sábado, 1 de março de 2008

Congresso Mundial de Engenheiros - WEC 2008 - World Engineers` Convention


Mais de 400 pessoas participaram no dia 27, em Brasília (DF), do lançamento oficial do Congresso Mundial de Engenheiros (WEC 2008). O lançamento foi promovido pelo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea), em parceria com a Federação Brasileira de Associações de Engenheiros (Febrae) e com o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Distrito Federal (CREA/DF). O evento foi realizado na Câmara dos Deputados e, entre outras autoridades, contou com a participação do presidente da Casa, Arlindo Chinaglia.

Realizada a cada quatro anos pela Federação Mundial das Organizações de Engenharia, nesta edição a WEC 2008 ocorrerá na capital federal, de 2 a 6 de dezembro, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, e terá como tema “Engenharia: Inovação com responsabilidade social”. Durante o lançamento da iniciativa, mais de 20 parlamentares manifestaram apoio ao congresso e destacaram a importância de um evento como esse ser realizado em Brasília.

A expectativa é que a WEC 2008 conte com a participação de seis mil pessoas, entre quatro mil brasileiros e dois mil estrangeiros. Para mobilizar esse número de participantes de outros países, o presidente do Confea, Marcos Túlio de Melo, já fez contatos com embaixadas e várias instituições internacionais.

Para Ricardo Veiga, vice-presidente do conselho, o congresso vai ser uma oportunidade para trazer experiências de profissionais de outros países para o Brasil nas áreas de engenharia, arquitetura e agronomia. “Além disso, vai permitir que nós brasileiros mostremos tudo que temos de bom na engenharia. Em várias áreas nós somos ‘top’ no mundo, a exemplo da prospecção de petróleo e dos biocombustíveis”, aponta, em entrevista ao Gestão C&T online.

ExpoWec 2008
A ABIPTI será responsável pela organização da Exposição Tecnológica Mundial - Expowec 2008 (http://www.expowec.org.br/), que também será realizada em Brasília, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, paralelamente ao Congresso Mundial de Engenheiros. Esta edição da iniciativa tem como tema “Energia para o futuro”.

Durante o lançamento da WEC 2008, o secretário executivo adjunto da ABIPTI, Zuhair Warwar, destacou que os temas segurança energética e mudanças climáticas são dois dos maiores desafios da humanidade. Ele ainda lembrou que a ExpoWec deverá contemplar todos os tipos de energia, como a eólica, solar, maremotriz, atômica, entre outras. “Há uma grande expectativa a nível global para que esta exposição tenha uma participação clara de todo o mundo no que se refere às áreas específicas”, disse.

SOEAA
Na cerimônia realizada na Câmara dos Deputados, ainda foi lançada a 65ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e da Agronomia (SOEAA), que também vai ocorrer simultaneamente à WEC 2008. A solenidade de ontem também deu início às comemorações dos 75 anos do Confea. Ao longo de 2008, a entidade organizará uma série de atividades para celebrar o seu aniversário.

Além de Zuhair Warwar, a ABIPTI foi representada no evento pelo gerente das unidades de Arranjos Produtivos Locais (APL) e Tecnologia Industrial Básica (TIB), Joaci Medeiros.

Confea
Na próxima semana, Ricardo Veiga assumirá a presidência do Confea para que o atual presidente da entidade, Marcos Túlio de Melo, se descompatibilize do cargo para concorrer novamente à presidência da entidade, que acontecerá no dia 4 de junho. Ele lembra da importância das parcerias com instituições como a ABIPTI para a realização da WEC 2008. “São por parcerias como essa que conseguimos chegar a todas as áreas, a todos os profissionais, a todas as empresas”, afirma.

Informações sobre a WEC 2008 podem ser obtidas no endereço: http://www.wec2008.org.br/ .

Fonte: Bianca Torreão / Gestão CT

OMPI - Brasil aumenta em 15% no número de depósitos de patentes

A Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) divulgou, no último dia 21, o relatório do Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (PCT, sigla em inglês) com o número de patentes depositadas em 2007.

A instituição mensurou um número recorde de depósitos em escala mundial. O Brasil também foi visto no relatório como um dos bem colocados, registrando um aumento de 15,3% no número de depósitos feitos se comparados com os dados do ano passado.

Além disso, a organização salienta a importância da participação chinesa e coreana entre os dez primeiros países depositantes de patentes. “O aumento do número de depósitos são de maioria provenientes dos países do Nordeste da Ásia e as atividades em matérias de patentes desses países são impressionantes e confirmam a evolução da repartição da inovação no mundo”, disse Kamil Idris, diretor geral da OMPI, em notícia divulgada pela organização.

Entre os líderes estão: Estados Unidos (1º no ranking), seguido pelo Japão, Alemanha, Coréia, França, Reino Unido, China, Países-Baixos, Suíça e Suécia. A OMPI confirmou um aumento de 4,7% no número de depósitos realizados em todo o mundo, se comparados com os dados do ano anterior. Ao todo, foram depositadas 156.100 patentes.

Somente a China contabilizou um aumento de 38,1% em apenas um ano, passando a ocupar o sétimo lugar do ranking. Já a República da Coréia teve um crescimento de 18,8% no número de depósitos de um ano para o outro. Esse acréscimo levou a Coréia a ocupar o quarto lugar da lista, que antes era da França. Avaliando o número coreano é possível destacar que o Brasil, que teve um crescimento de 15,3% nesse levantamento, apesar de não estar entre os dez primeiros, registrou um aumento significativo de seus depósitos.

A OMPI informou que pelo quarto ano consecutivo as taxas de progressão mais importantes são as registradas nos países do Nordeste asiático, de onde provêm mais de um quarto (25,8%) das demandas internacionais sobre o Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes. “É particularmente encorajador a constatação de que os países dessa região utilizem os instrumentos do sistema nacional de patentes para estimular as atividades comercias e o crescimento da economia”, afirmou Idris.

Países em desenvolvimento
A OMPI ainda divulgou que no ano passado recebeu muitas demandas de patentes dos países em desenvolvimento. Além da Coréia, que solicitou um depósito de 7.061 patentes e China com 5.456, a lista ainda contempla a Índia (686), África do Sul (390), Brasil (384), México (173), Malásia (103), Egito (41), Arábia Saudita (35) e Colômbia (31).

Os países em desenvolvimento representam, segundo a OMPI, 78% das nações que aderiram e participam do PCT.

Tecnologia
As maiores demandas ao PCT publicadas em 2007 estão concentradas nos setores de telecomunicações (10,5%), informática (10,1%) e produtos farmacêuticos (9,3%).

Mesmo que o número de patentes nesses setores ainda sejam maiores, o relatório registrou um crescimento de outras áreas como engenharia nuclear, que cresceu 24,5% nos pedidos feitos entre 2006 e 2007.

Tratado
O Brasil participa desde 1978 do PCT. O tratado tem o objetivo de facilitar e tornar mais eficaz e mais barato a solicitação de uma patente no exterior. Os pedidos são enviados por meio do PCT e o caráter de novidade da patente é analisado e classificado pelo setor tecnológico específico da Autoridade Internacional de Busca.

Os residentes de países signatários do PCT podem pedir a concessão de sua patente no escritório nacional receptor do acordo, que no caso do Brasil é exercido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O INPI foi reconhecido no ano passado como Autoridade Internacional de Busca.

O instituto possui dados do número de patentes depositadas pelo Brasil por meio do PCT desde 2004. Desde então, houve um aumento progressivo nos números. Naquele ano, foram depositadas 257 patentes, em 2005 foram 264 e, em 2006, 313.

Ao todo, 138 países participam do tratado, sendo que Angola e a República Dominicana entraram no sistema no ano passado. Em notícia divulgada pela OMPI, Francis Gurry, vice-diretor geral e supervisor das atividades do PCT, diz que a organização recebe, em média, mais de 400 demandas de patentes por meio do tratado por dia. “Nós obtivemos muitos ganhos na prestação dos serviços do PCT nos últimos quatro anos. A OMPI trata de um volume sem precedentes de demandas com um número de membros reduzidos e responde eficazmente às necessidades provenientes da evolução da inovação”, disse Gurry.

Ele afirmou ainda que nesses 30 anos de funcionamento de PCT o sistema chegou a uma clara maturação. Para ter acesso aos dados do PCT divulgados pela OMPI acesse o endereço.

Tatiana Fiuza / Gestão CT

Inaugurada a exposição Revolução Genômica em São Paulo

A versão brasileira da exposição Revolução Genômica, criada pelo Museu de História Natural de Nova York, foi aberta ao público nesta sexta-feira (29/2), em São Paulo, no Pavilhão Armando de Arruda Pereira, no Parque do Ibirapuera, onde permanece até 13 de julho.

Visitada por mais de 800 mil pessoas em diversos países, a mostra usa elementos interativos para explicar conceitos científicos e explorar o impacto das descobertas sobre o genoma na medicina, na agricultura e no cotidiano. O espaço da exposição também abrigará, nos finais de semana, um amplo ciclo de palestras relacionadas ao tema, com organização da revista Pesquisa FAPESP.

A exposição, instalada em uma área de 2 mil metros quadrados, foi trazida ao Brasil por intermédio do Instituto Sangari, que espera receber de 500 mil a 600 mil visitantes. O orçamento foi de R$ 4,5 milhões, segundo os organizadores. A exposição tem apoio de diversas empresas e instituições, entre as quais a FAPESP.

A curadoria é assinada pela professora aposentada do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva da Universidade de São Paulo (USP), Eliana Beluzzo Dessen e pela jornalista Mônica Teixeira, assessora do Núcleo de Educação da Fundação Padre Anchieta e autora do livro O projeto Genoma Humano.

Segundo Eliana, a exposição foi ampliada em relação à original. Além da seção dedicada aos conceitos científicos relacionados ao DNA, seu estudo, seqüenciamento e aplicação, a versão brasileira ganhou uma introdução que remete à noção de biodiversidade, localizando o DNA no organismo das diferentes espécies, além de uma conclusão voltada às aplicações do conhecimento à genética de alimentos – um ponto forte da genômica brasileira.

“Fizemos também uma adaptação da linguagem à capacidade de leitura do público brasileiro. Nas seções complementares procuramos expressar as idéias usando menos texto e enfatizando a compreensão sensorial”, disse Eliana.

Segundo a professora, que é coordenadora de Educação-Difusão do Centro de Estudos do Genoma Humano, um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) da FAPESP, a linguagem foi desenvolvida com foco em alunos do ensino médio.

“Sabemos que, por causa da abstração que envolve a genômica, os estudantes têm grande dificuldade para compreender. Por isso, a exposição procura associar a informação didática a uma apresentação intuitiva e concreta”, explicou.

A mostra começa com uma passagem por um salão que apresenta a diversidade de organismos existentes – incluindo animais vivos e taxidermizados, plantas, fotos e filmes. Em seguida, o visitante faz um passeio por dentro de uma célula com organelas tridimensionais, onde pode localizar o DNA.

Na segunda parte, que corresponde à exposição original, o visitante tem informações sobre a descoberta do DNA e aprende conceitos importantes como hereditariedade e os elementos que formam a dupla hélice do código genético.

Os conceitos são apresentados de forma interativa: o visitante pode, por exemplo, alterar os genes de uma mosca e observar, em uma projeção, as conseqüências no animal. São apresentadas também tecnologias de seqüenciamento.

Genômica e biodiversidade
A última parte reúne casos brasileiros de aplicação do conhecimento genômico, destacando o desenvolvimento de produtos agrícolas e o seqüenciamento da bactéria Xylella fastidiosa, praga que atinge plantações de laranja. “Essa parte é centrada em dois conceitos fundamentais em melhoramento genético: a seleção artificial e a seleção natural”, disse Eliana.

Para o paleontólogo Niles Eldredge, da curadoria do Museu de História Natural de Nova York, os acréscimos brasileiros, voltados para a biodiversidade, representaram um avanço para a exposição. “A montagem deu uma dimensão mais ampla à mostra, colocando em perspectiva a relação entre genômica e biodiversidade”, disse.

Segundo o paleontólogo, a versão brasileira ajuda a levantar diversas questões. “A discussão aborda perguntas como: por que a biodiversidade é importante para a vida na Terra, o que estamos fazendo para destruir a biodiversidade tão rapidamente e como salvar a biodiversidade no planeta”, afirmou.

De acordo com o diretor científico da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz, que faz parte do comitê científico da exposição, o estímulo aos questionamentos é justamente um dos principais objetivos da mostra.

“A idéia de uma exposição desse gênero não é passar ao visitante toda a informação sobre o tema abordado. O objetivo é que o visitante seja levado a mais questionamentos e que saia fazendo perguntas mais inteligentes do que antes”, disse.

Para Brito Cruz, o caráter de divulgação científica da exposição é fundamental para o público brasileiro. “Nós, cientistas, achamos que a ciência é algo belo e fascinante, mas para o público ela pode parecer complicada e difícil. Temos que criar condições para que se possa perceber que as idéias fundamentais por trás do desenvolvimento científico são compreensíveis por todos”, afirmou.

A programação de eventos organizada pela revista Pesquisa FAPESP começa no próximo sábado (1º/3), às 15h, com a palestra “Biodiversidade e a sexta extinção”, apresentada pelo paleontólogo Niles Eldredge, do Museu de História Natural de Nova York.

Em conjunto com o também paleontólogo norte-americano Stephen Jay Gould, Eldredge criou, em 1972, a teoria do equilíbrio pontuado. Desenvolveu uma visão hierárquica dos sistemas evolutivo e ecológico, e também formulou uma teoria abrangente (sloshing bucket), que especifica em detalhes como a mudança ambiental rege o processo evolutivo. Um crítico das teorias da evolução focadas no gene, seu livro Why We Do It (2004) apresenta uma alternativa para a psicologia evolutiva, que se baseia nos genes para explicar o comportamento dos seres humanos.

Mais informações: www.revolucaogenomica.com.br

Fonte: Fábio de Castro / Agência Fapesp

Novo gene relacionado à distonia

DYT16, a novel young-onset dystonia-parkinsonism disorder: identification of a segregating mutation in the stress-response protein PRKRA

Um novo gene relacionado à distonia, descoberto em três famílias brasileiras atendidas no Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), descrito por Sarah Teixeira Camargos, médica do Ambulatório de Distúrbios do Movimento do hospital, em Belo Horizonte, rendeu um artigo e editorial na revista The Lancet Neurology.

A distonia é uma doença neurológica caracterizada pela contração muscular padronizada e repetitiva, gerando movimentos de torção ou posturas anormais. O trabalho, desdobramento da pesquisa de doutorado de Sarah, que é autora principal do artigo, foi orientado pelo professor Francisco Cardoso, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG.

Com o objetivo de identificar as causas genéticas da doença, a pesquisadora descobriu, em três famílias que residem nas cidades mineiras de Dores de Guanhães, Bom Despacho e Pará de Minas, uma anomalia em um gene, até então desconhecido, causador de distonia e parkinsonismo.

“A importância do estudo reside no achado de um novo gene para distonia. A partir de novas linhas de pesquisa na área poderemos, um dia, encontrar uma melhor terapêutica para essa doença”, disse Sarah.

“O gene chama-se PRKRA e está relacionado à resposta celular ao estresse dos indivíduos. Sabe-se ainda muito pouco sobre esse gene, que codifica a proteína PKR, relacionada à diferenciação e proliferação celular e à resposta antiviral”, completou.

A descrição do gene é um dos resultados da tese de doutorado de Sarah, intitulada Avaliação fenotípica e genotípica de Parkinson e distonia familiares em um ambulatório de referência em Distúrbios de Movimento, cuja investigação teve início em 2005. Na ocasião foram selecionados aproximadamente 120 pacientes com distonia e parkinsonismo hereditários atendidos no Ambulatório de Movimentos Anormais do HC/UFMG.

A pesquisadora estudou os mecanismos das doenças dessas famílias no Laboratório de Neurogenética do Instituto Nacional do Envelhecimento, nos Estados Unidos, sob orientação dos professores Andrew Singleton e John Hardy. “Em algumas famílias encontramos mutações em genes conhecidos e, em outras, não encontramos anomalias”, explica.

“As três famílias do trabalho são consangüíneas, isto é, há casamento entre parentes, como primos por exemplo. As três, no entanto, não são correlatas, ou seja, não têm qualquer tipo de parentesco. Encontramos um traço comum nos seus genomas, conhecido como traço de homozigose”, disse Sarah.

Traço de homozigose, explica a pesquisadora, é identificado em uma região do genoma em que há duas cópias idênticas dos genes nos dois cromossomos homólogos (paterno e materno). “Em famílias com doenças de herança recessiva, em que são necessárias duas cópias do gene afetado para produzir a doença, o estudo dos traços de homozigose no genoma é importante para encontrar a região promotora da doença”, observou.

Segundo ela, mais estudos se fazem necessários a fim de determinar, com mais precisão, como as funções dos genes mutados encontrados nas três famílias afetam a função das células, promovendo a distonia.

“Do conhecimento gerado por esses estudos, saberemos ainda mais sobre a fisiopatologia da doença e, a partir daí, poderão ser criadas estratégias terapêuticas mais eficazes para seu controle”, afirmou.

Em meados de 2007, parte desse mesmo estudo de Sarah, com outras famílias do Ambulatório de Movimentos Anormais do HC/UFMG, rendeu à pesquisadora o International Scholarship Award, prêmio concedido pela Academia Norte-Americana de Neurologia (AAN).

O trabalho de Sarah rendeu ainda um comentário no site Medical News Today.

O editorial e o artigo DYT16, a novel young-onset dystonia-parkinsonism disorder: identification of a segregating mutation in the stress-response protein PRKRA, de Sarah Teixeira Camargos e outros, podem ser lidos por assinantes da The Lancet Neurology em http://www.thelancet.com/.

Fonte: Thiago Romero / Agência Fapesp

2008 Web2Touch workshop

The 2008 Web2Touch workshop intends to explore a multidisciplinary view of the web aiming at achieving its full potential as a live medium for sharing, integration, and cooperation with knowledge.

This workshop has two main focuses: core technologies - comprise methods and techniques, pursuing interoperability and semantic equivalence; experiences - organization approaches in collaborating on the web, designing models, languages, rules, and new approaches that adhere to the emerging web trends.This year the workshop will be together with 2008 IEEE 11th International Conference on Computational Science and Engineering (CSE 2008).

We look forward to receiving your submissions by march 10th, for presentation at the 2008 Web2Touch Workshop July 16-18 2008 in São Paulo, Brazil.

More information: http://www.cenpra.gov.br/web2touch/web2touch08.htm

Source: Cenpra

Encontro Brasileiro-Britânico sobre Energias Renováveis para uma Vida Sustentável

O Encontro Brasileiro-Britânico sobre Energias Renováveis para uma Vida Sustentável, promovido pelo British Council, será realizado de 4 a 6 de março, em São Paulo.

O evento promoverá um intercâmbio de experiências entre jovens cientistas dos dois países, com o objetivo de identificar potenciais linhas de pesquisa conjunta, fortalecer relações bilaterais e estabelecer uma rede de contatos entre os pesquisadores.

Serão três dias de discussões e apresentações de trabalhos com foco em temas como o aproveitamento energético de resíduos, integração de fontes de energia renováveis descentralizadas na matriz energética, energia fotovoltaica, energia eólica e biocombustíveis.

O evento é organizado em parceria com o Governos Locais pela Sustentabilidade na América Latina (Iclei), a Universidade de Strathclyde, na Inglaterra, a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) e a Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

Mais informações: www.britishcouncil.org

Fonte: Agência Fapesp

Fapesb lança edital de apoio a participação de pesquisadores em eventos de C&T

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), entidade associada à ABIPTI, lançou, no último dia 26, um edital que pretende dar suporte aos pesquisadores da Bahia que desejam participar de eventos científico-tecnológicos. A chamada “Participação em Reunião Científica e/ou Tecnológica” tem período de inscrições variável de acordo com a data do evento ao qual o proponente deseja ir.

A fundação pretende conceder apoio para participação em encontros no Brasil ou no exterior. O financiamento deve ser usado apenas para a aquisição de passagens aéreas. Os projetos para os eventos agendados nos meses de maio e junho devem ser enviados de 25 de fevereiro a 20 de março. Já para atividades nos meses de julho e agosto, a candidatura deve ser feita de 21 de março a 30 de abril. No caso de encontros nos meses de setembro e outubro, o pedido deve ser feito entre 2 e 31 de maio. Por fim, para eventos nos meses de novembro e dezembro, a solicitação deve ser feita de 1º a 30 de junho.

Podem participar pesquisadores vinculados a instituições de ensino e/ou pesquisa com sede na Bahia e que tenham pelo menos um trabalho a ser apresentado na reunião científica a qual deseja participar.

Ao todo, estão disponíveis R$ 230 mil para o financiamento das passagens aéreas. No entanto, esse valor é dividido por períodos de dois meses e varia de R$ 25 mil a R$ 35 mil.

As inscrições devem ser feitas no site da Fapesb. O endereço é www.fapesb.ba.gov.br .

A íntegra do edital pode ser acessada no endereço.

Fonte: Gestão CT

ABNT coloca sob consulta norma de Apicultura

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) está recebendo até o dia 24 de abril propostas para a norma Apicultura – Sistema de Produção no Campo. Mais de 40 pesquisadores participaram da elaboração da proposta que está sob consulta.

A norma especifica as condições para instalação e manejo do apiário, além da coleta e transporte dos favos e extração do mel. Uma das recomendações estabelecidas pela norma é de que o apiário tenha uma distância mínima de 300 m de construções, criações de animais e áreas movimentadas tais como casas, escolas, estradas, granjas e currais. A proposta é manter a segurança de pessoas e animais.

A consulta é aberta para associados da ABNT e demais interessados. Para ter acesso a norma é preciso fazer um prévio cadastro no site.
O texto completo está disponível no endereço http://www.abntnet.com.br/consultanacional/default.aspx. Lá, busque pelo número 001.87-002.

Fonte: Gestão CT

15ª edição da Escola de Geometria Diferencial

O Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa) promoverá, de 14 a 18 de julho, em Fortaleza, a 15ª edição da Escola de Geometria Diferencial.

Por meio de minicursos, sessões de divulgação de trabalhos, palestras e conferências, o evento pretende fomentar o intercâmbio científico de geômetras brasileiros e estrangeiros, estimular a formação de novos pesquisadores em matemática e divulgar resultados recentes de pesquisas em geometria diferencial.

Mais informações: www.impa.br

Fonte: Agência Fapesp

Brasil está entre os 10 países mais premiados no ranking geral do iF Product Design Awards

O Brasil está entre os 10 países mais premiados no ranking geral do iF Product Design Awards, prêmio alemão considerado o mais importante do mercado europeu. Desde 2003 até 2008, o programa recebeu a inscrição de 1.275 trabalhos brasileiros, dos quais 653 concorreram ao prêmio alemão, 578 foram finalistas e 98 premiados.

No fim do ano passado, o Design Excellence Brazil (DEBrazil) divulgou a seleção de 18 produtos brasileiros, que venceram o concurso e conquistaram o selo iF Product Design Award 2008.

Para concorrer ao prêmio, é necessário participar do Design Excellence Brazil (DEBrazil), projeto coordenado pelo Centro de Design Paraná. Após a seleção feita por um comitê desse programa, os projetos são encaminhados à avaliação de uma comissão julgadora do prêmio alemão.

Os produtos vencedores do selo 2008 são das áreas de iluminação; mobiliário/casa; utensílios domésticos; estilo de vida/lazer; medicina/cuidados com a saúde; design público/interiores; transporte; e embalagens.

O iF Product Design Award tem grande visibilidade por ser um dos prêmios mais tradicionais, reconhecidos e disputados no mundo, recebendo por ano cerca de duas mil inscrições de mais de 30 países.

DEBrazil
O DEBrazil foi criado em 2003 pelo Programa Brasileiro de Design do MDIC, em parceria com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos). O objetivo do programa é impulsionar a imagem dos produtos brasileiros no exterior, promover o reconhecimento internacional do design brasileiro e difundir no país a cultura de produção e exportação de valor agregado. Atualmente, o DEBrazil é operacionalizado pelo Centro de Design do Paraná.

Informações sobre o DEBrazil e o IF Product podem ser obtidas no endereço: http://www.designbrasil.org.br/portal/index.jhtml .

Fonte: Gestão CT