segunda-feira, 16 de junho de 2008

Ferramenta gratuíta SJR permite extração e comparação de estatísticas de produção científica

Avaliação científica interativa
Lançado em janeiro, o portal SCImago Journal and Country Rank permite que os usuários extraiam grande variedade de estatísticas de periódicos e gráficos de produção científica, com base na Scopus – a maior base mundial de dados e documentos científicos de referência.

De acordo com um dos criadores da ferramenta, Félix Moya, vice-reitor de Novas Tecnologias da Universidade de Granada, Espanha, a utilização vem crescendo exponencialmente em 145 países, entre cientistas e profissionais que se dedicam à gestão da pesquisa.

Moya, em palestra apresentada na sede da FAPESP na semana passada, afirmou que o interesse pela ferramenta aumenta graças à grande diversidade de indicadores disponíveis, à facilidade de manuseio e ao acesso aberto.

“É a única ferramenta do tipo com acesso totalmente aberto. Mas, além dessa vantagem, há dois diferenciais fundamentais do ponto de vista do conteúdo. A variedade de indicadores permite ao usuário fazer aproximações a partir de pontos de vista muito distintos. Também é uma ferramenta muito interativa que permite exportar a informação com facilidade”, disse.

O portal permite a publicação seletiva de relatórios dinâmicos com indicadores baseados nas citações entre os trabalhos científicos indexados na Scopus entre 1996 e 2007 – o que possibilita classificar o desempenho e impacto de revistas científicas dos países. A ferramenta também oferece um novo indicador para medir o impacto – o SCImago Journal Rank (SJR), que utiliza um algoritmo semelhante ao do Google.

A ferramenta é resultado de um projeto conjunto entre o grupo SCImago, formado por pesquisadores das universidades de Granada, Extremadura, Carlos III e Alcalá de Henares, todas na Espanha, e a editora Elsevier, da Holanda, proprietária da Scopus.

“Um indicador como o número de citações recebidas por um artigo científico não significa nada se não for contextualizado. Nossa intenção foi criar uma referência de caráter global que permitisse situar qualquer indicador que se pudesse gerar em seu contexto global”, disse Moya, que é coordenador do grupo SCImago.

Segundo ele, para que cientistas e gestores de pesquisa pudessem utilizar os indicadores de pesquisa de forma mais interativa era preciso estimular um processo de interiorização desses dados por parte de toda a comunidade científica.

“Acredito que conseguimos fazer isso ao criar uma interface de operação bastante simples e cômoda do ponto de vista do aprendizado de utilização. Com isso, menos de cinco meses após o lançamento já estão sendo publicados os primeiros trabalhos utilizando informações provenientes dessa ferramenta”, afirmou.

Prestígio versus popularidade
O indicador SJR, de acordo com Moya, é completamente diferente do fator de impacto calculado com base nos dados do ISI (atualmente parte da Thompson Corporation) – tanto em relação à base de dados utilizada como em relação ao método de cálculo.

“O indicador SJR utiliza um algoritmo semelhante ao do Google Pagerank, com uma adaptação para o mundo das publicações científicas. Ele atribui pesos diferentes às citações dependendo da fonte que citou o documento. Fontes com mais prestígio têm mais peso”, explicou.

Segundo Moya, a conseqüência do modelo utilizado pelo indicador SJR é que ele privilegia o conceito de prestígio em detrimento do conceito de popularidade. Um artigo com muitas citações em revistas de pouco prestígio tem avaliação pior que um artigo menos citado em revistas de muito prestígio.

“O importante é oferecer um número maior de indicadores. Em um mundo tecnológico como o nosso não faz sentido utilizar um só. Não se pode negar o valor do fator de impacto, mas é preciso ter à disposição a oferta mais variada possível para aprimorar os processos de análise e avaliação. A realidade da qual partimos é muito heterogênea e variada e o conceito de prestígio está ligado a essa variabilidade das situações que ocorrem no mundo da ciência”, disse.

SCImago Journal and Country Rank: www.scimagojr.com

Fonte: Fábio de Castro / Agência FAPESP

Construir Bicentenarios Latinoamericanos en la Era de la Globalización

Convocatoria internacional: ensayos y/o presentaciones visuales digitales

5 Premios
Pasaje y estadía para participar en la Conferencia Internacional a realizarse el 26 y 27 de febrero de 2009, en la New School University de Nueva York. Inclusión de los trabajos premiados en el libro Construir Bicentenarios Latinoamericanos.

7 Menciones
Publicación de los trabajos en el libro Construir Bicentenarios Latinoamericanos.

Organizan
Programa Bicentenarios Facultad de Arquitectura, Diseño y Urbanismo, Universidad de Buenos Aires (FADU-UBA) y el Observatory on Latin America (OLA) de New School University, New York. Con la colaboración de Centro de Estudios del Patrimonio (CEPAT), Facultad de Arquitectura, Urbanismo y Paisaje, Universidad Central de Chile; y el apoyo institucional de la Fundación SES.

Bases de la convocatoria
El OLA y la FADU-UBA, con la colaboración del CEPAT y el apoyo institucional del SES, promueven el intercambio de conocimientos, actividades, reflexiones e información sobre la forma en que los gobiernos y las sociedades civiles conmemoraron los centenarios de sus independencias nacionales, y cómo construyen sus bicentenarios en la actualidad. Esta convocatoria solicita ensayos y presentaciones centradas sobre:

1. Documentación e interpretación de los diferentes modos en que los países latinoamericanos construyeron sus conmemoraciones centenarias nacionales y cómo dejaron su marca en sus respectivas ciudades e imaginarios visuales. Esto puede incluir el estudio de los medios de comunicación, políticas, proyectos, obras públicas, movilizaciones sociales, conmemoraciones oficiales y de la sociedad civil, producciones culturales, producción y diseminación de imágenes visuales y fotografías, y transformaciones urbanas.

2. Documentación e interpretación de las actuales reflexiones y tareas de preparación de los Bicentenarios en estos países. Esto puede incluir evidencias en las áreas mencionadas más arriba y otras actividades más contemporáneas relacionadas con las nuevas tecnologías como videos, películas, proyectos interactivos o aplicaciones de Internet.

Comparación de estos temas entre el pasado y el presente, y entre los distintos países latinoamericanos.

Sobre las Presentaciones
Las presentaciones pueden ser de dos tipos: 1) ensayos académicos, que pueden incluir imágenes visuales; y 2) presentaciones digitales visuales multimedia (audiovisuales), como videos, archivos en Power Point u otros medios digitales. Los trabajos deben estar en español, portugués o inglés.

Para participar se debe enviar el abstract, de una extensión de hasta 300 palabras, junto con la ficha de inscripción a e-mail, con copia a e-mail antes del 27 de junio de 2008 (ULTIMA PRÓRROGA). Las respuestas de aceptación serán enviadas a los autores, por email, antes del 30 de junio.

Los ensayos académicos deberán tener una extensión de entre 4.000 y 7.000 palabras, además de las imágenes y epígrafes.

Las presentaciones visuales digitales multimedia deberán tener una duración de entre 5 y 15 minutos, con tamaño de pantalla mínimo de 720 x 480 pixeles (para NTSC) y 720 x 576 (para PAL). Serán admitidos los siguientes formatos: Flash (swf), Power Point (pps), DVD (vob, ifo, bup), SVCD, VCD, mpg, mpeg, mp4, avi, mov, wmv. Otros formatos deberán ser consultados previamente con los coordinadores de la Convocatoria. Las presentaciones audiovisuales deberán ir acompañadas de una descripción escrita de no más de 1.000 palabras.

Las presentaciones finales (ensayos y presentaciones visuales digitales) deberán ser enviadas antes del 29 de septiembre de 2008.

Selección y difusión de los ensayos y presentaciones visuales digitales: premios y menciones
Con el objeto de facilitar el intercambio de conocimiento sobre los Bicentenarios, un comité académico independiente seleccionará, en nombre del OLA y de la FADU, entre todas las presentaciones finales recibidas, aquéllas que recibirán los premios, las menciones o las que serán seleccionadas como representativas.

Serán otorgados
5 Premios a los autores (1 por trabajo) de las presentaciones más apropiadas seleccionadas, para participar en la Conferencia Internacional en la New School University, Nueva York (26 y 27 de febrero 2009). Estos trabajos serán incluidos en la edición del volumen Construir Bicentenarios Latinoamericanos.

7 Menciones Honoríficas a los autores de las presentaciones que serán incluidas en la edición del volumen Construir Bicentenarios Latinoamericanos..
Otros trabajos seleccionados como representativos de la diversidad de propuestas, serán publicados en las páginas de Internet del OLA y del Programa Bicentenarios de la FADU.

Fechas de Recepción y Agenda
27 de junio de 2008 (ULTIMA PRÓRROGA) – Fecha límite para que los participantes envíen sus abstracts y fichas de inscripción.
30 de junio de 2008 – Enviaremos a los autores las repuestas de aceptación de los abstracts.
15 de septiembre de 2008 – Fecha límite para consultas.
29 de septiembre de 2008 – Fecha límite para que los participantes envíen sus presentaciones finales.
28 de noviembre de 2008 – Publicación de los resultados de la selección realizada por el Comité académico en las páginas de Internet del OLA y del Programa Bicentenarios de la FADU. Contacto con los participantes seleccionados para participar de la Conferencia Internacional en la New School University de Nueva York.
26 y 27 de febrero de 2009 – Conferencia Internacional: “Construir Bicentenarios Latinoamericanos en la Era de la Globalización”, New School University, Nueva York.
2009/ 2010 – Publicación del libro. Publicación de la selección de los trabajos representativos en las páginas de Internet del OLA y del Programa Bicentenarios de la FADU.
La presentación a esta Convocatoria implica la aceptación completa del Reglamento.

Para toda consulta, contactarse con:
Ileana Versace (español y portugués)
Coordinadora Programa Bicentenarios FADU UBA

Bart Orr (inglés) y Valeria Luzardo (español)
Coordination Building Latin American Bicentennials in the Age of Globalization

Fuente: RCMP

Physiology of the Prion Protein

Uma proteína fundamental
Em maio de 1990 o ministro da Agricultura da Inglaterra, John Gummer, fez uma aparição pública desastrosa. Posou para fotógrafos e cinegrafistas saboreando um suculento hambúrguer ao lado de sua filha de 4 anos.

Tinha a intenção de mostrar aos ingleses e ao resto do mundo que o consumo de carne bovina continuava seguro mesmo em meio à mais grave crise que a pecuária de seu país atravessava nos últimos tempos: a contaminação de parte do rebanho com a doença da vaca louca, a encefalopatia espongiforme bovina, que se espalhou pela Europa, pelos Estados Unidos e pelo Canadá e de 1987 até agora já obrigou a eliminação de 180 mil bois e vacas infectados.

Seis anos depois daquele hambúrguer os ingleses se lembrariam de Gummer e se sentiriam traídos quando começaram a surgir os primeiros casos da doença em seres humanos, provavelmente contraída pelo consumo de carne contaminada. A versão humana do mal da vaca louca era uma nova forma – a quarta conhecida – de uma enfermidade bastante rara e sem cura: a doença de Creutzfeldt-Jakob, que mata as células do sistema nervoso (neurônios) e deixa o cérebro cheio de buracos como uma esponja.

Descrita na Alemanha nos anos 1920 pelos neurologistas Hans Gerhard Creutzfeldt e Alfons Maria Jakob, essa enfermidade, que reduz o cérebro à metade de seu tamanho original, ganha nova explicação a partir de estudos recentes conduzidos no Brasil e no exterior.

Em artigo publicado em abril na Physiological Reviews, o grupo de pesquisadores de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul coordenado pelo oncologista Ricardo Renzo Brentani, do Hospital A.C. Camargo, em São Paulo, apresenta a mais ampla revisão sobre os agentes infecciosos des­sa doença, com informações que podem influenciar a terapia dessa enfermidade, que se instala sorrateiramente ao longo de 2 ou 3 décadas e evolui a uma velocidade assustadora, levando a uma morte trágica.

Os primeiros sinais surgem de forma sutil, como cansaço ou depressão. Em seguida, a falta de equilíbrio para caminhar ou manipular objetos aumenta progressivamente, os movimen­tos se tornam lentos e a visão embaralhada.

Perde-se a fala, a memória para fatos recentes e fica cada vez mais difícil encontrar o caminho pelas ruas ou os objetos dentro de casa. “Em menos de 1 ano nove de cada dez pessoas infectadas se tornam debilitadas a ponto de não sair da cama e morrem”, afirma o neurologista Ricardo Nitrini, da Universidade de São Paulo (USP), que há 11 anos identificou o primeiro caso brasileiro de uma forma da doença causada por alteração genética.

Clique aqui para ler o texto completo na edição 137 de Pesquisa FAPESP.

Clique aqui para ver o abstract do artigo Physiology of the Prion Protein.

Fonte: Ricardo Zorzetto / FAPESP

4º Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública

A Fundação Nacional de Saúde – Funasa/Ministério da Saúde promoverá o , em Florianópolis/SC, no período de 10 a 15 de setembro de 2008, sob o tema: Saúde Pública, Responsabilidade Socioambiental e Excelência da Gestão.

Temário
• Transversalidade e articulação intersetorial das políticas públicas de saúde com as demais áreas, focando a engenharia de saúde pública e o meio ambiente;
• Efetividade das ações de engenharia de saúde pública;
• Educação, mobilização e comunicação social em saúde e saneamento ambiental como instrumento de responsabilidade socioambiental;
• A responsabilidade do controle social nas ações de saneamento;
• A ética e a excelência da gestão pública no saneamento ambiental;
• Cooperação técnica e gestão associada em saneamento ambiental;
• Saneamento ambiental em áreas indígenas, rurais, quilombos, assentamentos e extrativistas;
• Poluição dos recursos hídricos;
• Mudanças climáticas e a saúde pública;
• Desastres e riscos ambientais;
• Vigilância e controle de qualidade da água para consumo humano;
• Tecnologia da informação aplicada à engenharia de saúde pública;
• Habitação no contexto da saúde e saneamento em pequenas comunidades urbanas e rurais;
• Alternativas tecnológicas no reuso das águas residuárias;
• Sustentabilidade e efetividade dos investimentos públicos;
• A engenharia de saúde pública e as metas do milênio;
• A aplicação das Leis Federais nº 11.107/2007 e nº 11.445/2007;
• Abastecimento de água;
• Esgotamento sanitário;
• Resíduos sólidos urbanos;
• Gestão em engenharia de saúde pública;
• Drenagem urbana para o controle de malária;
• Melhorias sanitárias domiciliares para o controle de riscos à saúde;
• Edificações em engenharia de saúde pública;
• Melhorias habitacionais para o controle da doença de Chagas.

Maiores informações:www.funasa.gov.br/

Fonte: ENS

Rodrigo Lima é um dos ganhadores do 3º Prêmio Ibero-Americano Rodolfo Halffter de Composição.

Música para o mundo
O compositor Rodrigo Lima, bolsista de mestrado da FAPESP sob orientação do professor Silvio Ferraz Mello Filho, do Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), foi um dos dois ganhadores na terceira edição do Prêmio Ibero-Americano Rodolfo Halffter de Composição.

Lima, agraciado pela composição da obra “Quando se muda a paisagem”, recebeu outros dois prêmios nos últimos dois anos, período que coincide com o de sua pós-graduação.

Em 2006, em Madri, na Espanha, Lima ganhou o 17º Prêmio Jovens Compositores, da Fundación Autor - Centro para La Difusión de La Música Contemporánea (CDMC) pela obra “Matizes”. Na França, em 2008, recebeu prêmio no 5º Fórum Internacional para Jovens Compositores, por “Gestuelle”.

“Além da satisfação pelo reconhecimento do trabalho, por se tratar de um prêmio de grande visibilidade entre os países ibero-americanos, essa é também uma oportunidade especial para um jovem compositor ouvir sua música ser interpretada, já que há ainda grandes restrições por parte das orquestras brasileiras quando se trata de música contemporânea”, disse Lima

“São poucos os grupos no Brasil que se dedicam à música contemporânea. Portanto esse é um momento de extrema importância para a minha carreira. Dedico o prêmio Rodolfo Halffter a pessoas de especial importância em minha trajetória: minha família e os professores Estércio Marquez, Sérgio Nogueira e Silvio Ferraz”, apontou.

O prêmio no México contou com a participação de 58 compositores provenientes de 11 países da América Latina, além de Portugal e Espanha. Participaram da comissão julgadora compositores consagrados como o mexicano Mario Lavista, o português Emmanuel Nunes, o britânico Alexander Goehr e o brasileiro Marlos Nobre.

Segundo Lavista, o prêmio foi outorgado a apenas dois participantes pelo júri ter considerado as obras “de enorme solidez técnica ao mesmo tempo em que denotam a busca de uma linguagem musical pessoal”. O outro vencedor foi o compositor mexicano José Luis Hurtado Ruelas, por “Instante”.

A premiação ocorrerá durante a Instrumenta Oaxaca Verano 2008, um programa permanente de desenvolvimento que compreende educação, criação, difusão e pesquisa musical, quando as obras ganhadoras serão estreadas e os compositores receberão US$ 7,5 mil. O evento será realizado de 28 de julho a 9 de agosto na cidade de Oaxaca, no México.

“Trata-se de um festival que oferece cursos para várias áreas da música e também concertos, reunindo todos os anos compositores, instrumentistas e professores de várias partes do mundo para estabelecer um intercâmbio acadêmico, artístico e musical”, explicou Lima.

Matrizes e matizes
As três obras premiadas do compositor brasileiro foram desenvolvidas no contexto de sua dissertação de mestrado. O trabalho se concentra em análises de técnicas e processos composicionais na música de concerto do século 20.

“Não apenas tento demonstrar algumas estratégias composicionais de compositores como Edgard Varèse, Luciano Berio e Pierre Boulez, mas também faço uso da idéia de matriz harmônica como princípio composicional. Nesse sentido, no meu trabalho utilizo dois conceitos muito próximos: o desenvolvimento da idéia de matrizes e matizes composicionais”, salientou.

Matriz, explica o mestrando, “representa a escolha de um bloco harmônico” de características intervalares específicas que sirva de modelo sonoro para uma obra musical. “Matiz, por sua vez, refere-se às gradações de sonoridades que a matriz harmônica inicial sofre no decorrer da obra.”

Compositor e instrumentista, Lima nasceu em Guarulhos (SP) e é bacharel em composição pelo Departamento de Música da Universidade de Brasília (UnB), onde estudou composição com o professor Sérgio Nogueira Mendes e regência com o maestro David Junker. Iniciou seus estudos de composição e piano na cidade de Goiânia com o compositor Estércio Márquez Cunha.

Suas obras têm sido premiadas, gravadas e estreadas em bienais de música contemporânea, festivais e salas de concerto no Brasil e no exterior, com destaque para o 8º Festival Internacional de Música Contemporânea (2008), em Santiago do Chile, e para a Staatliche Hochschule für Musik Karlsruhe (2007), na Alemanha.

Destaque também para suas participações na temporada 2007 da Orquestra Sinfônica da USP, na Sala São Paulo, na temporada 2006 do Centro para La Difusión de La Música Contemporánea (CDMC), na Espanha, na 16ª Bienal de Música Brasileira Contemporânea no Rio de Janeiro (2005) e no Brazilian Music for Solo Trombone (2002), nos Estados Unidos.

Em 2006, Lima se tornou membro da Sociedade General de Autores y Editores (SgAe) na Espanha. Em 2005, foi agraciado em São Paulo com o 1º prêmio do Concurso Nacional Camargo Guarnieri de Composição por “Nomos”, escrita especialmente para a Orquestra Sinfônica da USP. Esta mesma composição recebeu um prêmio da Academia Brasileira de Música, que resultou em sua publicação e inclusão no Banco de Partituras de Música Brasileira da academia.

O Prêmio Ibero-Americano Rodolfo Halffter de Composição é concedido pelo governo do estado de Oaxaca e pela Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM), em colaboração com o Conselho Nacional para Cultura e Artes e com a Secretaría de Relações Exteriores daquele país.

Mais informações sobre o prêmio: wt.instrumenta.org/cms/pirhc

Mais informações sobre Rodrigo Lima:
www.portalatino.com/rodrigolimacompositor

Fonte: Thiago Romero / Agência FAPESP

Lixo pode produzir 15% da energia do Brasil

Apesar do potencial, estudo realizado para o Ministério das Minas e Energia privilegia energias eólica e solar como alternativas

O lixo das 300 maiores cidades brasileiras poderia produzir 15% da energia elétrica total consumida no país. A estimativa consta no Plano Decenal de Produção de Energia 2008/ 2017 e considera todo o lixo recolhido nestes municípios. O documento deverá ser lançado ainda neste mês e está em fase final de elaboração.

Apesar dessa previsão, o Ministério de Minas e Energia - que encomenda o relatório desde 2006, para balizar suas ações - não tem planos de realizar leilões com a energia do lixo nos próximos anos. Segundo o governo, as prioridades em fontes renováveis são eólica, solar e hidrelétrica.

A falta de perspectivas aumenta a defasagem do Brasil na tecnologia de eletricidade produzida por meio do lixo, na avaliação do professor Luciano Bastos, responsável pelo capítulo que avalia esse potencial no plano decenal a ser lançado.

Bastos, que é pesquisador do Ivig (Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais), diz que a única usina construída especialmente para aproveitar o potencial energético dos dejetos é a termelétrica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, com capacidade de 200 kW por mês, suficiente para abastecer 2.300 casas. Além dessa usina, há os aterros sanitários Novagerar, em Nova Iguaçu (zona metropolitana do Rio), Bandeirantes e São João, em São Paulo, que utilizam o gás metano resultante da decomposição natural da matéria orgânica.

Carbono à venda
A transformação de lixo em energia teria ainda duas conseqüências benéficas, na opinião de pesquisadores. A primeira é incentivar a armazenagem correta dos resíduos, que passam a ser matéria-prima. Dados do IBGE de 2000 indicam que 63,3% dos municípios brasileiros tratam o lixo de forma errada -em geral apenas determinam o terreno em que os detritos devem ser jogados.

Outro benefício seria econômico: assim como outras fontes de energia renovável, o lixo pode gerar créditos de carbono e favorecer o Brasil nas negociações sobre mudanças climáticas. A geração de créditos se deve à queima do metano, produto natural da decomposição orgânica. Este gás é mais danoso ao aquecimento global do que o gás carbônico CO2 - mas é eliminado com a combustão -.

O aterro Novagerar foi o primeiro do mundo a vender créditos pelo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), do Protocolo de Kyoto. "Nossa intenção é deixar de ser uma empresa de resíduos e passar a ser de energia", diz a diretora Adriana Felipeto. A empresa calcula que o investimento necessário para gerar seis megawatts (energia para 24 mil casas) será de US$ 6 milhões.

Para Felipeto, empresas com ações na Bolsa têm mais interesse em comprar a energia do lixo e, por isso, a demanda deve aumentar com o grau de investimento, pois mais companhias devem abrir capital.

"Há um reconhecimento claro da importância do aproveitamento da energia do lixo", diz Manoel Avelino, presidente da Arcadis Logos Engenharia -sócia nos aterros Bandeirantes e São João.

A energia gerada no Bandeirantes (20 MW ou 160 mil casas) é usada pelo Unibanco e a do São João (24.8 MW ou 198,4 mil casas) é vendida para grandes consumidores, como shopping centers. Bastos afirma que, diferentemente das usinas, os aterros não são projetados para gerar energia, apenas armazenar lixo, e por isso são menos eficientes.

Atraso tecnológico
Para Sabetai Calderoni, doutor em ciências pela USP e especialista em reciclagem, há três razões para o atraso brasileiro na produção: 1) as parcerias público-privadas, maiores facilitadoras dos processos de reciclagem no seu entender, são recentes; 2) o interesse na manutenção dos investimentos em aterros; 3) só recentemente os preços de disposição ficaram mais caros.

O assessor de comunicação da Empresa de Pesquisa Energética, instituição ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia responsável pelo decênio, Oldon Machado, diz que o plano decenal tem números sobre os investimentos necessários, mas não específica as fontes alternativas mencionadas.

2.300 casas podem ser abastecidas por mês com a eletricidade de uma termelétrica da Universidade Federal do Rio de Janeiro feita especialmente para aproveitar a energia do lixo. (André Lobato - FSP)

Fonte: Ambiente Ecológico

1º Simpósio Internacional de Violência e Saúde Mental

Um dos destaques do 1º Simpósio Internacional de Violência e Saúde Mental, que ocorrerá de 20 e 22 de junho, na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em São Paulo, será a apresentação de um estudo que mapeou a violência em capitais brasileiras para dimensionar seu impacto no âmbito psíquico da população.

Com promoção do Centro Paulista de Psiquiatria e do Instituto do Milênio Saúde Mental e Violência, o evento terá a participação de profissionais do Brasil e do exterior. A proposta é abordar assuntos como violência social, diagnóstico de estresse pós-traumático e tratamentos disponíveis para aliviar o sofrimento das vítimas.

Serão discutidos ainda os resultados de estudos sobre a prevalência de violência doméstica e de transtornos mentais entre crianças e mulheres de áreas periféricas das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Santos e Fortaleza.

Mais informações: www.detaileventos.com.br/simposiointernacional

Fonte: Agencia FAPESP

22º Congreso Científico Nacional de Estudiantes de Medicina SOCIMEP

XXII Congreso Científico Nacional de Estudiantes de Medicina SOCIMEP Lima 2008

SOCEMVI UNFV- SOCEMURP

Reciban el Cordial Saludo del comité científico del XXII Congreso Científico Nacional de estudiantes de medicina 2008, conocedores de su trayectoria en sus respectivas SOCEMs y el compromiso con la investigación le hacemos extensiva la invitación a que envíen sus trabajos y/o proyectos de investigacion al nuevo mail del comité científico.

El cual dará mayor seguridad y soporte en la recepción de los trabajos, además los invitamos a revisar las fichas de declaración jurada, derecho publicación (en pdf), y las fichas virtuales de autoría y resumen que se encuentran en la página web las cuales deben ser adjuntadas y llenadas respectivamente junto con el envió de los trabajos IN EXTENSO (de acuerdo al formato colgado en la página Web) para la aceptación de sus trabajos.

La nueva Fecha Limite de Envio de trabajos : 22 Junio 2008

Se adjunta el Bases Cientificos en sus diferentes categorias
- Fichas Declaracion Jurada y Derecho de Publicacion
- Formato de presentacion de trabajos IN EXTENSO

Comité Científico XXII CCN SOCIMEP Lima 2008 - SOCEMVI - SOCEMURP

Fuente: Socimep

Alimentos Regionais Brasileiros 2

Culinária do Brasil ganha versão saudável - Equipe da UnB reformula pratos típicos, do empadão ao feijão tropeiro, para deixá-los mais nutritivos e menos calóricos

Almoço de domingo em Goiás é sinônimo de empadão goiano, galinhada e tutu de feijão. Só de pensar dá água na boca e peso na consciência. Afinal, são muitas calorias extras. Mas comer tudo isso pode gerar um prazer sem culpa desde que alguns componentes sejam substituídos, ou simplesmente a forma de preparo sofra pequenas mudanças.

Quatro nutricionistas da Universidade de Brasília (UnB) assumiram o desafio de tornar mais saudáveis as receitas típicas dos quatro cantos do Brasil. Vão transformar o resultado na segunda edição do livro Alimentos Regionais Brasileiros, do Ministério da Saúde (MS). Para isso, elas estão cortando gorduras, sal e açúcar, sempre valorizando os produtos característicos de cada estado.

O trabalho começou pelo Centro-Oeste, com uma extensa pesquisa de campo. A nutricionista Raquel Botelho percorreu restaurantes do Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás para descobrir os pratos preferidos do público. Depois desse levantamento, teve início a listagem de frutas e vegetais do cerrado em visitas a propriedades rurais. Em seguida, ‘repaginou’ as comidas mais populares em versões mais nutritivas e saudáveis.

Para quem está pouco acostumado a mudanças, pode soar estranho acrescentar chuchu ralado e aveia na massa do tradicional empadão. Essa impressão, entretanto, se desfaz ao provar um pedaço do quitute. Esse e outros pratos serão degustados por 50 pessoas. “Queremos saber se elas aprovam, porque se elas não gostarem, será apenas mais um livro na estante e não é isso o que queremos”, diz Raquel.

A primeira prova com pesquisadores da UnB, Ministério da Saúde (MS), Serviço Social do Comércio (Sesc) e Embrapa ocorreu em dezembro de 2007, reunindo 24 receitas numa oficina experimental. Quem foi aprovou o feijão tropeiro, que elimina de forma bastante simples as gordurinhas extras daquela lingüiça fundamental à receita da iguaria. Só o fato de assar, ao invés de fritar, já reduz a quantidade de óleo. E no caso do bacon, recomenda-se não aproveitar a gordura solta por ele ao fogo.

É DO CERRADO
Além de eliminar produtos pouco saudáveis, as pesquisadoras também querem promover o uso de frutas de cada região entre as populações locais. No Centro-Oeste, por exemplo, há fartura de jatobá, pequi, cagaita, jenipapo, cajuzinho-do-cerrado, bocaiúva, gueiroba e marmelada de cachorro.

“Cansa comer a mesma coisa todo dia. As pessoas podem agregar esses novos alimentos às suas dietas, que têm grande quantidade de fibras, minerais e vitaminas”, afirma a pesquisadora do Centro de Excelência em Turismo (CET) da UnB Verônica Cortez Ginani. Nas mãos das nutricionistas, a gabiroba se transformou em doce e molho de salada. Já o jenipapo serviu de ingrediente para um bolo de cor arroxeada, que pode ser uma sobremesa atraente para crianças.

Para estimular o consumo, as estudiosas apostam na facilidade de acesso, na possibilidade de obter frutas e folhagens frescas e no alto valor nutritivo. Muitas delas são encontradas facilmente no quintal ou até nas áreas verdes que circundam vias urbanas. Quem seguir as recomendações estará em vantagem: a alimentação equilibrada dá mais disposição, previne diabetes, câncer, hipertensão e outras doenças.

Para incentivar o hábito, as receitas vêm sendo ordenadas como café da manhã, almoço, jantar e lanche, de forma a constituir um cardápio completo. Isto é, que ofereça opções para todas as refeições feitas num período de 24 horas.

A publicação deve ficar pronta no final de 2008. Até lá, a equipe vai percorrer as regiões Sul, Sudeste, Norte e Nordeste em busca das riquezas de cada lugar. Quando a publicação estiver pronta, será entregue a todos os agentes do programa Saúde da Família do Ministério da Saúde. Para a 1ª edição do livro Alimentos Regionais Brasileiros, o MS usou parte das mais de 5 mil receitas enviadas por municípios de todo o País.

PERFIL
Verônica Cortez Ginani, nutricionista e mestre em Nutrição Humana pela UnB. É pesquisadora e professora do Centro de Excelência em Turismo (CET) da UnB. Contatos pelo e-mail

Raquel Botelho, nutricionista, doutora em Ciências da Saúde pela UnB. É professora do Departamento de Nutrição da UnB.Contatos pelo e-mail

Mariana Veras, nutricionista e mestranda em Nutrição pela UnB.

Wilma Araújo, professora do Departamento de Nutrição

Fonte: Daiane Souza/UnB

Workshop: Promoção de Atividade Física no Ambiente de Trabalho

O workshop “Promoção de Atividade Física no Ambiente de Trabalho” será realizado no dia 20 de junho, em São Paulo.

Promovido pela Associação Brasileira de Qualidade de Vida (ABVQ), o evento objetiva oferecer estratégias de estímulo à prática de atividade física e à redução do sedentarismo no ambiente de trabalho.

O workshop é voltado a profissionais das áreas de saúde, administração e recursos humanos e terá coordenação do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (Celafiscs), um dos responsáveis pelo programa Agita São Paulo.

Alberto José Ogata, presidente da ABVQ, e Timóteo Leandro Araújo, presidente do Celafiscs, serão alguns dos palestrantes. O workshop será realizado das 8h30 às 17h no auditório do Banco Panamericano, avenida Angélica 2530.

Mais informações: (11) 3266-6407 e www.abvq.org.br

Fonte: Agência FAPESP

Prêmio reconhece ações de empreendedorismo inovador no Brasil

O Prêmio se destina a reconhecer e homenagear iniciativas geradoras de tecnologia de ponta, projetos que promovem desenvolvimento local e empresas inovadoras de sucesso no país

A 12ª edição do Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador está com inscrições abertas até 14 de julho de 2008. Exclusivo na América Latina, o Prêmio é realizado pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e destina-se a incubadoras de empresas, parques tecnológicos e empresas inovadoras de sucesso.

Serão sete categorias: Melhor Programa de Incubação de Empreendimentos Inovadores orientados para o Desenvolvimento de Produtos Intensivos em Tecnologia (PIT); Melhor Programa de Incubação de Empreendimentos Inovadores orientados ao Desenvolvimento Local e Setorial (DLS); Melhor Parque Tecnológico / Habitat de Inovação (PTH); Melhor Projeto de Promoção da Cultura do Empreendedorismo Inovador (CEI); Melhor Empresa Incubada (EI); e Melhor Empresa Graduada (EG).

Nas categorias PIT e DLS o concurso será realizado em duas etapas, uma regional, onde serão selecionadas e premiadas cinco propostas, e outra nacional, com a escolha da campeã. Nessas categorias, que são destinadas a incubadoras de empresas de base tecnológica e do setor tradicional, respectivamente, os candidatos deverão estar operando há pelo menos três anos da data de inscrição ao prêmio, terem no mínimo cinco empresas instaladas e não terem sido premiados pela Anprotec nos três anos anteriores.

Para concorrer na categoria PTH, os parques tecnológicos têm que estar operando com no mínimo 10 empresas. Na categoria CEI, o projeto inscrito deve ter sido realizado por instituição que esteja efetivamente operando há pelo menos dois anos. E nas demais categorias, as empresas deverão estar em funcionamento há um ano, no caso da EI, e terem concluído o processo de incubação até no máximo cinco anos, no caso da EG. Para todas as categorias, os candidatos deverão ser associados à Anprotec.

Os vencedores das categorias PIT, DLS e PTH receberão como premiação o valor de R$ 2 mil; à categoria CEI reserva-se a premiação de R$ 1 mil; e para EI e EG, os vencedores receberão passagem área internacional, para viagem de estudos ou negócios.

As premiações e homenagens serão concedidas durante o XVIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas, promovido pela parceria entre Sebrae e Anprotec, que acontecerá na cidade de Aracaju – SE, entre os dias 22 a 26 de setembro de 2008.

As inscrições deverão ser realizadas até o dia 14 de julho de 2008, por meio do envio do formulário eletrônico, disponível no site (www.anprotec.org.br), para o endereço da Anprotec ou para o e-mail .

Sobre as incubadoras de empresas e parques tecnológicos
Um dos fundamentos do processo de incubação é transformar uma idéia inovadora em produto ou serviço e criar empresas preparadas para o mercado. A aplicação do conhecimento adquirido nas universidades com mestres e doutores possibilita os pesquisadores/empreendedores a implementarem, dentro das incubadoras de empresas e parques tecnológicos, soluções de produtos inovadores nunca vistos no mercado.

Hoje as 393 incubadoras possuem 2.775 empresas incubadas, 1493 empresas associadas e já lançaram ao mercado outras 1.980. Aproximadamente, 93% dos gestores dessas incubadoras afirmam que nenhuma de suas empresas faliu depois de ser lançada ao mercado.

Papel da ANPROTEC
Também conhecida como a Associação Brasileira de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas, a Anprotec é a entidade que incentiva a geração de micro e pequenas empresas inovadoras no país, por meio de ações, projetos e programas voltados ao segmento de incubação de empresas.

Para tanto, atua em quatro frentes: capacitação, na qual mantém programas e projetos para aprimorar os processos de implantação, gestão e gerenciamento de incubadoras e parques no país, além de realizar diversos cursos, oficinas, workshops e seminários no decorrer de cada ano; articulação, por meio da consolidação de parcerias com entidades de fomento, poderes executivo e legislativo e entidades públicas e privadas de incentivo ao empreendedorismo inovador; geração de conhecimento, através da produção de publicações e realização de concursos de artigos técnico-científicos; e divulgação, por meio de ações de comunicação e marketing como revistas, publicações on-line, portais de inovação e prêmios.

Serviço
Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador
Data limite de inscrição: 14/07/2008
Para baixar o regulamento e formulários: www.anprotec.org.br/folder_premio
Mais informações: (61) 3202-1555

Fonte: Anprotec