sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

IEL - Instituto Euvaldo Lodi abre inscrições para o Prêmio IEL de Estágio

O Instituto Euvaldo Lodi (IEL), entidade associada à ABIPTI, abriu, até o fim de agosto, as inscrições para o Prêmio IEL de Estágio. O concurso tem o objetivo de premiar os estagiários que se destacaram nas entidades em que atuam por meio da criação de projetos institucionais inovadores e funcionais.

O objetivo do prêmio é incentivar os estagiários do país a desenvolver um pensamento focado na inovação. A primeira etapa do concurso acontece nos Estados. Nela, cada concorrente deve procurar a central estadual do IEL para fazer a inscrição e, assim, apresentar seu projeto. Após essa fase, os vencedores de cada unidade da Federação estarão, automaticamente, classificados para a etapa nacional do prêmio.

O vencedor será premiado com um laptop. Já os segundo e terceiro colocados receberão um hand-held. A empresa e a instituição de ensino dos estagiários vencedores ganharão um troféu e um certificado.

O julgamento da primeira etapa está previsto para 31 de agosto. A entrega dos prêmios da fase nacional será em 6 de novembro. Para se inscrever ou obter o regulamento, os interessados devem entrar em contato com a sede do IEL de seu Estado.

Mais informações e acesso aos sites de todas as centrais estaduais do IEL, no endereço www.iel.org.br .

Fonte: Gestão CT

UFMA, USP e Unicamp estão entre as vencedoras do Grande Prêmio Capes de Teses

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação (Capes/MEC) divulgou, na última sexta-feira (22), os resultados da edição 2007 do Prêmio Capes de Teses e dos Grandes Prêmios Capes de Teses.

Segundo informações da Capes, os cursos de pós-graduação de todo o país inscreveram 417 trabalhos. As mulheres foram as grandes vencedoras. As autoras dos três trabalhos premiados são: Maria Laura Schuverdt, do Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada, da Universidade Estadual de Campinhas (Unicamp); Solange Maria Teixeira, do Programa de Pós-Graduação de Políticas Públicas da Universidade Federal do Maranhão (UFMA); Ana Lia Parra-Pedrazzoli, do Programa de Pós-Graduação em Entomologia, da Universidade de São Paulo (USP).

A cerimônia de entrega da premiação está prevista para o próximo mês de abril. Ainda de acordo com a Capes, as pesquisadoras receberão uma bolsa de pós-doutorado no exterior, premiação em dinheiro e certificado. A Fundação Conrado Wessel apóia a iniciativa.

O comitê de seleção para a escolha dos trabalhos envolveu 51 comissões da Capes e 207 consultores. Além do Grande Prêmio, a Capes ainda selecionou 43 teses para cada área do conhecimento.

Dessas, a Universidade de São Paulo (USP) foi a mais premiada, com 14 trabalhos selecionados. Do total de teses premiadas, 86% são da região Sudeste (37 teses), 9% são da região Sul (quatro teses) e 4,6% do Nordeste (duas teses). Os trabalhos podem ser consultados neste link.

Edição 2008
A Capes já está organizando a 3ª edição do Prêmio e do Grande Prêmio de Teses. As inscrições ainda não estão abertas, mas este ano a proposta é homenagear para o Grande Prêmio Leopoldo Nachbin (para as áreas de Engenharias e Ciências Exatas e da Terra), Mario Pedrosa (para as áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas e Lingüística, Letras e Artes) e Maurício Rocha e Silva (para as áreas de Ciências Biológicas, Ciências da Saúde e Ciências Agrárias).

Informações complementares sobre as ações realizadas pela Capes podem ser obtidas no endereço www.capes.gov.br .

Fonte: Gestão CT

Cefets qualificam profissionais no Profuncionários

O Profuncionário, programa de formação a distância para servidores das escolas da educação básica, terá, a partir deste ano, a participação dos centros federais de educação tecnológica (Cefets). De acordo com informações do Ministério da Educação (MEC), os centros vão acompanhar e participar na formação dos tutores e professor orientador, ambos indicados pelas secretarias de educação de cada Estado.

O ministério também informou que 20 Cefets já fizeram a pré-adesão ao Profuncionário, mas o MEC espera que cada Estado tenha um centro responsável pela qualificação dos servidores. Com o anúncio do novo desenho do programa, o ministério espera que cerca de 110 mil servidores sejam formados até 2011.

Profuncionários
O programa é um curso de educação a distância, em nível médio, voltado para os trabalhadores que exercem funções administrativa nas escolas das redes públicas estaduais e municipais de educação básica. De acordo com informações do MEC, começou a ser executado em 2005, com um projeto-piloto em cinco Estados. No ano seguinte, o programa se expandiu e outros 12 Estados assinaram acordo com a Secretaria de Educação Básica (SEB). Hoje, o Profuncionários já existe em todos os Estados da Federação.

Os cursos atendem à maioria das funções desempenhadas pelos servidores nas escolas, como técnico em gestão escolar, em alimentação escolar, em infra-estrutura material e ambiental e em multimeios didáticos.

Fonte: Gestão CT

Instituído o Sistema Nacional de Gestão da Fauna Silvestre - Sisfauna

Foi publicada, na edição do dia 21 do Diário Oficial da União, a portaria nº 53 do Ministério do Meio Ambiente, que institui o Sistema Nacional de Gestão da Fauna Silvestre (Sisfauna).

Implementado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Sisfauna é um sistema eletrônico que ficará disponível no site do instituto. O seu objetivo é a gestão das informações referentes às atividades de uso e manejo da fauna silvestre em cativeiro no território nacional.

De acordo com a portaria nº 53, o Ibama disponibilizará o Sisfauna para os órgãos integrantes do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama), sem ônus, e apoiará a capacitação para sua implementação, por meio da celebração de acordos de cooperação.

A portaria nº 53 do MMA está disponível no endereço.

Fonte: Gestão CT

Ciatec e PMC apresentam o Plano Urbanístico do Parque Tecnológico de Campinas

A Companhia de Desenvolvimento do Pólo de Alta Tecnologia de Campinas (Ciatec) e a prefeitura do município paulista apresentaram o Plano Urbanístico do parque tecnológico de Campinas, a ser instalado no chamado Pólo Ciatec II, próximo da rodovia D. Pedro I e da que liga a cidade a Mogi-Mirim (SP). O plano integra as ações de consolidação do parque de Campinas, um dos sete integrantes do sistema de parques tecnológicos do governo do Estado de São Paulo — os outros estão sendo implementados em São José dos Campos, Ribeirão Preto, São Carlos, São Paulo, Piracicaba e São José do Rio Preto, os dois últimos incluídos posteriormente no sistema. A apresentação do Plano Urbanístico foi feita pelo secretário de Urbanismo de Campinas, Hélio Jarretta, e pelo presidente da Ciatec, Luiz Carlos Rocha Gaspar, no dia 15 de fevereiro, na prefeitura da cidade, com a presença do prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT).

A proposta precisa ser apresentada e aprovada na Câmara de Vereadores de Campinas. Para o prefeito, a tramitação será tranqüila, pois há um entendimento comum de que se trata de um projeto importante para a cidade. Os investimentos para viabilização da expansão do parque virão da iniciativa privada. Jarretta destacou que o parque tecnológico visa a estimular a sinergia entre as diversas instituições e empresas no campo tecnológico e a ampliar a absorção de profissionais de alta qualificação na região. "Vai abrigar uma diversidade de companhias que tenham como base de sua atividade a incorporação de grande conteúdo tecnológico", acrescentou.

De acordo com Santos, o objetivo do Plano Urbanístico é dar continuidade ao processo de expansão do Pólo Ciatec. "Reiniciamos esse processo em 2005, e dobramos a ocupação da área até agora", ressaltou. Segundo ele, a área ocupada era de 800 mil metros quadrados quando assumiu a prefeitura. Hoje, o chamado Pólo Ciatec II tem 1,6 mil metros de sua área ocupados por empresas e instituições como Ci&T Software, CPqD, Instituto Eldorado, GE Hydro, Northern Telecom, Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), PadTec, Pósitron e TRB Pharma, entre outras.

Os detalhes
O documento mostra como será a ocupação final de uma área total de 7,9 mil metros quadrados — que inclui os 1,6 mil já ocupados —, melhorando o acesso a essa região, que é circundada pela Unicamp e pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). O plano determina quais são as áreas para empresas e centros de pesquisa, incubadoras de empresas, setor de serviços e os locais onde serão construídas residências. Também delimita as áreas verdes, de forma a proteger o rio Anhumas, que corta a área e abriga a maior estação de tratamento de esgoto construída no interior do Estado.

Como ressaltou Jarretta, esse estudo mantém as densidades de ocupação definidas pela lei municipal de uso e ocupação do solo (8.252/1996) e pelo Plano Local de Gestão de Barão Geraldo (9.199/1996) — 60% da área do Pólo Ciatec deve ser voltada para tecnologia e 40% para uso misto. Do total de 7,9 mil metros quadrados de área, 5 mil ficaram para as chamadas áreas de desenvolvimento, que reúnem serviços, residências e comércio. As áreas de tecnologia, que compreendem empresas e centros de inovação tecnológica, correspondem a 3,6 mil metros quadrados. O resto é área verde.

O Plano Urbanístico divide as áreas em eixos e centros. O Eixo Boulevard é o eixo de integração entre as diversas áreas do parque e consiste nas vias de acesso que distribuem as ruas a partir de um ponto central, que é o centro de administração do parque. O Centro Ciatec 2 é esse ponto focal, o centro executivo. Há ainda o Centro de Comércio e Serviços, atividades que darão sustentabilidade aos investimentos locais, atendendo moradores e trabalhadores do parque tecnológico; o Parque Linear do Anhumas, área verde ao longo das margens do rio de mesmo nome; as sedes das fazendas antigas, que serão revitalizadas para abrigar centros de convenções, museus e serviços necessários para as empresas ali instaladas; e uma ciclovia.

Segundo o presidente da Ciatec, Luiz Carlos Rocha Gaspar, caberá às incorporadoras construir a infra-estrutura do parque, como as vias e estruturas para iluminação pública. Depois, elas venderão os espaços, recuperando o investimento. Dessa forma, a incorporação da construção de áreas residenciais no Plano Urbanístico foi um passo estratégico para atrair investidores para o projeto. "A área residencial dá sustentabilidade imobiliária ao projeto", explicou o prefeito.

"Temos uma grande demanda das empresas para se instalar em Campinas. Estive ontem (dia 14 de fevereiro) com um representante de uma empresa chinesa de rastreadores automotivos interessado em se instalar na cidade. O investimento inicial previsto por essa empresa, cujo nome não posso revelar, é da ordem de US$ 30 milhões", contou o prefeito. Ele também destacou a futura construção de um centro nacional de pesquisa de produção de combustíveis a partir de biomassa, com ênfase em etanol, na cidade. A expectativa é de que o centro, a ser coordenado pelo professor emérito da Unicamp Rogério Cerqueira Leite, seja lançado no dia 4 de março próximo, em cerimônia com as presenças do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende.

Outros investimentos recentes anunciados na área do parque tecnológico são os centros de pesquisa e desenvolvimento da Natura, do Instituto Eldorado e do Exército, em construção, e do Instituto Von Braun. De acordo com Gaspar, o centro da Natura deve ficar pronto no primeiro bimestre de 2009 e o do Exército também deve ser concluído no ano que vem. Já o do Instituto Eldorado deve ser inaugurado em julho próximo.

A prefeitura de Campinas poderá ainda conceder incentivos fiscais para atrair as empresas, segundo o prefeito. Em 2006, Santos sancionou uma lei que prevê o abatimento de meio ponto a três pontos percentuais na alíquota do Imposto Sobre Serviços (ISS) e desconto de 30% a 50% no valor final do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para empresas de base tecnológica (EBTs).

Fonte: J.S./ Inovação Unicamp

R$ 12 milhões para micros e pequenas empresas inovadoras de Santa Catarina

As micros e pequenas empresas catarinenses poderão contar com mais uma fonte de recursos para expandir seus negócios. A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT), a BZPlan Administração de Recursos e a Fir Capital Partners lançam, nesta quarta-feira (27), o Fundo SC (Santa Catarina), com recursos de R$ 12 milhões. Podem obter créditos empresas com faturamento de até R$ 2,4 milhões ao ano.

A iniciativa prevê investimentos em até 10 empresas inovadoras do estado com atuação nos setores de Tecnologia da Informação, Biotecnologia e Nanotecnologia. Do total de recursos, a Finep participa com 40%, ou seja, R$ 4,8 milhões, e tem direito a voto na tomada de decisão sobre qual empresa deve receber investimentos. O restante da verba vem de parceiros privados e do governo estadual.

O fundo, que será administrado em parceria pela BZPlan e Fir, está previsto para operar a partir de julho próximo. As empresas interessadas devem procurar as instituições responsáveis no estado.

O Fundo SC é o segundo constituído no País em menos de dois meses pelo Programa Inovar Semente, da Finep. O primeiro, o Horizont TI, voltado à empresas de Tecnologia da Informação, foi lançado em Belo Horizonte no mês passado. Esse fundo conta com R$ 20 milhões, dos quais, R$ 8 milhões foram destinados pela Finep.

O programa Inovar Semente prevê aplicar em seis anos R$ 300 milhões em cerca de 24 fundos. A finalidade é apoiar a empresas nascentes, mesmo as incubadas em universidades, desde que apresentem um grande potencial inovador. A expectativa da Finep é beneficiar cerca de 450 empreendimentos.

A terceira chamada pública do Inovar Semente está aberta até 17 de março para a apresentação de propostas de gestores interessados em participar da criação de novos fundos de capital semente. As propostas serão avaliadas pela Finep de abril a dezembro.

Veja aqui o edital.

Fonte: Agência CT

INT - Instituto Nacional de Tecnologia investe R$ 25,5 milhões em modernização e ampliação de suas instalações

O Instituto Nacional de Tecnologia (INT) está modernizando a infra-estrutura laboratorial da área de corrosão e degradação e construindo outro Núcleo de Caracterização e Avaliação de Desempenho de Materiais e Componentes Metálicos Utilizados na Indústria de Petróleo (Numat).

Segundo o INT, os investimentos de R$ 25,5 milhões são da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e da Petrobras e visam a atender à crescente demanda de desenvolvimento e serviços tecnológicos voltados para materiais e revestimentos usados nos campos de exploração e plataformas de petróleo, nas etapas de refino de óleo e gás e em seu transporte por dutos.

O Numat teve início a partir do convênio com a Finep – por meio do edital de ação transversal de modernização de institutos tecnológicos –, assinado em dezembro de 2005, que destinou R$ 3,8 milhões (R$ 2,5 milhões de contrapartida da Petrobras) às obras de construção do novo prédio, no terreno da sede do INT, no Rio de Janeiro.

Paralelamente, por intermédio de sua participação na Rede Temática de Materiais e Corrosão (Rede Tmec), o INT receberá, por um termo de cooperação específico, mais R$ 14,2 milhões da Petrobras para compra de equipamentos destinados a atividades de pesquisa em corrosão.

Em 28 de dezembro de 2007, o instituto firmou novo convênio, diretamente com a empresa de petróleo, que aprovou mais R$ 7,6 milhões para a construção do Numat. Esse investimento viabilizou a incorporação de duas outras áreas ao projeto – inovação tecnológica e biocombustíveis –, definidas com base nas demandas e no investimento das redes temáticas. Com esse desdobramento, foi definida a construção do prédio com oito andares, contendo central de microscopia avançada, e as áreas de corrosão e degradação, ensaios de materiais e produtos e biocombustíveis.

No subsolo do prédio do Numat, funcionará um centro de microscopia avançada, equipado com microscópios de última geração e dotado de uma estrutura especial para proteção contra vibrações e interferências de ondas eletromagnéticas. A central de utilidades deverá ser construída no segundo subsolo, sob a área de estacionamento, onde também estarão casamatas, para ensaios a alta pressão em condições de segurança.

A conclusão do novo núcleo está prevista para o final de 2010. Até abril deverá ser feita uma licitação para contratar o detalhamento do projeto de arquitetura. Logo após será lançado um edital para a concorrência pública de realização das obras.

Mais informações: http://www.int.gov.br/

Fonte: Agência Fapesp

Fórum Qualidade de Vida dos Deficientes Visuais

O Fórum Qualidade de Vida dos Deficientes Visuais será realizado no dia 1º de março, em São Paulo, durante a programação do 31º Congresso de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Com promoção do Instituto da Visão da Unifesp, o fórum discutirá temas como políticas governamentais, prevenção da cegueira infantil, oportunidades de trabalho e práticas esportivas para deficientes e legislação relacionada à deficiência visual.

Mais informações: www.oftalmologiaunifesp.com.br

Fonte: Agência Fapesp

Entulho de construção vira areia e rocha britada de alto desempenho mecânico

Um projeto multidisciplinar desenvolvido na Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo (USP) deu origem a um método inovador para a produção de areia e rochas britadas de alto desempenho mecânico.

Os produtos foram extraídos do entulho produzido na construção civil que, normalmente, ou é reciclado por usinas para gerar produtos de baixo valor agregado ou vai parar em aterros sem qualquer tipo de reúso.

Segundo os coordenadores do estudo que gerou a inovação, Vanderley John, professor do departamento de Engenharia de Construção Civil, e Carina Ulsen, pesquisadora do Laboratório de Caracterização Tecnológica, a melhor destinação da areia e da brita geradas pelo processo é o uso em concreto estrutural para construção de casas e edifícios, com exceção da aplicação em pontes.

“A areia e a brita desenvolvidas pelo estudo, cujos resultados foram obtidos pela união de conhecimentos de duas grandes áreas da Poli, as engenharias civil e de minas, podem ser utilizadas em construções que necessitam de um desempenho mecânico maior que 25 megapascal – o índice mínimo de resistência do concreto estrutural exigido pelas normas técnicas”, disse Carina Ulsen.

Para o beneficiamento do entulho, os resíduos foram separados de acordo com características físicas e químicas. A validação do método foi realizada com diferentes tipos de resíduos, cujas amostras foram coletadas em aterros de São Paulo, Rio de Janeiro, Macaé (RJ) e Maceió (AL).

“Infelizmente, ainda não podemos entrar em detalhes sobre as técnicas de beneficiamento mineral utilizadas. Os resultados, sobretudo os obtidos com a areia, que também poderá ser usada em argamassas para acabamentos finos, ainda são muito recentes e o processo ainda não foi patenteado”, explica Carina.

A pesquisadora garante, no entanto, que a areia e a brita geradas pelo estudo têm características superiores ao agregado reciclado, atualmente empregado na pavimentação de ruas e estradas, que é produzido por usinas de reciclagem no país. “Essas indústrias normalmente trituram grandes blocos de concreto, gerados quando uma edificação é demolida, para chegar a uma granulometria adequada para a pavimentação.”

“Com o novo processo, temos condições de beneficiar tanto as sobras da construção civil como os blocos de demolição, apontando, em porcentagens, a quantidade do produto final, que é de baixa porosidade e poderá ser utilizado para a produção de concreto estrutural”, disse.

Segundo dados do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), são gerados cerca de 70 milhões de toneladas por ano de resíduos da construção civil e da demolição. “Estima-se que menos de 20% desse volume seja hoje reciclado”, disse Carina.

O trabalho, realizado em parceria com pesquisadores do Centro de Tecnologia Mineral (Cetem) e da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), foi desenvolvido com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes).

Fonte: Thiago Romero /Agência Fapesp

Paraná divulga resultado do edital de apoio a incubadoras tecnológicas

A Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná (Seti/PR) divulgou, no dia 20, o resultado do edital nº 06/2007, do Programa de Difusão de C&T da instituição.

Por meio da chamada, serão disponibilizados R$ 800 mil para financiamento de projetos desenvolvidos nas incubadoras tecnológicas instaladas no Estado e a sua integração com instituições públicas de ensino e pesquisa, de fomento e outras da área de CT&I.

No total, foram aprovadas propostas de 19 incubadoras divididas pelas modalidades “Apoio às Idéias Tecnológicas” e “Monitoramento, Integração e Avaliação”. Os projetos são oriundos de instituições como a Fundação Educere e a Incubadora Tecnológica de Guarapuava (Integ).

A íntegra do resultado está disponível no endereço.

Fonte: Gestão CT

Fapemig antecipa liberação de recursos para projetos do PPP e Pronex

Os projetos aprovados no âmbito dos programas Primeiros Projetos (PPP) e de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex) em Minas Gerais terão a liberação da segunda parcela dos recursos antecipada.

O repasse do financiamento, antes previsto para junho, foi reagendado para a primeira quinzena de março. Os programas são desenvolvidos pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), entidade associada à ABIPTI, em parceria com o CNPq.

De acordo com a fundação, o diretor científico da entidade, Mario Neto Borges, declarou que a antecipação será feita para que os pesquisadores consigam dar continuidade ao desenvolvimento dos trabalhos. A divisão do repasse em duas parcelas foi uma exigência do convênio assinado entre as instituições.

A primeira parte dos recursos foi liberada em junho de 2007, época em que foram contratados os editais. O depósito da segunda parcela estava agendado para um ano após a primeira liberação.

O objetivo do PPP é incentivar as pesquisas realizadas por jovens doutores. O estímulo é feito por meio de apoio financeiro para a melhoria ou recuperação da infra-estrutura de pesquisa. Já o Pronex pretende financiar a execução de projetos científico-tecnológicos realizados por núcleos de pesquisa sediados em Minas Gerais.

Mais informações, pelo e-mail

Fonte: Gestão CT

Facepe divulga resultado do edital para concessão de bolsas de pós-graduação

A Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe), instituição associada à ABIPTI, divulgou, na quarta-feira (20), o resultado da primeira chamada para a concessão de bolsas de pós-graduação stricto sensu. Ao todo, serão concedidas 330 bolsas, sendo 220 para projetos de mestrado e 110 destinadas aos projetos de doutorado. As bolsas aprovadas terão sua implementação iniciada a partir de março.

As 330 bolsas contemplam instituições públicas e privadas. A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) teve o maior número de projetos selecionados, 144 de mestrado e 81 de doutorado. Em segundo lugar a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), com a aprovação de 48 bolsas de mestrado e 29 de doutorado.

Já a Universidade de Pernambuco (UPE) foi contemplada com dez bolsas de mestrado. Seguindo a ordem, a Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) e a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) tiveram aprovadas nove bolsas de mestrado cada uma.

As áreas com maior aprovação de projetos foram as de ciências humanas e sociais, com 82 no total, seguida pelas ciências agrárias com 70 e biológicas com 68. Ciências exatas e da terra somaram 43 projetos, engenharias aparece com 39 e ciências da saúde com 28.


A lista com os selecionados está disponível no endereço.

2ª chamada
As propostas para a segunda chamada podem ser enviadas até o dia 19 de junho de 2008. Serão concedidas para essa fase, outras 60 bolsas de mestrado e 40 de doutorado, com previsão de implantação para agosto. O resultado da 2ª chamada será divulgado no dia 20 de julho. O edital pode ser acessado no endereço.

De acordo com informações da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente do Estado (Sectma), instituição associada à ABIPTI, os investimentos para as duas chamadas são da ordem de R$ 5 milhões, oriundos da Facepe. Os valores são de R$ 1,1 mil para mestrado e R$ 1,6 para doutorado.

Fonte: Gestão CT

Finep divulga resultado das cartas-convites de TIB de Centros de Recursos Biológicos e Equivalência Farmacêutica

A Finep divulgou, na última sexta-feira (21), o resultado das cartas-convites de tecnologia industrial básica (TIB) de Centros de Recursos Biológicos e Equivalência Farmacêutica.

A Carta-Convite MCT/FINEP/Ação Transversal - TIB - Centros de Recursos Biológicos - 10/2007 - selecionou cinco propostas, sendo quatro da região Sudeste e uma do Nordeste. Entre as contempladas está a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), instituição associada à ABIPTI.

Veja o resultado no endereço.

Já para a Carta-Convite MCT/FINEP/Ação Transversal - TIB - Equivalência Farmacêutica - 11/2007 – foram selecionados nove projetos, sendo cinco da região Sudeste, dois do Sul e um do Nordeste.

A lista com os resultados está disponível no endereço.

Fonte: Gestão CT