quinta-feira, 10 de julho de 2008

Radar Tecnológico diagnosticará 26 tecnologias até agosto

Até agosto, 26 tecnologias serão escolhidas pelo Programa Radar Tecnológico, que é desenvolvido por cinco incubadoras de empresas do Rio de Janeiro. O programa está finalizando a sua segunda fase, que é a de diagnosticar as tecnologias com maior potencial de se transformar em negócios. As incubadoras são do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ), Instituto Nacional de Tecnologia (INT), Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), Instituto Militar de Engenharia (IME/Exército) e Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), organizada em consórcio.

“O que as incubadoras têm em comum é o fato de estarem ligadas a instituições que desenvolvem pesquisa, são ICTs. Todas essas instituições tinham o pressuposto de que tinham tecnologias de qualidade sendo desenvolvidas”, informou Lucimar Dantas, gerente adjunta da incubadora de empresas da Coppe/UFRJ, incubadora âncora do consórcio.

Segundo Dantas, a primeira fase foi justamente o mapeamento das tecnologias desenvolvidas, dessas cinco instituições onde as incubadoras estão. “Como são cinco instituições muito grandes, não deu nem para a gente mapear 100% das tecnologias. Nós elegemos algumas áreas que sabíamos que tinham maior potencial e fizemos o mapeamento desses laboratórios”.

A gerente adjunta explicou que, a partir desse mapeamento, foram selecionadas 80 tecnologias que pareceram oportunas para se tornarem novos negócios com grande potencial de crescimento. “Alguns critérios foram usados para fazer essa seleção. Das 80, tiramos as primeiras 13 tecnologias que estão sendo investigadas. Foram 13 e, agora no final do mês de julho, selecionaremos mais 13”, explicou.

Diagnóstico
Lucimar Dantas explicou que o diagnóstico foi feito pelos gestores das incubadoras, por dois analistas bolsistas contratados pelo projeto e uma empresa de consultoria que foi contratada para o desenvolvimento da metodologia e para a implantação do programa. “A idéia é que das 26 tecnologias, ou uma parte considerável delas, se transformem em negócios dentro da própria incubadora”.

Programa
A iniciativa surgiu com o lançamento de um edital para incubadoras pela Finep em 2006. Esse edital previa que as incubadoras deveriam estar formadas em consórcio. “Nós apresentamos o projeto no final de 2006, fomos aprovados e o projeto teve início em 2007”, contou Lucimar Dantas.

Ela lembrou que o recém-lançado Programa Primeira Empresa Inovadora (Prime) da Finep está em sintonia com as propostas do Radar Tecnológico. “Esse programa será um doce para essas empresas, que possuem negócios nascentes. [O Radar Tecnológico] está dentro daquilo que o Prime persegue, negócios que possuem inovação”, concluiu.

A gerente informou também que haverá evento de divulgação das 26 tecnologias selecionadas, que deverá ser realizado em novembro ou dezembro, no Rio de Janeiro (RJ).

Fonte: Fabiana Santos / Gestão CT

SBM - Sociedade Brasileira de Metrologia, lança site da Rede TIB

A Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) lançou, no final do mês de junho, o site da Rede TIB. De acordo com a entidade, a iniciativa é um portal de relacionamentos que tem por objetivo aproximar oferta e demanda por serviços em Tecnologia Industrial Básica em nível nacional.

Agora, por meio da ferramenta, os consultores que possuem competência em qualquer uma das áreas de TIB poderão criar o seu perfil no site e, ao fazê-lo, o sistema exibirá, na página inicial, as demandas realizadas pelas empresas registradas no sistema e que sejam compatíveis com o perfil criado.

As empresas que necessitam de serviços em TIB também poderão criar um perfil no site e cadastrar as suas demandas. A SBM informa que, tão logo esteja cadastrada, a empresa terá acesso ao banco de dados com os perfis dos especialistas em TIB registrados no sistema, podendo filtrá-los de acordo com as suas necessidades.

A ferramenta conta com colunas que trazem a visão de profissionais atuantes na área e uma base de dados exclusiva para os artigos dos próprios especialistas cadastrados. Hoje, está disponível no site uma coluna que trata sobre o tema “A TIB e a incorporação de diferenciais competitivos na economia globalizada”. O texto é de autoria de Marcus Vinicius Fonseca.

O site ainda traz seções de notícias, melhores sites, eventos, boas práticas, entre outras. A idéia da iniciativa é criar as condições para o desenvolvimento de uma rede de consultores e instituições que lidam com TIB.

Rede TIB
O projeto da Rede TIB integra o projeto da Escola Nacional de Tecnologia Industrial Básica (Entib), que tem o apoio do MCT/Finep, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).
A SBM e o Inmetro são instituições associadas à ABIPTI.

Informações sobre as ações da SBM podem ser obtidas no site www.metrologia.org.br.

Fonte: Gestão CT

Ibict lança editais para contratação de bolsistas

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), instituição associada à ABIPTI, abriu, na segunda-feira (7), as inscrições para a contratação de bolsistas. Os editais do Programa de Capacitação Institucional (PCI) concederão bolsas destinadas ao desenvolvimento de atividades de pesquisa.

Os interessados em participar da seleção para trabalhar na sede do instituto, em Brasília podem se inscrever até o dia 18 de julho na Portaria do Ibict – SAS, Quadra 05, Lote 06, Bloco H – CEP: 70070-912, Brasília – DF. Para as vagas alocadas no Estado do Rio de Janeiro, a inscrição também deve ser feita até o dia 18, no endereço Rua Lauro Muller, 455, 5º Andar, Botafogo, Rio de Janeiro (RJ) – CEP: 22290-160.

São oito vagas nas áreas de biblioteconomia ou ciência da informação, sete vagas na área de ciência da computação, uma vaga na área de comunicação, letras, história ou áreas afins e duas vagas para profissionais com formação em qualquer curso superior de graduação.

Poderão participar aqueles que tiverem formação acadêmica adequada ao tema de pesquisa pretendido, sem vínculo empregatício, não serem aposentados pelo Ibict e que possam se dedicar integralmente às atividades de pesquisa.

Em Brasília, serão oferecidas vagas para o desenvolvimento de ações como: pesquisa e desenvolvimento de um sistema para preservação digital; monitoramento e prospecção do acesso livre ao conhecimento científico no mundo; comunidades de prática do Ibict; desenvolvimento e aplicação de mecanismos de integração para apoio ao Mapa de Inclusão Digital no Brasil (MID); plataforma de aprendizagem informacional e digital nas escolas do campo da rede pública municipal de educação.

No Rio de Janeiro serão oferecidas vagas para o monitoramento e prospecção de tecnologias de informação e da comunicação para aplicações em ensino e pesquisa: ensino a distância – EAD e cursos abertos; mapeamento de tecnologias de informação e comunicação – Tics para aplicação em portal de divulgação científica; e uso e governanças de tecnologias da informação.

O resultado do edital será divulgado no site do Ibict, ainda sem data prevista.

Mais informações e a íntegra dos editais podem ser obtidos no site www.ibict.br

Fonte: Gestão CT

Sebrae lança o Catálogo de Indicações Geográficas Brasileiras

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) lançou o Catálogo das Indicações Geográficas Brasileiras com o objetivo de divulgar os produtos vinculados a territórios que obtiveram o reconhecimento como Indicação Geográfica, concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), além de incentivar outros territórios com potencial a buscar esse reconhecimento.

O trabalho foi desenvolvido por Hulda Oliveira Giesbrecht, Fernando Henrique Schwanke e Alexandre Guedes Müssnich. São apresentadas, no catálogo, as características principais que diferenciam as quatro indicações geográficas nacionais: Vinhos Finos e Espumantes do Vale dos Vinhedos, Café do Cerrado Mineiro, Carne do Pampa Gaúcho da Campanha Meridional e a Cachaça de Paraty, reconhecidas pelo Brasil desde a promulgação da Lei da Propriedade Industrial.

Informações sobre as ações do Sebrae podem ser obtidas no site:
www.sebrae.com.br.

Fonte: Gestão CT

Bahia apresenta seu projeto de lei de inovação

O governo da Bahia acaba de encaminhar à Assembléia Legislativa o projeto de lei de Inovação do Estado. Caso seja aprovado, a unidade da Federação poderá ser a 6ª a contar com uma legislação específica voltada para o tema. A mensagem do Executivo foi assinada pelo governador Jacques Wagner no dia 7, durante a abertura do Fórum do Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I (Consecti). O evento se encerrou no dia 8, em Salvador (BA).

A proposição é resultado de oito meses de trabalho. Ela dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica em ambiente produtivo e vai, segundo o governador, alinhar a Bahia às propostas do governo federal ao se adequar às normas da Lei Federal de 2004 (nº 10.973).

“Se aprovada pelos deputados e por mim sancionada, a lei será um avanço porque vai permitir que nossos pesquisadores e cientistas tenham condições para trabalharem em nosso próprio Estado”, disse Wagner.

Já o secretário de Ciência e Tecnologia do Estado, Ildes Ferreira, lembrou, em seu discurso, que 17% dos doutores que fazem pesquisa no Sul e Sudeste são nordestinos. “Precisamos fazer um esforço para hospedar os talentos nordestinos”, destacou.

Fórum
Entre outras autoridades, o Fórum do Consecti realizado em Salvador contou com a participação do ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, além de representantes de 17 Estados. Na ocasião, o presidente da entidade, Alexandre Cardoso, afirmou que a escolha da Bahia para sediar o evento, que ocorre a cada quatro meses, se deve “ao comprometimento do governo do Estado com o avanço do setor de inovação, ciência e tecnologia”. Cardoso também é secretário de C&T do Rio de Janeiro.

Durante o evento, Rezende abordou os novos percentuais por região que serão estabelecidos nos próximos editais do CNPq e da Finep. A idéia é não concentrar os recursos e assim financiar, de forma mais igualitária, o desenvolvimento científico no Brasil.

O ministro ainda anunciou que no final deste mês será lançado o Programa Institutos Nacionais de C&T. A iniciativa vai selecionar, em todo o Brasil, 25 institutos com pesquisas em áreas estratégicas para o ministério e outros 20 com trabalhos em qualquer área do conhecimento. De acordo com informações divulgadas pela Secti/BA, 35% dos recursos serão destinados às regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste; 15% para a região Sul; e 50% para o Sudeste.

“Em 2000, quando foi lançado o Programa Instituto do Milênio para selecionar centros de excelência em pesquisa, 80% dos recursos ficavam com São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais”, informou Rezende.

Informações sobre as ações do Consecti podem ser obtidas no site http://www.consecti.org.br/. (Com informações da Secti/BA)

Fonte: Gestão CT

Cetec seleciona bolsista para trabalhar com biodiesel

A Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec) está oferecendo uma vaga para mestre ou doutor em química que tenha interesse em trabalhar com pesquisa e desenvolvimento na produção de biodiesel. O Cetec é uma instituição associada à ABIPTI.

O bolsista terá carga horária de 40 horas semanais e remuneração compatível com a função. Os interessados em participar da seleção deverão enviar os currículos para o e-mail , colocando no assunto “Seleção Biodiesel” ou ligar para Aline Regina no telefone (31) 3489-2225.

O centro possui uma planta-piloto com capacidade de produção de 1000 litros/dia. O biodiesel é produzido a partir do etanol, o que gera melhores rendimentos e qualidade do combustível. Também são realizadas pesquisas para produção de combustível usando como matéria prima girassol, amendoim, soja, algodão, mamona e babaçu.

Mais informações podem ser obtidas no site www.agenciaminas.mg.gov.br (Com informações do Governo do Estado de Minas Gerais)

Fonte: Gestão CT

NE contará com Plano de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Com o objetivo de debater a implementação de um Plano de Desenvolvimento Científico e Tecnológico para a região Nordeste, o ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, se reuniu ontem (9), em Brasília, com os secretários estaduais de CT&I da região e com a bancada de deputados federais do Nordeste.

Durante o encontro, foi acertada a criação de uma comissão para elaborar o planejamento. “A idéia é contemplar programas como a implantação de Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs), parques tecnológicos, produção de biodiesel, popularização da ciência e olimpíadas de matemática, dentre outros assuntos”, afirmou o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia, Ildes Ferreira, em notícia divulgada pela Secti/BA.

A comissão contará com a participação de técnicos do MCT, de representantes do Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I (Consecti) e de deputados federais da região Nordeste.

Fundos Setoriais
Na ocasião, também foi discutido o papel do MCT e dos fundos setoriais para a área de CT&I. Para o coordenador da bancada federal do Nordeste, deputado Zezéu Ribeiro (PT-BA), apenas um tratamento diferenciado para a região, que sempre recebeu um percentual menor de recursos em relação ao eixo Sul-Sudeste para a área de C&T, poderá corrigir uma distorção histórica no repasse de verbas federais.

Durante a reunião, ainda foi apresentado o balanço das atividades do Instituto Nacional do Semi-Árido (Insa), primeira unidade de pesquisa do MCT na região Nordeste, e do Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (Cetene), criado em 2005 como um centro de desenvolvimento e transferência de tecnologias consideradas estratégicas para a região.

Na ocasião, os secretários de C&T do Nordeste também discutiram a assinatura de acordos para apoio à pesquisa entre o Banco do Nordeste (BNB) e as fundações de apoio à pesquisa (FAPs) da região.

Desigualdades regionais
O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, destacou que o ministério vem implementando ações para reduzir as desigualdades regionais nos repasses dos recursos para as pesquisas. Entre elas, a determinação de que 30% das verbas dos editais do CNPq e da Finep sejam investidos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Rezende lembrou que os investimentos nos Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs) vêm crescendo a cada ano e que hoje somam R$ 60 milhões. No entanto, o ministro ressaltou a necessidade de que esses empreendimentos não se transformem em prédios abandonados e para que as prefeituras ou outras instituições assumam de fato a administração. “Temos dinheiro disponível, mas não temos mão-de-obra para assumir essas instalações”, afirmou.

Informações sobre as ações do MCT podem ser obtidas no site www.mct.gov.br. (Com informações da Secti/BA)

Fonte: Gestão CT

MCT coletará informações sobre recursos destinados à inovação alocados às microempresas e empresas de pequeno porte

O ministro da C&T, Sergio Rezende, assinou ontem (9) portaria que aprova o formulário para que os órgãos e entidades integrantes da Administração Pública Federal atuantes em pesquisa, desenvolvimento ou capacitação tecnológica, bem como os órgãos congêneres ao MCT estaduais e municipais apresentem, ao ministério, informações referentes aos recursos destinados à inovação alocados às microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP).

A informação foi dada hoje (10), pelo secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCT, durante a 13ª Plenária do Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, realizado no auditório do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Para ele, a leitura da portaria pode parecer algo simples, mas ele enfatizou que ela tem importância grande por dois motivos.

“Primeiro porque é uma mostra que estamos procurando cumprir a questão colocada pelo MCT nesse aspecto. Mas, principalmente, porque esse formulário funciona como uma cobrança, pois o dirigente vai receber o formulário e estamos pedindo que ele mostre o quanto aplicou em ciência, tecnologia, inovação e o quanto isso foi dedicado às micro e pequenas empresas. Isso vai ter um papel não só de fazer uma estatística para o setor, mas vai dar uma sinalização de cobrança para as instituições com relação às metas estabelecidas pela legislação”, afirmou o secretário.

Entre os objetivos para o estabelecimento do formulário está a disponibilização de informações que auxiliem no alcance da meta de aplicar, no mínimo, 20% dos recursos destinados à inovação para o desenvolvimento de tal atividade nas MEs e EPPs, referida no § 2º do artigo 65 da Lei Complementar nº 123, de 2006, que institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte.

A portaria prevê também que, especificamente em relação ao ano de 2007, as informações deverão ser enviadas até 30 de novembro de 2008. As informações recebidas serão divulgadas pelo MCT, de forma consolidada, no site do ministério www.mct.gov.br.

Em breve, a portaria será publicada no Diário Oficial da União e, posteriormente, o formulário ficará disponível no site do ministério.

Fonte: Fabiana Santos / Gestão CT

PL propõe isenção de imposto em bolsas de pesquisa concedidas por instituições públicas e privadas

A Comissão de Educação e Cultura (CEC) da Câmara dos Deputados aprovou, no dia 2 de julho, o Projeto de Lei 2.089/07, proposto por Severiano Alves (PDT-BA), que dispõe sobre a natureza das bolsas de estudo para pós-graduação, pesquisa e extensão. A matéria tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação (CFT) e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Casa.

A proposição estabelece que as bolsas de estudo para cursos de pós-graduação e execução de projetos de pesquisa e de extensão, concedidas a docentes por entidades públicas ou privadas, não constituem ou integram qualquer forma de salário ou rendimento. Elas deverão caracterizar-se como doação e ser concedidas exclusivamente por motivo de estudo ou pesquisa que não tragam vantagem financeira ao doador.

O PL foi aprovado com algumas emendas propostas pelo relator, deputado Waldir Maranhão (PDT-BA), que incluem as bolsas para alunos dos cursos de graduação na regra.

No texto do projeto, são consideradas bolsas de estudos aquelas concedidas em função de acordo ou convenção coletiva de trabalho. De acordo com o texto, as bolsas devem ficar isentas do Imposto de Renda (IR) e de qualquer outra taxa ou contribuição. Atualmente, programas de bolsas como o do CNPq já desfrutam do benefício da isenção do IR e da contribuição previdenciária.

Em sua justificativa, o deputado Severiano Alves afirma que os benefícios concedidos por entidades de financiamento da formação continuada de docentes, da pesquisa científica e tecnológica e da extensão no setor privado, como a Fundação Nacional de Desenvolvimento do Ensino Superior Particular (Funadesp) vêm sendo erroneamente interpretados por parte da ação fiscalizatória. Segundo ele, os órgãos oficiais alegam que a concessão de bolsas de estudo, pesquisa e extensão teria o objetivo de mascarar o pagamento adicional de salários, desrespeitando as garantias e obrigações trabalhistas e previdenciárias previstas na legislação.

O deputado reitera, em sua justificativa, que o objetivo do projeto de lei é assegurar a isonomia de tratamento aos benefícios e auxílios concedidos tanto por agências públicas como privadas de fomento à atividade acadêmica e científica, desde que claramente definidos os contornos. O parlamentar acredita que é preciso ter uma clara definição das bolsas e dos seus objetivos.

Veja a íntegra do PL neste link.

Fonte: Gestão CT

SC sedia o 3º Fórum Nacional de Museus e 2º Encontro Ibero-Americano de Museus

O 3º Fórum Nacional de Museus, com o tema “Museus como agentes de mudança social e desenvolvimento”, está sendo realizado no auditório Garapuyu, do Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis (SC). Com o objetivo de refletir, avaliar e estabelecer diretrizes para a política nacional e para o sistema brasileiro de museus, o evento teve início na segunda-feira (7) e segue até amanhã (11). A iniciativa é uma promoção do Departamento de Museus e Centros Culturais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Associação Brasileira de Museologia (ABM).

Estiveram presentes na abertura do evento o ministro interino da Cultura, Juca Ferreira, o diretor do Departamento de Museus e Centros Culturais do Iphan (Demu/Iphan) José do Nascimento Júnior, o governador em exercício do Estado, desembargador Francisco José de Oliveira Filho, o representante do ministro da Defesa, general de brigada José Aparecido de Pula Cunha e o vice-prefeito de Florianópolis, Rubens Carlos Bita Pereira Filho.

O evento é destinado a museólogos, historiadores, antropólogos, arqueólogos, artistas, sociólogos, educadores, professores, secretários estaduais e municipais de cultura, agentes de cultura, estudantes e demais interessados.

Ontem (9), no período da manhã, além de comunicações coordenadas, foram apresentados os painéis: O trabalhador do museu como agente de mudança social e desenvolvimento; Diversidade Museal Ibero-americana; Economia dos Museus; e A arte e os museus como fator de mudança social e desenvolvimento. À tarde, foram realizados mini-cursos, reunião dos grupos de trabalho e a conferência Museus e Cidades Educadoras.

Na plenária final, haverá a apresentação dos resultados dos grupos de trabalho, à tarde visitas a museus e a noite, a festa de encerramento. A previsão é de que cerca de 2,5 mil pessoas circulem no campus da universidade até sexta-feira. Participam do fórum 16 países, autoridades internacionais e dez deputados federais. Também participam vários órgãos ligados ao tema museus, como o Conselho Federal de Museologia, o International Council of Museums (Icom) e o Instituto Latino-americano de Museus (Ilam).

Durante o fórum, houve ainda o 2º Encontro Ibero-Americano de Museus, o Encontro dos Professores Universitários do Campo da Museologia, o 3º Encontro Nacional de Estudantes de Museologia, a Assembléia Anual do Icom Brasil e a Reunião preparatória para o 1º Seminário sobre Museus-casas e Memoriais de Presidentes da República.

A exposição Museu Universitário 1968/2008 ficará aberta para visitas na Galeria de Arte da UFSC até o dia 18 de julho. Há ainda quatro exposições espalhadas pelo campus: Impressões visuais – 50 anos da Comissão Fullbright no Brasil; Museu da Maré; UNE – 70 anos de História e Memória; e MST – 25 anos: direito à memória e direito à terra.

Mais informações podem ser obtidas neste link:
www.mbits.com.br/museuportal/index.php. (Com informações da UFSC)

Fonte: Gestão CT

Confea e ABIPTI discutem a realização da Expowec

Discutir a continuidade do convênio firmado entre a ABIPTI e o Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea) para a realização da Exposição Tecnológica Mundial (Expowec). Esse foi objetivo da reunião realizada no dia 3, entre os presidentes das duas entidades, Isa Assef dos Santos e Marcos Túlio de Melo, na sede da associação, em Brasília.

A Expowec tem como tema Energia para o futuro. A ABIPTI será a responsável pela organização do evento, que ocorrerá paralelamente ao Congresso Mundial de Engenheiros (WEC 2008), que acontecerá de 2 a 6 de dezembro, na capital federal, com o tema Engenharia: Inovação com Responsabilidade Social. “Precisamos muito da parceria da ABIPTI para promover a articulação nas questões da inovação tecnológica, que é exatamente o foco desse evento”, disse o presidente do Confea, Marcos Túlio.

Já a presidente da ABIPTI, Isa Assef dos Santos, destacou a relevância da iniciativa e se propôs a colaborar dentro das possibilidades da associação. “Não tenho dúvida quanto à importância do Congresso”, destacou.

A reunião também contou com a participação do superintendente de Programas e Projetos do Confea, Antônio Roberto Martins e do assessor especial do Projeto WEC do Confea, Paulo Bubach. Pela ABIPTI, participaram o diretor de Relações Institucionais, Lynaldo Cavalcanti de Albuquerque, o representante da ABIPTI na organização da Expowec, Zuhair Warwar, e o gerente executivo Delile Guerra de Macêdo.

Informações sobre a Expowec podem ser obtidas no site www.expowec.org.br. Já para saber mais sobre a WEC 2008, acesse www.wec2008.org.br. (Com informações do Confea)

Fonte: Gestão CT

RNP conecta emissoras públicas à TV Brasil

Previsão é de que TVs de seis cidades estejam interligadas até o final de julho
A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP/MCT) selecionou os fornecedores de enlaces para conexão das primeiras seis cidades que participarão do projeto Rede de Intercâmbio de TV Pública (RITVp), financiado pela TV Brasil. O projeto, que visa à transferência de conteúdos audiovisuais, vai interligar as TVs educativas do Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), São Luís (MA), Brasília (DF), Salvador (BA) e Belém (PA) aos pontos de presença (PoPs) da RNP. Os equipamentos servidores para suporte ao projeto também já foram comprados.

Nos dias 21 e 22, os técnicos das seis TVs que participam da RITVp serão treinados na unidade da Escola Superior de Redes da Paraíba, para o uso da aplicação de intercâmbio de conteúdo audiovisual, e receberão informações sobre a primeira fase do projeto.

A Telefônica foi selecionada para fornecer o link (conexão) em São Paulo. Para Rio, Brasília, Salvador, São Luís e Belém, a Oi fará a ligação das emissoras da TV Brasil e as educativas com a RNP. Neste momento, as operadoras estão fazendo pesquisa de campo para a instalação dos links. A previsão é de que a conexão seja concluída nas seis cidades até o final de julho e que a transferência de conteúdo seja possível a partir de 8 de agosto.

O projeto RITVp surgiu da necessidade de se facilitar a troca e o compartilhamento de conteúdo entre as TVs públicas brasileiras. A iniciativa também surge no âmbito da mudança para a TV Digital, que vem sendo estruturada no País e tem por objetivo implementar uma base digital disponível à pesquisa de conteúdos para todas as TVs públicas e universitárias, utilizando a rede Ipê - infra-estrutura de Internet científica e acadêmica brasileira.

Neste sentido, o projeto permitirá a troca de conteúdos (vídeos digitais) pelo acesso de suas grades de programação diárias, levando à criação de uma TV única de conteúdo público e universitário. É também objetivo deste projeto oferecer este conteúdo ao público através de canais abertos e/ou fechados (pagos) como forma de disseminar programas de qualidade e de expressivo conteúdo cultural e educativo para a sociedade brasileira. (Assessoria de Comunicação do MCT)

Fonte: Agência CT

"Astronomia na Escola" é lançada na SBPC

Em 68 páginas e com linguagem coloquial, sem esquecer da parte científica, o astrônomo Antares Kleber, chefe da divisão de atividades educacionais do Observatório Nacional (ON/MCT), fala sobre o sistema solar e a composição dos planetas na revista Astronomia na Escola.

A publicação será distribuída na abertura da Expotecna, na segunda-feira (14), primeiro dia da 60ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), na Universidade Estadual de Campinas, em Campinas (SP).

Na lista de personagens, uma professora e várias crianças em uma sala de aula. Na história, a professora, ao iniciar a aula, anuncia que ela será sobre astronomia. Pede então que cada aluno escolha um planeta de sua preferência e fale sobre ele. Um escolhe Saturno, porque vive cheio de anéis, outro prefere Plutão, porque é um menino forte, o terceiro se identifica com Urano, porque gosta da cor azul.

Nos quadrinhos coloridos, "a revista descreve detalhes dos planetas: massa, distância, composição e outras informações", conta a tecnologista senior da Comunicação Cientìfica do Observatório Nacional, Luzia Ferraz Penalva Ritê, acrescentando que, numa linguagem lúdica, a criança aprende como se tivesse no centro de uma brincadeira.

"Tudo parece verdade. A história é baseada tanto no dia-a-dia da escola pública, quanto da escola particular", diz Luzia. Segundo ela, no momento em que a imprensa vem falando muito sobre astronomia, sobre telescópios espaciais, ainda há muita desinformação a respeito do nosso sistema solar e sobre o Universo como um todo. Ao mesmo tempo, há uma curiosidade muito grande da pessoas, das várias classes sociais e faixas etárias, querendo conhecer o Cosmo onde vivemos.

A revista Astronomia na Escola faz parte de uma série que será lançada pelo ON até o final de 2009. O objetivo é o de divulgar o trabalho dos astrônomos, conquistar jovens para as áreas espaciais e despertar neles as vocações para a astronomia e a astrofísica, áreas de pesquisa desenvolvidas nos 180 anos do ON. (Deográcia Pinto - Assessoria de Comunicação do MCT)

Fonte: Agência CT

Aprovada a criação da empresa pública Ceitec

Senado aprova a criação da empresa pública Ceitec
O Senado aprovou nesta quarta-feira (9) a criação do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec). Tramitando em caráter especial, o projeto de lei da Câmara dos Deputados (PLC 94/08) cria a empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). O Centro tem sede em Porto Alegre (RS), mas poderá contar com unidades em outros estados e até no exterior. A matéria segue agora para sanção do presidente da República.

O Ceitec é uma empresa pública especializada no desenvolvimento e produção de circuitos integrados de aplicação específica (ASIC’s). Até agora foram investidos R$ 250 milhões na unidade, que até o final de 2009 deve concluir a fabricação do primeiro circuito integrado desenvolvido no País. O Centro foi projetado para ser uma pequena fábrica de semicondutores e, ao mesmo tempo, uma unidade de pesquisa e formação de profissionais. Sua principal função é receber um projeto de CI e transformá-lo em um dispositivo que será testado e poderá ser multiplicado e comercializado. Com o Ceitec em funcionamento, será possível ter um projeto de CI brasileiro devidamente testado e que, em breve, permitirá a adoção do chip desenhado e produzido no Brasil em novos produtos.

Entre as principais metas do Ceitec também está a inserção do Brasil no mercado global de semicondutores. Os investimentos feitos no setor permitirão a implantação de outras empresas de microeletrônica no País, que vão estimular a formação e capacitação de mão-de-obra especializada e a modernização de outros setores industriais na América Latina.

No Ceitec serão desenvolvidas tecnologias nas áreas de semicondutores, microeletrônica e afins. A empresa poderá negociar a produção dos CI, a concessão de licenças ou de direitos de uso de marcas e patentes, ou ainda promover a transferência de conhecimentos gerados na unidade. A empresa também atuará nas áreas de formação de recursos humanos, por meio de intercâmbio com universidades e centros de excelência em pesquisa e desenvolvimento, com outros órgãos públicos e com empresas.

Ainda farão parte de sua atuação a promoção e o suporte de empreendimentos inovadores nas áreas de software e hardware; o fornecimento de informações, disseminação de tecnologias alternativas e a realização de trabalhos integrados com instituições de pesquisa e desenvolvimento com outros órgãos públicos e empresas privadas. (Com informações da Agência Senado)

Fonte: Agência CT

Estudo da UnB defende o gerundismo

Pesquisadora da UnB tira culpa do setor de telemarketing e diz que mudanças são naturais da língua

Para muitas pessoas, a expressão “vou estar transferindo a sua ligação” é um atentado à língua portuguesa. E também aos ouvidos. O que a maioria desconhece é que, apesar de soar estranha, do ponto de vista lingüístico a construção está correta, afirma a professora e pedagoga Patrícia Tavares de Almeida Santos, autora da dissertação de mestrado “Só um instante, senhora, que eu vou estar verificando se o livro está disponível na editora: gerundismo, preconceito e expansão da mudança”.

O trabalho, defendido no Instituto de Letras da Universidade de Brasília (UnB), surgiu com a finalidade de buscar explicações sobre o fenômeno, e revela que muitas das idéias sobre o gerundismo são cientificamente infundadas. Uma delas é a de que o setor de vendas e atendimento por telefone seria responsável pela disseminação da forma verbal, uma cópia do inglês.

Para Patrícia, inexistem evidências para comprovar essa crença. Em primeiro lugar, pelo próprio poder de influência reduzido desse grupo social, relativamente pequeno, de baixa renda e desprovido de status. “Se as pessoas abominam o modo de falar dos atendentes, vão repetir algo que não gostam?”, diz.

A pesquisadora acredita que o gerundismo foi associado ao telemarketing em decorrência das características negativas do setor, tendo em vista que as pessoas normalmente odeiam atender ligações dessa natureza. Assim, a construção verbal - por ser de fato uma novidade e, conseqüentemente, muito perceptível - foi estigmatizada como uma fala de um grupo profissional que, a rigor, dispensa formação superior e é pouco remunerado.

IMPORTAÇÃO
Outra versão também contestada pela pedagoga é a de que a forma seria fruto da disseminação de documentos traduzidos da língua inglesa. Por essa ótica, o gerundismo brasileiro seria uma adaptação do tempo verbal Future Continous Tense, caso da frase I will be calling you (eu vou te ligar), que descreve uma ação em curso no futuro.

As justificativas para essa crença, entretanto, esbarram em alguns motivos. Entre eles, até que ponto os brasileiros teriam domínio do inglês e interações suficientes com a língua de modo a resultar em um fenômeno chamado interlíngua? “Isso só acontece com alguém que fale muito os dois idiomas. Quer dizer, quando a segunda língua é muito usada a ponto de promover modificações na primeira”.

Para aceitar a ampliação da forma verbal, seria necessário acreditar que basta ouvi-la para dar início a uma reprodução seriada. A verdade, sustenta a pesquisadora, é que a forma é antiga na língua portuguesa. “Não existe motivo para considerar que falta uma estrutura no português e que teríamos de copiá-la de outro idioma”, afirma.

ORIGENS
Se não está no telemarketing nem no inglês, de onde surgiu essa maneira de falar? A explicação viria da dinâmica da língua e de sua evolução histórica, mesma razão pela qual os brasileiros hoje não falam nem escrevem como há cem anos. “Quando olhamos para a história do português, vemos que é natural a mudança da língua”, afirma.

Trata-se de uma ampliação dos usos do gerúndio no lugar do infinitivo. No Brasil, sempre se usou ‘estou falando’ como uma alternativa da estrutura de Portugal ‘estou a falar’. “Nós, brasileiros, estamos apenas ampliando os contextos de uso do gerúndio em ambientes em que é mais comum usar o infinitivo”, explica Patrícia.

Isso significa que, em algum momento, os modos de expressão no tempo futuro foram se alterando ao ponto de as pessoas conseguirem identificar a mudança e buscarem justificativas para ela. “O gerundismo sempre existiu, mas agora está sendo mais percebido”, explica. E ao contrário do que diz o senso comum, transformações não são erros.

Exemplos:
  • Vou colocar a etiqueta de troca / Vou estar colocando a etiqueta de troca;
  • Vou viajar na segunda-feira / Vou estar viajando na segunda feira;
  • Vamos aplicar o produto nas áreas externas / Estaremos aplicando o produto nas áreas externas;
  • A gente não pode liberar esse curso / A gente não pode estar liberando esse curso;
  • A União não pode gastar desse jeito / A União não pode estar gastando desse jeito.
ESPALHOU
Além de buscar a origem, Patrícia analisou o contexto em que as pessoas usam o gerundismo. Nessa análise, descobriu que o formato é empregado geralmente na fala em situações de média formalidade. Por exemplo, em reuniões de trabalho, situações de compra e venda de produtos e serviços, mas não em conversa com familiares.

A pesquisa também não identificou o uso da combinação entre pessoas com menos escolaridade, outro mito que envolve o assunto. Ao contrário, o gerundismo foi encontrado em todas as classes sociais e entre falantes com alto grau de escolarização, às vezes, sem a pessoa se dar conta.

Também não houve comprovação, nos casos analisados, de que o formato significa que o interlocutor deixará de cumprir com seu dever. “Certa vez liguei para uma editora e quem atendeu ‘ia estar verificando’ se o livro estava disponível. Na mesma hora, a pessoa fez a consulta e me respondeu”, conta a pedagoga. O caso se transformou no título da dissertação.

Perseguição
A caça ao gerundismo chegou ao ponto da exoneração do gerúndio em outubro de 2007. Nesse mês, o Diário Oficial do Distrito Federal publicava o decreto 28.314/07, em que o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, “demitia” a categoria verbal com a justificativa de acabar com a burocracia e a ineficiência dos órgãos públicos.

PERFIL
Patrícia Tavares de Almeida Santos é mestre em Lingüística pela Universidade de Brasília (UnB). Graduou-se em Letras também pela UnB e em Pedagogia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Contatos pelo pelo e-mail (Fabiana Vasconcelos / Da Secretaria de Comunicação)

Fonte: UnB

Waitro aceita inscrições até o dia 11

Até esta sexta-feira (11), as instituições científicas e tecnológicas brasileiras interessadas em participar da conferência internacional da Associação Mundial das Indústrias e Organizações de Pesquisa Tecnológica (Waitro, sigla em inglês), que será realizada em agosto, nos dias 12 a 14, poderão se inscrever por este link.

O evento, intitulado Turning Technology Innovation into Profit, acontece no Palace of the Golden Horses, Seri Kembangan, Selangor Darul Ehsan, na Malásia.

A ABIPTI, que é uma instituição associada à Waitro, está desde este mês de julho como ponto focal regional para América Latina e Caribe da Waitro. Com isso, informa a todas as entidades associadas e parceiras que, durante a conferência internacional, será realizada também uma exposição tecnológica e rodadas de negócios. Na exposição, serão apresentadas pesquisas e tecnologias industriais. Haverá, ainda, agências promovendo atividades, mostrando estudos de casos, serviços, tecnologias dentro do tema “Transformando a inovação tecnológica em lucro”.

Segundo informações da organização do evento, a conferência é uma plataforma ideal para divulgar pesquisas, tecnologias, descobrir novos caminhos, novos parceiros em outros países.

A Waitro está oferecendo uma parcela de USD 700 para alguma instituição brasileira participar da conferência. Na ABIPTI, os contatos podem ser feitos com o diretor de Relações Institucionais, Lynaldo Cavalcanti de Albuquerque, pelo e-mail .

Informações adicionais sobre o evento podem ser obtidas por este e-mail www.sirim-waitro2008.com, ou ainda pelo e-mail zulnani@sirim.my.

Ponto focal
A decisão de convidar a ABIPTI para essa representação foi acordada por unanimidade pelos membros do Comitê Executivo da Waitro, durante a 60ª reunião da entidade, realizada no dia 5 de março deste ano. A representação é válida até junho de 2010.

Em junho, a ABIPTI recebeu ofício do secretário geral da Waitro, Rohani Hashim, confirmando a representação. Hashim também encaminhou o mesmo documento ao ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, e para o embaixador da Malásia no Brasil, Geraldo Afonso Muzzi, como forma de comunicar o papel da ABIPTI como ponto focal regional (RFP, sigla em inglês). A Malásia é representante regional da Waitro no período atual, o que é diferente do ponto focal regional. O representante regional funciona em formato rotativo entre os países da região, sendo que cada país fica com este papel por cinco anos.

Informações sobre a Waitro podem ser obtidas no site www.waitro.org.

Fonte: Gestão CT

NuBBe da Unesp - Excelência acadêmica e inovação

Pacote completo
A excelência acadêmica, expressa na produção de artigos científicos, teses e dissertações, não é incompatível com a inovação, traduzida em patentes. Essa é a lição deixada pelos resultados do Núcleo de Bioensaios, Biossíntese e Ecofisiologia de Produtos Naturais (NuBBE) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), de acordo com sua fundadora, Vanderlan da Silva Bolzani, professora titular do Instituto de Química da Unesp e presidente da Sociedade Brasileira de Química (SBQ).

“Em 2008, o NuBBE tem 15 mestrados, 12 doutorados e seis pós-doutorados em andamento, sendo que todos os alunos são bolsistas. Ao mesmo tempo, o núcleo tem seis pedidos de patentes, dos quais dois são de titularidade exclusiva da Unesp”, disse durante o 3º Workshop Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade de Plantas de Cerrado e Mata Atlântica: Diversidade Química e Prospecção de Bioprodutos, realizado nos dias 7 e 8 em Araraquara, interior de São Paulo.

O evento comemorou os dez anos de atividades do NuBBE, que corresponde a um dos Projetos Temáticos do Programa Biota-FAPESP. Segundo a professora, o núcleo recebeu até hoje mais de R$ 1,5 milhão de empresas parceiras e R$ 11,6 milhões de agências de fomento, a maior parte proveniente da FAPESP.

“O principal desafio é continuar estudando produtos naturais – de modo racional, sustentável – e formar recursos humanos, mantendo um compromisso com o futuro econômico e social do país. Queremos também expandir nossa pequena extratoteca, que reúne cerca de 2,8 mil produtos, o que exigirá automação e equipamentos”, disse Vanderlan.

Harmonizar a capacidade de publicar artigos, fazer teses relevantes e cuidar da propriedade intelectual é exatamente um dos principais desafios atuais da universidade, segundo Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP.

“É importante cuidar da propriedade intelectual, mas as patentes acadêmicas não podem ser o centro da vida na universidade, que foi criada, antes de mais nada, para promover o avanço do conhecimento e a formação de recursos humanos. Não podemos perder isso de vista, nem adotar uma estratégia na qual a universidade vá fazer o papel da indústria e vice-versa”, afirmou.

Segundo Brito Cruz, é preciso também rejeitar a idéia de que só a pesquisa com aplicação a curto prazo merece ser financiada com recursos públicos. “Isso é uma maneira utilitarista de ver a ciência. Restringir os financiamentos à pesquisa que será determinada por sua utilidade é algo que, a longo prazo, tende a matar a própria capacidade de inovar. O que se deve exigir não são aplicações, mas boa ciência”, disse.

De moléculas a produtos
Eliezer Barreiro, professor da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), um dos principais especialistas em produtos naturais no Brasil, destacou que a interdisciplinaridade presente no NuBBE reflete as necessidades da química medicinal e de produtos naturais, que exigem o trabalho em equipe unindo químicos, botânicos e farmacologistas.

“O trabalho dessas disciplinas se relaciona à compreensão dos arranjos moleculares que permitem domesticar as moléculas de interesse. A natureza oferece uma infinidade de padrões moleculares nos quais precisamos nos inspirar, recortando em sua arquitetura os modelos que contemplam as propriedades que se deseja. Isso só se faz com a interdisciplinaridade que marcou os grandes saltos científicos da humanidade”, salientou.

Para Manoel Odorico de Moraes Filho, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), o NuBBE faz parte de uma mudança de paradigma na química. Se antes os pesquisadores extraíam substâncias, estudavam e publicavam seus achados em revistas especializadas, hoje se interessam também por transformar as moléculas em produto final.

“Se a descoberta da penicilina tivesse parado no trabalho de Alexander Fleming, hoje poucos de nós estariam vivos. Só dez anos depois da publicação de Fleming a penicilina começou a ser estudada do ponto de vista pré-clínico, para se tornar um produto final. Uma década é um período curto para uma mudança de paradigma, mas é o que estamos vendo na história de dez anos do NuBBE”, afirmou.

A capacidade de cooperação foi apontada por Carlos Alfredo Joly, professor do Departamento de Botânica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), como um dos pontos fortes do NuBBE, que foi um dos primeiros projetos a serem aprovados no âmbito do Programa Biota-FAPESP.

“A convicção de que não se faz ciência sozinho é um ponto comum entre o núcleo e o Biota, que precisa estimular a interação de pesquisadores de diferentes áreas”, disse Joly.

Segundo ele, embora tenha enfrentado resistências contra a química de produtos naturais na época de sua fundação, hoje o NuBBE tem pleno reconhecimento da comunidade científica. Um dos fatores que contribui para isso é o sucesso do Bioprospecta, um subprograma do Biota, que, segundo ele, começou a ser articulado em 1999 por Vanderlan Bolzani.

“Quando lançamos o Bioprospecta estimávamos que receberíamos de 20 a 25 propostas de projetos. Mas recebemos mais de 60 logo na primeira fase, o que mostra que havia uma demanda da comunidade científica. Essa capacidade de colocar produtos no mercado foi gerada utilizando facilidades em comum, intercambiando alunos, equipamentos e conhecimento”, disse,

Para Paulo Cezar Vieira, do Departamento de Química da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAr), o grande domínio popular da área de química de produtos naturais – que se manifesta no conhecimento tradicional de substâncias – contribuiu para um descrédito em sua seriedade científica.

O NuBBE, segundo ele, vai na direção oposta, oferecendo um estudo realmente sistematizado sobre os produtos naturais que, na visão de Vieira, continuam desempenhando papel preponderante na descoberta de fármacos.

“A química de produtos naturais voltou com força total. Hoje há 30 mil doenças clinicamente descritas e menos de 10 mil podem ser tratadas sintomaticamente. A descobertas de novas substâncias químicas, para uso como agente terapêutico e como aplicação agrícola, é urgentemente necessária”, afirmou.

Fonte: Fábio de Castro / Agência FAPESP

Nota do MCT sobre os índices de desmatamento da Amazônia

Em relação ao atraso na divulgação dos índices de desmatamento da Amazônia do mês de maio, o Ministério da Ciência e Tecnologia vem esclarecer o seguinte:

Desde 1988 o Instituto Nacional de Atividades Espaciais (INPE) mede e divulga as taxas anuais de desmatamento da Floresta Amazônica, por meio do sistema PRODES. Isto é feito utilizando imagens de diversos satélites de monitoramento da superfície terrestre e com técnicas de interpretação de imagens que evoluíram bastante desde então.

O PRODES mede as taxas anuais de corte raso para incrementos superiores a 6,25 hectares. As medidas do PRODES são feitas em meses de boas condições climáticas na Amazônia, em geral de julho a setembro. Por ser mais detalhado e depender das condições climáticas da estação seca para aquisição de imagens livres de nuvens, é feito apenas uma vez por ano, com sua divulgação prevista para dezembro de cada ano.

Diante da necessidade de aprimorar o processo de controle do desmatamento da Amazônia, a partir de 2004 o INPE implantou um novo sistema de monitoramento, denominado sistema DETER, para apoio à fiscalização e controle do desmatamento da Amazônia. Com o DETER, o INPE divulga mensalmente um mapa de Alertas, com áreas maiores que 25 ha. Esses mapas indicam áreas totalmente desmatadas (corte raso) e áreas em processo de desmatamento, porém ambas são computadas igualmente na medida da área desmatada. O DETER contabiliza apenas áreas grandes e há meses nos quais o monitoramento é prejudicado pela presença de nuvens.

Desta forma, o INPE conta hoje com dois sistemas operacionais, o DETER e o PRODES. Estes dois sistemas são complementares e foram concebidos para atender a diferentes objetivos: O DETER é um instrumento de gestão, mais impreciso, porém de curto prazo, voltado para alertar os agentes responsáveis pelo controle do desmatamento; o PRODES fornece uma informação mais precisa, porém sobre uma situação já consolidada.

Em janeiro de 2008, o INPE verificou que, a partir dos dados do DETER, havia uma tendência de aumento da área desmatada no período de agosto a dezembro de 2007, em comparação com o mesmo período dos anos de 2005 e 2006. Em função da indicação de alta do desmatamento, o INPE produziu resultados mensais do DETER para o período de janeiro a abril de 2008, meses onde tradicionalmente há menor desmatamento na Amazônia, e quando a cobertura de nuvens reduz a capacidade de monitoramento integral do território. Desta forma, os dados apresentados ao governo e a sociedade neste período devem ser vistos como indicações parciais, pois o INPE pôde monitorar apenas parte da região, devido às condições climáticas.

A metodologia utilizada pelo INPE no sistema DETER é mesma desde 2005. Assim, do ponto de vista científico, a confiabilidade das estimativas não se alterou. No entanto, como as áreas monitoradas variam mensalmente, devido à existência de nuvens, os dados publicados mensalmente pelo INPE podem conter imprecisões e gerar equívocos e dúvidas em sua interpretação.

Para tornar a informação mensal sobre o desmatamento mais precisa, o Ministério da Ciência e Tecnologia determinou ao INPE que fossem feitos estudos de validação e qualificação dos dados, utilizando imagens de outros satélites e dados de campo, aprimorando os métodos científicos e garantido a confiabilidade e a comparabilidade dos dados. Além disso, o MCT orientou ao INPE aguardar a conclusão desses estudos de modo a divulgar os índices brutos do DETER de maio juntamente com a análise mais qualificada das informações, embora estes índices já indicassem uma redução na taxa de desmatamento em relação ao mês anterior.

Estes estudos estão em fase de conclusão e serão divulgados pelo INPE na próxima terça-feira, 15 de julho. Para evitar interpretações indevidas, no futuro o INPE divulgará os índices de desmatamento do DETER assim que forem calculados, deixando para apresentar sua qualificação, quando for feita, em data posterior. O MCT e o INPE estão determinados a continuar aprimorando os métodos científicos para assegurar que a sociedade brasileira receba a melhor informação técnica disponível sobre uma área de grande valia para o desenvolvimento nacional. Brasília, 09 de julho de 2008 (Assessoria de Comunicação do MCT)

Fonte: Agência CT

Unifesp inaugura em breve o Laboratório Processador de Células-Tronco

Células para múltiplos propósitos
A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) está em vias de inaugurar, no bloco cirúrgico do Hospital São Paulo, na capital paulista, o Laboratório Processador de Células-Tronco, cujas instalações servirão tanto para fins de pesquisa como para a assistência médica oferecida pelo hospital.

O laboratório permitirá que a coleta e a análise de células-tronco passem a ser feitas no centro cirúrgico do hospital, o que deverá trazer mais agilidade aos procedimentos médicos no local.

“Com o novo laboratório poderemos preparar células-tronco para múltiplos propósitos”, disse Enio Buffolo, professor titular de cirurgia cardiovascular da Unifesp e um dos coordenadores do laboratório, à Agência FAPESP. “Para a nossa disciplina, a iniciativa beneficiará os procedimentos cirúrgicos no sentido de aumentar o fluxo sangüíneo dos vasos cardíacos dos pacientes durante as operações.”

“Essa proximidade do laboratório com os procedimentos médicos, além de torná-los mais rápidos, contribui para a diminuição do nível de contaminação por agentes externos após a extração de material de um determinado tecido para injeção em outro”, explicou Buffolo, que recentemente foi indicado para compor o corpo editorial da revista Cell Transplantation.

O laboratório foi montado pela Fundação de Apoio à Unifesp, em parceria com a empresa CellPraxis, que petence à Cryopraxis. “No novo laboratório faremos o processamento de medula óssea para separar as células mais primitivas. Em seguida, essas células serão injetadas na musculatura cardíaca do paciente para aumentar a irrigação de sangue. Esse tipo de procedimento será feito para fins de pesquisa e de tratamento clínico”, disse Buffolo.

Separação facilitada
Nelson Hossne, cirurgião cardíaco da Disciplina de Cirurgia Cardiovascular da Unifesp, destaca que, com o novo laboratório, a separação das células-tronco de interesse, após a coleta de sangue da medula óssea dos pacientes, será otimizada.

“Temos agora, em uma sala ao lado da que o paciente é operado, toda a aparelhagem necessária, como centrífuga, capela de fluxo laminar e microscópio, para fazer a separação das células que nos interessam, as mononucleares, das que são descartadas. Além de minimizar os índices de contaminação, esse tipo de procedimento facilitará a manipulação das células”, disse Hossne.

O laboratório conta ainda com um citômetro de fluxo, utilizado na fenotipagem de células provenientes de tecidos variados. O método de citometria de fluxo é usado para contar, examinar e classificar partículas microscópicas suspensas em meio líquido.

A disciplina de Cirurgia Cardiovascular da Escola Paulista de Medicina está realizando um estudo com um grupo de pacientes com angina refratária que, segundo Hossne, são indivíduos portadores de doença coronariana nos quais esgotaram-se as opções de tratamento convencionais.

“Esses pacientes tiveram praticamente tudo o que a medicina consegue oferecer, passaram por tratamento clínico otimizado, foram submetidos a procedimentos como angioplastia e revascularização miocárdica, mas ainda mantém um quadro crônico de dor na região do peito para realização de qualquer atividade cotidiana”, explicou.

De acordo com a pesquisa, que teve início em 2005, os pacientes receberam células-tronco mononucleares de suas próprias medulas ósseas, que, em seguida, foram injetadas em músculos cardíacos.

“Por meio de protocolos cirúrgicos, as células foram injetadas na superfície do coração na área responsável pela dor. O resultado é que mais de 80% dos pacientes estão sem dor alguma após o procedimento. Com a injeção das células-tronco, acreditamos ter proporcionado a formação de novos vasos sangüíneos no coração dos pacientes, aumentando a irrigação de sangue”, disse Hossne.

Um artigo sobre o estudo foi escrito e está em processo de revisão. “Algumas contribuições originais do trabalho infelizmente ainda não podem ser divulgadas por envolver direitos de patente, mas nosso objetivo é, em breve, publicar os resultados em revistas de alto impacto”, afirmou.

Fonte: Thiago Romero / Agência FAPESP

Área de TI e comunicação apresenta mais de mil propostas à Finep

Das seis áreas estratégicas contempladas no edital da Subvenção Econômica de 2008, a de Tecnologia da Informação e Comunicação foi a que recebeu propostas o maior número de propostas, 1.155. No total, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT) recebeu 2.665 propostas de empresas de todos os portes, 98 a mais do que no ano passado. O segundo lugar em número de inscrições ficou com a área da Saúde, com 383 projetos. No segmento de Programas Estratégicos, a Finep contabilizou 346 inscritos. Foram recebidas ainda 337 propostas na área de Desenvolvimento Social, 287 em Biotecnologia e 157 em Energia.

A agência tem R$ 450 milhões para apoio a projetos inovadores. O financiamento às empresas é não-reembolsável. "A Subvenção Econômica é a grande novidade introduzida pela Lei de Inovação e se destina a canalizar recursos não-reembolsáveis aplicados diretamente nas empresas", explica o presidente da Finep, Luis Fernandes.

Com o encerramento das inscrições no dia 30 de junho, os analistas da Financiadora deram início à fase de pré-qualificação das propostas. A divulgação da lista das empresas selecionadas nesta primeira fase está prevista para o início de agosto. Na Fase 2, as empresas selecionadas deverão encaminhar o projeto detalhado, o que também acontecerá por meio eletrônico até o dia 1º de setembro. O resultado final, com a divulgação da lista das empresas contempladas está previsto para o dia 17 de outubro.

Por regiões
Na demanda por regiões, o Sudeste lidera a lista, com 1.542 propostas, seguido do Sul, com 608 inscrições. Em seguida aparecem o Nordeste, com 286 projetos, o Centro-Oeste, com 160 propostas e o Norte, que concorre com 69 projetos. O edital prevê que 30% dos recursos devam ser destinados a essas três regiões. No caso de não haver demanda qualificada nessas regiões, os recursos serão remanejados para apoio aos demais projetos aprovados.

Além do enquadramento do projeto nos temas específicos das seis áreas definidas no edital, a comissão julgadora levará em consideração o grau de inovação da proposta em relação a outras soluções existentes, o impacto no mercado, a importância para a sociedade e a capacidade técnica da equipe envolvida no desenvolvimento do produto, serviço ou processo. Os R$ 450 milhões previstos no edital da Subvenção serão distribuídos entre as seis áreas, que receberão R$ 80 milhões para apoio a projetos inovadores cada uma, com exceção apenas do setor de Desenvolvimento Social, que contará com R$ 50 milhões.

O valor mínimo de cada projeto será de R$ 1 milhão com prazo de execução de 36 meses. Haverá, ainda, uma contrapartida que ficará entre 5% e 20% do valor total do projeto no caso de empresas menores, e entre 100% e 200% para empresas de médio e grande porte. Ainda segundo o edital, 40% dos recursos vão apoiar pequenas empresas.(Assessoria de Imprensa da Finep)

Fonte: Agência CT

Cuxiú-preto está entre as espécies de primatas mais ameaçadas do Brasil

Adaptação forçada
O cuxiú-preto está entre as espécies de primatas mais ameaçadas no Brasil, mas pesquisas indicam que, mesmo precisando de muito espaço, esses animais têm capacidade de se adaptar à perda de seu hábitat natural, provocada pela intervenção humana.

Em uma ilha do reservatório da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, um grupo de oito macacos vive há 22 anos em uma área de apenas 20 hectares. “Eles têm conseguido sobreviver e se reproduzir em áreas bem menores do que se imaginava possível”, disse Liza Veiga, pesquisadora associada do Museu Paraense Emílio Goeldi, que observa o comportamento dos primatas desde 2001.

Com circulação cada vez mais restrita, os animais se alimentam de flores e até mesmo de terra de cupinzeiro. A espécie Chiropotes satanas consta há vários anos na lista vermelha de primatas da União Mundial para a Conservação da Natureza (IUCN). A atualização da lista, feita a cada quatro anos, será lançada em agosto, durante o 22º Congresso da Sociedade Internacional de Primatologia (IPS), em Edimburgo, na Escócia.

O estudo de Liza, desenvolvido no Museu Goeldi desde outubro de 2007, envolve comportamento, ecologia e conservação do cuxiú-preto. A pesquisa é desenvolvida nas áreas do reservatório de Tucuruí, na chamada Base Quatro, com apoio financeiro da Eletronorte.

Essa espécie de primata é encontrada desde a margem direita do rio Tocantins até os limites orientais e meridionais da floresta Amazônica, no Maranhão. Seus hábitos incluem viver em amplas áreas com deslocamentos diários de até mais de seis quilômetros.

“A organização social do cuxiú-preto é chamada fissão-fusão, caracterizada pela formação de grandes grupos que se subdividem em pequenos subgrupos com vários tamanhos que se intercomunicam. Essa subdivisão ocorre em parte de acordo com a disponibilidade espaço-temporal de comida”, disse a pesquisadora.

Mais informações: www.museu-goeldi.br

Fonte: Agência FAPESP

Secis assina acordo com IFC e amplia controle sobre convênios

A Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social do Ministério da Ciência e Tecnologia (Secis/MCT) está ampliando os mecanismos de controle e gestão de repasse de recursos para organizações não-governamentais (ONG), universidades e demais instituições.

Ontem (9), em Brasília (DF), o secretário de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social, Joe Valle, assinou o acordo de cooperação técnica com o Instituto de Fiscalização e Controle (IFC). O acordo prevê a adoção de medidas para a fiscalização de gastos, acompanhamento de projetos e convênios e a ampliação da transparência nas ações da administração pública.

Para Joe Valle, o acordo torna mais eficiente o acompanhamento dos convênios celebrados pela Secis. "A secretaria já fiscaliza a aplicação de verbas, mas entendemos que com essa parceira e a experiência do IFC, conseguiremos potencializar esses processos, tanto no sentindo de fazer com que os recursos cheguem a população que precisa, quanto da seriedade com que esse dinheiro será repassado e gasto", destaca.

O secretário explica que o convênio ampliará os contatos do ministério com a rede de controle social mantida pela o IFC. Os integrantes do Instituto também ministrarão palestras para os técnicos do MCT, que são responsáveis pela análise dos projetos. Em agosto próximo será promovido o primeiro encontro que permitirá aos técnicos do MCT ter uma visão geral da atuação dos órgãos de controle da União, que acompanham a execução de projetos.

Joe Valle destaca ainda que a Secis está promovendo um amplo processo de gestão, com a implantação de sistemas de qualidade, que permitem a adoção de mecanismos de controle mais eficientes. Segundo ele, além do acordo celebrado hoje, a Secis também firmou convênios, recentemente, com o Tribunal de Contas da União (TCU), Ministério da Justiça (MJ) e Banco do Brasil (BB).

IFC
Para o vice-presidente do IFC, Antônio Augusto Miranda, o acordo contribui para o aprimoramento dos mecanismos de controle e para aproximar a sociedade civil do MCT. "Essa parceria é voltada para a troca de informações e de experiências. A perspectiva é que possamos promover a otimização do controle, por meio da verificação em pontos chaves, e com o envolvimento da sociedade civil nos projetos em sua própria localidade", disse.

O IFC também mantém parecerias com outros órgãos. Desde 2006, o Instituto realiza um trabalho em conjunto com a Controladoria Geral da União (CGU). Outra iniciativa importante, de acordo com Augusto, foi o convênio firmado com a Escola Superior do Ministério Público da União, que permite aos promotores que estão ingressando na carreira, receber informações e analisar o processo de fiscalização sob a ótica social. (Rafael Godoi - Assessoria de Comunicação do MCT)

Fonte: Agência CT

Prêmio Confederação Nacional da Indústria (CNI) 2008

Abertas as inscrições para a edição 2008 do Prêmio CNI
O Prêmio Confederação Nacional da Indústria (CNI) 2008 quer valorizar a produção nacional. Estimular e reconhecer as contribuições das indústrias brasileiras para o aumento da competitividade e a promoção do desenvolvimento sustentável. Estes são os principais objetivos do Prêmio CNI 2008, que será entregue em outubro às empresas que adotam as melhores práticas nas áreas de Inovação e Produtividade, Design e Desenvolvimento Sustentável.

No ano em que comemora 70 anos, a CNI quer ampliar a visibilidade das iniciativas de excelência não só no mercado nacional, mas também internacionalmente.

As inscrições já estão abertas em todo o País e vão até o dia 29 de agosto. Podem participar micro, pequenas, médias e grandes indústrias, dos mais variados setores. “O prêmio CNI difunde padrões de excelência para a indústria, valoriza a capacidade de se por em prática boas idéias, independentemente do tamanho ou da área de atuação da empresa participante”, explica o vice-presidente da CNI, Rodrigo Rocha Loures, que também é presidente do Conselho Temático Permanente de Política Industrial e Desenvolvimento Tecnológico da CNI e da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep)

A premiação será no dia 28 de outubro, em Brasília, simultaneamente à solenidade de abertura da edição 2008 do Encontro Nacional da Indústria, o ENAI, que reúne todos os sindicatos patronais do Brasil.

Os três melhores trabalhos de cada categoria serão convidados a participar da solenidade de premiação e o resultado final dos vencedores será divulgado somente durante a festa.

Informações e formulário de inscrição no site: www.cni.org.br/premiocni

Fonte: Agência Sebrae

Luiz Cruls, um cientista a serviço do Brasil

Está em cartaz até 12 de outubro, no Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast), no Rio de Janeiro, a exposição “Luiz Cruls, um cientista a serviço do Brasil”. O objetivo é resgatar a biografia de um dos pioneiros da astronomia no Brasil. A entrada é franca.

Cruls nasceu na Bélgica em 1848 e veio para o Brasil aos 24 anos. Em 1892, ganhou notoriedade ao chefiar, após ser designado pelo então presidente Floriano Peixoto, a expedição para demarcação do quadrilátero do Planalto Central, missão que definiu onde seria erguida, quase 70 anos depois, a nova capital Brasília. Foram duas expedições, que descreveram a fauna, flora, solo, rios e doenças locais no ponto central do país.

A exposição traz uma série de mapas e outros trabalhos de mapeamento do cientista, entre eles a demarcação da fronteira Brasil-Bolívia a partir da nascente do rio Javari. Cruls contraiu malária em uma expedição em 1901 e morreu sete anos depois, em Paris.

Além de equipamentos dos séculos 19 e 20 usados por Cruls, estão expostos documentos particulares e fotos de missões como a que levou brasileiros à Patagônia chilena, em 1882, para calcular a distância entre a Terra e o Sol a partir da observação da passagem de Vênus diante do disco solar.

Mais informações: www.mast.br/index2.htm

Fonte: Agência FAPESP

5º Congresso Mineiro de História da Medicina

A quinta edição do Congresso Mineiro de História da Medicina, que será realizada de 14 a 16 de agosto, em Barbacena (MG), tem como objetivo destacar estudos que revelem a trajetória das ciências médicas.

O encontro, preparatório para o 13º Congresso Brasileiro de História da Medicina, que ocorrerá em novembro, no Ceará, irá abordar a história das Santas Casas de Minas Gerais e sua presença na assistência médica e social na maioria das cidades mineiras.

O evento contará com a participação de professores e ex-alunos de várias épocas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), tais como Ajax Ferreira e João Amílcar Salgado, respectivamente coordenador e membro fundador do Centro de Memória (Cememor) da Faculdade de Medicina da UFMG.

Mais informações: www.medicina.ufmg.br

Fonte: Agência FAPESP

Vaga para professor doutor na Uenf

O Laboratório de Biotecnologia do Centro de Biociências e Biotecnologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), em Campos (RJ) abriu concurso para uma vaga de professor doutor. As inscrições vão até o dia 28 de setembro.

Segundo a Uenf, o docente selecionado para o cargo atuará em regime de dedicação integral na área de genética e biologia molecular humana. O salário é de R$ 5.665.

O exame consistirá em prova de título (com peso 4), defesa de memorial e plano de pesquisa (peso 3) e prova didática e de conhecimento (peso 3). O tema da prova de didática e de conhecimento, de livre escolha do candidato dentro de uma lista fornecida pela comissão organizadora, deverá ser comunicado no ato do requerimento de inscrição.

Os candidatos podem se inscrever no protocolo da reitoria da Uenf, mediante apresentação do recibo de recolhimento da taxa de inscrição e requerimento de inscrição (formulário próprio). Após a inscrição os candidatos serão notificados para entrega da documentação necessária.

Mais informações pelo e-mail ou (22) 2726-1521/1661.

Fonte: Agência FAPESP