quinta-feira, 9 de abril de 2009

Estudo da UFLA aborda efeitos do café na saúde de diabéticos

Pesquisa desenvolvida na Universidade Federal de Lavras (Ufla) quer comprovar os efeitos do café como alimento funcional no tratamento da Diabetes Melito tipo II.

Os trabalhos estão sendo desenvolvidos pela mestranda em Ciências dos Alimentos, Danielly Mesquita Figueiredo que, na na última terça-feira, dia 07, às 19h, ministrou uma palestra sobre o assunto na Secretaria de Esportes, Lazer e Turismo (Selt), com o apoio da Associação de Diabéticos de Lavras.

Intitulada “Consumo de café e seus efeitos sobre parâmetros bioquímicos, fisiológicos e atropométricos de indivíduos adultos portadores de Diabetes Melito tipo II”, a pesquisa é inédita no Brasil e pretende avaliar os benefícios do consumo de café e de diferentes compostos bioprotetores presentes na bebida. De acordo com a pesquisadora, o produto é um dos mais consumidos no mundo e há muita especulação sobre seu impacto na qualidade de vida. “Muito se fala sobre café e saúde, mas até hoje não existe nenhum experimento científico que comprove seus possíveis benefícios e malefícios. Por isso a importância do trabalho para desmitificar muitos boatos que existem sobre o café”.

A realização da palestra fez parte das atividades do projeto. Seu objetivo, além de esclarecer algumas dúvidas sobre a bebida, é de conquistar a adesão de voluntários que tenham a diabetes tipo II para participação nos experimentos. Os participantes foram divididos em três grupos. O primeiro ficou sem tomar café e nenhum outro produto que contenha cafeína; o segundo grupo teve liberdade para consumir a bebida. Já o terceiro fez uso do produto descafeinado. Os dois últimos ainda foram divididos em sub-grupos, considerando os níveis de consumo diário de café e a freqüência de atividades físicas semanais.

No início dos experimentos, todos os voluntários foram submetidos a exames de hemograma, urina e teste ergométrico. A cada dois meses, todos passam por uma avaliação, para verificar o peso e as medidas. Ao final da pesquisa, que tem a duração de seis meses, os exames iniciais serão repetidos para se verificar, de forma comparativa, os efeitos do café no organismo.

A mestranda esclarece a importância do projeto, uma vez que o índice de pessoas que possuem a doença vem aumentando a cada dia. “Estima-se que cerca de 330 milhões de pessoas no mundo todo estejam com esse tipo de diabetes em 2010. Se não houver uma preocupação em estudar e desvendar uma forma de comprovar que o café pode ser um alimento funcional que contribui para a qualidade de vida dessas pessoas, esse número pode aumentar ainda mais”.

A pesquisa faz parte do projeto “Café e Saúde”, desenvolvido na Ufla sob a coordenação geral do professor Carlos José Pimenta. Além dos estudos com diabetes tipo II, outras seis linhas de pesquisa estão inseridas no trabalho, com parceria com a Unilavras, Fagamon, UFMG e Epamig. Os experimentos são financiados pelo Consórcio Brasileiro de Pesquisas e Desenvolvimento do café (CBP&D/Café).

A Selt fica na Rua João Pomárico, s/n, bairro Centenário.

Fonte: UFLA