terça-feira, 25 de setembro de 2007

Finep apresenta novas regras para contrapartidas

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT) estabeleceu, desde o início do ano, novas regras para as contrapartidas em seus convênios. Desde então, as instituições privadas sem fins lucrativos – como, por exemplo, as fundações universitárias – também são obrigadas a aportar recursos financeiros ou não financeiros. Ficam de fora apenas as instituições de assistência social e saúde.

O motivo da mudança foi o artigo 37 da Lei nº 11.439/2006 (Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO 2007). A regra não se aplica aos convênios oriundos dos editais lançados até 28/12/2006, mas para os lançados em 2007, assim como para as encomendas contratadas neste ano, já estão valendo os percentuais definidos.

Considerando-se o local onde será executado o projeto será exigida contrapartida entre 3% e 5% para municípios com até 25 mil habitantes; entre 5% e 10% para municípios no Norte, Nordeste e Centro-Oeste; e entre 20% e 40% para os demais.

Vale destacar que em 2008 haverá algumas alterações já definidas. O percentual entre 3% e 5% será estendido aos municípios com até 50 mil habitantes e a faixa de 20% a 40% passa a ter contrapartida mínima menor, indo de 10% a 40%.

Leia o documento complementar para explicações mais detalhadas e esclarecimentos sobre a contrapartida de entes da Federação.

Fonte: Agência CT

Aumento de 12,3% na área cultivada com cana-de-açucar no Centro-Sul brasileiro

Em um ano, um aumento de 12,3% na área cultivada com cana-de-açúcar e disponível para colheita no Centro-Sul do país. Só em São Paulo, responsável por 68% da cana cultivada na região, o total subiu de 3,04 milhões para 3,35 milhões de hectares entre as safras 2005/2006 e 2006/2007.

Os dados são do projeto Canasat, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que desde 2003 utiliza imagens de sensoriamento remoto, fornecidas por sensores dos satélites Landsat e CBERS, para mapear e quantificar a área cultivada em oito estados: Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná e São Paulo.

As informações mais recentes disponíveis se referem à safra 2007/2008, cuja área para colheita chega a 3,95 milhões de hectares. “Essa é a safra de cana que começou a ser colhida em abril. Ela termina em novembro deste ano e será comercializada em 2008”, disse Bernardo Rudorff, coordenador do projeto Canasat.

“Se para São Paulo somarmos a área disponível para colheita com a que foi ‘reformada’, ou seja, que já foi plantada mas será colhida em 2008, teremos 4,22 milhões de hectares. Esse é o total cultivado com cana-de-açúcar hoje em São Paulo, o maior estado produtor do país”, complementou o pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto (DSR) do Inpe.

Trata-se de um aumento de quase 15% na área cultivada, uma vez que, considerando as áreas de reforma, o Estado de São Paulo registrava 3,66 milhões de hectares cultivados em 2006/2007.

As informações estão disponíveis na internet por meio de mapas temáticos com a distribuição espacial da cana, além da localização de usinas e destilarias. Com isso, é possível fazer análises como em que áreas a cana está se expandindo mais e quanto e onde cada município cultiva.

Segundo Rudorff, a cultura da cana tem características favoráveis para a identificação nas imagens de satélites. “A cana se destaca bem nesse tipo de imagem, principalmente porque se trata de uma cultura plantada em grandes áreas, o que a torna compatível com a resolução dos sensores de satélites”, explicou, ressaltando que o Brasil é o maior produtor de cana-de-açúcar no mundo.

Os pesquisadores calculam a área cultivada em cada cidade por meio do cruzamento das informações de satélite com mapas político-geográficos contendo os limites municipais. Paraná é o segundo estado que mais produz na região Centro-Sul, com 541 mil hectares, seguido de Minas Gerais, com 483 mil hectares.

O projeto Canasat é executado pelo Inpe em parceria com a União da Agroindústria Canavieira de São Paulo (Unica), com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) e com o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC).

Além de ser usado por produtores e gestores do agronegócio da cana para a previsão e estimativa da área plantada, representantes do governo federal, especialmente da Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental e da Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável, ambas do Ministério do Meio Ambiente (MMA), atualmente utilizam os dados do Canasat para o estudo da distribuição espacial da cultura e discussão de novas políticas públicas na área.

Mais informações no endereço.

Fonte: Thiago Romero / Agência Fapesp

Brasil inicia a venda de suas florestas

A primeira mata pública a ser licitada para a iniciativa privada dentro do programa que o governo federal chama de manejo sustentável fica na Floresta Nacional (Flona) do Jamari, em Rondônia. A unidade de conservação tem 220 mil hectares e quase metade (90 mil hectares) será entregue como concessão. A responsabilidade por essa medida é do Ministério do Meio Ambiente, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB), que vai gerenciar o programa.

Mesmo com milhões de hectares degradados principalmente por pastagens, incluindo a Amazônia, o governo optou por entregar floresta em pé para exploração, que prevê pagamento pelo uso dos recursos naturais e manejo sustentável, que é retirar do local uma quantidade de produtos que não prejudiquem sua recuperação. Nos 90 mil hectares podem ser explorados frutos, madeira, sementes, resinas, óleos, entre outros produtos

A concessão de florestas públicas pode ser liberada por 5 a 40 anos e poder á ser feita a empresas instaladas no País, independentemente da origem do capital. A área do Jamari será dividida em lotes de pequeno, médio e grande porte, que serão licitados separadamente e com regras distintas. O contrato de concessão da Floresta Nacional do Jamari tem assinatura prevista para março.

A concessão de áreas públicas para manejo sustentável deveria privilegiar áreas desmatadas, para reflorestamento, e não as já preservadas, afirmou Vanderleide Ferreira de Souza, do Conselho Nacional de Seringueiros. em entrevista à Rádio Nacional da Amazônia. Em entrevista à Agência Brasil, o geógrafo Aziz Ab Saber, presidente de honra da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e professor emérito da USP, também criticou a medida: "Tenho absoluta certeza de que o exemplo, mais uma vez, mostra que o Brasil continua não sabendo gerenciar sua floresta. Estão, agora, privatizando a floresta".

Fonte: Diário Net

B2ML de Itajubá–MG e Consulti de Criciúma–SC vencem o primeiro reality experience das empresas incubadas

Após nove meses de competição, as empresas B2ML e Consulti vencem o Empreender é Show 2007. O anúncio foi feito após a disputa de prova final entre quatro equipes, realizada em Belo Horizonte, durante o XVII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas, nos dias 17 e 21 deste mês.

Desde o início da competição, a equipe da B2ML Sistemas mostrou que não estava de brincadeira. Das cinco missões disputadas, faturou duas e ficou em segundo lugar nas outras três. A Consulti, por outro lado, também não dormiu no ponto, sempre mantendo a regularidade venceu uma das cinco provas, conquistou um segundo lugar e manteve-se em terceiro nas demais. Resultado: Em breve, os empreendedores das duas empresas realizarão uma viagem internacional de prospecção de negócios. Esse foi o prêmio concedido pela Anprotec aos vencedores do Empreender é Show – A aventura de uma geração inovadora, o reality experience de promoção dos empreendimentos gerados em incubadoras de empresas do País.

Formada por cinco sócios, recém saídos da universidade, a campeã B2ML entrou na disputa com o propósito de promover a imagem da empresa. “Nós aceitamos o desafio mais pela visilibidade que ele poderia proporcionar do que pela premiação, que também é muito interessante. Tanto é verdade que após nossa adesão ao Programa, tivemos um crescimento de 20% nas visitas ao site de nossa empresa”, explica Allan Raymond Simonelli Mobley, sócio e diretor da empresa.

A vice-campeã Consulti, por sua vez, buscava novos desafios que estivessem fora de sua área de conforto para testar e provar seu potencial de superação: “Todas as provas foram muito difíceis. Vender camisetas, por exemplo, para nós foi um grande desafio, porém, uma tarefa muito prazerosa e reveladora. Apesar das dificuldades, conseguimos cumprir todas as provas com êxito e com muita alegria”, afirma Márcio Figueiredo sócio e administrador da Consulti.

No decorrer da competição, as equipes adotavam estratégias diferentes para a conquista das provas. A B2ML, por exemplo, buscou se apoiar em três fatores: seriedade, divulgação e articulação de parcerias. É o que confirma o sócio Leandro Mesquita de Morais: “Nossa atuação não poderia ter sido melhor. Dedicamos muita atenção, recursos e esforços para o cumprimento de cada uma das provas, principalmente, pelo desafio de realizar ações em curtíssimo prazo e de áreas distintas à nossa atividade”. Leandro ainda lembra que sem o apoio de seus padrinhos a vitória não seria possível. “Durante a competição, sempre contamos com o apoio dos parceiros, tanto para a elaboração das provas como para a votação do público”, conclui.

Apoio que fez a diferença
Para o reitor da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI/MG), professor Renato Aquino, que ajudou a B2ML durante a competição, inclusive pessoalmente na prova final, o apoio não foi mais do que uma obrigação. “Valorizar novos instrumentos como incubadoras e seus empreendimentos é uma obrigação da nova universidade no Brasil, não só com o intuito de gerar conhecimento, mas também de aplicação desse conhecimento na geração de produtos inovadores, de riqueza e de bem-estar social. Por isso, nos sentimos lisonjeadas e parabenizamos o desempenho dos empreendedores da B2ML”, enfatiza Aquino.

Confiança também não faltou aos parceiros da Consulti. Joselito Pizzetti, padrinho da empresa e gestor do Midisul, onde ela é residente, acreditou desde o início no êxito de seus empreendedores. “A Consulti demonstra um aprimoramento em suas ações, dignas de empresas vencedoras. Esse comportamento diz respeito à qualidade do produto e do atendimento da empresa, aliados à vontade de vencer, não medindo esforços para superar os obstáculos”, reconhece Joselito.

Para Geanete Dias Morais Batista, gerente da incubadora de empresas e madrinha da B2ML no Programa, mais do que uma obrigação, foi um prazer ajudar os seus “meninos” superarem mais um desafio. “Sempre acreditei no potencial dos meus meninos. Acompanhei de perto o esforço de cada um deles para a superação das missões do Programa, sempre orientando e estimulando a darem o máximo de si como se as tarefas fizessem parte do dia-a-dia da empresa”, afirma a orgulhosa Geanete.

Na missão final, denominada ‘O Grande Desafio’, as campeãs B2ML e Consulti disputaram com dois fortes concorrentes, a Biologicus do Recife–PE, e a BCS de Campinas–SP, uma prova para administrar uma empresa virtual de cosméticos, utilizando o software do Desafio Sebrae 2007. Durante dois dias, 17 e 18, as quatro equipes, formadas por dois membros cada, ficaram confinadas em uma sala reservada exclusivamente para o desenvolvimento da missão, que contou com a organização da Coppe/UFRJ, instituição que desenvolve o software para o Desafio Sebrae.

Trajetória Campeã
A B2ML foi destaque em todas as missões do Programa. Na primeira, “Sua empresa na Internet” os empreendedores inseriram informações sobre a empresa, seus produtos, principais clientes, parcerias, entre outras, fazendo com que fosse eleita vencedora da prova, tanto na avaliação do júri quanto na votação do público.

Na Missão II, na qual as empresas tiveram que elaborar um Estudo de Viabilidade Técnica Econômica (EVTE), apesar de ficar em segundo lugar, a B2ML continuou a liderar o ranking do Programa. Nessa missão a empresa foi destaque na votação do público, com mais de 350 votos.

Quando se falou em colocar as “Mãos à Obra”, tema da Missão III, a campeã se superou. Com R$ 200, cedidos pelo Programa e por sua incubadora, a empresa comprou, promoveu e vendeu camisetas, gerando um faturamento de R$ 4.500, que foram revertidos na compra de equipamentos para a incubadora. Esse desempenho garantiu a segunda colocação na missão e a permanência na liderança no ranking geral.

Na “Busca de Crédito no Banco do Brasil”, Missão IV, novamente a B2ML manteve-se em segundo lugar, atrás da empresa Consulti. Apesar disso, permaneceu na liderança da competição e se destacou pela expressiva votação do público, ultrapassando a marca dos 1300 votos.

Por estar à frente no ranking, na final a B2ML teve uma vantagem competitiva de quatro pontos na pontuação da etapa – que, no fim das contas, não precisou utilizar para vencer a prova.

Conheça a atuação das demais finalistas

Biologicus – Empreendedorismo e superação
Doutor Djalma e doutora Maria de Fátima surpreenderam e desafiaram os demais concorrentes – eles fizeram o impossível se tornar mais do que possível.

Iniciaram a competição com uma atuação fraca na primeira missão, o que garantiu apenas a quarta colocação no ranking. Porém, a má atuação no início não se repetiu na segunda prova, muito pelo contrário, ela foi a melhor no desenvolvimento do EVTE.

Daí por diante não foi diferente. Primeiro lugar na Missão III “Mãos à Obra”: Com R$ 200 de investimento inicial, faturou mais de R$ 5.500 com a venda de 100 camisetas. Terceiro lugar na Missão IV “Em busca de crédito no Banco do Brasil”: Eles solicitaram o valor de R$ 400 mil para a compra de equipamentos de última geração. Terceiro lugar na Missão V “O grande desafio”: por quase três dias, o pesquisador, doutor e médico Djalma Marques deixou seus afazeres, suas pesquisas e sua empresa para disputar com simpatia e alegria a final do Programa.

Durante o Programa, além de todas as suas atribuições, o Dr. Djalma ainda se tornou professor de civilidade. Ele foi a diversas escolas e faculdades ensinar crianças e adolescentes sobre a importância do voto – exemplificando, é claro, com o processo de votação do Empreender é Show. Como resultado, a Biologicus foi a empresa mais votada de toda a competição, totalizando 2606 votos.

BCS Tecnologia – Aos poucos chegou lá
O desempenho da BCS Tecnologia passou por altos e baixos. Segundo lugar na Missão I, terceiro na Missão II, sétimo na Missão III, sexto na Missão IV e quarta colocação na Missão V.

Apesar da instabilidade durante a competição, a BCS chegou às finais graças ao esforço do casal Christiane e Flávio Ulbrich e pelo de seu padrinho, Davi Sales, gestor da Incubadora da Unicamp, que contribui durante toda a competição, inclusive para viabilizar a participação da equipe na final.

O que é o Empreender é Show?
O Empreender é Show é um reality experience, criado pela Anprotec, que reuniu nove empresas concorrentes de diferentes setores, para estimular o empreendedorismo inovador. Entre março e setembro deste ano, as participantes tiveram que realizar cinco tarefas e foram avaliadas pelo público por júris formados a cada missão.

Como premiação as vencedoras receberam um vale viagem, para prospecção internacional de negócios, e um ano, para o primeiro lugar, e seis meses, para o segundo, de anúncio gratuito na revista Lócus, que hoje é o principal veículo de comunicação do Movimento Nacional de Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos.

A edição do Empreender é Show deste ano contou com a participação das empresas: Nutribox, de São Paulo (SP), Hollos de Brasília (DF), B2ML de Itajubá (MG), Biologicus do Recife (PE), Consulti de Criciúma (SC), TV Bus de Campo Grande (MS) e as empresas Favela Receptiva e Kognitus do Rio de Janeiro (RJ).

Maiores informações pelo endereço ou pelo telefone (61) 32021555

Fonte: Márcio Caetano / Anprotec

5ª Jornada Internacional sobre Violência contra Crianças

A violência contra crianças é um tema que sempre chocou a sociedade, principalmente porque, na maioria das vezes, os agressores são membros da própria família ou pessoas bastante próximas às vítimas, como parentes e vizinhos. Para discutir o assunto, o Instituto de Psicologia da UERJ realizará, nos dias 28 e 29 de setembro, a V Jornada Internacional sobre Violência contra Crianças.

Os principais objetivos do evento são contribuir para o avanço dos conhecimentos específicos na área e oferecer mais informações aos profissionais que prestam assistência às crianças vítimas de violência e abuso sexual. Segundo a professora Maria Luiza Bustamante de Sá, coordenadora do evento, as expectativas são que o público saia da Jornada atualizado sobre o tema e que possa vir a se interessar mais sobre este campo de atuação.

Maria Luiza aponta para a existência de um imaginário social que coloca a infância como um segmento menos valorizado em relação à população adulta. “Os adultos consideram a criança e suas necessidades para a construção de um adulto saudável apenas no discurso, mas não na prática”, ressalta. A psicóloga acredita que toda essa lógica que trata a criança como um cidadão de segunda classe acaba autorizando os adultos a cometerem abusos, sem que tais ocorrências sejam denunciadas.

Os palestrantes serão professores e pesquisadores da UERJ, UFRJ, UFF, Fiocruz, entre outras instituições. Durante o evento, será lançado o livro O trauma, o estranho e o psiquiatrismo infantil, da psicóloga e ex-aluna da UERJ Cristiane Neves Pereira.

Os interessados podem se inscrever até o dia 27 de setembro no Serviço de Psicologia Aplicada (SPA) do Instituto de Psicologia, sala 10.005, 10º andar. No dia 28 de setembro, as inscrições serão feitas no auditório 91, 9º andar. A taxa custa R$ 20,00 para estudantes e R$ 40,00 para profissionais. Mais informações pelos telefones 2587-7101 e 2587-7756.

Fonte: Marcelle Fonseca / UERJ

Uso preventivo de antiinflamatório contra seqüelas no pulmão pelo uso de ventilação mecânica

Uma pesquisa realizada na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) mostrou que o uso preventivo de uma droga antiinflamatória pode proteger os pulmões das graves seqüelas deixadas pela ventilação mecânica – método amplamente utilizado após cirurgias e em diversos casos de doenças pulmonares.

O estudo, segundo o coordenador Itamar de Oliveira-Júnior, do Departamento de Medicina, avaliou os efeitos antiinflamatórios da pentoxifilina em uma situação clínica específica que geralmente leva à síndrome de aspiração do conteúdo gástrico que, por sua vez, causa a síndrome do desconforto respiratório.

Ao desentubar um paciente que passou por processo cirúrgico, freqüentemente ocorre um refluxo gástrico que atinge os pulmões, causando lesões e comprometendo a respiração. Para restabelecer a oxigenação dos tecidos, utiliza-se a ventilação mecânica.

“O problema da ventilação mecânica é que ela melhora a oxigenação, mas não protege o pulmão, causando danos nos tecidos e levando a um processo inflamatório. Isso provoca um efeito cascata em todo o organismo. É o que se conhece como falência múltipla de órgãos”, disse Oliveira-Júnior.

Os pesquisadores utilizaram modelos animais para estudar como os efeitos da pentoxifilina podem deter o processo inflamatório. No início de setembro, o trabalho recebeu o prêmio Travel Award do Congresso da Sociedade Internacional de Biologia e Medicina de Radicais Livres. Em outubro, o estudo será publicado na revista brasileira Clinics e na espanhola Archivos de Bronconeumología.

Segundo Oliveira-Júnior, foi utilizado ácido clorídrico para induzir lesões pulmonares em quatro grupos de ratos, simulando a situação de um paciente com síndrome de aspiração do conteúdo gástrico.

Um grupo recebeu apenas ventilação mecânica. O segundo, ácido clorídrico e ventilação. Um terceiro recebeu ácido, pentoxicilina e ventilação. Ao último grupo foi dada a pentoxicilina previamente e, em seguida, ácido e ventilação mecânica.

“O quarto grupo teve uma proteção fantástica contra a cascata inflamatória. A droga protegeu o pulmão dos animais contra os mediadores inflamatórios e não apenas diminuiu o dano corrosivo do ácido como melhorou a oxigenação do animal”, disse o pesquisador.

O estudo indicou uma solução promissora para a proteção de pacientes que serão submetidos a cirurgia. “Os resultados são animadores e a droga funcionou muito bem usada preventivamente. Agora, vamos estudar outras variáveis, considerando a doença de base do paciente para avaliar outras alternativas de drogas”, disse.

A pentoxifilina é utilizada freqüentemente para pacientes com problemas circulatórios. A droga tem a propriedade de mudar a forma das hemácias e de proporcionar dilatação alveolar, reduzindo os mediadores inflamatórios.

“Queremos trabalhar com outras drogas e fitoterápicos para saber até que ponto eles bloqueiam a cascata inflamatória. Uma das alternativas será o uso de extrato de uva para tentar diminuir o estresse oxidativo”, disse.

Na pesquisa, a equipe também constatou que os animais que foram submetidos à ação do ácido clorídrico e à ventilação mecânica apresentaram concentração menor de corticosterona nos pulmões. A substância, semelhante ao cortisol em humanos, é um bloqueador de mediador inflamatório.

“A corticosterona reduz o processo inflamatório, mas, no pulmão, ela quase não tem efeito, porque o ventilador mecânico faz uma pressão que não permite a ação antiinflamatória. Por outro lado, a alta concentração da droga na circulação aumenta o mediador inflamatório, levando o processo de inflamação à cronicidade e atingindo outros órgãos”, explicou.

Atenção especial aos idosos
Todos os problemas causados pela ventilação mecânica se tornam muito mais graves em pacientes idosos. Por isso, a equipe da Unifesp iniciou, em julho, um novo estudo para comparar a resposta inflamatória entre animais adultos e idosos submetidos à ventilação mecânica. O projeto, que deverá ser concluído em junho de 2009, tem apoio da FAPESP na modalidade auxílio a pesquisa.

“O volume de oxigênio aplicado no paciente é proporcional ao peso, desconsiderando a faixa etária. Achamos que isso precisa ser mudado. A caixa toráxica e os alvéolos do idoso não se expandem como ocorre no adulto e os efeitos da ventilação são ainda mais graves”, disse Oliveira-Júnior.

Além dos pacientes que saíram de processo cirúrgico, a ventilação mecânica é utilizada em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica, asma grave ou enfisema pulmonar, por exemplo. “Queremos encontrar ações preventivas viáveis, já que não há alternativas para o processo de ventilação mecânica”, afirmou.

Segundo Oliveira-Júnior a maior parte dos idosos, principalmente os que moram em grandes centros, tem algum tipo de infecção crônica. “Quando uma pessoa nessas condições entra em um centro cirúrgico, não há dúvida de que ela sairá de lá um pouco pior do que antes. Sabemos que não podemos ventilar o idoso da mesma forma que um adulto ou criança. Por isso, precisamos criar um processo protetor”, disse.

Fonte: Fábio de Castro / Agência Fapesp

18º Rapal - Reunião de Administradores de Programas Antárticos Latino-americanos

A 18º Reunião de Administradores de Programas Antárticos Latino-americanos (Rapal) começa hoje à noite (25), em Brasília, e prossegue até sexta-feira (28). Anualmente Argentina, Brasil, Chile, Uruguai, Equador e Peru se reúnem para debater temas logísticos relevantes para a região Antártica.

Este ano o Rapal, que é um fórum de coordenação latino-americano também reunirá pesquisadores para debater questões ligadas a área ambiental e científica.

A abertura acontece nesta terça-feira (25), às 20h, no Hotel Sonesta, na SHN, Quadra 5, Bloco B.

Fonte: Agência CT

UFES lança edital para contratação de professores

Encontram-se abertas no período de 24/09 a 23/10 Inscrições para seleção de Professores Adjunto nas áreas citadas abaixo para UFES/Campus de Alegre:

- Física
- Química
- Cálculo Diferencial e Integral
- Estatística
- Termodinâmica e Mecânica dos Fluídos
- Biologia Celuar e Molecular
- Botânica/ Anatômia e Fisiologia Vegetal
- Economia e Administração

Nota - Caso no período citado não apresente candidatos com doutorado o edital é aberto automaticamente para mestre com data de inscrição de 24/10 a 07/11.

Maiores informações estão disponíveis em CCA/UFES.

Fonte : CCA / UFES

UFABC lança três editais de concursos para contratação de professores

A Universidade Federal do ABC divulgou três editais de concursos para contratação de professores adjuntos. Ao todo são 28 vagas em diversas áreas de conhecimento, vinculadas à ciência e tecnologia. O regime de trabalho é de tempo integral (40 horas semanais) com dedicação exclusiva e remuneração inicial de R$ 5.549,41.

Segundo a UFABC, os candidatos devem ter título de doutor com validade nacional. O sistema de avaliação inclui prova escrita específica eliminatória, análise de currículo, defesa de projeto de pesquisa e prova didática.

A inscrição deve ser realizada pessoalmente, no campus em Santo André, ou por via postal (Sedex). A taxa custa R$ 100,00 e o prazo para as inscrições vai até outubro em datas que variam de acordo com o edital (dias 14, 19 e 25).

Por se tratar de uma universidade com projeto acadêmico de natureza interdisciplinar e multicampi, os docentes da UFABC também desenvolvem atividades correlatas à área de inscrição no concurso em todas as unidades da instituição.

Os editais e outras informações sobre o processo seletivo estão disponíveis no endereço.

Fonte: Agência Fapesp

11º Encontro Nacional de Editores Científicos

“Acesso aberto e indexação de periódicos científicos” será o tema central do 11º Encontro Nacional de Editores Científicos, que ocorrerá de 2 a 6 de outubro, em Ouro Preto (MG).

O evento, promovido pela Associação Brasileira de Editores Científicos (Abec), terá mesas-redondas, palestras, apresentação de trabalhos na forma de painéis, exposição de revistas científicas e minicursos.

O objetivo é reunir pesquisadores e profissionais com interesse em desenvolver e aprimorar a publicação de periódicos, de modo a aperfeiçoar o intercâmbio de idéias e a divulgação de informações técnicas e científicas.

Mais informações no endereço.

Fonte: Agência Fapesp

Guiana quer apoio para produzir biocombustíveis

A cada dia, novos parceiros se somam ao Brasil no desenvolvimento de biocombustíveis. Desta vez, é a Guiana, que está interessada em produzir etanol com a cooperação técnica e investimentos brasileiros. Em relação ao etanol, o Brasil detém a melhor tecnologia, a melhor produtividade e os melhores preços, afirmou da Agricultura brasileiro, Reinhold Stephanes. Toda a tecnologia pública está à disposição dos países vizinhos, da América Central e da África que nos visitam. Quanto mais se produzir etanol, mais países consumirão o combustível.

O ministro do Interior da Guiana, Clement Rohee, disse em Brasília que, em dez anos, a Guiana será o único país caribenho a exportar derivados do açúcar. Os ministros discutiram projetos de cooperação técnica em andamento, por meio da Embrapa, para a produção de caju e soja na Guiana e a possibilidade de instalação de um escritório em Georgetown, capital da Guiana, informa a assessoria.

Fonte: Diário Net