sábado, 11 de agosto de 2007

6º Congresso internacional de palma e cochonilha

O 6º Congresso Internacional de Palma e Cochonilha, ocorrerá de 22 a 26 de outubro, em João Pessoa, na Paraíba.

O evento, realizado pela primeira vez no Brasil, é promovido pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e organizado pela Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (Faepa) e pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

O objetivo é promover a atualização de conhecimentos sobre os avanços tecnológicos e tipos de uso da palma, planta altamente resistente à seca, e de outras cactáceas de interesse econômico.

Segundo os organizadores, o principal desafio é introduzir a palma na alimentação humana, conforme já vem sendo consumida em diversos países, principalmente na forma de picles, sucos, geléias, além de utilizá-la na indústria farmacêutica e de cosméticos.

O tema central será "Produção de palma e de outras cactáceas nos diferentes ecossistemas áridos e semi-áridos do mundo: desafios e avanços tecnológicos".

Fonte: Agência Fapesp

Seminário Internacional de Bibliotecas Digitais Brasil

O Seminário Internacional de Bibliotecas Digitais Brasil acontecerá do dia 18 ao dia 20 de setembro em São Paulo (SP). O evento será organizado pelo Consórcio Cruesp Bibliotecas – Sistema de Bibliotecas das Universidades Estaduais Paulistas (USP, Unesp e Unicamp).

Além de palestras, conferências e debates, haverá apresentações de trabalhos e cursos (Preservação Digital, FRBR – Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos, e Usabilidade e Navegabilidade).

Destaque para as palestras BiDi-Unam: Experiências, Retos y Perspectivas, com Alberto Castro Thompson, da Universidade Nacional Autônoma do México, e Virtual Libraries for Knowledge Societies, com Guenther Cyranek, da Unesco/Montevideo.

Mais informações, pelo telefone (11) 3091-1545 ou pelo e-mail.

Fonte: Gestão CT

Waitro apresentará oportunidades de parcerias entre países desenvolvidos e em desenvolvimento

Nos dias 6 e 7 de setembro, Sankt Augustin (Alemanha) sediará a Sessão de Gestão de Redes – Um Canal para Iniciativas de Projetos e Desenvolvimento.

O evento é realizado pela Associação Mundial das Indústrias e Organizações de Pesquisa Tecnológica (Waitro, sigla em inglês). Ele tem o objetivo de apresentar uma estrutura de oportunidades para que países em desenvolvimento possam fazer parcerias com entidades de C&T européias utilizando o modelo de cooperação da Waitro. A ABIPTI, que é uma associada à Waitro, foi convidada a participar do evento.

Além da apresentação, a sessão tem a meta de criar um fórum para o compartilhamento de experiências, estudo de casos, exposição de resultados de programas e pesquisas, idéias e possibilidades de colaboração.

O evento é aberto ao público. Ele será realizado na Fraunhofer-Gesellschaft - instituição de pesquisa alemã que atua em diversas áreas do conhecimento e é a unidade regional da associação na Europa.

A inscrição pode ser feita pelo e-mail.

A Waitro é uma associação sem vínculos governamentais e sem fins lucrativos, que reúne mais de 160 entidades associadas em mais de 80 países. Atualmente, ela trabalha interconectando mais de 500 instituições no mundo todo.

O modelo de parceria da associação internacional propõe acordos entre instituições de diferentes nações com o objetivo de implementar programas direcionados às áreas pouco desenvolvidas dos países envolvidos. A verba para implantação dessas ações desenvolvimentistas provém de agências internacionais associadas à Waitro.

Mais informações no endereço.

Fonte: Gestão CT

Sociedade Brasileira de Microbiologia propõe que Lei da Biodiversidade passe a fomentar a pesquisa

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) realizou, na última quinta-feira (9), uma reunião, em São Paulo (SP), para discutir a Lei da Biodiversidade e as sugestões propostas pela Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM) para a atual legislação.

Segundo informações da SBPC, a SBM sugere a alteração da lei para que passe também a fomentar a pesquisa e o conhecimento da biodiversidade. A atual legislação prevê apenas o controle e a fiscalização.

O ex-presidente da SBPC, Ennio Candotti, disse, em notícia veiculada pelo JC E-mail, que, a exemplo do México, o Brasil poderia ter um Conselho Nacional de Biodiversidade que teria como função o financiamento das pesquisas e a gestão do acesso à biodiversidade, conhecimentos tradicionais e repartição de benefícios.

Ainda de acordo com a SBPC, a idéia é discutir, nos próximos 15 dias, outras sugestões para mudanças na Lei da Biodiversidade.

Informações complementares sobre as ações realizadas pela SBM podem ser obtidas no endereço.

Fonte: Gestão CT

Ritla aponta que acesso à internet reflete as desigualdades sociais

Em 2005, 28,3% dos brancos com mais de dez anos de idade tiveram acesso à internet. Já entre os negros, esse percentual foi de 13,3%. Na prática, os brancos acessaram a internet 2,1 vezes mais que os negros, isto é, mais que o dobro. Esses são alguns dos dados apresentados no Mapa das Desigualdades Digitais do Brasil, que foi divulgado no dia 7, pela Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana (Ritla).

A pesquisa pretende diagnosticar e explicar as diferenças de acesso existentes em cada Estado e região do país. “Caracterizamos o presente trabalho como um estudo das desigualdades que conformam um processo discriminatório de determinados indivíduos não só dos benefícios digitais, mas também dos benefícios sociais”, afirma o estudo.

A iniciativa, que conta com o apoio do Ministério da Educação, foi realizada a partir de um conjunto sintético de indicadores em condições de superar a situação de cada unidade da Federação e, paralelamente, dar um quadro dos campos de intervenção necessários para a formulação de políticas públicas visando democratizar o acesso à rede mundial. Foram levadas em consideração variáveis sociais e econômicas, entre outras.

O estudo teve como base os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), de 2005. Segundo o Mapa, os dois indicadores utilizados com maior freqüência em nível internacional para verificar a situação e o grau de penetração da internet são: proporção de pessoas (ou domicílios) que possuem computador ligado à internet e proporção de pessoas que acessa a rede mundial.

Entre outros números, o trabalho aponta que o Distrito Federal conta com o maior número de residências com computadores conectados à internet: 31,1%. A população do Distrito Federal também foi a que mais utilizou a rede há dois anos atrás: 41,1%. Já no Maranhão, apenas 2,1% dos lares têm acesso à internet e 7,7% da população utilizou a rede em 2005.

Indicadores de Desigualdade
No geral, a pesquisa aponta que 14,7% da população brasileira com mais de dez anos de idade morava, em 2005, em domicílios com acesso à internet. Segundo o mapa, apesar da baixa proporção, ao menos em termos internacionais, esse índice representa 22,5 milhões de pessoas. Já a proporção de usuários da rede é bem maior: 21%. Esse percentual inclui todos os locais de possível acesso, além do domicílio – trabalho, escola, centros gratuitos, centros pagos e outros.

“Mas, também nesse caso, os índices são muito baixos em termos internacionais. Estatísticas disponíveis apontam que, nos países avançados, os níveis de acesso triplicam em comparação aos do Brasil”, alerta a pesquisa.

As disparidades regionais também são destacadas no mapa. De acordo com o estudo, em um extremo, o Norte e o Nordeste, com 4,9% e 5,7% de sua população com mais de dez anos de idade com acesso à internet nos domicílios e 12% e 11,9% dessa mesma população usuária da rede. Do outro lado do país, as regiões Sudeste e Sul, com 20,8% e 18,6% de sua população com a mesma faixa etária com internet nos seus lares e 26,3% e 25,6% dessa população usuária da internet.

A íntegra do Mapa das Desigualdades Digitais do Brasil pode ser acessada no endereço.

Fonte: Gestão CT

"Schistosoma mansoni" contra a Asma

Como um hábil trapaceiro, o parasita causador da esquistossomose – o verme Schistosoma mansoni – facilmente dribla as defesas do organismo humano e se instala na parede de vasos sangüíneos do intestino. Parte de seus ovos se aloja no fígado, provocando o inchaço desse órgão que deixa 5% de seus 200 milhões de vítimas com o ventre dilatado feito uma bola.

Após analisar as alterações do sistema imunológico disparadas pelo agente da esquistossomose, imunologistas de Minas Gerais e da Bahia tentam agora se aproveitar de estratégia semelhante à do parasita para amenizar o desconforto gerado pela asma, inflamação crônica das vias aéreas e dos pulmões provocada por uma super-reação do sistema imunológico a proteínas de ácaros encontrados na poeira, à fumaça ou até a medicamentos.

A saída imaginada por Maria Ilma Araújo e Edgar Marcelino Carvalho, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), é aparentemente simples. Eles buscam desencadear no organismo o mesmo tipo de reação imunológica acionada pelo Schistosoma mansoni – só que sem provocar a doença –, o mesmo princípio de funcionamento das vacinas. Esperam alcançar esse objetivo usando algumas das proteínas que recobrem a superfície do parasita e foram identificadas e produzidas em laboratório por equipes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

A equipe da Bahia tem fortes razões para querer imitar a ação desse parasita. Poucos anos atrás, Maria Ilma e Carvalho notaram um efeito intrigante entre os portadores de asma de um vilarejo de pescadores do litoral norte baiano. Parte deles apresentava sinais muito mais brandos que o habitual dessa doença inflamatória que nas últimas décadas vem se tornando mais comum no Ocidente e afeta entre 150 milhões e 300 milhões de pessoas no mundo, tornando o banal ato de respirar um verdadeiro suplício.

Investigando o que havia de diferente com esses pescadores, Maria Ilma deparou com um dado inicialmente contraditório: os que apresentavam a forma mais amena de asma não eram necessariamente os mais saudáveis. Na realidade, muitos deles estavam infestados por vermes como o Schistosoma mansoni, comum em comunidades como a da Vila Conde, onde água tratada e esgoto encanado ainda são luxo.

Ante esse resultado, Manoel Medeiros Júnior, da equipe de Maria Ilma, acompanhou durante um ano a saúde de pessoas com asma de três regiões da Bahia – uma em que a esquistossomose é endêmica e duas em que esse problema praticamente não existe. Os dados, publicados em 2003 no Journal of Allergy and Clinical Immunology, confirmaram: a asma era mais amena naqueles que também estavam contaminados com o parasita.

Clique aqui para ler o texto completo.

Fonte: Ricardo Zorzetto / Pesquisa Fapesp

IV Seminário Internacional Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambiente

O Espírito Santo sediou o IV Seminário Internacional Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambiente, na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). O evento reuniu diversos pesquisadores e cientistas do Brasil e de outros países e teve como objetivos, divulgar os avanços recentes nesta área e discutir os impactos sociais, econômicos, ambientais, éticos do desenvolvimento e dos usos das nanotecnologias, enfocando o conhecimento sobre a temática o diálogo entre os atores econômicos e sociais envolvidos com as questões da nanociência e às nanotecnologias.

O secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Rogério Silveira de Queiroz, participou, na tarde desta segunda (06), da mesa “Estratégia Brasileira em Nanotecnologias e Exemplos de aplicação de nanotecnologias”. Ele fez uma retrospectiva desde a década de 50, quando iniciou os estudos sobre a nanotecnologia e falou que no Brasil a pesquisa neste segmento tem crescido mais que na área informática.

“Existe uma cooperação entre as empresas e as universidades em torno deste tema. Existem profissionais de alta competência trabalhando e estudando as aplicações da nanotecnologia. No Espírito Santo, o Governo, por meio da Fapes, tem interesse em apoiar projetos sobre nanotecnologia. Além disso, apoiamos por meio das demandas de balcão, estudos voltados para avaliar os impactos sociais, econômicos e ambientais oriundos das pesquisas básicas”, informou.

Nanotecnologia e a Agricultura, Nanotecnologia e Sociedade, Nanotecnologia e Meio Ambiente, Experiências em Nanotecnologias nas Redes e Universidades Brasileiras são alguns dos temas que serão discutidos no evento, que prossegue até quarta-feira (08).

O seminário foi realizado pela Rede de Pesquisa Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambiente (Renanosoma) e pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), e contando com o apoio Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Fapes).

Nanotecnologia
A nanotecnologia está associada a diversas áreas como a medicina, eletrônica, ciência da computação, física, química, biologia e engenharia dos materiais de pesquisa e produção na escala nano (escala atômica). O princípio básico da nanotecnologia é a construção de estruturas e novos materiais a partir dos átomos (os tijolos básicos da natureza). É uma área promissora, mas que dá apenas seus primeiros passos, mostrando, contudo, resultados surpreendentes na produção de semicondutores, nanocompósitos, biomateriais, chips, entre outros.

Fonte: Luisi Pessôa / Sect

Prêmio Scopus anuncia ganhadores

O Prêmio Scopus 2007 foi entregue na segunda-feira (6/8), em Brasília, a 15 pesquisadores de 11 instituições com destaque pela elevada e destacada produção científica. O prêmio é concedido pela Elsevier América Latina em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Os ganhadores foram escolhidos pelo número de artigos publicados, citações recebidas e número de orientandos em sua área de conhecimento. São pesquisadores com produção de elevado destaque e excelência na Base de Dados Scopus – a base tem acesso a todas as instituições participantes do Portal Periódicos da Capes e indexa mais de 15 mil periódicos acadêmicos de mais de 4 mil editores.

Entre os ganhadores estão Constantino Tsallis, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, Helena Nader, da Universidade Federal de São Paulo, e Ricardo Renzo Brentani, da Fundação Antônio Prudente. Brentani, que é diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da FAPESP, foi escolhido na categoria Medicina.

Mayana Zatz, professora titular de genética humana do Instituto de Biociências (IB) e coordenadora do Centro de Estudos do Genoma Humano, um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) da FAPESP, foi outra contemplada.

Os ganhadores do Prêmio Scopus 2007 são:

Aluizio Rosa Prata, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – Medicina

Constantino Tsallis, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas – Física

Helena Bonciani Nader, da Universidade Federal de São Paulo – Bioquímica

Jairton Dupont, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Química

João Batista Calixto, da Universidade Federal de Santa Catarina – Farmacologia

José Claudio Geromel, da Universidade Estadual de Campinas – Engenharia Eletrônica

José Murilo de Carvalho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Ciência Política

Maria Aparecida Juliano, da Universidade Federal de São Paulo – Biofísica

Mauro Martins Teixeira, da Universidade Federal de Minas Gerais – Ciências Biológicas

Mayana Zatz, da Universidade de São Paulo – Ciências Biológicas e Biomédicas

Patricia Torres Bozza, da Fundação Oswaldo Cruz – Fisiologia e Farmacodinâmica

Ricardo Brentani, da Fundação Antônio Prudente – Medicina

Ricardo Tostes Gazzinelli, da Universidade Federal de Minas Gerais – Bioquímica e Imunologia

Rubens Belfort Mattos Junior, da Universidade Federal de São Paulo – Medicina

Sebastião de Campos Valadares Filho, da Universidade Federal de Viçosa – Zootecnia

Fonte: Agência Fapesp

10º Simpósio Nacional de Sistemas Prediais

Divulgar a produção técnico-científica sobre os diversos sistemas que compõem o item “serviços” das edificações, dentre eles os hidráulicos, sanitários, de energia, de gases combustíveis, de segurança física e patrimonial, de conforto e de automação.

Essa é a proposta do 10º Simpósio Nacional de Sistemas Prediais, promovido pelo Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e pela Associação Nacional de Tecnologia no Ambiente Construído (Antac), nos dias 30 e 31 de agosto, em São Carlos.

A programação inclui o debate de questões sobre a gestão de projetos, execução, insumos, qualidade, regulamentos, normas e materiais, de modo a promover o intercâmbio de conhecimentos entre os setores acadêmico e produtivo.

Mais informações no endereço.

Fonte: Agência Fapesp

R$ 26 milhões para MPEs inovadoras

O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), por meio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) lançaram, nesta sexta-feira (10/8), chamada pública para apoiar projetos de inovação tecnológica nas micro e pequenas empresas (MPE).

Serão duas linhas de ação que concederão, no total, R$ 26 milhões não-reembolsáveis, divididos entre Sebrae e Finep.
A primeira linha, de R$ 18 milhões, é voltada para projetos de inovação tecnológica de MPE inseridas em arranjos produtivos locais.

Esse grupo deve ser formado por, no mínimo, três empresas com domicílio na área de abrangência do arranjo.

A segunda linha de ação destinará R$ 8 milhões e deve apoiar grupos de MPE com atuação no âmbito das prioridades estabelecidas na Política Industrial Tecnológica e de Comércio Exterior (Pitce), lançada em 2004 pelo governo federal.

A Pitce abrange três eixos: as ações horizontais, voltadas para o aumento da competitividade das empresas pela inovação; as opções estratégicas, com setores de semicondutores, microeletrônica, software, bens de capital, fármacos e medicamentos; e as áreas portadoras de futuro, que compreendem biotecnologia, nanotecnologia, biomassa e energias renováveis.

As propostas para as duas linhas devem conter solicitação de apoio financeiro de R$ 200 mil a R$ 500 mil. O apoio deverá ser executado por instituições científicas e tecnológicas, públicas ou privadas, sem fins lucrativos, em cooperação com micro e pequenas empresas brasileiras.

O processo de seleção das propostas será realizado em quatro etapas: pré-qualificação, avaliação de mérito, análise técnico-jurídica e deliberação. A primeira etapa é eliminatória e consiste no exame formal da proposta segundo os requisitos obrigatórios definidos na chamada pública.

Mais informações consulte o Sebrae, Finep ou o Serviço de Atendimento ao Cliente Finep, pelo telefone (21) 2555-0555.

Fonte: Agência Fapesp

Bolsas para estudar seis meses a bordo de um navio

O programa acadêmico "The Scholar Ship" está com inscrições abertas até o dia 1º de setembro para a viagem de estudos 2008. O programa dispõe de um método inovador: seis meses dentro de um navio - uma viagem pelo mundo a bordo de um campus flutuante.

A iniciativa conta com a parceria de sete universidades: Al Akhawayn University, Marrocos; Cardiff University, Reino Unido; Fudan University, China; Macquarie University, Australia; Tecnológico de Monterrey, México; University of California, Berkeley, EUA; University of Ghana, Gana. "The Scholar Ship" partirá para excursão 2008, a segunda do programa, de Kobe no Japão e navegará para o oeste incluindo em seu itinerário outros países da Ásia, África, América do Sul e Europa.

O programa distribuirá 25 bolsas de estudo no valor de US$ 10.000, para estudantes da América Latina e Caribe, com o objetivo de assegurar a diversidade de nacionalidades no projeto.

Para concorrer a estas bolsas, os estudantes interessados devem preencher uma carta, que está disponível no endereço e fazer um artigo descrevendo como suas participações a bordo do "The Scholar Ship" serão úteis para a preparação de suas futuras carreiras. As cartas, que devem ser enviadas até 1º de setembro e serão avaliadas por um comitê de seleção, juntamente com entrevistas por telefone.

Para admissão no programa, é preciso enviar os itens abaixo até 30 dias após o anúncio do prêmio: Inscrição completa para admissão; Histórico escolar oficial; Artigo escrito na carta de interesse; Formulário de Referência Acadêmica; Certificado de conclusão escolar; Comprovante de proficiência em Inglês.

Para obter mais informações sobre o programa, visite o endereço(em inglês).

Fonte: UECE

Formigas inspiram mapas probabilísticos de trajetória

Probabilistic roadmaps and ant colony optimization for UAV mission planning

Um trabalho pioneiro sobre planejamento de missão para veículos aéreos autônomos foi desenvolvido por Augusto Langer e Lucas Pontes e Silva, alunos do último ano do curso de Engenharia Eletrônica do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), durante estágio de nove meses realizado em 2006 no Instituto DLR para Sistemas de Vôo (DLR), em Braunschweig, na Alemanha.

A inovação do estudo está na utilização de mapas probabilísticos de trajetória e algoritmos de otimização que imitam colônias de formigas. O trabalho, intitulado Probabilistic roadmaps and ant colony optimization for UAV mission planning, será apresentado no 6º Simpósio sobre Veículos Autônomos Inteligentes da Federação Internacional de Controle Automático (Ifac), em setembro, na França,

Segundo Pontes e Silva os mapas de trajetória probabilísticos são geradores de caminhos em um grafo – conjunto de pontos ligados por retas – por meio da inserção randômica de pontos em um espaço tridimensional. Com a conexão entre os pontos gerados, é possível escolher uma trajetória que satisfaça certos requisitos, como o desvio de obstáculos.

“O estudo utiliza esses mapas com algoritmos inspirados biologicamente, que tentam imitar fenômenos naturais na busca de soluções para problemas complexos. Para isso, construímos elementos artificiais baseados em formigas, que servem de guia para a solução do problema de determinação de uma trajetória para o veículo”, disse Silva.

Silva explica que as formigas em uma colônia, na busca por alimentos, utilizam feromônio – substância química que, captada por animais de uma mesma espécie, permite o reconhecimento mútuo – para a comunicação e depositam a substância no caminho utilizado. Com isso, quanto melhor for o caminho, mais feromônio será depositado e maior a chance de as próximas formigas escolherem o mesmo trajeto.

“De maneira semelhante, no problema de planejamento de missão utilizamos um algoritmo para a divisão e ordenação das tarefas. Formigas artificiais foram criadas para percorrer um grafo e depositarem ‘feromônio’ sobre o caminho escolhido. O melhor caminho, que é aquele que tiver maior quantidade de feromônio depositado, determinará a ordenação entre as tarefas em que os veículos autônomos deverão percorrer”, descreveu.

De acordo com o outro autor brasileiro do trabalho, Augusto Langer, o planejamento de missão é o primeiro passo para o uso de qualquer veículo autônomo. “Muito embora seja sempre um operador humano quem determina qual missão o veículo deve cumprir, é desejável que exista um sistema que possa processar autonomamente comandos abstratos. Com o estudo, diminuímos a necessidade do comando pela ação humana. A trajetória de voar do ponto A até o ponto B é calculada automaticamente no computador”, disse.

Trajetórias e tarefas
O principal resultado do trabalho foi a elaboração de um planejador de trajetórias para uma missão no contexto do projeto Artis, do Instituto DLR.

O projeto Artis (de Autonomous Rotorcraft Testbed for Intelligent Systems) tem o objetivo de criar uma plataforma de testes de algoritmos avançados para o desenvolvimento de novas tecnologias na área de veículos autônomos. Para isso, o projeto é centrado em dois helicópteros-modelo disponíveis comercialmente e adaptados para operar autonomamente.

Enquanto o planejador de trajetória criado pelos pesquisadores gera caminhos tridimensionais em um espaço com obstáculos, de modo que a trajetória final seja livre de colisões, o planejador de tarefas determina a melhor ordenação para minimizar o tempo da missão. “A principal característica de ambos é a utilização de métodos probabilísticos para encontrar soluções aproximadas para problemas computacionais complexos”, explicou Langer.

Os outros dois autores do artigo são Florian Adolf, doutorando no DLR responsável pela equipe de planejamento de missões, e o professor Frank Thielecke, diretor do Departamento de Engenharia de Sistemas Aeronáuticos na Universidade Técnica de Hamburg-Harburg (TUHH). No ITA, as atividades conjuntas do DLR e do TUHH são coordenadas pelo professor Karl Heinz Kienitz, do Departamento de Sistemas e Controle.

Os interessados em obter uma cópia podem solicitá-la pelo e-mail ou no site: http://elib.dlr.de/51454/

Para mais informações sobre o 6º Simpósio Ifac (IAV 2007), que será realizado entre os dias 3 e 5 de setembro, em Toulouse, na França, onde o artigo será apresentado por Florian Adolf, clique aqui.

Fonte: Thiago Romero / Agência Fapesp