terça-feira, 10 de agosto de 2010

INPE: Rede de câmeras de alta velocidade ajudará a aprimorar estudos sobre descargas atmosféricas

Raios monitorados em detalhes
Uma rede formada por câmeras de vídeo de alta resolução entrará em atividade até o início de 2011 para filmar tempestades em São José dos Campos (SP).

Os equipamentos estão sendo adquiridos com o apoio da FAPESP por meio do Projeto Temático Impacto das mudanças climáticas sobre a incidência de descargas atmosféricas no Brasil, coordenado por Osmar Pinto Júnior, do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

As câmeras integrarão o projeto Rammer (“Rede Automatizada Multicâmeras para o Monitoramento e Estudo de Raios”), ligado ao Temático e conduzido como trabalho de pós-doutoramento do engenheiro eletricista Antonio Carlos Varela Saraiva, com bolsa da FAPESP.

As três câmeras que darão início à rede contam com duas características fundamentais para o estudo de raios: alta velocidade de gravação e boa qualidade de imagem. Elas são capazes de registrar até 2 mil quadros por segundo com resolução de 1.280 por 720 pixels.

A ideia é que as câmeras registrem diferentes ângulos de uma mesma tempestade, o que ampliará o número de raios registrados por minuto e aumentará a qualidade das informações. “Com isso, será possível observar detalhes finos do raio”, disse Saraiva .

Há alguns anos, a equipe do Elat começou a estudar raios com a ajuda de câmeras de alta velocidade. Duas câmeras foram utilizadas, porém de maneira independente.

Ao apontar apenas uma câmera para uma tempestade, a quantidade de registros é limitada a uma média de 4% do total de raios daquela tormenta, podendo chegar a 10% em dias mais favoráveis. “Ficávamos sempre na dúvida se os raios registrados eram representativos daquela tempestade. Agora, com a rede de câmeras, essa amostragem aumentará”, explicou Saraiva.

Outra inovação da rede Rammer é a automatização da operação das câmeras de vídeo. “Até então, precisávamos designar alguém para apertar o gatilho das máquinas sempre que ocorria um raio”, disse.

A rede a ser montada funcionará com uma série de sensores. Alguns estão sendo desenvolvidos pela equipe do Elat, como um arranjo de fotodiodos para captar descargas de retorno de um raio.

Esse dispositivo é utilizado para contar as descargas durante a filmagem e o objetivo é que forneça também um dos parâmetros que dispararão as câmeras da rede. “Estamos recriando o equipamento para que sirva de disparador da câmera”, explicou Saraiva.

Outro parâmetro para o disparo será fornecido pelo sensor de campo elétrico, que detecta sinais da radiação eletromagnética emitida pelas descargas de retorno. Os dois sensores funcionarão em conjunto e as câmeras só serão acionadas se ambos perceberem sinais da ocorrência de um raio.

Se os fotodiodos atuassem sozinhos, o sistema poderia ser acionado por outras ocorrências, como voos de aves ou outros sinais detectados por esse tipo de sensor. Da mesma maneira, o sensor de campo elétrico isolado não garante a precisão do monitoramento. Por isso, o gatilho a ser desenvolvido no Elat contará com as duas tecnologias.

Um motor automatizado para direcionar as câmeras também está sendo desenvolvido desde o ano passado. Acoplado a outro dispositivo de fotodiodos, o sistema eletromecânico deverá apontar a câmera para a região de maior incidência de descargas, baseando-se nos registros do sensor.

Detalhes e 3D

Serão escolhidos três pontos em São José dos Campos para abrigar cada uma das câmeras, que ficarão distantes cerca de 20 quilômetros uma da outra. “Caso uma tempestade isolada, que tem um raio de cerca de 10 quilômetros, passe entre os sensores, conseguiremos captar vários ângulos dessa tempestade e uma quantidade muito maior de raios”, estimou Saraiva.

Por serem mais versáteis, as novas câmeras também permitirão que os pesquisadores escolham o tamanho dos arquivos gravados. Conforme a tempestade, eles poderão escolher entre ter uma boa qualidade de imagem para examinar os raios em detalhes ou obter imagens com menor resolução em troca de velocidades muito maiores de gravação, o que permitirá contabilizar descargas e acompanhar a dinâmica do evento.

Saraiva estima que a Rammer permitirá captar mais de 50% dos raios ocorridos em uma tempestade e aumentará o detalhamento das análises. “Poderemos nos debruçar sobre os raios de uma única tempestade e não mais misturar raios de tempestades diferentes, como pode ocorrer em alguns estudos atuais”, disse.

Essa análise individual de raios e tempestades a ser proporcionada pela rede de câmeras é um dos principais objetivos do projeto e aumentará o conhecimento na área, uma vez que essas descargas diferem de uma tempestade para outra.

O grupo também espera coletar informações suficientes para elaborar uma modelagem em três dimensões do canal de um raio, desde a sua formação até o ponto de contato.

“Esse é um objetivo mais ambicioso e que auxiliará no estudo da morfologia do raio. Permitirá também uma comparação entre os resultados do modelo e as medições feitas pela rede de câmeras”, disse Saraiva.

Entre os benefícios, o trabalho ajudará na validação dos dados do Sistema Brasileiro de Detecção de Descargas Atmosféricas ( BrasilDat), que detecta descargas elétricas no país e é operado pelo Elat em parceria com outras instituições brasileiras.

Saraiva explica que, como qualquer rede de detecção de raios, a BrasilDat apresenta incertezas na localização de raios e limitações na eficiência de detecção.

Para conferir os dados coletados em vários pontos da BrasilDat o projeto pretende, em uma segunda etapa, levar as câmeras da Rammer a outras localidades no Estado de São Paulo. Por enquanto, os pesquisadores pretendem contar com a rede de câmeras funcionando em São José dos Campos para registrar as tempestades do próximo verão.

Fonte: Fábio Reynol/Agência FAPESP

INMETRO e IBICT: acordo de cooperação técnica prevê troca de informações nas áreas de gestão do conhecimento

Um acordo de cooperação técnica firmado no mês passado prevê o compartilhamento de informações, estudos e prospecção de tendências tecnológicas nas áreas de produção e gestão da informação e conhecimento.

A medida foi assinada entre o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) e o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).

A iniciativa também estimulará a construção de indicadores institucionais de informação, conhecimento e inovação, assim como a construção de repositório institucional. O acordo de cooperação técnica vigorará pelo prazo de cinco anos.

O diretor do Ibict, Emir Suaiden, explicou que no âmbito desse convênio o instituto ao qual representa e o Inmetro, vêm desenvolvendo um programa brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida (ACV), em parceria com instituições governamentais, da indústria e da academia.

De acordo com ele, esse programa pretende implantar a metodologia de ACV no Brasil e tem como objetivo apoiar a indústria brasileira nos seus sistemas de gestão ambiental, organizando e disseminando informações estratégicas com vistas à sustentabilidade e a competitividade. O Ibict e o Inmetro são instituições associadas à ABIPTI.(Com informações do Ibict)

Fonte: Gestão CT

FINEP: R$500 milhões em edital de subvenção econômica

A Finep lançou o edital de Subvenção Econômica à Inovação no valor de R$ 500 milhões. O formulário será disponibilizado pela financiadora a partir de 31 de agosto. A data limite para a submissão das propostas é 7 de outubro.

O objetivo é apoiar, por meio da concessão de recursos não-reembolsáveis, o desenvolvimento por empresas brasileiras de produtos, processos e serviços inovadores, com vistas ao desenvolvimento das áreas estratégicas nas políticas públicas federais.

Serão apoiados projetos de inovação nos temas tecnologias da informação e comunicação (TICs), energia, biotecnologia, saúde, defesa e desenvolvimento social. O prazo máximo de execução da proposta será de 36 meses.

Podem participar empresas brasileiras de qualquer porte, individualmente ou em associação. O coordenador do projeto e os profissionais responsáveis pela sua condução na empresa devem ter vínculo direto com a empresa proponente ou com a associação (sócios ou empregados).

Fonte: Gestão CT

MCT propõe conselho consultivo para o Nordeste

A partir do próximo mês, a região Nordeste poderá contar um conselho consultivo próprio. A proposta foi apresentada pelo representante do MCT para a região, Ivon Fittipaldi, na última quinta-feira (5), durante o Fórum Regional do Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti), realizado nos dias 5 e 6, em Fortaleza (CE).

De acordo com ele, o órgão terá como principal missão propor políticas e ações estratégicas no campo da CT&I para o desenvolvimento sustentável da região. 

Ainda segundo Fittipaldi, o conselho será composto por representantes do setor público e privado, indicados por entidades como, por exemplo, a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI). A proposta poderá ser replicada em outras regiões do país.

Também no evento, os secretários estaduais de C&T se comprometeram a apresentar projetos de centros vocacionais tecnológicos (CVTs) à Sudene até o dia 31 deste mês. Entretanto, a verba proveniente do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDN), estimada em R$ 20 milhões para 2010, será liberada após o período eleitoral.(Com informações do Consecti)

Fonte: Gestão CT

Programa Professor Visitante do Exterior tem inscrições abertas

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) está selecionando projetos para o Programa Professor Visitante do Exterior (PVE). As inscrições podem ser feitas até 30 de setembro.

O objetivo é incentivar a realização de visitas de média ou longa duração a instituições de ensino superior (IES) brasileiras, de professores e pesquisadores atuantes no exterior, cuja formação e experiência profissional representem uma contribuição inovadora para os cursos de doutorado brasileiros.

Será concedida bolsa cujo valor varia de R$ 3,9 mil a R$ 8,9 mil. O programa destina-se aos cursos de doutorado avaliados pela Capes, preferencialmente com notas 5, 6 e 7. As visitas devem ter duração mínima de quatro e máxima de 12 meses.

O candidato deverá possuir o título de doutor, além de atuar efetivamente no exterior, não ter sido beneficiário do PVE nos últimos dois anos e não acumular o recebimento de bolsa ou benefício financeiro de outras agências ou entidades brasileiras.

O edital está disponível neste link

Fonte: Gestão CT

FINEP: R$ 10 milhões para pesquisas na criação de camarões

A Finep selecionará projetos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação que ofereçam soluções para a melhoria da técnica de criação de camarões em viveiros. A chamada 09/10 prevê o investimento de R$ 10 milhões, em recursos não reembolsáveis. A submissão das propostas pode ser feita até 21 de setembro.

Serão aceitos projetos de pesquisa em rede para o desenvolvimento de atividades científicas no âmbito do Programa Nacional de Carcinicultura (Recarcina). As propostas devem abordar, principalmente, o melhoramento genético; manejo de cultivo; estudos nutricionais; qualidade da água, sedimento, solo e tratamento de efluentes; entre outras.

Somente poderão concorrer órgãos da administração pública direta ou indireta de qualquer esfera do governo ou instituições de pesquisa científica e tecnológica (ICTs), públicas ou privadas, sem fins lucrativos. No caso de ICTs, somente poderão participar as instituições que tiverem, no mínimo, três anos de existência.

Fonte: Gestão CT

5º JETCO - Encontro do Comitê Econômico de Comércio Conjunto entre Brasil e Reino Unido


Nos dias 31 de agosto e 1º de setembro será realizado, em São Paulo (SP), o 5º encontro do Comitê Econômico de Comércio Conjunto (JETCO) entre Brasil e Reino Unido. O objetivo é promover o comércio e as oportunidades de investimento entre brasileiros e britânicos.

Entre os temas a serem tratados estão a cooperação na esfera esportiva, em infraestrutura, energia, inovação, competitividade, saúde, indústrias criativas, treinamento e capacitação.

Como parte da programação será realizado, no dia 1º de setembro, o workshop “Parceria Reino Unido-Brasil para a Internacionalização de Empresas Brasileiras”, e o seminário “Venture Capital e Inovação”.

Na ocasião, será apresentado o novo formato do JETCO, que prevê a criação de um fórum de chefes executivos (CEOs) das principais empresas dos dois países envolvidas no relacionamento econômico bilateral.

A Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (Apex-Brasil) e a UKTI (UK Trade and Invest), do Reino Unido, exercem a função de secretaria executiva das respectivas seções brasileira e britânica desse mecanismo de cooperação bilateral.(Com informações da Apex Brasil) 

Fonte:Gestão CT

2º Congresso Pan-Americano sobre Plantas e Bioenergia

Energia das plantas
O Brasil deixa no campo até 45 toneladas de galhos e cascas de eucalipto por hectare plantado. Cerca de 5% dessa biomassa se refere a diferentes tipos de açúcares, como frutose, sacarose, glicose e galactose, que poderiam ser transformados em álcool por meio de processos de fermentação.

Com cerca de 4,5 milhões de hectares de eucaliptos plantados no Brasil, o ganho promovido por tal utilização seria muito significativo. Os dados fazem parte da pequisa de Carlos Labate, professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP), e foram apresentados no 2º Congresso Pan-Americano sobre Plantas e Bioenergia, iniciado domingo (8/8), em São Pedro (SP).

Além da casca de eucalipto, milho, cana-de-açúcar, algas, soja e muitas outras fontes de biocombustível estão no centro das discussões do evento que reúne pesquisadores em química, genética, ecologia e fisiologia, entre outras disciplinas.

“O objetivo do encontro é reunir especialistas em diversas áreas de pesquisa sobre energia a partir de plantas, a fim de construirmos um quadro amplo das diversas questões envolvidas”, disse Marcos Buckeridge, professor do Instituto de Biologia da Universidade de São Paulo (IB) e coordenador do evento.

“Conseguimos reunir, no simpósio, alguns dos principais pesquisadores no mundo nessas áreas”, disse Buckeridge, que é membro da coordenação do programa BIOEN-FAPESP e diretor científico do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), em Campinas (SP).

A apresentação de abertura foi feita pelo fisiologista Paul Moore, do Hawaii Agricultural Research Center (HARCK - Estados Unidos), que discorreu sobre a importância e as perspectivas da cultura da cana-de-açúcar para a produção de bioenergia de maneira sustentável ao ambiente.

Moore considera a cana-de-açúcar estratégica para os Estados Unidos conseguirem cumprir as metas assumidas em 2007 de produzir 36 bilhões de galões de combustível a partir de fontes renováveis até o ano de 2022. “Para atingir esse número, a produção [dos biocombustíveis] terá que acelerar e bem rápido”, alertou.

Como solução, o pesquisador propõe o desenvolvimento de novas variedades da planta a partir de cruzamentos entre diferentes famílias. O objetivo seria transformar por hibridização a atual cana-de-açúcar em “cana-de-energia”, um cultivar que teria menores teores de água e de açúcar em troca de fibras mais longas e em maior quantidade.

“As fibras são fundamentais para a chamada segunda geração do etanol, obtido a partir das fibras de celulose. A quantidade de açúcar não é importante nesse caso”, afirmou.

O maior desafio para a produção norte-americana é desenvolver uma espécie de cana-de-açúcar resistente ao frio. A mais cultivada no mundo, a Saccharum officinarum, é tropical e não suporta baixas temperaturas, por isso os países sul-americanos e os africanos são os mais adequados para produzi-la. Nos Estados Unidos, somente o extremo sul do país, que compreende uma pequena parte dos estados da Flórida e do Texas, é capaz de manter plantações.

Moore sugere cruzamentos entre a Saccharum officinarum com cultivares do gênero Miscanthus, uma gramínea que resiste a invernos rigorosos e é encontrada até na mais fria região da Columbia Britânica, no Canadá.

“A espécie híbrida poderia avançar para o norte ocupando primeiro o meio dos Estados Unidos, chegando em uma segunda etapa até o norte do país, que é mais frio”, disse.

O cientista ressalvou os problemas inerentes de novas espécies. “Elas terão comportamento imprevisível e não conhecemos seus efeitos sobre os insetos e sobre as doenças dos vegetais. Não podemos aumentar a produção de biocombustível se ela for ambientalmente insustentável”, disse.

Produção mais eficiente
Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, falou no congresso sobre a história do etanol brasileiro desde a introdução da cana-de-açúcar no país, no século 16, passando pelo programa Proálcool, na década de 1970, em meio à crise do petróleo na época.

“O Brasil começou a utilizar o etanol por necessidade. O país, que gastava, em 1974, US$ 750 milhões em importações de petróleo, passou a pagar mais de US$ 4 bilhões no ano seguinte”, disse.

Brito Cruz destacou que o Estado de São Paulo responde por dois terços da produção nacional atual do combustível, daí a importância de iniciativas como o Programa BIOEN-FAPESP.

Entre os desafios para a pesquisa brasileira nesse setor, Brito Cruz ressaltou o aumento da eficiência dos processos para produção de biocombustível, com a utilização de menos água, menos energia gasta e sem precisar aumentar a área cultivada.

A grande diversidade genética do milho foi tratada por Steve Moose, da Universidade de Illinois (Estados Unidos). Os estudos do cientista indicaram que o milho tem grande capacidade de maximizar a aplicação de nitrogênio, apresentando alta produção em troca de menores doses do macronutriente.

Segundo Mosse, o milho é um bom produtor de açúcares que podem ser convertidos em etanol. Além disso, a planta apresenta grandes oportunidades de melhoria genética e conta com práticas agrícolas bem estabelecidas e conhecidas dos produtores no país, o que facilitaria a produção e a introdução de novas espécies.

O professor Paulo Sergio Graziano Magalhães, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), apresentou no encontro o livro Bioetanol de Cana-de-açúcar.

A obra, que será lançada em breve, reúne trabalhos de 139 especialistas, que vão desde desenvolvimento genético e técnicas agrícolas, passando pelas relações de trabalho no campo até políticas públicas envolvidas no desenvolvimento do setor.

Sob a organização geral de Luiz Augusto Barbosa Cortez, professor da Unicamp e coordenador adjunto de Programas Especiais da FAPESP, o livro é dividido em 76 capítulos. Com 992 páginas, estará disponível em português e inglês.

Fonte: Fabio Reynol / Agência FAPESP

Oficina de Ciência, Tecnologia e Inovação: a estratégia de atuação do Inpa no Oeste do Pará

Nos dias 17 e 18 de agosto, o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) realiza a “Oficina de Ciência, Tecnologia e Inovação: a estratégia de atuação do Inpa no Oeste do Pará”. O evento acontece em Santarém (PA) e conta com a parceria da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa).

O evento tem como objetivo promover debates sobre o desenvolvimento da ciência e inovação tecnológica no Estado do Pará como forma de incentivar a geração de renda para a comunidade.

“O nosso objetivo é identificar as demandas em ciência, tecnologia e inovação na região que podem ser atendidas pelo Inpa. Esse é o primeiro passo para consolidar o núcleo do Inpa em Santarém”, disse Estevão Vicente Cavalcante, coordenador de Ações Estratégicas do instituto.

Para o reitor da Ufopa, José Seixas Lourenço, a iniciativa é uma estratégia de unir esforços na educação, ciência, tecnologia e inovação para promover o desenvolvimento regional com sustentabilidade.O Inpa é uma instituição associada à ABIPTI.(Com informações do Inpa) 

Fonte: Gestão CT

13ª Repict - encontro da Rede de Propriedade Intelectual, Cooperação, Negociação e Comercialização de Tecnologia

Os interessados em participar da 13ª edição do encontro da Rede de Propriedade Intelectual, Cooperação, Negociação e Comercialização de Tecnologia (Repict) podem se inscrever até o dia 30 deste mês. O evento, organizado pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e pela Rede de Tecnologia do Rio de Janeiro (Redetec), acontece nos dias 1º e 2 de setembro, no Rio de Janeiro (RJ).

O objetivo é apresentar as principais tendências na área de gestão da inovação e propriedade intelectual. O evento é voltado para agentes públicos e privados de empresas de base tecnológica, incubadoras, universidades e centros de pesquisa, além de agências de fomento e outros interessados no tema.

Informações adicionais podem ser obtidas pelo telefone (21) 3575-7979. (Com informações do INPI)

Fonte: Gestão CT

Vaga para pós-doutoramento no Departamento de Química Analítica da Unesp

PD em química analítica com Bolsa da FAPESP
O Projeto Temático "Avaliação da Ocorrência, Toxicidade/Genotoxicidade e Processos para Degradação de Corantes em Efluentes e Águas Superficiais", apoiado pela FAPESP, tem uma vaga para pós-doutoramento no Departamento de Química Analítica da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

O projeto tem por objetivo obter diagnósticos sobre os níveis de contaminação de efluentes industriais e águas superficiais recebendo rejeitos de corantes azo, bem como avaliar a potencialidade tóxica e/ou mutagênica envolvendo alguns corantes e seus derivados, visando a obter subsídios para entender seus processos de transporte, bioacumulação, persistência e biotransformação no ambiente ou no metabolismo humano.

Dentro desse contexto, o candidato a pós-doutorado deverá apresentar experiência em análise por espectrometria de massa nas áreas de química analítica, tendo como foco subsidiar os trabalhos a serem desenvolvidos pelo grupo envolvendo os temas:

1) otimizar metodologias analíticas baseadas em cromatografia líquida e espectrometria de massas para pré-concentração, detecção e quantificação de corantes e subprodutos em efluentes e águas superficiais, lodos e sedimentos contaminados por resíduos da industria têxtil, curtumes, alimentos e tintura de cabelo;

2) correlacionar a estrutura química de possíveis corantes mutagênicos com testes de indução de dano ao material genético e alterações preliminares do sistema imunológico por corantes do tipo azo e águas oriundas de curtumes, tinturaria, salões de beleza e alimentos;

3) utilizar a técnica de espectrometria de massas para identificação de intermediários e subprodutos formados em processos de degradação de diversas classes de corantes portadores de grupo azo como cromóforo por métodos oxidativos avançados, tais como foto-fenton, ferro zero e fotoeletrocatálise sob irradiação artificial e solar;

4) contribuir com os órgãos ambientais na elaboração de legislação mais consistente para o descarte de corantes.

O grupo de pesquisadores envolvidos no projeto reúne conhecimentos multidisciplinares em áreas de fronteira de ciências exatas e biológicas, importantes para o avanço da área.

Interessados devem apresentar currículo vitae atualizado, carta de apresentação e breve relato de sua experiência e seu objetivo de carreira no assunto, bem como duas cartas de apresentação/recomendação até o dia 15 de agosto de 2010.

Os documentos devem ser enviados em formato PDF para a coordenadora do projeto, Maria Valnice Boldrin Zanoni , professora do Departamento de Química Analítica da Unesp.

A vaga está aberta a brasileiros e estrangeiros. O selecionado receberá Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP, no valor de R$ 5.028,90 mensais.

Outras vagas de bolsas de pós-doutorado, em diversas áreas do conhecimento, estão no site FAPESP-Oportunidades,

Fonte: Agência FAPESP

Inpe abre inscrições para mestrado e doutorado em meteorologia

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) abriu processo seletivo para o curso de pós-graduação em meteorologia. As inscrições se encerram em 31 de outubro.

O curso integra as atividades do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC). Para participar do processo, os candidatos deverão ter formação superior, preferivelmente em meteorologia, física, engenharia, matemática, oceanografia ou áreas afins.

Para os candidatos ao doutorado, exige-se que tenham o mestrado concluído em área correlata. Mas, segundo o Inpe, há possibilidade de se aceitar, em condições especiais, o ingresso no doutorado sem a conclusão do mestrado.

As linhas de pesquisa da pós-graduação em meteorologia são: estudos e modelagem do tempo; estudos e modelagem do clima; sensoriamento remoto da atmosfera; interação oceano-atmosfera; interação biosfera-atmosfera; meteorologia ambiental.

Para se inscrever, o candidato deverá preencher formulário, apresentar três cartas de referência, histórico escolar de graduação e de mestrado (para candidatos ao doutorado), curriculum vitae e cópia da dissertação (para candidatos ao doutorado).

Os servidores do Inpe deverão ter sua matrícula aprovada pela chefia imediata e pelo titular de nível "A".

Fonte: Agência FAPESP

Fapespa abre inscrições para a 3ª Feira de Ciência e Tecnologia

A partir da próxima quarta-feira (11), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará (Fapespa) receberá inscrições dos bolsistas interessados em divulgar trabalhos durante a 3ª Feira de Ciência e Tecnologia, que acontece de 18 a 20 deste mês.  De acordo com estimativas da entidade, mais de 70 pesquisadores devem participar do evento.

O objetivo da iniciativa é apresentar à comunidade científica e ao público em geral, o que foi desenvolvido pelos bolsistas que receberam apoio da fundação. Desde 2007, a instituição já concedeu 307 bolsas de mestrado e 131 de doutorado.A Fapespa é uma entidade associada à ABIPTI. (Com informações da Fapespa)

Fonte:Gestão CT

Seminário Final de Acompanhamento e Avaliação de Pesquisas para o SUS

A Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap) realiza, nos dias 18 e 19 deste mês, o “Seminário Final de Acompanhamento e Avaliação de Pesquisas para o SUS”. No evento, os resultados dos projetos de pesquisa no setor serão avaliados por especialistas convidados e por representantes do Ministério da Saúde (MS) e do CNPq.

A proposta é divulgar para a comunidade científica o que já foi realizado e auxiliar os novos pesquisadores no andamento e finalização de seus projetos. O evento será realizado no Hotel Mareiro, localizado na Av. Beira Mar esquina com Rua Tibúrcio Cavalvante, em Fortaleza (CE). (Com informações da Funcap)

Fonte:Gestão CT

Facepe: investimento de R$ 3,8 milhões em quatro novos editais

A Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe) está com as inscrições abertas, até 17 de setembro, para quatro novos editais. Juntos, os investimentos somam R$ 3,8 milhões.

A chamada 13/2010 visa apoiar projetos para subsidiar a formulação, avaliação e orientação de políticas públicas na área de segurança pública, em temas específicos de interesse prioritário para entidades da Administração Pública Estadual.

O edital disponibilizará no total R$ 600 mil para as pesquisas. Os projetos devem ser executados em um prazo máximo de 24 meses. O proponente deve ser doutor e ter o curriculum vitae cadastrado na Plataforma Lattes, além de possuir vínculo formal com a instituição de execução do projeto.

O objetivo é apoiar projetos de pesquisa em ciências econômicas com vistas a subsidiar a formulação, avaliação e aplicação de metodologias de apuração de informações econômicas setoriais para os setores de turismo, cultura e Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) no Estado.

O edital prevê recursos da ordem de R$ 600 mil. Poderão apresentar propostas pesquisadores doutores, vinculados a instituições de caráter educativo, científico ou tecnológico, situadas em Pernambuco.

A finalidade é conceder apoio a projetos na área de gestão educacional, em temas específicos de interesse prioritário para entidades da Administração Pública Estadual. Os investimentos somam R$ 1,4 milhão.

O projeto deve estar claramente caracterizado como pesquisa científica, tecnológica ou de inovação, e as propostas deverão ser apresentadas na forma de projeto de pesquisa. O prazo máximo para a execução é de 18 meses.

O objetivo é apoiar projetos que visem a geração e divulgação de conhecimento técnico sobre a viabilidade do cultivo de espécies vegetais oleaginosas perenes nas diferentes regiões de Pernambuco, e que gerem a base experimental necessária à avaliação do rendimento agronômico e econômico dessas culturas.

As propostas aprovadas serão financiadas com recursos da ordem de R$ 1,2 milhão, sendo R$ 700 mil para apoiar atividades sobre “introdução experimental do dendê na Zona da Mata de Pernambuco”, e R$ 500 mil destinados para “avaliação de oleaginosas perenes não cultivadas com potencial para Pernambuco”. A Facepe é uma instituição associada à ABIPTI.

Fonte: Gestão CT

Fapemig e Fiat: lançado edital conjunto

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) lançou o edital 13/2010 para financiar projetos de pesquisa que tratem de aspectos do consumo e da cultura material. A chamada, realizada em parceria com a Fiat, receberá as propostas até o dia 30 de setembro, num aporte de R$ 500 mil.

Serão apoiadas pesquisas nas áreas de antropologia do consumo; medição de resultados; semiótica voltada para a comunicação; comércio eletrônico; e redes sociais. Podem participar entidades de CT&I sediadas no Estado e cadastradas junto à Fapemig.

Os projetos deverão ser submetidos, obrigatoriamente, em versão eletrônica. A proposta deverá ser preenchida no aplicativo AgilFap, disponível neste link. A Fapemig é uma entidade associada à ABIPTI.

Fonte: Gestão CT

Faperj: chamada pública para aquisição de equipamentos

A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) está com as inscrições abertas até 16 de setembro para o edital 17/2010. O objetivo é apoiar a aquisição de equipamentos de pequeno e médio porte para programas de pós-graduação stricto sensu no Rio de Janeiro.

Serão investidos recursos da ordem de R$ 5,6 milhões. Os proponentes devem ser coordenadores de programas de pós-graduação do Estado, avaliados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) com conceitos 5, 6 e 7, em associação com outros programas de pós-graduação stricto sensu fluminense com conceitos 3 e 4.

As propostas deverão ser encaminhadas, exclusivamente, pelos coordenadores de programas de pós-graduação que tiveram projetos contemplados no edital 10/2010Programa de Apoio ao Pós-Doutorado no Estado do Rio de Janeiro. Pesquisadores inadimplentes ou com pendências com a Capes ou com a Faperj não poderão concorrer.

Fonte:Gestão CT

Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural

O governo de São Paulo lançou ontem (9) o Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural, que viabilizará a criação de um conselho estadual para implementar ações voltadas ao desenvolvimento sustentável da atividade petrolífera no território paulista.

Ao todo, 14 secretarias de Estado, prefeituras do litoral paulista, institutos de pesquisa e entidades empresariais, como a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), farão parte do programa.

“A indústria precisa estar preparada para atender a esse crescimento de demanda, e tecnologicamente pronta para vencer os desafios do pré-sal”, disse o diretor de Energia da Fiesp, Carlos Cavalcanti.

Para a federação, a iniciativa será uma grande oportunidade para a indústria do Estado, já que São Paulo responde por aproximadamente 60% das compras de equipamentos da Petrobras, mas ainda não tem participação significativa nas atividades de exploração e produção.

Petrobras
A Petrobras espera investir US$ 224 bilhões nos próximos cinco anos, além de dobrar a capacidade de produção de petróleo para 4 milhões de barris/dia até 2020. O setor representa hoje 10% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e deverá aumentar sua participação para 20% em dez anos. (Com informações da Fiesp) 

Fonte: Gestão CT

Rio Grande do Sul: investimento de R$ 5,7 milhões em polos tecnológicos

O Governo do Rio Grande do Sul autorizou na semana passada a contratação de 15 convênios com instituições de ensino superior ligadas a pólos tecnológicos. Serão investidos, ao todo, R$ 5,7 milhões, sendo R$ 2,4 milhões por parte do Estado.

O objetivo é modernizar o Rio Grande do Sul, com aporte financeiro em propostas que promovam a inovação tecnológica, priorizando os projetos ambientais e que garantam o desenvolvimento econômico. (Com informações da Fapergs)

Fonte:Gestão CT