sexta-feira, 24 de outubro de 2008

60 anos da SBPC

Lula e Sergio Rezende participam de cerimônia em comemoração aos 60 anos da SBPC

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e o ministro da C&T, Sergio Rezende, participaram, no dia 21, na sede da SBPC, em São Paulo (SP), da cerimônia de comemoração dos 60 anos da entidade, completados em julho.

Em texto do JC e-mail, o presidente disse que é preciso agir para burlar a burocracia. “Temos que fazer uma cesta de problemas, chamar todos os agentes ligados a cada um deles, chamar a Advocacia da União, os ministros e resolver essas questões, seja com projeto de lei, medida provisória ou decreto.”

O presidente convocou a comunidade científica para fazer parte do processo. “Vocês precisam aproveitar minha governança e fazer a cesta de reivindicações de vocês, para que possamos atendê-las.”

Segundo o texto, ao dar as boas-vindas a Lula – primeiro presidente da República a estar na sede da SBPC –, o presidente da sociedade, Marco Antonio Raupp, afirmou que a visita refletia o compromisso e a preocupação deste governo com a CT&I. Lembrando da presença de Lula, ainda candidato à Presidência, em 1998, à Reunião Anual da SBPC, Raupp destacou duas falas: a que reconhecia a SBPC como fórum nacional para discussão do futuro e a que ressaltava a necessidade do investimento de 2% do PIB em pesquisa e desenvolvimento.

O ministro da C&T, Sergio Rezende, aproveitou a ocasião para lembrar que a cerimônia de comemoração dos 60 anos da SBPC acontece junto com a Semana Nacional de C&T, que vai até domingo em todo o país. Ele destacou o que o apoio do governo à sua pasta se dá pela “convicção do presidente Lula de que a CT&I devem ser pilares do desenvolvimento”. Veja a íntegra da matéria por este link.

Para consultar os Anais/Resumos da 60ª Reunião Anual da SBPC clique aqui

Fonte: Gestão CT

14º Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) realizará, em parceria com a Selper Brasil, o 14º Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. O evento ocorrerá de 25 a 30 de abril de 2009, em Natal (RN). O Inpe é uma instituição associada à ABIPTI.

O objetivo da organização do simpósio é promover o encontro das comunidades acadêmico-científica de sensoriamento remoto de geotecnologias e de áreas afins. O evento oferece oportunidades para a divulgação dos trabalhos técnico-científicos que utilizam dados de sensoriamento remoto, troca de experiências entre profissionais, ampliação do conhecimento da aplicação das tecnologias de sensoriamento remoto e geoprocessamento, fomento de cooperação inter-institucional, e o estímulo ao desenvolvimento do segmento privado relacionado.

Os dias 25 e 26 de abril serão reservados para os cursos que serão oferecidos. A programação ainda conta com sessões orais, painéis, workshops, mesas redondas e palestras, que serão realizados de 27 a 30 de abril. No mesmo período, ocorrerá a Exposição Técnica. Informações sobre o evento podem ser obtidas neste link.

Fonte: Gestão CT

UFF participa do projeto “Erasmus Mundus External Cooperation Window” da U.E.

UFF participa de projeto de mobilidade entre universidades aprovado pela União Européia

A Universidade Federal Fluminense (UFF) consta entre as 11 instituições brasileiras que participarão de um projeto recém-aprovado pelo edital “Erasmus Mundus External Cooperation Window, da União Européia (UE). A iniciativa objetiva a mobilidade entre universidades européias e de outras partes do mundo. Esta é a primeira vez que o edital contempla o Brasil e a Ásia.

O projeto inclui 19 universidades, sendo 11 brasileiras e oito européias. Ele é coordenado pela Technische Universität München, da Alemanha. Foram disponibilizadas 123 vagas no fluxo de mobilidade para as universidades brasileiras, que serão distribuídas, de acordo com o edital, para alunos de graduação, doutorado, pós-doutorado e “academic staff”.

De acordo com informações divulgadas pela UFF, a Assessoria para Assuntos Internacionais da universidade aguarda o contato da agência européia para detalhar como vai ser desenvolvido o projeto, bem como o número de bolsas que será oferecido para a UFF. Foram contempladas as áreas de engenharia e tecnologia, ciências sociais e educação e formação de professores.

A rede Eubranex, nomenclatura utilizada como referência ao projeto, conta com as seguintes universidades da Europa: a alemã Technische Universität München, Universite Libre de Bruxelles (Bélgica), Czech Technical University in Prague (República Tcheca), Universidad de Sevilla (Espanha), Ecole Centrale de Nantes e Ecole Centrale Paris (França); Università degli Studi di Trento (Itália); Politechnika Wroclawska (Polônia) e Kungliga Tekniska Högskolan.

Informações sobre a iniciativa podem ser obtidas no site http://www.aai.uff.br/. (Com informações da UFF)
Fonte: Gestão CT

Abimaq Inova: Casos de Inovação na Indústria de Bens de Capital

Em busca do terreno perdido
Embora a indústria brasileira de máquinas e equipamentos tenha registrado um aumento de 25% no faturamento semestral – passando de R$ 28,97 milhões no primeiro semestre de 2007 para R$ 36,25 milhões no mesmo período de 2008 –, o setor tem apresentado quedas sucessivas de produção nas últimas três décadas.

“Na década de 1980, o Brasil era o quinto maior fabricante de bens de capital do mundo. Desde então perdemos mercado e competitividade e, hoje, ocupamos a 14ª posição nesse ranking mundial”, disse o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Luiz Aubert Neto, nesta quinta-feira (23/10), na sede da entidade, na capital paulista.

No local, por ocasião do evento Abimaq Inova: Casos de Inovação na Indústria de Bens de Capital, Aubert Neto apresentou parte do Projeto Abimaq 2022, cujo objetivo é justamente resgatar a posição do parque nacional da indústria de bens de capital no cenário internacional.

O projeto, explicou o executivo, está baseado em quatro eixos fundamentais: redução de tributos para os fabricantes de máquinas, criação de novas linhas de financiamento de longo prazo para a compra de equipamentos, maior incentivo às exportações e investimentos em pesquisa e desenvolvimento que dêem origem a novos produtos e serviços.

“Inovação tecnológica, o principal pilar desse projeto, é a palavra-chave para a sobrevivência dessa indústria no Brasil. A Alemanha, por exemplo, só consegue manter-se como a maior fabricante de bens de capital do mundo porque investe pesadamente em inovação”, disse.

Segundo ele, as exportações brasileiras passaram de US$ 4,7 bilhões no primeiro semestre de 2007 para US$ 5,3 bilhões no mesmo período de 2008, um crescimento de 13%.

“O setor, no país, sempre foi voltado à exportação, e o Projeto Abimaq 2022 também cria estratégias para não perdermos esse viés. Mesmo com toda a crise financeira mundial, só neste ano as exportações de máquinas e equipamentos deverão chegar a cerca de US$ 12 bilhões. Por isso, não temos que falar sobre crise, mas sim sobre inovação”, disse Aubert Neto.

O Abimaq Inova contou com apresentações de empresas nacionais associadas à entidade que, ao inovar em produtos e processos, conseguiram melhorar seu desempenho no mercado. No encontro, as companhias puderam entrar em contato com as principais instituições de apoio à inovação do país, entre as quais a FAPESP, que teve um ponto de apoio no local.

Fonte: Thiago Romero /Agência FAPESP

DAAD: Curso de férias de 2009 em universidade alemã

2009 aproxima-se e é hora de agir para avançar nos estudos ou enriquecer o currículo com um curso de férias em uma universidade alemã. As instituições de ensino superior alemãs oferecem tanto cursos do idioma alemão (de iniciante a especializado), quanto cursos temáticos específicos ou interdisciplinares em praticamente todas as áreas de conhecimento.

A oferta para o inverno europeu que se aproxima e principalmente para o verão europeu de 2009 já está disponível na página on-line do DAAD (Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico) www.summerschools-in-germany.de .

Há cursos para graduandos, pós-graduandos e até mesmo para doutorandos e doutores. O valor do investimento também varia bastante conforme duração, área de conhecimento, cidade, universidade e o que está incluído no programa (sobretudo atividades extras e acomodação).

Através do site acima, os interessados devem selecionar os cursos e verificar as condições para se inscrever. Dúvidas e pedidos de inscrição devem ser encaminhados diretamente para as universidades.

Atenção: Embora a página on-line indique haver bolsas do DAAD para alguns cursos, estas não valem para candidatos do Brasil. Para brasileiros, o DAAD oferece bolsas para o curso de inverno Língua e Cultura Alemãs (Winterkurs), mas a seleção para 2009 já encerrou-se. Para 2010, o edital deverá ser publicado em maio de 2009.

O DAAD é a maior organização de intercâmbio acadêmico e científico do mundo, com orçamento de 280 milhões de euros e cerca de 56 mil fomentados (alemães e estrangeiros) anualmente.

Fonte: DAAD

Adib Jatene apresenta retrospectiva da Saúde no Brasil na Conferência Carlos Chagas Filho

A 7ª Conferência Carlos Chagas Filho ocorreu na última quarta-feira (22/10), no auditório do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF), com vídeo-conferência para o auditório do Bezão, localizado no Centro de Ciências da Saúde (CCS). A comunidade acadêmica compareceu em peso para prestigiar o ilustre convidado desta edição, Adib Jatene, ex-ministro da Saúde e professor emérito da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Tânia Ortiga, coordenadora de Extensão do IBCCF, foi responsável pela abertura do evento: “Estamos numa conferência que ocorre anualmente em homenagem ao fundador do Instituto de Biofísica. Este ano, em especial, o encontro encerra a participação do Instituto na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia”.

Em seguida, Olaf Malm, diretor do IBCCF, falou sobre o sucesso do evento “Descobrindo a biofísica” e de planos para o futuro: “Temos o objetivo de criar um acervo de documentos de cada laboratório do Instituto de Biofísica”. Para apresentar o palestrante, o diretor convidou Antônio Paes de Carvalho, pesquisador do IBCCF, que declarou: “O Adib é uma pessoa de extraordinárias realizações. Ele olha o problema, analisa, resolve em sua cabeça e já parte para a solução prática. Tem uma enorme história como cirurgião cardíaco, trabalhou no Brasil e desenvolveu grandes inovações e equipamentos”.

Adib Jatene iniciou seu discurso propondo uma revisão no panorama da Saúde no Brasil. Ele relembrou a situação em que a Igreja Católica reconheceu a morte cerebral como o momento exato da morte de fato, na época em que Carlos Chagas filho era diretor da Academia Pontifícia de Ciências. “Foi um seminário com duração de dois dias que contou com trinta participantes. Dentre eles, apenas dois brasileiros. Eu estava lá”, apontou o ex-ministro.

"Iniciei a Faculdade de Medicina em 1941, portanto, venho participando de uma evolução da área de saúde há 60 anos. Naquela época, era um setor bastante limitado" observa Adib. De acordo com ele, a partir de 1961, ocorreram importantes modificações no país, como a transição democrata, epidemiológica e tecnológica. Posteriormente, com Juscelino Kubitschek na presidência, o Brasil ingressou na Revolução Industrial, o que resultou em migrações de zonas rurais para urbanas.

Adib Jatene relatou que nas áreas em que se instalava a população vinda do campo não havia a infraestrutura necessária para saneamento, habitação, segurança e transporte. “A água era obtida por cisternas que conviviam com fossas sépticas, o que era responsável por uma mortalidade infantil significativa”, aponta o professor.

Ele indicou a necessidade das indústrias oferecerem assistência médica aos seus trabalhadores nesta época, o que marcou o início dos planos de saúde. “Existiam poucos aposentados, por isso havia uma sobra de recursos, utilizada inclusive em grandes obras, principalmente na área de saúde. Como o Rio de Janeiro era a capital federal e como os principais institutos estavam aqui, começaram a ser construídos os grandes hospitais da previdência. Foi quando se tentou buscar um atendimento a toda a população”, explica Jatene.

No período seguinte, que ele considera de 68 a 88, esta busca se intensificou. Porém, Adib acredita que ocorreram dois problemas: a unificação dos institutos de previdência, e a revolução, que tirou da estrutura do serviço público os cargos de maior destaque e melhor remunerados, antes selecionados por concursos. “Daí por diante todo o sistema passou a ser o da confiança, de livre profissão. Os novos ocupantes não eram da área médica, não conheciam os problemas e não tinham colaboração dos que ficaram proibidos de ascender a tais cargos. Isto significou que substituímos a meritocracia pela barganha política”, conclui o ex-ministro.

Nesta época houve a criação das disciplinas de medicina social e preventiva, com objetivo de fazer com que a atenção fosse dada não apenas aos doentes, mas à comunidade como um todo. “Quando começou a se criar os conjuntos habitacionais, eu era Secretário da Saúde do Estado de São Paulo. Quis montar um posto de saúde para atender a um deles, destinado a vacinar crianças, mas não foi possível. Isto me fez classificar estes conjuntos como imobiliários e não populacionais, pois não apresentavam os elementos necessários à vida saudável dos indivíduos”, constata Adib.

Jatene considera fundamental o atendimento tanto à comunidade como um todo quanto ao indivíduo. “Quando alguém numa família está doente, as pessoas ficam aflitas, angustiadas, com medo, precisam ser atendidas e receber atenção. Eu digo sempre que o oposto do medo não é a coragem, é a fé. É preciso acreditar”, aconselhou Adib, emocionando a platéia.

Em 1981, ocorreu a VIII Conferência Nacional de Saúde, em Brasília, com forte participação popular. O relatório proveniente do encontro serviu de base ao capítulo de saúde da Constituição. “Estávamos caminhando no sentido de estabelecer um novo modelo do sistema de Saúde”, indica o professor. Em 1988, com a Constituinte, ficou estabelecido no artigo 196 que saúde era um direito do cidadão e dever do Estado, precisava ser oferecida com integralidade ao nível municipal, com participação social. “Discutiu-se muito se o país agüentaria ou não realizar um atendimento desta dimensão. Acredito que os problemas que enfrentamos no setor de Saúde são pela falta de recursos, e não por deficiência na gestão, causa citada pela maioria das pessoas”, conclui Adib.

Fonte: Cília Monteiro / Olhar Vital

Embraer está com inscrições abertas para Programa de Especialização em Engenharia

Até o dia 9 de novembro, os interessados podem se inscrever no processo seletivo 2009 do Programa de Especialização em Engenharia (PEE) da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer).

O PEE utiliza-se de uma estratégia pedagógica de aceleração do aprendizado, buscando combinar a carga de especialização técnica com a transferência de conhecimento multidisciplinar.
O Programa, em parceria com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), oferece a oportunidade de titulação no mestrado profissional em engenharia aeronáutica - stricto sensu, reconhecido pela Capes/MEC.

Segundo texto publicado no site da Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras (Anpei), a diretriz pedagógica do PEE é especializar os engenheiros em matérias de conteúdo técnico, integrando este conhecimento ao uso de sólidas ferramentas de participação em times multidisciplinares de projeto, mantendo sempre sintonia com a visão de negócios em atendimento às necessidades dos clientes Embraer. Durante o programa, a visão sistêmica é estimulada no profissional através de ações como o aprimoramento das habilidades em comunicação, a valorização do relacionamento interpessoal e da ética profissional, e o conhecimento da cultura, das pessoas e da estrutura da empresa.

Informações adicionais, no site www.embraer.com.br.

Fonte: Gestão CT

Helicóptero de 4 hélices é desenvolvido na UnB

Projeto inova sistema de controle de quadrirrotor, veículo com mecânica simplificada e maior manobrabilidade


O Departamento de Engenharia Elétrica (ENE) da Universidade de Brasília (UnB) está dando mais um passo na área de desenvolvimento de aeronaves. Um projeto de graduação em Engenharia Mecatrônica investiu na diversidade tecnológica e desenvolveu o primeiro protótipo de quadrirrotor da universidade, espécie de helicóptero com quatro hélices, maior estabilidade, mecânica simplificada e boa manobralidade.

Os quadrirrotores despertam interesse na forma de veículos aéreos miniatura não-tripulados e são utilizados em ações de vigilância policial, para mapeamento cartográfico e captação de informações em locais de difícil acesso, além de filmagens e práticas de aeromodelismo.

Também são aeronaves robustas que conseguem transportar uma grande carga útil. O projeto, desenvolvido no Laboratório de Robótica e Automação (LARA/ENE) da UnB sob orientação do professor Geovany Borges, tem plataforma aérea funcional e versátil, que poderá servir de exemplo para futuros trabalhos na área.

“Incluímos o LARA como grupo de pesquisa na área de robótica aérea com quadrirrotores. O conceito de quadrirrotor já existia. O que criamos foi um sistema de controle inovador”, conta Pedro Henrique Santana, 21 anos, mestrando em Engenharia Elétrica. Pedro Henrique e o colega Marcelo Braga concluíram o projeto Concepção de um Veículo Aéreo Não-Tripulado do Tipo Quadrirrotor no segundo semestre de 2008, único trabalho desse tipo desenvolvido na América Latina.

BAIXO CUSTO
Os pesquisadores desenvolveram o modelo matemático do veículo e um software de simulação de vôo. Os resultados da simulação indicaram a viabilidade do projeto e os estudantes iniciaram a construção mecânica do protótipo. Compraram componentes eletrônicos para montar toda a estrutura do veículo em laboratório.

O quadrirrotor criado na UnB tem sistema de controle tecnicamente simples se comparado aos existentes. “Nossa estratégia de controle tem implementação simplificada. Foi um projeto desenvolvido em apenas um ano e a baixo custo, com menos de R$ 2 mil reais”, conta Pedro Henrique.

Ao final do projeto, o estudante continuou o trabalho no mestrado em Sistemas de Controle Híbridos. O quadrirrotor está sendo aperfeiçoado a ponto de ter estabilidade durante o vôo, uma espécie de “piloto automático”, que faz com que o veículo paire no ar sem controle manual.

O produto já recebeu reconhecimento e prestígio. Pedro Henrique foi o 3º colocado no Prêmio Jovem Inventor da Fundação de Apoio à Pesquisa no DF (FAP-DF), em 2008, na categoria graduado. (Foto Daiane Souza/UnB Agência)

PERFIL
Pedro Henrique Santana é mestrando em Sistemas de Controle Híbridos pelo Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília, graduado em Engenharia Mecatrônica pela UnB. Contatos pelo e-mail .

Fonte: Darlene Santiago / UnB

Ibict traz para a 5ª SNCT dinâmica infantil de permacultura

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), instituição associada à ABIPTI, trouxe para a 5ª edição da Semana de C&T, que acontece até domingo (26), no gramado central da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, uma dinâmica infantil de permacultura, experiência do Instituto de Permacultura: Organização, Ecovilas e Meio Ambiente (Ipoema), organização não governamental que busca ampliar a participação da sociedade civil na construção do modelo de desenvolvimento sustentável proposto pela permacultura que tem como missão ver, aprender, ensinar e difundir esta ciência.

Segundo informações repassadas ao Gestão C&T Online, a chácara Asa Branca, que está localizada a 25 Km do centro de Brasília, implanta desde 1999 o design permacultural e diversas tecnologias para geração de sustentabilidade: habitações ecológicas, sanitários compostáveis, abastecimento de água da chuva, produção de alimentos e outras atividades produtivas. A chácara é o principal centro de referência do Ipoema.

A coordenadora do Ibict, Elisabeth Falluh, em entrevista ao Gestão C&T online, esclareceu que a permacultura é a ética do cuidado com a terra, com as pessoas, com a distribuição dos excedentes. É a elaboração, implantação e manutenção de ecossistemas produtivos que mantenham a diversidade e estabilidade dos ecossistemas naturais, promovendo energia, moradia e alimentação humana de forma harmoniosa com o ambiente. Ainda de acordo com Falluh, o alimento saudável, a habitação e a energia devem ser providas de forma sustentável para criar culturas permanentes.

A coordenadora lembrou ainda que o Ibict sempre apresenta temas direcionados ao meio ambiente durante a semana. Este ano, o instituto divulga um CD interativo sobre o aquecimento global. “O Ibict produziu um CD em linguagem bem simples sobre o clima para que as crianças possam entender o que se passa atualmente no planeta. É preciso fazer com que a criança tome gosto pela ciência, mas também é necessário educá-la com consciência ecológica para o crescimento sustentável, além de despertar nela a cidadania”, explicou Falluh.

Até o próximo domingo (26), o instituto levará ao público do evento peças teatrais, como a “Janela da Diversidade Racial”, dirigida e produzida pelo Centro de Artes da Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (APAE), “Olimpíadas: sua trajetória da era dos deuses à era moderna”, do grupo Eu Danço, do Centro Integrado de Ensino Especial (Ciee), e “Assim mais ou menos caminha a humanidade”, espetáculo de mímica com deficientes auditivos, além de bumba-meu-boi, também do Ciee, entre outras peças.

Além do teatro, haverá ainda apresentação de música pelo Grupo Surdodum, conjunto formado por indivíduos com deficiência auditiva, e mostra de filmes dos “Guardiões da Biosfera”. Ainda de acordo com o Falluh, o desenho animado é focado num grupo de jovens, integrado por Alê, Bia, Rafa e Isa, que se deparam com as mais diversas aventuras durante viagens pelo país. O filme tem duração de 20 minutos. Com uma abordagem lúdica e didática, o almanaque que acompanha o CD permite ao professor preparar inúmeras atividades com os alunos. A publicação oferece informações sobre a região, que incluem folclore, músicas, reportagens sobre o bioma e dicas para a organização de jogos e atividades.

Fonte: Alessandra Braga Gestão CT

Corot measures solar-like oscillations and granulation in stars hotter than the Sun

Oscilações universais

A partir de dados obtidos pelo satélite francês Corot, um grupo internacional de cientistas mediu pela primeira vez vibrações físicas e características de superfície de três estrelas próximas. Até agora, as oscilações solares – cuja descoberta possibilitou os atuais estudos sobre a estrutura do interior do Sol – ainda não haviam sido medidas em outras estrelas.

Os resultados do estudo, que teve participação brasileira, foram publicados em matéria de capa da edição desta sexta-feira (24/10) da revista Science. De acordo com os autores, as três estrelas observadas apresentaram oscilações 1,5 vez mais fortes que a do Sol e granulação três vezes mais fina. Os dados, que só puderam ser obtidos graças à alta sensibilidade do satélite, deverão gerar avanços no conhecimento sobre a evolução da galáxia.

Dois astrônomos brasileiros estão entre os autores do artigo: José Renan de Medeiros, professor titular do Departamento de Física Teórica e Experimental da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), e Eduardo Janot Pacheco, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP), que coordena a participação brasileira no projeto.

A missão do Corot, lançado em 2006, tem duas vertentes principais: localizar, fora do Sistema Solar, planetas com condições semelhantes às da Terra que possam abrigar vida, e estudar a estrutura e a evolução das estrelas – isto é, a sismologia estelar. De acordo com Medeiros, esses são os primeiros resultados nessa segunda vertente.

“A equipe brasileira está particularmente presente nos trabalhos voltados para a sismologia estelar. Nossa atividade consiste principalmente no tratamento e interpretação de dados. Durante a fase de observação das estrelas pelo Corot, utilizamos grandes telescópios terrestres para caracterizar as estrelas – ou seja, estabelecer seus parâmetros físicos e químicos”, disse Medeiros.

Segundo ele, as oscilações, produzidas pelo movimento do plasma que constitui o interior estelar, só haviam sido observadas até agora no Sol. Pela primeira vez foram medidas em estrelas mais quentes e mais antigas.

“As estrelas se comportam como instrumentos musicais, que produzem e propagam ondas ressonantes. Essas ondas provocam alterações periódicas de diversas propriedades que caracterizam a estrela. Assim como os sons emitidos por um instrumento dependem das características da cavidade na qual as ondas sonoras se propagam, as ‘notas’ emitidas pela estrela, que são seus modos próprios de oscilação, estão relacionadas ao seu interior. As oscilações refletem o que se passa além da superfície estelar”, explicou.

Além das oscilações, foram detectadas as granulações da superfície das três estrelas – um fenômeno também até agora conhecido apenas no Sol. A granulação, de acordo com Medeiros, é um reflexo dos movimentos convectivos no interior do plasma solar que também fornece pistas sobre a natureza do campo magnético da estrela e sobre o comportamento de seu interior.

A fotosfera solar apresenta grânulos brilhantes rodeados por contornos mais escuros, com cerca de 700 quilômetros de diâmetro. A granulação solar é formada no topo da zona convectiva, região em que as massas de gás quente conhecidas como células de convecção crescem e transportam a energia que será dissipada na fotosfera. Com o esfriamento, os gases voltam a descer para o interior solar.

Grande precisão
De acordo com o professor da UFRN, os resultados representam um marco para a sismologia estelar, mas são apenas as primeiras descobertas de uma série.

“A filosofia de uma missão como a do Corot é descrever a história evolutiva das estrelas. Para isso, queremos observá-las em diferentes fases. Essas três estrelas são mais quentes e antigas do que o Sol, mas vamos observar também estrelas mais jovens e muito mais velhas. Isso nos dará elementos para fazer inferências sobre a história evolutiva do Sol”, afirmou.

Um dos principais aspectos do estudo é que ele aponta para a universalidade dos fenômenos físicos já observados no Sol. “Isso por si só é um grande passo, porque, quando se desenvolvem teorias, é preciso ter o que chamamos de condições iniciais ou condições de contorno. Estamos conseguindo essas condições a partir de medidas feitas com precisão inédita. Isso tornará as futuras teorias muito mais consistentes”, disse Medeiros.

Os resultados serviram também para confirmar a extrema precisão do Corot. “Os dados utilizados nesse estudo foram obtidos nos primeiros 150 dias de observação do satélite. Os resultados tiveram tanto impacto que a coordenação global da missão resolveu ampliar as observações, que seriam inicialmente de 18 meses, para 36 meses”, contou.

O método utilizado para a obtenção dos dados, segundo Medeiros, baseia-se na técnica da fotometria estelar. “O telescópio observa a estrela e registra as flutuações na luminosidade da sua superfície. Como ele tem uma performance notável, pode detectar uma variabilidade luminosa da ordem de dez elevado a menos cinco. Com isso, podemos concluir se o fenômeno observado é de granulação ou oscilação”, disse.

No caso das três estrelas, foram feitas medidas ininterruptas durante vários meses. “Isso criou condições para termos informações com um detalhamento sem precedentes”, afirmou. A estrela HD49933 foi observada por 60 dias seguidos. As estrelas HD181420 e HD181906 foram observadas por 156 dias cada uma, ininterruptamente.

O artigo Corot measures solar-like oscillations and granulation in stars hotter than the Sun, de Eric Michel e outros, pode ser lido por assinantes da Science em www.sciencemag.org.

Fonte: Fábio de Castro / Agência FAPESP

Ceará publica sua Lei de Inovação

Na última terça-feira (21), foi publicada no Diário Oficial do Ceará a Lei de Inovação do Estado. O texto, que foi sancionado pelo governador Cid Gomes, no dia 3 deste mês, havia sido aprovado por unanimidade pela Assembléia Legislativa.

A aplicação da lei foi tema de debate de mesa-redonda realizada na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), nesta quarta-feira (22), dentro das atividades da Semana Nacional de C&T. O evento reuniu o secretário René Barreira, a secretária adjunta, Teresa Mota, o diretor Corporativo e de Relação com o Mercado da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Jurandir Picanço, o empresário Augusto Guimarães, diretor da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), Tarcísio Pequeno, e o presidente da Empresa de Tecnologia da Informação (Etice), Fernando Carvalho.

A secretária adjunta, Teresa Mota, comparou a lei federal com a estadual e apontou os itens onde, segundo ela, a versão cearense introduziu inovações. O texto conceitua a agência de inovação como "órgão ou entidade de natureza pública ou privada que tenha entre os seus objetivos articulação e apoio ao desenvolvimento e introdução da inovação no ambiente produtivo empresarial, nas ações dos órgãos públicos, nas políticas sociais e nas estratégias de desenvolvimento econômico do Estado".

O estimulo à participação do funcionário ou pesquisador público no processo de inovação foi fixado em 10% no Ceará, no mínimo – o dobro da versão federal – e no máximo um terço dos ganhos econômicos auferidos pela instituição de ciência e tecnologia (ICT) sediada no Estado. A participação poderá ser partilhada entre os membros da equipe de pesquisa e desenvolvimento tecnológico.

“O Ceará ainda não tem parques tecnológicos”, assinala Teresa Mota, que os considera o melhor local para a inovação. Segundo Mota, a lei cearense começa a preencher a lacuna ao definir que "o Estado apoiará parques tecnológicos e incubadoras de empresas, como parte de sua estratégia para incentivar os investimentos em inovação e pesquisa científica e tecnológica".

René Barreira avalia que a Lei de Inovação será muito importante para a consolidação do sistema estadual de ciência, tecnologia, inovação e educação superior do Ceará. E lembrou que o texto da legislação teve a aprovação do Conselho Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, que, de acordo com a lei, terá que analisar e decidir sobre a inclusão e a exclusão de empreendimentos caracterizados como parques tecnológicos. Para isso, serão levados em consideração, além de requisitos a serem estabelecidos em sua regulamentação, a sua importância para o desenvolvimento tecnológico do Estado, o seu modelo de gestão e a sua sustentabilidade econômico-financeira.

O Estado, suas autarquias, fundações e empresas por ele controladas, direta ou indiretamente, poderão participar do capital de sociedade ou associar-se à pessoa jurídica caracterizada como parque tecnológico ou como incubadora de empresas pertencentes ao Sistema Cearense de
Inovação.

Interiorização
A aplicação da lei cearense dará prioridade aos municípios do interior do Estado e às ações que visem a dotar a pesquisa e o sistema produtivo de maiores recursos humano e capacitação tecnológica. O texto assegura tratamento favorecido às empresas de pequeno porte, dá tratamento preferencial às empresas que invistam em pesquisa e no desenvolvimento de tecnologia no Estado na aquisição de bens e serviços, pelo poder público.

A Lei vincula a concessão de recursos financeiros oriundos do governo local na forma de subvenção econômica a uma contrapartida obrigatória pela empresa beneficiária, de acordo com a regulamentação do Estado (Secitece e Funcap). Cria o Sistema Cearense de Inovação e o Sistema Local de Inovação, com objetivo de "incentivar e induzir o desenvolvimento sustentável, estimulando projetos e programas de inovação articulados com o setor público e privado, com mecanismos de financiamento específicos a serem criados pelo Estado".

Repercussão
O presidente da Etice, Fernando Carvalho, ex-secretário regional da SBPC, pesquisador da Universidade Federal Ceará, disse que a lei federal é pouco usada na intensidade que deveria ser. E reforça sua opinião com o fato de ele não conhecer nenhum pesquisador que a tenha usado para fazer empresa ou em atividade de pesquisa gerando produto. Carvalho sugeriu a parceria de pesquisadores com empresas já existentes por meio do mecanismo de spin off.

Jurandir Picanço enfatizou que a inovação é realizada na empresa quando o conhecimento tem aplicação comercial, gera emprego e desenvolvimento. O diretor da Fiec criticou a falta de motivação dos empresários para saber da lei de inovação. Mas calculou que já teriam tido conhecimento se fosse isenção de impostos, e acionado seus contadores para usufruir do benefício legal. "A lei deu um norte ao colocar laboratórios e bolsistas para contribuir com o negócio da empresa, que pode transformar conhecimento em inovação", disse ele.

Veja a íntegra da lei por este link, na página 5. (Com informações do jornalista Flamínio Araripe)

Fonte: Gestão CT

Arquivo Público do Estado de São Paulo disponibiliza fotos inéditas do Última Hora

Um importante acervo para pesquisadores e interessados na história do país nos meados do século 20 acaba de ser criado. O Arquivo Público do Estado de São Paulo disponibilizou ao público 4 mil fotografias do jornal Última Hora.

São imagens que não chegaram a ser publicadas no jornal, tendo ficado arquivadas por vários anos e que agora podem ser vistas no setor de consulta da instituição do governo paulista.

O Última Hora, que circulou de 1951 a 1971 sob a direção do jornalista Samuel Weiner, morto em 1980, representou um marco na inovação estética e temática para o jornalismo brasileiro. O Arquivo Público do Estado já havia digitalizado todos os exemplares do jornal sob sua guarda, disponíveis para o público no site www.amigosdoarquivo.com.br/uhdigital.

Uma característica que marcou o Última Hora foi o uso de fotografias e ilustrações em quase todas as suas páginas. Ao todo, cerca de 400 fotografias eram tiradas diariamente para cada edição. As fotos não utilizadas eram recolhidas ao arquivo do jornal.

“Em cada pauta era produzida uma missão, um conjunto de fotos tiradas para ilustrar uma notícia publicada no jornal. E, a cada missão, apenas uma ou duas fotos eram escolhidas pelo editor”, explica Ellen Arevaldo, diretora do Núcleo de Arquivos Iconográficos do Arquivo do Estado.

A disponibilização das fotografias do Última Hora é resultado de um longo processo de organização do acervo, iniciado em dezembro de 2006 com o tratamento de 13,7 mil negativos de nitrato de celulose. Material sujeito a autocombustão, os negativos de nitrato apresentavam muitos problemas de conservação. Cerca de 4 mil negativos foram convertidos para positivo, digitalizados e agora estão disponíveis para os consulentes. Os demais estão sendo colocados no banco de dados de arquivos iconográficos, que atende a todos os tipos documentais sob a guarda do setor, como ilustrações, mapas, fotografias e gravuras.

Anteriormente, a digitalização era feita de acordo com solicitações. Hoje, com o projeto de digitalização de negativos, o usuário consulta uma fotografia no banco de dados e, se desejar, pode levar a imagem digital gravada em um CD no mesmo dia.

A segunda etapa do projeto teve início em janeiro de 2008, com o tratamento de 82,5 mil negativos. Ellen explica que a documentação fotográfica passa por diversas etapas de tratamento, como o inventariamento, a troca de embalagens, a higienização e, finalmente, a digitalização da fotografia. “No caso dos negativos, foi preciso convertê-los para positivos, o que facilita a visualização da imagem”, disse.

Segundo ela, todo o trabalho no acervo foi voltado para manter a documentação do mesmo modo como estava organizada no jornal dirigido por Weiner a fim de não prejudicar a integridade do conjunto de fotografias.

Em paralelo, o Núcleo de Arquivos Iconográficos está reorganizando cerca de 166 mil imagens que foram publicadas no jornal. É possível pesquisar o material e o banco de imagens do Arquivo Público do Estado no setor de consulta. A disponibilização do arquivo de imagens do Última Hora na internet está prevista para 2009.

Fonte: Agência FAPESP

ICSU lança novo programa para avaliar o impacto do homem na biodiversidade terrestre

Desafio do milênio
A comunidade científica aprovou um novo programa internacional de pesquisa que tem o objetivo de avaliar a relação entre o homem e os ecossistemas que fornecessem recursos essenciais para a preservação da vida no planeta.

A decisão foi tomada nesta quarta-feira (22/10), durante a assembléia-geral do Conselho Internacional da Ciência (ICSU, na sigla em inglês), realizada em Maputo, Moçambique. Segundo os idealizadores, a iniciativa deverá ajudar a fornecer o conhecimento científico necessário para o uso sustentável dos ecossistemas.

Os ecossistemas ameaçados fornecem benefícios essenciais para a vida, como alimentos, água, hábitat, recuperação de nutrientes, formação e conservação do solo. Em 2005, o relatório de Avaliação Ecossistêmica do Milênio, encomendada pela Organização das Nações Unidas, destacou que, por causa da ação humana, mais de 60% dos serviços dos ecossistemas – tais como água doce, pesca, regulação do solo e do clima – registravam alto grau de degradação ou eram usados de forma insustentável. O processo, de acordo com o relatório, tende a se agravar nos próximos 50 anos, colocando em risco a sobrevivência das gerações futuras.

“Mudanças climáticas, poluição, alterações no uso da terra e espécies invasoras, somadas ao crescimento populacional, ao aumento do consumo, à globalização e à urbanização, têm colocado uma enorme pressão no meio ambiente para que ele possa continuar a suprir os serviços de que precisamos”, disse Hal Mooney, coordenador do grupo que recomendou o novo programa.

“A menos que façamos algo imediatamente, a maré de destruição continuará, causando perda catastrófica na biodiversidade, ampliação da pobreza e crise econômica”, afirmou o também professor do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Stanford, nos Estados Unidos.

Segundo ele, enquanto a Avaliação Ecossistêmica do Milênio mostrou em que ponto está a sociedade em relação ao uso dos recursos do planeta, há ainda uma enorme quantidade de pesquisa que precisa ser feita, especialmente nas áreas de conhecimento que não foram devidamente analisadas no relatório de 2005.

O ICSU, ao lado da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e da Universidade das Nações Unidas, coordenará os trabalhos para instituir o novo programa, denominado Mudanças Ecossistêmicas e Bem-Estar Humano.

Para os proponentes da iniciativa, as pesquisas precisam começar imediatamente de modo a poder integrar a segunda Avaliação Ecossistêmica do Milênio, que deverá ser feita nos próximos sete anos.

“O novo programa atrairá também pessoas de fora da comunidade científica para ajudar a definir a agenda e suas prioridades. O programa estará bem posicionado para responder a questões relevantes de políticas públicas de modo que as mudanças possam ser feitas antes que seja tarde demais”, disse Mooney.

De acordo com ele, o programa interligará as ciências naturais e sociais com serviços do ecossistema, o subconjunto de funções do ecossistema que são úteis aos seres humanos. Também integrará os três pilares do desenvolvimento sustentável: ambiental, econômico e social.

Maiores informações pelo site: www.icsu.org/index.php

Fonte: Agência FAPESP

ANP estabelece requisitos para cadastramento de laboratórios interessados em realizar ensaios em biodiesel

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) publicou, ontem (22) no Diário Oficial da União (DOU), a Resolução de nº 31, que estabelece requisitos para cadastramento de laboratórios e instituições interessados em realizar ensaios em biodiesel, destinado à comercialização no território nacional.

Os laboratórios e instituições deverão comprovar alguns requisitos para realizar o cadastro, que terá validade de um ano. Veja a resolução por este link.

Em portaria publicada na mesma edição do DOU, ficou estabelecido que o titular da Superintendência de Biocombustíveis e de Qualidade de Produtos da ANP será a responsável por cadastrar laboratórios e habilitá-los para a realização de ensaios em biodiesel. A portaria pode ser acessada neste link.

Fonte: Gestão CT

Finep divulga avisos relacionados a duas chamadas públicas

No dia 21, a Finep divulgou dois novos avisos. O primeiro está relacionado à chamada pública MCT/Finep/MS/SCTIE/Decit – CT Saúde e FNS – Síndrome Metabólica – 01/2008. A nota esclarece que, tendo em vista o curto tempo disponível para a apresentação das propostas, serão aceitas as assinaturas digitais para fins de cumprimento da obrigatoriedade de assinatura pelos representantes legais das instituições envolvidas e pelo coordenador do projeto, para a comprovação dos compromissos estabelecidos.

Os prazos de apresentação de propostas, nas versões eletrônica e impressa ficam mantidos, mas a folha contendo as assinaturas originais poderá ser postada para a Finep até o dia 14 de novembro. O Aviso 1 está disponível neste link.

O segundo aviso diz respeito à chamada pública MCT/Finep – Ação Transversal – Serviços Tecnológicos – Sibratec – 01/2008 e é uma rerratificação em relação aos prazos do edital. Com isso, os resultados de seleção das instituições será divulgado no dia 27 de outubro. Os demais termos da chamada foram ratificados. O Aviso 2 pode ser consultado neste link.

Fonte: Gestão CT

SCD-2, o segundo satélite desenvolvido pelo INPE, completa 10 anos no espaço

Dez anos em órbita
O SCD-2, segundo satélite de coleta de dados ambientais desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), está completando dez anos em plena operação. O SCD-2 foi lançado em 22 de outubro de 1998 pelo foguete americano Pegasus, o mesmo que colocou em órbita o SCD-1 em fevereiro de 1993, também ainda operacional.

Os primeiros satélites projetados, construídos e operados por brasileiros continuam apresentando desempenho satisfatório, embora tenham sido projetados para uma vida útil de até dois anos. Segundo o Inpe, a longevidade é resultado da competência tecnológica e operacional e do rigor empregado na qualificação de componentes e subsistemas nos processos de integração e montagem.

No dia de seu aniversário de dez anos, o SCD-2 completou 52.807 voltas ao redor da Terra. Em uma década, percorreu a distância de 2,36 bilhões de quilômetros, o que corresponde a 3,1 mil viagens de ida e volta à Lua. Sua velocidade orbital é cerca de 27 mil km/h. Desde o lançamento, foram realizadas 33 manobras de reorientação do eixo de rotação e 29 de incremento da velocidade de rotação.

O SCD-1 e o SCD-2 integram, junto com o satélite sino-brasileiro CBERS-2B, este em operação há um ano, o Sistema Brasileiro de Coleta de Dados Ambientais. A missão é retransmitir para uma estação receptora os dados coletados por uma rede de aproximadamente 750 plataformas automáticas de coleta de dados ambientais distribuídas ao longo do território nacional.

Quando os satélites passam sobre a região de visibilidade das estações de rastreio de Cuiabá (MT) e de Alcântara (MA), onde estão localizadas as antenas para contato, os sinais das plataformas que se encontram visíveis aos veículos são captados e retransmitidos à estação. Ali, os dados recebidos são gravados e, após a passagem do satélite, transmitidos ao Centro de Missão de Coleta de Dados, em Cachoeira Paulista (SP), onde são processados e distribuídos aos usuários.

Os dados são utilizados em diversas aplicações, como previsão de tempo, estudos sobre correntes oceânicas, marés, química da atmosfera, planejamento agrícola.

Uma aplicação de grande relevância é o monitoramento das bacias hidrográficas, que fornece dados fluviométricos e pluviométricos. Os dados estão disponíveis no endereço satelite.cptec.inpe.br/PCD.

Fonte: Agência FAPESP

Marcio Edgar Shuler é o novo diretor do Departamento do Patrimônio Genético do MMA

Dia 22, foi publicada, no Diário Oficial da União (DOU), a nomeação de Marcio Edgar Shuler, para assumir o cargo de diretor do Departamento do Patrimônio Genético (DPG) da Secretaria de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Shuler substitui Maria Celeste Emerick, que teve sua exoneração publicada na mesma edição do DOU. Sua saída, no entanto, já havia sido anunciada pelo Gestão C&T online no dia 2 deste mês de outubro. Confira a matéria por este link. O cargo já estava sendo exercido, interinamente, por outros representantes da Secretaria de Biodiversidade e Florestas desde o dia 10.

Marcio Edgar Shuler
O novo diretor do DPG possui graduação em ciências econômicas pela Universidade Federal Fluminense (1991) e mestrado em planejamento energético e ambiental pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação (Coppe/UFRJ). Shuler realiza, entre outras atividades, assessoramento a comunidades, empresas e à União (CGEN/MMA) em contratos de repartição de benefícios sobre patrimônio genético e conhecimento tradicional associado. Veja a nomeação por este link.

Fonte: Gestão CT

1º Fórum de Políticas Públicas Urbanas da UFSCar

O 1º Fórum de Políticas Públicas Urbanas discutirá, no dia 30 de outubro, em São Carlos (SP), o tema "A desconstrução do espaço: do olhar e do discurso à metamorfose".


Promovido pela Coordenadoria de Eventos Culturais da Pró-Reitoria de Extensão (ProEx) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), o objetivo é analisar as possibilidades e perspectivas de abordagem de desconstrução do espaço físico, enquanto fato social e inexorável.

Segundo os organizadores, essa análise permitirá um aprofundamento do conhecimento da dinâmica do fenômeno espacial urbano, entendido como produto histórico, político e cultural.

Entre os destaques estão as palestras "Narrativas do lugar: a fábrica da cidade à prova dos usos”, que será ministrada por Nicolas Tixier, da Escola Nacional Superior de Arquitetura de Grenoble (França), e "Políticas Institucionais: o que é mesmo a delinqüência?", por Eni Orlandi, coordenadora do Laboratório de Estudos Urbanos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

"O jogo contemporâneo da paisagem urbana" será discutido por Frédéric Pousin, da Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne (França), e “Desconstruções espaciais na cidade de Ouro Preto: patrimônio da humanidade", por Rodrigo Cesar Brogna, da Secretaria de Patrimônio Histórico da Prefeitura do Município de Ouro Preto (MG).

Mais informações pelo e-mail ou telefone (16) 3351-8119.

Fonte: Agência FAPESP

Dirigentes da Sun Microsystems visitam a FAPESP

Informação compartilhada
Dirigentes da Sun Microsystems, uma das maiores empresas de infra-estrutura de tecnologia da informação no mundo, se reuniram com o presidente da FAPESP, Celso Lafer, na manhã de quarta-feira (22/10), na sede da Fundação na capital paulista.

O objetivo da reunião foi estabelecer um canal de comunicação mais estreito entre as duas instituições, o que poderia beneficiar, por conseqüência, toda a comunidade científica do Estado de São Paulo. Segundo os executivos da fabricante de computadores, semicondutores e softwares sediada na Califórnia, as modalidades de incentivo à pesquisa da FAPESP têm similaridades com a visão da companhia.

No encontro Joe Hartley, vice-presidente global para as áreas de educação, governo e saúde da Sun Microsystems, apresentou parte da estratégia de negócios da empresa que, segundo ele, por gerir ambientes virtuais de compartilhamento de informações que permitem o acesso gratuito a diferentes tipos de ferramentas de desenvolvimento tecnológico, privilegia os pesquisadores em busca de novos conhecimentos, clientes e usuários dos sistemas e a própria empresa.

“Milhares de estudantes universitários no Brasil integram comunidades virtuais que desenvolvem tecnologias a partir de sistemas e códigos abertos. Esse é um movimento grande e crescente no país. Com isso, esses pesquisadores têm ajudado a Sun no desenvolvimento de novas tecnologias, que retornam às comunidades virtuais em forma de novos produtos e serviços de uso livre”, disse Hartley.

Um dos assuntos discutidos na reunião foi o fato de o conceito atual de inovação tecnológica estar seguindo, no ambiente das multinacionais, cada vez mais o rumo da imprevisibilidade, uma vez que, no contexto das tecnologias da informação, é praticamente impossível saber com antecedência os novos produtos ou tendências que irão surgir.

Nesse sentido, José Luis Sanchez, diretor regional de mercados emergentes da Sun Microsystems, falou sobre a necessidade e a importância das empresas entenderem os paradigmas da inovação aberta (open innovation). Esse conceito propõe que as empresas não se limitem a utilizar apenas seus recursos internos como fontes de inovação, mas se aproveitem também de suas relações com agentes externos.

“Não sabemos quem pode ter a melhor idéia amanhã. Então, a estratégia das comunidades em sistemas abertos permite que uma empresa ou pesquisador se beneficiem com a inovação de outros, aumentando o potencial de crescimento de todos. Para isso, incentivamos a criação de uma cultura digital que favoreça o acesso ao conhecimento e à infra-estrutura de pesquisa compartilhada”, afirmou Sanchez.

“O Brasil é o número dois no mundo em usuários da linguagem Java, e a intenção da Sun Microsystems é colaborar com a FAPESP e com os pesquisadores do país para a maior disseminação dessas tecnologias”, apontou Sanchez. A empresa é detentora dos direitos da linguagem Java de programação (método padronizado para expressar instruções para um computador).

“Foi um prazer receber os dirigentes da Sun Microsystems, principalmente por saber que o Brasil abriga uma comunidade enorme de pesquisadores em software livre que pode trazer muitos benefícios no desenvolvimento de novas tecnologias em universidades e institutos de pesquisa do país”, disse Celso Lafer.

Participaram ainda da reunião Yanire Rodriguez, executiva regional para as áreas de educação e saúde da América Latina e Caribe, e Joaquim Merino, gerente de vendas para o ensino e pesquisa da Sun Microsystems.

Mais informações sobre os programas educacionais da Sun Microsystems: www.sun.com

Por Thiago Romero / Agência FAPESP

23ª Oficina de Física Cesar Lattes


A 23ª Oficina de Física Cesar Lattes ocorrerá no dia 8 de novembro, em Campinas (SP), com o tema central "Astronomia e Astrofísica". A promoção é do Instituto de Física Gleb Wataghin (IFGW) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O encontro pretende divulgar informações científicas multidisciplinares por meio de palestras dinâmicas e demonstrações sobre pesquisas atuais em física. As inscrições devem ser feitas até 4 de novembro.

“A compreensão sobre a estrutura do universo no início do século 20”, “Contribuições dos amadores na astronomia: da construção do telescópio à espectroscopia”, “Física de astropartículas” e “O modelo cosmológico padrão” serão as palestras apresentadas por docentes do IFGW.

Mais informações: portal.ifi.unicamp.br

Fonte: Agência FAPESP

R$ 3,9 milhões da Fapemig para biocombustíveis

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) anunciou na quarta-feira (22/10) que destinará R$ 3,9 milhões aos projetos aprovados no edital 14/2008, do Programa Mineiro de Desenvolvimento Tecnológico e Produção de Biocombustíveis.

Foram 21 propostas aprovadas, voltadas para o desenvolvimento e a transferência de tecnologia de alternativa energética para os combustíveis fósseis.

Dentre as instituições beneficiadas se destacaram a Universidade Federal de Lavras e a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais, cada uma com cinco propostas aprovadas. A Universidade Federal de Viçosa teve três propostas aprovadas.

Segundo a Fapemig, o programa pretende criar novas oportunidades de investimentos, que resultem na redução da pobreza e na expansão do desenvolvimento econômico do estado.

As instituições que tiveram propostas aprovadas deverão atualizar seu credenciamento na fundação até dez dias corridos da publicação dos resultados, sob pena de desclassificação das propostas. A situação cadastral das instituições poderá ser verificada no endereço www.fapemig.br/cadastro.

Mais informações: www.fapemig.br

Fonte: Agência FAPESP

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome retrata a construção e o funcionamento do Programa de Cisternas na 5ª SNCT

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) participa da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), que foi aberta nesta segunda-feira (20), na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF), com uma exposição de maquetes que retratam a construção e o funcionamento de cisternas, que são tanques de placas de cimento para a captação de água da chuva e têm capacidade para armazenar até 16 mil litros.

De acordo com informações repassadas ao Gestão C&T Online pelo técnico da organização Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA), Ronaldo Mendes, para a implementação do Programa de Cisternas, cuja água é própria para o consumo, o MDS firmou convênios com governos estaduais e municipais, além do convênio com a ASA. Mendes explicou que desde 2003 já foram construídas 206 mil cisternas com recursos do MDS, o que beneficia 1 milhão de pessoas.

“Durante a seca, o acesso a água normalmente só é possível em barreiros, açudes e poços que ficam a grandes distâncias e possuem água de baixa ou baixíssima qualidade, responsável por várias doenças. Com as cisternas, os moradores do Semi-Árido podem armazenar a água do período das chuvas (que dura aproximadamente quatro meses), para o resto do ano”, esclareceu Mendes.

A cisterna de placa, de acordo com Mendes, é um tipo de reservatório de água cilíndrico, coberto e semi-enterrado, que permite a captação e armazenamento de águas das chuvas a partir de seu escoamento nos telhados das casas, por meio da utilização de calhas de zinco ou Policloreto de Vinila (PVC). O reservatório, fechado, é protegido da evaporação e das contaminações causadas por animais e dejetos trazidos pelas enxurradas.

Segundo Mendes, a cisterna fica enterrada no chão até mais ou menos dois terços da sua altura. A totalidade da cisterna consiste em placas de concreto com tamanho de 50cm por 60cm e com 3cm de espessura, que estão curvadas de acordo com o raio projetado da parede do tanque, variando conforme a capacidade prevista. “Há variantes onde, por exemplo, as placas de concreto são menores e mais grossas, e feitas de um traço de cimento mais fino. Estas placas são fabricadas no local de construção em moldes de madeira. A parede da cisterna é levantada com essas placas finas, a partir do chão cimentado".

Ainda de acordo com ele, para evitar que a parede venha a cair durante a construção, ela é sustentada com varas até que a argamassa esteja seca. Depois disso, um arame de aço é enrolado no lado externo da parede e esta é rebocada. Num segundo momento, constrói-se a cobertura com outras placas pré-moldadas em formato triangular, colocada em cima de vigas de concreto armado, e rebocadas por fora.

Capacitação
A capacitação em técnicas de construção de cisternas, segundo Mendes, tem como objetivo permitir que moradores da própria comunidade a ser beneficiada sejam os agentes construtores das cisternas, gerando renda e repassando conhecimentos úteis à comunidade. “A capacitação envolve a organização de equipes de até dez pessoas para participar do processo orientado de aprendizagem de técnicas e suas aplicações na construção da cisterna de placas", afirma Mendes.

O objetivo do curso de capacitação é estabelecer um padrão de atuação dos profissionais responsáveis pela construção que garanta a qualidade da obra, evitando falhas de construção, o que pode prejudicar ou até comprometer o funcionamento adequado da cisterna.

Conteúdo
De acordo com Mendes, as famílias têm dificuldade de assimilar os conteúdos repassados. Desta forma, o técnico recomenda concentrar a capacitação nos seguintes elementos: o clima semi-árido e suas conseqüências; a fonte dos recursos, a água como direito e gratuidade dos benefícios; como cuidar da água reservada; como efetuar a manutenção das cisternas construídas; como tratar a água para beber e noções básicas de higiene.

Mais informações sobre o programa de cisternas estão disponíveis neste link.

Fonte: Alessandra Braga / Gestão CT

Relator apresenta parecer contrário a PL que cria o Fundo de Desenvolvimento de Nanotecnologia

No dia 8, o deputado Duarte Nogueira (PSDB/SP), apresentou um parecer contrário ao projeto de lei 5076/2005. De autoria do deputado Edson Duarte (PV/BA), a proposição dispõe sobre a pesquisa e o uso da nanotecnologia no país, cria a Comissão Técnica Nacional de Nanossegurança – (CTNANO) e institui o Fundo de Desenvolvimento de Nanotecnologia (FDNANO).

O relator do texto na Comissão de Finanças e Tributação (CFT) votou pela incompatibilidade e pela inadequação financeira e orçamentária da matéria, considerando ainda que não cabe à CFT dispor sobre o mérito da proposição. Em seu relatório, Nogueira argumenta que a criação do FDNANO conflita com normas internas da comissão relacionadas à inadequação orçamentária e financeira de proposições que criem ou prevêem a criação de fundos com recursos da União.

O texto regulamenta a pesquisa na área de nanotecnologia, o que de acordo com o autor, é a manipulação de matéria em dimensões nanométricas, um bilionésimo de metro. Além disso, a proposição estabelece que a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico em nanotecnologia deverão ser previamente autorizados pelo Poder Público e que a comercialização de produtos e processos deverão ser autorizados pelas autoridades sanitárias e ambientais competentes.

O PL tramita em caráter conclusivo, ou seja, não precisa ser avaliado pelo Plenário, apenas pelas comissões que foram designadas para apreciá-lo. Ele já foi rejeitado pelas comissões de Desenvolvimento, Indústria e Comércio (CDEIC) e de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da Casa. Com isso, se a CFT rejeitar o mérito do texto, ele ficará sujeito ao arquivamento, observando-se apenas a abertura de prazo em Plenário para a apresentação de recurso contra o seu arquivamento.

A CFT ainda deverá se manifestar em relação à adequação financeira e orçamentária da proposição. Caso o colegiado rejeite os aspectos citados, o texto também ficará sujeito ao arquivamento, atentando-se novamente para a abertura de prazo recursal em Plenário. A íntegra do PL está disponível neste link.

Fonte: Gestão CT

Delegação da Anatel está em Johanesburgo em evento mundial sobre normalização de telecomunicações

Até o dia 30, uma delegação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), chefiada pelo presidente da agência, embaixador Ronaldo Sardenberg, participa da Assembléia Mundial de Normalização de Telecomunicações (AMNT-08) do Setor de Normalização da União Internacional das Telecomunicações (UIT-T), que acontece em Johanesburgo, África do Sul.

Nesta semana, representantes da Anatel participaram do Simpósio Global de Normalização (Global Standardization Symposium - GSS), uma mesa redonda com vistas a debater, entre outros temas, mecanismos de redução das lacunas tecnológicas e de normalização entre países desenvolvidos e em desenvolvimento no setor de telecomunicações.

Segundo informações da Anatel, a agência firmará dois memorandos de entendimento, com a finalidade de aperfeiçoar a cooperação técnica e institucional no campo das telecomunicações. Um será firmado com a Autoridade Independente de Comunicações da África do Sul (Icasa) e o outro com o Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM). A cooperação prevista nesses memorandos poderá se dar nas modalidades de treinamento (cursos/estágios) e consultoria técnica, por meio do envio de delegados em missões técnicas.

A União Internacional das Telecomunicações (UIT) é a principal agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para a definição e disseminação de políticas regulatórias governamentais relacionadas às radiocomunicações, à normalização e ao desenvolvimento das telecomunicações e das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs). Informações adicionais podem ser obtidas no site www.anatel.gov.br.

Fonte: Gestão CT

Wrana Panizzi participa de Congresso Ciências, Tecnologia e Culturas no Chile

No dias 29 deste mês ao dia 3 de novembro, serão realizados na capital do Chile, Santiago, os seguintes eventos: Congresso Ciências, Tecnologia e Cultura; Diálogo Entre as Disciplinas do Conhecimento; e Olhando para o Futuro da América Latina e do Caribe.

Como representante brasileira, participará dos eventos a vice-presidente do CNPq, Wrana Maria Panizzi. Informações podem ser obtidas no CNPq, pelo telefone (61) 2108-9403

Fonte: Gestão CT

Ronaldo Mota é nomeado para cargo de assessor especial do ministro da C&T

O ex-secretário de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC), Ronaldo Mota, foi nomeado para ser assessor especial do ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União de ontem (22).

No dia 25 de setembro, Mota anunciou, durante reunião do Conselho Pleno da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que deixava o cargo no MEC.

Em seu lugar assumiu a advogada Maria Paula Dallari Bucci, que teve nomeação publicada no dia 29 de setembro. Veja a nomeação de Ronaldo Mota para o cargo no MCT por este link.

Fonte: Gestão CT

2º Encontro de Ciência e Tecnologia do Paraná discute a popularização da ciência

O 2º Encontro de Ciência e Tecnologia do Paraná, evento organizado pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), discutirá, em um de seus painéis, a popularização da ciência e o jornalismo científico. O evento, que será realizado de 27 a 29 de outubro, em Guarapuava (PR), conta com o apoio e a estrutura da Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná (Unicentro).

O painel contará com a participação da diretora da Associação Brasileira de Jornalismo Científico, Simone Bortoliero. Na ocasião, será debatido o papel do jornalista frente à necessidade de popularização da ciência e tecnologia, como forma de levar à sociedade informações que contribuam para ampliar seus conhecimentos e melhorar a sua qualidade de vida.

Após o painel, os participantes discutirão a formação de uma rede estadual de jornalismo científico. O objetivo da iniciativa é o de promover o intercâmbio de informações sobre a produção científica e a divulgação das políticas de C&T.

A palestrante do painel, a jornalista Simone Bortoliero, é professora da Pós-Graduação em Cultura e Sociedade e da Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da Universidade Federal da Bahia. Ela é doutora em comunicação social pela Universidade Metodista de São Paulo, na linha de pesquisa comunicação científica e tecnológica. A jornalista também é pesquisadora visitante do Laboratório de Estudos de Jornalismo Científico (Labjor) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e está concluindo o seu pós-doutorado, que tem como tema “mídia e biocombustíveis”. As suas principais áreas de atuação são mídia e meio ambiente, divulgação científica, jornalismo científico e comunicação para educação em ciências e saúde.

A programação do 2º Encontro de Ciência e Tecnologia do Paraná ainda conta com uma feira de produtos das empresas das incubadoras tecnológicas paranaenses; apresentações sobre pesquisa e transferência de tecnologia; palestras sobre a qualidade da saúde no Paraná; entre outros eventos.

Também será lançada, durante o encontro, a revista de divulgação científica produzida pela Seti, Sem Fronteiras. O lançamento contará com uma conferência do jornalista Marcelo Leite, colunista do jornal Folha de S. Paulo. Informações sobre o encontro podem ser obtidas neste link. (Com informações da Seti)
Fonte: Gestão CT

Instituições do Rio Grande do Sul lançam programa de inglês para profissionais de TIC

No dia 3, a Associação Sul-Riograndense de Apoio ao Desenvolvimento de Software (Softsul) e o Instituto Cultural Brasileiro Norte-Americano lançarão, em Porto Alegre (RS), um programa de inglês que tem o objetivo de atender as demandas da área de Tecnologia da Informação (TI).

De acordo com a Softsul, o Information and Communication Technology English Program não é um curso de inglês tradicional. Ele conta com atividades planejadas para o aprimoramento da língua inglesa com o objetivo de torná-la um instrumento diferenciado de trabalho no mercado de TIC.

Os interessados em ingressar no programa passarão por uma avaliação, que identificará as necessidades de cada um de acordo com a função exercida dentro da empresa e o curso que melhor se adapta a essas demandas. “A TIC é uma das áreas que mais cresce atualmente na economia e a língua oficial para fazer negócios em TIC é o inglês”, afirma o diretor presidente da Softsul, José Antônio Antonioni.

Já o presidente do Instituto Cultural Brasileiro Norte-Americano, João Verner Junemann, destaca que o ICT English Program atende às deficiências percebidas hoje nas empresas de TIC. “Entretanto, esse é um programa que estará em constante atualização para acompanhar as novas necessidades do mercado”, diz.

O lançamento da iniciativa contará com a palestra A importância do Inglês para as Empresas de TI atuarem no Mercado Internacional com Sucesso, que será ministrada pelo empresário do setor de software, Fábio Pagani. Ele é bacharel em ciência da computação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com especialização em marketing de software para o mercado Norte Americano pela NSU, EUA, e em globalização de empresas pelo IMD, Suíça.

Pagani foi um dos fundadores do Núcleo Softex Campinas, onde atualmente é membro do Conselho de Administração. Ele coordena o ActMinds, grupo de empresas formado em Campinas para exportar software e é consultor especializado em exportação, captação de recursos e gestão de empresas de software.

Os interessados em participar do evento devem realizar as suas inscrições pelo e-mail.(Com informações da Softsul)

Fonte: Gestão CT

9ª Conferência Anpei de Inovação Tecnológica recebe inscrições de casos de sucesso

Até o dia 15 de dezembro, as empresas interessadas em divulgar casos de sucesso durante a 9ª Conferência Anpei de Inovação Tecnológica devem enviar um resumo da proposta de apresentação para a Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras (Anpei). O evento será realizado de 8 a 10 de junho de 2009, em Porto Alegre (RS). A Anpei é uma instituição associada à ABIPTI.

A idéia é apresentar as experiências de organizações que pensam, vivem e praticam a inovação, a sustentabilidade e o respeito ao meio ambiente. Um público de 660 pessoas participou da edição 2008 do evento, que ocorre todos os anos. Estiveram presentes empresários, gestores de P&D de empresas nacionais e globais, dirigentes técnicos de organismos governamentais da área de ciência, tecnologia e inovação, entre outros.

A cada edição, a Conferência Anpei de Inovação Tecnológica conta com um tema como foco das apresentações. Para a edição de 2009, o tema é “A inovação sustentando sua empresa e seu planeta”, que abordará questões relacionadas ao presente e ao futuro e à perpetuação dos negócios por meio de inovações tecnológicas que respeitem e preservem o meio ambiente.
Para divulgar os seus casos de sucesso, as empresas interessadas devem encaminhar um resumo da proposta de apresentação para o Comitê Técnico da Anpei, que é responsável pela análise do material. O documento deve ser enviado para o e-mail ou para o endereço: Rua Helena, 170 – 13º andar, conjunto 133/134, São Paulo (SP) – CEP 04552-050.

Informações sobre os procedimentos para a elaboração do resumo podem ser obtidas no site http://www.anpei.org.br/. (Com informações da Anpei)

Fonte: Gestão CT

Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia de Londrina conta com novo presidente

No dia 18, os membros do Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia de Londrina elegeram o novo presidente do órgão. Por uma decisão unânime, a instância será dirigida pelo representante da comunidade científica Leandro Henrique Magalhães.

O novo presidente é doutor em história pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e coordenador acadêmico do Núcleo de Educação a Distância do Centro Universitário Filadélfia (Unifil). Magalhães tomou posse logo após a decisão, substituindo a pesquisadora Cristiane de Conti Medina que, eleita em maio, renunciou ao cargo. Ela assumiu a chefia de gabinete da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia, em Curitiba.

A eleição ocorreu após a 2ª Conferência Municipal de Ciência e Tecnologia, que reuniu cerca de 70 participantes no Unifil. “O desafio é conseguir encaminhar as resoluções da conferência, que apontou as diretrizes para o trabalho dos próximos anos. Entre as prioridades, queremos reforçar o Parque Tecnológico, uma conquista da cidade, e fortalecer o Fundo de Incentivo à Ciência e Tecnologia”, afirma Magalhães.
O evento foi aberto pela secretária de C&T do Paraná, Lygia Pupatto. Na ocasião, também foram aprovadas propostas como a qualificação da mão-de-obra profissional, envolvendo a comunidade científica, institutos de ensino e pesquisa, poder público e iniciativa privada e a criação da Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia.

De acordo com a ex-presidente do Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia, Cristiane Medina, as diretrizes aprovadas na conferência dão seqüência aos encaminhamentos recentes da instância. “Desde a primeira conferência, conseguimos fazer o regimento do Parque Tecnológico, o que possibilitou a abertura de edital de convocação de empresas; articulamos a participação de institutos de pesquisa como a Embrapa e o Iapar; apoiamos diversos eventos científicos, além de estreitar o relacionamento com a Secretaria Municipal de Educação, que possibilitou colocar a ciência e tecnologia na pauta do ensino fundamental”, afirma.

Medina também destaca que o conselho vai entregar aos candidatos a prefeito de Londrina uma resolução com as principais propostas aprovadas na conferência. “Queremos ter o compromisso do candidato eleito que valorize a ciência e a tecnologia e que tenha um olhar especial para o tema”, diz.

Informações sobre as ações do Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia podem ser obtidas neste link. (Com informações da Prefeitura Municipal de Londrina)

Fonte: Gestão CT

Autorizada alterações em sete cursos de universidades e faculdades públicas do Paraná

Nesta semana, o governador do Estado do Paraná, Roberto Requião, aprovou uma série de mudanças em sete cursos de cinco instituições de ensino superior públicas. As medidas contemplarão duas universidades estaduais, duas faculdades estaduais e uma municipal. As novidades estão relacionadas à renovação do reconhecimento dos cursos pelo Estado, à autorização de funcionamento e a novas propostas pedagógicas.

O governo estadual passou a reconhecer três graduações, sendo duas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e uma da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). Os cursos são os de artes visuais e música, da UEPG, e o de letras: língua portuguesa e respectivas literaturas, da Unioeste.

Já o curso de pedagogia da Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de Paranaguá (Fafipar) terá mudanças na sua proposta pedagógica. A graduação contará com uma carga horária de 3.490 horas, terá o funcionamento em dois turnos – diurno e noturno – e disponibilizará 150 vagas anuais.

O curso de administração da Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de Cornélio Procópio também passou por mudanças. A graduação teve seu reconhecimento renovado por mais cinco anos pelo governo. Também foi autorizado o funcionamento de dois cursos da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari, a única instituição municipal da relação. As graduações em enfermagem e em ciências biológicas tiveram o seu funcionamento autorizado.

De acordo com informações da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, as novidades nas instituições não trarão ônus para o Estado, uma vez que nenhuma necessita de recursos extras. As mudanças garantem aos alunos formados a expedição de diplomas.

Informações sobre as ações da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná podem ser obtidas no site http://www.seti.pr.gov.br/. (Com informações da Seti)

Fonte: Gestão CT