terça-feira, 25 de maio de 2010

Vanderlan da Silva Bolzani, da UNESP, é fellow da Royal Society of Chemistry

Professora da Unesp é fellow da Royal Society of Chemistry

A pesquisadora Vanderlan da Silva Bolzani, professora titular do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e membro da coordenação do Projeto Biota-FAPESP, recebeu o título de fellow da The Royal Society of Chemistry, uma das mais conceituadas e tradicionais sociedades científicas do mundo.

Trata-se de um título inédito na América Latina. “Estou muito feliz e honrada com esse reconhecimento de uma instituição tão importante e que tem um corpo de publicações de excelência”, disse Vanderlan. Segundo ela, o título deverá ajudar a destacar no Brasil a pesquisa de produtos naturais, área em que atua.

Fundada em 1841 como Chemical Society of London, a instituição britânica concede anualmente o título de fellow, o qual designa seus membros honorários. Um comitê escolhe os laureados entre os pesquisadores associados à sociedade, cerca de 46 mil. Este ano, foram 64 os escolhidos.

A distinção é concedida basicamente a profissionais que se enquadrem em um desses quatro grupos: cientistas em química que se destaquem fora do Reino Unido por meio de contribuições para essa área do conhecimento; cientistas no Reino Unido de outras áreas de atuação cujos trabalhos tenham impacto significativo na química; pesquisadores em química no Reino Unido laureados com o Prêmio Nobel; e personalidades que se destaquem em atividades que promovam benefício significativo para a comunidade química.

Ao lado da professora Vanderlan, estão na lista de fellows deste ano os ganhadores do Nobel: Elias Corey (1980), Jean-Marie Lehn (1987), Karl Sharpless (1997), Gerhard Ertl Hon (2007) e Martin Chalfie (2008).

Natural de Santa Rita (PB), Vanderlan é farmacêutica graduada pela Universidade Federal da Paraíba. É mestre em química orgânica e doutora em ciências, ambos os títulos obtidos pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo.

Está no quadro docente da Unesp desde 1980. Possui pós-doutorado pelo Departamento de Química no Instituto Politécnico e Universidade Estadual de Virgínia, Estados Unidos, com apoio de Bolsa da FAPESP.

A pesquisadora obteve título de livre-docente pelo Instituto de Química da Unesp em 1996 e é a atual presidente da Sociedade Brasileira de Química, sendo eleita para o mandato 2009-2010.

Vanderlan já foi incumbida pela Royal Society of Chemistry de duas missões internacionais: organizar, ainda este ano, um encontro entre Brasil e Reino Unido, durante o Congresso Latino-Americano de Cartagena, na Colômbia, e coordenar um simpósio sobre química de produtos naturais em evento a ser realizado em Porto Rico, em 2011, Ano Internacional da Química.

Fonte: Fabio Reynol / Agência FAPESP

USP:concurso para professor doutor

A Universidade de São Paulo (USP) abriu processo seletivo para o preenchimento de vagas de professores doutores para atuar em regime de dedicação integral à docência e à pesquisa (MS-3), em diferentes departamentos.

São quatro vagas no Instituto de Ciências Biomédicas (ICB), três das quais no Departamento de Anatomia, nas disciplinas de Anatomia Geral, Neurociência e Genômica e Biologia Celular e Manipulação Genética. A quarta vaga é para o Departamento de Farmacologia, com base no programa de Farmacologia Cardiovascular.

As inscrições para o ICB se encerram em 90 dias após a data de publicação no Diário Oficial. As datas de publicação variam em 7 e 28 de abril e 1º de maio.

O Instituto de Medicina Tropical da USP também tem uma oportunidade para professor doutor para atuar junto à diretoria técnica científica na área de conhecimento em epidemiologia e controle em doenças negligenciadas. O prazo final de inscrição se encerra no dia 23 de junho.

O Instituto de Matemática e Estatística tem vagas em aberto para doutor. São duas oportunidades junto ao Departamento de Matemática. As inscrições se encerram em 90 dias a partir de publicação no Diário Oficial (31 de março). No IME, também há uma vaga em aberto para professor titular, em regime de dedicação integral à docência e à pesquisa (MS-6) para o Departamento de Ciência da Computação, na área de ciência da computação.

O concurso para professor doutor será constituído em duas etapas. A primeira será prova escrita (eliminatória). Os candidatos aprovados na prova escrita farão a segunda fase do concurso, que será constituído por julgamento do memorial com prova pública de arguição (peso 5) e prova didática (peso 3). A remuneração é R$ 7.107,77.

A inscrição e a documentação exigida deverão ser entregues nas secretarias e setores de cada departamento.

Mais informações pelo site

Em São Carlos
Na Escola de Engenharia de São Carlos da USP há também uma vaga para professor doutor no Departamento de Engenharia de Materiais, Aeronáutica e Automobilística.

O selecionado atuará na área de conhecimento materiais poliméricos, no conjunto das disciplinas Materiais Poliméricos, Materiais Compostos I, Processamento de Materiais IX, Reologia e Comportamento Mecânico dos Materiais.

Para essa vaga, haverá prova escrita (peso 2), prova didática e julgamento do memorial com prova pública de argüição, ambas com peso 4. A inscrição se encerra no dia 22 de julho.

Mais informações: www.eesc.usp.br e (16) 3373-9231 (16) 3373-9231

Fonte:Agência FAPESP

UNICAMP: Premiação de Inventores 2010

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) entregou, na última sexta (21/5), a Premiação de Inventores 2010 destinada a pesquisadores e institutos cujas pesquisas geraram descobertas que foram patenteadas e que trouxeram benefício à sociedade.


Em sua terceira edição, o prêmio organizado pela Inova Unicamp contemplou três categorias. O “Prêmio Inventor com Produto Incorporado ao Mercado” ficou com o professor Wilson Jardim, do Instituto de Química (IQ), pela tecnologia Fentox, comercializada pela empresa Contech, e com o professor Fernando Galembeck, também do IQ, pelo uso da tecnologia Imbrik, comercializada pela empresa Orbys.

O IQ e a Faculdade de Engenharia Química (FEQ) foram vitoriosos na categoria “Prêmio Destaque em Proteção à Propriedade Intelectual”. O IQ foi escolhido por ser a unidade com maior número de pedidos de patentes no período de 2008/2009, com 30 pedidos de patentes. A FEQ foi indicada por ter tido o maior crescimento em número de pedidos de patentes.

A terceira categoria, “Menção Honrosa por Tecnologia Licenciada”, contemplou 24 pesquisadores e docentes de seis unidades e um centro de pesquisa da Unicamp, com tecnologias licenciadas nos anos de 2004, 2005, 2006 e 2009.

Mais informações: www.unicamp.br/unicamp

FAPESP e o King’s College London (KCL) - Intercâmbio de pesquisadores

Intercâmbio com Reino Unido

A FAPESP e o King’s College London (KCL), do Reino Unido, recebem, até o dia 5 de julho, propostas para a chamada de intercâmbio de pesquisadores lançada no âmbito do acordo de cooperação científica entre as instituições.

O King's College London é a quarta mais antiga universidade na Inglaterra e é considerara uma das 25 mais importantes no mundo (segundo o Times Higher Education 2009). Voltada à pesquisa, a universidade está sediada no centro de Londres e tem cerca de 23 mil alunos de quase 140 países.

Para divulgar a chamada entre os pesquisadores britânicos, a instituição disponibilizou a página www.kcl.ac.uk/research/funding/brazil.html. O acordo entre as instituições em inglês está também em www.kcl.ac.uk/research/groups/brazilinstitute/funding/fapesp-kings.html.

Para que os pesquisadores vinculados ao King’s College London, que entendam português, conheçam melhor as novidades na ciência brasileira, a instituição britânica está indicando a assinatura da Agência FAPESP.

A chamada está aberta a todas as áreas de conhecimento científico e tecnológico. Podem participar pesquisadores responsáveis por auxílios apoiados pela FAPESP e vigentes nas modalidades Auxílio à Pesquisa – Regular e Temático, Apoio a Jovens Pesquisadores ou Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids). No caso específico de Temáticos, pesquisadores principais também podem apresentar propostas.

Cada proposta na chamada aberta poderá durar até 24 meses. FAPESP e KCL apoiarão com recursos de até 6 mil libras anuais, pela vigência estabelecida na concessão, destinados necessariamente e exclusivamente a despesas de mobilidade (passagens, diárias e seguro-saúde).

A FAPESP apoiará, nas solicitações aprovadas, recursos para aquisição de passagens aéreas, seguro-saúde e diárias para manutenção de pesquisadores do Estado de São Paulo no Reino Unido.

O KCL apoiará recursos para aquisição de passagens aéreas, seguro-saúde e diárias para manutenção de pesquisadores do Reino Unido no Estado de São Paulo.

As propostas devem ser apresentadas simultaneamente pelo pesquisador do Estado de São Paulo à FAPESP e pelo seu colaborador do Reino Unido ao KCL. Cada uma das partes efetuará a seleção das propostas segundo sua sistemática de análise. Somente as propostas aprovadas por ambas as partes serão financiadas. As propostas deverão ser submetidas em inglês.

Mais informações no texto completo da chamada em português no site

Fonte: Agência FAPESP

Prêmio para ação empresarial pró-ODM (Objetivos do Milênio)

Projetos que contribuem para avanço nos Objetivos do Milênio podem concorrer a prêmio promovido pelo PNUD e por entidades do setor

Projetos empresariais que contribuem para os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio podem concorrer ao um prêmio global promovido pelo PNUD, pela Câmara Internacional de Comércio e pelo Fórum Internacional de Líderes Empresariais. A iniciativa, que em cinco edições teve quatro projetos brasileiros entre os ganhadores, foi lançada nesta quarta-feira, em Nova York.

As inscrições do World Business and Development Awards (Prêmio Empresas Globais e Desenvolvimento) vão até 1º de julho. Podem participar empresas de qualquer tipo e tamanho que liderem projetos voltados a pelo menos um dos oito Objetivos do Milênio. A ideia é mostrar como modelos inovadores de negócios, apoiados em parcerias sólidas, podem obter sucesso comercial e ao mesmo tempo melhorar a vida de muitas pessoas.

Os vencedores serão condecorados em 21 de setembro, em Nova York, em evento paralelo à cúpula mundial na qual líderes de vários países vão debater um programa de ação para acelerar o progresso nas metas estabelecidas pela ONU.

“Cada vez mais o setor privado tem sido um componente essencial para o aumento da eficiência da ajuda humanitária e para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio”, disse o secretário-geral da Câmara Internacional de Comércio, Jean Rozwadowski, no lançamento da premiação.

O prêmio é bienal e existe desde 2000. Na primeira edição, um projeto da Bahia Sul Celulose para reduzir poluição esteve entre os ganhadores. Na edição de 2002, uma iniciativa da Alcan voltada ao ensino de empreendedorismo e ética ambiental, implantada no Brasil e outros quatro países, também esteve entre os vencedores.

Na lista de premiados de 2006 estava o Banco Real, por orientar diversas de suas ações de acordo com os Objetivos do Milênio. Por fim, um projeto da Endesa aplicado no Brasil (que dá descontos em conta de luz a para quem recicla lixo) foi um dos vencedores de 2008.

Fonte: PNUD

3º Simtec – Simpósio de Profissionais da Unicamp

Simtec se consolida como mais importante evento dos profissionais da Unicamp

O III Simtec – Simpósio de Profissionais da Unicamp- foi aberto nesta terça-feira (25) com 1.600 inscritos e uma programação intensa e de qualidade, fatores que colocam o evento, definitivamente, dentro do calendário de atividades regulares da instituição. Depois da primeira edição em 1997, o simpósio só voltou a ser realizado em 2008, com a proposta de que se repita a cada dois anos. “Esta terceira edição representa a consolidação do Simtec, que nasceu da ideia de mostrar que a Universidade é construída por todos. E que por reunir os melhores professores e os melhores funcionários, consegue atrair os melhores estudantes”, afirmou o professor José Tadeu Jorge, ex-reitor da Unicamp e atual secretário da Educação em Campinas.

Atribuindo a seu antecessor o mérito de ter idealizado e viabilizado a retomada do Simtec, o reitor Fernando Costa também deu o evento como consolidado. “É uma troca constante e enriquecedora de experiências entre funcionários das mais variadas áreas, que agora se amplia para universidades como USP e Unesp. Os números são significativos: mais de 1.600 inscritos, 42 minicursos e palestras com pessoas de renome da TV, esporte, artes, organizações sociais e educação, além daquilo que distingue esse encontro de outros: a exposição de 395 pôsteres descrevendo iniciativas e projetos desenvolvidos por nossos funcionários, mostrando como eles são capazes de encontrar soluções criativas para os problemas do dia a dia”.

O Simtec, que continua na quarta-feira, visa apresentar e discutir assuntos relacionados a administração e gestão por meio de projetos e experiências que promovam soluções ou melhorias organizacionais, bem como nos aspectos de saúde física e psicológica, ambientais e sociais. O evento também está aberto a projetos institucionais no âmbito do ensino, pesquisa e extensão, além de ações educacionais e assistenciais. “É através dele que os funcionários se posicionam em relação ao papel que ocupam nesta conceituada instituição”, observou Edison Cardoso Lins, do Grupo Gestor de Benefícios Sociais (GGBS) que coordena o simpósio.

O jornalista Beto Ribeiro, que atuou nos bastidores da TV e foi gerente de marketing de marcas importantes no país, deu a palestra de abertura sobre seu livro Poder S.A. – Histórias possíveis do mundo corporativo. “A Unicamp tem as pesquisas e os livros na vitrine, mas para isso mantém um staff muito forte por trás, com seus problemas de RH e disputa por cargos. O livro se chama Poder S.A. porque o poder é desejado, debatido e disputado por todos no trabalho, inclusive na academia, embora no universo corporativo a vitrine seja mais exposta”.

A palestra seguinte foi da filósofa, escritora e professora Marcia Tiburi, que é colunista da revista Cult e participa do programa Saia Justa (canal GNT), e que falou sobre as formas de pensar e agir na era digital. Como palestrantes da tarde, o III Simtec trouxe o filósofo e educador Mario Sérgio Cortella, que escolheu como tema “Ética, indivíduo, sociedade e empresa”, e o ex-jogador Raí de Oliveira, hoje à frente da Fundação Gol de Letra, que abordou “O benefício individual dentro do coletivo”. Nesta quarta, a jornalista Katia Fonseca, presidente do Centro de Vida Independente de Campinas, discorre sobre “O papel de cada um na inclusão da pessoa com deficiência”.

Os 395 pôsteres contendo as iniciativas e projetos dos funcionários da Unicamp estão expostos no Ginásio Multidisciplinar. Já os minicursos, oferecidos de 17 a 21 de maio, trataram de aspectos ligados às diversas atividades profissionais da Universidade, como qualidade de vida na empresa, recursos de informática, cerimonial e comunicação, gerenciamento de projetos educacionais, estresse no trabalho, coleta seletiva de resíduos, relações pessoais e media training; os cursos envolveram também atividades lúdicas, a exemplo da pintura em tela e das danças de salão.

O “Cotidiano do Profissional da Unicamp” pode ser visto em imagens fotográficas expostas no Ginásio Multidisciplinar da Unicamp (GMU), no âmbito do III Simtec, nesta terça (25) e quarta-feira (26), das 9 às 17 horas. As imagens pertencem aos fotógrafos Antoninho Marmo Perri e Antonio José Scarpinetti, profissionais da Assessoria de Comunicação e Imprensa (Ascom) da Unicamp. Cada um dos deles expõe 10 fotografias de funcionários da Universidade exercendo diferentes atividades, desde a manutenção do campus, o cultivo de plantas até atividades laboratoriais e da área da saúde.

A iniciativa da exposição partiu do GGBS, que organiza o III Simtec. Segundo Maria Cristina de Oliveira Duque, responsável por eventos do GGBS, a mostra traz outra realidade do dia a dia da Universidade. “Também é uma oportunidade para valorizar o trabalho dos funcionários e dos próprios fotógrafos”. De acordo com Scarpinetti, as imagens exibidas foram produzidas por ocasião da realização das pautas para o Jornal e Portal da Unicamp e quando os fotógrafos se deparavam com uma cena representativa ou interessante. “As imagens demonstram nosso olhar atento ao trabalhador e às cenas do cotidiano da Universidade”.

A história da Unicamp nos últimos 25 anos pode ser contada a partir das lentes de Antoninho Perri, funcionário da Ascom desde o lançamento da segunda edição do Jornal da Unicamp. Antes de chegar à Universidade, Perri também foi fotógrafo dos jornais campineiros Diário do Povo e Correio Popular.

O fotógrafo Antonio Scarpinetti é responsável também pelo acervo fotográfico da Ascom desde 2001. Scarpinetti criou o Centro de Pesquisa e Documentação da Rede Anhangüera de Comunicação (Cedoc-RAC), em Campinas, foi pesquisador da Editora Abril em São Paulo e repórter em rádios e jornais de Campinas e Jundiaí. (Foto Talita Matias)

Fonte: Luiz Sugimoto / Talita Matias / Unicamp