segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Inpa desenvolve corante ecologicamente correto

Uma técnica ecologicamente correta. É assim que pode ser definido o processo de tingimento do couro de matrinxã (espécie de peixe) a partir de corantes naturais, que são extraídos das plantas amazônicas cacauí e crajiru . O método não usa produtos químicos, não causa mal à saúde e ao meio ambiente, além de que pode ser reproduzido por comunidades ribeirinhas.

A pesquisa é resultado do trabalho de mestrado "Extração e Uso de Corantes Vegetais da Amazônia no Tingimento do Couro de Matrinxã", realizado por Karina Suzana Gomes de Melo. O projeto foi orientado pela cientista da Coordenação de Pesquisas em Tecnologia de Alimentos (CPTA), Jerusa de Souza Andrade e co-orientação Rogério Souza de Jesus, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCT).

O projeto levou dois anos e foi financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

Durante as pesquisas, Karina buscou combinar tecnologias com a disponibilidade de matérias-primas para o desenvolvimento de processos simples e de fácil execução. A idéia era gerar produtos com potencial de mercado, por isso, o uso do couro de peixe, tingido com plantas da região.

"Essa junção serve de base para políticas públicas de desenvolvimento sustentável da Amazônia", ressalta.

Para se chegar até as duas plantas cacauí e crajiru, a pesquisadora explica que foram realizados diversos testes com cascas, flores, sementes e folha, de forma aleatória, sem critério de produção ou disponibilidade. Os critérios adotados para poder passar nos testes foram: proporção dos pigmentos e solubilidade em água.

De acordo com a pesquisadora, foram coletadas 15 amostras que passaram por análises laboratoriais para se determinar o grupo cromógeno - antocianinas, flavonóides, carotenóides, pigmentos solúveis em água -, ou seja, verificar os pigmentos presentes e quantificá-los. O procedimento foi adotado para se saber qual a quantidade necessária para se tingir o couro do peixe (dar pigmento).

"Por ser uma técnica pioneira, não havia informações científicas e técnicas. Na literatura não consta nenhum outro trabalho que tenha utilizado corante natural e que a matéria-prima não fosse comestível", afirma.

Segundo a mestranda, a mangarataia e o jenipapo também podem ser utilizados no tingimento, contudo o objetivo era utilizar produtos não comestíveis.

Pesquisa
No início das análises a escolha das fontes de pigmentos para o teste de tingimento teve por base a quantidade de antocianinas (cacauí) e de pigmentos solúveis em água (crajiru). Por serem amostras purificadas e conhecidas, os corantes artificiais utilizados no tingimento de couro, têm uma base da quantidade que pode ser utilizada, a qual varia em função da intensidade da cor desejada.

Já os corantes naturais selecionados para a pesquisa, não foram purificados e por não saber a quantidade de corante naturais utilizada no tingimento do couro de peixe foram feitos vários testes para saber qual a porcentagem (5, 10 e 15) do corante em relação ao peso do couro ideal para o tingimento.

Com este experimento foi possível avaliar as diferenças na tonalidade, uniformidade de cobertura e resistência aos fatores degradantes da cor. Os melhores resultados foram obtidos com as maiores proporções das amostras de crajiru e cacauí desidratadas.

O processo envolveu a dissolução dos corantes em água morna (40ºC). O material ficava em repouso durante 24 horas. Após esse período, era colocado o ácido e deixava o material por mais 2 horas para fixar o pigmento. O processo foi repetido nas três concentrações: 5, 10 e 15%. Os melhores resultados foram obtidos nas concentrações de 10 e 15%.

Após o tingimento foram feitos outros testes, por exemplo, o de lavabilidade e o de resistência à luz (fluorescente e a luz solar). Nos testes com a luz fluorescente não houve perda da coloração. O mesmo não aconteceu com a luz solar.

Durante sete dias, das 8h às 16h, os couros tingidos com crajiru e cacauí ficaram expostos à luz sol. Karina explica que, visivelmente, ambos perderam coloração, mas não do ponto de vista estatístico. Ou seja, em análises no aparelho denominado "colorímetro digital", foi verificado que os pigmentos perdidos pelos couros estavam dentro de um quadrante aceitável de tonalidade.

"O couro tingido com crajiru e cacauí quando receberam a aplicação da laca à base d’água" houve variação de tonalidade, o couro tingido com crajiru ficou mais escuro, enquanto o com cacauí mais claro", afirma a peswuisadora, e acrescenta que para aumentar a durabilidade, dar brilho e resistência ao material a "laca" (verniz obtido sinteticamente) é fundamental.

"O corante de crajiru apresentou maior resistência à ação da luz e da água, apresentando coloração variando do vermelho-púrpura ao vinho, enquanto o de cacauí foi do lilás claro ao escuro. O que obteve o melhor resultado na coloração foi o de crajiru", destaca.

Fonte: Luís Mansuêto / Agência CT

MCT seleciona consultores

O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) está com processo seletivo aberto até o dia 1º de outubro para a contratação de consultores para a área de Mudanças Climáticas.

Eles irão subsidiar a decisão técnica do Ministério quando da avaliação dos projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL) submetidos à Comissão Interministerial de Mudanças do Clima. Esta comissão é secretariada pela Coordenação Geral de Mudança Global do Clima do MCT.

Ao todo serão 55 especialistas divididos nos setores de energia; tratamento de resíduos; agropecuária; indústria e uso de solventes; e uso da terra, mudança no uso da terra e florestas. Seus pareceres serão solicitados, de acordo com a demanda da Comissão, de forma aleatória e rotativa.

Os contratos serão firmados no âmbito dos projetos de cooperação internacional por meio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Os currículos devem ser enviados para o email até o dia 1º de outubro.

Informações adicionais podem ser obtidas no endereço ou pelo telefone (61) 331 7923, da Coordenação Geral de Mudança Global do Clima do MCT.

Rachel Mortari / Gestão CT

NibTec Inovações Tecnológicas é contemplada no Edital SENAI Inovação 2007

A NibTec Inovações Tecnológicas, empresa residente na Incubadora de Empresas e Projetos do Inatel, receberá verba do SENAI para a elaboração de um projeto na área de identificação por rádio freqüência (RFID) inovador no país. A empresa foi a única de Minas Gerais a ser contemplada na quarta edição do Edital SENAI Inovação, que visa a estimular projetos de pesquisa aplicada na área.

O projeto da NibTec consiste em um leitor e escritor RFID passivo que irá operar na freqüência de 13,56MHz e será capaz de ler tags em todos os principais padrões mundiais do mercado utilizados nesta freqüência. O RFID é uma tecnologia de identificação em que as informações são transmitidas por meio de ondas de radiofreqüência emitidas por uma antena conectada a um chip, o que possibilita uma leitura mais rápida e confiável.

Gerenciada pelo ex-aluno do curso de Engenharia Elétrica do Inatel, Bruno Mecchi Gouvêa, a NibTec reside na Incubadora do Inatel há três anos e atua no desenvolvimento de equipamentos e softwares com tecnologia de identificação por radiofreqüência. A empresa obteve o 1º lugar, em 2006, no 2º Prêmio Werner Von Siemens, na modalidade "Empresa Incubada", categoria Ciência e Tecnologia pelo projeto "Sistema de Segurança e Identificação por Radiofreqüência para Maternidades".

Fonte: Inatel / Anprotec

Seminário de Desenvolvimento Sustentável Regional acontece em Venda Nova do Imigrante

O Seminário de Desenvolvimento Sustentável Regional será realizado em Venda Nova do Imigrante, no Espírito Santo, no próximo dia 12. O evento é realizado pela Rede Tribuna, com o apoio local do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

O principal objetivo da Rede Tribuna é permitir que os micros e pequenos empresários tenham acesso mais fácil à informação sobre temas fundamentais, contribuindo para a melhoria da gestão e para o aumento da rentabilidade e da competitividade de seus negócios. O seminário colocará em discussão, nesta edição, o desenvolvimento socioeconômico, a competitividade e as oportunidades para Venda Nova do Imigrante e Municípios adjacentes.

O evento reunirá empresários, representantes de grandes cooperações e profissionais das mais diversas áreas do setor público e privado que discutirão sobre o desenvolvimento sustentável, focando as potencialidades da região.

A primeira apresentação será feita pelo diretor presidente do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Ênio Bergoli, que vai abordar a importância do agronegócio na Região Serrana, no intuito de ampliar as visões dos empresários locais para o desenvolvimento de novos negócios.

O Seminário de Desenvolvimento Sustentável contará com a palestra da consultora Martha Ferreira, que mostrará o tema “Espírito Santo: Investimentos no Período de 2007-2015”. A última palestra do dia será sobre “Recursos para Investimentos no Espírito Santo” e será apresentada pelo diretor-presidente do Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes), Waldenor Cezário Mariot. Mariot fechará o seminário mostrando as linhas de financiamento que o Bandes oferece às empresas que forem implantadas no Estado.

Mais informações sobre o seminário podem ser encontradas no endereço.

Fonte: Gestão CT

25% dos brasileiros bebem a ponto de sofrer problemas físicos, psíquicos e sociais

Semanas atrás um telefonema deixou o psiquiatra Ronaldo Laranjeira sem reação. Do outro lado da linha, um primo com quem não falava fazia tempo contou a peregrinação pela qual o pai, dependente de álcool havia anos, passara pouco antes.

Ao sentir-se mal em uma sexta-feira à noite, teve de experimentar o tratamento a que estão sujeitos os 10% da população que já não conseguem se libertar da bebida e não passam mais de um dia sem um gole de cerveja ou um trago de aguardente.

Foi levado a um hospital municipal de São Paulo, onde o médico que o atendeu aparentemente não compreendeu a situação nem gostou do que viu e o dispensou. Mas não sem antes dar uma bronca nos familiares e perguntar por que haviam levado um bêbado ao hospital. No dia seguinte o tio de Laranjeira morreu.

A notícia chegou em um momento em que Laranjeira acaba de dar um passo importante para compreender como se desenvolvem na população brasileira as raízes da dependência do álcool.

Após 30 anos de pesquisas sobre os problemas ligados ao consumo de álcool e outras drogas na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Laranjeira se preparava para publicar o primeiro levantamento nacional a mostrar quanto, como e o que se bebe no país, apresentado em agosto no Palácio do Planalto.

De novembro de 2005 a abril de 2006, pesquisadores treinados por ele e sua equipe entrevistaram 3.007 pessoas com mais de 13 anos de idade em áreas urbanas e rurais de 147 municípios das cinco regiões brasileiras.

O resultado é o mais abrangente retrato do consumo de álcool no Brasil, que, ao lado de outras pesquisas, poderá orientar a implantação das medidas previstas na Política Nacional sobre Bebidas Alcoólicas. Sancionada em maio pelo presidente Lula, essa lei tem por meta reduzir o consumo de álcool e os danos a ele associados, como os acidentes de trânsito, o desenvolvimento de câncer, além de prejuízos emocionais.

O que esse estudo mostra? Muita coisa sobre a qual se tinha apenas uma idéia aproximada, em geral obtida a partir de estudos feitos com uma população mais restrita ou de pesquisas realizadas no exterior. Já de início o trabalho coordenado por Laranjeira e financiado pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad), subordinada à Presidência da República, revela um padrão de consumo de álcool mais complexo que o imaginado e desfaz o mito de que quase todo brasileiro bebe, mas bebe pouco – apenas uma ou outra caneca de chope ou taça de vinho de vez em quando.

Clique aqui para ler o texto completo.

Fonte: Agência Fapesp

CBAB seleciona propostas para calendário de cursos para 2008

O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) está selecionando, até o dia 21 de outubro, propostas para a formação de recursos humanos em biotecnologia no âmbito do Centro Brasileiro-Argentino de Biotecnologia (CBAB).

O edital, no valor de R$ 500 mil, tem recursos oriundos dos Fundos Setoriais de Biotecnologia (CT-Biotec) e Saúde (CT-Saúde) e se destina a financiar propostas de cursos de curta duração, em nível de pós–graduação em temas relacionados à área.

Poderão apresentar propostas, na qualidade de coordenador do projeto, professores e pesquisadores com título de doutor, vinculados a instituições brasileiras de ensino superior, institutos ou centros de pesquisa e desenvolvimento, públicos ou privados, todos sem fins lucrativos.

As propostas selecionadas comporão o calendário de cursos brasileiros do CBAB para o próximo ano, para o período de março a dezembro.

Os cursos deverão abordar os seguintes temas:

- Técnicas moleculares e de bioinformática aplicadas à análise proteômica;
- Aplicações de metodologias baseadas em micro RNA e RNA interferente em vegetais;
- Biotecnologia aplicada a reprodução e ao melhoramento vegetal;
- Biotecnologias inovadoras para produção de combustíveis a partir de biomassa;
- Estratégias inovadoras e fisiológicas para a produção de combustíveis não alcoólicos por microorganismos;
- Biologia estrutural de proteínas e planejamento racional de fármacos;
- Estudos conformacionais de proteínas para o desenho de novas vacinas;
- Enzimologia aplicada; Análises de fluxos metabólicos;
- Sistemas inteligentes para monitoramento e controle de bioprocessos;
- Biologia de sistemas como ferramenta para biotecnologia, e
- Propriedade intelectual em biotecnologia.

Confira o edital no endereço.

Mais informações pelo telefone (61) 3317 8008, no escritório do CBAB no Brasil, coordenado pela Coordenação Geral de Biotecnologia do MCT.

Fonte: Agência CT

Fiocruz-Bahia seleciona bolsista de Iniciação Científica

A Fundação Oswaldo Cruz na Bahia (Fiocruz-BA) abriu inscrições, até às 17h do dia 25 de setembro, para bolsista de iniciação científica no Laboratório de Patologia e Biointervenção (LPBI), que atuará no projeto de desenvolvimento de vacina e método imunodiagnóstico para leishmaniose visceral. Exige-se que os interessados estejam matriculados, a partir do quarto semestre, em cursos de graduação da área de ciências biológicas, como Biologia, Ciências Biomédicas, Farmácia, Medicina, Medicina Veterinária, entre outros.

As inscrições serão feitas por email. Os interessados devem enviar currículo lattes e histórico escolar com notas, informando no campo assunto, que se trata de IC. Os candidatos devem informar ainda a disponibilidade de turno e os níveis de conhecimento em inglês e informática.

A carga horária é de 20 horas semanais. A primeira etapa da seleção consiste na análise dos currículos. Os aprovados, seguem para entrevista. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (71) 3176-2273 e (71) 3176-2290.

Fonte: Fiocruz

Manuais ensinam a estimular a resiliência na adolescência

Uma pesquisa realizada pelo Centro Latino-Americano de Estudos sobre Violência e Saúde Jorge Carelli (Claves/Ensp/Fiocruz) resultou na elaboração de dois manuais sobre a capacidade de superação das dificuldades enfrentadas por cada pessoa, chamada resiliência.

Os textos Superação de dificuldades na infância e na adolescência e Por que é importante ajudar os filhos a dar a volta por cima? são dirigidos a pais de crianças e adolescentes e a profissionais que lidam com esse grupo. Os trabalhos foram apresentados pelas pesquisadoras Patrícia Constantino e Gabriela Franco Dias Lyra, na sessão científica do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria da Ensp/Fiocruz.

O estudo foi realizado nos municípios de Duque de Caxias e São Gonçalo, no Rio de Janeiro, com mães, pais e outros responsáveis por crianças e adolescentes que procuraram vários tipos de ajuda para seus filhos nos serviços públicos de saúde; adolescentes de escolas públicas e particulares de São Gonçalo; e profissionais de saúde com experiência em atendimento às crianças, adolescentes e suas famílias. A pesquisa foi coordenada por Simone Gonçalves de Assis do Claves/Ensp.

Mais informações no endereço.

Fonte: Fiocruz

Sai edital para pós-graduação da Casa de Oswaldo Cruz

As inscrições para os cursos de mestrado e doutorado do programa de pós-graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz (COC) estão abertas até o dia 23 de novembro.

O curso é voltado para profissionais de nível superior nas áreas de ciências humanas, ciências sociais, ciências da saúde e ciências biológicas.

A área de concentração do programa abrange três linhas de pesquisa: História da Medicina e das Doenças, História das Ciências Biomédicas e História das Políticas, Instituições e Profissões em Saúde.

Informações no endereço da pós-graduação da COC ou na Secretaria Acadêmica, que fica na Avenida Brasil 4036/sala 417, em Manguinhos, Rio de Janeiro. Telefones: (21) 3882-9095 e 3882-9096.

Confira o edital aqui.

Fonte: Portal Fiocruz

Seminário Doença de Huntington e Neurodegeneração

“Diálogo da área clínica com a básica” será o tema central do Seminário Doença de Huntington e Neurodegeneração, no dia 14 de setembro, em São Paulo.

Os palestrantes serão Mônica Haddad, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), e Jenny Morton, do Departamento de Farmacologia da Universidade de Cambridge, na Inglaterra.

O evento, que faz parte do Ano Brasileiro-Britânico da Ciência & Inovação, resultado da iniciativa conjunta dos governos brasileiro e britânico, é promovido pela Embaixada Britânica e pelo Centro de Estudos do Genoma Humano da USP.

Mais informações no endereço.

Fonte: Agência Fapesp

5ª Semana da Biologia Marinha e Gerenciamento Costeiro

A 5ª Semana da Biologia Marinha e Gerenciamento Costeiro ocorrerá de 17 a 21 de setembro, em São Vicente (SP), com promoção da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Diferentes segmentos ligados ao meio ambiente como estudantes, pesquisadores, órgãos governamentais e não-governamentais estarão reunidos em palestras, minicursos, oficinas e apresentação de trabalhos científicos.

“Peixes marinhos do Brasil”, “Uso sustentável de recursos marinhos”, “Animais marinhos peçonhentos, venenosos e traumatizantes”, “O impacto das mudanças climáticas na conservação dos cetáceos” e “Substâncias biologicamente ativas de organismos marinhos” serão alguns dos assuntos abordados.

Mais informações no endereço.

Fonte: Agência Fapesp

Usp lança portal de difusão científica

A Agência Multimídia de Educação e Comunicação Científica do Instituto de Estudos Avançados de São Carlos (Ieasc) da Universidade de São Paulo (USP), em São Carlos, lançou o portal IEADifusão.

Trata-se de um serviço de divulgação de temas relacionados à ciência, à tecnologia e à educação, com linguagem acessível e recursos audiovisuais e interativos. Depois de um cadastro prévio, o usuário pode acessar a ferramenta Quero Saber! e enviar perguntas para que professores da USP respondam.

As perguntas devem ser realizadas em vídeos breves, de até 30 segundos, para serem publicadas no site da agência junto com as respostas. O site dá as instruções quanto à gravação e ao envio dos arquivos digitais

Entre as questões disponíveis na seção estão “Se Deus é a origem da vida, por que não provaram sua existência?”, “Por que me estresso com um trabalho que eu gosto de fazer?”, “Como é o comportamento reprodutivo do pica-pau?” e “Por que ainda não foi inventado o caldo de cana diet?”.

Outra seção que ocupa lugar de destaque no portal é Eu Pesquiso, na qual alunos de mestrado e doutorado da USP de São Carlos explicam seus temas de trabalho, os objetivos e a aplicação dos estudos por meio de depoimentos sucintos, em vídeos de no máximo um minuto.

A expectativa dos idealizadores é que os vídeos e demais conteúdos do site possam ser utilizados por escolas do ensino médio e fundamental de todo o país para a cooperação no conteúdo de apoio educacional. Além dos recursos interativos audiovisuais, destaca-se a seção Mural da Escola, na qual alunos e professores podem publicar material didático em formatos variados.

O portal IEADifusão foi desenvolvido com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Mais informações no endereço.

Fonte: Agência Fapesp

Prêmio Santander prorroga inscrições

Foram prorrogadas as inscrições para o Prêmios Santander de Empreededorismo e Prêmio Santander de Ciência e Inovação. O novo prazo termina dia 16/09/07 às 16:00 horas.

O Prêmio de Empreendedorismo será dividio em 4 categorias: Biotecnologia; Indústria;
Tecnologia da Informação e Comunicação; Cultura e Educação e terá uma premiação de R$50 mil para cada categoria.

O Prêmio de Ciência e Inovação será dividido em 3 categorias: Biotecnologia; Indústria; Tecnologia da Informação e Comunicação e terá uma premiação de R$50 mil para cada categoria.

A inscrição é gratuita e pode ser feita no endereço.

Fonte: Universia

Brasil e UE assinam acordo de cooperação energética

O Brasil e a União Européia (UE) assinaram a última quinta-feira (05/07), em Bruxelas, um acordo de cooperação para desenvolver energias alternativas e garantir a segurança energética, informou o Ministério brasileiro das Relações Exteriores.

Segundo o Itamaraty, o acordo, semelhante aos que a UE já mantém com a Argélia e Ucrânia e está negociando com a Rússia, inclui um intercâmbio de experiências na produção de etanol e biodiesel, mas não prevê concretamente a venda de biocombustível brasileiro à UE.

O acordo foi assinado durante a visita do presidente Luiz Inácio Inácio Lula da Silva à sede da Comissão Européia, onde ele participou de uma Conferência Internacional sobre Biocombustíveis.

"Não estamos aqui para escolher entre comida e energia", disse Lula, pedindo aos países desenvolvidos que acabem com as distorções no comércio mundial que impedem a exportação de produtos agrícolas pelos países em desenvolvimento. "Reduzindo as desigualdades, evitamos potenciais conflitos", afirmou.

O presidente brasileiro também tentou tranqüilizar os europeus quanto às dúvidas cada vez mais freqüentes no exterior em relação ao balanço social e ambiental do etanol. Ele disse que o Brasil está desenvolvendo um programa de certificação para mostrar que toda cadeia de produção dos biocombustíveis no país respeita critérios ambientais, sociais e trabalhistas.

O presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso, defendeu a aposta nos biocombustíveis como solução para a segurança energética e para o problema do aquecimento global.

O comissário de Comércio da UE, Peter Mandelson, advertiu que a União Européia não deve permitir que a proteção do clima nos países industrializados se transforme numa catástrofe ambiental nos países em desenvolvimento. O crescente uso de combustíveis verdes não deve, por exemplo, causar mais desmatamento de florestas tropicais, disse.

Aumento dos preços de alimentos
De acordo com um estudo publicado na última quarta-feira (04/07) pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), a corrida mundial aos biocombustíveis pode causar uma disparada dos preços dos produtos agrícolas. Os preços dos cereais e dos laticínios podem aumentar entre 20% e 50% nos próximos dez anos, prevê o estudo.

Pelos cálculos da OCDE e da FAO, até 2016 a produção de etanol e biodiesel deve dobrar tanto na União Européia quanto nos EUA, no Brasil e na China. A produção de etanol no Brasil deve atingir 44 bilhões de litros em 2016, ou 145% a mais que em 2006.

Os peritos estimam que a produção de oleoginosas na UE, especialmente de colza, deve aumentar de 10 milhões de toneladas para 21 milhões de toneladas ao ano na próxima década. Os países da UE decidiram em março deste ano aumentar para 10% até 2020 a participação dos biocombustíveis no consumo total de combustíveis.

Ambientalistas preocupados
O aumento da demanda mundial de biocombustíveis gera críticas de ambientalistas. "Grande parte deles não é produzida de forma sustentável e, por isso, não pode ser vista como parte da solução de problemas ambientais", afirmou Frauke Thies, especialista em energias renováveis do Greenpeace na Europa.

Thies disse à agência alemã de notícias DPA que o Greenpeace acompanha com preocupação a produção de etanol no Brasil. "O plantio de cana-de-açúcar empurra a pecuária do sul para o norte e isso ameaça a Floresta Amazônica", disse.

O importante, segundo Thies, é que a produção de biocombustíveis não destrua ecossistemas naturais ou aumente as emissões de gases do efeito estufa e evite a escassez de alimentos. "Melhor do que o uso de energias renováveis seria reduzir o consumo de energia", disse.

Problema da fome
Para o diretor do Departamento de Recursos Naturais e Meio Ambiente da Fao, o alemão Alexander Müller, o boom dos biocombustíveis representa um dilema. "Quem fala de biocombustíveis terá de explicar como se pode alimentar 850 milhões de pessoas que passam fome hoje e amanhã e mais 3 bilhões no futuro. Precisamos de uma estratégia para impedir que o abastecimento de energia do rico Norte se transforme em mais um problema de alimentação no pobre Sul", disse ao jornal alemão Die Tageszeitung.

Na última terça-feira, o presidente da Associação dos Agricultores Alemães, Gerd Sonnleitner, pediu à UE que libere o uso de áreas agrícolas abandonadas nos últimos anos para o plantio de cereais e milho destinados à produção de biogás. Ele defendeu também um bloqueio à importação de biodiesel barato, produzido a um alto custo ambiental fora da União Européia

O comissário de Energia da UE, Andris Piebalgs, rejeitou essa proposta na Conferência de Bruxelas, nesta quinta-feira. Segundo ele, tecnicamente seria possível atingir a meta de 10% de bicombustíveis até 2020 com produção própria da UE sem um grande aumento de preços.

"Mas, diante da regras do comércio internacional, esse não é um caminho viável. A UE prefere uma expansão do comércio mundial de biocombustíveis e de suas matérias-primas em vez de levantar barreiras desnecessárias", afirmou. (gh)

Fonte: Dw - World