segunda-feira, 12 de maio de 2008

Governo federal lança fase 2 da Pitce

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, lançou hoje (12), na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro (RJ), a Política de Desenvolvimento Produtivo do governo federal. O programa conta com quatro macrometas e medidas de desoneração e financiamento voltadas para 25 setores da economia.

Para ser viabilizado, o programa contará com o suporte dos financiamentos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) da ordem de R$ 210,4 bilhões para indústria e serviços, entre 2008 e 2010. Também estão previstos investimentos do Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional do MCT, que deverá aplicar cerca de R$ 41 bilhões no setor científico e tecnológico até 2010, além de outras medidas fiscais-tributárias do Ministério da Fazenda.

Metas
A primeira meta pretende elevar a participação do investimento fixo no Produto Interno Bruto (PIB) para 21% em 2010, o que, segundo o MDIC, exigirá um crescimento médio anual de 11,3% da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) no período, frente a um crescimento projetado do PIB de 5% ao ano. Nessa projeção, o valor do investimento será da ordem de R$ 620 bilhões em 2010.

A política também tem entre os seus objetivos o estímulo à inovação. Para isso, foi estabelecida uma meta para o dispêndio privado em pesquisa e desenvolvimento. Ainda segundo o MDIC, a idéia é captar os investimentos das empresas em atividades sistemáticas, destinadas a ampliar o estoque de conhecimentos e seu uso em novas aplicações.

Em 2006, o setor privado realizou gastos de R$ 11,9 bilhões em P&D, o que corresponde a 0,51% do PIB. A meta da nova política é elevar esse percentual para 0,65% ou R$ 18,2 bilhões em 2010, o que exigirá um crescimento médio anual de 9,8% nos investimentos privados em P&D.

A terceira meta está voltada à inserção internacional das empresas brasileiras por duas vias: exportações e investimentos diretos no exterior para instalação de representações comerciais ou unidades produtivas (internacionalização). De acordo com o MDIC, para 2010 o objetivo é ampliar a participação do país nas exportações mundiais para 1,25% em valor e alcançar a cifra de US$ 208,8 bilhões exportados.

Para isso, será necessário um crescimento médio anual das exportações brasileiras de 9,1% até 2010. No ano passado, as exportações brasileiras atingiram US$ 160,6 bilhões, ou 1,18% do total mundial.

A quarta meta prevê o aumento em 10% do número de micro e pequenas empresas (MPEs) exportadoras até 2010. Se atingir esse percentual, o Brasil terá 12.971 MPEs exportadoras em 2010, frente a 11.792 empresas em 2006.

Inovação
O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, destacou, em notícia publicada pelo MCT, que a Política de Desenvolvimento Produtivo tem a inovação como elemento fundamental para as empresas. Ele foi uma das autoridades que participaram da cerimônia de lançamento do programa.

Em sua avaliação, a nova etapa da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (Pitce) terá um caráter mais abrangente e transversal, contemplando vários setores. “Todos os países que se industrializaram tiveram uma política para incentivar as empresas nacionais e nós temos que fazer o mesmo”, afirmou Rezende.

Já o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, apontou, como meta, o investimento em tecnologia e exportação. Também em notícia divulgada pelo MCT, ele informou que na elaboração da nova política foi considerada a integração das diversas áreas do governo e outras regiões.

A íntegra da Política de Desenvolvimento Produtivo está disponível no site:
www.desenvolvimento.gov.br/pdp/ .

Fonte: Agência Brasil

Eletrobrás investirá mais de R$ 350 milhões em P&D em 2008

Empresas do Sistema Eletrobrás e o Centro de Pesquisa da Eletrobrás (Cepel) devem investir R$ 353,5 milhões em pesquisa e desenvolvimento (P&D) este ano. A informação é do chefe do Departamento de Desenvolvimento Tecnológico e Industrial da Eletrobrás, Ronaldo Lourenço. As ações desenvolvidas pelas empresas da Eletrobrás são coordenadas pelo Comitê de Integração Corporativa de Pesquisa e Desenvolvimento (Cicop), coordenado pela Diretoria de Tecnologia da Eletrobrás.

Segundo Lourenço, desde a edição da lei 9.991/2000, que dispõe sobre realização de investimentos em pesquisa e desenvolvimento e em eficiência energética por parte das empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor de energia elétrica, o sistema Eletrobrás aplicou em P&D, até 2006, aproximadamente R$ 990 milhões. “Já em 2007, o montante foi de R$ 288,2 milhões, o que totalizaria uma aplicação de cerca de R$ 1,3 bilhão nos sete anos desde a edição da lei”, disse.

Entre as ações realizadas pela Eletrobrás está a montagem de laboratórios para atuar como fonte de referência para biocombustíveis produzidos por meio do buriti e dendê, e o Cepel, que é uma instituição associada à ABIPTI, desenvolve pesquisas sobre materiais e tecnologia de supercondutividade, por meio do laboratório de limitadores de corrente. De acordo com Lourenço, o Cepel tem depositado patentes nos últimos anos como, por exemplo, os medidores blindados a prova de roubo.

Parceiros
Segundo o chefe do Departamento de Desenvolvimento Tecnológico e Industrial da Eletrobrás, os projetos estão sendo desenvolvidos com parceiros. “O Cepel é o nosso parceiro principal, mas tem um papel importante as universidades, centros de pesquisa, além de empresas privadas, como a Mercedes Benz e a Fiat”, salienta.

Entre as instituições parceiras estão a Universidade de Brasília (UnB), as universidades federais de Santa Catarina (UFSC), do Ceará (UFC), do Pará (UFPA), do Mato Grosso do Sul (UFMS), do Rio de Janeiro (UFRJ), de São Paulo (USP), o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/RJ), o Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento do Paraná (Lactec), o Instituto Militar de Engenharia (IME) e o Instituto de Tecnologia da Aeronáutica (ITA). O Lactec, o IME e o Ita também são associados à ABIPTI.Para Lourenço, apesar de as iniciativas mencionadas não estarem ligadas à pesquisa pura, “onde o resultado é incerto”, na maioria delas não se busca retorno financeiro atrelado às pesquisas do sistema Eletrobrás. “Trata-se de resolver problemas, buscar melhores soluções para demandas das empresas e aplicações tecnológicas para questões vigentes no dia-a-dia das empresas”, afirma.

Como exemplo, Lourenço cita o desenvolvimento de dispositivos de limitadores de correntes que poderiam substituir os disjuntores caros e sujeitos à incêndios, além das inspeções em linhas de transmissão de difícil acesso, evitando os custos e os riscos de vidas humanas e, ainda, buscar um substitutivo ao óleo combustível utilizado no sistema isolado brasileiro. “Busca-se avançar em tecnologias modernas para resultar em benefícios para os usuários do setor elétrico brasileiro e, em última análise, para toda a sociedade brasileira”, observa.

Inovação
Quanto à importância de projetos de pesquisa e desenvolvimento para o país, como os que estão sendo desenvolvidos pelas empresas do Sistema Eletrobrás, Lourenço afirma que não há avanço e progresso se não houver P&D e inovação tecnológica. “Com essa visão, em 2003 a Eletrobrás criou o Programa de Desenvolvimento Tecnológico e Industrial (PDTI) que norteia as ações do Conselho Superior de Integração do Sistema Eletrobrás (Consise), que reúne a alta administração das empresas do Sistema Eletrobrás”.

Entre as atividades desenvolvidas pelo PDTI, destacam-se o Programa de Qualificação de Materiais e Equipamentos para Redes de Distribuição de Energia Elétrica (Proquip II), o Projeto NBR 19000 – Adoção de Critérios da Qualidade para Fornecimento de Produtos, o Projeto de Desenvolvimento de Modelo Estratégico para Gestão Tecnológica e Gestão de Inovação e o Programa de Logística e Suprimento do Sistema Eletrobrás.

Fonte: Isadora Lionço / Gestão CT

FAPs podem investir R$ 13,5 milhões em pesquisas com meio ambiente

A parceria entre o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade podem reder investimentos na ordem de R$ 13,5 milhões para pesquisas sobre o meio ambiente.

Segundo a presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Paraíba (Fapesq), Maria José Lima da Silva, as ações podem envolver pesquisas nas áreas de Caatinga, Marinho/Costeiro, Mata Atlântica e Amazônia. Silva participou da reunião do Confap com representantes da Capes e do Instituto Chico Mendes, no último dia 7, em Brasília (DF).

Segundo informações da Fapesq o Instituto Chico Mendes pretende investir recursos na ordem de R$ 5,5 milhões para o Bioma do Cerrado, para a Caatinga serão R$ 4,7 milhões, para as pesquisas Marinho/Costeiro R$ 6 milhões, para a Mata Atlântica R$ 3 milhões e para a Amazônia outros R$ 3 milhões.

A parceria entre o Confap e o instituto será formalizada nos dias 26 e 27 de junho, em São Luis (MA), durante a próxima reunião do Confap.

Para mais informações sobre as ações desenvolvidas pelo Instituto Chico Mendes acesse o site http://www.icmbio.gov.br/

Fonte: Gestão CT

2° Gecic - Congresso Ibero-Americano de Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva

Acontece, em Brasília, nos dias 31 de julho e 1° de agosto o 2° Congresso Ibero-Americano de Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva (Gecic).
O Congresso será realizado no Conjunto Cultural da República e o tema central do evento é a Gestão do Conhecimento, Inteligência Competitiva e Potencialidades Tecnológicas. A organização é do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), unidade de pesquisa vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).

Em texto do Ibict, o diretor do instituto,Emir José Suaiden, considera a Gecic adequada para a tomada de decisão e para possibilitar a democracia no acesso à informação e no compartilhamento do conhecimento. O congresso tem como objetivo discutir o papel da inteligência competitiva e da gestão do conhecimento nas políticas públicas e no sistema de Instituto de Cultura Técnica (ICT), inclusive na informação científica, tecnológica e industrial, com infra-estrutura em sistemas, redes, centros, produtos e serviços de informação, pesquisas, cursos, eventos técnico-científicos e associações profissionais.

Para mais informações acesse o link: http://si2008.ibict.br/registration.php

Fonte: Gestão CT

Primeira norma técnica para o setor apícola está pronta

Ainda neste mês de maio deverá estar disponível para compra a primeira norma técnica do setor apícola. A norma, que esteve em consulta pública, é uma iniciativa da Comissão de Estudo Especial Temporária da Cadeia Apícola, coordenada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Segundo informações da Agência Sebrae, a norma trata da produção de mel desde o apiário até a casa de mel. Ainda estão definidos os padrões para a instalação das colméias, manejo e extração do mel.

O Sebrae facilitará a compra da norma para produtores. Hulda Giesbrecht, analista do Sebrae Nacional, explica que um terço do valor da norma será pago pelo Sebrae e a ABNT deixa de recolher a mesma quantia. Os produtores que forem micro e pequenos empresários poderão, então, pagar apenas um terço do valor da norma.

A publicação da norma técnica ainda abre a oportunidade para a busca da certificação. Laboratórios interessados poderão buscar a acreditação junto ao Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) para certificarem os produtos apícolas. “O mel está trilhando esse caminho e o fato dessa norma ser publicada já aponta que, em breve, teremos potes de mel com selos que indiquem a produção de acordo com o Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade”, diz Hulda, em notícia divulgada pela Agência Sebrae.

O setor apícola ainda prepara outra norma que deverá estar sob consulta pública, em breve. Além do Sebrae e da ABNT participam da Comissão de Estudo a Embrapa, Confederação Brasileira de Apicultura (CBA) e Associação Brasileira de Exportadores de Mel (Abemel).

Informações complementares sobre o projeto de parceria da ABNT com o Sebrae para micro e pequenas empresas podem ser obtidas no link: http://www.abntnet.com.br/sebrae/

Fonte: Gestão CT

Espanha seleciona projetos de cooperação com brasileiros

O Ministério da Educação e Ciência (MEC) da Espanha está selecionando projetos de cooperação entre departamentos universitários espanhóis e brasileiros. O prazo final para o envio de propostas é 31 de maio.

O objetivo é apoiar o desenvolvimento de projetos conjuntos entre os dois países em áreas científicas de interesses aos departamentos universitários. As propostas devem seguir alguns objetivos. Entre eles, o desenvolvimento de condições favoráveis para a cooperação duradoura de professores em áreas de interesse comum, e a formação e o aperfeiçoamento de recursos humanos qualificados nos programas conjuntos.

Serão duas modalidades de apoio. A primeira para a mobilidade de pesquisadores doutores entre os dois países e a segunda para o desenvolvimento de eventos científicos. Serão consideradas as seguintes áreas prioritárias para as propostas: educação; psicologia; meio ambiente e ciências do mar; biologia; ciências tecnológicas; química; matemática; agricultura e controle de pragas; e ciências do esporte.

A convocatória está disponível no link:

Fonte: Gestão CT

1° Simpósio e o 5° Fórum de Software Livre ocorrem em Goiás

A Universidade Estadual de Goiás (UEG) promove, nos dias 30 e 31 deste mês, o 1° Simpósio Goiano de Software Livre e o 5° Fórum Goiano de Software Livre. Ambos acontecerão simultaneamente em Goiânia, na Faculdade de Tecnologia do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) de Desenvolvimento Gerencial (Fatesg). A programação será das 8h às 18h.

Os eventos têm como objetivo reunir a comunidade estadual e nacional interessada em desenvolvimento e aplicação de software livre e de código aberto. Também visam compartilhar experiências e conhecimento, de modo a estimular o uso crescente dos softwares livres, o aprimoramento de tecnologias, a difusão da filosofia de compartilhamento e criação colaborativa.

Nas palestras serão abordados temas como educação e novas tecnologias em software livre, software livre no governo federal, a importância do estudo para aplicativos web, usabilidade e acessibilidade em sistemas web, entre outros. Além das palestras, haverá oficinas e mini-cursos sobre criação de relatórios, gráficos, imagens e sistema de gestão de conteúdo.

Durante os eventos, haverá um laboratório de rádio que visa estimular a produção de conteúdos para rádios livres, rádios web e outros tipos de transmissão pública de conteúdos em formato de rádio, com programação montada livremente pelos programadores.

Os eventos terão como parceiros a Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás, Projeto Software Livre Brasil, Projeto Software Livre Goiás e Programa Educando e Valorizando a Vida (PEVV). Os palestrantes Sérgio Amadeu, sociólogo e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP), Gilberto Lacerda, doutor em Sociologia da Ciência e Tecnologia pela Universidade de Brasília (UNB) e Ph.D. em Informática na Educação pela Université Laval localizada no Canadá, dentre outros.

Informações adicionais sobre os eventos podem ser obtidas no site www.sgsl.ueg.br e pelo telefone (62) 3269-1200.

Fonte: Gestão CT

2º Simpósio Internacional do Trabalho ocorre no Maranhão

A Secretaria do Trabalho e da Economia (Setres) e da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) realizam, hoje (12) e amanhã, o 2º Simpósio Internacional Trabalho e a Mundialização da Economia. O evento acontece no Hotel Abbeville, em São Luís (MA).

Nessa edição, o tema abordado é “O Trabalho e os 120 anos da abolição”. A escolha do tema cumpre o decreto do Governador do Maranhão, Jackson Lago, que orientou que 2008 seria o ano de debate e reflexão das questões étnico-raciais no Estado.

Segundo o coordenador do simpósio, o secretário adjunto da Setres Franklin Douglas, a realização do evento é uma oportunidade para colocar mais uma vez na pauta de debates o mundo do trabalho na atualidade, ressaltando a questão do trabalho escravo nesses 120 anos de abolição, além de voltar para o que vem acontecendo nas políticas do trabalho na América Latina.

Fazem parte da programação do simpósio o lançamento de publicações na área das políticas públicas do trabalho, conferências sobre sistema público de emprego, mesas redondas sobre as políticas de economia solidária no Brasil e debates sobre os mais recentes dados da exclusão social no Maranhão. Um dos destaques da programação é a visita do Embaixador de Cuba no Brasil, Pedro Juan Nunes Mosquero, e da primeira secretária da Embaixada da Bolívia no Brasil, Giovana Vilarreal. Os organizadores esperam encerrar com a assinatura do decreto de Criação do Conselho Estadual de Economia Solidária (Cesol) e a posse da primeira gestão do Conselho Estadual de Política Étnico-Racial.

Para mais informações, acesse o site www.fapema.br

Fonte: Gestão CT

Do quilombo à favela – A produção do "espaço criminalizado"

Neste mês de maio a abolição da escravidão no Brasil completa 120 anos, porém, ainda são grandes os problemas como o preconceito, segregação, pobreza, e as dificuldades cotidianas com que sofre a população descendente dos escravos libertos em 1988 pela Lei Áurea. Para o professor Andrelino Campos, da UERJ, autor do livro “Do quilombo à favela – A produção do ‘espaço criminalizado’”, muito ainda deve ser feito para combater a exclusão da população afro-descendente na sociedade brasileira.

O professor explica que o preconceito e a segregação estão interligados, mas têm características diferentes. Enquanto o primeiro faz parte de um sistema simbólico, de um imaginário, o segundo é o meio pelo qual essas idéias se materializam. Ele ressalta como é complexo o problema da segregação no Brasil, pois negros e brancos estão juntos mas ao mesmo tempo separados social e economicamente, como água e óleo.

Segundo Andrelino, as dificuldades encontradas pelo negro hoje são decorrentes tanto do preconceito criado no tempo da escravidão, quanto da segregação causada por este preconceito, agravados pela ausência de políticas públicas visando compensar os anos de exploração dos negros. Ele explica que o processo de abolição brasileiro têm um grande peso no quadro atual de exclusão pois nele os escravos foram libertos, mas não tiveram nenhum tipo de apoio por parte do governo, o que fez com que muitos passassem a viver na pobreza extrema.

Dados do IBGE mostram que os descendentes de escravos são a grande maioria dos que se encontram em situação de maior vulnerabilidade social, devido ao precário acesso à educação, saúde, mercado de trabalho etc. “Os pretos foram os últimos a ingressarem no sistema de educação, possibilitando um atraso considerável em relação ao grupo hegemônico da sociedade. Então, não tenhamos dúvidas, para a redução da pobreza serão necessárias muitas ações de compensação social.” – alerta o professor.

Um dos aspectos mais visíveis da exclusão e da segregação são as favelas do Rio, cuja população é, em sua maioria, composta por descendentes de escravos. Para Andrelino, a favela é um espaço excluído, assim como eram os quilombos, vítima de uma forte repressão do estado, que trata as comunidades como “espaços criminalizados” onde todos são suspeitos até que se prove o contrário.

“A segregação sócio-espacial é parte visível do estigma da discriminação e do preconceito contra a população das favelas que, em sua maioria, é constituída de pretos e pardos. Desta maneira, construímos um triplo preconceito, o de “cor”, o “espacial” e de “pobreza”. Continua dura a vida de favelado, como era muito dura a vida de quilombola.” – afirma o professor.

Para Andrelino Campos, a única solução para o problema da segregação é a ampliação da acessibilidade através de investimentos contínuos que favoreçam a população mais pobre. Segundo ele, as favelas não são consideradas áreas prioritárias para investimentos, o que perpetua o quadro de segregação atual. O professor critica ainda programas como o favela-bairro e o PAC por serem muito pontuais e descontínuos, portanto não provocando grandes mudanças na acessibilidade da população mais pobre à meios para melhorar a vida.

“Não podemos esperar outros 120 anos para construir o sistema que contemple a igualdade entre todos, aguardar o devir. Ele só será melhor se no “agora” estiverem sendo tomadas ações que tenham como direção a melhoria geral da sociedade.”- conclui o professor.

Outras informações pelo telefone: (21)2569-8803

Fonte: André Coelho / UERJ

Publicada segunda edição do livro sobre os 25 anos da ABIPTI

Foi impresso, neste mês de maio, a segunda edição do livro “Uma associação para a tecnologia brasileira - ABIPTI 25 Anos”. A nova edição traz uma terceira parte chamada de Atualização Histórica e um capítulo adicional com o título “Avaliação e Perspectiva: ABIPTI após 25 anos, escrito pelo professor Ivan Rocha Neto, chanceler da Universidade Corporativa Alberto Pereira de Castro (UCA) da Associação.

O livro, lançado em 2005, ano de comemoração dos 25 anos da ABIPTI, é de autoria de Shozo Motoyama, de Paulo Queiroz Marques e Maria Angélica Rodrigues Quemel. A obra, primeiramente dividida em duas partes, traz uma análise histórica e depoimentos de ex-presidentes e de pessoas que tiveram participação ativa na construção e no processo de consolidação da instituição.

No prefácio à segunda edição, Ivan Rocha Neto ressalta que a primeira edição do livro foi rapidamente esgotada e que o secretário executivo da Associação, Lynaldo Cavalcanti de Albuquerque, “com sua sabedoria”, optou pela realização da segunda edição. “Face à ocorrência recente de importantes acontecimentos, que não estavam presentes na agenda de então, mas que já se encontravam em gestação naquele momento”, explica Rocha.

A proposta da nova edição é, segundo Ivan Rocha, ensejar um novo olhar retrospectivo-prospectivo para a melhor compreensão da história recente da ABIPTI e para obter entendimento em relação às suas possibilidades futuras.
A publicação será distribuída aos inscritos no Congresso ABIPTI 2008, que acontecerá de 4 a 6 de junho, em Campina Grande (PB).

Os interessados em obter o livro podem entrar em contato com a biblioteca da ABIPTI pelo telefone (61) 3348-3120 ou pelo e-mail .
Fonte: Gestão CT

Indústria naval será contemplada pela Política de Desenvolvimento Produtivo

A Política de Desenvolvimento Produtivo do governo federal contemplará a indústria naval com um investimento inicial de R$ 400 milhões. A informação foi dada hoje (12), pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, no Rio de Janeiro (RJ), ao comentar as medidas da nova fase da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (Pitce).

De acordo com o ministro, os recursos serão destinados para aumentar a produção do setor e transformá-lo num grande pólo de desenvolvimento para o país. “Porque nós esperamos um grande surto, uma grande expansão da produção da indústria naval, é que temos que tomar medidas que facilitem sua implantação”, disse ele, segundo notícia publicada pela Agência Brasil.

O montante será destinado a um fundo garantidor de performance. Além disso, o governo suspenderá a cobrança dos impostos IPI, PIS e Confins incidentes sobre peças e materiais destinados à construção de navios por estaleiros nacionais. Também está prevista a suspensão do PIS/COFINS na aquisição de combustíveis para a navegação de longo curso. Atualmente, esse benefício é estendido apenas à navegação de cabotagem.

Petrobras
A indústria naval brasileira também recebeu outra boa notícia durante o lançamento da Política de Desenvolvimento Produtivo do governo federal no BNDES. A Petrobras anunciou um novo programa de compras de 146 embarcações de apoio para o setor. A informação foi dada pelo presidente da estatal, José Sergio Gabrielli.

De acordo com ele, do total de embarcações previstas, 24 irão para o mercado imediatamente. Gabrielli informou que um dos objetivos do programa é a capacidade de estruturação do setor naval brasileiro. De acordo com ele, a Petrobras irá destinar, no mínimo, US$ 50 bilhões para compras no Brasil até 2012.

O presidente da estatal ainda lembrou que parte desse montante já vem sendo aplicado na construção de duas refinarias, sendo uma petroquímica no Estado do Rio de Janeiro e outra de petróleo pesado para a produção de diesel em Pernambuco. Ele ainda informou que também existe um projeto para a construção de uma terceira refinaria no período citado.

Gabrielli avaliou que, como 85% da produção de petróleo da Petrobras se dá no mar, o que exige equipamentos sofisticados, tecnologia avançada e navios, entre outros fatores, isso requer a construção de uma indústria naval poderosa e grande.

Segundo ele, a Petrobras já encomendou 26 navios, todos em estaleiros brasileiros. Gabrielli ainda informou que está sendo discutida uma proposta para a construção de dois superpetroleiros no país.

O presidente da Petrobras acredita que o desafio de possibilitar o crescimento ainda maior da indústria naval para se adequar ao projeto de desenvolvimento sustentado do governo federal depende agora do empresariado.

Informações sobre as ações da Petrobras podem ser obtidas no site www.petrobras.com.br

Fonte: Agência Brasil

Plano Amazônia Sustentável é lançado em Brasília

Uma política inovadora de desenvolvimento regional baseada no uso sustentável dos recursos naturais, com estratégias voltadas para a geração de emprego e renda e redução das desigualdades sociais. Essa é a proposta do Plano Amazônia Sustentável (PAS), lançado pelo presidente Lula no dia 8, em cerimônia realizada no Palácio do Planalto. Na mesma ocasião, Lula também assinou decreto que cria três novas unidades de conservação no bioma Amazônia e anunciou a Operação Arco Verde, que complementa o PAS.

O plano será coordenado pelo ministro Mangabeira Unger, que também será o coordenador do Conselho Gestor do planejamento. O PAS se organiza em torno de cinco grandes eixos temáticos: produção sustentável com inovação e competitividade; gestão ambiental e ordenamento territorial; inclusão social e cidadania; infra-estrutura para o desenvolvimento; e novo padrão de financiamento.

Durante a cerimônia, Lula destacou a necessidade de se valorizar os conhecimentos tradicionais e de se produzir cuidando do meio ambiente. “Essa é uma vantagem competitiva para os que querem vender seus produtos”, disse.

Já Marina Silva avaliou que o PAS marca o início de uma nova narrativa para a economia na Amazônia. “As pessoas hão de preferir os nossos produtos porque a nossa madeira é sustentável, o grão que produzimos é sustentável, a carne e o padrão civilizatório que nós temos para a Amazônia são sustentáveis. Por isso é que vamos ser os preferidos”, disse ela.

O PAS teve origem em maio de 2003, em Rio Branco (AC), durante uma reunião do presidente Lula com os governadores dos Estados da região Norte. Na ocasião, foi aprovado o documento Amazônia Sustentável. No ano passado, várias consultas públicas, realizadas nos Estados da Amazônia Legal, debateram a iniciativa. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), mais de 3 mil pessoas participaram da consulta, entre representantes de organizações empresariais, de movimentos sociais, universidades, governos estaduais e municipais, além de técnicos do governo federal.

No ano passado, o plano ainda foi discutido em seminários preparatórios e no 1º Simpósio Amazônia e Desenvolvimento Nacional, realizado pela Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional da Câmara dos Deputados.

Demandas sociais
Na mesma ocasião, Lula anunciou a Operação Arco Verde, que tem como objetivo atender demandas sociais emergenciais nos municípios da região sob intenso controle ambiental, além de promover a transição das atividades agropecuárias e florestais para a legalidade e sustentabilidade, com foco nos 36 municípios considerados críticos na Amazônia, de acordo com o que foi apontado em um decreto presidencial de dezembro de 2007.

A operação conta com diversas ações. Entre as de destaque, consta a que prevê a criação de uma linha de crédito com enfoque na recuperação ambiental de imóveis rurais, com condições especiais de crédito para recuperação da área de reserva legal com espécies nativas.

Essa linha contará com um prazo de carência de até 12 anos e prazo total de pagamento de até 20 anos. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, a taxa de juros passa para 4% para projetos florestais (reflorestamento e manejo) no âmbito dos fundos constitucionais.

Durante a solenidade, Marina Silva explicou que o PAS já tem sido implementado com a adoção de um conjunto de medidas que estão em curso. Outras iniciativas serão aprofundadas pela Operação Arco Verde, que é dividida em quatro ações: as emergenciais, as de fomento às atividades sustentáveis, as de ordenamento fundiário e territorial, e as de governança ambiental.

Compromissos pela Amazônia
Também durante a cerimônia, o presidente Lula e os governadores de oito Estados amazônicos assinaram um documento que estabelece 16 compromissos pela Amazônia.

Entre eles, constam: promover o desenvolvimento sustentável com valorização da diversidade sociocultural e ecológica e redução das desigualdades regionais; ampliar a presença democrática do Estado, com integração das ações dos três níveis de governo, da sociedade civil e dos setores empresariais; e garantir a soberania nacional, a integridade territorial e os interesses nacionais.

O documento também propõe a garantia dos direitos territoriais dos povos indígenas e das comunidades tradicionais e a promoção da eqüidade social, considerando gênero, geração, raça, classe social e etnia; e a implementação do Zoneamento Ecológico – Econômico e a aceleração da regularização fundiária.

Informações sobre o Plano Amazônia Sustentável podem ser obtidas no link.

Fonte: Gestão CT

Programa Sinapse de Inovação será lançado em Florianópolis

O empresário e fundador da Embraer, Ozires Silva, estará em Florianópolis no próximo dia 15 de maio para o lançamento do programa Sinapse da Inovação, às 18h30 no Centro de Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina. Trata-se de um concurso promovido pela Fapesc e realizado pela Fundação CERTI que tem o objetivo de prospectar e transformar boas idéias do meio acadêmico em negócios de sucesso.

O concurso visa também melhorar a performance da rede de incubadoras e promover o fortalecimento da cultura do empreendedorismo e da inovação na região.

Ozires Silva fará a palestra "Tecnologia e Inovação para o Negócio e para a Vida", contando um pouco do trabalho realizado à frente da Embraer e da Varig, contribuindo para o desenvolvimento da indústria aeronáutica brasileira. A palestra de Ozires será estimulante para que jovens e futuros empresários participarem do Concurso Sinapse.

O Sinapse é dirigido para estudantes de graduação, de pós-graduação, professores e profissionais dos setores *de TIC (Software, Hardware e Telecomunicações), mecatrônica, energia e meio ambiente, químico e fármacos, materiais e nanotecnologia, biotecnologia e saúde, educação, design, mídia e games e tecnologias sociais.

As idéias geradas podem ser transformadas em negócios de novas empresas ou de empresas que queiram novos produtos/processos", afirma o Superintendente Geral da
Fundação CERTI, Carlos Alberto Schneider.

O concurso ocorrerá em cinco etapas, em oito regiões de Santa Catarina, sendo o piloto na Grande Florianópolis. A primeira etapa consiste no envio das propostas de negócios via Internet:
http://www.sinapsedainovacao.com.br .

As melhores propostas serão pré-selecionadas para a próxima etapa que é o curso de capacitação e apoio para o aprofundamento dos projetos. As propostas selecionadas serão dirigidas ao processo de pré-incubação, com possibilidades de submissão ao *PRIME (Programa Primeira Empresa) da FINEP. Além disso, as 10 melhores propostas serão premiadas com um notebook. A participação no Sinapse de Inovação é gratuita.

Fonte: ENS

Fapitec lança dois novos editais

O Governo do Estado de Sergipe, por meio da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica (Fapitec), lançou, na semana passada, dois novos editais.

Com o objetivo de fomentar a realização de eventos científicos e tecnológicos sediados no Estado, bem como a participação de pesquisadores em eventos de C&T que ocorram no Brasil e no exterior, os editais fazem parte do Programa de Apoio à Realização de Reunião ou Evento Científico e Tecnológico (Praev) – edital nº 02/2008 - e do Programa de Auxílio para Participação de Pesquisadores em Eventos Científicos ou Tecnológicos (Prapec) – edital nº 03/2008.

As propostas, referentes a cada edital, poderão ser apresentadas em três períodos. Na primeira fase, que compreende os eventos realizados de 21 de julho a 30 de setembro, o prazo limite para envio é dia 20 de junho às 13h.

Para os eventos que acontecerem de 1º de outubro de 2008 a 31 de dezembro de 2008, o prazo final para o envio de propostas é 15 de agosto. Já para os eventos marcados para 1ª de janeiro de 2009 a 30 de abril de 2009, o prazo é 3 de novembro de 2008.

Pesquisadores, com título de doutor, vinculados a uma instituição de ensino ou pesquisa, pública ou privada, sediada no Estado de Sergipe poderão participar da seleção. Os recursos previstos para o edital nº 02/2008 são da ordem de R$ 120 mil do Fundo Estadual para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funtec). Os projetos podem solicitar um valor máximo de R$ 7,5 mil para eventos locais, até R$ 10 mil para eventos nacionais e até R$ 15 mil para internacionais.

Para o edital nº 03/2008, também está previsto um montante de R$ 120 mil do Funtec. As propostas poderão solicitar R$ 1.500 para participação de eventos no Brasil e até R$ 3 mil no exterior.

As propostas deverão cumprir as determinações previstas nos editais e serem entregues, juntamente com a documentação solicitada, na sede da Fapitec/SE.

A íntegra do edital Praev está disponível neste link.

O edital do Prapec pode ser consultado no link:

Mais informações também podem ser obtidas pelo telefone (79) 3259-3007 ou pelo site: http://www.fapitec.se.gov.br/

Fonte: Gestão CT

2º Workshop Internacional em Telesaúde será realizado em Vitória

A cidade de Vitória (ES) receberá, nos dias 15, 16 e 17 de maio, o 2º Workshop Internacional em Telesaúde. O evento pretende divulgar os avanços em pesquisas nas áreas de telemedicina e telesaúde no Brasil e no exterior, além de apresentar novos projetos e discutir políticas públicas para atuação nessa área. A iniciativa é apoiada pela Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Sect/ES), pela Fundação de Apoio à C&T do Estado (Fapes) e é organizada pela Universidade Federal do Espírito Santo e pela Unimed.

Durante o encontro, serão apresentados projetos, programas e iniciativas nas áreas de telessaúde, além de palestras, debates e cursos. O workshop contará com a participação de representantes de órgãos estaduais e federais de fomento à ciência, tecnologia e saúde, de instituições de ensino e pesquisa capixabas e de várias regiões do país.

A abertura oficial do evento terá a participação do secretário de Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, Rogério Silveira de Queiroz, que apresentará uma palestra sobre o tema “Políticas públicas da Secretaria de Ciência e Tecnologia”.

Na ocasião, também será feita uma apresentação da Rede Universitária de Telemedicina (Rute), iniciativa do MCT coordenada pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP).

O último dia do workshop contará com minicursos que serão oferecidos para os participantes sobre os temas “Projeto Cyclops” (telessaúde de Santa Catarina), “Minas Telecárdio”, “Ontologias em Saúde”, “Consórcio O3 e IHE”, “Padrões de troca de informação em saúde”, entre outros.

Informações sobre o workshop podem ser obtidas pelos telefones (27) 3380-3779 e (27) 9316-8589. As inscrições podem ser feitas no site www.inf.ufes.br/wit2008 .

Fonte: Gestão CT

Prorrogado o prazo para adesão de instituições ao ProUni

O Ministério da Educação (MEC) prorrogou o prazo para que as instituições de educação superior que pretendem aderir ao Programa Universidade para Todos (ProUni) façam sua adesão. A data limite, que seria o dia 9, foi prorrogada para o dia 16.

De acordo com o MEC, as instituições devem informar o tipo de bolsas de estudo que pretendem oferecer aos estudantes de baixa renda (integral ou parcial) em cursos de graduação e seqüenciais de formação específica. Ainda segundo o ministério, apenas após a adesão das instituições será possível saber quantas bolsas serão concedidas no segundo semestre.

O ProUni foi criado pelo governo federal em 2004, tendo como objetivo a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais, a estudantes de cursos de graduação e seqüenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior. Em contrapartida, o programa oferece isenção de tributos às instituições que aderem à iniciativa.

Informações sobre o ProUni podem ser obtidas no link:

Fonte: Gestão CT

Faperj lança quatro novos editais

A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa (Faperj) está recebendo projetos para quatro novos editais lançados na semana passada. As chamadas tratam de temas de que vão da construção da cidadania por pessoas com deficiência até segurança pública. Os recursos dos quatro editais somam R$ 8,2 milhões.

Treinamento
A chamada Faperj nº 11/2008 tem como proposta treinar e aperfeiçoar técnicos de nível fundamental, médio e superior que participem de atividades de apoio a projetos financiados pela Faperj, por meio do Programa Treinamento e Capacitação Técnica – 2008. Os projetos devem ser remetidos até o dia 24 de junho. A proposta é dar condições para que os pesquisadores em atividades de apoio, que possuam vínculo empregatício em instituições de ensino e pesquisa do Rio de Janeiro, possam ser capacitados para ingressarem no mercado de trabalho. Serão concedidas bolsas por 12 meses e o investimento será de R$ 1,2 milhão. A chamada pode ser conferida no link: http://www.faperj.br/interna.phtml?obj_id=4485

Construção da cidadania
O edital Faperj nº 12/2008 institui o Programa de Apoio à Construção da Cidadania da Pessoa com Deficiência. Os projetos devem ser encaminhados até o dia 27 de junho. A iniciativa tem o objetivo de estimular a realização de projetos que visem ao estudo e ao provimento de diagnósticos e soluções em temas relacionados à promoção do direito à cidadania da pessoa com deficiência. As propostas remetidas devem ainda visar a proposição de conhecimentos e práticas a serem adotadas na área do direito do deficiente, propiciando a sua inclusão social, em especial nos seguintes temas: saúde, transporte, trabalho, acessibilidade, segurança, formação de profissionais, reforma curricular, divulgação e informação da sociedade acerca das necessidades e capacidades da pessoa com deficiência. Os recursos são da ordem de R$ 1,5 milhão e a expectativa é apoiar até 30 projetos. A íntegra do edital está disponível no link: http://www.faperj.br/interna.phtml?obj_id=4486

Divulgação das Artes
Outro programa da Faperj será operado pelo edital nº 13/2008 - programa Apoio à Produção e Divulgação das Artes no Estado do Rio de Janeiro. A iniciativa recebe propostas até 27 de junho. O objetivo é estimular a produção e a divulgação das artes no Estado, por meio de projetos de pesquisa nas seguintes subáreas: fundamentos e críticas das artes; artes plásticas; música; dança; teatro; ópera; fotografia; cinema; artes do vídeo; e educação artística. Os recursos são da ordem de R$ 2,5 milhões e os projetos poderão se enquadrar em três categorias. Acima de R$ 60 mil até R$ 100 mil; acima de R$ 30 mil até R$ 60 mil; ou até R$ 30 mil. A Faperj destinará 10% do valor total para cada uma das subáreas. O edital pode ser acessado no link: http://www.faperj.br/interna.phtml?obj_id=4484

Segurança Pública
O edital nº 14/2008 vai incentivar a parceria entre instituições científicas e tecnológicas (ICTs) do Estado com empresas públicas ou privadas, por meio do Programa Prioridade Rio – Segurança Pública – 2008. O prazo final para o envio de projetos é 4 de julho. A proposta é estimular a realização de projetos de inovação tecnológica que visem soluções para a área de segurança pública. A Faperj investirá R$ 3 milhões nos projetos. Confira o edital no link: http://www.faperj.br/interna.phtml?obj_id=4487

Fonte: Gestão CT

Piauí recebe seminário da Rede Nacional de Agentes de Política Industrial

Amanhã (13), a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) promoverá, em Teresina (PI), o Seminário da Rede Nacional de Agentes de Política Industrial (Renapi). O evento será realizado na sede da Federação das Indústrias do Estado do Piauí (Fiepi).

A proposta da Renapi teve origem nos encontros de apresentação e sensibilização da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (Pitce) realizados nas diversas unidades da Federação. A rede abrange todos os Estados para mobilizar, capacitar e difundir a Pitce.

O público-alvo do seminário é composto por empresários, gestores públicos municipais e estaduais, representantes de instituições empresariais e industriais, universidades, fundações de amparo à pesquisa, institutos de pesquisa e consultores interessados em desenvolvimento e inovação e na utilização dos instrumentos da Pitce.

O evento contará com palestras, debates, mesa-redonda, apresentação de programas e ações do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
De acordo com informações divulgadas pela Agência CNI, a Fiepi, por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN), é um dos parceiros da ABDI na promoção e execução das ações da Pitce.

Informações sobre as ações da Renapi podem ser obtidas no site www.abdi.com.br .

Fonte: Gestão CT

Governadores da Amazônia criam fórum

Os governadores dos Estados da Amazônia Legal criaram, durante o lançamento do Plano Amazônia Sustentável (PAS), o Fórum de Governadores da Amazônia Legal. O evento aconteceu em Brasília (DF), na semana passada. A proposta do fórum é organizar ações para dar início a operação Arco Verde, que envolverá ainda ministérios e o governo federal no combate ao desmatamento. As ações vão atender as demandas sociais e emergenciais dos municípios sob intenso controle ambiental.

De acordo com informações do governo de Mato Grosso, a operação prevê ações para colocar na legalidade as atividades econômicas agropecuárias e florestais, que estão sendo realizadas nos municípios da Amazônia Legal. Outra iniciativa da operação será desenvolvida o fomento para o agricultor na regularização das terras, com juros de até 4%.

A expectativa é de que os detalhes da operação Arco Verde sejam debatidas no próximo dia 30 de maio, em Belém (PA), durante a primeira reunião do Fórum de Governadores da Amazônia Legal, com o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

Informações complementares sobre o PAS podem ser obtidas no link:
http://www.mma.gov.br/index.php?ido=conteudo.monta&idEstrutura=59&idMenu=3155


Fonte: Gestão CT

Inscrições abertas para o Open Innovation Seminar

As inscrições para o Open Innovation Seminar 2008 estão abertas. O evento, organizado pela empresa de inovação Allagi, com o apoio do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), será realizado no dia 16 de junho em São Paulo (SP). Os valores e a ficha de inscrição estão disponíveis no site www.openinnovationseminar.com.br .

O debate tem por objetivo mostrar como o modelo de Inovação Aberta (open innovation) pode ajudar as políticas públicas a criarem mecanismos mais eficazes no incentivo à inovação.

O evento é voltado para executivos ligados às áreas de pesquisa e desenvolvimento, operações, marketing, gestão de pessoas e estratégia, pesquisadores, empreendedores, investidores, formuladores de políticas públicas e representantes de entidades de ciência e tecnologia.

O sistema de Inovação Aberta busca na parceria entre empresas, instituições de pesquisa e universidades a fórmula ideal para crescer rapidamente. No Brasil, os diversos programas de estímulo às políticas públicas de projetos inovadores, como a criação de parques tecnológicos e de núcleos de inovação tecnológica, mostram a tendência para o uso do sistema de Inovação Aberta.

O professor americano Henry Chesbrough, PhD em administração e diretor-fundador do Center for Open Innovation da Universidade da Califórnia, é um dos destaques do evento. Ele vai ministrar palestra sobre os principais conceitos da Inovação Aberta e suas aplicações.

O seminário abordará ainda questões relacionadas à aplicabilidade do Open Innovation nas empresas brasileiras e o impacto da inovação tecnológica na estratégia empresarial das corporações.

Mais informações podem ser obtidas nos telefones (11) 4508-2755 e 4508-2758 ou ainda pelo e-mail .

Fonte: Gestão CT

Lançada revista eletrônica sobre Alta Diluição

O campo emergente e multidisciplinar da pesquisa sobre altas diluições acaba de ganhar, por iniciativa brasileira, seu primeiro espaço de divulgação científica. A revista eletrônica International Journal of High Dilution Research (IJHDR), será lançada em Oostende, na Bélgica, no dia 20 de maio.

O editor-chefe do novo veículo, o físico Carlos Renato Zacharias, do Departamento de Física e Química da Faculdade de Engenharia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Guaratinguetá (SP), fará o lançamento durante o 22º Simpósio do Grupo Internacional de Pesquisa sobre o Infinitesimal (Giri, na sigla em francês), sociedade internacional e multidisciplinar dedicada à troca de experiências em diversas áreas relacionadas às altas diluções, incluindo a homeopatia.

Dentro do tema de altas diluições, a publicação trimestral divulgará trabalhos nas áreas de física, química, biologia, medicina, veterinária e agronomia, de acordo com Silvia Waisse Priven, uma das integrantes do grupo multidisciplinar que concebeu o projeto da revista.

“A pesquisa em altas diluições é um campo emergente que se estendeu, a partir do campo tradicional da homeopatia, para diferentes disciplinas e aplicações. A revista terá o papel de centralizar os trabalhos feitos sobre o tema em todas essas áreas, além de tratar de aspectos epistemológicos”, disse a pesquisadora que acaba de defender doutorado em história da ciência tratando do tema, na Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP).

Segundo Silvia, a homeopatia, formulada na Alemanha no século 18 e hoje reconhecida como especialidade médica, tem seu estatuto de ciência continuamente contestado por se utilizar de preparados com diluição acima do número de Avogadro, a constante física que torna possível calcular o número de moléculas em uma amostra com uma certa massa de uma substância.

“Apesar disso, essas soluções ultradiluídas têm efeitos biológicos que ainda precisam ser explicados. Eles têm sido objeto de intensa pesquisa básica realizada, não por médicos, mas por físicos e químicos, que também têm constatado esses efeitos”, disse.

As pesquisas sobre altas diluições, segundo Silvia, tem aplicações em áreas como medicina, veterinária e agronomia. “Quem trabalha nesse campo é freqüentemente questionado sobre onde está a pesquisa que lhe dá base científica. A dificuldade em se mostrar esses resultados decorre do fato de se tratar de um campo multidisciplinar, portanto, seria preciso rastrear a produção científica em publicações de inúmeras áreas. A revista ajudará a centralizar esse material”, afirmou.

Outro objetivo do veículo eletrônico, segundo ela, é uniformizar a nomenclatura utilizada na área. “Como se trata de uma área emergente, ainda há necessidade de uniformizar a nomenclatura. Por exemplo: os médicos falam em dinamizações e potências, os pesquisadores básicos falam em ultradiluições, outros ainda falam de soluções diluídas e agitadas”, apontou.

A publicação, segundo Silvia, surgiu a partir da revista impressa Cultura Homeopática, cujo conteúdo será integralmente disponibilizado na revista eletrônica. A nova publicação deriva de uma parceria entre o Giri e a Unesp de Guaratinguetá, que dará o apoio eletrônico. O veículo adotará o processo de revisão por pares e terá acesso aberto.

As descobertas na área de altas diluições, de acordo com a pesquisadora, concentram-se por enquanto em observações experimentais e estão sendo desenvolvidos métodos para interpretar os fenômenos e produzir novas pequisas.

International Journal of High Dilution Research: www.feg.unesp.br/ijhdr .

Fonte: Fábio de Castro / Agência FAPESP

IPEA realizará estudo sobre empresas inovadoras

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) anunciou que realizará um estudo sobre como 80 mil empresas brasileiras acumulam conhecimento nos diferentes setores industriais para produzir inovação tecnológica.

O estudo “Determinantes da acumulação de conhecimento para inovação tecnológica nos setores industriais no Brasil: uma avaliação direcionada para formulação de políticas públicas” será feito em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O mapeamento, que deverá durar dois anos, investigará como as empresas preparam funcionários e seu sistema de produção a fim de alcançar inovações. Um dos objetivos é fornecer subsídios para que os formuladores de políticas públicas possam aprofundar o desenho das ações de incentivo à inovação.

Os setores inicialmente contemplados são a indústria automotiva e de couro-calçados, higiene pessoal-perfumaria, madeira-móveis e plásticos, têxtil-confecções, bens de capital tecnologias de informação e comunicação, saúde, energia, sistema agroindustrial e defesa.

Os pesquisadores pretendem identificar padrões de agregação setorial voltados para a formulação de políticas públicas. O estudo dá continuidade ao projeto “Inovações, Padrões Tecnológicos e Desempenho das Firmas Industriais Brasileiras”, publicado em livro pelo Ipea.

A pesquisa considerará características específicas das 80 mil firmas industriais com mais de 10 pessoas ocupadas, que empregam 6 milhões de trabalhadores e gastam cerca de US$ 3 bilhões em pesquisa e desenvolvimento.

Mais informações: www.ipea.gov.br.

Agência FAPESP

Degradação de enzima heme pelo Aedes aegypti

A degradação de heme em Aedes aegypti e os papéis desta via no intestino médio
Uma pesquisa do Instituto de Bioquímica Médica (IBqM), apresentada recentemente pela estudante de doutorado Luiza de Oliveira Ramos Pereira, cerca um ponto bastante peculiar dentro dos modelos de insetos hematófagos. Seu trabalho busca analisar como o mosquito da espécie Aedes aegypti, conhecido transmissor da dengue, lida com a digestão do sangue ingerido. Sua tese de doutorado “A degradação de heme em Aedes aegypti e os papéis desta via no intestino médio” originou-se de um longo trabalho inciado em 2003, envolvendo vários problemas e perguntas associadas.

O Aedes aegypti ingere uma quantidade de sangue muito grande para se alimentar, e eles têm o problema, ainda, de serem percebidos e mortos durante a ingesta. Uma das maneiras de evitar este risco é tentar conseguir o máximo de sangue de uma vez só, ingerindo muitas vezes mais que o próprio peso. Uma das proteínas mais abundantes no sangue é a hemoglobina, que pode ser tóxica ao mosquito caso ingerida em grande quantidade. Acontece que a digestão da hemoglobina produz uma substância chamada heme. Claro, é através da alimentação sanguínea que os mosquitos obtêm os nutrientes para se reproduzirem, mas, por outro lado, isso representa um problema, pela produção desta molécula potencialmente tóxica, explica Luiza.

Ao longo da evolução, estes insetos desenvolveram uma série de mecanismos de defesa, alguns deles até redundantes. Um é a degradação enzimática do heme, que produz uma molécula menos tóxica para eles. Esse mecanismo já foi identificado em vários outros organismos, não só no mosquito da dengue.

Barbeiro
O trabalho desenvolvido anteriormente pela professora Gabriela Paiva e Silva, com o barbeiro (vetor da Doença de Chagas), mostrou que este inseto hematófago é capaz de degradar o heme, mas através de um método diferente dos que já haviam sido descritos anteriormente. Se por um lado a estratégia fisiológica era parecida, por outro, o jeito pelo qual ele fez isso foi completamente diferente de qualquer outro organismo já descrito: plantas, mamíferos, bactérias, entre outros. “Isso está associado a um processo de evolução diferente. Esta peculiaridade revela a existência de uma via bioquímica distinta, que pode propiciar o desenvolvimento de drogas específicas que ataquem o barbeiro, por exemplo”, esclarece a professora.

Foi neste contexto que a pesquisa de Luiza teve início. “Tentamos ver se o Aedes aegypti fazia isso, como fazia e que conseqüências gerava no contexto da digestão”, continua Gabriela.

A pesquisa da Luiza no mestrado começou em 2003, e com o barbeiro teve início em 2000. “De 2000 a 2004 trabalhamos bem intensamente com o barbeiro, mas ainda não conhecíamos a enzima. Com o Aedes foi um pouco mais fácil, pois já tínhamos referências do trabalho anterior, nele o mosquito teve seu genoma seqüenciado e publicado, o que facilitou nosso trabalho. Recentemente, o genoma do barbeiro também começou a ser seqüenciado e estamos participando desta iniciativa”, explica.

Complexidade
Na verdade, não é uma única enzima que quebra o heme em moléculas menos tóxicas. “Provavelmente existem muitos outros passos, caracterizando uma via um pouco mais complexa, ainda mais se considerarmos o mosquito barbeiro. Com relação ao Aedes, observamos que a molécula do heme é bastante parecida com a biliverdina produzida pelos mamíferos. Em resumo, os dois insetos quebram o heme, mas executam isso de formas diferentes. Isto sugere que evoluíram de formas diferentes, mas encontraram maneiras interessantes de metabolizar esta substância”, afirma Luiza.

Os próximos passos a partir de agora são interferir na produção desta enzima pelo inseto e tentar ver o quão menos adaptável ele ficaria ao hábito sanguíneo. “Será que os mosquitos que expressam menos estas enzimas terão uma resistência menor? Esta é uma das questões que buscaremos responder em breve. A partir daí esperamos que surja alguma possibilidade de controle destes insetos. Nosso grupo de pesquisa não tem interesse em desenvolver algo diretamente aplicável a esta intervenção, mas é clara a perspectiva de que, se descobrirmos que enzima é essa que quebra o heme, poderemos desenhar drogas que sejam específicas (por exemplo, inseticidas), usadas para controlar a população destes vetores. Uma outra possibilidade é a produção de vacinas, usadas para imunizar os seres humanos”, enumera a professora.

Pesquisa
Este trabalho surgiu como derivação de um outro, desenvolvido pelo professor Pedro Lagerblad de Oliveira, titular do Instituto de Bioquímica Médica da UFRJ. A pesquisa de sua equipe consistia em estudar os mecanismos de defesa anti-oxidante nestes vetores. Foi ele, portanto, que iniciou a pesquisa geral, de entender como o inseto consegue lidar e se proteger contra o desafio gerado pelo heme.

-Interessante é que estes insetos, por serem hematófagos são os vetores das doenças. Entender como estes animais lidam com o sangue e com os produtos de sua digestão é essencial para saber também como estes parasitas (transmitidos pelo mosquito ao homem) se defendem. Apesar de olharmos apenas o inseto, isto nos permite conhecer esta interação complexa entre o hospedeiro vertebrado (homem), o mosquito e os vírus transmitidos por eles -, finaliza a professora.

Fonte: Priscila Biancovilli / UFRJ

R$ 2,5 milhões para capacitação de recursos humanos em Pernambuco

A Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe) lançou, em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), edital do Programa de Capacitação de Recursos Humanos para Atividades Estratégicas (RHAE).

As propostas aprovadas serão financiadas com recursos não-reembolsáveis no valor de até R$ 2,5 milhões, sendo R$ 1,5 milhão em bolsas concedidas diretamente pelo CNPq e R$ 750 mil em bolsas concedidas pela Facepe. O prazo para submissão eletrônica das propostas vai até 20 de junho.

O objetivo da chamada é apoiar atividades de pesquisa tecnológica e de inovação mediante a concessão de bolsas a projetos que visem a estimular a inserção de mestres e doutores em empresas sediadas em Pernambuco.

Os projetos devem abordar setores industriais, preferencialmente dentro de temas relacionadas às áreas prioritárias da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (Pitce), do governo federal, ou de interesse estratégico para Pernambuco.

Entre os temas estão agronegócio, biomassa, energia, biotecnologia, eletrônica, metalmecânica, fármacos, medicamentos, saúde, minerais não-metálicos e nanotecnologia.

O edital também inclui áreas de interesse dos Arranjos Produtivos Locais do Estado, como gesso, têxtil, laticínios, ovinocaprinocultura, produção cultural e tecnologia da informação e comunicação.

Os interessados em apresentar propostas devem preencher o formulário eletrônico RHAE, disponível no endereço eletrônico: http://agil.facepe.br/.

Agência FAPESP

Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde

Com o objetivo de discutir ações concretas para o desenvolvimento da base produtiva nacional de bens e serviços em saúde, o Ministério da Saúde e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) promovem o Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde, de 19 a 21 de maio, no Rio de Janeiro.

Além de atualizar conhecimentos, o evento visa a criar uma agenda de intervenção para viabilizar a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE), o PAC Mais Saúde e o PAC da Inovação.

Estarão reunidos profissionais envolvidos com a promoção de inovações em saúde no país, o que inclui representantes do setor empresarial, do governo e da academia.

Segundo os organizadores, o evento tem dois grandes diferenciais. O primeiro é articular a inovação com a saúde, que remete ao universo social. O segundo é incluir nas discussões os serviços de saúde.

O seminário será realizado daz 9h às 18h30 no Auditório do BNDES: Av. República do Chile, 100, Centro, Rio de Janeiro.

Mais informações: http://www.complexoeconomicodasaude.com/

Fonte: Agência FAPESP

Unipampa abre Concurso para Docentes

Foram abertas, na última sexta-feira (2 de maio), as inscrições do Concurso Público para Docente da Universidade Federal do Pampa.

Serão ofertadas 78 vagas para o cargo de Professor Adjunto e Professor Assistente nos dez campi da instituição.

As inscrições devem ser feitas no site www.unipampa.edu.br e se encerram no dia 19 de maio.

Mais informações podem ser consultadas nos Editais 23/08 e 24/08, na seção Concursos.

Fonte: Unipampa

FAPESP divulga novas normas para Auxílio Pesquisador Visitante

O Conselho Técnico-Administrativo da FAPESP, em reunião em 9 de abril de 2008, aprovou proposta da Diretoria Científica da Fundação de novas normas para Auxílio Pesquisador Visitante, até então conhecido como Auxílio Vinda de Pesquisador Visitante.

O Auxílio Pesquisador Visitante se destina a cobrir, total ou parcialmente, as despesas referentes à visita de pesquisador experiente, vinculado a instituição de pesquisa no exterior ou no Brasil, a uma instituição de pesquisa no Estado de São Paulo, por um período contínuo e não superior a um ano.

O objetivo principal é viabilizar a colaboração entre pesquisadores no desenvolvimento de projetos de pesquisa em andamento, ou a ponto de serem iniciados, na instituição anfitriã.

O pesquisador visitante deve ter título de doutor ou equivalente e expressiva produção científica ou tecnológica. A duração do auxílio, improrrogável, é de até 12 meses. As solicitações podem ser feitas em fluxo contínuo, durante todo o ano.

Entre as novidades das novas normas não se exige que para visitas de menos de 30 dias seja usada a Reserva Técnica e bolsistas de pós-doutorado podem apresentar solicitações, desde que referendadas por seus supervisores.

Há também uma nova tabela de valores de pagamento para manutenção, com três categorias: MS-3, Pesquisador Visitante com qualificação equivalente à de professor doutor nas universidades estaduais paulistas e valor de R$ 5.938,80; MS-5, Pesquisador Visitante com qualificação equivalente à de professor associado nas universidades estaduais paulistas e valor de R$ 7.080,30; e MS-6, Pesquisador Visitante com qualificação equivalente à de professor titular nas universidades estaduais paulistas e valor de R$ 8.536,50. Os novos valores entrarão em vigor a partir de 1º de junho.

As normas completas estão em: www.fapesp.br/auxilios/visitante .

Fonte: Agência FAPESP