segunda-feira, 23 de abril de 2007

Satélite CBERS-2B embarcou para a China

O CBERS-2B embarcou no dia 19 para a China, de onde será lançado no mês de setembro. Este é o terceiro satélite do Programa CBERS (sigla para China-Brazil Earth Resources Satellite; em português, Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres). No Brasil, a missão de desenvolver e construir satélites cabe ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCT). Na China, o programa está sob a responsabilidade da CAST - Chinese Academy of Space Technology.

O satélite foi montado, integrado e testado na sede do Inpe, em São José dos Campos (SP). Desmontado para o transporte, chega nesta sexta-feira (20) num avião cargueiro na China, onde passará por nova bateria de testes para completar o ciclo de testes e verificar se não ocorreu nenhum problema em sua estrutura durante a viagem.

Estão sendo transportadas cerca de 30 toneladas de material. Os containeres que levam o satélite pesam cerca de 3 toneladas. O excedente de peso corresponde a equipamentos para testes e auxiliares, além de material reserva.

Todo o trabalho de integração de testes, assim como a campanha de lançamento, é realizado em conjunto por chineses e brasileiros. Cerca de 30 técnicos chineses estiveram no Inpe durante a fase de montagem, integração e testes. Agora uma equipe de 12 Brasileiros irá à China para a seqüência dos trabalhos.

Na CAST, até o mês de julho, serão feitos testes de calibração das câmeras e testes térmicos. Em meados de julho, o satélite será transportado para a base de lançamento, onde acontecem novos ensaios para verificar a interface entre satélite e lançador e, também, destes com o centro de controle de lançamento. Um conjunto de testes funcionais, realizado anteriormente nos laboratórios do Inpe e da CAST, é mais uma vez repetido na base chinesa para garantir que não ocorram problemas durante o lançamento ou mesmo quando o satélite estiver em órbita.

O satélite
O CBERS-2B é quase uma réplica do CBERS-2, que está em órbita e gerando imagens há três anos. Assim como este, o CBERS-2B possui três câmeras a bordo: CCD, WFI e HRC. As duas primeiras são câmeras que já voam no CBERS-2, enquanto a HRC é uma câmera pancromática de alta resolução (2,5 m) que substitui a câmera IRMSS (Infrared Multispectral Scanner).

O satélite tem como objetivo garantir que o fornecimento de imagens iniciado em 1999 com o CBERS-1 não seja interrompido. A vida útil projetada dos satélites CBERS 1, 2 e 2B é de dois anos e a dos satélites CBERS 3 e 4 é de 3 anos. O CBERS-1 operou com sucesso até agosto de 2003, além de sua vida útil, êxito que está se repetindo com o CBERS-2. O lançamento do CBERS-3 está previsto para 2009, e o do CBERS-4, para 2011.

Fonte: Agência CT

Ganhadores do Prêmio FCW - Fundação Conrado Wessel

A Fundação Conrado Wessel anunciou os nomes dos ganhadores do Prêmio FCW de Ciência e Cultura 2006, concedido a personalidades de reconhecimento nacional em seis categorias.

Os vencedores foram: Sérgio Mascarenhas Oliveira (Ciência geral), Ricardo Renzo Brentani (Medicina), Ruth Rocha (Literatura), Magno Antonio Patto Ramalho (Ciência aplicada ao campo), Carlos Afonso Nobre (Ciência aplicada ao meio ambiente) e Aldo Cunha Rebouças (Ciência aplicada à água).

Os perfis dos escolhidos, de acordo com a FCW, revelam “qualidades de talento inovador, liderança, abrangência social, trabalho incansável, integridade e ética”. O prêmio concedido a cada ganhador será de R$ 100 mil isentos de impostos. A cerimônia de entrega será realizada no dia 4 de junho, na Sala São Paulo, a partir das 19h30.

Membro da Academia Brasileira de Ciências desde 1951, quando foi eleito aos 23 anos, Sérgio Mascarenhas Oliveira deu vasta contribuição à física durante toda a carreira. Ele é professor aposentado da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do Instituto de Estudos Avançados de São Carlos, por ele fundado em 1996.

O cientista descobriu um novo fenômeno, a eletro-termo condutividade, cujas aplicações práticas são internacionalmente reconhecidas, em especial na escolha de características para dielétricos líquidos em transformadores de alta tensão.

Mascarenhas também criou o conceito de bioeletretos em moléculas biológicas e introduziu no Brasil a cirurgia criogênica e a tomografia computadorizada em física de solos. Hoje, prioriza a dedicação à tecnologia educacional e à divulgação científica.

Ricardo Renzo Brentani, diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da FAPESP, foi o vencedor na categoria Medicina. É professor titular da Faculdade de Medicina da USP, diretor presidente do Hospital do Câncer A.C. Camargo e coordenador do Centro Antonio Prudente para Pesquisa e Tratamento do Câncer, um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) da FAPESP.

Brentani também foi diretor do Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer por 22 anos e teve um papel importante na consolidação do Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas.

Carlos Nobre, vencedor na categoria Ciência aplicada ao meio ambiente, é pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e foi, por 12 anos, coordenador-geral do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), ligado ao mesmo instituto.

Nobre atuou, entre 1996 e 2002, como coordenador científico do Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA). Especialista em temas como modelagem climática na Amazônia, interação biosfera-atmosfera e desastres naturais, é presidente do Comitê Científico do International Geosphere-Biosphere Program (IGB).

Aldo Rebouças, premiado na categoria Ciência aplicada à água, é professor do Instituto de Geociências da USP. Com doutorado pela Universidade de Estrasburgo (França) e pós-doutorado na Universidade de Stanford (Estados Unidos), é considerado uma das principais referências em recursos hídricos no país.

O ganhador da categoria Ciência aplicada ao campo, Magno Ramalho, é professor titular da Universidade Federal de Lavras. O agrônomo atua na área de genética, com ênfase em genética quantitativa voltada para o melhoramento genético de culturas vegetais.

A vencedora na categoria Literatura, Ruth Rocha, é uma das principais autoras brasileiras de literatura infantil. Adaptou e traduziu mais de 60 títulos. Em 1993, recebeu os prêmios Jabuti de Melhor Produção Editorial, Obra, Coleção e Melhor Produção Editorial Infantil, pela coleção O Homem e a comunicação. Em 2001, ganhou o prêmio de Literatura Infantil da Academia Brasileira de Letras, pela adaptação da Odisséia, de Homero.

Fonte: Agência Fapesp

CBAN seleciona instituições interessadas em promover cursos de nanotecnologia

Até o dia 15 de maio, o Centro Brasileiro-Argentino de Nanotecnologia (CBAN) está recebendo propostas para quem tiver interesse em oferecer um curso de curta duração em nanociência e nanotecnologia no Brasil.

Segundo informações do MCT, o centro oferecerá, este ano, quatro cursos: dois acontecerão na Argentina e os outros dois no Brasil. Um deles já foi aprovado e será realizado nos dias 15 a 20 de julho, na Universidade do Vale do Itajaí (Univali).

Para a elaboração do segundo curso, os interessados devem mandar mensagem par o e-mail com as seguintes informações: título do curso; nome do coordenador; tema; local onde será realizado o curso; nome dos palestrantes; data e número de horas; número de vagas previsto para alunos brasileiros e argentinos; modalidade: teórica ou teórica/prática; e orçamento estimado. O resultado será divulgado no fim do mês de maio.

Ainda de acordo com o MCT, as propostas serão analisadas pelos coordenadores brasileiros do centro, os pesquisadores Jairton Dupont e José de Albuquerque e Castro, e pelo Comitê Assessor do CBAN, formado pelos pesquisadores Belita Koiller, Celso de Melo, Fernando Galembeck e Nelson Duran.

Informações adicionais sobre o CBAN podem ser obtidas aqui.

Fonte: Gestão CT

Workshop Brasil - Índia sobre Tecnologia Social

Brasil e Índia discutem tecnologia social

O Workshop Brasil Índia sobre Tecnologia Social – Conhecimento, Aprendizado e Prática ocorrerá nos dias 4 e 5 de maio, no campus da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).

O objetivo é aprimorar o conhecimento e as iniciativas brasileiras no campo das tecnologias sociais. O evento é promovido pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), pelo Instituto Gênesis da PUC-RJ e pela Rede de Tecnologia Social (RTS). Anil Gupta, PhD indiano e presidente de uma rede que transforma tecnologia social em produtos viáveis, será um dos palestrantes do workshop.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 27 de abril, pelo e-mail .

Fonte: Gestão CT