terça-feira, 19 de junho de 2007

UFES abre inscrições para mestrado e doutorado em Oceanografia Ambiental

A Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), através de sua coordenação do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia Ambiental (PPGOAm) da UFES, Área de Concentração Sistemas Costeiros e Marinhos convoca os candidatos interessados a se inscreverem no processo de seleção sendo 12 vagas nível MESTRADO e 5 vagas nível DOUTORADO, para o ano de 2007.

As atividades do curso serão realizadas na Base Oceanográfica da UFES, no Distrito de Santa Cruz, Municipio de Aracruz e no Campus de Goiabeiras da UFES, em Vitória. O projeto de cada aluno poderá ser desenvolvido em outro local, dependendo do laboratório onde a pesquisa será realizada.

As incrições poderão ser realizadas entre os dias 11 a 22/06/2007 , no horário das 9:30 às 12:00 h., na Av. Fernando Ferrari, 514, Campus Goiabeiras, Departamento de Ecologia e Recursos Naturais, Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, CEP 29075-910.

Inscrições por correio somente serão aceitas se postadas via SEDEX até o último dia de inscrição.

Poderão se candidatar às vagas de doutorado do PPGOAm mestres em Oceanografia ou em áreas afins. Já para as vagas de mestrado poderão se candidatar graduados em Oceanografia ou em cursos afins reconhecidos pelo MEC.

Maiores informações no site da Ufes.

Fonte: Ufes

Depressão e envelhecimento: estudo com os participantes do Programa Universidade Aberta à Terceira Idade

Depression and aging: study comprising participants of the "Senior Citizens Open University"

Planejamento contra a depressão

A depressão surgiu de forma importante em uma amostra de 358 idosos que freqüentam o Programa Universidade Aberta à Terceira Idade, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Foram acompanhados 312 mulheres e 46 homens.

A pesquisa, assinada por Valéria Moura Leite, Eduardo Freese de Carvalho, Kátia Lima Barreto e Ilka Veras Falcão, todos da UFPE, detectou o problema em 24,02% da população avaliada. A maior parte dos casos foi registrado entre mulheres separadas, de 70 a 79 anos de idade.

Os casos de depressão, leves em grande parte dos casos, apresentaram importante relação com variáveis como preocupação, dor de cabeça, pouca disposição, irritação, tristeza e insatisfação. Os pesquisadores, para obtenção dos resultados, usaram um tipo de questionário normalmente aplicado a estudos semelhantes.

Os autores lembram que na população envelhecida a depressão se encontra entre as doenças crônicas mais freqüentes, que elevam a probabilidade de desenvolver incapacidade funcional. Também acaba desencadeando um importante problema de saúde pública, que inclui tanto a incapacidade individual como dificuldades familiares em decorrência da doença. Esses processos resultam ainda na elevação dos gastos do sistema público, devido à alta taxa de utilização dos serviços públicos de saúde.

“A presença de depressão na população estudada aponta para a importância do planejamento, por parte do programa voltado para a terceira idade, de ações direcionadas à saúde de seus participantes, em particular, os transtornos mentais relativos à depressão”, afirmam os pesquisadores.

O artigo Depressão e envelhecimento: estudo com os participantes do Programa Universidade Aberta à Terceira Idade, publicado na Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, está disponível na biblioteca eletrônica SciELO (Bireme/FAPESP).

Para ler o texto na íntegra, clique aqui.

Fonte: Agência FAPESP - 19/06/2006