quinta-feira, 11 de outubro de 2007

9º Congresso Brasileiro de Jornalismo Científico

Nos dias 22 e 23 de novembro, São Paulo (SP) sediará o 9º Congresso Brasileiro de Jornalismo Científico. Sob o tema “Jornalismo Científico e Sociedade: Os Novos Desafios”, o evento terá o objetivo de relembrar a história da divulgação científica no país e delinear os desafios do presente e futuro. O encontro é promovido pela Associação Brasileira de Jornalismo Científico (ABJC).

Para tanto, os participantes poderão assistir a mesas-redondas, sessões de trabalhos orais e apresentação de pôsteres. Haverá, ainda, lançamento de livros sobre o tema proposto.

Os interessados poderão, também, submeter trabalhos para apresentação no congresso. Eles podem ser inscritos nas categorias Oral e Pôster. É necessário que os trabalhos abordem temas como Experiência e Relatos em Jornalismo Científico, Pesquisa em Jornalismo Científico, História da Divulgação Científica e Estratégias de Divulgação em Assessoria de Comunicação. Os trabalhos deverão ser enviados até 15 de outubro, conforme formulário-padrão de resumos e trabalhos, para o e-mail. Para obter o formulário-padrão e ver as normas de submissão, acesse o endereço.

Entre os palestrantes confirmados estão diversos jornalistas com vasta experiência em cobertura científica, como o colunista de Ciência da Folha de S.Paulo, Marcelo Leite.

As inscrições para o congresso devem ser feitas mediante envio da ficha de inscrição para o e-mail . Até o dia 15 deste mês, haverá desconto no valor da taxa de inscrição. As vagas são limitadas.

Mais informações e acesso à ficha de inscrição em http://www.abjc.org.br/menus/congresso.html

Fonte: Gestão CT

8º Simpósio Brasileiro e Encontro Internacional sobre Dor

O 8º Simpósio Brasileiro e Encontro Internacional sobre Dor promoverá, de 25 a 27 de outubro, em São Paulo, debates sobre o desenvolvimento de novas drogas e o aperfeiçoamento de técnicas de reabilitação física e de procedimentos cirúrgicos.

O evento, promovido pelo Instituto Simbidor, reunirá cerca de 160 palestrantes, sendo 21 estrangeiros.

Segundo os organizadores, serão apresentadas as mais diversas terapias da saúde física e mental para o tratamento de dois tipos de dor: aguda, causada por traumatismo, procedimento cirúrgico ou inflamação, e crônica, que exige cuidados constantes e não deriva de uma só causa, mas de vários fatores que favorecem seu desenvolvimento.

Mais informações: www.simbidor.com.br .

Fonte: Agência Fapesp

5º Seminário Estadual de Design - MT


Fonte: 5º Seminário Estadual de Design

Pesquisador da Embrapa afirma que pinhão-manso tem baixa produtividade e alto custo de produção

Em entrevista ao Inovação Energética, o pesquisador da Embrapa Algodão, Liv Soares Severino, revela que, analisando os resultados de pesquisas, verifica-se que a produtividade do pinhão-manso é baixa e tem alto custo de produção, pois depende da colheita manual.

“Quando se cultiva em solos de baixa fertilidade ou com pouca água, a planta pode até resistir para não morrer, mas não é capaz de produzir”, avalia o pesquisador. Ele conta ainda que o pinhão não é resistente a pragas e doenças.

“Nós da Embrapa estamos há dois anos investigando o que há de real nas informações divulgadas, mas descobrimos que praticamente nada do que se divulga pode ser confirmado e, na maioria das vezes, é até o contrário do que se diz por aí”, afirma.

Severino ainda explica o porquê do custo de produção ser alto. “O plantio é feito por mudas, as sementes estão muito caras, a abertura das covas é custosa e ainda, há necessidade de controle de pragas e doenças”, diz.

Na avaliação do pesquisador, a produção dos dois primeiros anos é desprezível, por conta dos gastos com os fertilizantes. Ele explica também que a maturação dos frutos não é uniforme, o que leva a necessidade de se fazer colheitas manuais freqüentes, esse é o principal custo de produção.

Severino acrescenta que o pinhão-manso está se tornando conhecido nos dias de hoje como alternativa para produção de óleo para fazer biodiesel. “Teoricamente, o óleo pode ser usado também para outros fins, mas o biodiesel certamente é o mais importante”.

Meio Ambiente
Já o diretor da empresa BiodieselBR, Univaldo Vedana também, em entrevista ao Inovação Energética, conta que o pinhão-manso contribui de forma benéfica para o meio ambiente. “Ao substituirmos o diesel mineral por biodiesel de pinhão-manso, seguramente, estaremos contribuindo para minimizar os efeitos dos gases poluidores”, afirma.

Cautela
Severino conta ainda que a Embrapa recomenda cautela na produção do pinhão-manso. A idéia é que os agricultores não façam muitos investimentos por enquanto, pois os riscos são altos.

“Estamos juntos com universidades de todo o do Brasil e de outros países trabalhando no desenvolvimento de tecnologia para esse cultivo, mas precisaremos de, no mínimo, cinco anos para termos algum resultado para orientar os produtores”, explica.

Para obter outras informações sobre a planta, acesse o site www.embrapa.br.

Fonte: Gabriela Müller / Inovação Energética

1° SEMINÁRIO DOS PROGRAMAS ESTRATÉGICOS DA APTA - "Bioenergia - Viva melhor com ela"


A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), vinculada a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo realizará o "1º Seminário dos Programas Estratégicos da APTA - Bioenergia - Viva melhor com ela".

O evento ocorrerá no dia 13 de novembro de 2007, no Instituto de Tecnologia dos Alimentos, em Campinas - SP.

Inscrições gratuitas e Programação podem ser acessadas através dos endereços: www.apta.sp.gov.br/bioenergia e www.infobibos.com/bioenergia .

Fonte: APTA