sábado, 1 de setembro de 2007

UEL e UTF terão laboratórios no Complexo Metrológico

A Universidade Estadual de Londrina (UEL) e a Universidade Tecnológica Federal (UTF), vão instalar laboratórios para desenvolvimento de produtos no Complexo Metrológico de Londrina, no prédio que abriga os laboratórios do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem/PR), no Parque Tecnológico, próximo ao conjunto Lindóia (região leste). Na próxima semana, os reitores das duas universidades se reúnem em Londrina com o presidente do Ipem/PR, Marco Berbere, e o gerente regional do órgão, Marcelo Trautwein, para definir as áreas de pesquisa a serem desenvolvidas no complexo.

Trautwein informou ontem, 30, que a tendência da UEL é para a montagem de um laboratório têxtil na área de costurabilidade, que abrigaria alunos do curso de Design de Moda e, também, dos cursos de Química e de Física. “A UEL poderá desenvolver produtos de qualidade, que dêem suporte para empresas que trabalham na área de confecção para exportação. Isso auxiliaria muito no acerto do tipo de pontos do tecido aceitos no exterior, bem como na qualidade de botões, punhos, golas e outros acabamentos aplicados, por exemplo”, explicou.

De acordo com o gerente do Ipem, a UTF poderá confirmar um laboratório na área de tecnologia de alimentos, que é o foco do curso oferecido pela instituição em Londrina, bem como ensaios para análise de água. Trautwein informou que os dois laboratórios seriam instalados numa fase posterior ao início de funcionamento do Complexo Metrológico de Londrina, cuja inauguração está prevista para o final do mês de setembro.

Os laboratórios das duas universidades vão se somar aos três laboratórios instalados no prédio do complexo pelo Inmetro/Ipem, que investiram cerca de R$ 7 milhões na compra de equipamentos para os laboratórios de ensaios físicos, ensaios químicos e produtos pré-medidos. A Prefeitura de Londrina, por meio do Instituto de Desenvolvimento Econômico de Londrina (Codel), investiu R$ 3 milhões na construção do prédio, concluído no final do ano passado.

Referência nacional
O gerente regional do Ipem, Marcelo Trautwein, destacou a importância do funcionamento do Complexo Metrológico de Londrina, que consolida a cidade como ponto de referência em tecnologia na região sul do País. “Esses laboratórios abrem novas perspectivas para as indústrias da região. No Brasil todo, apenas Santa Catarina, Rio de Janeiro e Bahia têm esses equipamentos”, afirmou Trautwein.

Ele comemorou o fato de que o laboratório que vai atestar a qualidade de fabricação de tecidos, o de ensaios físicos, terá em Londrina um equipamento inédito no Brasil, a chamada “câmara de flamabilidade”, usada pelas indústrias automobilísticas para testar, por exemplo, a resistência do revestimento dos bancos e dos veículos. Esses testes são feitos atualmente no exterior e Londrina será pioneira, podendo atender a indústria brasileira e da América Latina”, explicou Trautwein.

O gerente do Ipem também informou que os laboratórios serão usados para ensaios de solidez de cor e para a verificação do desbotamento da roupa. “Os bonés fabricados em Apucarana, por exemplo, poderão ter os tecidos verificados, com o fabricante podendo dar a precisão do tempo que leva para o desbotamento do produto, aumentando a credibilidade”, garantiu.

Fonte: Uel