terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Folhas, Vegetais e Frutas para prevenir o câncer de colo uterino

Uma alimentação rica em alguns tipos de folhas, vegetais e frutas pode prevenir o câncer de colo uterino. A conclusão é de um estudo feito pela nutricionista Luciana Yuki Tomita com 1.378 mulheres atendidas em dois hospitais públicos da capital paulista.

As voluntárias responderam a questionários sobre tipos de alimentos, tamanho das porções e freqüência de consumo no ano anterior ao do estudo. A pesquisa foi apresentada em tese de doutorado defendida no Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo (USP).

O câncer de colo uterino é causado por uma lesão conhecida como neoplasia intra-epitelial cervical (NIC), que por sua vez é causada pela infecção pelo papilomavírus humano (HPV) do tipo cancerígeno. Por meio do exame de papanicolau é possível identificar a lesão e tratá-la antes que evolua para câncer.

Luciana comparou a alimentação de mulheres com NIC e sem nenhuma lesão. A neoplasia tem três estágios de evolução, da lesão mais precoce e mais fácil de ser curada, a NIC1, até a NIC3, última etapa pré-câncer antes de a lesão se transformar na doença.

O estudo verificou que mulheres que consumiram mais folhas verde-escuras (como agrião, espinafre e couve), vegetais como pimentão e brócolis, além de frutas de cor laranja ou amarela (entre as quais mamão, manga, laranja e acerola), tiveram menor risco de desenvolver o NIC3.

De 230 mulheres com NIC3 analisadas, 118 apresentaram baixo consumo (em média 16 gramas por dia) de folhas, vegetais e frutas. Enquanto isso o grupo controle, formado por 453 participantes sem nenhuma lesão, consumiu, em média, 28 gramas por dia. O restante das entrevistadas tinha NIC1 ou NIC2 e também apresentou consumo abaixo da média.

“O estudo, que teve como base dados probabilísticos coletados nas entrevistas, destaca que as mulheres que ingeriram esses alimentos tiveram um risco aproximadamente 50% menor de ter NIC3 no colo uterino, quando comparado com as que não o fizeram”, disse Luciana.

Causas prováveis
Em busca das causas da menor probabilidade de contrair a doença, a pesquisadora fez uma série de análises estatísticas das porções diárias consumidas pelas entrevistadas com dados de literatura sobre os antioxidantes presentes nos alimentos.

“Nossa hipótese é que os carotenóides, antioxidantes que contribuem para a diminuição da proporção de radicais livres no organismo, seriam potenciais responsáveis por esse efeito benéfico dos alimentos. Os radicais livres induzem a má formação de células, entre as quais imunológicas, diminuindo a imunidade da mulher e causando lesões”, disse.

O estudo também contou com amostras de sangue de 70% das entrevistadas, com e sem lesão, e observou nas mulheres sadias níveis maiores de licopeno, outro antioxidante encontrado em produtos como o tomate, a melancia e a goiaba.

“A concentração de licopeno no sangue das mulheres que não tinham nenhuma lesão foi de 1,10 micromol por litro. Já as com NIC3 tinham 0,74 micromol por litro do antioxidante. Isso sugere que o maior consumo de alimentos que tenham licopeno também pode evitar o desenvolvimento do câncer de colo uterino”, disse.

Luciana alerta que o câncer de colo uterino é a segunda maior causa de morte entre as mulheres pela doença em todo o mundo, perdendo apenas para o câncer de mama, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). “Estima-se que sejam identificados cerca de 470 mil novos casos de câncer de colo uterino por ano no mundo, sendo registrados mais de 200 mil óbitos anuais pela doença”, apontou.

O projeto de pesquisa de Luciana, que teve bolsa da FAPESP, foi premiado no 3º Encontro de Pesquisa e Pós-Graduação da Faculdade de Saúde Pública da USP, realizado em dezembro de 2007 com o objetivo de divulgar pesquisas de iniciação científica, mestrado e doutorado desenvolvidas por alunos da faculdade.

O trabalho, intitulado Consumo alimentar e concentrações séricas de micronutrientes: associação com lesões neoplásicas cervicais e orientado pela professora Marly Augusto Cardoso, do Departamento de Nutrição da FSP, ficou em primeiro lugar na categoria Doutorado.

Fonte: Thiago Romero / Agência Fapesp

Fapeam lança edital para o Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-Graduados do Estado do Amazonas

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas lançou edital para o Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-Graduados do Estado do Amazonas (RH Doutorado Fluxo Contínuo).

O objetivo é conceder bolsas de doutorado a profissionais interessados em realizar cursos de pós-graduação stricto sensu em programas de pós-graduação recomendados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) em outros estados da Federação.

O RH Doutorado Fluxo Contínuo traz duas novidades: é exclusivo para estudantes de doutorado e pode ser concedido a qualquer época do ano. “A pessoa residente no Amazonas que tiver a confirmação de que foi selecionada em curso de doutorado em outro estado pode se candidatar a uma bolsa e o pedido será avaliado pela Fapeam”, explicou Odenildo Sena, diretor-presidente da fundação.

O edital terá vigência enquanto existirem cotas de bolsas para o RH Doutorado Fluxo Contínuo. A Fapeam aplicará recursos financeiros estimados em R$ 2,39 milhões, valor que poderá ser ampliado caso haja possibilidade orçamentária.

A Fapeam já dispõe de programa de financiamento de bolsas de pós-graduação stricto sensu, o RH Posgrad, destinado a alunos de mestrado e doutorado em instituição fora do estado. A maior diferença é que, para esse programa, só é lançado um edital anual, sem a possibilidade de concessão de bolsas fora do prazo determinado.

A bolsa de doutorado da Fapeam é de R$ 1.495 mensais. No presente programa, o candidato selecionado receberá bolsa por 12 meses, com renovação anual até o máximo de 48 meses. Também estão previstas duas mensalidades adicionais de bolsas destinadas ao auxílio com despesas de deslocamento e instalação, pagas com a primeira mensalidade, além de uma mensalidade adicional para auxiliar nas despesas com a confecção da tese.

A Fapeam já concedeu, desde 2003, 201 bolsas de doutorado. Esse número foi elevado no segundo semestre do ano passado, quando a instituição resolveu conceder bolsas a todos os alunos matriculados em programas de pós-graduação (nível doutorado) em instituições públicas e particulares do Amazonas.

Outro programa da instituição, o Posgrad, financia bolsas para alunos de mestrado e doutorado, matriculados em instituições do Amazonas. Cada instituição tem uma cota determinada de bolsas de estudo.

Mais informações: www.fapeam.am.gov.br

Fonte: Agência Fapesp

Fapesp abre chamada STIC - AMSUD - Programa Regional de Ciência e Tecnologia da Informação e da Comunicação para a América do Sul

A FAPESP abriu chamada de propostas para cooperação científica entre as instituições participantes do Programa Regional de Ciência e Tecnologia da Informação e da Comunicação para a América do Sul (STIC-Amsud).

O Programa STIC-Amsud é uma iniciativa da França em parceria com Argentina, Brasil, Chile, Peru e Uruguai e visa a incentivar a colaboração em pesquisa e desenvolvimento em computação e tecnologias da informação e comunicação.

Entre os objetivos da chamada estão desenvolver instrumentos que facilitem o intercâmbio de pesquisadores e o compartilhamento de resultados de pesquisa e favorecer sinergias com outros programas regionais e multilaterais na área, em particular os da Comissão Européia.

Podem participar da chamada pesquisadores responsáveis por Auxílios a Pesquisa da Linha Regular, Projetos Temáticos, Apoio a Jovens Pesquisadores ou por Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) financiados pela FAPESP.

A FAPESP poderá apoiar, nas solicitações aprovadas, o intercâmbio de pesquisadores dos países envolvidos, com até 5 mil euros por ano por projeto selecionado. Os recursos deverão ser usados necessariamente com despesas de mobilidade (passagem e diárias para o pesquisador do Estado de São Paulo ir ao país da instituição parceira).

A chamada está aberta a todos os temas relevantes no âmbito das tecnologias da informação e da comunicação. As propostas devem ser apresentadas à FAPESP até o dia 15 de maio de 2008, por pesquisadores do Estado de São Paulo. Devem estar associadas a, no mínimo, uma equipe francesa e uma sul-americana, além da equipe paulista. As propostas deverão estar na forma de uma solicitação de aditivo a projeto em andamento.

Cada projeto deverá ter a duração de no máximo dois anos e sua vigência não poderá exceder a vigência do projeto de pesquisa ao qual o aditivo se vincula.

Mais informações em: www.fapesp.br/stic-amsud2008

Fonte: Agência Fapesp

Ciclo de Conferências sobre Ensino Superior

Expor as principais questões relacionadas ao ensino superior que estão na pauta dos especialistas do governo e do setor privado. Esse é objetivo central do Ciclo de Conferências sobre Ensino Superior, que será realizado de 5 de março a 18 de junho, em Belo Horizonte.

Com promoção do Centro de Estudos sobre Educação Superior e Políticas Públicas para a Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, o encontro contará também, segundo os organizadores, com análises teóricas de como utilizar ferramentas da teoria econômica e da teoria sociológica em questões do ensino superior e da educação em geral.

Mais informações: www.fundep.ufmg.br

Fonte: Agência Fapesp