terça-feira, 20 de maio de 2008

Participação de energias renováveis deve aumentar na América Latina até 2018

A participação do petróleo na demanda de energia dos países da América Latina vai diminuir de 42% para 35% até 2018. Essa retração será compensada principalmente pelo incremento da participação do gás natural, que passará de 26% para 32% para as áreas de indústria, transporte e geração elétrica. A hidroenergia deve passar de 9% para 15% para a produção de eletricidade e os biocombustíveis, de 1% para 3%.

Os dados foram apresentados ontem (19) pelo secretário executivo da Organização Latino-Americana de Energia, Carlos Florez, durante o Fórum Global de Energias Renováveis, em Foz do Iguaçu (PR).

Segundo ele, a estimativa é que até 2018 a demanda de energia na região crescerá 73%. Atualmente, a América Latina e o Caribe utilizam 21% de sua capacidade de geração hidrelétrica e 4,2% da capacidade de outras energias renováveis.

“A região tem vastos recursos energéticos, mas eles não estão distribuídos de maneira uniforme. Para seu melhor aproveitamento e segurança, é importante a aplicação de políticas energéticas que impulsionem os projetos de integração regional”, defende Florez.

De acordo com ele, é preciso que a região diversifique sua matriz energética, além de desenvolver estratégias que promovam políticas integrais para a sustentabilidade e segurança energética. “A energia mais econômica é a aquela que não se consume e a mais cara é aquela que não se tem”, avalia.

Para Florez, a participação da produção de biocombustíveis contribui para a economia e a diversificação da matriz energética de alguns países da região e pode ajudar como uma alternativa para cobrir suas necessidades energéticas.

Uma das maneiras de melhorar a eficiência energética da região, segundo ele, é utilizar transporte de massa com energias limpas. “É preciso superar a cultura das pessoas em relação ao uso dos veículos particulares. Está se transportando uma pessoa em um veículo de alto consumo, temos que mudar a mentalidade”, defendeu.

Europa quer aumentar de 10% para 20% o uso
Os países da União Européia deverão ter em breve uma lei para estimular o uso de energias renováveis no continente. A informação foi dada pela secretária-geral do Conselho Europeu de Energias Renováveis, Christine Lins. Segundo ela, a lei vai determinar os objetivos do uso desse tipo de energia, assim como determinar planos estratégicos para atingir as metas.

Na Europa, cerca de 10% da demanda de energia é suprida por fontes de energias renováveis. A previsão é que esse percentual chegue a 20% em 2020. “O compromisso é de melhorar a eficiência de todos os países no uso de energia renováveis”, disse a secretária.

No Brasil, cerca de 46% da matriz energética é formada por energias renováveis, incluindo a hidráulica. Segundo o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura, a média mundial do uso desse tipo de energia é de 13%.

Ele lembra que, com a alta do preço do petróleo e os problemas ambientais causados pelo uso de combustíveis fósseis, é preciso se pensar em aumentar o uso de energias renováveis. “O preço do barril de petróleo é um sinal de que a sociedade deverá buscar outras opções para atender as suas necessidades”, ressaltou.

O diretor da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Onudi) Dmitri Piskounov disse que 1,6 bilhão de pessoas em todo o mundo não têm acesso à eletricidade. Segundo ele, o biodiesel não é a solução para todos os problemas.

“Se todos se jogarem de cabeça para a produção desse combustível, talvez não seja a saída”. Para Piskounov, cada país deve procurar, dentro de suas condições, como utilizar os biocombustíveis na matriz energética.

Fonte: Maria Fernanda Romero / Agência Brasil

2ª Jornadas de Jóvenes Investigadores UNT-AUGM

La fecha límite de presentación de comunicaciones completas y resúmenes será el 30 de mayo. Mientras que las Jornadas se desarrollarán a partir del 23 de junio.

Las II Jornadas de Jóvenes Investigadores UNT-AUGM se desarrollarán los días 23, 24 y 25 de junio, en el Centro Cultural Virla. Podrán participar los estudiantes de grado y postgrado de la UNT, jóvenes graduados, becarios de la UNT, del Conicet y la ANPCyT.

La fecha límite de presentación de comunicaciones completas y resúmenes será el 30 de mayo. Se aceptarán comunicaciones producto de trabajos de investigación originales dentro de un amplio espectro temático. La modalidad de presentación será mediante exposición frente a un póster.

Las comunicaciones se agruparán en las siguientes grandes áreas:
1) Ingeniería, física, matemáticas, geología
2) Química, bioquímica y farmacia;
3) Ciencias de la salud (incluye salud mental y física)
4) Ciencias naturales, agronomía y zootecnia;
5) Ciencias sociales (geografía, historia, arqueología, derecho, sociología, economía, administración)
6) Humanidades y educación (literatura, lingüística, filosofía, educación)
7) Arquitectura
8) Producción artística

Por consultas: http://www.ct.unt.edu.ar/ , teléfonos: (0381) - 4311909/896 int. 202 - Buenos Aires 296 (San Miguel de Tucumán)

Fuente: Cuect

Programa Colégio Doutoral Franco Brasileiro tem inscrições abertas

Os interessados em participar da edição 2008 do Programa Colégio Doutoral Franco Brasileiro podem efetivar as suas inscrições até o dia 30 de junho. O programa objetiva formar recursos humanos de alto nível, no Brasil e na França e é uma iniciativa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho de Presidentes de Universidades Francesas (CPU).

De acordo com a Capes, por meio do programa, os doutorandos brasileiros e franceses poderão ter o título reconhecido automaticamente nos dois países, nos casos de co-tutela. Para isso, é necessário que os estudantes brasileiros façam parte de seu doutorado na França e que os doutorandos franceses realizem parte de seu doutoramente no Brasil, nas diversas áreas do conhecimento.

No Brasil, podem participar do programa os alunos dos cursos avaliados com nota igual ou maior que cinco. Já na França, a iniciativa é voltada apenas para os alunos de universidades consorciadas com a CPU.

Serão concedidas bolsas de estudos, na modalidade doutorado-sanduíche, aos estudantes brasileiros em regime de co-orientação ou co-tutela. No caso de co-tutela, o doutorando deverá permanecer na instituição de destino por um período de 12 a 24 meses. Para os inscritos na categoria de co-orientação, a permanência deverá ser de 12 meses.

Os estudantes selecionados serão contemplados com bolsas mensais no valor de 1,1 mil euros, passagens aéreas, em classe econômica promocional, auxílio instalação e seguro saúde proporcional. Caso esteja previsto no acordo entre as instituições, o orientador estrangeiro receberá diárias para participar da defesa da tese de seu orientando. As atividades deverão ter início em outubro de 2008, na França.

A íntegra do edital do Programa Colégio Doutoral Franco Brasileiro está disponível no link:
http://www.capes.gov.br/editais/abertos/colegio_doutoral.html

Fonte: Gestão CT

Espinafre pode acelerar crescimento muscular

Há muito se sabe, uma dieta rica em folhas é bastante saudável. Entretanto, um estudo da Universidade de Rutgers, de Nova Jersey, nos EUA, apontou uma possível relação dos esteróides presentes na verdura e o aumento da velocidade de crescimento muscular. Segundo o estudo, quando os esteróides têm contato com tecido muscular humano, o processo é acelerado em até 20%. Além disso, o grupo atestou o aumento da força, por meio de avaliações em camundongos.

Apesar da inevitável associação com a infalível fórmula do marinheiro Popeye, especialistas alertam que não se trata de uma solução milagrosa e imediata. Além disso, a substância encontrada no espinafre também está presente em outros vegetais.

De qualquer forma, uma dieta rica em proteínas e atividades físicas ainda é o caminho mais recomendado para alcançar a boa forma física. É o que afirmam as especialistas ouvidas pelo Olhar Vital, para esclarecer essa e outras dúvidas sobre o assunto.

Lenita Zajdenverg
Professora adjunta do Serviço de Nutrologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho


“Sobre as propriedades de alimentos no fortalecimento muscular; antes de falar dos fito-esteróides, precisamos considerar que o fator principal para o desenvolvimento da musculatura é o consumo de proteínas. Elas podem ser encontradas em frango, carne e peixe. Esse tipo de proteína que tem os aminoácidos essenciais é a responsável por esse efeito. É por isso que uma pessoa desnutrida, de privação protéica, terá perda muscular como primeiro reflexo. Não há como falar em ganho muscular sem falar em proteínas.

É evidente que qualquer alimento que possa fornecer, mesmo de forma alternativa, um potencial saudável, seja no desenvolvimento de músculos, seja na prevenção de doenças, será muito bem-vindo. É interessante ressaltar alguns pontos relevantes dessa pesquisa, para entendê-la melhor. Primeiro, a pesquisa foi feita em ratos e não em humanos. Talvez o perfil de absorção desses esteróides seja diferente em seres humanos. Eles foram bem claros, falta extrapolar em humanos. A quantidade percentual de gramas inseridas no organismo do rato, se for comparada ao perfil humano, corresponderia a quantidades imensas para ingestão. Não seria correto dizer: ‘o espinafre leva a ganhos musculares’. A quantidade estimada de um quilograma por dia pode também ser variável, devido a essa diferença de potencial de absorção entre os animais.

Mesmo considerando que a substância foi posta em contato com tecido humano, não significaria concluir que o efeito em humanos foi comprovado. Quando falamos de pesquisas em alimentos, é muito complicado chegar a qualquer conclusão imediata. Por exemplo, a ingestão de espinafre associada à arroz e feijão é diferente da cozida em forma de suflê. A absorção pode ser modificada, pois a forma como o alimento é manipulado interfere bastante nesses resultados. Independente disso o espinafre é um excelente alimento, uma das melhores fontes de ferro.

Contudo, é importante ressaltar que há pessoas que têm restrição à verdura. Uma pessoa com insuficiência renal crônica, terá perda de massa muscular. Entretanto, se esse indivíduo comer espinafre em excesso, pode sofrer algumas consciências, piorando seu quadro, por conta da quantidade de potássio contida no espinafre. Mesmo que a pessoa não tenha essa restrição específica, há alguns casos que merecem atenção. Se o consumo de espinafre for associado a um alimento rico em cálcio, a absorção de cálcio pode ser comprometida, por conta da competição entre os nutrientes. Portanto, a pessoa pode até comer muito espinafre, mas não junto com derivados do leite. Além disso, se for consumido em grande quantidade, por ter muita fibra pode causar diarréia. Nada em excesso é bom.

Não temos como predizer se um possível tratamento com essa substância acarretará efeito colateral. O fato de ser proveniente da natureza não garante nulidade de efeito adverso. Qualquer suplemento alimentar, antes de ser usado, precisa passar por uma avaliação de segurança. O fato de ser planta não quer dizer que não seja tóxico em quantidades excessivas. Se o esterol é retirado da planta e colocado em quantidades muito grandes em cápsulas, por exemplo, torna-se um produto completamente diferente do que se pode comer na alimentação diária. Ainda não é possível dizer o que pode ser feito com essas substâncias.

Esperamos que as pessoas não encarem essas possibilidades como um modismo ou uma solução milagrosa para seus problemas. Em pesquisa alimentar, é preciso ter muita cautela para avaliar. Quando surgiu o modismo de que berinjela abaixava o colesterol, o que não foi comprovado, havia pessoas que comiam quilos de berinjela à milanesa. É claro que isso não ia ter nenhuma eficácia, pois o alimento nesse caso era preparado com óleo e ovo, entre outros.

O conteúdo de massa muscular é, principalmente, herdado. Portanto, o perfil genético é muito importante nesse caso. Algumas pessoas não vão conseguir ficar com um corpo de herói. É preciso saber o limite de sua própria hereditariedade. Independente disso, se a pessoa quer ser um atleta de alta performance, por exemplo, tem como chegar a esses resultados por meio de atividades físicas, associadas a uma dieta rica em proteína, sempre orientado por um profissional. O ideal é o equilíbrio.”

Martha Sorenson
Professora adjunta do Departamento de Bioquímica Médica do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ


“Os dois compostos usados no trabalho são bastante semelhantes e são, ambos, produzidos nessas plantas. Eles sugerem, os autores do trabalho de pesquisa, que a planta talvez produza esses esteróides para se proteger dos insetos. Isso faz com que ele mude o casco, quando eles precisam crescer. É claro que uma planta que faz isso conseguirá atrapalhar a vida daquele inseto que poderia estar comendo as folhas do vegetal. A produção de tecido pela planta provavelmente é uma defesa contra insetos predadores.

Por acaso, há uma analogia com hormônios anabólicos esteróides humanos. Os vegetais têm algumas substâncias comparáveis às humanas, como o próprio esteróide considerado e a insulina. Dessa forma, quando o músculo é mergulhado nisso, o tecido ‘olha’ para a molécula e acha muito parecido com testosterona. No caso da testosterona, ela interage com um receptor que vai para o núcleo e estimula a síntese de proteína. O grupo de pesquisa, além disso, demonstrou também um aumento de força.

O postulado do grupo coloca que os esteróides agem diretamente no receptor de androgênio; chegaram, também, à conclusão que, de fato, os esteróides provavelmente não vingam nesse receptor, mas agem mais tarde, na continuidade do processo. Viram que não adianta aumentar a concentração do princípio ativo, pois o processo continua retardado. O músculo dispõe de várias vias de sinalização que permitem controlar hipertrofia e atrofia. Dependendo da situação, cada via é ativada. Em exercício, é uma; em doença, pode ser outra. Acontece que os esteróides entram por uma dessas vias, aumentando a síntese protéica, capaz de levar a um crescimento muscular de até 20%. Essa síntese protéica é medida pela quantidade de aminoácidos incorporados.

A pesquisa poderia acabar resultando em uma espécie de anabolizante natural, mas é bem possível que a substância tenha outros efeitos. Como demonstrado, aumentam a síntese protéica; o resultado desse processo é um aumento de diâmetro das fibras musculares. Com isso, o músculo fica mais tonificado. A pesquisa, no caso, conseguiu medir a força em um ratinho, alimentado com o princípio ativo, em extrato.

Não dá para dizer se as pessoas teriam um aumento da força sem a prática de exercícios. O fato de que o rato não foi treinado, mas apenas submetido aos testes, sugere algo do tipo. Contudo, tradicionalmente, esses hormônios todos funcionam muito melhor se o indivíduo está se exercitando ao mesmo tempo em que se alimenta. Talvez os resultados fossem melhores se os ratos estivessem sob treinamento.

Diria que esse trabalho é razoável. Talvez sua parte mais interessante seria o fato de existir uma substância capaz de atrapalhar os insetos. Como a planta elabora suas defesas contra as pragas, talvez seria interessante analisar a possibilidade de usar um desses compostos ativos para atrapalhar o ciclo de vida de pragas, especificamente de pragas e mosquitos, atrapalhando a mudança de caso ou o processo de ovogênese (criação dos ovos). Quanto à questão sugerida pela pesquisa em si, há uma outra: não sou simpatizante do uso de anabolizantes, causam um estrago imenso. Além das características secundárias sexuais, aumentam o coração e podem mudar até a personalidade das pessoas. As quantidades usadas pelas pessoas, muitas vezes, são gigantescas, o que os torna ainda mais perigosos.” (Olhar Vital)

Fonte: Jefferson Carrasco e Marcello Corrêa / UFRJ

Inovação não pode ser entendida como onerosa ou arriscada

Na opinião do especialista norte-americano Jay E. Paap, a inovação não pode ser entendida pelos empreendedores como algo caro e cheio de riscos. Paap, que é presidente da Paap Associates, observou que os brasileiros argumentam que não inovam por não terem recursos, ou técnicos qualificados. “Essas razões não são verdadeiras”, ressaltou durante a apresentação da palestra “Possibilidades e Desafios da Inovação na Economia Global”, que aconteceu ontem (19), durante a 8ª Conferência Anpei, em Belo Horizonte (MG).

Paap salientou que os empresários brasileiros não podem assumir que não são inteligentes. “Vejam o exemplo da Petrobras”, citou. O especialista salientou que os empreendedores devem ter uma nova abordagem sobre inovação.

Em sua avaliação, a inovação cabe para qualquer produto e em qualquer mercado. “É preciso inovar, porque se a gente não fizer outros vão fazer”. Paap advertiu aos empresários, que participavam do encontro, que não se deve esperar para que outros empresários roubem o seu mercado.

Segundo Paap, os empreendedores brasileiros devem ouvir os clientes e tomar como premissa que só os clientes podem mostrar o caminho da inovação.

Além disso, o especialista ressaltou que inovação não é, apenas, para empresas higt tech. “Inovação não é invenção. Inovação é a capacidade de atender a necessidade de um cliente, é fazer a conexão entre a necessidade e o cliente”.

Custos
Paap ainda ressaltou que para se fazer inovação, não é preciso ter muito custo no empreendimento. Segundo ele, é possível fazer o monitoramento de novas tecnologias com apenas duas pessoas.

Outro ponto destacado por Paap é o entendimento de que ser inovador é saber gerenciar riscos. “Para inovar você pode cometer erros, mas é preciso entender, que mesmo assim terá sucesso.”

Em sua avaliação é preciso mudar a percepção sobre inovação, gerenciar os riscos, entender como as conexões são possíveis, ouvir os clientes e entender que toda empresa deve e pode inovar.

Fonte:Tatiana Fiuza/ Gestão CT

FAP-DF lança edital de apoio a aquisição, instalação, modernização, ampliação ou recuperação de infra-estrutura de pesquisa científica e tecnológica

A Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP) do Distrito Federal lançou edital para apoiar aquisição, instalação, modernização, ampliação ou recuperação de infra-estrutura de pesquisa científica e tecnológica nas instituições públicas de ensino superior e/ou de pesquisa.

A data limite de envio das propostas é 11 de junho, e o valor máximo a ser financiado por projeto é de R$ 30 mil.

O interessado deve ter título de doutor obtido há menos de cinco anos até a data de submissão das propostas; ter vínculo com instituições de ensino superior, fundações, institutos, centros de pesquisa e desenvolvimento, todos públicos e sem fins lucrativos; não ser nem ter sido coordenador de projeto de pesquisa aprovado por agência de fomento nacional ou internacional (exceto bolsas, auxílio instalação, auxílio à participação em eventos e outros auxílios de curta duração) e ter currículo atualizado na plataforma Lattes.

São financiáveis itens destinados à compra de equipamentos, ma teriais permanentes e bibliográficos; instalações e adaptações necessárias ao funcionamento de equipamentos e material de consumo.

Mais detalhes e edital na página da FAP-DF, no www.fap.df.gov.br .

Fonte : UNB

Workshop: Fuel Cell Market

O evento visa a discussão da utilização de células de combustível na microgeração de calor e de energia

O evento internacional abre com a participação de Miguel Barreto, director da Direcção-Geral de Energia e Geologia, e conta com a divulgação de vários projectos internacionais de utilização de células de combustível em sistemas de microgeração - Dinamarca, Polónia e Irlanda.

A ideia é acelerar a entrada das células de combustível em sistemas de microgeração, tendo em conta que estes ainda têm um contributo muito reduzido no combate às alterações climáticas.

Para desenvolver este mercado é, no entanto, necessário que os custos dos sistemas baixem e que os potenciais interessados sejam identificados. Neste âmbito, os operadores do mercado pretendem transferir os conhecimentos adquiridos no sector da eólica para este mercado emergente.

Localização:Instituto de Sistemas e Robótica - Universidade de CoimbraContactos:Tel: +351-239-796-325, e-mail.

Maiores informações pelo site:

Fonte: AP2H2

1º Encontro Norte-Nordeste de Jornalismo Científico tem inscrições prorrogadas

As inscrições para o 1º Encontro Norte-Nordeste de Jornalismo Científico foram prorrogadas para o dia 25 de maio. O evento acontecerá nos dias 26 a 28 de junho, em Campina Grande (PB).

A iniciativa, que é da Universidade Estadual da Paraíba, em parceria com a Associação Brasileira de Jornalismo Científico, vai discutir ações sobre o tema "Comunicação Pública da Ciência e o Desenvolvimento Regional".

Os interessados podem inscrever trabalhos em três categorias: iniciação científica, voltada para estudantes de graduação; relatos de experiência profissional destinada a profissionais de empresas ou assessorias de comunicação; e pesquisa e estudo em Jornalismo Científico ou Comunicação Pública da Ciência para estudantes de pós-graduação, professores e pesquisadores. Os trabalhos devem ter oito páginas e podem ser enviados pelo e-mail .

Uma das propostas do encontro é induzir o debate para, posteriormente, criar condições para que o tema se consolide como linha e projetos de pesquisas em cursos de graduação e pós-graduação nas duas regiões.
Para mais informações, acesse o site www.abjc.org.br .
Fonte: Gestão CT

2º Fórum Internacional de Saúde Coletiva, Saúde Mental e Direitos Humanos

Começa na próxima quinta-feira, dia 22 de maio, um dos mais importantes eventos da área de saúde do país: o II Fórum Internacional de Saúde Coletiva, Saúde Mental e Direitos Humanos. O Credenciamento começa já à partir das 8 horas. Ao meio dia será aberto uma mostra cultural no Hall do Teatro Odylo Costa, Filho, com cartazes dos 30 anos da Reforma Psiquiátrica na Brasil. Em seguida, às 14 horas, mostra de Vídeos e filmes. A abertura oficial está prevista para às 16 horas com a presença do Reitor da UERJ, Profº Ricardo Vieiralves.

Na mesa de abertura estarão presentes, o Vice-Presidente da Fiocruz e da ABRASCO, Paulo Ernani Gadelha Vieira; O Diretor da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), Antonio Ivo de Carvalho; o Coordenador Nacional do Movimento Nacional de Direitos Humanos, Gilson Cardoso; Carmem Silveira de Oliveira, da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República; Gregório Kazi da Universidade Popular das Mães da Praça de Maio; e representantes da Comissão Organizadora do Evento Profº Fernando Freitas da UERJ e Paulo Amarante da Fiocruz.

O Fórum Internacional tem o objetivo principal de potencializar as possibilidades de transformação, criação e crítica na área de Saúde Coletiva, Saúde Mental e Direitos Humanos através de atividades que visam socializar experiências, produzindo novas intervenções. Para o Profº Fernando Freitas, a união de diferentes organizações que atuam ativamente nas áreas de Saúde Coletiva, Saúde Mental e Direitos Humanos num evento como este é muito importante na busca de avanços significativos para os profissionais e usuários destas ciências no país: “O Fórum é um espaço muito rico para trocas de experiências que constroem um painel sobre os mais diversos projetos sobre Saúde Coletiva, Saúde Mental e Direitos Humanos, desenvolvidos no país.

Fernando destaca também que o Fórum terá muita participação dos usuários dos sistemas de Saúde Mental, Saúde Coletiva e Direitos Humanos. Destaque para o lançamento do Vídeo TV Pinel, dia 23 de maio ás 18 horas e para a apresentação do Teatro do Oprimido, grupo coordenado por Augusto Boal que encerra com uma apresentação artística o Evento no Domingo, dia 25 de maio, às 10 horas, no Posto 6, em Copacabana. Confira aqui a programação completa do Fórum Internacional

Mais informações pelo site: http://www.saudementaledireitos.com.br/

Fonte: Henrique Galvão / UERJ

125 anos de Walter Gropius


Mais conhecido como o pai da Bauhaus, importante escola que marca até hoje a produção do design e da arquitetura, o arquiteto Walter Gropius nasceu há 125 anos (19/05).

Originário de tradicional família de Braunschweig, Walter Gropius nasceu em Berlim, em 18 de maio de 1883. Quando Gropius veio ao mundo, seu tio-avô, Martin Gropius, já havia construído um dos mais belos e célebres prédios da capital alemã, o espaço de exposições que hoje é conhecido pelo nome de Martin Gropius Bau.

A fundação da Bauhaus, em 1919, pode ser entendida como um resumo das idéias que o arquiteto vinha amadurecendo desde seu trabalho junto a um dos precursores do movimento moderno, o arquiteto Peter Behrens. Além de Gropius, trabalhavam no escritório de Behrens, por volta de 1910, Le Corbusier e Mies van der Rohe.

Superação do dilema artístico
Quando se tornou o primeiro diretor da Bauhaus de Weimar, fusão da Escola de Artes Aplicadas e da Academia de Belas-Artes da Saxônia, Gropius trazia consigo, apesar da pouca idade, as melhores qualificações.

Para dirigir e estabelecer o programa de ensino da escola fundada para superar o dilema artístico na produção industrial e de arquitetura, sua experiência no escritório berlinense de Behrens foi essencial.

No escritório de Peter Behrens, ele havia participado do histórico projeto para a companhia de eletricidade AEG, onde o design industrial foi introduzido pela primeira vez. Tratava-se não somente de um projeto arquitetônico para a fábrica de turbinas, mas de seu completo design corporativo: dos aparelhos elétricos aos logotipos do papel de carta.

Em 1910, Gropius abre seu próprio escritório de arquitetura. Dois grandes projetos marcaram sua produção anterior à Primeira Guerra. A fábrica Fagus de 1911, em Alfeld/Leine, um dos primeiros projetos que usaram o ferro e o vidro de forma moderna, e um projeto de fábrica para a exposição do Werkbund de 1914, em Colônia.

Era de mudanças
Em 1915, Gropius casa-se com Alma Mahler, ex-mulher do compositor Gustav Mahler, de quem vem a se separar oito anos mais tarde. Após a guerra, quando Gropius volta como um oficial altamente condecorado, ele participa do assim chamado Grupo de Novembro, cujo objetivo era absorver os impulsos da revolução de novembro de 1918, que derrubou a monarquia na Alemanha. Foi nesta era de mudanças que nasceu a Bauhaus.

A escola surgiu sob a idéia da "grande construção" e representava a corrente da Nova Construção ou Nova Objetividade. Seu lema inicial era construir a "catedral do futuro" ou "catedral do socialismo". Inspirada nas construções das catedrais medievais, a Bauhaus procurava reunir artes e ofícios para atender à sociedade do futuro, pacífica e sem contradições.

Interesses da indústria
Gropius dirigiu a Bauhaus até 1928. Nos primeiros tempos, seus conceitos foram influenciados pela idéia da "obra de arte total" propagada pelo compositor Richard Wagner no século anterior, e pela superação dos estilos históricos na arte através da transformação da vida numa experiência estética, difundida pelo filósofo Friedrich Nietzsche. Em sua segunda fase, a Bauhaus logo sucumbiu aos interesses da indústria.

Acusada de "bolchevismo" e "judaísmo" pelo governo conservador de Weimar, a escola mudou-se para a liberal Dessau em 1925, onde Gropius projetou sua famosa sede funcionalista. Em vez da "catedral do futuro", lema inicial da Bauhaus, a escola passou a defender a integração da arte com a técnica.

Abandonado pelos sindicatos e trabalhadores e perseguido pelos conservadores, Gropius encontrou refúgio, e financiamento, nos industriais. A forma passou então a seguir a função. A política, no entanto, não deixou de marcar tanto o início quanto o fim da escola, fechada pelos nazistas em 1932, que consideravam o modernismo "coisa de comunista".

Princípios funcionalistas e universalistas
Por medo de perseguições, Gropius se exilou na Inglaterra em 1934. Os projetos residenciais e escolares da época, que fez juntamente com o arquiteto inglês Maxwell Fry, influenciaram bastante a arquitetura local.

Em 1937, ele aceitou um convite da Escola de Arquitetura da Universidade de Harvard nos Estados Unidos. Gropius tornou-se diretor do departamento em 1938, cargo em que permaneceu até 1952.

Por ocasião da 2ª Bienal de São Paulo, em 1953/54, Walter Gropius foi ao Brasil para o júri do prêmio de arquitetura. A visita do primeiro diretor da Bauhaus à Casa de Canoas de Oscar Niemeyer nada agradou ao arquiteto brasileiro.

Precursor do funcionalismo e opositor do individualismo na arte, Gropius afirmou a Niemeyer: "Sua casa é bonita, mas não é multiplicável". Em seus escritos, Niemeyer comenta assim o ocorrido: "Como alguém pode falar tanta burrice com ar de seriedade? Como pode ser multiplicável uma casa que se adapta tão bem ao terreno?".

Com razão ou não
Com razão ou não, Gropius permaneceu fiel aos princípios funcionalistas e universalistas até sua morte, em julho de 1969. Além de inúmeros projetos nos Estados Unidos e pelo mundo, o arquiteto alemão, que desde sua emigração aos 54 anos para os EUA se dizia norte-americano, realizou importantes projetos em Berlim.

Entre eles, o prédio residencial para a exposição de arquitetura Interbau em 1957, o prédio do Arquivo da Bauhaus e um conjunto habitacional de 18,5 mil moradias no bairro de Neukölln, que hoje leva o nome de Gropiusstadt ou Cidade de Gropius.

Fonte: Carlos Albuquerque/ DW - WORLD.DE

Saúde e Desenvolvimento assinam portaria que define parceria de laboratórios públicos de fármacos e privados

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Miguel Jorge, e o Ministério da Saúde (MS), José Gomes Temporão, assinaram hoje (19/5) portaria interministerial sobre compras públicas de fármacos e medicamentos. Amanhã, o documento será assinado pelos ministros do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), Paulo Bernardo, e de Ciência e Tecnologia (MCT), Sérgio Rezende. A medida faz parte das ações voltadas à área da Saúde, previstas na Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP), lançada dia 12 de maio.

A portaria visa aproveitar o poder de compra do Estado, via Sistema Único de Saúde (SUS), para tentar recuperar o setor farmoquímico nacional. Com isso, espera-se a redução de déficits comerciais, o fortalecimento dos setores industriais estratégicos e a recuperação da capacidade tecnológica e do capital humano brasileiro no setor. O documento foi assinado durante o seminário “Complexo Industrial da Saúde”, realizado hoje no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro (RJ).

O grupo do MDIC que participará das ações para a implementação da portaria será formado por integrantes da Secretaria de Tecnologia Industrial (STI) e da Secretaria de Desenvolvimento da Produção (SDP).

Política de Desenvolvimento Produtivo
O Complexo Industrial da Saúde é um dos 24 setores contemplados pela Política de Desenvolvimento Produtivo. O objetivo do governo é reduzir o déficit do segmento, dos US$ 5,5 bilhões, registrados em 2007, para US$ 4,4 bilhões até 2013, e desenvolver tecnologia para a produção local de 20 produtos estratégicos para o SUS, até 2013. Mais informações sobre a PDP podem ser acessadas em www.desenvolvimento.gov.br/pdp .

Fonte: Alien Moura /MDIC

A escola como fator de proteção à conduta infracional de adolescentes

Young offenders: the school as a protective factor for criminal behavior

A escola pode contribuir de forma decisiva para a diminuição do número de reincidências dos jovens infratores, de acordo com uma pesquisa realizada na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

O estudo, publicado na revista Cadernos de Pesquisa, da Fundação Carlos Chagas, indica que o fato de o adolescente não freqüentar a escola está associado ao número crescente de reincidências, ao uso de entorpecentes e, também, à utilização de armas.

A pesquisa – que traçou o perfil de adolescentes submetidos a medidas socioeducativas em uma cidade no interior paulista – mostrou também que os adolescentes com nível educacional mais alto viviam com ambos os pais, ao passo que aqueles com escolaridade mais baixa moravam com famílias monoparentais.

Mais da metade (60,2%) dos adolescentes em conflito com a lei não freqüentava a escola, e cerca de 43,2% deles alegaram ter saído por desinteresse, segundo Alex Eduardo Gallo, professor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), um dos autores e coordenador do estudo. A outra autora, Lúcia Williams, é professora titular do Departamento de Psicologia e coordenadora do Laboratório de Análise e Prevenção da Violência da (LAPREV) UFSCar.

De acordo com Gallo, um dos principais entraves para o desenvolvimento de programas educacionais voltados para adolescentes em situação de risco é o fato de eles serem vistos quase sempre apenas como autores de delitos, mas os fatores que geram a conduta não são levados em conta.

“Quando se considera a segurança pública, a tendência é definir políticas públicas de combate ao crime. Nessa tendência vêm as cobranças por maior repressão e por redução da maioridade penal. Mas, quando se questiona o que leva um adolescente a cometer uma infração, parte-se do princípio de que as pessoas não nascem criminosas”, disse o pesquisador.

O estudo traçou o perfil de adolescentes submetidos a medidas socioeducativas. Foram analisados 123 prontuários de atendimento em 2002, que corresponderam a 65% dos prontuários no período. Os documentos foram compostos pela entrevista inicial, realizada no momento em que o adolescente entrou na instituição, e pela cópia do processo judicial, em que foi avaliada a natureza do crime, entre outras questões.

Segundo Gallo, para identificar variáveis associadas à determinação da conduta infracional, foram analisados aspectos como questões de gênero, natureza da infração, drogas e o perfil socioeonômico (como renda, habitação, família e educação).

Outro entrave para as políticas públicas foi verificado dentro da escola. O estudo apontou que os professores têm dificuldade em lidar com alunos que desrespeitam as regras, que podem ser agressivos e que apresentam problemas gerais de aprendizagem. Mas, embora o preparo dos professores seja uma barreira, as mudanças não podem se limitar à capacitação de educadores, indicaram os autores.

“A barreira maior é a tendência de se buscar os culpados, passando as responsabilidades para outros agentes. Se algum aluno apresenta problemas na escola, a tendência é buscar motivos familiares e específicos desse aluno e não as condições da escola que podem favorecer esses comportamentos”, disse Gallo.

Padrões infracionais
Grande parte dos jovens entre 13 e 18 anos (75,6%) cumpriam medida de Liberdade Assistida (LA), contra 24,4% que cumpria Prestação de Serviço à Comunidade (PSC). Cumpriam a medida pela primeira vez 82,9% dos adolescentes.

Os dados apontaram que 87,9% eram do sexo masculino, e 12,1%, do feminino. Quanto aos delitos praticados, furto foi a infração mais comum (36,6%), seguido por roubo (15,4%) e tráfico de drogas (8,9%). Comparando-se o gênero dos participantes com a infração praticada, percebeu-se que a maioria das adolescentes do sexo feminino praticou furto e tráfico, enquanto os meninos praticaram as demais infrações.

De acordo com Gallo, existe um padrão identificado em diversos estudos nacionais e internacionais que diferencia as infrações por gênero. Meninos tenderiam, segundo ele, a um padrão externalizado, com agressões diretas, enquanto as meninas tendem a um padrão internalizado: elas agrediriam de forma indireta, difamando a vítima.

“Esse padrão é observado também na prática de infrações. Meninos tendem a agressões que violem os direitos de outras pessoas diretamente, como agressões físicas, roubo e homicídios. Meninas tendem a agressões que não envolvam o contato direto com a vítima, como o furto, o tráfico de drogas, a difamação e calúnias”, disse o professor da Universidade Estadual de Maringá.

O estudo caracterizou também os tipos de armas mais utilizadas pelos jovens infratores. Foram registradas 23 ocorrências com arma, das quais 43,5% se referiam ao uso de arma branca (faca, punhal, canivete) e 56,5% ao de armas de fogo. Quando comparado ao número de reincidências com o uso de arma, entre os primários 81,4% não usaram arma, enquanto entre os reincidentes foi verificada uma tendência crescente do uso de armas conforme o aumento do número de reincidências.

No aspecto “moradia”, os pesquisadores observaram que 69,9% dos adolescentes moravam em casa própria. E que o poder aquisitivo se manteve baixo, com média salarial familiar de R$ 574,60. Segundo Gallo, a pobreza é um fator que potencializa os demais, mas não o principal, nem é um fator isolado.

“São diversos os fatores: práticas parentais inadequadas, uso de violência nas interações familiares, violência doméstica, abuso físico e psicológico. Geralmente, os problemas familiares estão na raiz. Somam-se a isso as dificuldades da escola em lidar com esses adolescentes e se tem uma bomba que pode explodir”, afirmou.

Revisão de políticas
De acordo com Gallo, os programas socioeducativos reproduzem o modelo tradicional e focam nas conseqüências a longo prazo. Os adolescentes em conflito com a lei apresentam dificuldades em lidar com conseqüências a longo prazo. Estudar seria “aprender a lidar com conseqüências a longo prazo”.

“Furtar ou roubar é imediato. Como é possível explicar para um adolescente com baixíssima escolaridade para deixar o tráfico de drogas, onde ele pode faturar R$ 10 mil por mês, para voltar a estudar e, no futuro, ter um bom emprego? É difícil competir com essa realidade”, destacou.

O estudo chama a atenção para a necessidade de se rever a política nacional de educação para esses alunos que requerem “necessidades educativas especiais”. Apesar de haver uma diretriz para a inclusão desses adolescentes, os jovens infratores são continuamente expulsos pelas escolas que não conseguem lidar com os desafios de seus comportamentos.

Segundo o trabalho, o professor brasileiro não recebe capacitação e incentivo para lidar com essa população. Seria preciso reconhecer os problemas de exclusão de alunos e de incapacidade das escolas para lidar com eles. Mais recursos para capacitar melhor os professores, salas de aula com número reduzido de alunos e apoio psicológico são algumas das recomendações do estudo.

Gallo destacou que a situação tem mudado, especialmente nas universidades públicas. “Disciplinas que abordam fenômenos e processos relacionados à educação têm se destacado na formação de educadores críticos, que possam pensar o fenômeno sob uma ótica mais científica. Porém, o desenvolvimento desse senso crítico, de um olhar científico ou de aprendizado de pesquisa acaba ficando restrito às universidades públicas que prezam pela pesquisa”, disse.

Para ler o artigo A escola como fator de proteção à conduta infracional de adolescentes, de Alex Eduardo Gallo e Lúcia Williams, disponível na biblioteca on-line SciELO (Bireme/FAPESP), clique aqui.

Fonte: Alex Sander Alcântara / Agência FAPESP

Tocantins lança edital do Programa de Apoio à Pós Graduação

O edital do Programa de Apoio à Pós Graduação Stricto Sensu (PAPG) da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Tocantins foi publicado no Diário Oficial do Estado, na quinta-feira (15). O governo concederá 24 bolsas de estudo de mestrado e doutorado, financiadas pelo Fundo Estadual de Ciência e Tecnologia (FECT) para servidores públicos estaduais e municipais de Tocantins. As inscrições poderão ser feitas de 26 a 30 de maio.

Nas áreas de ciências exatas e da terra e engenharias serão concedidas quatro bolsas de mestrado e duas de doutorado. Em ciências biológicas, agrárias e da saúde, serão seis de mestrado e três de doutorado. Por fim, nas áreas de ciências humanas, sociais aplicadas e educação, serão oferecidas seis bolsas de mestrado e três de doutorado.

As inscrições deverão ser encaminhadas à Comissão de Processo Seletivo, sendo protocoladas na Diretoria de Educação Profissional da Secretaria de Ciência e Tecnologia. Os candidatos poderão ainda enviar a inscrição via postal para o endereço Centro Empresarial Mendonça, Av. Teotônio Segurado, 401 Sul, Conjunto 01, Lote 17, 2º e 3º andares. CEP: 77.015-550, Palmas (TO).

Veja a íntegra do edital no link:
http://www.tecnologia.to.gov.br/editais/EDITAL_PAPG_2008_1.pdf

Mais informações, no site www.tecnologia.to.gov.br

Fonte: Gestão CT

Presidente do Inatel diz que Prime é um marco importante no desenvolvimento industrial e tecnológico

O novo programa da Finep, Primeira Empresa Inovadora (Prime), é visto pelo presidente do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), Adonias Costa da Silveira, como uma significativa iniciativa do governo federal. “O programa será um marco importante no desenvolvimento industrial do Brasil no setor tecnológico, em razão dos seus objetivos e do volume de recursos financeiros que serão alocados ao projeto”, disse Silveira, em entrevista ao Gestão CT.

O Inatel é uma das 18 incubadoras que estão cotadas para operar o programa que será desenvolvido para apoiar empresas nascentes de base tecnológica. Os recursos totais previstos para o programa ser desenvolvido até 2010 é de R$ 1,3 bilhão. Parte deles serão administrados pelas incubadoras. Silveira considera que as instituições estão preparadas para receber tal função.

Ele lembra que as incubadoras já alcançaram um bom nível de maturidade e de muita experiência na formação de novas empresas. Em sua avaliação, elas dispõem de condições necessárias para implementar com sucesso os objetivos do programa, usando com alto nível de desempenho os recursos a serem disponibilizados. “Sem dúvida, um fator preponderante para se alcançar os melhores resultados é a autonomia das incubadoras para a utilização dos recursos”, salientou.

Associado
No último mês de abril, o Inatel se associou à ABIPTI. Segundo o presidente do instituto, a decisão de se associar foi motivada pelos objetivos da ABIPTI, que congrega as instituições brasileiras de pesquisa tecnológica. “Uma vez que o Inatel tem exercido um papel preponderante no desenvolvimento tecnológico e na implantação do pólo tecnológico conhecido como Vale da Eletrônica, não poderia continuar não-associado a uma entidade da importância da ABIPTI.”

Ele ainda considera que o Inatel poderá compartilhar a sua experiência com outras instituições associadas, mediante uma “efetiva” participação nas atividades e eventos da ABIPTI.

Atuação
Localizado no interior de Minas Gerais, em Santa Rita do Sapucaí, o Inatel atua por mais de quatro décadas na formação de recursos humanos na área de engenharia elétrica, com cursos de graduação e pós-graduação em eletrônica, telecomunicações e computação. Silveira observa que é possível se perceber que há hoje, no Brasil, uma grande preocupação relacionada ao desenvolvimento e ampliação do ensino tecnológico, em todos os níveis. “Há claramente uma compreensão de que o desenvolvimento do país depende fundamentalmente da formação em grande escala de recursos humanos neste segmento profissional.”

Além disso, o instituto presta serviços de treinamento especializado, em pesquisa, no desenvolvimento tecnológico e na transferência de conhecimentos e tecnologias para as empresas.

Para este ano, a proposta apresentada no Plano de Desenvolvimento Institucional do Inatel indica a ampliação de suas atividades. A idéia, de acordo com o presidente, é aumentar o número de cursos oferecidos e ampliar os projetos de P&D com novas parcerias e promover uma maior interação com o setor empresarial.

O presidente salienta que iniciativas de sucesso como o desenvolvimento de ações do Inatel podem ser desenvolvidas em diferentes regiões do país, principalmente, no interior dos Estados. “O trabalho realizado em Santa Rita do Sapucaí pode ser desenvolvido em muitas outras regiões. Isso depende de iniciativas e conjugação de esforços, como o que aconteceu aqui”, finaliza.

Para mais informações sobre o Inatel, acesse o site www.inatel.br .

Fonte:Tatiana Fiuza / Gestão CT

Maria Angela do Rego Barros é eleita presidente da Anpei

A administradora de empresas Maria Angela do Rego Barros, responsável pela área de relações governamentais para pesquisa, desenvolvimento e inovação da Motorola, é a nova presidente da Anpei – Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras. A escolha ocorreu nesta segunda-feira (19/5) em assembléia geral dos associados da entidade, em Belo Horizonte, onde se realiza a VIII Conferência Anpei de Inovação Tecnológica.

Também foi escolhido o novo vice-presidente, Carlos Eduardo Calmanovici, engenheiro químico responsável pela área de gestão estratégica da inovação da Braskem (Unidade Poliolefinas). A eleição foi por aclamação, pela totalidade dos associados presentes na assembléia. Fundada em 1984, a Anpei passa ser presidida pela primeira vez por uma mulher.

Estão encerrando seus mandatos, como presidente, o engenheiro de aeronáutica e cientista-chefe da Embraer, Hugo Borelli Resende, e, como vice-presidente, o engenheiro químico Américo Martins Craveiro, diretor de gestão tecnológica da Vallée.

Maria Angela do Rego Barros e Carlos Eduardo Calmanovici já integravam a diretoria da Anpei. Eles apresentaram na assembléia as principais ações que pretendem desenvolver até maio de 2009, quando serão encerrados seus mandatos. A profissionalização da Anpei, com a participação de técnicos de reconhecida capacitação na elaboração de trabalhos dirigidos aos associados e aos órgãos governamentais, é um dos objetivos da nova gestão. Outro, é que os comitês temáticos da associação passem a incorporar grupos de trabalho para apresentar propostas e soluções com assuntos e prazos definidos. Assuntos de interesse mais abrangente serão tratados por comitês permanentes.

Outra proposta é que a Anpei desenvolva um sistema pelo qual passe a certificar as empresas inovadoras, com a criação de uma espécie de “Selo Anpei”. A formação de um Conselho Superior Consultivo, com a participação de profissionais de destaque na área de inovação tecnológica, também está em pauta.

Maria Angela quer fortalecer a Anpei institucionalmente, pois prevê que a entidade terá um papel cada vez mais importante no universo da inovação no Brasil. Ela citou como exemplo a meta anunciada pelo governo federal de o setor privado ampliar seus investimentos em P&D de R$ 11,9 bilhões, em 2005, para R$ 18,2 bilhões, em 2010.

Na assembléia ocorrida em Belo Horizonte, houve renovação de metade do corpo diretivo da Anpei. Também para um mandato de dois anos, foram eleitos diretores: Carlos Alberto Schneider, da Fundação Certi, Elisabeth Urban (IEL-RS), Luis Cláudio Silva Frade (Eletronorte), Martín Izarra (Brapenta Eletrônica), Paulo Cesar Giarola (Embraer) e Sebastião Lauro Nau (Weg).

Mais informações sobre a VIII Conferência Anpei estão em http://www.anpei.org.br/

Fonte: Anpei

Fucapi promove a 8° Semana de Engenharia de Comunicações

A Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação tecnológica (Fucapi), que é uma instituição associada à ABIPTI, realizará, por meio do Instituto de Ensino Superior (Cesf), nos dias 19 a 21 de maio, a 8° Semana de Engenharia de Comunicações: Formação Acadêmica e Empregabilidade. A programação será das 14h às 22h20 e acontecerá nas salas de aula, auditório e laboratórios da Fucapi.

O evento contará com mini-cursos sobre “Instrumentação Eletrônica Básica”, “A evolução dos criptossistemas” e “Matlab” . Haverá palestras, entre elas: “O desafio de Empreender” e “Mercado de Trabalho e Primeiro Emprego”.

Os temas empregabilidade, incubadoras e emprego serão discutidos pelo Serviço de Apoio às Pequenas e Médias Empresas do Amazonas (Sebrae-AM), pelo Centro de Integração Empresa Escola (Ciee), pela Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Feam), pelo Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (Cide) e pela Incubadora de Design da Fucapi. As vagas para os mini-cursos e palestras são limitadas. As inscrições são gratuitas e só poderão ser feitas por meio do site www.cesf.br . Em texto da Fucapi, o coordenador da Semana de Comunicações, Frederico Pinagé, apontou que este ano a diferença está na ênfase que os temas da exposição darão ao processo de empregabilidade e empreendedorismo de profissionais recém-formados.

Segundo ele, o objetivo do evento é mostrar aos acadêmicos do curso de Engenharia de Comunicações que é possível ter sucesso profissional e empresarial após o término da faculdade. Para isso, como observou, é necessário especialização e estratégias de negócios. Pinagé ressaltou que o evento é aberto aos acadêmicos de outras instituições de ensino superior e profissionais do ramo.

Informações adicionais podem ser obtidas pelo site https://portal.fucapi.br e pelo telefone (92) 2127-3049.

Fonte: Gestão CT

Abertas as inscrições para Professor Adjunto na área de Biblioteconomia e Organização da Informação

Estão abertas as inscrições para Professor Adjunto na área de Biblioteconomia e Organização da Informação, no Departamento de Ciência da Informação e Documentação da Universidade de Brasília.

Informações sobre o concurso:
Área: Biblioteconomia e Organização daa Informação
Requisito básico: Doutorado em Ciência da Informação

O candidato deverá solicitar sua inscrição no concurso exclusivamente via Internet, no endereço eletrônico http://www.cespe.unb.br/concursos/docentesunb , no período compreendido entre as 10 horas do dia 12 de maio de 2008 e as 22 horas do dia 25 de maio de 2008.

Taxa de inscrição: R$ 137,24 (cento e trinta e sete reais e vinte e quatro centavos).

Para maiores informações, o Edital poderá ser acessado na íntegra a partir da página da UnB: http://www.unb.br/

Fonte: JGM / UnB

1º Seminário Imagem e Pensamento


O 1º Seminário Imagem e Pensamento, promovido pelo Grupo de Reflexão Imagem e Pensamento, vinculado ao Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (Unicamp), será realizado de 28 a 30 de maio, no interior paulista.

O objetivo é reunir docentes, alunos e pesquisadores para discutir, em diferentes abordagens e modalidades, os temas “Como pensam as imagens?”, “Antropologia e arte: como descobrimos as imagens”, “As cumplicidades entre texto e imagem” e “Pensar por imagens: por uma epistemologia do visual”.

Com a participação dos professores Marcius Freire e Nuno César de Abreu, ambos do Instituto de Artes da Unicamp, o cineasta e produtor João Moreira Salles fará o encerramento do encontro, que também contará com a exposição de fotografia “Arqueologia do urbano: a vida nas cidades”.

Mais informações: http://www.iar.unicamp.br/jornal/cinema/index.php

Fonte: Agência FAPESP

Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador


Para reconhecer e prestigiar iniciativas inovadoras e dar visibilidade aos resultados das incubadoras de empresas, parques tecnológicos e empreendimentos inovadores, a Anprotec abre inscrições ao Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador.

Criado há 12 anos, o Prêmio vem se mostrando um importante mecanismo de promoção dos Associados Anprotec, pois, a cada edição, sua aceitação na mídia nacional e junto a importantes entidades parceiras vem se mostrando cada vez maior.

Portanto, se a sua instituição é associada à Anprotec, tem resultados bem-sucedidos e iniciativas empreendedoras, você não pode deixar de inscrevê-la em uma das categorias abaixo:

Clique nos títulos para baixar os formulários de inscrição!

Melhor Programa de Incubação de Empreendimentos Inovadores orientados para o Uso intensivo de Tecnologias (PIT)

Melhor Programa de Incubação de Empreendimentos Inovadores orientados ao Desenvolvimento Local e Setorial (DLS)

Melhor Parque Tecnológico/Habitat de Inovação (PTH)

Melhor Projeto de Promoção da Cultura do Empreendedorismo Inovador (CEI)

Melhor Empresa Incubada (EI)

Melhor Empresa Graduada (EG)

Não perca a oportunidade de projetar suas ações e resultados ao País, inscreva-se no Prêmio e boa sorte.

Baixar regulamento

Mais informações: (61) 3202.1555 ou acesse o site http://www.anprotec.org.br/

Fonte: Anprotec

Grando diz que Política de Desenvolvimento Produtivo não tem prioridades, mas representa maturidade

O secretário de Tecnologia Industrial do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Francelino Grando, disse hoje (19), em Belo Horizonte (MG), que concorda que as 24 prioridades definidas na Política de Desenvolvimento Produtivo pode não representar prioridade nenhuma. “É preciso ler com detalhes os 24 pontos da política para entender que ela representa uma maturidade frente à Pitce [Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior]”.

Segundo Grando, que participou da abertura da 8ª Conferência Anpei, a nova Política de Desenvolvimento Produtivo é resultado de um mecanismo permanente de gestão dos investimentos públicos. “Na primeira política eram poucos setores atendidos, agora queremos ampliar, estimular os incentivos e os investimentos”.

Em sua avaliação, a nova política, por exemplo, vai estimular a inovação nas empresas promovendo a desoneração na contratação de técnicos qualificados. Ele salientou que uma das propostas é desonerar o recolhimento da folha de INSS para a contratação de mão-de-obra qualificada para as empresas de base tecnológica, entre outras ações.

Cenário inovador
A criação de um cenário promissor para a promoção da inovação foi o ponto destacado pelo presidente da Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras (Anpei), Hugo Borelli, durante a abertura do evento, que acontece na capital mineira até quarta-feira.

Segundo Borelli, o momento “é interessante para inovar”. Ele salientou que a Política de Desenvolvimento Produtivo representa um esforço e um resultado de conversas entre setores. “A Anpei tem um bom relacionamento com o governo federal e conseguiu articular muitos pontos”, observou.

Na opinião de Borelli, o grande desafio agora é conseguir colocar o discurso em prática. Ele citou o exemplo do novo edital do Programa de Subvenção Econômica da Finep. “Poderia haver uma melhor sintonia entre a política e o que foi feito para o programa”.

Uma das críticas feitas recentemente ao programa por representantes de micro e pequenas empresas é referente ao alto custo do valor mínimo das propostas a serem submetidas para subvenção, que é de R$ 1 milhão. “Esse exemplo ilustra a dificuldade que teremos em transformar discursos em ações”, frisou.

Já Francelino Grando rebateu a crítica e disse que a terceira edição do Programa de Subvenção representa avanços, principalmente, quanto às parcerias. “Foi a primeira vez que a Finep e o BNDES sentaram juntos para fazer o programa, com todas as dificuldades que existem, mas o programa foi feito em parceria”, afirmou.

Fonte: Tatiana Fiuza / Gestão CT

Infocentro público é inaugurado em Belém

A governadora do Pará, Ana Júlia Carepa, inaugurou na última quarta-feira (14), o primeiro infocentro público da cidade de Belém (PA). O infocentro vai funcionar no Lar Fabiano de Cristo, instituição não-governamental no bairro do Guamá.

Segundo informações do governo do Estado, a iniciativa faz parte do Programa NavegaPará, que tem como meta implantar, até o mês de agosto, cerca de trinta infocentros públicos, em 15 municípios.

“Nosso objetivo é que os jovens possam usar a internet para pesquisas, trabalhos, buscar informações e conversar com amigos na rede. Estamos transformando a vida de mulheres e homens neste Estado”, disse a governadora, em notícia divulgada pela Agência Pará.

O programa NavegaPará é desenvolvido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect) e pela Empresa de Processamento de Dados do Estado do Pará (Prodepa). Os infocentros vão funcionar em locais públicos, como sindicatos, associações de moradores, centros comunitários ou organizações não-governamentais.

Segundo informações da Sedect, as comunidades têm participação direta na definição dos locais e na escolha do conselho gestor de cada infocentro. Em cada município foi feito assembléias com os moradores, que elegem os membros do conselho. Já os monitores, que atuam nos infocentros, são remunerados e treinados para promover a alfabetização digital.

Informações complementares sobre o NavegaPará podem ser obtidas pelo telefone (91) 3212-4432. Acesse o site http://www.navegapara.pa.gov.br/ .

Fonte: Gestão CT

Presidente da Fundação Araucária diz ter grandes expectativas com o Sibratec no Paraná

O presidente da Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, José Tarcísio Trindade, diz ter grandes expectativas com as ações programadas pelo Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec) para o Paraná.

No último dia 12, o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCT, apresentou as ações previstas para o Sibratec às instituições de pesquisa tecnológica do Paraná. O evento aconteceu em Curitiba (PR), na sede do Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (Lactec).

“Foi muito positiva a iniciativa do Sibratec em vir nos expor, com muita clareza, sobre os critérios e formas de operação de cada uma das três redes (centros de inovação, serviços tecnológicos e extensão tecnológica) por meio das quais serão desenvolvidas suas ações”, observa, José Trindade em entrevista ao Gestão CT.

Ele salientou que objetivos institucionais do Sibratec convergem com os da Fundação Araucária no que diz respeito à promoção de atividades de PD&I, extensão e assistência tecnológica. “Como a Fundação Araucária já tem algumas iniciativas pontuais nestas temáticas, acreditamos que podemos estabelecer uma parceria muito efetiva para potencializar as ações em andamento bem como estabelecer novos programas.”

ABIPTI
O presidente explica ainda que atendendo a um convite de Aldair Rizzi, vice-presidente da ABIPTI pela região Sul, e analisando o papel desempenhado pela Associação, a Fundação Araucária resolveu se associar à ABIPTI, no último mês de abril. “Concluímos que seria importante para a fundação associar-se a esta instituição. Influenciou também em nossa decisão a visibilidade que a ABIPTI proporciona aos seus filiados dentro da comunidade de C&T.”

Trindade lembra, também, que no âmbito do Conselho Nacional das Fundações de Amparo a Pesquisa (Confap) as discussões têm se voltado para o fortalecimento dos sistemas estaduais de CT&I. Ele conta que uma das questões que o conselho considera crítica é a disponibilidade de um sistema de informações que permita dimensionar e avaliar o papel das FAPs e não apenas quanto ao aporte de recursos para o desenvolvimento científico e tecnológico do país.

A proposta é, então, analisar o conjunto das ações desenvolvidas na perspectiva de que funcionem como uma de rede de acontecimentos que tenha efetividade. “Entendo que nesta perspectiva temos muito trabalho a ser feito em estreita colaboração com a ABIPTI”, ressaltou.

Atuação
Neste ano, a Fundação Araucária já lançou cinco chamadas públicas que somam R$ 9,1 milhões em recursos. Três delas fazem parte de programas que já vinham sendo desenvolvidos pela fundação. São elas: infra-estrutura, minter/dinter e participação em eventos. Trindade explica que as outras duas (professor visitante e bolsa produtividade), lançadas pela primeira vez, fazem parte das políticas de fortalecimento do sistema de C&T no Estado por meio de ações de apoio à verticalização do ensino superior. “As propostas para estas duas chamadas devem, necessariamente, contemplar o envolvimento dos pesquisadores nos programas de pós-graduação strico sensu ofertados no Paraná.”

Ele conta que outros cinco editais devem ser lançados ainda este ano: Apoio à pesquisa básica e aplicada; Bolsas de Iniciação Científica; Bolsas de Inclusão Social; Organização de eventos; e Extensão tecnológica empresarial. A chamada de extensão tecnológica empresarial faz parte do programa Universidade Sem Fronteiras, desenvolvido pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), que também é associada á ABIPTI. “A expectativa é de que os projetos resultem em melhorias das condições sociais e econômicas e na geração de emprego e renda nas regiões e setores envolvidos.” O objetivo da iniciativa é envolver professores, alunos e recém formados em ações que resultem na criação ou consolidação de micros e pequenos empreendimentos por meio de tecnologias difundidas ou inovadoras.

Trindade destaca que está em andamento uma parceria entre a Fundação Araucária e o Sebrae-PR, no programa Agente Local de Inovação. A proposta é conceder bolsas a 30 profissionais recém-formados para assistir a pequenas e médias empresas do Estado com o objetivo de elevar seu poder de competitividade.

O presidente explica que o programa envolve o diagnóstico do estágio de inovação das empresas e a identificação de oportunidades potencialmente aproveitáveis para inovação. Além disso, promove a aproximação das empresas à instituições de ciência e tecnologia, que detem o conhecimento para proceder às correções ou adequações de que necessitem.

Informações complementares sobre as ações desenvolvidas pela Fundação Araucária podem ser obtidas no site www.fundacaoaraucaria.org.br .

Fonte: Tatiana Fiuza / Gestão CT

Lei de Inovação é discutida na Bahia

No dia 16, o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia, Ildes Ferreira, anunciou que, em breve, a Bahia deverá ingressar no grupo dos Estados que contam com uma legislação específica para a inovação. A informação foi dada durante a reunião do Conselho de Ciência e Tecnologia do Estado (Concitec), realizada em Salvador (BA).

Na ocasião, foi discutido o estágio de implantação do Parque Tecnológico de Salvador, os eixos temáticos da política estadual de C&T da Bahia e as parcerias internacionais. “A Lei de Inovação vai permitir uma maior aproximação entre centros de pesquisa e empresas. Uma das vertentes será a possibilidade de convênios para projetos de interesse comum entre instituições públicas baianas e empresas”, afirmou Ferreira.

Já a diretora geral da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), Dora Leal, destacou que a idéia é permitir que as instituições públicas cedam funcionários para trabalhar em projetos de inovação tecnológica nas empresas. Outro eixo da legislação será o incentivo para a criação de Núcleos de Inovação Tecnológica (Nits) nas instituições públicas que atuam na área de ciência e tecnologia.

De acordo com Ferreira, a Lei de Inovação já obteve parecer favorável da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e está em processo de finalização para que possa ser aprovada na Assembléia Legislativa.

Também durante o encontro, o secretário anunciou que aguarda, para os próximos dias, a autorização do governador Jaques Wagner para o início das obras do Parque Tecnológico, cuja primeira fase já foi licitada. O empreendimento será implantado na Avenida Paralela e abrigará um consórcio de pesquisas universitárias, incubadoras e empresas de base tecnológica.

Ainda na reunião, o Concitec homenageou o secretário Ildes Ferreira e o reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Naomar de Almeida Filho, pelos serviços prestados à área de ciência e tecnologia.

Lei de Inovação
De acordo com informações da Secti, a Lei de Inovação da Bahia segue as principais diretrizes da Lei de Inovação federal, que estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo. A legislação foi promulgada em outubro de 2005 e, a partir daí, poucos Estados criaram uma legislação específica para a área, a exemplo de Santa Catarina e Amazonas.

Apesar de ainda não possuir uma lei de inovação, a Bahia conta com um fundo para apoiar a inovação tecnológica, o Inovatec, que foi regulamentado pelo governador Jaques Wagner em 2007 e que tem recursos anuais de R$ 15 milhões até 2010.

Informações sobre as ações da Secti podem ser obtidas no site www.secti.ba.gov.br.

Fonte: Gestão CT

Fapema discute parceria com Cuba

O 2º Simpósio Internacional sobre Trabalho e Mundialização da Economia, realizado nos dias 12 e 13 de maio, em São Luís (MA), reuniu o embaixador de Cuba no Brasil, Juan Núnez Mosqueira, e o diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), Sofiane Labidi, para falar sobre a possibilidade de um intercâmbio científico entre Cuba e Maranhão. No encontro, as autoridades debateram a educação, ciência, tecnologia e inovação. O simpósio foi promovido pela Secretaria de Trabalho e Economia Solidária (Setres) e pela Fapema.

O embaixador se mostrou bastante interessado pelos projetos empreendidos pela Fapema, que abrangem áreas estratégicas para o desenvolvimento do Estado, como o Maranhão Biodiesel, o Instituto de Tecnologia Espacial do Maranhão (Itema) e o Pólo de Software. Ele também falou sobre os vários centros de pesquisas de Cuba e a medicina cubana, considerada uma das mais avançadas do mundo.

Mosqueira fez uma visita à sede da administração estadual para, segundo ele, explorar possibilidades de cooperação entre o país e o Maranhão. Na ocasião, o embaixador foi recebido pelo secretário de Estado de Planejamento (Seplan), Aziz Santos.

Informações sobre a Fapema podem ser obtidas no site www.fapema.br .

Fonte: Gestão CT

Sectma lança dois novos editais para cursos profissionais

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente do Estado de Pernambuco (Sectma) lançou na sexta-feira (16) dois editais para oferta de 5.249 vagas em cursos profissionais para a população de todo o Estado. Serão oferecidas 2.464 vagas em cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio, que serão oferecidos em seis escolas técnicas e três centros tecnológicos de Pernambuco e 2.685 vagas nos Pólos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio a Distância.

Os interessados devem se inscrever, somente pela internet, no site www.upenet.com.br , de 26 de maio a 8 de junho. A taxa de inscrição, no valor de R$ 15, deverá ser paga nas Casas Lotéricas da Caixa Econômica Federal.

Os candidatos que quiserem se inscrever deverão ter o ensino médio completo ou estar cursando o 2º ou o 3º ano do ensino médio.

Nos dias 18 e 25 de junho o candidato deverá acessar novamente o link eletrônico para obter a confirmação da inscrição e imprimir o Cartão Informativo, que conterá um conjunto de dados necessários para a participação no processo seletivo. A prova será aplicada no dia 6 de junho.

A Sectma ofereceu dez novos cursos, entre eles mecatrônica, logística e lavanderia industrial, que serão ofertados em 18 municípios pernambucanos, além do Arquipélago de Fernando de Noronha.

Veja o edital de seleção para Cursos Técnicos Presenciais no link:
http://www.sectma.pe.gov.br/download/EDITAL%20SELEÇÃO%20PRESENCIAL.pdf

Veja o edital de seleção para Cursos Técnicos a Distância no link.
http://www.sectma.pe.gov.br/download/EDITAL%20DE%20SELEÇÃO%20EAD.pdf

Fonte: Gestão CT

Faperj lança cinco novos editais

A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) lançou, na semana passada, cinco novos editais que somam R$ 44,5 milhões. Foram anunciadas as seguintes chamadas: Difusão e Popularização da Ciência e Tecnologia no Estado do Rio de Janeiro; Apoio ao Desenvolvimento de Modelos de Inovação Tecnológica Social no Estado do Rio de Janeiro; Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regional no Estado do Rio de Janeiro; Pappe Subvenção – Rio Inovação; e Apoio à Inovação e à Difusão Tecnológica no Estado do Rio de Janeiro.

Os dois últimos editais foram anunciados no dia 13, em solenidade na sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Eles são resultado de uma parceria com a Finep. Veja, a seguir, mais informações sobre as chamadas lançadas:

Difusão e Popularização da C&T
O objetivo deste programa da Faperj é incentivar, estimular, apoiar e promover iniciativas que versem sobre a temática de “Difusão e Popularização da Ciência e Tecnologia”, visando democratizar a informação sobre a produção de conhecimento, cujos resultados possam ser operacionalizados em políticas e medidas a serem adotadas no Estado do Rio de Janeiro e pelo poder público geral. A data limite para submissão online das propostas é o dia 1º de julho. Já as versões impressas podem ser entregues até o dia 8 de julho.

A chamada conta com R$ 2 milhões, oriundos da Programação Orçamentária da Faperj. Podem concorrer ao edital equipes formadas por um conjunto de pesquisadores com vínculo empregatício em instituições de ensino e pesquisa sediadas no Estado do Rio de Janeiro que desenvolvam ações para a divulgação científica e tecnológica, inclusive sob a forma de redes ou de consórcios.

A íntegra do edital está disponível no link:
http://www.faperj.br/interna.phtml?obj_id=4520

Modelos de Inovação Tecnológica Social
Este programa pretende estimular o desenvolvimento de modelos de inovação tecnológica de aplicação social que propiciem a melhoria da qualidade de vida da população do Estado do Rio de Janeiro nas seguintes áreas: agricultura familiar e cooperativa, água potável, aqüicultura, confecções e moda têxteis, construção civil, energia, saneamento e turismo. A submissão online das propostas pode ser feita até o dia 11 de julho. Já as versões impressas podem ser entregues até o dia 18 de julho.

Serão disponibilizados R$ 2,5 milhões, definidos na Programação Orçamentária da Faperj. O edital tem como público-alvo grupos formados por um conjunto de pesquisadores/empreendedores individuais com vínculo funcional em instituições científicas e tecnológicas (ICTs) sediadas no Estado do Rio de Janeiro ou com vínculo empregatício em empresas brasileiras sediadas naquela unidade da Federação, em empresas públicas do Estado e em empresas individuais ou em sociedades cooperativas sediadas no Rio de Janeiro, em parceria com ICTs sediadas no Estado.

Para conferir o edital, acesse o link:
http://www.faperj.br/interna.phtml?obj_id=4521

Desenvolvimento científico e tecnológico regional
A idéia do programa é apoiar o desenvolvimento científico e tecnológico no Estado do Rio de Janeiro, mediante o emprego de ações integradas e focadas em vocações e prioridades regionais, otimizando a competitividade de suas potencialidades dentro de temas relevantes e estratégicos, de forma a contribuir para o desenvolvimento socioeconômico das diversas regiões da unidade da Federação fora da área metropolitana do Rio de Janeiro. A data limite para submissão online das propostas é o dia 18 de julho. Já as versões impressas podem ser encaminhadas até o dia 25 de julho.

O edital conta com R$ 10 milhões, da Programação Orçamentária da Faperj. Podem participar os pesquisadores com vínculo empregatício em instituições de ensino superior e/ou pesquisa sediadas no Estado do Rio de Janeiro e que exercem as suas atividades profissionais, em tempo integral, em local situado fora da região metropolitana do Rio de Janeiro, sendo obrigatória a comprovação desta situação.

A íntegra do edital está disponível no link:
http://www.faperj.br/interna.phtml?obj_id=4522

Pappe Subvenção
O objetivo do programa é apoiar o desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica no Estado do Rio de Janeiro a serem desenvolvidos por micro e pequenas empresas inovadoras que possuam registro na junta comercial e sejam sediadas no Estado. Os proponentes deverão realizar atividades de desenvolvimento e inovação, com potencial de inovação no mercado e/ou de alta relevância social, nas áreas relacionadas na chamada. A data limite para submissão online das propostas é o dia 13 de agosto. As versões impressas podem ser encaminhadas até o dia 20 de agosto.

Serão disponibilizados R$ 24 milhões, sendo R$ 18 milhões da Finep e R$ 6 milhões da Faperj. Podem participar como proponentes as micro e pequenas empresas brasileiras sediadas no Estado do Rio de Janeiro que tenham auferido receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 10,5 milhões em 2007.

O edital pode ser acessado neste link:
http://www.faperj.br/interna.phtml?obj_id=4503

Inovação e Difusão Tecnológica
O edital objetiva apoiar o desenvolvimento de projetos de inovação ou de difusão de processos tecnológicos no Estado do Rio de Janeiro por micro e pequenas empresas, bem como por empresários individuais que se proponham a realizar atividades de desenvolvimento e de inovação no Estado do Rio de Janeiro, com potencial de inserção no mercado e/ou de alta relevância social, nas áreas relacionadas no programa. A data limite para submissão online das propostas é o dia 20 de agosto. Já as versões impressas podem ser entregues até o dia 27 de agosto.

O edital conta com R$ 6 milhões, definidos na Programação Orçamentária da Faperj. A chamada é voltada para micro e pequenas empresas brasileiras sediadas no Estado do Rio de Janeiro que tenham auferido receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 10,5 milhões.

A íntegra do edital está disponível no link:

Fonte: Gestão CT

2ª Semana do Meio Ambiente

A importância da ciência e tecnologia para o desenvolvimento sustentável da Amazônia será o assunto em debate na segunda edição da Semana do Meio Ambiente, evento promovido pelo Instituto Butantan e pela Rádio Eldorado de 1º a 5 de junho, na capital paulista.

A programação terá o seminário Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia, em que diversas palestras abordarão o grau de degradação da floresta amazônica e as medidas que vêm sendo adotadas para conter esse processo.

Assuntos de interesse relacionados à região estarão em pauta como “A vida e a saúde das comunidades ribeirinhas”, “A preservação dos recursos hídricos”, “O papel das instituições governamentais e da sociedade organizada na região”, “Avaliação dos processos de desmatamento e projetos para o meio ambiente” e “As possibilidades de desenvolvimento sustentável”.

Haverá também o Festival Cultural da Amazônia no Butantan, com oficinas de mosaico ministradas pela artista plástica Claudia Sperb, além de artesanatos, demonstrações de danças e músicas. O evento é gratuito e aberto ao público.

Mais informações: www.butantan.gov.br/semanadomeioambiente

Fonte: Agência FAPESP

Portal da Integração Nacional divulga ações do PAC recursos hídricos

As informações das obras de infra-estrutura hídricas garantidas pelos recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) estão disponíveis no endereço www.mi.gov.br/pac desde o dia 15 de maio.

Os recursos do PAC têm garantido a execução de obras de infra-estrutura hídrica, desenvolvidas pelo Ministério da Integração Nacional, em 14 Estados. São eles: Tocantins (TO), Maranhão (MA), Piauí (PI), Ceará (CE), Rio Grande do Norte (RN), Paraíba (PB), Pernambuco (PE), Alagoas (AL), Sergipe (SE), Bahia (BA), Minas Gerais (MG), Santa Catarina (SC), Rio Grande do Sul (RS) e Goiás (GO).

São obras de irrigação, barragens, de revitalização dos rios São Francisco e do Parnaíba e de interligação da bacia do São Francisco com as bacias do Nordeste Setentrional.

Dados como valores das ações de infra-estrutura hídrica, número de habitantes beneficiados por cada obra e descrição dos projetos podem ser consultados no portal.

Para mais informações sobre as ações do ministério, acesse o site:
www.integracao.gov.br .

Fonte: Gestão CT