domingo, 5 de outubro de 2008

Em 1947 morria o físico alemão Max Planck

No dia 4 de outubro de 1947, o físico alemão Max Planck faleceu aos 89 anos na cidade de Göttingen. Em 1918, havia recebido o Prêmio Nobel pelas suas pesquisas sobre termodinâmica e a teoria quântica.

Max Planck nasceu em Kiel, a 23 de abril de 1858, e morreu em Göttingen, a 3 de outubro de 1947. Natural de uma família de juristas, inicialmente vacilou entre a carreira científica e a musical. Acabou optando pela primeira, estudando nas universidades de Munique e de Berlim. Na capital alemã, teve como mestres Hermann Helmholtz e Gustav Kirchhoff.

Embora em sua autobiografia tenha reconhecido a importância de ambos na sua formação, logo discordou das suas orientações. Max Planck deixou-se influenciar pelas idéias de Rudolf Clausius, interessando-se profundamente pelos problemas do princípio da energia.

Planck doutorou-se em 1879, em Munique, onde ocupou um cargo de livre docência por cinco anos a partir de 1880 e depois foi professor adjunto de física teórica na Universidade de Kiel até 1889. Neste ano, foi convidado para suceder Gustav Kirchhoff na cadeira de física da Universidade de Berlim, onde ficou até aposentar-se, em 1928.

Em 1879, enfrentou a oposição declarada de Kirchhoff, ao apresentar uma dissertação sobre o segundo princípio da termodinâmica. Na sua tese de doutorado, tratou dos estados de equilíbrio dos corpos isotópicos em diferentes temperaturas.

Constante de Planck e Teoria Quântica
Quando retornou a Berlim, em 1889, cientistas renomados tentavam provar a dependência entre radiação e temperatura. Planck acreditava que o elo fundamental estaria na dependência da entropia em relação à energia. Decidido a contestar o princípio predominante da irreversibilidade da troca de energia entre um oscilador e a radiação que esse provoca, esbarrou nas diferenças causadas pela variedade de extensão das ondas emitidas.

A questão acabou sendo resolvida através da fórmula que estabelece a "constante de Planck". A 14 de dezembro de 1900, numa reunião da Sociedade Alemã de Física, em Berlim, Max Planck apresentou aos colegas o trabalho em que examinou o significado da constante.

Ainda sem se dar conta de sua importância, acabou revolucionando a física mundial com a teoria quântica, que abriu caminho para a física nuclear. O desenvolvimento das pesquisas neste sentido foi prosseguido por Albert Einstein, em 1905, com a teoria da relatividade.

As descobertas relativas à teoria quântica valeram a Max Planck o Prêmio Nobel de Física de 1918. Em 1930, assumiu a presidência da Associação para o Progresso da Ciência Kaiser Wilhelm, hoje denominada Sociedade Max Planck. (rw)

Fonte: DW

Acordo ortográfico que entrará em vigor a partir de 2009 é promulgado

No dia 29 de setembro de 2008, o Congresso Nacional aprovou por meio do Decreto Legislativo n° 54, de 18 de abril de 1995, o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

A reforma ortográfica vem sendo discutida desde 1990 pelos países que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP): Brasil, Portugal, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste. As mudanças serão feitas de forma paulatina a partir de 1º de janeiro de 2009, com um prazo de conclusão até o início de 2013. O decreto determina que nos quatro anos de transição sejam aceitas as duas formas.

Novas regras
O acordo incorpora tanto características da ortografia utilizada por Portugal quanto a brasileira. O trema, que já foi suprimido na escrita dos portugueses, desaparece de vez também. Palavras como “lingüiça” e “tranqüilo” passarão a ser grafadas sem o sinal gráfico sobre a letra “u”. A exceção são nomes estrangeiros e seus derivados, como 'Müller' e 'Hübner'. Seguindo o exemplo de Portugal, paroxítonas com ditongos abertos “ei” e “oi” como “idéia” e “assembléia” deixam de levar o acento agudo. Também deixa de existir o acento circunflexo em paroxítonas com duplos “e” ou “o”, em formas verbais como “vôo”, “dêem” e “vêem”. As chamadas consoantes mudas, que não são pronunciadas na fala, serão abolidas da escrita. É o exemplo de palavras como “objecto” e “adopção” nas quais as letras 'c' e 'p' não são pronunciadas. Com o acordo, o alfabeto passa a ter 26 letras, com a inclusão de “k”, “y” e “w”. A utilização dessas letras permanece restrita a palavras de origem estrangeira e seus derivados, como “Kafka” e “kafkiano”.

A unificação na ortografia não será total. Como privilegiou mais critérios fonéticos (pronúncia) em lugar de etimológicos (origem), para algumas palavras será permitida a dupla grafia. Isso ocorre principalmente em paroxítonas cuja entonação entre brasileiros e portugueses é diferente, com inflexão mais aberta ou fechada. Enquanto no Brasil as palavras são acentuadas com o acento circunflexo, em Portugal utiliza-se o acento agudo. Ambas as grafias serão aceitas, como em “fenômeno'” ou “fenómeno”, “tênis” e “ténis”. A regra valerá ainda para algumas oxítonas. Palavras como “caratê” e “crochê” também poderão ser escritas “caraté” e “croché”.

Hífen
As regras de utilização do hífen também ganharam nova regra. O objetivo das mudanças é simplificar a utilização do sinal gráfico. O sinal será abolido em palavras compostas em que o prefixo termina em vogal e o segundo elemento também começa com outra vogal, como em aeroespacial (aero + espacial) e extraescolar (extra + escolar). Já quando a primeira palavra terminar com uma vogal igual a da segunda palavra, o hífen deverá ser utilizado, como nas palavras “micro-ondas” e “anti-inflamatório”. Essa regra modifica a grafia dessas palavras no Brasil, onde essas palavras eram escritas unidas, pois a regra de utilização do hífen era determinada pelo prefixo. A partir da reforma, nos casos em que a primeira palavra terminar em vogal e a segunda começar por “r” ou “s”, essas letras deverão ser duplicadas, como na palavra “anti” + “semita”: “antissemita”. A exceção é quando a primeira palavra terminar em r' e a segunda começar com a mesma letra. Nesse caso, a palavra deverá ser grafada com hífen, como em “inter-racial”. A medida, segundo o Ministério da Educação (MEC), deve facilitar o processo de intercâmbio cultural e científico entre os países e ampliar a divulgação do idioma e da literatura em língua portuguesa. No entanto, não há consenso sobre a reforma entre escritores e gramáticos.

O decreto está disponível neste link.

Fonte: Gestão CT

Conferência Científica Internacional Amazônia em Perspectiva: Ciência Integrada para um Futuro Sustentável apresenta programas de pesquisa do MCT

Programas de pesquisas do MCT realizam conferência científica internacional sobre a Amazônia

Nos dias 17 a 20 de novembro, os três programas de pesquisas do MCT para a Amazônia: o Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA), o Programa Rede Temática em Modelagem Ambiental da Amazônia (Geoma) e o Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) realizarão, em conjunto, a “Conferência Científica Internacional Amazônia em Perspectiva: Ciência Integrada para um Futuro Sustentável”. O evento, que será realizado em Manaus (AM), marca a segunda fase do Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia, o LBA, que, em setembro de 2007, de experimento tornou-se um programa de governo, renovando a agenda de pesquisas iniciada em 1998, quando era mantido por acordos de cooperação internacionais.

De acordo com informações do site do evento, que pode ser acessado por este link, a conferência contará com cerca de 700 apresentações orais e pôsteres e receberá nos quatro dias um público em torno de mil pesquisadores e estudantes, mais da metade brasileiros e outros de vários países da Europa e das Américas, para discutir os resultados das pesquisas científicas sobre a Amazônia.
Durante a conferência, o objetivo do LBA será ampliar o entendimento sobre o funcionamento dos ecossistemas da região e integrar as dimensões sociais e econômicas às pesquisas ambientais de ponta.

Programas
Já o programa Geoma, que se consolidou como rede técnico-científica, devido aos importantes resultados e produtos com impacto nas políticas públicas estabelecidas para Amazônia, mostrará durante a conferência o apoio ao Programa para a Atualização das Áreas Prioritárias para a Conservação (Arpa); o relatório do estudo sobre a região de fronteira de desmatamento conhecida como terra do meio, em São Félix do Xingu, município do Estado do Pará, em 2004; o estudo de modelagem da biodiversidade do interflúvio madeira-purus que pela singularidade na composição e riqueza de espécies é uma das regiões mais importantes para a biodiversidade amazônica; o relatório sobre a grilagem na Amazônia influenciando as ações da polícia federal na eliminação de pistas de pouso clandestinas na região em 2005 e o desenvolvimento de modelos de dinâmica de uso da terra para a escala da Amazônia.

O Geoma é composto por instituições com liderança em pesquisas na Amazônia, são elas: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG), Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM).

O Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) levará para a conferência os recentes avanços obtidos pelo programa e questões para discussão, entre elas: a digitação de dados já disponíveis em coleções biológicas e seu acesso via internet; a qualificação da informação taxonômica guardada nas coleções biológicas, por meio de intercâmbio com especialistas e formação de recursos humanos, e a criação de uma rede de parcelas permanentes que permitem estudos integrados sobre escalas relevantes para questões importantes para a sociedade como planejamento do uso da terra, monitoramento de mudanças climáticas, conservação de recursos naturais, gestão de unidades de conservação, bioprospecção para novos remédios, cosméticos e alimentos.O Inpe, o Inpa, o MPEG e o LNCC são associados à ABIPTI.

A programação completa da conferência está disponível neste link.

Mais informações, pelo telefone (11) 7310-2648.

Fonte: Gestão CT

Criado o Fundo Cerrado

Cerrado contará com fundo para práticas sustentáveis

No dia 25, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, anunciou, em Goiânia (GO), a criação do Fundo Cerrado. A iniciativa, que será voltada para a promoção de práticas sustentáveis no bioma, ainda está em fase de elaboração. “A exemplo do que ocorre na Amazônia, com monitoramento constante teremos dados para a fiscalização e a pesquisa, o que vai permitir que as pessoas vivam com dignidade sem destruir a vegetação nativa”, disse.

Minc fez o anúncio durante o lançamento de uma série de ações para estimular a conservação e o uso sustentável do Cerrado. A cerimônia foi realizada na Universidade Federal de Goiás (UFG). Entre as ações, ele citou a assinatura de um protocolo de intenções para o fortalecimento do sistema de monitoramento do desmatamento do Cerrado desenvolvido pelo Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento da UFG, com o apoio das organizações não-governamentais Conservação Internacional (CI-Brasil) e The Nature Conservancy (TNC-Brasil).

No período de 2003 a 2007, o sistema detectou o desmatamento de cerca de 18,9 mil km², o que equivale a 1,9 milhão campos de futebol. Além disso, Minc destacou que das 416 espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção, 131 são do Cerrado. Para mudar esse cenário, o ministro anunciou a destinação de R$ 4,6 milhões para a gestão do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e a determinação de preços mínimos para o pequi e o babaçu que são produtos do extrativismo do Cerrado.

Ainda durante a visita a Goiânia, Minc assinou com o prefeito da cidade, Íris Rezende, três termos de cooperação técnica para favorecer o programa coleta seletiva, as ações de licenciamento ambiental e a implementação do Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE) municipal. Goiânia é o primeiro município brasileiro a elaborar este instrumento de ordenamento e regularização territorial. De acordo com Rezende, a capital goiana é a cidade brasileira com maior área verde por habitante do país e a segunda do mundo.

Na ocasião, Minc ressaltou os esforços ambientais de Goiânia na preservação do Cerrado. Ele lembrou que o Brasil tem um compromisso internacional de preservar 10% de cada bioma em unidades de conservação municipais, estaduais ou federais. “Hoje, o Cerrado tem 6,6% de sua área preservada, temos que unir esforços para cumprir o objetivo dos 10%”, afirmou.

Em Goiânia, o ministro ainda assinou um acordo de cooperação técnica com o governador do Estado de Goiás, Alcides Rodrigues, para a elaboração do Zoenamento Ecológico – Econômico (ZEE) do Estado. Minc também testemunhou a ordem de serviço do governador para que seja destinado R$ 1 milhão para pesquisas que vão subsidiar as conclusões do zoneamento.

O Cerrado é o segundo maior bioma brasileiro e ocupa 2 milhões de Km², ou cerca de 24% do território nacional, onde estão presentes aproximadamente 5% da biodiversidade do planeta. Informações sobre as ações do MMA podem ser obtidas no site www.mma.gov.br. (Com informações do MMA)

Fonte: Gestão CT

Concurso Pontos de Leitura 2008: Homenagem a Machado de Assis

Instituído concurso que homenageia Machado de Assis

Foi publicada, na edição do dia 25 do Diário Oficial da União, uma portaria do Ministério da Cultura que institui e regulamenta o Concurso Pontos de Leitura 2008: Homenagem a Machado de Assis. A iniciativa foi instituída no âmbito do Programa Mais Cultura.

O objetivo do concurso é selecionar e apoiar iniciativas em atividade de fortalecimento, estímulo e fomento da leitura que, em 10 de novembro de 2008, comprovadamente completem pelo menos um ano de existência, prioritária, mas não exclusivamente, nos municípios atendidos pelo Programa Territórios da Cidadania 2008, nas áreas do Programa Nacional de Segurança Pública (Pronasci) e outros municípios prioritários do Mais Cultura.

As iniciativas devem possuir uma ou mais das seguintes características: promoção da leitura nas diversas comunidades do território nacional, contribuindo para o fomento da prática leitora no Brasil; democratização do acesso gratuito aos livros, gibis e outros materiais de leitura; envolvimento e participação da comunidade na gestão da iniciativa segundo suas próprias necessidades de informação e fruição; fomento à produção, ao intercâmbio e à divulgação de informações; e estímulo à formação de redes sociais e culturais.

Cada iniciativa selecionada será contemplada com no mínimo 500 títulos, distribuídos em 50% de obras de ficção, 25% de não-ficção e 25% de referência; um computador PC, compreendendo: uma unidade de CPU, um monitor SW-17, um teclado, um mouse, uma impressora e um no breack APC/BE 600. Os contemplados também receberão um mobiliário básico formado por um tapete emborrachado, duas almofadas, três puffs, duas estantes, uma mesa e uma cadeira giratória com braço para computador.

Caberá ao Ministério da Cultura e à Fundação Biblioteca Nacional a compra e distribuição dos kits, cuja utilização se fará exclusivamente no fortalecimento ou na ampliação da iniciativa beneficiada sob pena de o proponente se tornar inabilitado perante o ministério e suas entidades vinculadas. A íntegra da portaria está disponível neste link.

Fonte: Gestão CT

Projeto Pró-Multiplicar é lançado na CAPES

Capes lança Projeto Pró-Multiplicar que objetiva habilitar bolsistas de pós-graduação

No dia 24 deste mês, a diretoria de programas e bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) junto a Coordenação Geral do Portal de Periódicos lançou o projeto de Formação de Multiplicadores do Portal de Periódicos (Pró-Multiplicar), que tem como objetivo habilitar bolsistas de pós-graduação da Capes.

Nos anos iniciais do programa de doutorado, o bolsista atuará como monitor na divulgação e instrução do portal junto aos colegas de graduação e pós-graduação, de acordo com a sua área de conhecimento, durante o período em que estiverem cursando o doutorado.

O Projeto Pró-Multiplicar envolve oito universidades das regiões Norte, Nordeste, Sul e Centro-Oeste: a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), a Universidade de Pernambuco (UPE), a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), a Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG), a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e a Universidade Federal de Goiás (UFG).

Segundo informações da assessoria de comunicação da Capes repassadas ao Gestão C&T online, em relação a região Sudeste, duas universidades do Rio de Janeiro foram convidadas a participar, porém não comparecerem para o treinamento.

Mais informações, no site www.capes.gov.br. (Com informações da Capes).

Fonte: Gestão CT

Cientistas brasileiras são selecionadas pelo Programa Roche de Treinamento em Tecnologias Genômicas

Brasileiras recebem bolsa para estudar em laboratórios da Suíça

As cientistas brasileiras Débora Cristine Souza da Rocha, Jaqueline Rodrigues da Silva, Maria Esther Ricci da Silva e Patrícia Maria de Carvalho foram as selecionadas para o Programa Roche de Treinamento em Tecnologias Genômicas Aplicadas à Pesquisa de Medicamentos Inovadores.

As brasileiras passarão um ano nos laboratórios de medicina molecular na sede da Roche, em Basiléia, Suíça. O objetivo da iniciativa é contribuir com o desenvolvimento de pesquisadores brasileiros e fornecer treinamento especializado nas áreas mais avançadas da ciência e tecnologia biológica voltadas à pesquisa, ao desenvolvimento e à inovação em saúde.

A seleção é resultado da parceria entre o Ministério da Saúde e do laboratório de medicina molecular da Suíça denominado Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A.

Confira quem são as selecionadas:
• Débora Cristine Souza da Rocha - coordenadora de pesquisa clínica da Fundação Instituto Mineiro de Estudos e Pesquisas em Nefrologia e professora substituta da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

• Jaqueline Rodrigues da Silva - bolsista da Universidade de Brasília (UnB) e pesquisadora associada da The Childrens's Hospital of Philadelphia (EUA).

• Maria Esther Ricci da Silva - bolsista da Fundação Oswaldo Cruz, instituição associada à ABIPTI.

• Patrícia Maria de Carvalho Aguiar - pesquisadora da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein e colaboradora da Universidade Federal de São Paulo (UFSP). Mais informações, no site www.saude.gov.br. (Com informações do Ministério da Saúde)

Fonte: Gestão CT

Fapeg lança dois novos editais

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) lançou dois novos editais. A primeira chamada, nº 005/2008, tem por objetivo selecionar solicitações de amparo a projetos de pesquisa e/ou desenvolvimento experimental, ou de extensão a serem conduzidos por Redes Goianas de Pesquisa credenciadas na Fapeg, que visem o fortalecimento da Política Estadual de Turismo e a promoção do desenvolvimento sustentável do setor em Goiás. A data limite para a submissão eletrônica das propostas é o dia 29 de outubro.

Podem apresentar propostas pesquisadores ou extensionistas, que sejam mestres ou doutores, vinculados a instituições de educação superior, de pesquisa ou extensão integrantes de Rede Goiana de Pesquisa credenciada pela Fapeg. A chamada conta com R$ 450 mil, oriundos da Fapeg. A íntegra do edital está disponível neste link.

Infra-estrutura
A outra chamada pública lançada, nº 06/2008, objetiva fomentar projetos de pesquisa e desenvolvimento buscando soluções para a integração da rede de transportes da microrregião do Sudeste Goiano a corredores externos de transportes por meio da integração modal entre a malha rodoviária e a malha ferroviária, visando o escoamento da produção agroindustrial, em consonância com o Plano de Desenvolvimento do Sistema de Transporte do Estado de Goiás. As propostas podem ser encaminhadas até o dia 29 de outubro.

As propostas podem ser apresentadas por mestre ou doutor, vinculado a instituição de educação superior, de pesquisa ou extensão, integrante da Rede Goiana de Pesquisa credenciada pela Fapeg. Serão disponibilizados R$ 300 mil, oriundos da Fapeg. Para conferir a íntegra da chamada, acesse este link.

Fonte: Gestão CT

SECT AM apóia o uso de tecnologia da informação para o combate a doenças tropicais

A partir de outubro, o Amazonas vai começar a utilizar uma nova tecnologia voltada para o combate de doenças tropicais no Estado. Um sistema informatizado, conhecido como mobisus, que funciona em aparelhos celulares, permitirá levantar informações sobre a presença dos transmissores da dengue em áreas da cidade.

A implantação da tecnologia resulta de um convênio firmado entre a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Sect), a Nokia do Brasil Ltda., o Instituto Nokia de Tecnologia (INdT) e a Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas (FVS).

De acordo com informações da Sect, com a aplicação do sistema poderão ser tomadas medidas preventivas e de controle da doença e, posteriormente, ampliados para outras endemias. Para o secretário de Ciência e Tecnologia do Amazonas, José Aldemir de Oliveira, a iniciativa tem grande importância porque vai tornar disponível uma tecnologia específica desenvolvida por um dos grandes institutos tecnológicos do Amazonas, que vem aproximar a ciência da sociedade em uma ação direta.

O projeto será executado pela FVS, inclusive com a apuração dos resultados sendo acompanhado pelo INdT, responsável por treinar o pessoal que irá fazer a coleta dos dados e prestar suporte técnico durante o projeto. A Sect se responsabilizou pelo pagamento de 50 linhas telefônicas que serão usadas na iniciativa. O software “Nokia Data Gathering” foi desenvolvido e disponibilizado pela Nokia do Brasil.

Ainda segundo a Sect, os dados serão coletados em áreas selecionadas e enviados em tempo real a uma central que fará o mapeamento e análise das informações recebidas. Informações sobre as ações da Sect/AM podem ser obtidas no site www.sect.am.gov.br. (Com informações da Sect/AM)

Fonte: Gestão CT

Fapesb lança edital para estruturação de núcleos de assessorias internacionais dentro das universidades

Edital da Fapesb visa a estruturação de assessorias internacionais

O Estado da Bahia investirá R$ 310 mil na estruturação de núcleos de assessorias internacionais dentro das universidades públicas do Estado. Os recursos são oriundos do edital da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb). As propostas podem ser enviadas até o dia 13 de outubro.

O objetivo do edital é intensificar a cooperação entre a instituição e os parceiros internacionais de modo a apoiar e implementar acordos de cooperação cientifica e tecnológica, e de possibilitar a inserção no cenário mundial, com foco na melhoria do ensino, da pesquisa e da extensão.

O valor máximo a ser pedido por proposta é de, no máximo, R$ 80 mil disponibilizados, obrigatoriamente, em duas parcelas, uma em 2008 e outra em 2009. Os proponentes devem ser os representantes legais das instituições juntamente com os coordenadores dos núcleos. Entre os itens financiáveis estão a aquisição de equipamentos e material permanente, além de despesas com passagens, hospedagem e alimentação para missões fora do país.A Fapesb é associada à ABIPTI.

O edital pode ser acessado neste link. Mais informações, no site www.fapesb.ba.gov.br.(Com informações da Fapesb)

Fonte: Gestão CT

Setor apícola tem quatro projetos em consulta nacional

A Comissão de Estudo da Cadeia Apícola da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) está com quatro projetos em consulta nacional. São eles: Apicultura – Mel – Preparo de amostra para análise laboratorial; Apicultura – Mel – Determinação da umidade pelo método refratométrico; Apicultura – Equipamentos – Colméia tipo Langstroth; e Apicultura – Mel – Sistema de rastreabilidade. Os projetos ficam em consulta pública por 60 dias. Os dois primeiros têm data limite até o dia 24 de novembro. Já o terceiro vai até 17 de novembro; e o quarto, 10 de novembro.

Segundo informações da Gerência do Processo de Normalização ABNT-SP, após esses períodos, será realizada uma reunião para analisar as sugestões recebidas e decidir pela incorporação ou não das mesmas ao projeto. Havendo alterações de caráter técnico dos projetos eles voltam para consulta nacional, do contrário, eles serão publicados como normas brasileiras.

A gerência acredita que será possível publicar este ano pelo menos mais quatro normas. A comissão está trabalhando em outras quatro normas e acredita que no primeiro trimestre de 2009 deverão existir, pelo menos, nove normas publicadas por esta comissão de estudo.

Veja mais detalhes sobre os projetos a seguir:
Número: 00:001.87-004/1
Título: Apicultura – Mel – Preparo de amostra para análise laboratorial
Comitê: ABNT/CEE - Comissão de Estudo Especial
Data Limite: 24/11/2008

Número: 00:001.87-004/2
Título: Apicultura – Mel – Determinação da umidade pelo método refratométrico
Comitê: ABNT/CEE - Comissão de Estudo Especial
Data Limite: 24/11/2008

Número: 00:001.87-006
Título: Apicultura – Mel – Sistema de rastreabilidade
Comitê: ABNT/CEE - Comissão de Estudo Especial
Data Limite:10/11/2008

Número: 00:001.87-005
Título: Apicultura – Equipamentos – Colméia tipo Langstroth
Comitê: ABNT/CEE - Comissão de Estudo Especial
Data Limite: 17/11/2008

Informações adicionais, nos sites www.abnt.org.br e
www.abntnet.com.br.

Fonte: Gestão CT

Criada comissão para acompanhamento de revisão do PNAE

No dia 24, o Conselho Superior da Agência Espacial Brasileira (AEB) decidiu aprovar os procedimentos para a atualização do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE). A AEB é uma instituição associada à ABIPTI.

Na mesma ocasião, a instância também aprovou a criação de uma comissão para o acompanhamento da revisão do programa. O grupo será coordenado pelo presidente da AEB e contará com representantes do MCT, do Comando da Aeronáutica, da Comunidade Científica, do setor industrial, e dos ministérios das Relações Exteriores e da Defesa.

De acordo com resolução publicada na edição do dia 30 do Diário Oficial da União, o Conselho Superior da AEB deverá acompanhar o processo de atualização do PNAE, por intermédio da comissão. Já a Diretoria de Política Espacial e Investimentos Estratégicos (DPEI) será responsável por elaborar a proposta de revisão do programa. A íntegra da resolução está disponível neste link.

Faça o download do PNAE atual em português, clicando aqui.

English version
click here.

Fonte: Gestão CT

Implantação da Biotal - Rede Amazônica de Biodiversidade e Biotecnologia é agilizada

Após a divulgação pelo Ministério da Educação (MEC) do Índice Geral dos Cursos (IGC), no mês de setembro, no qual a região Norte teve o menor índice de avaliação, os secretários para assuntos de ciência, tecnologia e inovação da região Norte se mobilizam para tentar contribuir com a elevação do nível do conhecimento e aumentar o número de cursos de pós-graduação. Para isso, os secretários de C&T articulam a implantação da Rede Amazônica de Biodiversidade e Biotecnologia (Biotal).

Desde o início do ano eles têm se reunido para discutir o assunto que passou a ser uma das prioridades do Conselho Nacional para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti/Norte). No fórum do conselho, realizado no mês de março em Palmas (TO), a idéia da Rede foi apresentada ao secretário de Políticas de Pesquisa e Desenvolvimento do MCT, Luiz Antônio Barreto de Castro. “Desde então temos feito reuniões constantes com o objetivo de consolidar a Rede Amazônica que vai seguir o modelo da Rede de Biotecnologia do Nordeste (Renorbio). Agora, com o fraco desempenho das nossas universidades, temos mais um motivo para implantarmos a rede”, informou o presidente do Consecti/Norte, Osmar Nina Garcia Neto, que também é secretário da Ciência e Tecnologia do Estado do Tocantins.

Biotal
A Biotal terá o objetivo de integrar competências para o desenvolvimento de projetos de pesquisa e inovação, e formação de doutores com foco na biodiversidade e biotecnologia buscando gerar conhecimentos, processos e produtos que contribuam para o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

A Rede vai permitir a criação de novos cursos de doutorado em biodiversidade e biotecnologia, onde os alunos poderão fazer disciplinas em Estados diferentes, porém com titulação de mesmo peso. Com a formatação da Rede Amazônica de Biodiversidade e Biotecnologia, será possível integrar os Estados da Amazônia com a construção de um laboratório para atender as necessidades de toda a região.

Também é esperado, com a criação da Biotal, ampliar o conhecimento sobre a biodiversidade, promover o desenvolvimento com a preservação ambiental, ampliar a capacidade de desenvolvimento científico e tecnológico, aumentar o número de instituições de ensino superior (IES), além de formar recursos humanos e abrir novos cursos de pós-graduação.

Os nove Estados que compõem a Amazônia Legal já estão aportando recursos no orçamento do próximo ano para iniciar as atividades da rede. Estão previstos R$ 2 milhões oriundos dos Estados, sendo que cada unidade da Federação vai contribuir de acordo com seus recursos destinados para a ciência e a tecnologia. Por exemplo, o Amazonas e o Pará vão destinar mais recursos à rede, pois possuem os maiores orçamentos para o setor na região. Haverá, ainda, a contrapartida do MCT, que será no valor de R$ 4 milhões, totalizando R$ 6 milhões para a Biotal.

Segundo informações de Osmar Nina Garcia Neto, uma minuta de portaria já foi feita pelo MCT, por meio de informações e demandas levantadas pelos Estados que compõem a Amazônia Legal. A minuta está sendo analisada pelos secretários de C&T e está em fase de aprovação.

Os secretários esperam se reunir nas próximas semanas com o ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, para apresentar a proposta de criação da Biotal. A data ainda depende de confirmação por parte do ministro.

Gestão C&T
Na edição nº 753 o Gestão CT já havia noticiado a iniciativa do Consecti Norte de criar uma rede de ensino e pesquisa para a Amazônia, a exemplo da Renorbio. “O trabalho em rede é uma idéia que está na moda. Estamos construindo essa proposta, tivemos a primeira reunião e teremos outra aqui em Porto Velho [RO]”, informou Francisco Maciel, gerente de C&T do Estado de Rondônia.

IGC
De acordo com os resultados do índice, a região Sul é a que concentra maior percentual de instituições com IGC máximo: 11,3% alcançaram conceitos 4 ou 5. A seguir vêm as regiões Sudeste (8,8%), Nordeste (7%), Centro-Oeste (3%) e Norte (0,9%). O índice usa parâmetros iguais para avaliar universidades, centros universitários e faculdades ou escolas.

De acordo com o diretor Osmar Nina Garcia Neto, o fraco desempenho das universidades da região se deve a uma série de fatores. “Podemos citar como exemplo a baixa diversidade de cursos de qualificação, dificultando a formação de novos mestres e doutores, além de poucos recursos destinados à pós-graduação, a precária disseminação de conhecimento, carência de infra-estrutura de comunicação, e ainda equipamentos de pesquisas obsoletos e com manutenção deficiente”, ressaltou Osmar Nina Neto.

Segundo informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC), o IGC, indicador de qualidade de instituições de educação superior traz, em sua primeira edição, conceitos de 173 universidades, 131 centros universitários e 1.144 faculdades isoladas e integradas. O IGC sintetiza, para cada instituição, a qualidade de todos os seus cursos de graduação, mestrado e doutorado, distribuídos na totalidade de campi e municípios onde a instituição atua. O resultado final está em valores contínuos (que vão de 0 a 500) e em faixas (de 1 a 5).
No cálculo do indicador é utilizada a média dos conceitos preliminares dos cursos da instituição (CPC) – componente relativo à graduação – e o conceito fixado pela Capes para a pós-graduação. A média dos conceitos dos cursos é ponderada pela distribuição dos alunos entre os diferentes níveis de ensino (graduação, mestrado e doutorado).

Para esta primeira divulgação do IGC, segundo informou o Inep, foram utilizados os CPCs referentes às edições do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) no período de 2005 a 2007. Esse indicador de cursos considera, além de resultados de avaliação de desempenho de estudantes, infra-estrutura e instalações, recursos didático-pedagógicos e corpo docente. A nota da Capes é referente à avaliação do triênio de 2004 a 2006.

O IGC de cada IES do Brasil será divulgado anualmente pelo Inep/MEC, sempre em momento imediatamente posterior à divulgação dos resultados do Enade e do CPC.

A lista completa de todas as instituições de ensino superior brasileiras, com respectivos IGCs, pode ser acessada pela internet. A lista das universidades está disponível neste link. Já a lista com os centros universitários pode ser acessada por este outro link. E, por último, a lista com outros tipos de instituições de ensino, que pode ser acessada por este link.

Fonte : Wanderson Carneiro dos Santos / da Secretaria de C&T do Tocantinse Fabiana Santos

Impactos, Retos Y Oportunidades del TLC para la Macro Región

Los recientes acontecimientos, la recesión en Estados Unidos y el desmantelamiento del proceso de descentralización en Perú, obligan a dar una nueva mirada al Tratado de Libre Comercio (TLC) entre ambos países desde los espacios regionales naturales (con flujos de mercaderías y personas al margen de los dispositivos legales).

La aplicación del TLC a partir del próximo año tendrá un impacto importante en el actual sector agropecuario, así como en el planteamiento de los objetivos de la Irrigación Majes Siguas II Etapa, y en la inversiones agropecuarias y agroindustriales en el conjunto del Surperuano.

¿Cuáles son los retos que la economía macro regional deberán afrontar con el TLC?, y ¿Cuáles son las oportunidades que se presentan para esta unidad territorial en función de su desarrollo sostenible?. Son las preguntas que destacados especialistas como Carlos Leyton, vicepresidente del Gobierno Regional de Arequipa, Pedro Francke, economista y ex Jefe de FONCODES, Fernando Eguren, sociólogo y destacado investigador de CEPES, Francisco Santa Cruz, economista y especialista agrario de CEPES y Javier Ismodes, abogado y ex Gerente de Comercio Exterior y Turismo del Gobierno Regional de Arequipa, darán respuesta en la Mesa Redonda, que se realizará el día jueves 9 de octubre, desde las 6:30 PM hasta las 9:00 PM, en el cine auditorio de la Municipalidad Provincial de Arequipa, sito en Portal de la Municipalidad 110, Plaza de Armas.

Por lo que las instituciones organizadoras: Red por la Globalización con Equidad, Grupo Propuesta Ciudadana y desco - Programa Regional Sur, invitan al público en general a participar de esta Mesa Redonda, siendo el INGRESO LIBRE.

Fuente: Arturo Munoz

Carta de Macapá reúne propostas emergenciais para o desenvolvimento do setor florestal do Amapá

No dia 29, entidades ligadas ao setor madeireiro do Estado do Amapá entregaram ao Conselho Deliberativo do Sebrae-AP a Carta de Macapá, que reúne propostas emergenciais para o desenvolvimento do setor florestal do Amapá.

De acordo com o texto, o debate sobre o setor florestal como alternativa socioeconômica para o desenvolvimento sustentável tem avançado nos últimos anos no Estado do Amapá. Impulsionado, recentemente, pela lei de Gestão de Florestas Públicas – que descentraliza a gestão florestal, transferindo aos Estados e municípios competências e atribuições específicas – o Estado tem a necessidade de criar estruturas organizacionais capazes de viabilizar o manejo florestal em bases sustentáveis. “Entretanto, as expectativas criadas não têm sido transformadas em ações concretas. Isso porque, os entraves estruturantes para promover o setor não estão sendo resolvidos e estabelecidos”, afirma o texto.

O documento ressalta que, desde 2006, ações para alavancar a produção de produtos florestais têm sido discutidas pelos diversos segmentos diretamente envolvidos com o setor florestal no Estado. Entre as medidas a serem implementadas no curto, médio e longo prazo estão: a constituição de força tarefa para maior agilidade nos processos de licenciamento dos planos de manejo; a constituição de uma comissão de acompanhamento para identificar gargalos e propor soluções para viabilidade e agilidade do setor; e a implementação de um termo de cooperação técnica entre os órgãos ambientais e de ordenamento territorial do Pará e Amapá, para viabilizar a transferência de experiências, tecnologias e procedimentos capazes viabilizar a gestão florestal, especialmente nas áreas fronteiriças dos Estados.

Segundo informações da Unidade de Marketing e Comunicação do Sebrae-AP repassadas ao Gestão C&T online, esse termo ainda não foi elaborado, mas será assinado pelas secretarias de meio ambiente do Pará e do Amapá e pelo Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial (Imap) dps dois Estados.

Ainda de acordo com a unidade, o Conselho Deliberativo do Sebrae-AP vai discutir as propostas da Carta de Macapá em reunião a ser realizada no final do mês de outubro.

Comissão
No dia 26 de setembro, durante o Seminário do Setor Madeireiro do Estado do Amapá, que teve como resultado a carta e a reunião realizada na sede do Sebrae-AP no dia 29, foi sugerida a criação de uma comissão de acompanhamento, que também consta nas ações propostas pela Carta de Macapá. A comissão terá o papel de identificar gargalos e propor soluções para viabilidade e agilidade do setor. As instituições que comporão a instância são: Sebrae, Sindicato das Indústrias de Extração e Desdobramento de Madeira do Estado do Amapá (Sindmadeiras), Secretaria Especial de Desenvolvimento Econômico (Sede), Secretária de Estado do Meio Ambiente (Sema), Instituto Estadual de Floresta (IEF), Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial do Amapá (Imap), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Segundo a Unidade de Marketing e Comunicação do Sebrae-AP, para a criação da comissão está sendo aguardada a documentação que sairá da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sede) do Amapá, já que os órgãos governamentais do Estado estão subordinados a ela. Essa documentação, que oficializa a comissão, só será liberada após as eleições municipais.

O seminário realizado no dia 26 contou com a participação de 140 pessoas entre madeireiros, associações, estudantes e profissionais. Esses participantes são os signatários da carta, que pode ser acessada, na íntegra, por este link.

Informações adicionais podem ser obtidas pelo telefone (96) 3312-2832.

Fonte: Fabiana Santos / Gestão CT

Decreto estende prazo para a conclusão dos trabalhos de criação da Universidade Regional de Brasília e Entorno

O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, assinou decreto, publicado no Diário Oficial do DF de ontem (1º), nomeando novos membros para compor a comissão especial para elaboração da proposta de criação da Universidade Regional de Brasília e Entorno (Urbe) e determinando novo prazo para entrega do relatório final dos trabalhos, que agora passa a ser o dia 15 de outubro. O primeiro prazo terminou no dia 30.

Os novos membros são: secretário de Estado de Segurança do DF; Comandante-Geral da Polícia Militar do DF; Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros Militar do DF. Como novos integrantes especialistas na área de educação, foi incluído, Mourad Ibrahim Belaciano.

O diretor de Relações Institucionais da ABIPTI, Lynaldo Cavalcanti de Albuquerque, faz parte da comissão desde o primeiro decreto, publicado no dia 21 de agosto.

Veja o novo decreto por este link.

Fonte: Gestão CT

Fórum Brasil-França 2008

Fórum Brasil-França 2008 propõe discutir a energia limpa, a sustentabilidade e a cooperação franco-brasileira

No dia 23 de outubro, acontecerá no Auditório André Franco Montoro da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo o Fórum Brasil-França 2008. Durante o evento, será realizado o seminário “Energia Limpa e Mecanismos de Sustentabilidade e a Cooperação Franco-Brasileira”. Ao todo, serão apresentadas quatro palestras. A primeira terá como tema a “Estratégia da Petrobras na pesquisa e desenvolvimento de biocombustíveis” e será ministrada pela gerente de energias renováveis do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes), Maria Cristina Saba.

A segunda palestra será presidida pelo professor da Universidade de São Paulo (USP), Weber Amaral, com o tema “A importância da inovação tecnológica para a sustentabilidade das cadeias de biocombustíveis”.

A terceira palestra traz como tema a “Energia limpa e os mecanismos de sustentabilidade. Política e investimentos franceses, e as oportunidades franco-brasileira”. Esta será ministrada pelo adido comercial adjunto do setor do meio-ambiente (exceto petróleo e gás) da Mission Economique de São Paulo, Jean François Ambrosio.

A Mission Économique Française é formada no Brasil por uma rede composta de três eixos situados em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Em Brasília, a Missão examina os aspectos econômicos e macroeconômicos do Brasil e defende a posição francesa em negociações bilaterais e multilaterais. Já no Rio de Janeiro, concentram-se os setores de turismo e desenvolvimento do lazer, tecnologia da comunicação e energia, enquanto que em São Paulo estão centrados os setores de bens de equipamento e de consumo, transportes e meio ambiente.

A última palestra cujo tema é “O setor sucro energético: potencial e desafios” terá o diretor executivo da União das Indústrias de Cana de Açúcar (Unica), Eduardo Leão de Sousa, como ministrante.

2007
No ano de 2007, o Fórum Brasil França teve como tema principal a “Tecnologia, Energia e Sustentabilidade”, apresentado e debatido em painéis sobre política industrial, organização empresarial, inovação tecnológica e agroenergia renovável na cidade de Paris (França).

Informações sobre a programação podem ser obtidas neste link, ou pelo telefone (11) 3392-2584.(Com informações da coordenação do evento)

Fonte: Gestão CT

Os descobrimentos do Brasil pela Ciência

Mast lança livro que aborda temas como história das ciências

O Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast) lançou na manhã do dia 2, no Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o livro Os descobrimentos do Brasil pela Ciência.

A obra que teve o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), é organizada pela historiadora do Mast, Heloisa Maria Bertol Domingues, em parceria com a Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia da UFRJ (Coppe/UFRJ).

Os textos do livro abordam temas como história das ciências, recursos naturais e energéticos, ciências sociais e descobertas tecnológicas e territoriais, desde a chegada dos portugueses ao Brasil há 500 anos. Mais informações, no site www.mast.br ou pelo telefone (21) 2580-7010. Com informações do Mast)

Fonte: Gestão CT

Protec e Itehpec realizam curso

No próximo dia 6, no hotel Beira Mar, em Fortaleza (CE), a Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica (Protec) e o Instituto de Tecnologia e Estudos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Itehpec) realizam o curso "Desenvolvimento e Avaliação de Projetos de Inovação Tecnológica".

O objetivo é apresentar estratégias, métodos e ferramentas para o desenvolvimento de projetos de acordo com os critérios de análise e seleção das instituições que oferecem recursos. Mecanismos públicos de apoio à inovação, tecnologia e inovação serão alguns dos temas abordados.

O curso será realizado das 8h30 às 18h. Informações adicionais, no site www.protec.org.br.

Fonte: Gestão CT

Centro de Inovação Tecnológica Telmo Araújo (Citta) já tem local

Governo da Paraíba desapropria área para implantar Centro de Inovação Tecnológica Telmo Araújo

O governo do Estado da Paraíba divulgou na última segunda-feira (29), em seu site, que uma área medindo mais de 3 hectares, onde estão localizados os galpões da Limoeiro Malhas, no bairro de Bodocongó, em Campina Grande, foi desapropriada pelo governo para a implantação do Centro de Inovação Tecnológica Telmo Araújo (Citta). A desapropriação, segundo o texto, já foi publicada no Diário Oficial do Estado.

A implantação do centro está alinhada às metas e propostas para consolidação do Pólo Tecnológico de Bodocongó que visa promover o desenvolvimento econômico e social através da criação de condições para atrair grandes investidores âncoras para a cidade.

Além da cessão da área dos galpões para a implantação do Citta, nas suas imediações existe uma área de igual ou de maior tamanho pertencente à Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que também será desapropriada, em comum acordo com a reitora Marlene Alves, para uso do centro e com a capacidade para construção de um complexo vertical empresarial.

Para tanto, já foi definido o modelo de gestão e uma minuta do estatuto da entidade gestora do centro que está sendo elaborada para análise. Simultaneamente, também estão sendo definidas as estratégias de negócios para a ocupação de curto e médio prazo da área com maquetes preliminares.

Homenagem
O nome do centro é uma homenagem a Telmo Silva de Araújo. Natural de Recife (PE), Araújo se graduou e fez o seu mestrado em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O seu doutorado foi concluído em Tolouse, na França, na Universidade Paul Sabatier, e o pós-doutorado na LEEI/Enseiht, também em Tolouse. Entre outras funções, ele foi professor da Escola Politécnica de Pernambuco e engenheiro do Departamento de Energia do Estado.

Araújo foi para a Paraíba em 1979, como professor convidado da Universidade Federal da Paraíba, campus de Campina Grande. Na instituição, ele desenvolveu a área de eletrotécnica, coordenou vários projetos de pesquisa e manteve diversos convênios nacionais e internacionais. Também publicou inúmeros trabalhos em periódicos científicos, orientou dezenas de dissertações de mestrado e teses de doutorado, além de ter ocupado alguns cargos na administração da universidade.

O professor ainda dirigiu diversos cargos da administração pública e privada, em órgãos como a Prefeitura do Município de Campina Grande, onde foi secretário de Indústria e Tecnologia, secretário de Planejamento e presidente da Agência Municipal de Desenvolvimento (AMDE). Ele foi um dos idealizadores da Fundação Parque Tecnológico da Paraíba, onde foi diretor geral. Araújo também ocupou a presidência da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).

Na década de 1980, idealizou diversas iniciativas voltadas para a divulgação da ciência e tecnologia. Entre elas, a Feira de Tecnologia de Campina Grande (Fetec), que teve o objetivo de levar à comunidade os resultados e as aplicações das pesquisas desenvolvidas nas instituições de ciência e tecnologia do Estado da Paraíba.Informações sobre o Citta podem ser obtidas no site www.paraiba.pb.gov.br.

Fonte: Gestão CT

Maria Celeste Emerick deixa o Departamento do Patrimônio Genético do MMA

A diretora do Departamento do Patrimônio Genético (DPG) do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Maria Celeste Emerick, ficará no cargo até o dia 10 de outubro. A exoneração foi confirmada pela diretora e pelo DPG apesar de ainda não ter sido publicada no Diário Oficial da União.

Em seu lugar, interinamente, assumirá Bráulio Ferreira de Souza Dias, diretor do Departamento de Conservação da Biodiversidade, até a volta da secretária de Biodiversidade e Florestas, Maria Cecília Wey de Brito, que viajou para participar da IUCN World Conservation Congress, que acontece de 5 a 14 deste mês em Barcelona, Espanha. Segundo informações do departamento, Maria Cecília Wey de Brito assumirá o DPG até a escolha do novo diretor definitivo.

Em entrevista exclusiva ao Gestão CT, Maria Celeste Emerick disse que o motivo da saída, segundo foi informado a ela, era de que o foco que ela tem à frente do departamento não é o foco da visão do ministério atual. “E eu perguntei que foco era esse, já que eu estava cumprindo uma agenda. E disseram que era o foco da inovação, da biotecnologia e que queriam alguém com um foco ambiental”, contou Emerick.

A diretora disse que quando aceitou o cargo, a convite da então ministra do Meio Ambienta, Marina Silva, ela foi com a convicção de que sua experiência de mais de 20 anos de gestão tecnológica na Fundação Oswaldo Cruz, (Fiocruz), entidade associada à ABIPTI, poderia ajudar nos objetivos da ministra, que era o de mudar a imagem do ministério, de querer avançar com a negociação do anteprojeto da Lei de Acesso aos Recursos Genéticos. “E ela [Marina Silva] entendia que eu podia, pela minha experiência de participar na elaboração e implementação de políticas públicas no Brasil”.
Emerick conta que a motivação que teve para aceitar o convite na época foi a certeza de poder contribuir para o aperfeiçoamento de uma política pública extremamente sensível, delicada, complexa e que está diretamente ligada à comunidade científica, às indústrias, que utilizam material genético da biodiversidade, e às comunidades tradicionais, que também têm um papel importante nessa discussão. “Enfim, três segmentos com interesses distintos, é uma discussão complexa, exige uma interação com esses segmentos e exige uma sensibilidade, uma capacidade de articular, de falar com pessoas diferentes, colocar todos em volta de uma mesa, buscando consenso.

Na opinião da diretora, com este foco ela sentia que estavam contribuindo fortemente com o anteprojeto e que, ao conversar com pessoas do segmento, todos entendiam que a sua forma de atuar, mudando radicalmente a visão das pessoas sobre o assunto, dando mais visibilidade, convergindo mais com interesses gerais da nação, estava no caminho certo. “Para quem me conhece, eu sou uma socióloga, sabe que tenho uma visão muito mais macro estratégica de tentar estabelecer interfaces entre as legislações.”

Como exemplo ela cita a Lei de Inovação e a medida provisória nº 2.186-16 de 2001, que, atualmente, regula o acesso aos recursos genéticos no país. “A Lei de Inovação ela avança para um lado, a medida provisória, hoje em curso no país, ela dá trombada o tempo inteiro, são coisas delicadas e nem sempre bem equacionadas e o meu papel estava muito nesta direção. Tentando sensibilizar todos os NITs [Núcleos de Inovação Tecnológica], para que resolvessem a questão da legalização de suas instituições olhando para a própria Lei de Acesso.”

Maria Celeste Emerick disse ter cumprido o papel para o qual ela foi convidada. “É evidente que com a mudança de condução do ministério, há mudança de visão, de estilo. Acho importante dar esse retorno para a comunidade científica e tecnológica, que recebe esse jornal de vocês, que é o mais importante para esse público”, afirmou.

A diretora informou ainda que não sabe sobre o seu futuro profissional. “Tudo está muito recente, com mais calma vou analisar as novas oportunidades, já existem algumas sondagens de instituições. A minha instituição de origem é a Fiocruz e é evidente que se aparecer algo que tenha o meu perfil, de política pública nacional, que é uma visão mais executiva do processo de trabalho, eu me interessarei, mas ainda tenho que analisar”, concluiu.

DPG
O Departamento do Patrimônio Genético informou ao Gestão C&T online que os motivos da exoneração da diretora são, realmente, relacionados às diferenças de foco de atuação da diretora e do ministério.

Fonte: Fabiana Santos/Gestão CT