terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Pesquisadores afirmam que a Terra passará por processo de resfriamento global

A partir de estudos sobre o papel dos raios cósmicos nos fenômenos atmosféricos e nas variações climáticas, um grupo internacional de cientistas passou a defender a tese de que o mundo passará, nos próximos anos, por um processo de resfriamento global, contradizendo frontalmente as conclusões do Painel Intergovernamental de Mudança Climática (IPCC, na sigla em inglês).

Um dos defensores da tese, o físico Yuri Stozhkov, do Instituto de Física Lebedev, em Moscou, Rússia, espera que suas idéias sejam combatidas intensamente nos próximos anos. Mas, ao mesmo tempo, afirma que elas não são motivo para deixar de lado o esforço pela diminuição das emissões de carbono.

Stozhkov está no Brasil, onde participa da Escola Latino-Americana 2008 do Ano Heliofísico Internacional (AHI), realizada na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Há dez anos o cientista está envolvido com o programa Cosmics Leaving Outdoor Droplets (Cloud), do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern).

“As conclusões finais do programa sairão apenas em 2010, mas os dados colhidos até agora indicam que, no futuro próximo, podemos esperar por um processo de resfriamento da nossa atmosfera, em vez do aquecimento global”, disse Stozhkov.

“Isso não quer dizer que os raios cósmicos determinam sozinhos o ambiente na Terra. Eles são apenas um ingrediente importante do clima. Também não quer dizer que podemos esquecer a mitigação das emissões de carbono”, disse o pesquisador, que também pertence à Academia Russa de Ciências.

Com o objetivo de estudar a influência de cargas elétricas na formação de gotículas d’água na atmosfera, o programa Cloud procura reproduzir o processo em laboratório. Para isso, os cientistas irradiam partículas aceleradas em câmaras de nuvens de vários tamanhos.

“Por muitos anos tenho estudado a influência da atividade solar nos fluxos de raios cósmicos. Há cerca de dez anos descobrimos que esses fluxos estão conectados a vários fenômenos elétricos, como a formação de nuvens baixas. Eles influenciam também os padrões de cobertura global das nuvens”, explicou.

Segundo ele, quando a radiação penetra na atmosfera terrestre, ela acelera a formação de aerossóis, ou grupos de moléculas, que se aglutinam e compõem a base da formação de gotículas nas nuvens.

“Uma nuvem com um número maior de gotículas reflete a luz solar incidente de forma mais eficiente e se torna mais estável, produzindo um efeito de resfriamento. Uma variação de uma pequena porcentagem nesse processo afeta de forma significativa o clima global”, disse.

Mais raios no futuro
A questão do aquecimento global, segundo o físico, passará ainda por muita discussão. “É importante desenvolver modelos climáticos, como vem sendo feito. Mas achamos que é preciso conseguir novos dados experimentais sobre o Sol, o espaço interplanetário e a Terra para, de fato, combater o problema”, destacou.

Stozhkov explica que o mecanismo de resfriamento inclui a influência sobre a atmosfera da poeira zodiacal – uma nuvem de grãos que medem de 1 a 10 micrômetros e se concentra no plano da órbita da Terra ao redor do Sol. “Ao entrar na nossa atmosfera essa poeira muda de concentração e também altera a cobertura de nuvens e, em conseqüência, a temperatura do planeta”, disse.

A Terra, segundo o professor russo, é protegida dos raios cósmicos pela atmosfera e pela magnetosfera, que os repelem. Mas quando os clarões solares são mais intensos, acelerando as partículas, os fluxos de raios são aumentados em dez ou cem vezes em comparação com condições de calma na atividade solar.

“Nos próximos 50 anos o número de raios deverá aumentar consideravelmente, elevando a produção de nuvens baixas. Isso deverá gerar um resfriamento da Terra que não apenas vai compensar o aquecimento causado pela ação antropogênica, mas que deverá superá-lo, podendo levar a um efetivo resfriamento global”, disse.

Segundo Stozhkov, a hipótese causará mais polêmica à medida que houver mais dados experimentais. “Essa idéia será muito combatida nos próximos cinco anos, mas o processo científico é esse mesmo e o debate será saudável para o conhecimento”, afirmou.

Fonte: Fábio de Castro /Agência Fapesp

Finep e Fapesb lançam edital "Bahia Inovação – Pappe Subvenção"

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) lançam hoje (19) o edital Bahia Inovação – Pappe Subvenção. O edital prevê a destinação de R$ 16,5 milhões para pequenas empresas inovadoras com sede na Bahia.

O Pappe é um programa da Finep, realizado em parceria com as Fundações de Amparo à Pesquisa dos estados. A iniciativa é para financiar atividades de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de produtos e processos inovadores empreendidos por pesquisadores que atuem diretamente ou em cooperação com empresas de base tecnológica.

O objetivo é financiar projetos de empresas, incubadoras ou consórcios empresariais, desde que classificados como micro ou pequenas empresas. Os recursos - R$ 11 milhões da Finep e R$ 5,5 milhões da Fapesb - são da mosalidade não-reembolsável (as empresas selecionadas não precisarão devolver o dinheiro recebido).

São beneficiadas empresas que faturem até R$ 10,5 milhões ao ano e tenham projetos em alguma das quatro grandes áreas definidas como prioritárias pela Política Industrial (Pitce): Engenharias e novos materiais; Nanotecnologia, semicondutores e tecnologias da informação e comunicação; Biocombustíveis, energias e meio ambiente; e Biotecnologia, biodiversidade, agronegócios, fármacos e saúde.

A cerimônia de lançamento, será às 15 horas na sede da Fapesb, com a presença do governador da Bahia, Jaques Wagner; do presidente da Finep, Luis Fernandes; do secretário de Ciência, Tecnologia & Inovação da Bahia, Ildes Ferreira; e da diretora geral da Fapesb, Dora Leal Rosa.

Fonte: Finep

Sect e Fapes promovem segundo módulo voltado para propriedade intelectual

Entre os dias 3 e 7 de março, a Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Fapes) e a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Sect/ES) promovem o módulo intermediário do curso propriedade intelectual. Ao todo serão oferecidas 50 vagas. As inscrições estão abertas até o dia 22 de fevereiro e devem ser feitas pelo endereço www.sect.es.gov.br.

De acordo com a Sect, o objetivo do evento é capacitar gestores de tecnologia para atuar no setor de proteção das criações intelectuais. O curso é gratuito e será voltado para aqueles profissionais que concluíram o curso básico de propriedade intelectual.

Nesta segunda etapa serão oferecidos os módulos Marcas II, Patentes II, Classificação Internacional de Patentes e Informação Tecnológica. As aulas serão realizadas no Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo (Cefet-ES) e na Faculdade Integrada Espírito-Santense (Faesa) no período da manhã e da tarde.

De acordo com a Sect, a capacitação dos gestores faz parte do programa de apoio às instituições científicas e tecnológicas (ICTs) na implantação de seus respectivos núcleos de inovação tecnológica de acordo com a Lei de Inovação do Governo Federal.

A ficha de inscrição está disponível neste endereço.

Informações adicionais sobre o curso pelo telefone (27) 3380-3776.

Fonte: Gestão CT

Brasil terá rede sismográfica para monitorar terremotos

O Observatório Nacional (ON), ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, está implementando um projeto que resultará em uma rede sismográfica para monitorar a atividade no Brasil. Inicialmente, a rede terá 11 estações instaladas nas regiões Sul e Sudeste, que concentram a maior parte da população.

Segundo o ON, a fase de implantação começou em janeiro e está prevista para durar dois anos. Ela consiste na colocação dos sismógrafos em áreas militares, por questões de segurança dos equipamentos, além de localizadores GPS e gravímetros, que são instrumentos para determinar a intensidade e a direção do campo gravitacional da Terra, em um dado ponto de sua superfície.

Para obter os R$ 6,1 milhões necessários para o projeto, o ON fez uma parceria com a Petrobras. “Além da questão da segurança da população e das plataformas, os dados sismológicos poderão ser utilizados para se obter, como em medicina, uma tomografia de até centenas de quilômetros no interior da Terra. Isso permitirá um avanço no conhecimento geológico da crosta e da litosfera sob o território nacional que ajudará a entender a evolução do planeta e das bacias sedimentares”, disse Sergio Luiz Fontes, diretor do ON.

No Brasil estão apenas dez das 6 mil estações sismográficas no mundo. A falta de equipamentos para conhecer mais o assunto disseminou a idéia de que o país estaria livre dos abalos. Mas o abalo em Caraíbas, em Minas Gerais, no fim do ano passado, mostrou que a realidade é outra. Com 4,9 pontos na escala Richter, o terremoto matou uma criança de 5 anos. Em 1955, dois tremores, um em Mato Grosso e outro no Espírito Santo, chegaram a 6,2 pontos, mas não causaram danos ou vítimas porque seus epicentros foram em áreas desabitadas.

Mais informações: www.on.br

Fonte: Agência Fapesp

Simpósio de Biotecnologia Aplicada à Saúde

No próximo dia 22, o Instituto Butantan realiza o Simpósio de Biotecnologia Aplicada à Saúde. O evento tem o objetivo de debater a criação de produtos biotecnológicos aplicados à saúde pública.

Entre as temáticas abordadas nas palestras previstas estão o desenvolvimento e a produção de insulina recombinante e de vacina contra a dengue e a pesquisa sobre vacinas gênicas no Brasil.

Outro objetivo do simpósio é homenagear o médico, professor e entusiasta da pesquisa Isaías Raw. Nascido em 1927, Raw é formado em medicina pela Universidade de São Paulo (USP) e foi um dos grandes incentivadores da pesquisa científica naquela e em outras instituições. Profissionalmente, foi diretor do Departamento de Química Fisiológica da Faculdade de Medicina da USP, participou da criação da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento do Ensino de Ciências (Funbec) e dirigiu o Instituto Butantan.

Mais informações, pelo e-mail .

Fonte: Gestão CT

Harvard tornará livre o acesso a publicações científicas e tecnológicas

A Universidade Harvard, nos Estados Unidos, acaba de dar forte apoio à tendência pelo acesso livre a publicações científicas e tecnológicas. A Faculdade de Artes e Ciências (FAS, na sigla em inglês) da universidade decidiu tornar público todos os artigos publicados por seus pesquisadores a partir de 12 de fevereiro de 2008.

“Trata-se de um passo grande e muito importante para pesquisadores em geral e deve servir como uma mensagem para a comunidade acadêmica no sentido de que queremos e devemos ter maior controle sobre como nosso trabalho é usado e disseminado”, disse Stuart Shieber, professor da FAS.

A universidade abrigará os artigos dos pesquisadores da FAS em uma base de dados que estará disponível gratuitamente para qualquer um com acesso à internet. Ainda não há data prevista para o lançamento do serviço.

A decisão implica que os pesquisadores terão que publicar artigos em revistas que permitam a replicação em outras bases e que não ofereçam restrições ao acesso livre. O que não é o caso de muitas revistas tradicionais, mas, segundo Shieber, isso é algo que precisará ser discutido no futuro.

Os pesquisadores responsáveis pelo artigos manterão os direitos autorais dos trabalhos, de acordo com o sistema de licenciamento de Harvard. Os artigos também serão acessados por meio de ferramentas de busca como o Google Scholar.

“Não há dúvida de que as revistas científicas têm historicamente possibilidado aos pesquisadores distribuir seus trabalhos para audiências por todo o mundo, mas o sistema de publicação tem se tornado muito mais restritivo do que costumava ser. Muitos editores chegam ao ponto de proibir os autores dos artigos de distribuir seus próprios trabalhos”, afirmou Shieber.

Segundo ele, outro ponto importante a destacar é o aumento no preço das revistas para “níveis tão astronômicos que muitas instituições e indivíduos têm cancelado suas assinaturas, o que contribui para a diminuição da circulação dos resultados de pesquisas”.

“O objetivo da pesquisa na universidade é a criação, a disseminação e a preservação do conhecimento. Em Harvard, onde muito de nossa pesquisa tem significância global, temos uma responsabilidade essencial de distribuir o mais amplamente possível os frutos de nossas pesquisas”, destacou Steven Hyman, administrador acadêmico da universidade.

“Essa decisão da Faculdade de Artes e Ciências promoverá o acesso livre e aberto para pesquisas importantes. Trata-se de um primeiro passo para a criação de um ambiente de acesso aberto para pesquisas atuais que um dia poderá ressultar na disseminação dos trabalhos conduzidos em todas as unidades de Harvard”, disse Hyman.

A Escola Médica Harvard, outra unidade da universidade norte-americana, está trabalhando em uma iniciativa que pretende levar o modelo de acesso aberto a todos os artigos resultantes de pesquisas apoiadas pelos Institutos Nacionais de Saúde. O acesso seria por meio da PubMed Central.

Mais informações: www.fas.harvard.edu/home

Fonte: Agência Fapesp

Lançado o Grande Prêmio Capes de Teses Leopoldo Nachbin

No último dia 12, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) lançou, por meio de portaria publicada no Diário Oficial da União, a 3ª edição do Grande Prêmio Capes de Teses. O prêmio tem o objetivo de selecionar a melhor tese de doutorado em três grandes áreas do conhecimento reconhecidas pela Coordenação. O prazo para inscrições dos trabalhos ainda não foi divulgado.

Com o nome de “Grande Prêmio Capes de Teses Leopoldo Nachbin” a primeira modalidade abrangerá o conjunto das grandes áreas de Engenharias e Ciências Exatas e da Terra. Já a categoria correspondente às grandes áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas e Lingüística, Letras e Artes se chamará “Grande Prêmio Capes de Teses Mario Pedrosa”. Por fim, a terceira modalidade, nomeada de “Grande Prêmio Capes de Teses Maurício Rocha e Silva”, corresponde às grandes áreas de Ciências Biológicas, Ciências da Saúde e Ciências Agrárias.

Cada programa de doutorado do país pode inscrever uma tese. São eles os responsáveis por identificar a que melhor se encaixa aos critérios de premiação da Coordenação. A avaliação será feita levando-se em consideração a originalidade, a relevância para o desenvolvimento científico, tecnológico ou social e o valor agregado ao sistema educacional.

Os autores das teses vencedoras receberão certificado, medalha e bolsa de pós-doutorado internacional de um ano. Já os orientadores dos trabalhos ganharão um auxílio equivalente a uma participação em congresso internacional ou recursos aplicáveis no custeio de projeto aprovado pela Capes. Caso as teses possuam co-orientadores, eles receberão certificado.

A íntegra da portaria que institui o grande prêmio pode ser acessada neste endereço.

Fonte: Gestão CT

UAB - Universidade Aberta do Brasil terá 271 pólos no país

O segundo edital da Universidade Aberta do Brasil (UAB), lançado em 2007, e cujo resultado foi divulgado pelo Diário Oficial da União do dia 21 de janeiro, prevê a inauguração de 271 pólos em vários estados do país. A região Nordeste terá 88 pólos, sendo distribuídos entre Bahia, que contará com 25 unidades, Maranhão, com 20, Ceará beneficiado com 13 unidades, Piauí, que terá 11 pólos, Rio Grande do Norte, com seis, Pernambuco, com cinco unidades, Paraíba, contemplada com quatro, Sergipe, com três pólos e Alagoas com uma unidade.

A região Sul terá 53 pólos. Desses, 26 serão instalados no Paraná, 15 em Santa Catarina e 12 no Rio Grande do Sul. Já a região Sudeste terá 68 unidades que serão distribuídas da seguinte forma: 31 em Minas Gerais, 22 em São Paulo, nove no Espírito Santo e seis no Rio de Janeiro. A região Norte será contemplada com 33 unidades, distribuídas entre o Pará com 18 pólos, Tocantins com oito, três unidades em Rondônia e no Amazonas, cada uma, e uma no Amapá. O Acre e Roraima não foram contemplados com pólos neste edital. E, por fim, a região Centro-Oeste beneficiada com 32 pólos. Desses, 11 ficarão no Mato Grosso e 11 em Goiás, além de cinco pólos no Mato Grosso do Sul e dois no Distrito Federal. A lista completa com as cidades beneficiadas com o programa está disponível no endereço.

Universidade Aberta
O Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) é um programa do Ministério da Educação (MEC), criado em 2005, no âmbito do Fórum das Estatais pela Educação e possui como prioridade a capacitação de professores da educação básica. De acordo com informações do MEC, seu objetivo é estimular a articulação e integração de um sistema nacional de educação superior, formado por instituições públicas de ensino superior, as quais se comprometem a levar ensino superior público de qualidade aos municípios brasileiros.

Informações adicionais sobre a UAB pelo endereço: www.uab.mec.gov.br.

Fonte: Gestão CT

STF julgará constitucionalidade de pesquisas com células-tronco embrionárias

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) deverá iniciar, no próximo dia 5 de março, o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), que questiona a Lei de Biossegurança, aprovada pelo Congresso Nacional em 2005.

A ADI foi proposta em maio de 2005, pelo então procurador Geral da República, Cláudio Fonteles, que considera o artigo 5ª da Lei de Biossegurança inconstitucional pelo fato de ele violar o direito à vida. A lei permite que o país desenvolva pesquisas com células-tronco embrionárias humanas. “Embrião humano é vida humana e faz ruir fundamento maior do Estado democrático de direito, que radica na preservação da dignidade da pessoa humana”, disse Fonteles na petição inicial da ADI.

Aos ministros do Supremo caberá a difícil decisão de julgar quando se inicia a vida humana, se é quando o embrião é formado ou somente quando a sua estrutura nervosa está formada. O que não é uma tarefa nada fácil e os próprios ministros reconhecem isso.

Em abril do ano passado, o STF chegou a promover uma série de audiências públicas para debater o tema. Foi a primeira vez que a Corte Suprema parou para ouvir a sociedade, por meio de audiência pública, para formar subsídios que possam nortear a decisão.

O julgamento começa com a sustentação oral dos advogados que defendem a constitucionalidade da lei e dos advogados que a julgam inconstitucional. Cada advogado terá um tempo para apresentar sua argumentação. Logo após, o procurador-geral da República, Antonio Fernando Barros e Silva de Souza, dará o seu parecer. Seguindo o julgamento, o ministro relator da ADI, Carlos Ayres Britto, proferirá o seu voto. Em seguida, os demais ministros presentes no plenário votarão.
Se algum ministro achar necessário, poderá pedir vista ao processo. Neste caso, o julgamento pára por um determinado período até o ministro que pediu vista retome o julgamento em outra data para proferir o seu voto.

Comunidade Científica
Para os cientistas, esse é um dos grandes avanços da lei e das pesquisas nacionais. No último mês de setembro, a geneticista e pró-reitora de pesquisa da Universidade de São Paulo (USP), Mayana Zatz, proferiu uma palestra no CNPq, sobre pesquisas com células-tronco embrionárias.

Zatz fez questão, na ocasião, de diferenciar o uso de células-tronco embrionárias e o aborto. “Ainda há muita confusão na população sobre a diferença entre o uso de células-tronco embrionárias e aborto. São duas coisas totalmente diferentes. Algumas pessoas nos acusam de querermos arrancar perninhas e bracinhos de crianças. As células-tronco embrionárias utilizadas para pesquisa são células com até 14 dias, quando ainda não existe resquício de sistema nervoso”, explicou, em notícia do CNPq.

O presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Celso Lafer, em nota encaminhada ao STF no dia 11 de fevereiro, diz que a fundação atua com o objetivo de fomentar o avanço do conhecimento e à melhoria da qualidade de vida dos indivíduos e lembra o apoio dado pela fundação para a aprovação da lei no Congresso Nacional.

Lafer ainda recomenda que a matéria seja entendida como constitucional. “Entende a Fapesp que o tratamento e os controles dados à matéria pela Lei de Biossegurança – Lei n° 11.105/05 – conciliam adequadamente os valores envolvidos, possibilitando os avanços da ciência em defesa da vida e o respeito aos padrões éticos de nossa sociedade”.

Lafer finaliza a nota afirmando que reitera “a confiança no prudente julgamento do Tribunal, em defesa dos valores acolhidos em nossa Constituição e da aplicação do Direito segundo os critérios e conceitos próprios de uma ética laica da ciência e do Estado”.

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC) também pediram pela constitucionalidade da proposta.

Votos contrários
Além da Procuradoria Geral da República, outras instituições apóiam a decisão da procuradoria da República, como a Conectas Direitos Humanos, Movimento em Prol da Vida (Movitae) e a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Para conferir a tramitação do processo, acesse o endereço. e coloque o nº da ADI 3510.

Fonte: Tatiana Fiuza / Gestão CT

Senai do Ceará realiza o curso "Requisitos Metrológicos da NBR ISO 9001:2000"

Estão abertas as inscrições para o curso Requisitos Metrológicos da NBR ISO 9001:2000, a ser realizado nos dias 28 e 29 deste mês pelo Laboratório de Metrologia do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Ceará (Senai/CE), instituição associada à ABIPTI. O encontro acontece no Centro de Educação e Tecnologia Alexandre Figueira Rodrigues, do próprio Senai.

De acordo com informações do Senai, o evento é destinado a profissionais que trabalham com garantia da qualidade, atividades de calibração, ensaios em laboratórios, auditores de sistemas de gestão da qualidade, consultores e estudantes interessados na área. Ao todo, serão oferecidas 20 vagas.

O Senai também informou que o curso seguirá o documento mais atual da ISO denominado Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia (VIM). A discussão ficará em torno de tópicos como Metrologia e a Família de Normas ISO 9001, Vocabulário Internacional de Metrologia, Sistema de Gestão da Qualidade e Interpretação de Certificados de Calibração.

O curso Requisitos Metrológicos é ofertado durante todo o ano de acordo com a demanda. Aqueles que não conseguirem vaga para esse próximo e que tenham interesse em participar devem entrar em contato com o Centro pelo telefone (85) 3215-3026.

Fonte: Gestão CT

7th International Conference addressing “Research and Practical Applications Using Sustainable Construction Materials in Pavement Engineering and Asph

The 7th Annual International Conference On: Sustainable Aggregates, Pavement Engineering and Asphalt Technology Design, Construction, Management, Performance and Rehabilitations

20th to 21st February 2008, Liverpool, UK

The School of the Built Environment at Liverpool John Moores University in association with Tarmac Group, is hosting the 7th International Conference addressing “Research and Practical Applications Using Sustainable Construction Materials in Pavement Engineering and Asphalt Technology”, with particular interest in research and practical applications of wastes, recycled and secondary materials.

Liverpool John Moores University LJMU 2008 international conference is a continuation of the successful annual events hosted by LJMU since 2002, which have attracted large numbers of authors, delegates, and many exhibitors from the UK, Europe, South America, Middle East and the Far East.

The conference is aimed at stakeholders with specific interest in the development and management of sustainable infrastructure; environmental protection; energy reduction; developments in concrete and asphalt pavement technology and aggregate recycling initiatives. These include: environmental regulators, infrastructure clients, specifiers, planners, local authority highway engineers, highway related consultants, material suppliers, construction companies, contractors and educational institutions. It offers a unique opportunity for learning and interaction from over 12 different disciplines and provides the opportunity for participants to present their relevant specialisms.

The organisers are seeking position papers from all areas of the Sustainable Aggregates, Pavement Engineering and Asphalt Technology, Design, Management, Performance and Rehabilitations. Papers describing work in progress should discuss the long-term practical implications of the research undertaken. Contributions are especially welcome from consultants, material suppliers, designers and contractors.

More information : http://www.ljmu.ac.uk/blt/peat/index.htm

Source: JMU Liverpool

Fapesp assina acordo com empresas de TI e lança edital

Na última sexta-feira (15), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) assinou um acordo de cooperação com as empresas Ci&T Software - especializada em software e tecnologia da informação - e DigitalAssets - especializada em soluções práticas para o reuso de software. O objetivo é apoiar pesquisas científicas e tecnológicas nas áreas de tecnologia da informação (TI), engenharia de software, psicologia e administração de empresas. De acordo com a fundação, o convênio terá vigência de cinco anos.

Na ocasião, foi lançado edital para apresentação de propostas pela comunidade científica paulista. A chamada prevê recursos da ordem de R$ 3,6 milhões para o financiamento de projetos, sendo metade desse valor oriundo da Fapesp e o restante dividido entre as duas empresas. As inscrições estão abertas até o dia 14 de abril. Os projetos terão duração de no máximo 24 meses.

De acordo com o edital, na área de TI as pesquisas serão voltadas para tecnologias, padrões e frameworks emergentes em web 2.0; processos, métodos e diretrizes de adoção da abordagem SOA no mundo corporativo e acadêmico; reuso de software e gestão de grandes volumes de conteúdo em aplicações na Web 2.0, entre outros.

Já na área de psicologia e administração os temas incluem mudanças de comportamento humano em corporações e a competitividade suportada por gestão diferenciada de relacionamentos corporativos. Além desses, também serão contemplados projetos na área de engenharia de aplicações na web 2.0, que compreende uma nova geração de serviços que propiciam colaboração on-line, compartilhamento de recursos e cooperação entre usuários.

Os projetos serão trabalhados por pesquisadores de instituições de ensino superior e pesquisa, públicas ou privadas, no Estado de São Paulo em cooperação com pesquisadores das empresas parceiras, nos termos do Programa de Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (Pite) da Fapesp.

As propostas deverão ser enviadas, exclusivamente, por meio do sistema SAGE da fundação, disponível no endereço www.fapesp.br. Esclarecimentos sobre o edital podem ser obtidos pelo e-mail . O edital pode ser acessado neste link. O edital pode ser acessadono endereço. O texto do convênio está disponível no endereço.

Fonte: Gestão CT

Seminário: "Proposta de Plano Estratégico do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola - Fida "

O diretor do Instituto Nacional do Semi-Árido (Insa/MCT), Roberto Germano Costa, participa nesta quinta-feira (21), em Brasília (DF), de seminário sobre a Proposta de Plano Estratégico do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), para o período 2008-2012 no Brasil.

O evento é fruto de recente visita feita por representantes do Fida aos estados do Nordeste e ao Insa, que teve como objetivo identificar oportunidades para o estabelecimento de cooperações voltadas ao desenvolvimento do semi-árido.

Estão programados debates sobre a primeira versão da Proposta de Plano Estratégico, incluindo atividades passíveis de realização em parceria com os estados e a União. Haverá também uma apresentação dos procedimentos internos do governo brasileiro, necessários para a tomada de recursos do Fida e demais instituições financeiras de desenvolvimento. O seminário ocorre no Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão.

Fonte: Agência CT

Cetem apresenta trabalhos na 25º Feira Internacional do Mármore e do Granito - a Vitória Stone Fair 2008

Especialistas do setor de rochas ornamentais de todo o mundo participam, a partir de hoje (19), da 25º Feira Internacional do Mármore e do Granito - a Vitória Stone Fair 2008. A feira, que acontece em Vitória, no Espírito Santo, é considerada o maior evento nacional de rochas ornamentais.

Os organizadores da feira esperam incentivar o uso de rochas brasileiras, estimular a realização de negócios e, principalmente, aumentar as exportações, sobretudo de produtos acabados com maior valor agregado.

Durante a feira, os participantes também poderão conhecer as atividades realizadas no Centro de Tecnologia Mineral (Cetem/MCT). Em um stand estarão expostos trabalhos desenvolvidos pela Coordenação de Apoio Tecnológico à Micro e Pequena Empresa (Cate) e também no Campus Avançado do Cetem, em Cachoeiro de Itapemirim (Caci), que funciona desde março de 2007. Também serão distribuídos materiais de divulgação, informativos e publicações. O objetivo é difundir o máximo de informações técnicas para empresas do setor e contribuir para que o Brasil seja ainda mais competitivo no mercado internacional das rochas ornamentais.

A feira acontece de 19 a 22 de fevereiro, das 10h às 18h, no Parque de Exposições Floriano Varejão, Pavilhão Carapina, em Carapina - Serra - ES.

Outras informações sobre o evento podem ser obtidas no endereço eletrônico: http://www.feiradomarmore.com.br/marmore/25-pt/index.php

Fonte: AgênciaCT

Efeitos à saúde humana na exposição a campos eletromagnéticos

Os efeitos à saúde humana da exposição a campos eletromagnéticos de linhas de transmissão de energia elétrica ainda não são totalmente conhecidos, uma vez que os resultados de estudos científicos sobre o assunto são conflitantes.

Algumas pesquisas apontam que tal exposição poderia causar doenças como distúrbios neurodegenerativos, problemas cardíacos e câncer. A leucemia em crianças é uma das fontes de preocupação, devido ao número de evidências que atribuem, como uma de suas causas, a proximidade das residências de pacientes com as linhas de transmissão.

A polêmica questão foi discutida por especialistas na quinta-feira (14/2) em São Paulo, durante o Workshop Avaliação de Riscos da Exposição a Campos Magnéticos 60 Hz, promovido pelo Projeto EMF-SP (Electromagnetic Fields, na sigla em inglês), desenvolvido pela Associação Brasileira de Compatibilidade Eletromagnética (Abricem) em conjunto com instituições acadêmicas de São Paulo. O evento ocorreu na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

“A exposição eletromagnética a 60 Hz, que é o espectro de freqüência utilizado para a transmissão de energia elétrica, gera campos que criam cargas elétricas na superfície do corpo humano, enquanto, ao mesmo tempo, os campos magnéticos penetram e criam correntes internas dentro do organismo”, disse Flavio Barbieri, coordenador do Projeto EMF-SP.

Segundo ele, o sistema elétrico do Estado de São Paulo atende aos limites de radiação eletromagnética adotados pela Comissão Internacional para a Proteção contra Radiação Não-Ionizante (ICNIRP) e recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas estudos conduzidos por pesquisadores vinculados ao Projeto EMF-SP, que é apoiado pelos ministérios da Saúde e de Minas e Energia, poderão subsidiar políticas públicas para a adoção de limites mais restritivos.

“O nosso maior desafio é estudar os tipos de efeitos que esses campos geram dentro do organismo humano, uma vez que seus mecanismos de ação ainda não são bem conhecidos”, afirmou Barbieri.

O problema é potencializado em grandes centros urbanos como São Paulo, que conta com cerca de 900 quilômetros de linhas de transmissão de alta voltagem, sendo que muitas passam a poucos metros das residências, sobretudo em habitações irregulares na periferia.

O professor titular do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP Victor Wünsch Filho apresentou durante o encontro um estudo epidemiológico que está avaliando a associação entre a exposição a campos magnéticos de 60 Hz, considerados de baixa freqüência, e a incidência de leucemia linfocítica aguda (LLA) em crianças.

“Cerca de 20 trabalhos dessa natureza foram realizados em outros países nos últimos 25 anos. O nosso é o primeiro na América do Sul. Precisamos elaborar nossas próprias referências e produzir dados científicos originais devido às particularidades do nosso país”, explicou.

Questionário e medições locais
O estudo feito na Faculdade de Saúde Pública, que começou em fevereiro de 2006 e tem conclusão prevista para dezembro deste ano, analisa indivíduos, de até 9 anos de idade, atendidos em oito hospitais de quatro cidades paulistas: São Paulo, Ribeirão Preto, Barretos e Jaú, que, segundo Wünsch, reúnem cerca de 50% dos casos de LLA incidentes no Estado de São Paulo.

O trabalho envolve 200 crianças com a doença, comparadas com cerca de 800 crianças do grupo controle, sem a LLA. Os participantes do estudo respondem a um questionário eletrônico que coleta informações como história migratória da família, características socioeconômicas da criança, histórico de câncer na família e exposição a raio X ou radioterapia da mãe durante a gravidez.

As informações são cruzadas com dados sobre campos magnéticos, após os pesquisadores visitarem as casas dos pacientes para fazer a medição local por meio de dosímetros. As medições são feitas tanto na parte externa como na interna das casas, na qual o dosímetro é colocado debaixo da cama da criança com a doença e lá permanece por 24 horas.

“Quanto maior a exposição das crianças a campos elétricos e magnéticos iguais ou maiores a 0,3 microtesla, maior é a associação com a ocorrência de leucemia linfocítica aguda. Essa associação não é verificada em níveis mais baixos que 0,3 microtesla. Por isso esse é o nível de exposição que nos interessa avaliar no que se refere à prevalência de LLA em crianças”, explicou Wünsch.

“Após medições de três minutos, realizadas na parte externa das residências, dados preliminares indicam que cerca de 15% da amostra de indivíduos controles, até agora analisada, está exposta a campos magnéticos em níveis iguais ou maiores a 0,3 microtesla, nível assinalado como de risco. Mas, como o trabalho ainda está em andamento, essa porcentagem ainda está com seu rigor científico comprometido”, disse Wünsch.

Fonte: Thiago Romero / Agência Fapesp

O lobisomem entre índios e brancos: O trabalho da imaginação no Grão-Pará no final do século 18.

Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da Universidade de São Paulo (USP) está organizando, no dia 28 de fevereiro, na capital paulista, a palestra “O lobisomem entre índios e brancos: O trabalho da imaginação no Grão-Pará no final do século 18”.

O palestrante será o professor Mark Harris, do Departamento de Antropologia da Universidade de Saint Andrews, na Escócia. A entrada é gratuita e não é necessário fazer inscrição antecipada.

Harris abordará uma investigação sobre imagens do lobisomem de Portugal e sua mescla com várias entidades transformativas da Amazônia no fim do século 18 no Grão-Pará. A análise é baseada nos documentos existentes no Arquivo Público do Estado do Pará, em Belém.

O objetivo é contribuir para uma revisão da historiografia sobre a Amazônia, onde ou se destaca o sofrimento e o holocausto da época colonial, ou se faz uma narrativa da emergência do povo paraense ou amazonense associada à condição de elite regional e ao Estado.

Mais informações: www.ieb.usp.br ou (11)3091-1149

Fonte: Agência Fapesp

Simpósio SAE Brasil de Novas Tecnologias no Setor Automotivo

“O xeque-mate da competitividade” será o tema que conduzirá a programação do Simpósio SAE Brasil de Novas Tecnologias no Setor Automotivo. O evento será realizado no dia 7 de abril, em São Paulo.

Estarão reunidos pesquisadores acadêmicos, representantes de montadoras, do governo e fornecedores da indústria automotiva. A promoção é da Sociedade de Engenharia da Mobilidade (SAE Brasil).

Durante palestras e fóruns serão discutidos assuntos que hoje pautam as reuniões das principais empresas do setor da mobilidade, como exportação de serviços de engenharia, desenvolvimento global, busca de profissionais competentes e recursos para novos projetos.

Mais informações: www.saebrasil.org.br

Fonte: Agência Fapesp