sábado, 1 de maio de 2010

CNPq: Número de bolsas de iniciação tecnológica crescerá 500%

Decisão do CNPq aumentará em cerca de 500% o número de bolsas ofertadas pelo conselho para iniciação tecnológica, passando das atuais 500 para cerca de três mil. Ainda na primeira semana de maio deve ser publicada uma chamada pública convocando instituições de ensino e/ou pesquisa que atuam na área tecnológica e de inovação.

Além de reforçar o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Pibiti), a proposta da entidade é reorganizar o programa com uma identidade mais focada na área tecnológica e criar espaços mais definidos de atuação e especificar áreas, critérios e indicadores consistentes do setor.

Poderão submeter proposta à chamada, que será divulgada na página eletrônica do CNPq, instituições de ensino e/ou pesquisa públicas, privadas, confessionais e comunitárias, desde que atuem nas áreas tecnológica e de inovação e que mantenham comprovada interação com a empresa e com a comunidade.

Na decisão do CNPq foi levada em conta a importância que a área tecnológica e de inovação representa na atual política governamental de incrementar o sistema de CT&I. Segundo a vice-presidente do CNPq, Wrana Panizzi, a exemplo do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic), que atua com cerca de 24 mil bolsas, a idéia é contribuir decisivamente para a formação e engajamento de recursos humanos em atividades de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação.

Informações sobre as ações do CNPq podem ser obtidos no site do CNPq.(Com informações do CNPq)

Fonte: Gestão CT

Fulbright:: Bolsas nos EUA para brasileiros

A Comissão para Intercâmbio Educacional entre os Estados Unidos e o Brasil (Fulbright) recebe, até o dia 13 de junho, inscrições para o programa de bolsas de estudos nos Estados Unidos para profissionais brasileiros do setor público e do terceiro setor (ONGs) em meio de carreira, preferencialmente empreendedores sociais.

Os candidatos devem ser atuantes nas áreas de: desenvolvimento e economia agrícola; direito, com foco em direitos humanos; drogas; manejo de recursos naturais e meio ambiente; planejamento urbano e regional; políticas e administração de saúde pública; política e administração de tecnologia; políticas e planejamento educacional; tráfico de pessoas.

Terão prioridade candidatos provenientes de setores sub-representados, por razões socioeconômicas, em programas internacionais de aprimoramento educacional e profissional; com vinculação profissional com o setor público ou, preferencialmente, com o terceiro setor; com experiência em trabalho ou atividades relacionadas ao desenvolvimento de sua comunidade, grupo social, região ou do país; entre outros.

Entre os requisitos o candidato deve possuir nacionalidade brasileira e não ter nacionalidade norte-americana; ser graduado em curso com duração superior a quatro anos; ter no mínimo cinco anos de experiência profissional, até agosto de 2011, após a conclusão do bacharelado; e fluência em inglês.

Os selecionados receberão bolsa mensal de US$ 1,7 mil a US$ 2,5 mil; auxílio instalação de US$ 800; auxílio para livros de US$ 750; subsídio para compra de computador de US$ 500; passagem de ida e volta aos Estados Unidos; seguro-saúde, entre outros.

O edital está disponível neste link.

Fonte: Gestão CT

Laser completa 50 anos em maio

O laser, hoje utilizado no corte e solda de metais, nas cirurgias, na medição e nos equipamentos bélicos, entre outras aplicações, completa 50 anos no próximo mês de maio. Foi em 16 de maio de 1960, que Theodore Maiman ligou o primeiro flash de Laser-Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation, ou Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

As pesquisas acerca do laser, porém, são anteriores. Em 1955, Charles H. Townes e James P. Gordon haviam apresentado o maser (Microwave Amplification by Stimulated Emission of Radiation). E, sabe-se que Albert Einstein, em 1917, já havia apresentado o conceito de emissão estimulada.

Em dezembro de 1964, Charles Townes (à esquerda, na foto), pioneiro nas pesquisas sobre laser, conquistou o Premio Nobel. E o laser, começava a conquistar o mundo. A revista Readers Digest o chamou de “luz da esperança”; o jornal New York Times viu no laser o acender da luz do futuro; e a revista Times, disse que o laser era a tecnologia de estado sólido mais ‘quente’ depois do transistor.

Pouco antes, o transistor havia engatilhado a revolução eletrônica, possibilitando a criação de indústria bilionária liderada pelos Estados Unidos. Todos os institutos de pesquisa importantes dos Estados Unidos voltaram o olhar para o laser e programas públicos de pesquisas refletiam essa mudança.

Durante a Guerra Fria, o governo dos Estados Unidos fez grandes investimentos no avanço da tecnologia militar e, nos anos 50, os recursos para o desenvolvimento de tecnologia bélica aumentaram fortemente. De acordo com a Aviation Week and Space Technology, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos investiu cerca de US$ 1,5 bilhão no laser.

Em 1960, Ali Javan, Donald Herriott e William R. Bennett Jr. apresentaram o laser de hélio-neônio, pouco depois de Theodore Maiman ter apresentado o laser de rubi. O impacto da então nova indústria do laser e os programas de pesquisas militares significaram para acionistas e investidores de capital de risco o que a Internet representaria 40 anos depois: fácil acesso às fontes de financiamento.

No final de 1962, dois anos e meio depois da bem sucedida experiência de Theodore Maiman, a indústria do laser movimentava cerca de US$ 1 bilhão, conforme a Barron's Magazine. Cerca de 500 empresas pesquisavam o laser ou o usavam para pesquisas. Porém, apenas um pequeno número de empresas - entre 20 e 30 - introduziram lasers no mercado, embora a imprensa especializada fizesse previsões de grandes crescimentos.

Evolução
A evolução da tecnologia e da indústria do laser é enorme. Hoje, o laser é utilizado nos mais diferentes mercados, da produção de turbinas (no tratamento de superfície, por exemplo); à fabricação de bicos de mamadeiras (o furo do bico da mamadeira é vaporizado com aplicação de laser). O CD, lançado em 1982 - e outras mídias que surgiram desde então, como DVDs e blue rays discs - são lidos com laser.