa uma sociologia da infância brasileira. “Estamos construindo essa genealogia, identificando como se constrói”, disse.

Anete coordena o projeto de pesquisa “Educação e Sociologia da Infância no Brasil: uma genealogia em construção”, apoiado pela FAPESP por meio da modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular.

Cultura infantil
Embora tenha se consolidado como campo de pesquisa apenas na década de 1980, na França, o termo sociologia da infância já havia sido cunhado em 1937, em um texto do sociólogo e antropólogo francês Marcel Mauss (1872-1950).

No Brasil, o marco inaugural da sociologia da infância, de acordo com Anete, é o texto As trocinhas do Bom Retiro, do sociólogo Florestan Fernandes (1920-1995), publicado no livro Folclore e mudança social na cidade de São Paulo, de 1961.

“Naquele texto, Florestan usou pela primeira vez o termo ‘cultura infantil’. É esse o marco inicial da sociologia da infância brasileira. É a partir daí que vamos traçar o percurso dos autores que trataram do tema, construindo a genealogia desse campo do conhecimento”, disse Anete.

O título do livro lançado agora, segundo ela, reflete a preocupação em evidenciar a existência de diversas infâncias distintas sob o ponto de vista sociológico. “Tratamos desde a infância no Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, até a infância indígena observada do ponto de vista da sociologia”, apontou.

A publicação é voltada em especial para estudantes de graduação e de pós-graduação, além de professores que pretendem trabalhar com a sociologia da infância.

“É provavelmente a primeira vez que se reúne um conteúdo sobre sociologia da infância organizado com um viés didático. Esperamos que essa característica possa ajudar a multiplicar os estudos sobre o tema que são feitos em diversos centros no Brasil”, disse Anete.

Fonte: Fábio de Castro /Agência FAPESP

R$ 7 milhões para pesquisas sobre relações de gênero

Um edital lançado na última semana fortalecerá a produção de pesquisas e estudos relacionados aos temas relações de gênero, mulheres e feminismos no país. Trata-se da chamada 20/2010, fruto de uma parceria do CNPq, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM/PR) e outros órgãos do governo. As propostas podem ser enviadas até 7 de outubro.

O objetivo é apoiar financeiramente, num aporte de R$ 7 milhões, pesquisas científicas e tecnológicas que visem ampliar estudos no setor. Os recursos são provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), fundos setoriais e do Tesouro Nacional.

Os recursos serão distribuídos a duas categorias. A primeira será destinada a projetos de até R$ 50 mil, cujo coordenador seja doutor há mais de cinco anos. Já a segunda apoiará projetos de até R$ 25 mil, realizados por grupos de pesquisa, cujo coordenador seja doutor há menos de cinco anos. Os projetos que forem apoiados deverão ser executados em um prazo máximo de 24 meses.

Poderão participar pesquisadores com título de doutor, com currículo cadastrado na Plataforma Lattes e vínculo formal com a instituição de execução do projeto. Serão contemplados centros emergentes, pesquisadoras e pesquisadores em início de carreira.

Mulher no campo
A chamada destinará 14% do valor global para projetos que contemplem as relações de gênero, mulheres e feminismos em suas interseccionalidades com as temáticas da ruralidade, da reforma agrária, da agricultura familiar, das situações das mulheres do campo e da floresta, em áreas prioritárias de políticas públicas, como os territórios da cidadania.

Fonte:Gestão CT

Confap: reunião marcada para setembro em Belém

O Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) vai se reunir pela primeira vez em Belém (PA). O encontro será no próximo mês, nos dias 2 e 3, e tem como proposta articular os interesses das 23 fundações estaduais de amparo à pesquisa existentes no país.

“O Confap representa, hoje no Brasil, umas das mais importantes fontes de financiamento da pesquisa e do fomento à formação de recursos humanos”, disse Ubiratan Bezerra Holanda, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará (Fapespa), que será a anfitriã da reunião.

“A Fapespa, ainda que recém criada, já demonstra uma atuação ágil e participativa na área de ciência e tecnologia, com envolvimento em grandes redes nacionais de pesquisa. Temos certeza de que esse encontro será mais um passo no avanço da CT&I não só do Estado do Pará, mas também do país", completou Mário Neto Borges, presidente do Confap. A Fapespa é uma instituição associada à ABIPTI. (Com informações da Fapespa)

Fonte: Gestão CT

CNPq participa do Fórum Mercosur sobre Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação

Na semana passada foi realizado o Fórum Mercosur sobre Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação (CTI), em Montevideo, no Uruguai. A vice-presidente do CNPq, Wrana Panizzi, participou do encontro e apresentou as capacidades e potencialidades do Sistema Nacional de CT&I brasileiro e dos resultados alcançados na Conferência Mundial de Ciência, em novembro de 2009, em Budapeste, na Hungria.

A reunião de Budapeste foi antecedida pelo Fórum Regional do México, ocasião em que foi produzida a “Declaração da América Latina”. O documento traz como destaques o reconhecimento político mais amplo do papel da ciência, tecnologia e inovação (CT&I) para o processo de desenvolvimento sócio-econômico, além do aumento dos investimentos em CT&I, e valorização e qualificação da educação superior e da educação para a ciência.

Os países que compõem estes blocos defendem a ciência, tecnologia e inovação como instrumentos fundamentais para a sustentabilidade do planeta e para o processo de inclusão social.(Com informações do CNPq)

Fonte:Gestão CT

LNCC promove palestra sobre astronomia: “Compreendendo o Universo Através das Galáxias”

No próximo dia 30, o físico Marcio Antonio Maia ministra palestra sobre o tema “Compreendendo o Universo Através das Galáxias”. A iniciativa faz parte do programa Fique Por Dentro, coordenado pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC).

“A partir da descoberta e do estudo da distribuição no espaço de outros universos-ilhas de forma sistemática, foi possível inferir na imensidão do universo em que vivemos”, disse Maia.

O evento, aberto à comunidade de Petrópolis (RJ) e região, abordará temas como astronomia, filosofia e história. As inscrições estão abertas e podem ser feitas, gratuitamente, pelo telefone (24) 2233-6039 ou pelo e-mail .O LNCC é uma instituição associada à ABIPTI.

Fonte: Gestão CT

(Com informações do LNCC)

Sect Amazonas lança 7ª SNCT

A Secretaria de Ciência e Tecnologia do Amazonas (Sect) apresentou, na última quinta-feira (19), o programa estadual de atividades da 7ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT). O evento ocorrerá em todo o país de 18 a 24 de outubro e terá como tema “Ciência para o Desenvolvimento Sustentável”.

A proposta é discutir sobre estratégias e maneiras de se utilizar os recursos naturais brasileiros e sua rica biodiversidade de forma sustentável. No Amazonas, o evento conta com diversos parceiros. Exemplos são a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), que investirá R$ 300 mil, e o CNPq, que disponibilizará R$ 60 mil.

De acordo com o secretário de C&T do Estado, Odenildo Sena, o foco da semana será envolver a sociedade na temática. "Não dá para pensar em ciência sem capital intelectual. O desafio é se solidarizar com a ciência e tecnologia", disse. Entre as atividades planejadas para alcançar essa meta está o “Porta Abertas”, em que as instituições e empresas receberão estudantes e visitantes e mostrarão suas atividades e pesquisas desenvolvidas.

Concurso
Também foi lançado na quinta-feira, o concurso da 7ª SNCT, voltado para os estudantes do ensino fundamental e médio das escolas públicas e privadas. Os interessados poderão participar com desenho, redação e poesia. A submissão dos trabalhos pode ser feita até 10 de outubro.A Sect-AM é uma entidade associada à ABIPTI.(Com informações da Sect) 

Fonte:Gestão CT

ITV - Instituto Tecnológico Vale será instalado no Pará

O Estado do Pará ganhará um Instituto Tecnológico Vale (ITV), um dos melhores centros de pesquisa do mundo com foco em desenvolvimento sustentável. A instituição será instalada no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá), à beira da baía do Guajará, em área contígua à Universidade Federal do Pará.

De acordo com o diretor do ITV, Luís Eugênio Melo, o prédio será inaugurado em 2012, mas o funcionamento já começará este ano. “Vamos montar o primeiro laboratório, de Climatologia, até dezembro próximo”, disse.

O investimento total no instituto será de R$ 230 milhões. O ITV acolherá pós-doutores e pós-graduados, nas áreas prioritárias de economia, sociologia, biologia, direito, química, física e matemática. A ideia, segundo Melo, é ser referência em biodiversidade na atividade da mineração.

O prédio do ITV em Belém terá 22 mil metros quadrados de área construída, com cerca de 20 laboratórios, biblioteca, pelo menos 12 salas de aula, e instalações para os pesquisadores.

ITV
Criado em 2009, o ITV coordena as ações de ciência e tecnologia da Vale. Serão três unidades físicas: em Belém (PA), Ouro Preto (MG), especializada no tema mineração, e em São José dos Campos (SP), com foco em inovações em energia. O de Belém será o primeiro a entrar em operação.(Com informações da Sedect-PA) 

Assista a um vídeo sobre o Instituto Tecnológico Vale.

Fonte:Gestão CT

30º Congresso Internacional de Propriedade Intelectual

Evento discute temas mais atuais em propriedade intelectual

A Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI) realiza nesta semana o 30º Congresso Internacional de PI. O evento teve início dia 22 e segue até hoje (24), em São Paulo (SP). O objetivo é debater os temas mais atuais no setor, como registro de marcas, influência da PI no sistema de negócios da América Latina e novas maneiras eficazes de resolução de controvérsias na área.

O evento é voltado para empresários, executivos e profissionais da área de propriedade intelectual. Participam do congresso empresas de todos os portes, além de representantes do governo e da academia. Nesta segunda-feira (23), por exemplo, o procurador chefe do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Mauro Maia, fez palestra sobre as decisões recentes referentes à transferência de tecnologia.(Com informações do INPI)

Fonte:Gestão CT

Sedect: Pará seleciona monitores de infocentro

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect) do Pará lançou um edital para cadastro de reserva de monitores de infocentros do Programa Navegapará, em parceria com o Programa Nacional de Apoio à Inclusão Digital nas Comunidades - Telecentros.BR. As inscrições podem ser feitas até 15 de setembro.

Os monitores receberão bolsas do CNPq e vão atuar no espaço do telecentro, auxiliando e propondo processos que permitam aos freqüentadores fazer uso das tecnologias da informação e comunicação disponíveis de maneira articulada ao desenvolvimento da comunidade.

Para participar é preciso atender a alguns requisitos, como: ter idade entre 16 e 29 anos; ser morador da comunidade na qual o infocentro está instalado; ter concluído o ensino médio completo, ou estar cursando ensino fundamental ou médio; dedicação de 6 horas por dia, ou 30 horas semanais; entre outros.

O edital está disponível neste link

Fonte:Gestão CT

Bolsas de mestrado e doutorado em Tocantins

A Secretaria da Ciência e Tecnologia do Estado do Tocantins abriu as inscrições do processo seletivo para concessão de 16 bolsas de estudos na modalidade mestrado e 14 para doutorado, financiadas pelo Fundo Estadual de Ciência e Tecnologia (Fect).

As inscrições podem ser feitas até hoje (24). O edital contempla as seguintes áreas do conhecimento: ciências exatas e da terra; engenharias; ciências biológicas; ciências agrárias; ciências da saúde; ciências humanas; e ciências sociais aplicadas.

Para participar, o candidato deve atender a alguns requisitos, como ser servidor efetivo da Administração Pública estadual ou municipal no Tocantins; não acumular a percepção da bolsa com qualquer modalidade de financiamento de outra agência de fomento; não se encontrar aposentado ou em situação equiparada, entre outros.

Fonte: Gestão CT

Fapema: R$ 300 mil em redes de pesquisas de agrobiodiversidade

A Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) anunciou que investirá R$ 300 mil no edital 22/2010, lançado pelo CNPq, voltado para fortalecer redes de pesquisas de agrobiodiversidade. As propostas podem ser enviadas até 30 de setembro.

O objetivo é estabelecer ações de cooperação entre diversas instituições do país, envolvidas para a implantação de redes de pesquisas interregionais e interdisciplinares em sustentabilidade e agrobiodiversidade da agropecuária brasileira.

Para participar, o proponente deve possuir o título de doutor e ter seu currículo cadastrado na Plataforma Lattes. Também é preciso ter vínculo celetista ou estatutário com a instituição de execução do projeto. As propostas a serem apoiadas deverão ter seu prazo máximo de execução estabelecido em 36 meses.

O edital é uma iniciativa estruturada que investirá ao todo, R$ 51,7 milhões, em capital, custeio e bolsas.A Fapema é uma instituição associada à ABIPTI.(Com informações da Fapema)

Fonte: Gestão CT

Fapemig: edital para popularizar CT&I em Minas Gerais

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) lançou um edital para disseminar e popularizar a ciência, tecnologia e inovação (CT&I) em Minas Gerais, por meio do envolvimento de profissionais e estudantes na geração de produtos de comunicação como revista, rádio, televisão e internet. As propostas serão recebidas até esta quarta-feira (25).

São consideradas elegíveis, para obtenção de bolsas no âmbito do Programa de Comunicação Científica, Tecnológica e de Inovação (PCCT), as candidaturas que atendam aos seguintes requisitos: registro profissional, quando previsto na legislação específica; e diploma de graduação nas áreas de jornalismo, rádio, televisão e design. Para bolsas de Iniciação Científica (IC) é exigido diploma de graduação de jornalismo.

O edital prevê investimentos da ordem de R$ 150 mil. As linhas temáticas estão ligadas à geração, em fluxo contínuo, da divulgação de ações sobre projetos e processos de CT&I produzidos no Estado, sobre atividades internas e eventos da Fapemig. As principais peças devem ser produtos jornalísticos, programas e produtos de rádio e teledifusão e campanhas.A Fapemig é uma instituição associada à ABIPTI.

Fonte:Gestão CT

Facepe: chamada impulsiona inovação nas pequenas empresas de Pernambuco

A Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe) lançou o edital 17/2010 para apoiar a pesquisa, desenvolvimento e inovação em microempresas e empresas de pequeno porte, na modalidade subvenção econômica. A submissão das propostas pode ser feita até 1º de outubro.

O investimento é da ordem de R$ 15 milhões, disponibilizado pela fundação e pela Finep. Poderão apresentar propostas empresários individuais, micro empresas ou empresas de pequeno porte de Pernambuco, que se proponham a realizar atividades de PD&I no Estado.

As propostas devem solicitar recursos com valores entre R$ 100 mil e R$ 400 mil, desembolsáveis em até 24 meses e destinados exclusivamente a despesas de custeio. As empresas selecionadas deverão aportar ao projeto uma contrapartida financeira mínima de 5% do valor integral da proposta.

As inscrições devem ser feitas pela internet, pelo formulário de solicitação de subvenção econômica a projeto de inovação, disponível no endereço.A Facepe é uma instituição associada à ABIPTI.

Fonte: Gestão CT

Alunos brasileiros ganham medalhas na olimpíada de informática IOI 2010

Premiados em olimpíada de informática
Três estudantes brasileiros foram premiados na 22ª Olimpíada Internacional de Informática (IOI-2010), realizada entre 14 e 21 de agosto, em Waterloo, no Canadá,  Felipe Abella de Souza, do Colégio Geo (João Pessoa), recebeu uma medalha de prata, enquanto Renato Ferreira Pinto Júnior e André Hahn Pereira, ambos do Colégio Objetivo (São Paulo), receberam medalhas de bronze.

Os quatro participantes brasileiros concorreram com cerca de 290 participantes de mais de 70 países. Caíque Porto Lira, do Colégio Farias Brito (Fortaleza), ficou a poucos pontos da medalha de bronze – as instituições mencionadas são aquelas nas quais os estudantes estavam em 2009, quando foram escolhidos para participar na IOI-2010.

A equipe brasileira, cujo treinamento foi coordenado por Wanderley Guimarães da Silva, mestrando no Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME), foi selecionada entre os melhores colocados na Olimpíada Brasileira de Informática (OBI).

A OBI é voltada para alunos dos ensinos fundamental e médio e promovida anualmente pela Sociedade Brasileira de Computação, com apoio da Fundação Carlos Chagas.

O objetivo da competição é despertar nos alunos o interesse pela ciência da computação. A OBI é dividida em duas modalidades (Iniciação e Programação), subdivididas em cinco níveis, de acordo com as séries. Em 2010, recebeu mais de 23 mil inscritos.

Os melhores colocados das duas modalidades (Iniciação e Programação) são convidados para uma semana de cursos no Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas.

Os alunos da modalidade Iniciação participam de cursos de introdução à programação. Já os da modalidade Programação realizam cursos de programação avançada. Ao final, quatro alunos são escolhidos para integrar a equipe brasileira para participar da IOI.

Fonte: Agência FAPESP

Unesp: acordo com universidades africanas

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) assinou um acordo de cooperação com cinco universidades africanas de língua portuguesa.

O objetivo do acordo, assinado na semana passada no encerramento do Seminário Brasil-África, é estimular o intercâmbio acadêmico, científico e técnico com universidades lusófonas.

Segundo a Unesp, o acordo envolve parcerias com as universidades Agostinho Neto (Angola), Lusófona de Cabo Verde, Lusófona da Guiné (Guiné Bissau) e Eduardo Mondlane e Universidade Pedagógica (as duas de Moçambique).

A concessão de bolsas de estudo para dois alunos de graduação de cada universidade africana por semestre foi uma das medidas anunciadas. Os acordos preveem ainda o intercâmbio de professores e estudantes, o desenvolvimento de projetos de pesquisa conjunta e a realização de eventos científicos.

Outras propostas incluem o reforço da capacitação do corpo docente e de servidores, colaboração na área de saúde com a realização de cursos de formação e treinamento a distância para profissionais da área, intercâmbios na área de empreendedorismo e inovação, promoção de estágios de curta duração e apoio a programas de pós-graduação das universidades envolvidas.

Fonte:Agência FAPESP

Ministro da Educação inaugura dois novos campi de universidades federais

O ministro da Educação, Fernando Haddad, inaugurou, na última sexta-feira (20), novos campi das universidades federais de São Carlos (UFSCar), em Sorocaba (SP), e de Santa Catarina (UFSC), em Curitibanos. De acordo com ele, até 2012, 134 cidades em todo o país receberão um campus de universidade federal.

Na unidade da UFSCar são 14 salas de aula, dez laboratórios, quadra poliesportiva, restaurante universitário e biblioteca. Os investimentos somam R$ 19 milhões. Já o campus de Curitibanos conta com 15 salas de aula, biblioteca, dez laboratórios integrados e auditório com 180 lugares, com investimento de R$ 7,4 milhões.

Segundo Haddad, a política de democratização do acesso à educação superior atende, hoje, mil municípios em todo o Brasil. O ministro lembrou que há 105 campi em funcionamento pleno. Na área da educação superior a distância, já existem 559 pólos da Universidade Aberta do Brasil (UAB) e, até o fim deste ano, serão criadas 214 novas unidades dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia.

Para conhecer as ações do MEC acesse o site

Fonte: Gestão CT