sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Finep lança os editais do CT-Aquaviário, do Promove e do Juro Zero

A Finep disponibilizou, no último dia 30, em seu site, três novos editais. A primeira chamada pública MCT/Finep/CT-Aquaviário 01/2008 selecionará propostas para apoio a projetos de transporte aquaviário e de construção naval. O prazo para envio de propostas é 10 de setembro.

O objetivo da chamada do CT-Aquaviário é selecionar projetos de desenvolvimento científico e tecnológico nas áreas de navegação, instalações portuárias, produtos e processos fabris que possam contribuir para o desenvolvimento competitivo da indústria naval e portuária brasileira. O montante previsto é de R$ 11 milhões não-reembolsáveis, sendo R$ 3 milhões para o setor de transporte aquaviário e R$ 8 milhões para o setor de construção naval. A chamada pode ser acessada neste link.

Promove
A chamada pública MCT/Finep/CT-PETRO – Promove – 01/2008, no âmbito Programa de Promoção e Valorização das Engenharias (Promove), selecionará propostas para apoio a projetos visando promover a interação das ciências da engenharia, relacionadas ao setor de petróleo e gás, com o ensino médio. O prazo para envio de propostas é 11 de setembro.

O objetivo é apoiar projetos inovadores que promovam maior interação das escolas de engenharia com as atividades de ensino de ciências exatas e naturais de nível médio, visando a despertar vocações e recrutar mais e melhores estudantes para as áreas tecnológicas do setor de petróleo e gás. O total de recursos previsto é de R$ 8 milhões, também não-reembolsáveis, originados do fundo setorial CT-Petro. Veja a íntegra da chamada neste link.

Juro Zero
A chamada pública MCT/Finep – Programa Juro Zero – 01/2008 selecionará parceiros estratégicos para o programa Juro Zero. O objetivo é selecionar novos agentes operadores do programa. O envio das propostas pode ser feito até o dia 29 de agosto.

O volume de recursos a ser disponibilizado inicialmente para cada agente operador será de R$ 10 milhões. Podem se candidatar instituições públicas ou privadas, individualmente ou em arranjos, que demonstrem capacidade técnica e gerencial para avaliar e acompanhar planos de negócios ou projetos compatíveis com o escopo do Juro Zero.

Hoje, o programa está disponível em cinco unidades da Federação. São elas: Santa Catarina, Paraná, Bahia, Minas Gerais e Pernambuco. A intenção da financiadora é ampliá-lo para todo o país. Veja a íntegra do edital por este link.

Fonte: Gestão CT

Compras compulsivas: uma revisão e um relato de caso

Compras sem controle
Ainda não existe um consenso entre pesquisadores sobre as causas do transtorno do comprar compulsivo (TCC), definido como uma dependência comportamental. Mas, de acordo com uma pesquisa feita na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), a hipótese biológica atual sobre os mecanismos ligados a esse problema envolve alterações na regulação do sistema de recompensa cerebral e nos mecanismos de regulação da resposta ao estresse.

O estudo foi coordenado por Hermano Tavares, do Ambulatório de Jogo Patológico e Outros Transtornos do Impulso (Amjo) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP. Participaram também Daniel Fuentes, da Unidade de Psicologia e Neuropsicologia do mesmo instituto, Donald Black, da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, e Daniela Sabbatini Lobo, do Centro de Dependência e Saúde Mental da Universidade de Toronto, no Canadá.

O objetivo da pesquisa, publicada na Revista Brasileira de Psiquiatria, foi apresentar uma revisão sobre o TCC. De acordo com Daniela, que realiza pós-doutorado no Canadá, depois de ter concluído o doutorado na USP, o transtorno pode ser definido como ocorrência de um comportamento impulsivo que continua a ser repetido apesar de provocar – ou ter o potencial de provocar – conseqüências negativas.

As conseqüências, segundo ela, não são exclusivamente financeiras. “Pessoas com TCC apresentam dificuldades em relacionamentos pessoais e no trabalho, que são colocados em segundo plano”, disse.

Segundo ela, é importante distinguir as compras normais das descontroladas, mas a distinção não é feita com base na quantidade de dinheiro gasto ou no nível de renda. “O TCC é caracterizado a partir da extensão da preocupação, do nível de angústia pessoal e do desenvolvimento de conseqüências adversas”, explicou.

“Muitas pessoas compram em excesso ocasionalmente, em situações especiais, como aniversários e férias, mas o gasto excessivo episódico por si só não constitui evidência para confirmar um diagnóstico de TCC”, disse.

Diagnóstico difícil
Alguns estudos anteriores associaram o TCC ao transtorno de humor, transtorno obsessivo-compulsivo e transtorno do impulso, mas a nova pesquisa destaca a necessidade de uma diferenciação.

“Pessoas com transtorno bipolar, durante a fase de mania, podem fazer gastos excessivos, porém, esse comportamento ocorre em conjunto com outros sintomas. A diferenciação entre transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno bipolar e TCC deve ser feita pelo psiquiatra e, cada um deles, deve ser tratado de forma diferente”, disse Daniela.

Segundo a pesquisadora, pacientes com TCC freqüentemente apresentam episódios depressivos. “No entanto, não se pode dizer que o transtorno foi causado pela depressão. Em geral, pessoas que apresentam o problema podem apresentar piora dos sintomas se, simultaneamente, ocorrer um episódio de transtorno depressivo.”

Os primeiros estudos sobre TCC revelaram uma maior freqüência em mulheres. Esse fato poderia decorrer de fatores culturais, ou ter ligação com a forma como o transtorno foi investigado.

“Muitas vezes, homens também têm TCC. Homens, em geral, compram itens mais caros e maiores, como carros, computadores, eletrônicos, enquanto mulheres geralmente compram uma grande quantidade de itens de menor valor, como sapatos, bijuterias, roupas, jóias”, disse Daniela.

A pesquisadora destaca que o transtorno do comprar compulsivo atinge todas as classes sociais e que ainda não há trabalhos que investigaram se há maior freqüência em indivíduos com maior poder aquisitivo.

O estudo aponta que não existe um tratamento padrão. A avaliação é feita pelo psiquiatra para determinar o tipo de tratamento mais indicado. O tratamento envolve psicoterapia e também o uso de medicamentos.

“O uso e a escolha das medicações apropriadas dependem da gravidade do caso e da existência ou não de outros problemas, por exemplo, de comorbidade com transtorno depressivo, transtorno de ansiedade e dependência de substâncias. Outro aspecto importante no tratamento é o esclarecimento aos familiares sobre o TCC. Quando possível e se bem orientado, o envolvimento da família no tratamento pode ser benéfico”, disse.

Daniela aponta que os estudos em TCC ainda estão em estágio bastante inicial, portanto ainda há muito a ser investigado. São necessários estudos epidemiológicos em regiões com diferentes aspectos culturais e estudos mais detalhados sobre a psicopatologia do transtorno. “Esses dados podem então auxiliar o delineamento de pesquisas voltadas aos aspectos biológicos do TCC e ao seu tratamento”, destacou.

Para ler o artigo Compras compulsivas: uma revisão e um relato de caso, disponível na biblioteca on-line SciELO (Bireme/FAPESP), clique aqui.

Fonte: Alex Sander Alcântara / Agência FAPESP

PDE debate Arranjo Educativo Local

No dia 28, o Ministério da Educação (MEC) realizou, em Brasília, o Encontro Nacional de Educação PDE: uma visão institucional. Na ocasião, representantes do setor educacional defenderam a união entre o governo federal, os sistemas educacionais estaduais e municipais e as instituições públicas de ensino superior. Essa união é conhecida pelos especialistas na área como arranjo educativo local.

Durante o evento, a secretária de Educação Básica do MEC, Maria do Pilar Lacerda, destacou que se o Brasil cumprir as metas do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), alcançará índices educacionais semelhantes aos que são apresentados em países desenvolvidos. “Para que isso ocorra, é preciso que haja uma união entre o governo federal, os sistemas educacionais estaduais e municipais e as instituições públicas de ensino superior”, destacou.

Pilar lembrou que existe uma preocupação no ministério com relação ao processo de transição dos secretários de educação que pode ocorrer com as eleições deste ano. De acordo com o MEC, é comum que os secretários, diante da vitória da oposição, dificultem o acesso às informações sobre os projetos que vêm sendo desenvolvidos em suas gestões. “Ocorre que, neste caso, os grandes prejudicados são os estudantes”, disse.

Ainda segundo o MEC, uma das estratégias adotadas pelo órgão para impedir que esse processo de descontinuidade das ações ocorra é a elaboração dos Planos de Ações Articuladas (PAR). Por meio da iniciativa, tanto o ministério quanto as secretarias estaduais e as universidades ficam com uma espécie de memória da situação educacional dos municípios. “Já disponibilizamos cerca de R$ 22 milhões para a elaboração dos planos”, afirmou Pilar.

Os municípios que apresentaram os mais baixos índices educacionais serão priorizados para receber o atendimento técnico e financeiro do MEC. Como neste ano foi divulgado um novo resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), houve um aumento do número de municípios prioritários. Os que obtiveram baixos índices em 2005 continuarão como prioridade, mesmo que o Ideb tenha melhorado. “Eles não continuarão com essa melhora se o trabalho que começamos for deixado de lado”, ressaltou a secretária. O número de cidades que contarão com apoio especial do MEC até 2021 passou de 1.242 para 1.788.

O Encontro Nacional de Educação contou com a participação de representantes da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições de Ensino Superior (Andifes), da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Públicas Estaduais e Municipais (Abruem), do Conselho dos Dirigentes dos Centros Federais de Educação Tecnológica (Concefet), do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

Informações podem ser obtidas no site www.mec.gov.br. (Com informações do MEC)

Fonte: Gestão CT

Brasil e Costa Rica assinam acordos sobre energia, biocombustíveis e meio ambiente

Brasil e Costa Rica firmam no último dia 30 termos de cooperação técnica nas áreas de biocombustíveis, manutenção de centrais elétricas, serviços postais, saúde e meio ambiente.

Os documentos foram assinados durante encontro entre o presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Oscar Arias Sánchez, no Palácio do Planalto. O mandatário do país centro-americano foi homenageado com um almoço oferecido pelo governo brasileiro, no Palácio Itamaraty.

A agenda de Oscar Arias Sánchez no Brasil também incluiu visita à sede rural da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em Brasília, para conhecer os avanços em pesquisas nas áreas de agricultura e biotecnologia.

Fonte: Agência Brasil

Seminário: "Fronteiras do Audiovisual nos Mundos Virtuais: Pesquisa, Desenvolvimento, Inovação"

Fronteiras do Audiovisual nos Mundos Virtuais
O seminário Fronteiras do Audiovisual nos Mundos Virtuais: Pesquisa, Desenvolvimento, Inovação será apresentado pelo fundador e editor do Journal of Virtual Worlds Research (www.jvwresearch.org), Jeremiah Spence, no dia 6 de agosto, às 9 horas, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP).

Plataformas da web em três dimensões, como o Second Life, Lively e OpenSim, levam o mercado de mundos virtuais a um novo estágio de criação e crescimento, abrindo oportunidades de negócios e promovendo modelos pedagógicos inovadores. Esse será o tema abordado pelo palestrante, que discutirá pesquisa, desenvolvimento e inovação em aplicações, produtos e serviços em mundos virtuais.

Especialista em teoria de comunicações internacionais e política tecnológica pela Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos, Spence tem apresentado palestras relacionadas a pesquisa, desenvolvimento e inovação em mundos virtuais na Europa, Estados Unidos e Canadá.

Spence foi pesquisador na Escola do Futuro na USP e no Instituto de Ciência da Informação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). É pesquisador associado ao grupo Cidade do Conhecimento, da USP.

Mais informações: www.cidade.usp.br

Fonte: Agência FAPESP

Finep lança dois editais do Sibratec

A Finep lançou, ontem (30), duas novas chamadas públicas para selecionar as instituições que integrarão as Redes de Extensão Tecnológica e as Redes de Prestação de Serviços Tecnológicos do Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec). As instituições interessadas poderão apresentar uma proposta preliminar, até o dia 28 de agosto.

Com o objetivo de promover a assistência especializada às micro, pequenas e médias empresas, por meio de arranjos institucionais constituídos por entidades locais de apoio técnico, gerencial e financeiro, a chamada que trata das Redes de Extensão Tecnológica ampliará e facilitará o acesso das empresas às informações e aos conhecimentos disponíveis nos institutos de pesquisa tecnológica e nas instituições científicas e tecnológicas.

Na primeira fase, os interessados deverão apresentar propostas preliminares por meio do preenchimento de formulário que estará disponível no site da Finep, no dia 2 de agosto. O formulário preenchido deverá ser encaminhado junto com a documentação solicitada para o e-mail .

Na segunda fase, quem tiver a proposta preliminar selecionada estará habilitado a apresentar o projeto completo de implantação ou consolidação da rede, até 22 de outubro. Serão avaliados projetos com valor mínimo de R$ 1 milhão e máximo de R$ 3 milhões. O edital recomenda que todas as instituições envolvidas cadastrem-se no Portal Inovação, no endereço www.portalinovacao.mct.gov.br .

Cada uma das redes apresentadas deverá ser liderada por uma instituição coordenadora, que vai assumir a coordenação técnica da rede. As instituições privadas sem fins lucrativos poderão participar da chamada se tiverem, no mínimo, três anos completos de existência.

As Redes de Extensão Tecnológica serão organizadas conforme as especialidades produtivas locais e as políticas estaduais de desenvolvimento econômico, sem ter temas previamente definidos. A chamada tem recurso total de R$ 40 milhões, não-reembolsáveis, oriundo do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

Veja a íntegra da chamada para Redes de Extensão Tecnológica neste link.

Serviços tecnológicos
A chamada pública que seleciona instituições para integrarem as Redes de Serviços Tecnológicos visa a promover a prestação de serviços de metrologia, normalização e avaliação de conformidade, apoiando prioritariamente as micro, pequenas e médias empresas, para que respondam às exigências técnicas do mercado e às demandas estratégicas do país. O envio de propostas preliminares poderá ser feito até o dia 6 de setembro, também por meio de formulário que será disponibilizado no site da Finep, para o e-mail.

Podem se candidatar à seleção instituições públicas ou privadas sem fins lucrativos, definidas como de ensino, pesquisa ou desenvolvimento, que comprovem experiência na prestação de serviços tecnológicos de calibração, ensaios e análises ao setor empresarial.

Entre os temas priorizados para a chamada, baseados na Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP), destacam-se programas na área da saúde, tecnologias de informação e comunicação, energia, defesa e de segurança, indústrias e biocombustíveis.

Veja a íntegra da chamada para Redes de Serviços Tecnológicos neste link.(Com informações do MCT)

Fonte: Gestão CT

Governo oferece qualificação profissional no setor de construção civil

O governo federal iniciou, na última segunda-feira (28), o contato com governos estaduais e prefeituras de 240 municípios, de 12 regiões metropolitanas, para colocar em prática o Plano Setorial de Qualificação (Planseq Bolsa Família). O objetivo é capacitar 185 mil beneficiários do Bolsa Família como operários da construção civil.

Nesta fase, 1.200 gestores municipais e estaduais da assistência social e do Bolsa Família e coordenadores dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) receberão informações sobre o Planseq Bolsa Família.

Para participar do Planseq Bolsa Família, o beneficiário deve ser maior de 18 anos e ter pelo menos a 4ª série do ensino fundamental completa. Será assegurada a participação de, no mínimo, 30% das mulheres. Também será levado em conta o Índice de Desenvolvimento da Família (IDF). As famílias com beneficiários nesse perfil receberão uma carta do governo federal que explica o Planseq Bolsa Família e solicita a indicação de um de seus integrantes para se cadastrar no Sistema Nacional de Emprego (Sine), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com o objetivo de participar dos cursos.

Os cursos de qualificação, realizados por instituições contratadas pela União, Estados e municípios terão duração de 200 horas/aula divididas em duas etapas: 80h teóricas e 120h de prática.

A meta é inserir os beneficiários, por meio da qualificação social e profissional, nas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em ocupações como as de pintor, azulejista, encanador, carpinteiro, mestre-de-obras, desenhista, eletricista, operador de trator, gesseiro, auxiliar de escritório e almoxarife. O setor da construção civil foi escolhido, inicialmente, por estar em plena expansão no país.
De acordo com informações da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, a secretária executiva do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Arlete Sampaio, disse que a idéia e priorizar a autonomia financeira de famílias em situação de vulnerabilidade social. Segundo Sampaio, os fatores que levam as pessoas a essa situação estão: o baixo nível de escolaridade e a falta de qualificação profissional. De acordo com Sampaio, é preciso mobilizar os beneficiários para que ao menos um membro da família participe dessa atividade.

Com a capacitação, o governo pretende ampliar as oportunidades de inclusão produtiva, adequar os cursos de qualificação às necessidades locais, estimular a articulação entre os setores de trabalho e assistência social e atender à demanda do mercado por mão-de-obra qualificada. Os investimentos giram em torno de R$ 145 milhões.

Após a etapa de preparação dos gestores, que será realizada no período de um a cinco dias, será realizada a qualificação profissional dos beneficiários do Bolsa Família, prevista para começar em setembro.

Na segunda-feira (28) começaram os encontros com gestores dos municípios das regiões metropolitanas de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Fortaleza (CE). No dia 30 foram as cidades que compõem a Grande Porto Alegre (RS). Hoje (31), as reuniões acontecem nos municípios das regiões de Recife (PE) e Campinas (SP).

No dia 4 de agosto a mobilização envolverá as regiões metropolitanas de Curitiba (PR), Salvador (BA) e da Baixada Santista (SP). No dia 5, as reuniões serão em Belém (PA). No dia 7 de agosto, será a vez de Manaus (AM), do Distrito Federal e o entorno. Na grande Belo Horizonte (MG) o início será dia 11.

Mais informações podem ser obtidas por meio no site . (Com informações da Secretaria de Comunicação da Presidência da República)

Fonte: Gestão CT

CGEE realiza o 5º Plano Diretor e do Plano Geral das Unidades da Embrapa

Encontro Estratégico traz consultor para apresentar metodologia de Planejamento Estratégico da Embrapa; horizonte é 2023

A metodologia utilizada para a elaboração do V Plano Diretor e do Plano Geral das Unidades, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), foi o tema do terceiro encontro da série Encontros Estratégicos, organizado pelo Núcleo de Competência Metodológica do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Antônio Freitas, um dos consultores da Embrapa diretamente envolvidos no processo que levou a ambos os Planos falou ao público interno do CGEE.

De acordo com Silvia Velho, assessora da presidência do CGEE e responsável pela agenda dos encontros, a Embrapa destaca-se pela competência em recursos humanos e estratégias de avaliação de impactos de sua atuação – o que, segundo ela, “é pouco comum no Brasil.” Aprovado pelo Conselho de Administração da Embrapa (Consad) em abril, o 5º Plano Diretor (PDE) foi elaborado no 2º semestre de 2007. O horizonte temporal é 2008 a 2023. A novidade do V Plano em relação a anteriores foi a agregação de uma visão de longo prazo.

A apresentação de Freitas se concentrou na metodologia e nos principais resultados do PDE. O consultor foi um dos especialistas mais envolvidos na operacionalização do 5º PDE e do 4º PDU. Sua experiência na Embrapa – trabalhou por 30 anos anos na área de gestão e planejamento – levou o CGEE a escolher Freitas para participar da segunda fase do estudo do CGEE sobre o papel das Organizações Estaduais de Pesquisa Agropecuária (Oepas). “Ele fará uma análise comparativa entre os planos delineados nas 17 Oepas e os PDUs da Embrapa para ver de que maneira eles se ajustam”, explicou Silvia Velho.

O V Plano Diretor da Embrapa
Antônio Freitas iniciou a apresentação com o estudo de cenários que deu origem ao Planejamento Estratégico. Essa fase consistiu em avaliar elementos com potencial de impacto para a empresa até o ano de 2023. Os cenários foram construídos com a colaboração da Rede de Inovação e Prospecção Tecnológica para o Agronegócio (Ripa) e mostram oportunidades e ameaças para a empresa durante o período de vigência do Plano Diretor.

Na lista de oportunidades, apareceram: o aumento da demanda por tecnologias para produção de agroenergia, de alimentos nutracêuticos e orgânicos; a superação de barreiras tarifárias e não-tarifárias aos produtos agropecuários brasileiros; a exploração sustentável dos biomas para o desenvolvimento da produção das diversas regiões e a ampliação da inserção internacional dos produtos brasileiros. Do lado das ameaças, estão: investimentos insuficientes em recursos humanos e infra-estrutura e a possível entrada de concorrentes externos no mercado nacional. O desafio para a empresa agora é desdobrar o 5º PDE nos PDUs, que orientará as diretrizes das unidades descentralizadas espalhadas por todo o Brasil de 2008 a 2011.

O consultor da Embrapa acredita que a metodologia do PDE pode servir de modelo para outras instituições. “A literatura de administração é perfeitamente ajustável a planejamentos estratégicos de qualquer órgão, desde que eles se atenham as suas especificidades”, acredita. A respeito da metodologia apresentada por Freitas, o assessor técnico do CGEE, Antonio Guedes, presente à reunião, comentou que ela pode contribuir para o enriquecimento das atividades de planejamento e gestão do Centro. “O processo de planejamento não pode ser uma caixa fechada, e quem o utiliza deve sempre estar aberto a novas idéias, abordagens metodológicas e principalmente à propriedade da metodologia empregada em cada caso. O CGEE pode aprender bastante se agir assim”.

Encontros Estratégicos
A idéia do Núcleo de Competência Metodológica surgiu no início do ano, a partir da necessidade de reuniões de debate interno que o CGEE pretende estabelecer como prática freqüente. Por enquanto, elas estão sendo realizadas esporadicamente, mas a partir de agosto passarão a acontecer de forma sistemática, sempre às quintas-feiras.

Por enquanto, duas atividades estão previstas pelo Núcleo: os Encontros Estratégicos, que já acontecem uma vez por mês, sempre com a participação de convidados de outras instituições; e três seminários de nivelamento mensais, que consistem em reuniões com membros do CGEE voltadas a reflexões abertas sem determinações prévias. Esses seminários serão sobre temas trabalhados nas atividades do CGEE.

Lélio Fellows, coordenador do Núcleo do CGEE, acredita que esses eventos realizados regularmente darão a oportunidade à equipe de sair da agenda atribulada do dia-a-dia e dedicar um tempo à reflexão, necessária para o êxito do trabalho da organização. “Uma agenda como essa, fora da rotina, permite uma análise interna mais acurada e aprofundada das competências das áreas de trabalho, além de perceber os desdobramentos da nossa produção e de atividades de outras instituições sintonizadas com o trabalho do CGEE”.

O convidado do próximo Encontro Estratégico será Reginaldo Braga Arcuri, presidente da Agência Brasilieira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que apresentará o Plano de Desenvolvimento Produtivo. “A ABDI é uma das nossas principais parceiras atualmente, em especial nos Estudos Prospectivos Setoriais. Arcuri mostrará na palestra como a Associação está enxergando o futuro da indústria no Brasil”, antecipa.

As reuniões de nivelamento serão inauguradas no dia sete de agosto com um seminário geral sobre idéias e estudos, incluindo algumas escolas de pensamento. “O objetivo é chegarmos a um conceito de pesquisa e avaliação mais ajustado às metas do CGEE”, esclarece Lélio.

O coordenador afirma, ainda, que os encontros abrem a possibilidade de alimentar com novidades os conceitos que, em tese, já estão sedimentados. “Como trabalhamos muito com a idéia de futuro, precisamos aprofundar os conhecimentos já cristalizados para enxergarmos algo novo. Dessa forma, podemos nos manter mais sintonizados com o que está acontecendo no mundo.”

Fonte: CGEE

Aumenta o poder de negociação dos países emergentes

Poder emergente
Nos últimos 20 anos, de acordo com a cientista política norte-americana Helen Milner, as relações entre países desenvolvidos e em desenvolvimento mudaram radicalmente e muitas nações do hemisfério Sul conquistaram um poder de barganha muito maior sobre as mais ricas do planeta.

Nesse novo contexto, segundo ela, em vez de atacar instituições internacionais como o FMI e o Banco Mundial, os países em desenvolvimento deveriam buscar uma representatividade maior dentro dessas organizações, cuja extinção seria prejudicial principalmente para eles mesmos.

A diretora do Centro de Globalização e Governança da Escola Woodrow Wilson da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, descreveu o processo de ascensão dos países em desenvolvimento no cenário mundial durante conferência apresentada no 6º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP), que termina nesta sexta-feira (1º/8) na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Antes de se tornar professora de política internacional em Princeton, em 2004, Helen lecionou na Universidade Colúmbia por 18 anos. Em 1986, ganhou o prêmio Sumner, da Universidade de Harvard, por tese sobre direito internacional e paz. É autora de nove livros sobre globalização e desenvolvimento.

A pesquisadora destacou três fatores responsáveis pelas mudanças das relações entre o Sul e o Norte do planeta: globalização, desenvolvimento e governança internacional. “Esses três itens formam uma combinação única, nunca antes vista”, afirmou.

Para Helen, a balança do poder mundial tem encontrado outros pontos de peso que não se limitam ao poderio financeiro ou militar de um país. “Não podemos dizer que o poder militar, por exemplo, seja hoje determinante para que uma nação exerça influência sobre outras. Brasil, Coréia do Sul e Japão são países influentes em suas regiões e não é por causa de seu poderio militar”, argumentou. Segundo ela, outros tipos de poder também devem ser determinantes nas relações internacionais, como o das idéias ou o da política doméstica.

As administrações domésticas foram destacadas pela cientista política. Segundo ela, para as nações se desenvolverem é preciso tranqüilidade interna, o que não vem ocorrendo com a China, por exemplo, onde obstáculos locais poderão se tornar uma pedra no caminho do gigante asiático.

Helen salientou o aumento da desigualdade social chinesa que caminha junto com o seu desenvolvimento. “As classes sociais estão enriquecendo, mas não na mesma proporção, e esse aumento das desigualdades também preocupa o mundo”, disse, prevendo um aumento dos focos de tensões internas em nações como a China e que podem atrapalhar o desenvolvimento mundial.

Por dentro do poder
A professora de Princeton criticou os ataques às instituições internacionais como o FMI e o Banco Mundial dizendo ser “simplista” considerar que elas prejudicam os países pobres só porque são formadas pelos países ricos. “Devemos fazer um exercício de imaginar como seria o mundo se não houvesse essas entidades no passado e também como seria o futuro sem elas”, afirmou.

Helen Milner acredita que os países em desenvolvimento têm mais a perder do que os desenvolvidos caso o FMI, por exemplo, venha a desaparecer. Por outro lado, reconhece que a representatividade dos países dentro dessas organizações não é igualitária.

“Os novos players asiáticos aumentaram seu nível de influência no globo e não ocorreu o mesmo em sua participação nas instituições mundiais”, analisou. Com base nessa constatação, sugere que os países do hemisfério Sul não busquem a extinção das entidades econômicas mundiais, mas que briguem por mudanças dentro delas.

O desenvolvimento econômico mundial também tem uma faceta perversa nas relações Norte-Sul, pois, segundo ela, a prosperidade dos países em desenvolvimento está gerando um endurecimento nos acordos com os países desenvolvidos.

“Está cada vez mais difícil que os Estados Unidos e a União Européia desistam de seus subsídios agrícolas, pois eles estão vendo que os países em desenvolvimento estão indo bem”, exemplificou.

Quanto à governança internacional, Helen lembra que nunca houve tantas ONGs, instituições e corporações privadas transnacionais como hoje. Cada país do mundo, diz ela, pertence a pelo menos uma instituição internacional. Essas entidades formam redes mundiais e representam novos laços entre as nações.

As nações em desenvolvimento levariam vantagem, segundo ela, com a interdependência imposta em várias áreas das atividades humanas pela globalização. Como exemplo, ela cita o caso da gripe asiática, que a China tentou resolver internamente, mas acabou atingindo o Canadá e depois os Estados Unidos.

“As doenças não respeitam fronteiras”, disse. Além da área da saúde, o setor da segurança e o campo do meio ambiente seriam outros pontos de interdependência mundial. “Os Estados Unidos não conseguem despoluir sozinhos o seu meio ambiente. A Califórnia recebe hoje poluição do ar que vem da China atravessando o Pacífico. Se isso acontece com o país mais poderoso do mundo, pode acontecer com qualquer outro”, disse.

Fonte: Fábio Reynol / Agência FAPESP

Lançado o plano “Mais Pesca e Aquicultura”

No dia 29, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, lançou, em Salvador (BA), o Plano “Mais Pesca e aqüicultura”. A iniciativa pretende fomentar a produção de pescado no país e conta com metas até 2011. Entre elas, estão previstas medidas de incentivo à criação em cativeiro, a pesca oceânica, o estímulo ao consumo e a melhoria das condições sociais e de trabalho dos pescadores artesanais.

De acordo com o plano, a produção de pescado deverá ter um aumento de cerca de 40%, devendo passar das atuais um milhão de toneladas para 1,4 milhão por ano. O setor de infra-estrutura deverá ser contemplado com a construção de 20 terminais pesqueiros públicos. Entre os Estados beneficiados, estão o Rio de Janeiro e a Bahia.

Os empreendimentos deverão proporcionar melhores condições de comércio do pescado nas regiões onde serão implantados.

Também serão construídos 120 Centros Integrados da Pesca Artesanal e aqüicultura (Cipar). Eles deverão reunir uma série de atividades voltadas para a organização da produção. O objetivo é o aumento da renda e capacitação dos pescadores. Os centros serão construídos de forma estratégica visando atender as necessidades das comunidades e colônias de pescadores do país.

O plano ainda aponta a aqüicultura como atividade com papel fundamental para o aumento da produção pesqueira no país. Está prevista a demarcação de 40 reservatórios de águas da União para a criação de pescado em cativeiro e a implantação dos Planos Locais de Desenvolvimento da Maricultura (PLDM) em 13 Estados.

Além disso, o planejamento também incentivará a pesca oceânica, que contará com R$ 1,5 bilhão das linhas de crédito do Programa de Desenvolvimento da Frota Nacional Oceânica (Profrota Pesqueira). Esses financiamentos contemplarão a construção e a modernização da frota com prazo de até 18 anos para quitação e juros entre 7% e 12%, dependendo da capacidade do tomador do empréstimo. “Queremos que os pescadores artesanais trabalhem com tranqüilidade, sabendo que haverá proteção do Estado brasileiro”, disse Lula.

As ações do plano serão viabilizadas por meio de convênios e acordos de cooperação técnica com o Ministério da Integração, Ministério do Trabalho, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes, Embrapa, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Ministério da Educação, Secretaria dos Portos, Marinha e Furnas Centrais Elétricas.

Informações sobre as ações da Secretaria Especial de aqüicultura e Pesca da Presidência da República podem ser obtidas neste link. (Com informações da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República)

Fonte: Gestão CT

Decreto altera composição do Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual

Publicado, na edição do dia 29 do Diário Oficial da União, um decreto que altera a composição do Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual. Agora, a instância conta com a participação do Ministério da Fazenda e da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

O Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual atua no âmbito da Câmara de Comércio Exterior (Camex) do governo federal. O colegiado foi criado com a atribuição de propor a ação governamental no sentido de conciliar as políticas interna e externa visando o comércio exterior de bens e serviços relativos à propriedade intelectual.

Entre outros objetivos, o grupo pretende: aportar subsídios para a definição da política de propriedade intelectual; propor o planejamento da ação coordenada dos órgãos responsáveis pela implementação dessa política; e manifestar-se previamente sobre as normas e a legislação de propriedade intelectual e temas correlatos.

A instância é presidida pelo presidente da Camex e conta com a participação de órgãos como os ministérios da Agricultura e Abastecimento; da Ciência e Tecnologia; da Cultura; do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; da Justiça; das Relações Exteriores; e da Casa Civil da Presidência da República.

O decreto que altera a composição do grupo está disponível neste link.
Fonte: Gestão CT

Cnem lança consulta pública para aperfeiçoamentos do Projeto de Norma NN-6.02

A Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen/MCT) está recebendo sugestões e comentários que poderão ajudar no aprimoramento de normas que regulamentam o Licenciamento de Instalações Radiativas. A consulta visa o aperfeiçoamento do Projeto de Norma NN-6.02. Os interessados em enviar contribuições para a consulta pública poderão encaminhar as sugestões até o dia 8 de setembro.

O Projeto de Norma é uma proposta de revisão da Norma CNEN-NE-6.02-Licenciamento de Instalações que está atualmente em vigor e se aplica às atividades relacionadas à localização, construção, operação, modificação e retirada de operação de instalações radiativas, bem como ao controle de fontes de radiação.

A íntegra do edital e o formulário de cadastro estão disponíveis neste link.(Com informações do MCT)

Fonte: Gestão CT

Anac oferece 23 bolsas de estudo para formação prática de pilotos civis no Rio Grande do Sul

As inscrições para os candidatos a 23 bolsas de estudo do programa de formação prática de pilotos civis da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) estão abertas e podem ser feitas até o dia 4 de agosto.

A Anac oferece bolsas relativas a 75% das horas-aula necessárias à formação prática de cada licença em aeroclubes no Rio Grande do Sul.

Os aeroclubes participantes são: Bento Gonçalves, Carazinho, Caxias do Sul, Eldorado do Sul, Erechim, Montenegro, Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul (Porto Alegre), Santa Cruz do Sul, Santa Maria e Veranópolis. Das 23 bolsas disponíveis, 19 são para Pilotos Privados (PP) e 4 para Pilotos Comerciais (PC). As exigências para concorrer às bolsas de estudo são:

• Piloto Comercial de Avião - O candidato deve ter menos de 36 anos até a data de inscrição; ter concluído o ensino médio; apresentar certificado de capacitação física de 1ª classe - nível PC; ter sido aprovado na banca de exames da Anac para PC, com validade posterior a 10 de janeiro de 2009; e possuir, no mínimo, 29 horas de vôo de instrução realizadas em curso de PC em entidade homologada ou 79 horas se não realizadas em entidade homologada pela Anac.

• Piloto Privado de Avião - O candidato deve ter menos de 31 anos até a data de inscrição; ter concluído o ensino fundamental; apresentar certificado de capacidade física de 2ª classe - nível PP; ter sido aprovado na banca de exames da Anac para PP de avião, com validade posterior a 10 de janeiro de 2009; e possuir, no mínimo, 9 horas de instrução prática realizada em entidade de ensino homologada ou 14 horas, em entidade não-homologada pela Anac.

As bolsas de estudo da Anac compreendem um projeto pioneiro na formação de pilotos, desenvolvido inicialmente no Estado do Rio Grande do Sul sob a supervisão da Superintendência de Estudos, Pesquisa e Capacitação da Anac.

O processo seletivo consta, além da inscrição gratuita, de prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, e de exame de proficiência técnica, também de caráter eliminatório. Depois de comprovadas essas condições, é realizada a matrícula no curso. Para obter mais informações o candidato enviar mensagem para o e-mail para o endereço eletrônico , ou entrar em contato pelo telefone (51) 3373-5555.

Informações adicionais podem ser obtidas neste link.

Fonte: Gestão CT

Secitec e Sebrae realizam seminários tecnológicos em Municípios de Mato Grosso

Diversos municípios localizados em pontos estratégicos de Mato Grosso estão sendo contemplados com seminários promovidos pela Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Secitec) e pelo Sebrae. Os eventos levam aos pequenos empresários informações sobre inovação de produtos e serviços.

No dia 24, o seminário foi realizado no município de Tangará da Serra. Os eventos também já ocorreram em Barra do Garças e Guarantã do Norte. As cidades de Cáceres, Sinop e Rondonópolis ainda serão contempladas com a iniciativa. O Seminário Tecnologia para pequenos negócios é realizado por um período de três dias. Além de palestras, o evento contempla várias oficinas.

No evento de Tangará da Serra, o seminário teve início no dia 22. No encontro, foram debatidos os seguintes temas: Tecnologia e inovação: essenciais para a sobrevivência da sua empresa; Incubadora de empresa – Uma nova forma de empreender; Torne sua loja mais atraente; Automação Comercial; Boas práticas de higiene: como evitar a contaminação dos alimentos; Desperdício: saiba como reduzir.

O seminário ainda contou com oficinas sobre modelagem para confecção e sobre boas práticas de higiene para evitar a contaminação dos alimentos.

Informações sobre as ações da Secitec/MT: www.secitec.mt.gov.br.

Fonte: Gestão CT

Fapitec/SE divulga os resultados de dois editais

No dia 23, a Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (Fapitec) divulgou o resultado de dois editais. O primeiro deles agrega os programas de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic) e o de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Pibiti). Já o segundo é voltado à realização das Olimpíadas de Ciências em Sergipe.

A primeira chamada concedeu 80 bolsas de iniciação científica e 20 bolsas de iniciação tecnológica para alunos das instituições de ensino superior e/ou pesquisa do Estado. A instituição que mais obteve bolsas foi a Universidade Federal de Sergipe, com 65 para o Pibic e 19 para o Pibiti.

A Universidade Tiradentes (Unit) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Tabuleiro Costeiros (Embrapa/CPATC) também foram contempladas pelo edital. No total, a chamada disponibilizará R$ 360 mil. O montante é oriundo do Fundo Estadual para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funtec).

Já o edital de Olimpíadas de Ciências se refere apenas à primeira fase estipulada, para atividades no período de primeiro de setembro a 31 de dezembro. A chamada objetiva apoiar a realização de Olimpíadas de Ciências no Estado, visando a melhoria dos ensinos fundamental e médio. A iniciativa também pretende identificar e estimular jovens talentos para carreiras científico-tecnológicas.

Os selecionados são pesquisadores individuais vinculados a instituições de ensino superior ou a institutos e centros de pesquisa e desenvolvimento, públicos ou privados, sem fins lucrativos, sediadas em Sergipe. Serão financiados itens como passagens e despesas com locomoção, diárias, material de consumo, despesas bancárias e outros serviços. Este edital ainda conta com uma segunda etapa, relacionada a eventos que ocorram de 1º de janeiro a 31 de agosto de 2009. O dia 3 de novembro é a data limite para a apresentação de propostas.

Os resultados dos editais estão disponíveis neste link. Com informações da Fapitec)

Fonte: Gestão CT

Epamig completa 34 anos de existência

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) completará, no dia 6 de agosto, 34 anos de existência. Para marcar a data, a direção e os funcionários da empresa vão realizar, no auditório da sede, uma cerimônia que vai homenagear um dos precursores da Epamig, o ex-ministro da Agricultura Alysson Paulinelli e um pesquisador da empresa, como representante de todos os funcionários.

Com sede em Belo Horizonte (MG), a empresa conta com cinco Centros Tecnológicos no Sul de Minas, Norte, Triângulo e Alto Paranaíba, Zona da Mata e Centro-Oeste; 22 Fazendas Experimentais; três Núcleos Tecnológicos: Batata e Morango, em Pouso Alegre, Uva e Vinho, em Caldas e Azeitona e Azeite, em Maria da Fé; uma Estação Experimental, em Pouso Alegre; o Instituto de Laticínios Cândido Tostes, em Juiz de Fora; e o Instituto Técnico de Agropecuária e Cooperativismo, em Pitangui.

Desde 1974, a Epamig desenvolve pesquisas que visam a novas tecnologias para a qualidade dos alimentos, o bem estar da sociedade e o desenvolvimento sustentável do Estado. Atualmente, a empresa conta com 10 Programas de Pesquisa nessas áreas. São eles cafeicultura, olericultura, fruticultura, aqüicultura, silvicultura e meio ambiente, floricultura, agroenergia, produção em bovinos, grandes culturas e processamento industrial.

Além dos projetos, a empresa produz alguns produtos tecnológicos como o Informe Agropecuário. O informativo é uma publicação técnico-científica da Epamig para a difusão das tecnologias geradas ou adaptadas pelos programas de pesquisa. Cada edição é dedicada aos aspectos de uma cultura ou atividade agropecuária, contribuindo para o desenvolvimento do agronegócio no Estado e no país.

A empresa também publica boletins técnicos e a série documentos e comercializa produtos e serviços como mudas diversas e sementes; matrizes e reprodutores da raça Gir e Holandês e novilhas, vacas e bezerros mestiços; alevinos de tilápia; limpeza de grãos após colheita e limpeza e classificação de sementes; curso de leite e derivados e de aperfeiçoamento em técnicas de laticínios; e análises laboratoriais: bromatologia, fitopatologia e nematologia, qualidade de café, solos, planta e água, fertilizantes, corretivos e folhas.

Para aproximar os produtores rurais, principalmente os pequenos, das novas tecnologias, a empresa desenvolve o Programa Microrregional de Desenvolvimento Tecnológico da Agropecuária (Prodesag). A Epamig, por meio do programa, está reestruturando e revitalizando as fazendas experimentais existentes e implantando novas unidades em regiões onde a empresa ainda não atua.

Mais informações podem ser obtidas no site www.epamig.br (Com informações da Epamig)

Fonte: Gestão CT

Faperj divulga lista de aprovados no edital do Programa de Treinamento e Capacitação Técnica

A lista com as propostas aprovadas para o Programa de Treinamento e Capacitação Técnica (TCT) foi anunciada, no dia 24 de julho, pela Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj). O décimo primeiro edital lançado pela fundação vai contemplar um total de cem projetos.

Entre os beneficiados, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) obteve o maior número de solicitações aprovadas, foram 32 propostas. Em segundo lugar ficou a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), com 22. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) ocupa o terceiro lugar, com 13 projetos selecionados, seguida pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), com dez.

Ao todo, 12 instituições participantes tiveram propostas selecionadas. Foram contemplados ainda pesquisadores da Universidade Federal Fluminense (UFF), da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); do Instituto Cultural Cravo Albin (ICCA), da Universidade Federal do Estado do Estado do Rio de Janeiro (Uni-Rio) e da Universidade Santa Úrsula (USU).

Com recursos de R$1,2 milhão, o programa destina-se a treinar e aperfeiçoar técnicos de nível fundamental, médio e superior que participem de atividades de apoio a projetos financiados pela Faperj. As bolsas concedidas são de 40 horas de dedicação e têm diferentes níveis, de acordo com a qualificação dos bolsistas e o tipo de atividades que serão desenvolvidas nos grupos de pesquisa.

A data prevista para o início de vigência das bolsas é dia 1º de setembro de 2008. Os coordenadores dos projetos selecionados devem aguardar o comunicado da Faperj, por correio eletrônico, sobre a data de retirada dos termos de outorga.

Veja a lista dos selecionados neste link.

Mais informações podem ser obtidas no site www.faperj.br(Com informações da Faperj)

Fonte: Gestão CT

Seminário : “Madeira Energética – Uso eficiente com preservação ambiental”

Inee realiza seminário sobre uso energético da madeira
Nos dias 2 a 3 de setembro, o Instituto Nacional de Eficiência Energética (Inee) promoverá, na Academia Brasileira de Ciências (RJ), o seminário “Madeira Energética – Uso eficiente com preservação ambiental”. No dia 2, a programação será das 8h30 às 17h20. Já no dia 3 será das 9h às 16h20. O evento tem como objetivo apresentar a necessidade de regulamentação da biomassa da madeira e seus derivados para o uso energético, com definições das características para a comercialização.

O programa do seminário além de mostrar diferentes realidades relacionadas a essa fonte de energia, apresentará propostas de políticas governamentais para o uso energético da madeira e examinará a viabilidade do país avançar no que se refere à madeira energética.

As inscrições já estão abertas e poderão ser realizadas até o dia do evento.

Informações sobre a programação e inscrições estão disponíveis no link:
maden2008.inee.org.br/programa.html (Com informações da Agência Canal Energia)

Fonte: Gestão CT

Medida provisória transforma Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca em ministério

A Medida Provisória (MP) de nº 437, publicada no Diário Oficial da União (DOU) de ontem (30), transforma a Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca em Ministério da Pesca e Aqüicultura.

A MP foi assinada no dia 29, durante a solenidade de lançamento de um programa nacional de desenvolvimento sustentável para o setor (Mais Pesca e Aqüicultura), no bairro da Ribeira, em Salvador (BA). À frente da pasta está o secretário Altemir Gregolin, que já tinha status de ministro.

A criação do Ministério da Aqüicultura e Pesca garante ainda mais autonomia para as ações anunciadas, em Salvador, por meio do programa Mais Pesca e Aqüicultura – Plano de Desenvolvimento Sustentável.

Serão investidos no programa R$ 1,7 bilhão até 2011, com previsão também de linhas de crédito de cerca de R$ 1 bilhão. A meta é ampliar a produção pesqueira do país de 1 milhão para 1 milhão e 430 mil toneladas.

Veja a íntegra da MP neste link.

Fonte: Gestão CT

UEA lança banco de dados com fontes de financiamentos para pesquisa

A Universidade do Estado do Amazonas (UEA) disponibilizou um banco de dados com informações sobre fontes financiadoras para projetos de pesquisas científicas e tecnológicas, bolsas de pesquisas e eventos nacionais e internacionais em diversas áreas do conhecimento. Os interessados podem acessar os dados no site da instituição de ensino, à esquerda da página inicial do portal, no título “Informativo – Editais de Financiamento Abertos”.

A ação integra o Programa de Informação e Pesquisa Técnico-Científica (Proinf), da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa da UEA. A iniciativa oferece um banco de informações de oportunidades, que são atualizadas periodicamente.

Informações sobre as ações da UEA podem ser obtidas no site www.uea.edu.br. (Com informações da Fapeam)

Fonte: Gestão CT

Sancionada a lei que cria o Ceitec S/A

Lula sanciona lei que cria Ceitec S/A
O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva sanciona a Lei que cria o Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec S/A), empresa pública vinculada ao MCT. A cerimônia está prevista para ser realizada às 18h, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF). Na ocasião, estará presente o ministro de Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende.

A inserção do Brasil no mercado global de semicondutores está entre as principais metas do centro. O investimento feito no setor permitirá a implantação de outras empresas de microeletrônica no país, que vão estimular a formação e capacitação de mão-de-obra especializada e a modernização de outros setores industriais na América Latina.

No centro serão desenvolvidas tecnologias nas áreas de semicondutores e microeletrônica. A empresa poderá negociar a produção dos circuitos integrados, a concessão de licenças ou de direitos de uso de marcas e patentes, ou ainda promover a transferência de conhecimentos gerados na unidade. A empresa deve atuar nas áreas de formação de recursos humanos, por meio de intercâmbio com universidades e centros de excelência em pesquisa e desenvolvimento, com outros órgãos públicos e com empresas.

Fazem parte ainda da atuação da instituição a promoção e o suporte de empreendimentos inovadores nas áreas de software e hardware; o fornecimento de informações, disseminação de tecnologias alternativas e a realização de trabalhos integrados com instituições de pesquisa e desenvolvimento com outros órgãos públicos e empresas privadas.

Sediado em Porto Alegre (RS), o centro poderá contar com unidades em outros Estados e até no exterior. O Ceitec é uma empresa pública especializada no desenvolvimento e produção de circuitos integrados de aplicação específica (ASIC’s). A unidade já recebeu cerca de R$ 250 milhões em investimentos do governo federal e, até o fim de 2009, deve concluir a fabricação do primeiro circuito integrado desenvolvido no país.

Mais informações podem ser obtidas no site www.mct.gov.br (Com informações do MCT)

Fonte: Gestão CT