quinta-feira, 15 de maio de 2008

5º Seminário Ibérico e 1º Seminário Ibero-americano sobre CTS no Ensino de Ciências

O Seminário Ibérico Ciência−Tecnologia−Sociedade no Ensino das Ciências tem vindo a realizar-se de dois em dois anos, alternadamente em Portugal e Espanha e, ano após ano, tem vindo a contar com a participação de um maior número de investigadores e professores.

Por outro lado, a adesão crescente de professores/investigadores da América Latina, indiciando o seu interesse e atualidade, contribui para o rejuvenescimento do importante papel que desempenha no estreitamento de relações científicas e sociais entre comunidades, facilitado pela proximidade das línguas em que comunicam.

Conseqüentemente, a Comissão Organizadora decidiu-se pela designação de V Seminário Ibérico e I Seminário Ibero-Americano dando, assim, destaque a esta dinâmica científico-educativa.

O Seminário vai realizar-se de novo na Universidade de Aveiro, entre 3 e 5 de Julho de 2008 e renova os seus objetivos.

Maiores informações: http://web.dte.ua.pt/vcts/index.htm

Fonte: Ciência & Ensino

Heme oxygenase-1 is an anti-inflammatory host factor that promotes murine plasmodium liver infection

Na primeira fase da malária, quando o parasita infecta células do fígado, o sistema imune do hospedeiro poderia atacar e destruir o invasor. Mas uma proteína com atividade antiinflamatória, presente no próprio corpo da vítima, tem um papel crucial na infecção hepática: ela modula a resposta inflamatória e ajuda a proteger as células infectadas.

O mecanismo foi demonstrado em modelos animais por um grupo internacional de pesquisadores, com participação brasileira. O estudo, publicado nesta quarta-feira (14/5), é matéria de capa da revista Cell & Host Microbe.

A autora principal do artigo é Sabrina Epiphanio, que acaba de concluir pós-doutorado no Instituto de Medicina Molecular (IMM), ligado à Universidade de Lisboa e ao Instituto Gulbenkian de Ciência, ambos em Portugal. Além das instituições portuguesas, o estudo teve contribuição de centros de pesquisas nos Estados Unidos e na Alemanha.

Segundo Sabrina, veterinária graduada pela Universidade Estadual Paulista com mestrado e doutorado na Universidade de São Paulo, o estudo mostrou que a proteína conhecida como hemeoxigenase-1 (HO-1), que tem diversas funções fisiológicas no corpo, possui também papel central na fase hepática da malária.

“Apesar de ser assintomática, essa etapa inicial da doença é importante e precisa ser bem conhecida, uma vez que a carga parasitária no fígado pode influenciar a severidade da doença na fase seguinte”, disse.

Sabrina, que está em Portugal desde 2003, explica que a malária começa quando a fêmea do mosquito Anopheles injeta no hospedeiro os esporozoítos do Plasmodium. Eles viajam então pelo sangue diretamente para o fígado, onde infectam os hepatócitos – células responsáveis pelas funções biológicas do órgão.

A indução da expressão da HO-1 é crucial para que a infecção hepática ocorra. Por outro lado, a depleção da proteína leva a uma redução da carga parasitária no fígado quando os camundongos são infectados com doses baixas de esporozoítos – a forma inicial do parasita.

“Embora o parasita estimule a inflamação, ele também induz a expressão da proteína HO-1, modulando a resposta inflamatória do hospedeiro, protegendo a célula hepática infectada contra a ação do sistema imune e, conseqüentemente, promovendo o estágio hepático da infecção”, apontou.

Utilizando a tecnologia de RNA de interferência (RNAi), os pesquisadores retiraram a proteína HO-1 do organismo de animais com carga parasitária baixa, próxima da situação fisiológica normal. Como resultado, os animais não foram infectados.

“Quando eliminamos a proteína em animais com carga parasitária mais alta – como a que se usa habitualmente nos experimentos –, ela teve uma redução de 70% no fígado. Sem a proteína, quando deixamos a infecção evoluir, os parasitas foram eliminados ainda na fase hepática, suprimindo a fase sangüínea da doença”, disse.

De acordo com Sabrina, o estudo poderá motivar trabalhos que levem ao desenvolvimento de aplicações voltadas ao combate da doença, já que existem drogas que inibem a expresão da enzima HO-1. “Mas isso ainda é algo distante, porque, quando falamos de sistema imune e de interações entre parasita e hospedeiro, estamos tratando de relações multifatoriais”, afirmou.

Efeito antiinflamatório
O grupo no qual atua a pesquisadora brasileira, coordenado por Maria Manuel Mota na Unidade de Malária do IMM, publicou em 1º de julho de 2007, na revista Nature Medicine, o artigo Heme oxygenase-1 and carbon monoxide suppress the pathogenesis of experimental cerebral malaria, sobre a fase sintomática da infecção e que sugere o monóxido de carbono como uma possível terapia para a inibição da doença.

Segundo Sabrina, o monóxido de carbono é um dos produtos da degradação da HO-1. O grupo mostrou que, quando os animais são tratados com o produto, eles não morrem de malária cerebral. Um dos motivos para isso é também o efeito antiinflamatório da proteína”, disse.

“O efeito que mostramos agora é o reverso da medalha. Quando, na fase hepática, tratamos o animal com monóxido de carbono, a infecção aumenta, porque o monóxido de carbono mimetiza os efeitos da HO-1 e tem efeito antiinflamatório”, declarou.

O artigo Heme oxygenase-1 is an anti-inflammatory host factor that promotes murine plasmodium liver infection, de Sabrina Epiphanio e outros, pode ser lido por assinantes da Cell & Host Microbe em www.cellhostandmicrobe.com.

Fonte: Fábio de Castro / Agência FAPESP

RNP, CPqD, ANSP, KyaTera e Glif formalizam parceria para compartilhamento de tráfego de redes ópticas para pesquisa

A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), a Rede ANSP (Academic Network at São Paulo) e o projeto KyaTera – os dois últimos da FAPESP – formalizaram no mês passado parceria com a Global Lambda Integrated Facility (Glif) para compartilhamento de tráfego de redes ópticas para pesquisa por meio de circuitos exclusivos.

São as primeiras instituições da América Latina a se integrar à colaboração internacional que reúne gestores de redes de pesquisa de diversos países.

A adoção dos circuitos virtuais em redes de pesquisa, uma tendência mundial, é tipicamente combinada com o uso da tradicional tecnologia de redes de roteadores internet – o que dá forma às chamadas redes híbridas.

Segundo o KyaTera, no caso da Glif o interesse é exclusivamente pelo estudo dos circuitos virtuais fim a fim, usados geralmente para aplicações que necessitam de grande capacidade de transporte – como, por exemplo, as de vídeo de alta definição –, protegendo outras aplicações do congestionamento da rede.

Esses circuitos já são usados para aplicações na área de física, em colaboração entre pesquisadores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), instituição participante da RNP, e do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern), na Suíça.

Outro potencial usuário do recurso é o Rádio Observatório Espacial do Nordeste (Roen), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, localizado no Ceará e que conta com parceria do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), dos Estados Unidos.

O ponto de interconexão à Glif no Brasil está localizado em São Paulo e se conecta à rede por meio do ponto de interconexão em Miami. O envolvimento das redes brasileiras torna a iniciativa acessível a instituições localizadas em 23 cidades do Distrito Federal e dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Ceará, Bahia e Pernambuco, servidas pelo núcleo multigigabit da rede Ipê, pela rede experimental do projeto Giga – coordenado pela RNP e pelo CPqD – e pela rede KyaTera.

Mais informações: www.glif.is, www.kyatera.fapesp.br e http://wiki.glif.is/index.php/SouthernLight (configuração do ponto de interconexão no Brasil).

Fonte: Agência FAPESP

Sociedade de Gastroenterologia do RJ comemora 70 anos

Em 12 de maio de 1938, 57 renomados médicos se reuniram para criar a Sociedade Brasileira de Gastroenterologia e Nutrição. A data marca o nascimento da primeira sociedade de gastroenterologia do Brasil e da América Latina.

Com a mudança da capital federal, a instituição passou a ser chamada de Sociedade de Gastroenterologia do Rio de Janeiro. Passados 70 anos sob intensa atividade científica, a data será comemorada em sessão solene na Academia Nacional de Medicina nesta quinta-feira (15/5), às 20h.

Durante o evento serão abordados temas como “a relação entre a clínica e a endoscopia”, “o cirurgião e a doença” e “síntese terapêutica na Acalásia da Cárdia” – uma alteração neuromuscular que pode causar dificuldade de passagem do alimento do esôfago para o estômago e evoluir para a dilatação do esôfago.

Mais informações: www.socgastro.org.br

Fonte: Agência FAPESP

8º Encontro Verde das Américas - Greenmeeting


A Capital Federal de Brasília sediará nos dias 09, 10 e 11 de setembro de 2008, o VIII Encontro Verde das Américas, o "Greenmeeting", "Conferência das Américas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável". Um importante e concorrido Fórum que vem reunindo a cada ano um número maior de pessoas, com o objetivo de propor soluções sustentáveis para as principais questões sócioambientais do Brasil, das Américas e do mundo.

Maiores informações pelo site www.greenmeeting.org , pelo e-mail ou pelo telefone (61).. 3033.3654 ..- ..Fax: + (61).. 3967.3653


Fonte: MSega

CEM - Centro de Estudos da Metrópole tem vagas para pós-doutores

O Centro de Estudos da Metrópole (CEM) abriu processo seletivo para incorporação de pós-doutorandos. As propostas serão recebidas até o dia 30 de maio.

Segundo o CEM, terão prioridade projetos nas áreas de sociabilidade urbana, políticas públicas, produção do espaço urbano, desigualdades sociais e mobilidade urbana.

O CEM é um dos 11 Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) da FAPESP. Sediado no Centro Brasileiro de Análises e Planejamento (Cebrap), o centro interinstitucional tem participação da Fundação Seade, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), do Sesc e da TV Cultura.

A seleção dos candidatos será feita por meio da análise de currículo e de projeto de pesquisa, avaliando-se não apenas a qualidade do candidato e da proposta, mas também a aderência ao projeto do CEM. Os candidatos selecionados na primeira fase serão convocados para entrevista.

O número de vagas dependerá da avaliação do material enviado e das entrevistas, contemplando um máximo de cinco bolsas de pós-doutoramento. A incorporação dos pós-doutores será feita por meio de bolsas da FAPESP. Após a seleção, o início do recebimento da bolsa está condicionado à efetivação do processo junto à agência financiadora.

As propostas devem ser enviadas para o e-mail, ou para o endereço rua Morgado de Mateus nº 615, Vila Mariana, São Paulo, CEP 04015-902, aos cuidados de Mariza Nunes.

Mais informações: http://www.centrodametropole.org.br/

Fonte: Agência FAPESP

Brasil e Espanha querem ampliar cooperação

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva toma hoje (15) café da manhã com o presidente do governo espanhol (cargo equivalente ao de primeiro-ministro), José Luis Rodríguez Zapatero, às 8h30, no Palácio da Alvorada.

No encontro, serão discutidos temas como maior cooperação entre instituições de pesquisa científica dos dois países, as relações consulares Brasil-Espanha, comércio e investimentos, o andamento da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC), a reforma do sistema das Nações Unidas e cooperação no setor de biocombustíveis.

Logo após, Lula segue para o Palácio do Planalto, onde despacha com o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Franklin Martins (11h). Na seqüência (11h30), reúne-se com o primeiro-ministro da Finlândia, Matti Vanhanen, com quem vai discutir a implementação do comércio bilateral, mudanças climáticas, a cooperação na área florestal e em ciência e tecnologia, e o programa brasileiro de biocombustíveis.

Esses temas foram tratados ontem (14) em reuniões de trabalho de Vanhanen com os ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge; da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende; e de Minas e Energia, Edison Lobão.

Ainda hoje, no Itamaraty, o representante finlandês será homenageado com um almoço oferecido pelo vice-presidente da República, José Alencar.

À tarde, não estão previstos compromissos oficiais na agenda do presidente já que, às 15h, embarca para Lima, no Peru, para participar da 5ª Reunião de Cúpula América Latina e Caribe-União Européia (ALC-UE), que terá a presença de chefes de Estado e de Governo dos dois continentes.

Fonte: Agência Brasil

Lançado primeiro número temático da revista Ciência & Ensino

O primeiro número temático da revista Ciência & Ensino, publicação voltada a professores de ciências do ensino fundamental e médio e seus formadores, foi lançado pelo Grupo de Estudo e Pesquisa em Ciência e Ensino (gepCE), vinculado à Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Com o tema “Educação em ciência, tecnologia, sociedade e ambiente”, o número especial foi organizado por Noela Invernizzi, professora do Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e Laís Fraga, mestre em Política Científica e Tecnológica pelo Instituto de Geociências da Unicamp. O acesso à versão eletrônica da publicação, que tem periodicidade semestral, é gratuito.

A edição especial tem 19 artigos que trazem conclusões de estudos sobre o campo da ciência, tecnologia e sociedade (CTS) que, segundo os pesquisadores que assinam os trabalhos, representa uma nova forma de compreensão da ciência e da tecnologia e de suas relações com o ambiente social que, no Brasil, têm sido construídas desde o fim da década de 1960.

A partir da análise das implicações sociais, ambientais e éticas do desenvolvimento científico e tecnológico, o campo da CTS, ou CTSA, como também é chamado por alguns autores devido à importância que a dimensão socioambiental tem conquistado no sistema de ensino brasileiro, questiona a visão neutra da ciência e as idéias lineares de progresso a elas relacionadas.

“A visão neutra está associada com a idéia de que a produção científica não sofre influências de aspectos sociais, incluindo questões políticas e econômicas. Na visão da educação CTSA, a produção da ciência e da tecnologia não ocorre isoladamente e, por isso, faz parte de um contexto mais amplo, constituído por diferentes valores e interesses sociais e culturais”, disse o editor da revista, Henrique César da Silva, professor do Departamento de Geociências Aplicadas ao Ensino do Instituto de Geociências da Unicamp, à Agência FAPESP.

Segundo Silva, ainda que as pesquisas sobre a abordagem CTSA no Brasil tragam novas perspectivas para o campo da educação em ciências, esses estudos contribuem para aprofundar elementos que são discutidos há várias décadas por profissionais da área no Brasil e em outros países.

“Um exemplo é a discussão sobre a própria natureza da ciência enquanto conteúdo do ensino de ciências, questão que está dentro da abordagem da CTS, mas que vem sendo objeto de estudo paralelamente ao surgimento desse movimento”, apontou Silva.

“A natureza da ciência enquanto conteúdo significa ensinar física, química, geologia e biologia, por exemplo, e não trabalhar apenas os conceitos dessas disciplinas, mas também o imaginário dos alunos sobre ciência”, disse.

O desenvolvimento acadêmico no campo da CTS, descreve a publicação, teve início a partir dos anos 1980 e que, ainda hoje, as universidades brasileiras contam com um número reduzido de programas de educação superior dedicados ao estudo das relações entre ciência, tecnologia e sociedade, que se localizam quase exclusivamente no nível da pós-graduação. “Há ainda uma tímida inserção da abordagem CTS ou CTSA no currículo escolar e acadêmico em todo o país”, disse.

A formação dos indivíduos para a participação social, segundo ele, é um dos aspectos específicos que caracterizam essa abordagem e que, atualmente, está fortemente em pauta em diversos trabalhos. Trazendo para a prática, a necessidade, possibilidades e problemáticas relativas a construção de uma usina termelétrica, por exemplo, que não envolve apenas discussões técnicas sobre sua viabilidade de instalação em determinado local, ilustraria esse modelo de educação “socialmente participativo”.

“A abordagem CTS levaria esse tipo de discussão à sala de aula para ensinar aos alunos não apenas os conteúdos técnicos e científicos envolvidos com a construção da usina, mas também ensiná-los a se envolver no processo de tomadas de decisões políticas, sociais e ambientais que envolvam a sua implementação”, destacou.

Mais informações: www.ige.unicamp.br/ojs

Fonte: Thiago Romero / Agência FAPESP

Simpósio: Intersecções entre Gênero e Sociodiversidade na Amazônia

O simpósio temático Intersecções entre Gênero e Sociodiversidade na Amazônia será realizado em Florianópolis entre os dias 25 e 28 de agosto.

O evento integra a programação do Seminário Internacional Fazendo Gênero 8, promovido pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). As inscrições de trabalhos serão aceitas até o 19 de maio.

O objetivo do simpósio é promover a interlocução de pesquisadores brasileiros e de outros países cujas pesquisas sejam dedicadas aos estudos de gênero e suas intersecções com a sociodiversidade da região amazônica.

O evento pretende, ainda, abordar o gênero em diferentes perspectivas: populações culturalmente diferenciadas; sexualidade, saúde e direitos reprodutivos; violência, legislação e políticas públicas; formação e pensamento social na Amazônia; migrações e conflitos políticos intra e internacionais.

Mais informações: www.fazendogenero8.ufsc.br/

Fonte: Agência FAPESP