quarta-feira, 11 de abril de 2007

4ª Jornada de Ergonomia na Escola Politécnica da USP

“O valor do trabalho: possibilidades de avaliação” será o tema que conduzirá as discussões da 4ª Jornada de Ergonomia na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, dias 10 e 11 de maio, em São Paulo.

O objetivo do evento é debater o valor do trabalho a partir de pontos de vista da ergonomia, economia, engenharia de produção e sociologia.

“Avaliação do trabalho: um debate entre ergonomia e economia”, “Os desafios da inovação e o desenvolvimento das competências”, “Avaliação do trabalho em ergonomia” e “O trabalho e novas formas de organização” serão alguns pontos a serem discutidos.

Mais informações pelo e-mail ou telefone (11) 3091-5430.

Fonte: Agência FAPESP

Estímulo a jovens cientistas - Young Scientists Twas Award 2007

Estão abertas até 23 de abril as candidaturas para a segunda edição do Young Scientists Twas Award 2007, promovido pelo escritório regional da América Latina e do Caribe da Academia de Ciências para o Mundo em Desenvolvimento (Twas, na sigla em inglês).

Este ano, o prêmio será oferecido nas áreas de matemática, física, ciências biológicas e ciências médicas. A inscrição deve incluir um curriculum vitae, três cartas de recomendação e a descrição das razões que justifiquem a candidatura. Os dados devem ser enviados para o e-mail .

Os candidatos devem ter menos de 40 anos, com pelo menos dez anos de vínculo com uma instituição de países da América Latina e do Caribe. O prêmio é concedido em reconhecimento às contribuições feitas por pesquisadores ativos na região.

Os resultados da premiação serão divulgados no dia 15 de maio. O prêmio de US$ 2 mil também inclui uma viagem ao Rio de Janeiro para participação na cerimônia anual de recepção dos novos membros da Academia Brasileira de Ciências (ABC), marcada para o dia 30 de maio. A Twas oferecerá passagem aérea e hospedagem aos ganhadores.

Os premiados farão uma apresentação de seus trabalhos no Simpósio Jovem Cientista, que será realizado em conjunto com a cerimônia da ABC, no dia 29 de maio, das 8h30 às 14h30.

Mais informações: www.rio.twas.org/.

Fonte: Agência FAPESP

Produção consorciada de alimentos e energia

Em abril do ano passado, o Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP) deu início ao ciclo “Civilização da Biomassa”. No próximo dia 17, esta iniciativa se encerrará com a apresentação do painel “Produção Consorciada: Alimentos x Energia”. Este será o quinto e último assunto colocado em questão pelo ciclo que visa à discussão sobre os aspectos relacionados com a mudança das bases energéticas no mundo, em especial, a ascensão da biomassa.

Neste painel, serão cinco os temas abordados: “Produção de Alimentos em Áreas de Renovação de Canaviais: Viabilidade Técnica e Econômica, Potencial de Produção e Responsabilidade Social”; “Cana para Energia”; “Obstáculos Socioeconômicos e Institucionais à Produção Consorciada Alimento e Energia”; “Produção de Cana: Potencial e Perspectivas”; “Produção de Alimentos X Energia: Estudo de Caso do Óleo de Girassol”.

A iniciativa do IEA teve, ainda, como tema as vantagens comparativas e obstáculos para o desenvolvimento da biomassa, o etanol e o biodiesel, a matriz energética brasileira, e as novas tecnologias para a bioenergia.

Na coordenação do Ciclo está Ignacy Sachs, co-diretor do Centro de Estudos sobre o Brasil Contemporâneo, na França, e professor da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, também naquele país.

Este painel terá início às 14h, na sede do IEA, em São Paulo (SP). Haverá, também, transmissão ao vivo pela página www.iea.usp.br/aovivo.

Fonte: Gestão CT

Fundep promove oficina de gestão de projetos para instituições de pesquisa

A Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep) promoverá, no próximo dia 25, das 14h às 16h, em Belo Horizonte (MG), a Oficina de Gestão de Projetos para Instituições de Pesquisa. O objetivo é mostrar como tornar a execução dos trabalhos das instituições de pesquisa menos burocrática e mais ágil, por meio do sistema de Gerenciamento de Projetos Fundep (GPF).

Segundo informações da Fundep, o GPF permite à instituição focar na execução da pesquisa e ao financiador acompanhar as atividades, enquanto a Fundep fica responsável pelas ações administrativas e financeiras, como compra de materiais, contratação e pagamento de pessoal, importação de produtos e equipamentos.

Durante a oficina, também será apresentado o Financiar, sistema de busca e organização de dados que disponibiliza informações sobre fontes financiadoras, internacionais e nacionais, de pesquisas em diversas áreas. A principal utilidade desta ferramenta está no processo de captação de recursos.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo telefone (31) 3499-6770 ou pelo e-mail.

Fonte: Gestão CT

Uso de agrotóxicos e suicídios no Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil

Pesticide use and suicide in the State of Mato Grosso do Sul, Brazil

Entre 1992 e 2002, apenas no Estado do Mato Grosso do Sul, o Centro Integrado de Vigilância Toxicológica registrou 1.355 notificações de intoxicações. Nesse conjunto ocorreram 506 tentativas de suícidio e 139 óbitos. A causa das mortes foi a ingestão voluntária de agrotóxicos.

Conforme mostra o estudo Uso de agrotóxicos e suicídios no Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil, do pesquisador Dario Pires e colaboradores, publicado no Cadernos de Saúde Pública, a maior parte das ocorrências registradas pela pesquisa estava relacionada com sintomas de depressão. Vários estudos citados pelos cientistas mostram que existe, em outro lugares do mundo, uma correlação forte entre tentativas de suicídio e uso de agrotóxicos.

No caso específico da pesquisa, a cultura do algodão, por causa da alta demanda por inseticidas, pode estar mais ligada ao problema dos suicídios do que as outras plantações. “Embora a cultura algodoeira não possa ser considerada determinante para a ocorrência de suicídios numa região, a correlação encontrada pode significar um fator de risco, no que diz respeito à exposição humana aos inseticidas, na região de Dourados”, diz o estudo, disponível na biblioteca eletrônica SciELO (Bireme/FAPESP).

Para Pires, o maior potencial de exposição a agrotóxicos dos trabalhadores rurais, nas pequenas propriedades da microrregião de Dourados, pode explicar o alto número de notificações de tentativas de suícidios e óbitos devido ao uso desses produtos. Na região, o número de tentativas de ceifar a própria vida, por causas diversas, também aumentou de forma significativa na última década.

Foram registradas 203 tentativas de suicídio em Dourados, no intervalo de dez anos, com 31 mortes. “Esses dados mostram a necessidade de indicar um programa de vigilância epidemiológica para a região, até agora inexistente, para melhor avaliar, comparar e quantificar esses eventos”, recomendam os pesquisadores.

Agência FAPESP - 11/04/2005

Pesquisador do IAC é o vencedor de prêmio internacional

O pesquisador-científico Angelo Savy Filho é o vencedor da 6.a. edição do Prêmio Péter Murányi que teve como tema o desenvolvimento cientifico e tecnológico com enfoque em Energias Renováveis.

Em 2007, concorreram ao laurel 43 trabalhos de pesquisa e desenvolvimento científico com enfoque em energias renováveis, envolvendo 180 pesquisadores originários de sete países, sendo vencedor o pesquisador citado, com o trabalho “MAMONA (Ricinus communis) - Desenvolvimento de tecnologia de produção”.

Angelo Savy Filho é Pesquisador Cientifico VI do Instituto Agronômico, Campinas, órgão da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, onde ingressou por concurso público em 1969. É graduado engenheiro agrônomo pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - ESALQ, Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP, e com mestrado em “Solos e Nutrição de Plantas” pela mesma Escola. Publicou 66 artigos técnico-científicos em periódicos especializados e 14 trabalhos científicos em anais de eventos.

Possui quatro capítulos de livros e dois livros publicados, o mais recente é “MAMONA - Tecnologia Agrícola”. Possui autoria em seis produtos tecnológicos tais como obtenção de quatro cultivares de mamona e uma de gergelim, além de participação na construção de protótipo de colhedeira de mamona. Recebeu dois prêmios e homenagens.

“A premiação é um incentivo e vem coroar, além do meu trabalho, também o trabalho do IAC, já que parte das minhas pesquisas são frutos de atividades anteriores, de três ou quatro gerações de pesquisadores. Agora, deixo o meu legado para que novos pesquisadores dêem continuidade”, ressaltou Savy. Para o diretor-geral do Instituto, Orlando Melo de Castro, o premio trouxe reconhecimento tanto para o pesquisador, como também para a Instituição, responsáveis pelo desenvolvimento de grande parte dos materiais plantados no país – os cultivares Guarani, IAC-80, IAC226 e IAC-2028-que apresentam elevada produtividade mesmo em condições adversas da fertilidade do solo, pequena disponibilidade hídrica, exposição a doenças e pragas. “É uma satisfação muito grande para nós, ainda mais que o prêmio vem de importantes entidades ligadas à pesquisa. Com essa divulgação, temos a oportunidade de mostrar para a sociedade a nossa atuação, o que nos torna mais competitivos, além de auxiliar na obtenção de recursos para novas pesquisas”, justificou.

As atividades com a mamona, relatadas no trabalho vencedor do prêmio, vêm coroar mais de setenta anos de desenvolvimento científico e tecnológico da cultura da mamona, sem interrupção, gerando um acervo de conhecimentos que permitiu a obtenção de maior produtividade, com custo mais baixo por unidade de área, tornando o cultivo mais acessível aos produtores, principalmente àqueles ligados à agricultura familiar. Os cultivares de mamona, em distribuição comercial, IAC-80, IAC-226, Guarani e o novo cultivar IAC-2028, têm uma amplitude de produtividade entre 1500 e 5000 kg/há.

A mamona é a matéria-prima obrigatória para a produção do biodiesel no semi-árido e na região nordeste do País. Os produtores de biodiesel quando utilizam a mamona produzida pela agricultura familiar, no mínimo 50%, satisfazem a condição necessária para a obtenção do selo “Combustível Social” e para isenção de impostos na comercialização do biodiesel. A mamona é fator de inclusão social do pequeno agricultor e do agricultor familiar na economia regional e da obtenção do biocombustível. O óleo de mamona é importante na indústria para a confecção de produtos equivalente aos derivados de petróleo.