quarta-feira, 14 de maio de 2008

Lembrar 1968


1968 foi um ano marcado pela eclosão de revoltas a favor da liberdade e pelas reações agressivas dos governos, em repressão. Sua memória continua a ecoar hoje, viva no coração de quem já sentiu em brasa os grilhões do autoritarismo a prender seus pulsos.

Na Europa, as revoltas estudantis fervilhavam em paralelo à Primavera de Praga, movimento a favor de um socialismo mais humano na Tchecoslováquia, e manifestações em prol das liberdades civis.

Nos Estados Unidos, os movimentos a favor do fim da guerra do Vietnã e em solidariedade com a morte de Martin Luther King Jr. se uniram aos movimentos de liberdade sexual, à causa hippie e ao feminismo.

No Brasil, os protestos da União Nacional dos Estudantes e a Marcha dos 100 mil foram ícones da oposição ao regime ditatorial militar, que decretou o Ato Institucional 5 (AI-5), marca do período mais duro da repressão por parte do governo militar.

Aproveitando os 40 anos de 1968, a UFRJ realiza o seminário “Saúde Mental e 1968”. Organizado pelo Instituto de Psiquiatria (IPUB), o evento acontece na próxima sexta-feira, 16 de maio, das 9h30 às 13h30, no salão Dourado – avenida Pasteur, 250, Praia Vermelha.

Uma das mesas redondas do evento terá como tema Tragédia e drama nos discursos revolucionários de 1968 e a moral da culpa, na qual a professora Marci Dória Passos enfoca teorias e a vida de um dos intelectuais mais proeminentes da época, Louis Althusser, que teve sua importância eclipsada pelo evento trágico que o conduziu a matar sua esposa. O Olhar Virtual conversou com a palestrante, procurando saber mais sobre o seu tema.

Por que ocorreu a idéia do seminário? Qual é a importância de relembrar os eventos de 1968?
O professor João Ferreira aproveitou a comemoração dos 40 anos de maio de 1968, para organizar o evento com outras pessoas que, de alguma forma, foram marcadas pelos acontecimentos ocorridos na data. Eu estava na PUC (Pontifícia Universidade Católica), acompanhando os acontecimentos políticos. Os jovens demandavam mais voz para si e não queriam reproduzir a sociedade autoritária com valores muito rígidos na qual viviam. Os jovens não estavam mais só engolindo valores, mas criando os seus e questionando os já estabelecidos.

Em Paris, foram às ruas. Diversos intelectuais, como Foucault, questionavam o poder e o uso da diferença como excludente. E também tínhamos Louis Althusser, marxista que trouxe contribuições importantes e era um dos ícones desse movimento revolucionário no sentido de transformação social. O caso dele é o principal de que vou tratar.

Você pode falar um pouco mais sobre ele e suas idéias?
Ele tinha idéias significativas, propôs o retorno à Marx, contestando o poder autoritário do partido comunista; questionava o poder estabelecido da sociedade psicanalítica, intencionado retornar a Freud. Para Althusser, é importante retornar ao terço fundador para retomar as idéias mais revolucionárias.

Em Marx, a sociedade não era uma ou só o era na base da força autoritária do poder exercido. Ele começa a mostrar que a sociedade é divida, de modo a gerar conflitos ou lutas de classe. E Freud era importante para o filósofo ao mostrar que o “eu”, baseado na razão iluminista, também não era a verdade absoluta. É uma estrutura dividida. Algumas vezes, ele agia sem muito se dar conta do que o estava conduzindo.

Althusser dá também voz ao psicólogo Lacan – que é banido da instituição oficial – e o acolhe no meio acadêmico. A força de Lacan se manteve vigorosa graças a isso.

A análise era considerada instrumento burguês, mas passou a ser vista como algo quase necessário, como parte de um ideal revolucionário. Alguém mais bem resolvido teria a possibilidade de uma ação política mais convincente. Muitas pessoas passaram a fazer análise como prescrição do partido.

Mas ele perdeu muita influência após assassinar sua esposa. Foi um final trágico que levou a quem o tinha como ícone a contestar sua figura. Ele escreveu um livro sobre o ato de matar a mulher, publicado após sua morte, na qual presta contas à sociedade, já que não o pudera fazer antes porque fora considerado impronunciável. Ele nunca mais conseguiu voltar à vida pública.

Você pode esclarecer sobre o que você trata no evento?
A mesa tem essa força simbólica de não deixar traços daquela época passaram como excesso utópico ou coisa de momento. Se não houver certa força de enfrentamento, acaba-se só reproduzindo os modelos sociais já estabelecidos e não construindo valores e ideais. Minha idéia é de falar que não há sociedade se não falarmos de padrões morais que impõem certas restrições a funções, agressividade, mas também devemos saber nos contrapor a isso.

Também procuro não deixar que o lugar ocupado por Althusser, nesse tempo, seja perdido pelo seu fim trágico. Ele tenta prestar contas à sociedade em seu livro. Ele não conseguia passar pelo júri porque ele foi considerado impronunciável. Se ele tivesse passado por um julgamento, teria se defendido, seria acusado, ele pagaria sua dívida com a sociedade. Em L'avenir dure longtemps, ele assume a responsabilidade embora explique que não era uma deliberação. Havia algum pacto entre eles, já que a mulher não esboçou reação. A própria importância de suas idéias foi considerada menor perto desse acontecimento. Mas há valores em sua filosofia que precisam ser retomados e não jogados fora como água suja. O que valeu tem que prosseguir e perseverar.

Por que usar Tragédia e drama nos discursos revolucionários de 1968 e a moral da culpa como título da apresentação?
Culpa – o que se deixa de fazer pelas exigências. A comunidade impõe certas regras e você tem que pagar ao descumpri-las. Althusser passa da mera culpa como sentimento autopunitivo para a responsabilidade conseqüente. Em seu processo, o ser humano civilizado cria regras e leis com as quais nós, de certa maneira, precisamos conviver e às quais nos submetemos.

O trágico está ligado à visão mortal de si, a ser incapaz de dominar aquilo que o impele a agir. No momento em que Althusser se dá conta daquilo, ele paga um preço enorme. Embora ele faça algo sem consciência, ele sente responsabilidade subjetiva sobre isso.

O dramático está ligado aos conflitos cotidianos que sofremos. É inevitável que todo ser humano passe perto da loucura, também é inevitável a morte. É comum para o ser humano lidar com essas barreiras com muito sofrimento.

Nos dias de hoje, há razões em especial para rememorar 1968?
O momento de hoje apresenta risco de perder certos ideais, tudo se torna meio descartável. Temos que resgatar um lado de renovação, mas também é preciso resgatar valores, utopias, ideais. Vivemos um tempo de quedas - do muro, perda das utopias, fim disso e daquilo –, mas precisamos agora construir.

Temos fatos novos como um operário no poder, mas que também trouxeram à tona várias complicações do ser humano. Fidel está morrendo e várias conquistas importantes parecem estar acabando. Devemos retomar o que valeu para tornar isso mais forte. Acho que essa idéia de retomar valores é importante hoje. (Olhar Vital)

Fonte: Seiji Nomura / UFRJ

E se não fossem Travestis?

O escândalo protagonizado pelo jogador Ronaldo Fenômeno foi o assunto principal da grande mídia durante toda a semana passada, sendo manchete não só no Brasil, mas em diversos outros países.

O jogador, que possui um contrato vitalício com a Nike e cujo contrato com o time de futebol italiano Milan se encerra em junho deste ano, denunciou, por tentativa de extorsão, três travestis com quem passara algumas horas num motel da Barra da Tijuca, na madrugada do dia 28 de abril.

Na versão do Fenômeno, Andréia Albertini (ou André Luis Albertino) teria pedido R$ 50 mil para não revelar à imprensa o ocorrido e não teria tido relação sexual com os travestis, que pensara, inicialmente, serem mulheres. Já segundo Andréia, o jogador teria lhe dado o dinheiro para que ela fosse buscar cocaína na Cidade de Deus, favela da Zona Oeste do Rio, e teria se relacionado com suas duas colegas que ficaram no motel.

O caso tomou enorme proporção e Ronaldo tornou-se alvo de chacotas em relação à sua orientação sexual. Se os três indivíduos que estavam com Ronaldo não fossem travestis, mas sim garotas de programa, haveria essa mobilização internacional em torno do episódio?

De acordo com Mirian Goldenberg, antropóloga e professora do Departamento de Antropologia Cultural (IFCS-UFRJ), dois motivos parecem ter chamado a atenção do público para o ocorrido. Em primeiro lugar, o fato de existir uma cultura extremamente machista, moralista e conservadora a respeito da sexualidade masculina; e, em segundo, haver uma cultura em que o homem tem que provar permanentemente que é "homem de verdade". Nessa cultura, qualquer suspeita de preferências sexuais desviantes do padrão acaba levantando suspeita sobre a sua masculinidade.

"No mundo da competição entre homens, como no mundo do futebol, essa cultura é mais exacerbada ainda. Neste caso, o fato de Ronaldo não estar com prostitutas ou garotas de programa, o que seria até valorizado em um meio em que prevalecem valores e comportamentos machistas, criou uma verdadeira comoção nacional e internacional. Como um ídolo, um homem rico e poderoso como Ronaldo, que já provou que pode ter as mulheres mais belas do planeta, estava com travestis? Além disso, não só a masculinidade de Ronaldo foi questionada, mas a de todos os homens que sempre tiveram verdadeira admiração e até identificação com o modelo de "ser homem" que ele representa: o jogador milionário, que namora lindas mulheres, que enfrenta os problemas com coragem etc. Portanto, o caso Ronaldo está provocando todos aqueles homens que insistem em corresponder a um modelo de masculinidade hegemônica, modelo muito bem representado por Ronaldo até recentemente. Não é à toa que seu apelido é Ronaldo Fenômeno, não só de bola, mas de sucesso, poder e prestígio social", explica Miriam.

É, justamente, em função dessa notoriedade, do poder, do prestígio e da riqueza que, para o professor João Ferreira, do Instituto de Psiquiatria (IPUB/ UFRJ), o encontro de Ronaldo com os travestis obteve tanta repercussão. Em sua opinião, qualquer ocorrência com ele chamaria atenção e o mesmo teria ocorrido com outros jogadores, como Romário, Ronaldinho Gaúcho e Kaká. De acordo com o professor, no entanto, o aspecto mais importante do caso foi o menos focado pela mídia:

"O único fato público da situação do Ronaldo foi a tentativa de extorsão. Isso é o que menos chamou atenção e foi o único fato ilícito. O resto faz parte da vida privada, não deveria ser motivo de notícia para ninguém, a não ser para o jogador e para quem viveu isso. Ser homossexual não é crime, vender seus serviços, desde que você seja maior de idade e saiba se auto-determinar, não é crime, portanto, ser prostituto homossexual não é crime nenhum. Assim como o Ronaldo comprar esses serviços também não é crime. A única coisa ilícita é a tentativa de extorsão e foi dada pouca atenção para isso, e sim para o fato de que o Ronaldo estaria com travestis, num motel, e teria, possivelmente, usado drogas, o que não ficou provado".

Segundo Mirian Goldenberg, o alarde nos meios de comunicação se deve à cultura das celebridades, que se alimenta de casos "exóticos" para vender jornais, revistas e elevar a audiência dos programas de TV.

"Há quase um prazer sádico em ver pessoas famosas, ricas e poderosas passarem por situações humilhantes ou degradantes. Esse caso denuncia o sadismo embutido nessa cultura da celebridade que se alimenta de fatos como este para denegrir imagens e reputações duramente conquistadas com talento, esforço e até sacrifício", esclarece a antropóloga.

Essa curiosidade é aliada à veiculação de informações que, para o professor João, ainda são deturpadas e reforçam o preconceito:

"De onde você acha que vem o riso de “Casseta & Planeta”, por exemplo, senão do travesti, do homossexual, do aleijado, do gago, do defeituoso? Qual é o riso que não é feito de escárnio? O jornal vai vender o quê? O Ronaldo estava com as pessoas erradas, no lugar errado, na hora errada, e, para um jornal, ‘the bad news are the good news’".

Fonte: Priscila Sequeira / UFRJ

MÁSTER oficial DE BIODIVERSIDAD EN ÁREAS TROPICALES Y SU CONSERVACIÓN

La Universidad Internacional Menéndez Pelayo (UIMP), el Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC) y la Universidad Central del Ecuador (UCE) han programado en alianza académica un Programa Oficial de Máster y Doctorado en Biodiversidad en Áreas Tropicales y su Conservación, organizado y acreditado por las tres instituciones. Este Máster es único en el mundo por realizar parte de sus estudios en reservas naturales de Ecuador.

La idea de realizar este Programa surgió a partir de un proyecto de investigación financiado por la Fundación BBVA (FBBVA) y la Agencia Española de Cooperación Internacional (AECI).

Consta de 75 créditos ECTS, 65 de formación académica y 10 de Trabajo de Fin de Máster.

Este Máster habilita para la práctica profesional avanzada y tiene también una orientación Investigadora. Esta última da la opción de realizar la Tesis Doctoral.

El profesorado pertenece a las siguientes instituciones:
- Centre d'Ecologie Fonctionnelle et Evolutive, Centre Nationale de la Recherche Scientifique, Francia
- CLIRSEN - Centro de Levantamientos Integrados de Recursos Naturales por Sensores Remotos
- Escuela Politécnica del Litoral, Esmeraldas, Ecuador
- FUNDACIÓN CHARLES DARWIN
- Instituto Nacional de Investigación y Tecnología Agraria y Alimentaria, Madrid, España
- Fundación Jatún Sacha - Centro de Datos para la Conservación, Quito, Ecuador
- Ministerio del Ambiente de Ecuador
- Missouri Botanical Garden, St. Louis, USA
- Museo Nacional de Ciencias Naturales (CSIC), Madrid, España
- Real Jardín Botánico (CSIC), Madrid, España.
- Universidad Central del Ecuador
- Universidad Complutense de Madrid
- Universidad de Extremadura
- University of Missouri at St. Louis, USA
- Universidad Autónoma de México, Facultad de Estudios Superiores Zaragoza
- University of Texas - PanAmerican

¿A QUIÉN VA DIRIGIDO?
• A titulados medios y superiores, así como profesionales de empresas, administraciones y sector servicios interesados en una formación científica y técnica en el campo de la conservación de la biodiversidad. Los perfiles de formación más indicados son los Ingenieros y Licenciados en disciplinas relacionadas con la Agronomía, Biología, Ciencias Ambientales, Ciencias Forestales, Ciencias del Mar, Farmacia, Geología y Geografía.

• A titulados superiores interesados en realizar una Tesis Doctoral en el ámbito de la Biología de la Conservación o de la Biodiversidad Tropical.

OBJETIVOS
Los objetivos generales son la formación integral en el campo de la biodiversidad tropical y su conservación, teniendo en cuenta las peculiaridades de estas áreas. Se hará hincapié tanto en los aspectos teóricos como en las técnicas más avanzadas existentes, y se prestará especial atención a la comunicación, tanto en revistas y ámbitos científicos como a públicos no especializados.
Al finalizar el Programa de Máster los alumnos habrán adquirido herramientas y conocimientos fundamentales y específicos que les permitirán:

- iniciar una carrera profesional en empresas, organizaciones e instituciones que desarrollen su trabajo en los campos del inventario de la biodiversidad, desarrollo de planes territoriales, auditoría ambiental, etc.

- acceder a estudios de doctorado y a la realización de su tesis doctoral en los diferentes institutos del CSIC o cualquier departamento universitario participante.

- plantear y desarrollar investigaciones en el campo de la biodiversidad y su conservación que supongan un avance en el conocimiento científico.

Mas información en: http://www.rjb.csic.es/fichacurso.php?id=265

Fuente: SilvNet

Determinantes biológicos e sócio-culturais associados à prática de atividade física de adolescentes


Biological and socio-cultural determinants of physical activity in adolescents

Diversos fatores levam os adolescentes à prática de atividades físicas, mas o professor de educação física não é um deles. A conclusão é de um estudo feito por pesquisadores da Universidade do Porto, em Portugal, da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro.

O estudo de revisão da literatura científica publicado na revista Cadernos de Saúde Pública, no entanto, aponta divergências entre as pesquisas que abordam determinantes demográficos, biológicos, psicológicos e socioculturais da prática de atividades físicas entre adolescentes.

Além disso, o trabalho apontou que a condição socioeconômica elevada e a participação da família influenciaram positivamente a prática de atividades pelo adolescente. O dado mais preocupante foi que o professor de educação física pareceu não representar um fator propiciador da atividade física.

“É importante perceber que um comportamento tão complexo e multifatorial, como é a atividade física, não é explicado por uma única variável, ou por uma teoria interpretativa qualquer. Uma conclusão bem relevante das pesquisas epidemiológicas de natureza analítica é que, da variável total da atividade física, a percentagem atribuída aos fatores determinantes se situa entre os 10% e 30%”, afirmou um dos autores do estudo, André Seabra, professor da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Na revisão foram incluídos apenas estudos efetuados com amostras superiores a cem adolescentes com idades entre dez e 18 anos, que adotaram delineamentos de pesquisa transversal e que utilizaram questionários.

Para a pesquisa dos artigos foram consultadas as bases de dados Medline e SportDiscus, entre 1977 e 2006, utilizando-se as palavras-chave em inglês "physical activity", "sport participation", "demographic-biological and social-cultural determinants" e "adolescents".

De acordo com Seabra, é natural que os resultados encontrados sejam divergentes, mas é preocupante que não haja algum consenso a respeito da influência positiva do professor de educação física na atividade física dos alunos, visto que ele deveria ser um dos principais motivadores nessa relação.

“Não existe outro grupo social que esteja tão bem preparado para prevenir a inatividade física como o dos profissionais de educação física. Esse grupo profissional terá efetivamente, a muito curto prazo, de estar envolvido no desenvolvimento e implementação de estratégias e programas que tenham como principal objetivo o aumento dos níveis de atividade física de crianças e adolescentes”, afirmou.

A disciplina de educação física, que segundo o professor português tem sido historicamente justificada pelos objetivos de caráter físico, social e moral, precisaria englobar em seus programas objetivos da área da saúde pública. “É importante destacar que o principal desafio que se coloca atualmente a esses profissionais é o de conseguir atuar em conjunto com os profissionais da saúde pública”, enfatizou.

Segundo Seabra, a execução do estudo foi difícil devido à diversidade de conceitos e expressões utilizados. Em muitos dos trabalhos epidemiológicos analisados, conceitos como atividade física e prática esportiva eram freqüentemente utilizados como sendo sinônimos quando, na realidade, refletiam estruturas conceituais e operacionais distintas.

“Um outro aspecto não mencionado no texto, mas também considerado, disse respeito à região geográfica em que a investigação foi sido realizada. Como se sabe, tentar extrapolações de resultados provenientes de diferentes regiões é uma tarefa problemática, dado que, realidades históricas, sociais, culturais, políticas, econômicas e climáticas distintas têm influência muito diversa na atividade física”, explicou.

A idade se mostrou um dos determinantes biológicos mais estudados. A grande maioria dos trabalhos concordou que a atividade física é um comportamento que tende a diminuir em ambos os gêneros à medida que a idade aumenta. “No entanto, salientamos a existência de algumas pesquisas, realizadas por exemplo em Portugal, que mostram um aumento dos níveis de atividade física com o aumento da idade”, disse.

Tal pai, tal filho
O estudo também ressalta o fato de que os hábitos de atividade física na família ajudam a influenciar as atividades físicas. Segundo o trabalho, os pais e os pares parecem ser o elemento crítico no desenvolvimento da criança e do jovem em realização ao interesse e à participação nesse tipo de atividade.

“Parece ser evidente, na literatura consultada, que os pais ativos tendem a ter filhos igualmente ativos. Essa influência positiva dos progenitores se verifica por meio da modelação de comportamentos e das oportunidades de participação em atividades físicas e de acesso a equipamentos desportivos”, disse o professor da Universidade do Porto.

O estudo identificou que, na literatura, o aspecto socioeconômico também foi um fator determinante na prática de atividade física. Mas, segundo Seabra, os resultados são pouco consensuais, não permitindo identificar com clareza o sentido e a magnitude dessa associação.

“Tivemos alguns problemas na análise da leitura, uma vez que eram diversas as formas de avaliação do estatuto socioeconômico, como rendimento familiar, formação acadêmica, atividade profissional. Apesar dessas dificuldades, a grande maioria das pesquisas parece mostrar que as crianças e adolescentes de baixa renda tendem a estar em desvantagem na prática de atividade física”, apontou.

O problema principal reside, segundo ele, na hierarquia de cada um dos aspectos estudados. Por conta disso, seria importante identificar e hierarquizar a contribuição que diferentes fatores têm na explicação da atividade física. “Só dessa forma seria possível desenvolver programas de intervenção que contribuíssem para a diminuição dos baixos níveis de atividade física evidenciados entre adolescentes”, disse.

Seabra defende a necessidade de se efetuar um reformulação nos programas de disciplina de educação física, principalmente em relação objetivos e das matérias e conteúdos, de forma a conseguir manter altos níveis de participação, motivação e prazer nas crianças e adolescentes pela prática de atividade física.

“Em uma sociedade em que hábitos e comportamentos dos indivíduos parecem contribuir significativamente para o aumento da epidemia das doenças cardiovasculares e crônicas, existe uma clara razão para orientar parte dos objetivos da disciplina de educação física na área da educação para a saúde e a aquisição conseqüente de estilos de vida mais ativos”, destacou.

Para ler o artigo Determinantes biológicos e sócio-culturais associados à prática de atividade física de adolescentes, de André Seabra e outros, disponível na biblioteca on-line SciELO (Bireme/FAPESP), clique aqui.

Fonte: Alex Sander Alcântara / Agência FAPESP

Aumenta a participação de fontes renováveis na matriz energética em 2007

O Brasil teve a participação de fontes renováveis - incluem energia hidráulica, produtos da cana-de-açúcar, lenha e carvão vegetal - na matriz energética ampliada em 2007, informou nesta quinta-feira (8) a EPE (Empresa de Pesquisa Energética).

Dados preliminares do BEN (Balanço Energético Nacional) indicam que as fontes renováveis foram responsáveis por 46,4% da oferta energética no país em 2007, totalizando 111 milhões de tep (toneladas equivalentes de petróleo). No ano anterior, essas fontes respondiam por 44,9% da matriz.

As fontes não renováveis - petróleo e derivados, gás natural, carvão mineral - corresponderam a 53,6% da oferta de energia no ano passado, ante participação de 55,1% em 2006. Ao todo, foram ofertados 128,3 milhões de tep oriundos de fontes não renováveis em 2007.

O presidente da EPE, Mauricio Tolmasquim, exaltou o fato de o Brasil ter um aproveitamento de fontes renováveis bem acima da média verificada em todo o mundo. A média é de um aproveitamento de 12,7% de fontes renováveis na matriz energética mundial.

A forte presença de fontes renováveis na matriz energética brasileira é decisiva para que o país tenha um número relativamente baixo de emissões de gás carbônico, em função da produção de energia. Cada habitante emite, em média, 1,84 t (tonelada) de gás carbônico. Nos Estados Unidos, essa média chega a 19,61 t por habitante. A média mundial é de 4,22 t de gás carbônico por habitante.

A cada tep produzido, o Brasil emite 1,57 t de gás carbônico. A média mundial é de 2,37 t de gás carbônico por tep gerado.

"Isso mostra que o Brasil tem melhor qualidade na matriz energética, com menos emissões de gás carbônico", resumiu Tolmasquim. (Fonte: Folha)

Fonte: Ambientebrasil

Conservation puzzle: Endangered hyacinth macaw depends on its nest predator for reproduction

Uma inédita relação entre o tucano-toco (Ramphastos toco) e a arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus) no Pantanal Mato-Grossense acaba de ser descrita: o equilíbrio entre os dois animais pode ser a chave para a conservação da arara-azul, espécie fortemente ameaçada de extinção no país.

A descoberta foi feita por pesquisadores do Instituto de Biociências (IB) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Rio Claro (SP), e publicada na revista inglesa Biological Conservation.

Com o objetivo de desvendar parte da ecologia da arara-azul, o trabalho teve como base observações de aves que se alimentam dos frutos do manduvi (Sterculia apetala), árvore que, também ameaçada de extinção na região, é uma das poucas a abrigar ninhos de araras.

A interação observada é inusitada: apesar de diversos pássaros comerem os frutos do manduvi, o único que consegue abri-lo e engolir a semente é o tucano-toco que, além de ser o principal responsável pela dispersão das sementes do manduvi é, por outro lado, o grande predador dos ninhos e dos ovos de araras-azuis.

“O tucano dispersa quase 85% das sementes produzidas pelo manduvi. Observamos 14 espécies de aves comendo manduvi, mas apenas o tucano-toco e o araçari engolem as sementes e as dispersam. Sem o tucano-toco, a regeneração do manduvi seria afetada. Sem o manduvi, a arara-azul não tem onde fazer ninhos, uma vez que 90% deles são feitos nessa espécie de árvore”, explicou o coordenador do estudo, Mauro Galetti, professor do Departamento de Ecologia do IB de Rio Claro.

“Isso que dizer que a arara-azul depende indiretamente dos serviços de dispersão do tucano. Porém, descobrimos que 53% dos ovos das araras azuis são predados por tucanos. Ou seja, a relação é indiretamente benéfica em um ponto mas afeta a população das araras no outro”, disse.

Segundo ele, essa relação entre o tucano (predador-dispersor) e a arara-azul (presa) não havia sido apontada na literatura científica. “Praticamente nada se conhece sobre interações animais-plantas no Pantanal, ecossistema que merece mais atenção da comunidade científica e dos órgãos de fomento de todo o país”, afirmou.

Quatro anos de observações
Os pesquisadores observaram, de 2002 a 2005, na Fazenda Rio Negro – propriedade da Conservação Internacional localizada na cidade de Pantanal da Nhecolândia (MS) –, 12 árvores de manduvi durante o período de maturação dos frutos. Foram realizadas 89 sessões de observação, com duração que variou entre uma e cinco horas cada, em um total de 255 horas de análises do comportamento dos animais.

“Observamos o manduvi escondido na vegetação a uma distância de aproximadamente 50 metros, para não assustar os animais. Anotamos dados como quais aves ou mamíferos visitaram a planta, quais comeram os frutos, quais predaram as sementes e qual a quantidade de sementes engolidas”, contou Galetti. O total de frutos sobre as árvores foi registrado no início de cada sessão de observação.

O pesquisador atualmente desenvolve estágio na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, com apoio do programa Novas Fronteiras da FAPESP – estuda o impacto da perda de fauna na diversidade de plantas em florestas tropicais.

Segundo Galetti, o principal ganho da pesquisa feita pela Unesp, que poderá contribuir para programas de preservação da arara-azul, é a indicação de que uma mesma espécie, o tucano-toco, afeta indiretamente outra (manduvi) com da dispersão de sementes e, ao mesmo tempo, uma terceira, com a predação de seus ovos.

“Para conservar as araras precisamos de manduvis, mas só haverá manduvis se tivermos tucanos suficientes para dispersar suas sementes. Por outro lado, um aumento populacional excessivo de tucanos afetaria as populações de araras. Mas se os tucanos forem caçados ou capturados pelo mercado ilegal de animais, por exemplo, as araras azuis, no futuro, terão menos manduvis para fazer seus ninhos. É um balanço delicado da natureza”, explicou.

Ainda que 53% dos ovos das araras sejam predados por tucanos, a segunda não é o principal problema de conservação da primeira. “O maior é a rápida destruição dos ecossistemas do Pantanal. Nosso estudo aponta que, seja qual for o plano de conservação da arara-azul, será necessário antes avaliar a população dos tucanos. Prevenir a predação dos ovos pelos tucanos é praticamente impossível”, destacou.

De acordo com o cientista, a melhor forma de proteger a arara-azul é impedir o desmatamento e a conversão das florestas no Pantanal em pastos ou atividades agrícolas.

“Estimativas sugerem a existência de cerca de 5 mil araras-azuis no Brasil, a maioria no Pantanal. O manduvi ocorre apenas nas florestas semidecíduas e matas ciliares, que formam menos de 6% da área do Pantanal. As populações de araras-azuis, por sua vez, são controladas pela abundância de manduvis. E quem promove a dispersão do manduvi é o tucano”, afirmou Galetti.

“Dados recentes da Conservação Internacional mostram que a destruição da vegetação do Pantanal é altíssima, cerca de 2,5% ao ano, e que em 2030 todo o bioma estará descaracterizado, afetando importantes serviços ambientais ao bem estar humano. Hoje só se fala da conservação da Amazônia, mas o Pantanal está bem mais ameaçado, uma vez que lá existem pouquíssimas reservas”, apontou.

Também participaram do trabalho desenvolvido na Unesp, que contou com apoio da FAPESP na modalidade Auxílio a Pesquisa, Marco Aurélio Pizo, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Neiva Maria Guedes, da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal, e Camila Donatti, da Universidade de Stanford.

O artigo Conservation puzzle: Endangered hyacinth macaw depends on its nest predator for reproduction, de Mauro Galetti e outros, publicado no volume 141, edição 3 da Biological Conservation, pode ser lido por assinantes da revista em www.sciencedirect.com/science/journal/00063207.

Fonte: Thiago Romero / Agência FAPESP

25% da frota mundial de automóveis usará etanol até 2050

Um quarto dos carros no mundo serão movidos a etanol (álcool combustível) até 2050. A estimativa é da Agência Internacional de Energia, com sede em Paris. Segundo a entidade, 700 milhões de toneladas de biocombustíveis vão ser vendidos em meados do século. Hoje, em seu relatório mensal, a AIE apontou para uma "explosão" no uso do etanol. A agência calcula que sem o etanol, o mundo teria de produzir 1 milhão de barris a mais de petróleo para suprir o espaço que o etanol deixaria apenas nos Estados Unidos e Europa.

"O volume de petróleo que seria necessário para cobrir o déficit causado por uma eliminação do etanol seria enorme", afirmou a AIE. Governos em todo o mundo estão sendo atacado por suas políticas de expansão do uso do etanol, acusado de estar gerando a alta nos preços dos alimentos. Alguns, como o ex-relator da ONU para o Direito á Alimentação, Jean Ziegler, chegaram a pedir uma moratória na produção do etanol.

O ano deve terminar com o fornecimento de 1,5 milhão de barris de etanol por dia. Em 2007, 49% do crescimento do abastecimento de combustível nos países fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) já ocorreu graças ao etanol. Em 2008, a taxa deve ser de 55%.

A entidade insiste que uma diferenciação entre o etanol de cana-de-açúcar e o etanol de milho deve ser feita. "O etanol de cana produzido nas regiões tropicais e sub-tropicais como Brasil, África e Índia tem excelente características em termos econômicos, de redução de CO2 e baixa exigência de terras", afirmou a AIE, que garante que o etanol tem um papel importante no combate às mudanças climáticas.

Para garantir que efeitos negativos não se proliferem, a AIE pede que os governos incentivem as pesquisas sobre a segunda geração do etanol, feito a partir de produtos que não teria um impacto sobre a disponibilidade de alimentos.(Agência Estado)

Fonte: Tn Petróleo

Programa Habitare disponibiliza 20 títulos para download gratuito

O Programa de Tecnologia de Habitação (Habitare) oferece em seu portal uma série de livros para download. As obras contemplam áreas como construção sustentável, resíduos, planejamento de canteiros, avaliação pós-ocupação, inovação e gestão da qualidade e produtividade, normalização e certificação.

Segundo o programa, as publicações sistematizam conteúdo produzido a partir de pesquisas e são organizadas em três edições: a Coletânea Habitare, a Série Coleções e a de Recomendações Técnicas.

Na primeira foram organizados sete volumes: Inserção urbana e avaliação pós-ocupação, Inovação, gestão da qualidade e produtividade e disseminação do conhecimento na construção habitacional, Normalização e certificação na construção habitacional, Utilização de resíduos na construção habitacional, Procedimentos de gestão habitacional para população de baixa renda, Inovação tecnológica na construção habitacional e Construção e meio ambiente.

Na Coleção Habitare estão dez volumes, entre os quais Coordenação modular, Habitações de baixo custo mais sustentáveis, Planos diretores municipais, Habitação social nas metrópoles brasileiras e Habitação em encostas.

Na série Recomendações Técnicas foram editados três livros, sobre revestimentos de argamassas, mutirão habitacional e planejamento de canteiros.

O acesso a todas às obras é livre e integral. O Programa Habitare é custeado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e conta também com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), na forma de bolsas, e da Caixa Econômica Federal.

Fonte: Agência FAPESP

3º Congresso de Educação a Distância dos Países de Língua Portuguesa



A EAD proporciona a construção do conhecimento de forma colaborativa, envolvendo pessoas geograficamente distantes. Dessa forma permite alavancar o desenvolvimento, gerando oportunidades e contribuindo para que os objetivos do milênio sejam alcançados.

Participando ativamente dessa construção, a Aulavox e seus parceiros convidam para o “III Congresso de Educação a Distância dos Países de Língua Portuguesa”, através de áudio conferência pela internet, de 26 a 30 de maio de 2008.

Temática:
Plataformas e sistemas de suporte à Educação e Formação a distância
Ferramentas para produção de conteúdos para Educação a Distância
Pedagogia e desenho instrucional
Educação a Distância nas escolas e nas empresas
Apresentação de experiências de sucesso na utilização das TICs em Educação.
Universidades Corporativas .
Inclusão Social através da Educação a Distância
Educação a Distância para pessoas com necessidades especiais .
Capacitação de Professores através da Educação a Distância .

Veja a relação de trabalhos já inscritos e selecionados para o 3º Congresso , clique aqui para ler !

O evento ocorrerá de 26 a 30 de maio de 2008 das das 10h às 20h e será realizado através de áudio conferência pela Internet. As incrições podem ser feitas através do site.

Para saber mais: http://www.aulavox.com/produto.htm

Fonte: EADBR

Encontro Nacional de Língua e Literatura 2008

O Encontro Nacional de Língua e Literatura será realizado de 11 a 13 de junho, em Novo Hamburgo (RS). As inscrições de trabalhos a serem apresentados no evento termina no dia 30 de maio.

O objetivo é discutir teorias lingüísticas e literárias e disseminar métodos e estratégias inovadoras para o ensino e a aprendizagem da língua portuguesa, de línguas estrangeiras e da literatura.

A programação enfocará a leitura, a aquisição e o desenvolvimento da linguagem, bem como a interação da produção estética com o contexto sócio-histórico e com outros discursos, especialmente os da produção de Machado de Assis e a de Guimarães Rosa.

A promoção é do Instituto de Ciência Humanas, Letras e Artes do Centro Universitário Feevale.

Mais informações: www.feevale.br/enalli

Fonte: Agência FAPESP

2º Seminário sobre Informação na Internet

Estão abertas as inscrições para a segunda edição do Seminário sobre Informação na Internet, que será realizado de 27 a 30 de julho no Complexo Cultural da República do Museu Nacional, no Rio de Janeiro.

Com promoção do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), o tema central do encontro será “Internet: Conteúdos e Infodiversidade”.

Entre os temas em debate por conferencistas nacionais e internacionais estão “Web 2.0: mitos e limites”, “Preservando a fronteira digital”, “Gerenciando conteúdos na Web”, “Políticas nacionais de conteúdos digitais”, “Informação governamental na internet” e “Inclusão digital e uso de informação”.

Na mesma época, de 31 de julho a 1º de agosto, ocorrerá o 2º Congresso Ibero-Americano de Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva, também organizado pelo Ibict, entidade vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).

O tema do congresso será “Gestão do conhecimento, inteligência competitiva e potencialidades tecnológicas”.

Mais informações: http://si2008.ibict.br/registration.php

Fonte: Agência FAPESP

EERP - USP abre vaga para docentes em ginecologia e obstetrícia

O Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da Universidade de São Paulo (USP) abriu concurso público para contratação de dois docentes na área de ginecologia e obstetrícia. As inscrições poderão ser feitas até o dia 23 de junho.

Os docentes irão ministrar as disciplinas Cuidados Integrais à Mulher e Ação Clínico-Gerencial do Processo de Saúde-Doença na Mulher. Os candidatos aprovados para ambos os cargos deverão atuar em regime de dedicação exclusiva, com remuneração de R$ 5.850,92.

Para a inscrição, os candidatos deverão apresentar, entre outros documentos, prova do título de doutor e memorial circunstanciado, comprovando os trabalhos publicados e as atividades realizadas pertinentes ao concurso.

O concurso deverá ser realizado no prazo de 30 a 120 dias após a aceitação das inscrições. Os exames incluirão julgamento do memorial com prova pública de argüição, prova didática e prova escrita.

Mais informações: www.eerp.usp.br

Fonte; Agência FAPESP

FINEP - R$ 450 milhões para empresas investirem em inovação

A FINEP lançou nesta terça-feira (13) uma linha de financiamento de R$ 450 milhões destinada à inovação em pequenas, médias ou grandes empresas que se adequarem às regras do Edital de Subvenção Econômica publicado no site da Financiadora do Ministério da Ciência e Tecnologia (veja o edital e o formulário de Pré-análise).

Os financiamentos são não-reembolsáveis, ou seja, as empresas selecionadas não precisam devolver o dinheiro recebido. "A Subvenção é um instrumento já amplamente utilizado pelos países centrais para subsidiar a inovação e o Brasil carecia desse instrumento", observa Luis Fernandes, presidente da FINEP.

"Esse já é o terceiro edital de subvenção lançado pela FINEP. Até o momento, já foram disponibilizados R$ 588 milhões, que beneficiaram 321 projetos", lembra o diretor de Inovação da Financiadora, Eduardo Costa. A Subvenção Econômica é uma modalidade de financiamento regulamentada no Brasil pela Lei da Inovação. "Foi um grande passo para a modernização dos instrumentos de fomento à inovação nas empresas", completa Luis Fernandes.

Como concorrer ao financiamento
O edital contempla seis áreas estratégicas: Tecnologias da Informação e Comunicação; Biotecnologia; Saúde; Programas Estratégicos; Energia e Desenvolvimento Social. A seleção das empresas candidatas ao programa de Subvenção Econômica 2008, anunciado nesta segunda-feira (12), na presença do presidente Lula, durante o lançamento da nova política industrial, no Rio, acontecerá em duas etapas.

Na primeira (Fase 1), as propostas serão apresentadas, até o dia 30 de junho, em formulário eletrônico simplificado, que deverá estar disponível no site da FINEP a partir do fim da tarde do dia 13/5. Nele, serão descritos o tipo de produto, serviço ou processo inovador a ser desenvolvido com os recursos da subvenção, os impactos econômicos e sociais do projeto e a qualificação da equipe executora.

O resultado da Fase 1 está previsto para o dia 4 de agosto. Na Fase 2, apenas as empresas selecionadas deverão encaminhar o projeto detalhado à FINEP, o que também acontecerá por meio eletrônico até o dia 1º de setembro. O resultado desta última etapa está previsto para o dia 6 de outubro. A partir daí, começa então um curto período para a apresentação de recursos pelas empresas que tiveram as suas propostas recusadas. O resultado final, com a divulgação da lista das empresas contempladas no site da FINEP, está previsto para o dia 17 de outubro. Os prazos estão sujeitos a alterações.

O valor mínimo de cada projeto será de R$ 1 milhão com prazo de execução de 36 meses. Haverá, ainda, uma contrapartida que ficará entre 5% e 20% do valor total do projeto no caso de empresas menores, e entre 100% e 200% para empresas de médio e grande porte.

Além do enquadramento do projeto nos temas específicos das seis áreas definidas no edital, a comissão julgadora levará em consideração o grau de inovação da proposta em relação a outras soluções existentes, o impacto no mercado, a importância para a sociedade e a capacidade técnica da equipe envolvida no desenvolvimento do produto, serviço ou processo.

Ainda segundo o edital, 40% dos recursos vão apoiar empresas pequenas e 30% do total serão destinados às regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Apenas no caso de não haver demanda qualificada nessas regiões, os recursos serão remanejados para apoio aos demais projetos aprovados.

O que será apoiado
Na área de TI e Comunicação, por exemplo, serão apoiados projetos de software e de conteúdo inovador para novas mídias, como aparelhos celulares, novos dispositivos de acesso à internet e TV Digital.

Nesse caso, estão previstos, ainda, desenvolvimentos de sistemas ou antenas de transmissão de sinais digitais compatíveis com o sistema brasileiro. No setor de telecomunicações, serão priorizadas novas plataformas e componentes inovadores para redes de comunicações ópticas e sem fio.

Em Biotecnologia, serão priorizados produtos com alto potencial terapêutico, obtidos a partir de princípios ativos existentes em espécies da biodiversidade brasileira, e bioinseticidas para controle de pragas provocadas por insetos transmissores de doenças, como a dengue, malária e febre amarela.

O setor de Saúde abrange dispositivos para diagnósticos, prognósticos e ferramentas terapêuticas para doenças negligenciadas e câncer; desenvolvimentos de moléculas com alto potencial, como insulina humana, calcitonina e hormônios; componentes e equipamentos para telemedicina e telessaúde, ultrasom e hemodiálise; e aparelhos
auditivos.

Os Programas Estratégicos englobam desenvolvimento, integração e implantação de sistemas de posicionamento para navegação, controle e guiamento, tipo simuladores, além de materiais emissores de elétrons e de alta densidade energética, assim como processos industriais para fabricação de peças e sistemas estruturais em fibras de carbono, semicompósitos e cerâmicas.

Na área de Energia serão apoiados projetos para aproveitamento da palha da cana na cadeia do etanol, extração de óleos de palmáceas e pinhão manso para produção de biodiesel em pequena escala e fabricação de válvulas submarinas utilizadas na exploração de petróleo e gás em águas profundas.

E por último, o edital vai contemplar soluções inovadoras para acesso de baixo custo à internet em banda larga e habitação de interesse social, além de equipamentos e dispositivos destinados a facilitar o dia-a-dia de portadores de deficiências.

Todas as áreas terão disponíveis R$ 80 milhões para apoio a projetos inovadores, com exceção apenas do setor de Desenvolvimento Social, que contará com R$ 50 milhões.

Mais informações no site: http://www.finep.gov.br/

Fonte: FINEP