quinta-feira, 8 de abril de 2010

CNPq - R$ 57,2 milhões para bolsas de pós-graduação

Está aberto o prazo para a submissão de propostas à segunda chamada do edital 70/2009. A iniciativa do CNPq/MCT pretende consolidar o fortalecimento da pós-graduação em áreas estratégicas. Serão concedidas bolsas de mestrado e doutorado diretamente a orientadores dos programas de pós-graduação reconhecidos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Ao todo serão investidos R$ 57,2 milhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

Para concorrer ao cronograma 2, os pesquisadores podem submeter propostas até 17 de maio. As contratações estão previstas para ocorrer a partir de 20 de julho. Os projetos devem ter o prazo de execução de dois anos para o mestrado e de quatro anos para o doutorado. Cada pesquisador pode solicitar apenas uma bolsa para cada modalidade.

O proponente deve ter título de doutor, vínculo com a instituição executora, ser orientador de programa de pós-graduação credenciado na Capes e ter experiência comprovada na formação de recursos humanos e na execução de projetos em pelo menos uma das áreas temáticas listadas no edital. A chamada receberá projetos dentro das áreas estratégicas de ciências exatas e da terra; engenharias; agrárias; ciências da saúde e interdisciplinares.

O edital está disponível neste link.

Fonte: Gestão CT

Em 1904 era assinada a Entente Cordiale

No dia 8 de abril de 1904, os governos francês e inglês assinaram um acordo regulamentando seus interesses divergentes na África.

Em 1870-71, a França foi derrotada ao tentar conter o expansionismo germânico e obrigada a ceder a Alsácia-Lorena, região rica em carvão e minério de ferro, à Alemanha. Paris não aceitou essa humilhação e queria revanche. O primeiro-ministro francês Georges Clemenceau (1841-1929) queria, para isso, usar a Rússia. Em 1893, ele ainda não pensava numa aliança com a Inglaterra, forte concorrente da França.

Europeus repartem a África entre si
Com a fundação da Itália e da Alemanha, no final do século 19, as atenções da política europeia voltaram-se para as regiões não-europeias. Principalmente o continente africano — que até 1860 era uma "terra incógnita" — passou a ser foco de disputas territoriais. A Conferência de Berlim, em 1884/85, estabeleceu as regras para sua partilha. A França conquistou, entre outros, os territórios da atual Tunísia, Argélia, Marrocos e parte do Saara, Senegal, Guiné, Costa do Marfim, Benin e Zaire.

A Itália também queria dominar a Tunísia. Devido à ação francesa, o Reino Unido concentrou-se no Egito e no Canal de Suez, que encurtava o caminho marítimo para a Índia, à época, colônia britânica. Os ingleses também tentaram se impor na África do Sul, depois da descoberta de minas de ouro e diamante naquele país. Enquanto isso, Paris sonhava com um império que se estendesse da África Ocidental até o Oceano Índico.

O sonho inglês de um império colonial do Cairo até o Cabo da Boa Esperança, na África do Sul, não pôde ser realizado, já que a Alemanha dominava o Togo e Camarões (na África Ocidental), e o imenso Congo estava nas mãos dos belgas. Portugal consolidou suas colônias instaladas em Angola e Moçambique. Somente a Itália e a Espanha mantinham colônias insignificantes na África.

De acordos multilaterais à ampla coalizão dos Aliados
Em 1891, representantes da Alemanha, Áustria-Hungria e Itália haviam assinado um tratado que renovou a Tríplice Aliança formada em 1882. A resposta a esse acordo foi a assinatura da convenção militar russo-francesa em 1892. Depois da virada do século, a França e a Itália firmaram um tratado de neutralidade.

Somente a Inglaterra persistia no isolamento da Era Vitoriana (1837-1901). Em princípio, nessa época, pareciam viáveis alianças entre todos os países europeus. Inclusive a França e a Alemanha chegaram a cooperar, em 1893, para conter a política expansionista inglesa na África.

Mas o que ninguém esperava foi a Entente Cordiale, assinada no dia 8 de abril de 1904. Paris e Londres deixaram de lado suas rivalidades coloniais na África e acertaram uma estreita cooperação política. Três anos mais tarde, a aliança seria ampliada com a adesão da Rússia, formando a Tríplice Entente.

Isso aprofundou o isolamento do poderoso império alemão, o que acabou desembocando na Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Durante o conflito, outras 14 nações incorporaram-se à Entente, formando uma ampla coalizão chamada de "Aliados".

Fonte: Gérard Foussier (gh) / DW

OBMEP 2009 - Premiação da superação

Exemplos de superação marcam premiação da Obmep
O presidente da República, destacou histórias de superação de quatros alunos durante a entrega das medalhas dos vencedores da 5ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), realizada na terça-feira (6), no Rio de Janeiro. O evento, que premiou três mil estudantes de 884 municípios, contou também com as presenças dos ministros da Educação, Fernando Haddad, e da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende.

Entre os exemplos citados está o de Ricardo Oliveira da Silva, de Várzea Alegre (CE). Segundo o relato, o estudante sofre de atrofia do tecido muscular e, até 2006, era levado à escola em um carrinho de mão, porque a família não tinha condições de comprar uma cadeira de rodas. Vencedor da Obmep quatro vezes, Ricardo tem hoje um contrato de trabalho com o governo do Ceará. Sua atividade é contar sua experiência nas escolas. Com o dinheiro que recebe, explicou o presidente, Ricardo comprou uma casa para a família.

Na ocasião, também foi relatada a história de Josecleitom Ramalho, que na trajetória da Obmep ganhou uma medalha de prata, três de bronze e uma menção honrosa. Josecleitom tem doença degenerativa na córnea do olho direito, já perdeu 80% da visão desse olho e aguarda um transplante. Sua maior vitória, segundo o presidente da República, foi passar em primeiro lugar no vestibular do curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em 2009. A concorrência, disse Lula, foi de 27 candidatos por vaga.

A Obmep é promovida pelo MCT e Ministério da Educação e tem como objetivos incentivar o ensino de matemática e descobrir talentos entre estudantes das escolas públicas dos anos finais do ensino fundamental e de todo o ensino médio. Para a olimpíada de 2010, que recebe inscrições até o dia 18 deste mês, estão inscritos 19,4 milhões de estudantes, dados que já superam 2009, quando foi registrado 19,2 milhões de inscritos.

Fonte: Gestão CT