sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Meio ambiente é negócio rentável

A luta contra o aquecimento global abriu um novo campo de trabalho e negócios mundo afora. Meio empreendedores, meio ambientalistas, os pioneiros que apostaram há tempos em negócios “verdes” – comércio de carbono, energias renováveis e tecnologias limpas – hoje colhem os frutos milionários dessa decisão.

Ninguém retrata tão bem esse universo como o engenheiro agrônomo Pedro Moura Costa, que organizou na semana passada o Rio+15, um encontro internacional para discutir as realizações na área ambiental quinze anos depois da Eco 92.

Costa deixou há 20 anos a rotina de praia e estudos no Rio para correr o mundo e se dedicar a questões ambientais. Radicado em Londres, criou há dez anos a Ecosecurities, uma empresa especializada em desenvolver projetos de créditos de carbono – um bônus concedido a quem reduz as emissões e que pode ser vendido para empresas poluidoras, seguindo as regras do Protocolo de Kyoto.

Hoje, a Ecosecurities é a maior empresa de créditos de carbono do mundo e vale mais de US$ 1 bilhão na Bolsa de Londres. Costa já vendeu parte de suas ações e ainda tem 10% da companhia. Ele prefere não falar sobre o quanto lucrou. “Mais que qualquer coisa, sou um ‘ecoempreendedor’”, responde.

Costa começou a atuar no ramo por ser apaixonado por questões ambientais e acabou abrindo um novo mercado. Depois de um período de estudos na Inglaterra, no final dos anos 80, morou cinco anos na Malásia, onde desenvolveu o primeiro Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) – antes chamado de projeto de seqüestro de carbono – para uma empresa florestal. O sucesso da experiência estimulou a abertura da Ecosecurities, sete anos depois.

Ele abriu a empresa em sua casa, em Oxford, na Inglaterra, ao lado da esposa Ruth, inglesa que conheceu na temporada na Malásia. O ano decisivo para a Ecosecurities foi 2005, quando as ações da empresa passaram a ser negociadas na Bolsa de Londres. Foi o ano também em que entrou em vigor o Protocolo de Kyoto, estimulando a criação de projetos ambientais pelos 140 países signatários e inflando a carteira de clientes da consultoria, que prepara e acompanha a execução dos projetos que reduzem a emissão de gases do efeito estufa.

Do escritório em Oxford, Pedro administra cerca de 3 bilhões em créditos de carbono. A Ecosecurities tem uma equipe de 250 pessoas, em 28 escritórios ao redor do mundo.

Fabricante produz pás para usinas eólicas
Em Sorocaba (SP), está um outro exemplo do acerto na aposta nos negócios “ecologicamente corretos”. Lá funciona a fábrica da Tecsis, de onde saem anualmente 4 mil pás que abastecem usinas eólicas – movidas pela força dos ventos – em dez países. A empresa, fundada pelo curitibano Bento Koike, de 51 anos, tem 12 anos e já é a segunda maior produtora independente de pás para esse fim no mundo.

No ano passado, a trajetória de crescimento da empresa foi coroada com um contrato estimado em US$ 1 bilhão com a General Electric, a multinacional americana líder nesse tipo de energia. Mas Koike não confirma o valor da transação.

Outro empresário brasileiro que começa a lucrar com a economia “verde” é Eugênio Singer, paulista de 53 anos que está à frente da Ecosorb. A companhia, especializada na prevenção e tratamento de acidentes ambientais, começou a se expandir a partir do acidente da Petrobras na Baía de Guanabara, em 2000. “Até então, não existia esse tipo de serviço bem estruturado no País”, diz.

O senso de oportunidade colocou a empresa numa trajetória de crescimento de 20% a 30% ao ano a partir de 2002. Em maio, recebeu R$ 20 milhões do fundo de investimentos Stratus.

Fonte: Cimm

Sociesc lança Concurso Programador CAM, tecnologias e processos para fabricação de moldes e matrizes

O Departamento de Pesquisa da SOCIESC lança o concurso Programador CAM com o objetivo de proporcionar discussões técnicas sobre tecnologias e processos utilizados na fabricação de moldes e matrizes. Profissionais que trabalham com a programação CNC e softwares CAD/CAM para a fabricação de moldes e matrizes além de estudantes de graduação, pós-graduação ou alunos de cursos técnicos estão convidados a participar do evento.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas clicando aqui até o dia 18 de outubro. Após a inscrição, o candidato receberá as informações sobre a geometria representativa (CAD 3D) a ser fabricada e trabalhará na elaboração de um plano de trabalho para desenvolve-la. Uma cópia do plano e a justificativa dos processos escolhidos, de no máximo 15 folhas, deverão ser enviadas ao concurso.

Uma banca julgadora avaliará os planos de trabalhos e elegerá a melhor proposta, levando em conta aspectos como tempo de usinagem, qualidade superficial etc.

O concurso visa contribuir com o desenvolvimento deste segmento industrial e demais indústrias relacionadas. “Queremos motivar empresas e usuários à disseminarem e divulgarem o conhecimento desta área. Notamos que há enormes diferenças entre as empresas quanto ao custo, qualidade e prazo de entrega por exemplo. Essa é uma realidade mundial deste segmento”, esclarece Adriano Fagali de Souza, coordenador do concurso.

Uma das características do concurso que o torna especial é que além de ter uma abrangência nacional também se estande a participantes de língua latina. “Até agora temos cerca de 50 inscritos e entre eles há pessoas de origem espanhola e da Costa Rica”, lembra Adriano. Instituições da América Latina, Portugal e Espanha receberão a divulgação do evento.

O vencedor será premiado com um troféu e prêmio de R$4 mil. O trabalho deverá ser apresentado pelo autor no Seminário “Desenvolvimento da Manufatura de Moldes e Matrizes”, que será realizado na SOCIESC, em Joinville, no dia 19 de novembro.

Este evento é realizado pelo Departamento de Pesquisa da SOCIESC, contando com o apoio do Núcleo de Usinagem e Ferramentaria da Associação Comercial e Industrial de Joinville – ACIJ, além de outras instituições e entidades como a ABIMAQ, o Instituto Fábrica do Milênio e AJORPEME.

Fonte: Cimm

R$ 500 mil para projetos de capacitação de recursos humanos na área de Biossegurança - (OGMs).

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCT) irá destinar R$ 500 mil para projetos de capacitação de recursos humanos na área de Biossegurança de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs).

Serão apoiados até dez cursos de curta duração no valor máximo de R$ 50 mil cada, em nível de pós-graduação, direcionados a estudos básicos e aplicados que contribuam para a disseminação da cultura de Biossegurança de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) no País.

As propostas poderão ser apresentadas por coordenadores do curso, professores e pesquisadores com título de doutor, vinculados a programas de pós-graduação em instituições brasileiras de ensino superior, institutos ou centros de pesquisa e desenvolvimento, públicos ou privados.

As inscrições estão abertas até o dia 12 de novembro deste ano.

Serão apoiados projetos na área de saúde humana, animal, vegetal, meio ambiente, fluxo gênico relacionado a OGM e medidas de manejo e procedimentos de descarte destes Organismos.

As propostas devem ser apresentadas via Internet, por meio do Formulário de Propostas On-line.

Veja o edital na íntegra no endereço.

Fonte: CNPq

Seminário Pesquisa Tecnológica


O presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados convida para o Seminário Pesquisa Tecnológica, que integra as atividades da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2007, a ser realizado dia 2 de outubro, das 14h às 19h15, no Plenário 13, Anexo II da Câmara dos Deputados.


Mais informações: (61) 3216-6454/6456


Fonte: COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Finep lança o Projeto Inovar II com recursos de US$ 5 milhões

A Finep lançou, nesta semana, o Projeto Inovar II. A iniciativa conta com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e terá um aporte de US$ 5 milhões.

Segundo informações da financiadora, o projeto é uma continuação do programa de apoio ao mercado de venture capital promovido pela Finep desde 2000. Os novos resultados serão voltados para a realização de ações de estímulo ao setor, como rodadas de negócios, seminários e campanhas de divulgação. A metade dos recursos será aportada pela Finep e o restante pelo BID.

Ainda de acordo com a financiadora, nesse novo projeto não estão incluídos os investimentos destinados aos fundos de venture capital. A expectativa da Finep é preencher uma lacuna existente no apoio ao empreendedorismo nacional.

O objetivo do Projeto Inovar é promover o desenvolvimento das pequenas e médias empresas de base tecnológica por meio de instrumentos para o seu financiamento, especialmente o capital de risco.

Informações complementares podem ser obtidas no endereço.

Fonte: Agência CT

Prêmio Max Feffer de Design Gráfico

Estão abertas, até 31 de outubro, as inscrições para o Prêmio Max Feffer de Design Gráfico. O prêmio, que constitui uma das mais importantes premiações para designers de criação do país, é uma homenagem a Max Feffer, idealizador da Suzano Papel e Celulose. O prêmio é patrocinado pelas empresas Reciclato Suzano, Supremo Duo Design, Supremo Alta Alvura e Suzano Papel e Celulose.

O evento é voltado a profissionais que desenvolvem trabalhos realizados com os papéis Reciclato, Papel Cartão Supremo Duo Design e Supremo Alta Alvura.

Nesta edição do evento, além das categorias promocional, editorial, embalagem e miscelânia, o prêmio trará também a categoria estudante, que constitui uma oportunidade para alunos da área mostrarem seus trabalhos de conclusão de curso. Os três melhores projetos de cada categoria receberão prêmios em dinheiros de até R$ 15 mil cada. Já na categoria estudante, os prêmios serão em forma de equipamentos gráficos, como câmera digital e tablet para desenho.

Empresas, agências de publicidade, editoras, estudantes de design gráfico, escritórios de design e indústrias gráficas também podem inscrever peças, desde que nomeiem os seus autores, que devem ser pessoas físicas.

O júri será formado por conceituados profissionais do mercado, com a curadoria de Helga Mietke.

As inscrições podem ser feitas no endereço.

Informações adicionais podem ser obtidas pelo telefone (11) 3848-1733 (ramal 208) ou pelo e-mail.

Fonte: Gestão CT

Encontro Internacional sobre Normalização e Responsabilidade Social - ISO 26000

No dia 1º de outubro, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) realizará, no Rio de Janeiro (RJ), o Encontro Internacional sobre Normalização e Responsabilidade Social. O evento tem o objetivo de debater a elaboração da norma ISO 26000, que será lançada no fim de 2009.

Entre os temas apresentados no encontro estão: a atuação dos organismos internacionais na responsabilidade social e a visão latino-americana do processo ISO 26000.

A programação prevê a participação de líderes de grupos que colaboram na produção da norma internacional e especialistas da Organização Internacional do Trabalho (ILO, sigla em inglês) e das Nações Unidas (ONU).

O evento é gratuito. A inscrição pode ser feita no endereço.

Mais informações na ABNT.

Fonte: Gestão CT

A Embrapa e Cirad firmam convênio para implantação do Consórcio Internacional de Biologia Avançada

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) firmou, ontem (26), uma parceria com o Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (Cirad, sigla em francês) da França.

O acordo estabelece a implantação do Consórcio Internacional de Biologia Avançada (CIBA), que movimentará mais de US$ 3 milhões e gerenciará estudos da estatal brasileira no Pólo de Pesquisa em Agronomia Tropical e Mediterrânea (Agrópolis), com sede em Montpellier (França).

Assinado em Brasília (DF), pelo diretor-presidente da Embrapa, Silvio Crestana, e pelo diretor-geral do Cirad, Gérard Matheron, o convênio reafirma a continuidade de pesquisas em biologia avançada aplicada para atender às expectativas dos agricultores do mundo tropical, subtropical e mediterrâneo, num período de cinco a dez anos. De acordo com texto divulgado pela Embrapa, na prática, o centro de cooperação francês será o mediador da parceria e, também, da implantação do Ciba.

Segundo o chefe da Assessoria de Relações Internacionais da Embrapa, Elísio Contini, o consórcio é decisivo para os investimentos em genômica vegetal. Ele conta que a proposta é favorecer, por exemplo, o estudo da tolerância à seca e aos nematóides e fungos, de maneira a contribuir com os desafios mundiais de adaptação da agricultura à mudança climática e à redução no uso de pesticidas.

Informações adicionais, pelo endereço ou pelo telefone (61) 3448-4433.

Fonte: Gestão CT

1ª Semana de Geologia e Mineração

O Ministério de Minas e Energia, por meio da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), da Petrobrás e do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), realizará o Ciclo de Palestras da 1ª Semana de Geologia e Mineração. O evento acontecerá no escritório da CPRM, no Rio de Janeiro, de 2 a 5 de outubro.

O encontro irá debater, entre outros temas, o Programa de Aceleração do Crescimento, a política federal para o setor mineral, a importância do mar territorial brasileiro, as alternativas enérgicas para o Brasil e o uso e ocupação do solo urbano e rural.

A programação prevê a participação do ministro de Minas e Energia, Nelson Hubner; do secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, Cláudio Scliar; e do secretário executivo adjunto da Casa Civil, Giles Carriconde Azevedo.

A programação do evento pode ser conferida no endereço.

Os interessados em participar do ciclo de palestras poderão se inscrever através do e-mail.

Mais informações podem ser obtidas no endereço.

Fonte: Agência CT

Exposição Tecnologia e Inovação acontece no Rio de Janeiro

O Instituto Nacional de Tecnologia (INT), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) , Centro de Pesquisas Renato Archer (CenPRA) e Museu Nacional, realiza, de 1º a 5 de outubro, a exposição “Tecnologia e Inovação”. O evento, que acontece no Rio de Janeiro (RJ), faz parte da programação da Semana Nacional de C&T.

Durante a mostra, os visitantes terão a oportunidade de conhecer projetos realizados nos institutos que organizam o evento. Um dele é a “A Bela de Tebas”, uma múmia, do Museu Nacional, que viveu no Egito no ano de 600 a.C. Ela teve seu rosto reconstituído e digitalizado por meio de tomografias computadorizadas, digitalização tridimensional, edição gráfica e prototipagem rápida.

Outra peça presente na exposição é uma cadeira de rodas produzida pelo INT que utiliza modelagem de plástico, pneus de borracha mais resistentes e tamanho do corpo reduzido. O modelo, além de mais durável e prático em relação aos convencionais, tem seu custo de produção menor.

A mostra conta também com réplicas de peças criadas por Alberto Santos Dumont, móveis feitos de garrafas de plástico, estudos sobre redução do uso de energia e maquete apresentando o ciclo produtivo do biodiesel.

A exposição acontece das 9h às 16h, na sede do INT.

Mais informações, pelo telefone (21) 2123-1100.

Fonte: Gestão CT

OMPI aceita INPI como autoridade internacional de busca

A Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI) aceitou, ontem (27), o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) como autoridade internacional de busca e de exame preliminar.

Segundo informações do instituto, a aceitação foi sem restrições e contou com o apoio de 30 países-membros da organização. O Brasil é o primeiro país da América Latina a conquistar tal função.

A medida beneficia empresas e institutos de pesquisa que tenham interesse em depositar patentes e registrar marcas no exterior. Agora, os interessados não precisarão mais procurar um escritório estrangeiro para análise e exame de um depósito internacional. O próprio INPI poderá intermediar a ação.

Dados do instituto mostram que os pedidos internacionais de brasileiros depositados no INPI, que antes precisavam da análise de outros escritórios, cresceram de 264, em 2005, para 313 em 2006. Ainda sim, o instituto considera o aumento tímido diante do potencial demonstrado pelos depósitos de residentes, que em 2005 passou dos 4 mil.

Ainda de acordo com o instituto, outro pedido do Brasil será analisado pela OMPI. Trata-se da permissão para o uso do português como idioma para depósitos internacionais de patentes. Segundo o INPI, se o pedido for aceito, o Brasil estaria dispensado da tradução dos depósitos para um idioma estrangeiro, o que pode gerar economia aos depositantes.

Informações complementares sobre a OMPI podem ser obtidas no endereço.

Fonte: Gestão CT

1º Encontro da Rede Brasileira de Informação de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral

Nos dias 25 e 26 de outubro acontece, em Brasília (DF), o 1º Encontro da Rede Brasileira de Informação de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral (Rede APL Mineral). O objetivo do evento é proporcionar a disseminação do conhecimento tecnológico sobre o tema em questão. O encontro é realizado pelo MCT, Ministério de Minas e Energia, ABIPTI e Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict).

Outra meta do seminário é a de divulgar as potencialidades da Rede APL Mineral, suas competências e os trabalhos desenvolvidos em cada grupo que compõe a rede. Para tanto, os participantes poderão apresentar sugestões, propostas e planos que contribuam para a evolução dos APLs de base mineral.

O encontro contará com diversos especialistas que abordarão nove temáticas diferentes. Entre elas, estão capacitação e qualificação em gestão de APLs; associativismo e cooperativismo; estrutura, gestão e desenvolvimento da rede; e desenvolvimento tecnológico e inovação.

O evento é voltado para micro, pequenos e médios empresários e representantes de órgãos governamentais, associações, cooperativas, sindicatos, universidades, agências de fomento, entidades de pesquisa tecnológica e organizações não-governamentais.As vagas são limitadas.

Mais informações e inscrições, pelo telefone (61) 3348-3129

Fonte: Gestão CT

CBERS-2B envia as primeiras imagens

Duas das câmeras do satélite CBERS-2B, lançado no último dia 19, foram ligadas pela primeira vez nesta terça-feira (25) . Ainda em testes, as imagens da WFI e da CCD foram gravadas na Estação de Cuiabá, unidade do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCT).

Chamado pelos técnicos de “período de comissionamento”, nestes primeiros 30 dias todos os subsistemas e câmaras do satélite enfrentam testes regulares em órbita, para verificar e corrigir eventuais problemas tanto na aquisição como no processamento das imagens.

As imagens foram gravadas durante duas passagens do satélite pelo território brasileiro – às 10h18 e 11h58, horário de Brasília - e abrangem parte da região amazônica. Momento aguardado com ansiedade pelos técnicos, o vídeo mostra a aquisição das primeiras imagens.

“Hoje pudemos constatar que a CCD está funcionando perfeitamente. Já as imagens da WFI precisam ainda de ajustes no software de processamento. Mas é importante saber que este é um período de testes, planejado para este tipo de adequação dos sistemas”, informou José Bacellar, engenheiro do Inpe. Segundo ele, nos próximos dias serão realizados testes também com a HRC, câmara experimental de alta resolução.

Em parceria com a Gisplan, uma empresa nacional, o Inpe desenvolveu um moderno sistema de processamento das imagens, que são recebidas na unidade do Inpe em Cuiabá (MT), passando em seguida para a unidade de Cachoeira Paulista (SP) para processamento e distribuição aos usuários.

Mais informações sobre as imagens do satélite no endereço.

Fonte: Agência CT

4ª Semana Estadual de Ciência e Tecnologia

A comissão organizadora da IV Semana Estadual de Ciência e Tecnologia já contabiliza a inscrição de 413 atividades científicas para o evento, que acontece de 1º a 7 de outubro como parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, promovida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).

O tema deste ano é o “Planeta Terra”. A idéia é despertar o interesse da população capixaba, principalmente crianças e jovens, para a importância dos temas abordados pela IV Semana Estadual de Ciência e Tecnologia, e com isso valorizar a criatividade, a atitude científica e a inovação.

O evento está sendo coordenado pela Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia (Sect) e pela Universidade Federal do Espírito Santo. Da comissão organizadora fazem parte, também, o Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo (Cefetes), a Escola Ciência e Física e da Associação Brasileira de Inventores (Abripi), o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), a Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aqüicultura e Pesca (Seag), a Secretaria de Estadual de Educação (Sedu), a Prefeitura Municipal de Vitória (PMV), a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), a Escola de Medicina da Santa de Misericórdia de Vitória (Emescam). dentre outros.

Ciência e Inovação
Entre as atrações desta edição está a II Mostra Capixaba de Ciência e Inovação, onde serão reunidos trabalhos de destaque de diversas instituições de ensino e pesquisa do Espírito Santo. Paralelo à Mostra também será realizado o 11° Salão do Inventor Brasileiro, que tem como objetivo criar oportunidades para as pessoas, em especial os pequenos inventores, que procuram chances de divulgar o que descobriram e encontrar parceiros para desenvolver suas invenções.

Interiorização
A meta para este ano é trabalhar a interiorização e fazer com que diversos municípios possam promover atividades de ciência, tecnologia e inovação. Como parte da programação já foi realizada a Feira de Ciência e Tecnologia de Castelo. Já estão programadas a II Feira de Ciências e II Mostra Científica de Venda Nova do Imigrante e a I Semana Regional de Ciência e Tecnologia de Santa Teresa. Além disso, os municípios de Cachoeiro de Itapemirim, São Mateus e Alegre também estão preparando atrações. No ano passado, foram realizadas 354 atividades em todo o Estado.

Fonte: SECT

Resultados do XVII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas

O XVII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas, realizado em Belo Horizonte, de 17 a 21 de setembro, contou com 682 participantes. Além de representantes de incubadoras, parques tecnológicos e empresas de 26 estados brasileiros, 16 países compareceram ao evento. Diversas comitivas do Chile, Argentina, África do Sul, México, Uruguai, Guiana Francesa, Espanha, Estados Unidos, Gana e muitas outras estiveram nas palestras e atividades propostas durante uma semana.

O estado brasileiro que mais enviou participantes foi o anfitrião, Minas Gerais, com 141 inscritos, seguido pelo Rio de Janeiro, com 81, e Distrito Federal, com 55. O evento foi oficialmente aberto pelo o Ministro em exercício de Ciência e Tecnologia (MCT), Luiz Antônio Rodrigues Elias, o vice-governador de Minas Gerais, Antonio Augusto Junho Anastásia, a vice-presidente do CNPq, Wrana Panizzi, o diretor técnico do Sebrae, Luiz Carlos Barbosa e o então presidente da Anprotec, José Eduardo Fiates.

A Anprotec comemorou seus 20 anos de existência e seus dirigentes receberam várias homenagens. Foram feitos balanços, mostrando números e vantagens do setor, entre eles o marco de 400 incubadoras no país, 55 parques em fase de projeto, implantação ou operação, seis mil empresas incubadas, graduadas e associadas, dois mil postos de trabalho no gerenciamento das incubadoras, 24 mil empregos diretos nas empresas incubadas e R$ 2,8 bilhões de faturamento, segundo estimativas de 2006. “O investimento público nas incubadoras, durante os últimos 20 anos, foi de R$ 150 milhões. O investimento total para seu estabelecimento foi da ordem de R$ 430 milhões. Mas, os impostos gerados pelas empresas incubadas e graduadas chegam aos R$ 400 milhões por ano”, ressaltou Fiates.

A Anprotec ainda fez seu balanço anual junto aos associados e elegeu sua nova diretoria, composta por pelo presidente, Guilherme Ary Plonski, vice-presidente, Christiano Becker, e diretores, Gisa Bassalo, Josealdo Tonholo, Paulo Gonzalez e Silvestre Labiak Junior.

Minicursos, Workshop, Reuniões e Prêmios
Durante uma semana, foram nove minicursos, cujo objetivo foi capacitar gestores de incubadoras de empresas e parques tecnológicos, além de empreendedores e entidades parceiras.

O XV Workshop Anprotec, realizado durante dois dias do evento, também capacitou os participantes e debateu assuntos da área de incubação e parques. Com dois temas - Oportunidade e Tendências da Política Industrial, Tecnologia e Comércio Exterior (PITCE) e O Desafio das Cidades – o encontro foi um sucesso de público, trazendo um panorama sobre as áreas mais relevantes para o desenvolvimento do setor no Brasil e as que ainda necessitam de investimento.

"Os temas discutidos no Workshop são muito importantes no processo de desenvolvimento industrial. São áreas que os outros países investem muito e o Brasil não pode ficar atrás" disse o diretor da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Clayton Campanhola. Segundo ele, o segmento de biotecnologia – um dos painéis debatidos - representa um desafio ainda maior. "A política nacional de biotecnologia priorizou algumas áreas: agronegócios, meio ambiente e indústria. Precisamos ter diretrizes mais claras para o futuro", afirmou.

O secretário de Planejamento do Município de Belo Horizonte, Julio Ribeiro Pires, e o diretor executivo do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (IETS), André Urani, discutiram sobre o desafio de desenvolvimento e de reconversão dos territórios urbanos, dentro do tema das Cidades. "As metrópoles precisam ser reinventadas e as pessoas precisam pensar em ações, em políticas que não são de curto prazo."

O Encontro das Mercocidades reuniu prefeitos e autoridades de várias cidades do Brasil e um representante do Uruguai. Estavam presentes administradores de Contagem (MG), Porto Alegre (RS), Vitória (ES), Curitiba (PR), Santos (SP) e Belo Horizonte (MG).

O grande destaque nas atividades foi a programação especial, que contou com três encontros distintos: um com representantes do Legislativo, para discutir sobre parques tecnológicos, outro com a Rede Latino-Americana das Associações Nacionais de Parques Tecnológicos e Incubadoras (RELAPI) e o último foi o “III Encontro da Aliança em Prol do Empreendedorismo Inovador no Brasil para Dirigentes Universitários”. Este último reuniu mais de cem participantes, sendo 40 reitores e vice-reitores brasileiros e estrangeiros, 30 pró-reitores e 30 assessores diretos de dirigentes de universidades públicas ou privadas.

A sessão ressaltou a universidade como empreendedora, apresentando visões de como uma instituição deve se relacionar com equipamentos de inovação, como Parques Tecnológicos, Incubadoras de Empresas, Núcleos de Inovação, tecnologias Sociais, entre outros. Outra abordagem, envolveu a educação empreendedora e inovadora, destacando que os modelos de universidade sustentados pelo tripé pesquisa-ensino-extensão são ultrapassados e ineficientes, devendo serem reconsiderados.

O evento premiou e homenageou várias pessoas e empresas com o Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador, Empreender é Show e com as premiações de melhor boa prática, artigo e pôster. Veja quem ganhou:

Melhor Programa de Incubação de Empreendimentos Inovadores: Inova, incubadora da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte (MG);

Melhor Parque Tecnológico: Porto Digital, de Recife (PE);

Melhor Programa de Incubação: Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP), Coppe, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro (RJ).

Melhor Empresa Incubada: PAM Membranas Seletivas, Coppe/UFRJ, Rio de Janeiro (RJ).

Melhor Empresa Graduada: Audaces Automação e Informática Industrial, Incubadora Celta, de Florianópolis (SC);

Melhor Projeto de Promoção da Cultura do Empreendedorismo Inovador: Instituto Gene/FURB, de Blumenau (SC), e Supera, de Ribeirão Preto (SP);

Empreender é Show: 1º lugar: B2ML, de Itajubá (MG); 2º lugar: Consulti, de Criciúma (SC);

Melhor Artigo Completo: Sônia Marise, UnB, Brasília (DF);

Melhor Pôster: Odailton Silva Arruda, Carlos Alberto Fróes Lima, José Ricardo Potillo Navas, André Trenó Ricarte e Albert Brasil Gradvohl, Campinas (SP);

Melhor Boa Prática: Cristiane Silve de Albuquerque Souza, Luiza Félix, Ricardo Vicente da Costa Palazzo, Ronaldo Antônio Miguel Monteiro e Tatyana Teixeira Monteiro, Rio de Janeiro (RJ).

Plenárias
As plenárias do Seminário Nacional ficaram lotadas para ouvir sobre “As novas Minas do Conhecimento - tendências para os próximos 20 anos” e "Agora que são elas: mulheres empreendedoras”. Este ano, o evento contou com uma novidade, em seu último dia, dividiu as palestras em duas sessões, uma dedicada exclusivamente às incubadoras e outra, aos parques tecnológicos. Neste quadro, foram mostradas diversas experiências de sucesso no Brasil e no mundo e o “caminho das pedras” para aqueles que querem promover o desenvolvimento nas duas áreas.

A palestra sobre novas tendências, ministradas pelo pesquisador do Instituto de Pesquisa de Futuro de Copenhagen, Dinamarca, Klaus Mogensen, foi polêmica. Para ele, o empreendedor inovador terá de conquistar consumidores criativos e conviver com a "nova anarquia". Mogensen falou das mudanças nas relações humanas e comerciais provocadas pela internet. Na sociedade do novo anarquismo, diferentemente da sociedade comercial, não é preciso pagar por vários produtos e serviços, o trabalho pode ser voluntário e realizado por amadores, a produção e distribuição de bens é descentralizada e não há a quem responsabilizar por erros ou defeitos. "Um mundo desafia o outro. Eles competem entre si e a tendência é que se melhorem. Precisamos dos dois sistemas", afirma Klaus.

A segunda plenária, tratou das mulheres empreendedoras Discutiu-se o papel feminino no desenvolvimento da inovação, apresentando casos de sucessos de mulheres que estão liderando programas empreendedores em todo mundo. A palestrante, presidente e fundadora da Herbarium, Magrid Teske, explicou sobre o desafio de montar uma empresa que atuava em uma área masculina. Ela atraiu o marketing espontâneo da mídia para sua marca.

Nas palestras sobre incubação, o tema “A terra é boa e generosa: em se incubando tudo dá – incubadoras como mecanismo de emancipação social”, discutiu-se as formas e técnicas de conseguir com que o empreendedorismo inovador mude comunidades carentes, por meio de projetos sustentáveis.

A sessão “Cresça e Apareça – o desafio da incubação orientada para o alto crescimento”, mostrou dados e perspectivas do mercado de ações e formas para que as incubadoras busquem este recurso como alternativa para enxergar um mundo globalizado e participar de negócios mundiais.

Na última sessão plenária sobre incubadoras - “Aqui e agora – como promover o desenvolvimento local e setorial com a incubação de novos empreendimentos” - o exemplo foi Barcelona, na Espanha, cuja incubadora de base tecnológica (Barcelona Activa) se transformou em uma agência de desenvolvimento local. O projeto busca criar empregos e dar novo perfil e conferir mais competitividade à economia local. Ele trabalha pela criação de novas empresas, desenvolvimento e competitividade das que já existem e pela promoção da inovação.

Na sessão “Parques Tecnológicos e Universidades” o tema foi explorado mostrando a importância de uma base para a criação de um parque tecnológico, que deve ter o apoio de uma boa universidade de pesquisa, um setor público coeso e um bom ambiente institucional. No Brasil, um dos maiores problemas está no setor público, que nem sempre está disposto a apoiar os empreendimentos.

A plenária “Parques Tecnológicos Setoriais" finalizou os trabalhos e abordou o processo de criação, baseado na experiência do Laval Technopole – um Parque Tecnológico canadense com base em ciências da vida. O debate se estendeu com discussões sobre a necessidade de interação do Parque Tecnológico com a localidade, com aproveitamento do potencial e da vocação local durante a implantação do projeto.

Diversidades
O Shopping das Incubadoras que contou com quase 40 stands com produtos originados de diversos lugares do Brasil foi uma atração à parte. Foram expostos acessórios, produtos alimentícios, softwares, materiais ecológicos, artes, produtos eletromecânicos, decoração e muitos outros. Para a empresária Mary Frias, do Rio de Janeiro, que expôs bijuterias feitas com garrafas pet, a oportunidade foi um bom negócio. “Além de ver as palestras e aumentar meu conhecimento, consegui fazer muitos contatos e vender produtos. Divulguei meu trabalho.”

Após o evento, foram feitas visitas técnicas. Os participantes interessados puderam conhecer a fábrica da Fiat, a incubadora Inova/Age - da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) - e o Parque Tecnológico BHTEC, a Biominas, no Centro Tecnológico de Minas Gerais (CETEC), ou o Senai Horto.

Na Inova, por exemplo, cerca de 30 gerentes e funcionários de incubadoras e parques tecnológicos fizeram a visita ao local. Eles puderam conhecer as instalações da incubadora, seus programas e projetos, além do espaço onde ficam as empresas incubadas. A equipe do BHTEC apresentou o projeto do primeiro parque tecnológico da capital mineira, em fase inicial de construção.

Fonte : Márcio Caetano / Michelle Araujo / Anprotec