segunda-feira, 26 de março de 2007

2º Simpósio internacional de materiais avançados e nanoestruturas

A segunda edição do Simpósio Internacional de Materiais Avançados e Nanoestruturas será realizada nos dias 3 e 4 de maio, em São Carlos, interior paulista, reunindo grupos de pesquisa de diferentes países, com destaque para Chile, Canadá, Espanha e Brasil.

O evento é promovido pelo Instituto de Física de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP), e pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Presidente Prudente.

Entre os assuntos abordados estão “Polymer films for electronics: looking inside”, “Polymer films for electronics: looking inside”, “Novel nanostructured materials for solar cells”, “Supramolecular chemistry applied to nanotechnology” e “New Materials and the Environment.

Mais informações: www.2isamn.ifsc.usp.br/.

Fonte: Agência FAPESP

3º Simpósio de plantio direto

O 3º Simpósio de Plantio Direto, promovido pelo Departamento de Produção Vegetal da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), será realizado entre os dias 2 e 4 de abril, em Campinas (SP).

O encontro, que reunirá produtores, pesquisadores, alunos e professores, irá promover uma ampla discussão sobre os principais problemas da adoção do sistema de plantio direto, além de divulgar e promover os novos avanços tecnológicos da área. Degradação do solo e seqüestro de carbono também serão temas em pauta.

Mais informações: www.fealq.org.br/ ou telefone (19) 3417-6604.

Fonte: Agência FAPESP

Fim da picada da aranha-marrom

Do forro da casa, a aranha-marrom desce sorrateira até o piso. Inquieta, percorre toda a residência, esgueira-se pelo vão da porta, passa pela fresta do móvel e se esconde dentro do sapato. Todo o movimento é registrado pelas lentes das quatro câmeras instaladas na casa e que acompanham dia e noite o animal.

A observação faz parte de um projeto realizado por uma equipe de pesquisadores do Paraná sobre os hábitos da aranha-marrom (Loxosceles intermedia). O objetivo é definir as melhores formas de controle e manejo do animal que provoca, em média, 2.580 acidentes anuais apenas na capital paranaense, de acordo com registros oficiais – uma média de sete casos diários.

Os trabalhos, com apoio do Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex), do governo federal, e da Fundação Araucária, têm conclusão prevista para o início de 2008, mas já começam a dar resultados – além de aprofundar o conhecimento sobre a espécie, os pesquisadores entraram com pedidos de patentes de dois produtos desenvolvidos para o controle do aracnídeo.

Na primeira fase do programa, os cientistas infestaram, de forma controlada, uma residência com aranhas-marrons. A partir de observações da dinâmica populacional da espécie e de seus hábitos, testaram formas de controle conhecidas e criaram algumas novas.

Na segunda fase do projeto, as técnicas de manejo serão aplicadas, uma a uma, na casa-modelo. Os resultados orientarão a população sobre como combater o animal, de acordo com o biólogo Eduardo Novaes Ramires, da Universidade Tuiuti do Paraná, responsável pela parte do estudo referente ao manejo. O projeto de pesquisa é coordenado por José Domingos Fontana, professor emérito da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Segundo o pesquisador, a principal característica da L. intermedia é sua intensa locomoção. As teias são ralas e pouco trabalhadas, prova da vida errante do animal. Em seu doutorado, o biólogo comparou a espécie do Paraná com outras duas, a L. gaucho e a L. laeta, comuns em São Paulo e no Chile, respectivamente. Além de se movimentar mais, a L. intermedia prefere habitar o interior de residências.

30% dos acidentes com aranhas-marrons ocorrem quando a vítima dorme. O animal não é particularmente agressivo, mas, ao ser comprimido contra o corpo da pessoa, como forma de defesa ele pica e injeta o veneno.

Predador ausente
Para Eduardo Novaes Ramires, o grande número de casos de acidentes com aranha-marrom em Curitiba pode ser explicado pela escassa presença de seu predador natural na cidade – as lagartixas. O motivo é que o inimigo natural da aranha-marrom não se adaptou ao clima da capital paranaense. No litoral, onde há mais predadores, as aranhas não são grande problema.

Ao devorar a aranha, a lagartixa usa uma enzima que digere o veneno. Se picada, a lagartixa morreria em poucos minutos, por isso precisa usar de astúcia. Os testes da pesquisa apontaram que, devido à alta taxa metabólica, uma lagartixa adulta pode devorar até 12 aranhas por dia.

Além da ausência do predador e da intensa mobilidade, outra característica da aranha-marrom contribui para a proliferação dos acidentes: a alta reprodutibilidade. A fêmea é fértil por vários meses do ano e copula com vários machos. Esses, por sua vez, também copulam com muitas fêmeas.

Duas patentes
Os pesquisadores paranaenses testaram 16 produtos indicados pela população como úteis no combate à aranha, como óleo de cravo, cânfora, naftalina e formol. Alguns se mostraram bastante eficientes, outros nem tanto.

Dos produtos, cinco passaram pelo primeiro teste. Uma equipe comandada por Francisco de Assis Marques, professor do Departamento de Química da UFPR, separou os componentes de cada produto. O resultado foi uma substância que se mostrou eficiente para matar o aracnídeo.

“É uma substância simples, sintetizada por uma planta de uso na alimentação humana”, disse Ramires. Em conjunto, a Universidade Tuiuti do Paraná e a UFPR entraram com pedido de patente para o repelente. O acordo entre as duas instituições prevê a abdicação da patente caso o governo do Paraná se interesse em fabricar o produto e distribuir para a população.

Outra patente gerada pelo projeto de pesquisa é a de uma máquina que produz um fluxo de calor letal para a aranha marrom – em uma temperatura de 60ºC ela morre em cinco segundos; com 130ºC a morte ocorre em meio segundo. Segundo Ramires, o calor atinge diretamente o coração da aranha, que fica imobilizada instantaneamente e morre. A temperatura corporal sobe 26ºC em meio segundo e sua musculatura sofre uma alteração irreversível.

Se fabricada, a máquina, que se assemelha a um secador de cabelo, deverá ter custo baixo e ser útil para atingir aranhas em buracos de tijolos, frestas de móveis e no saco coletor do aspirador de pó.

Fonte: Agência Fapesp

Brasil e França discutem formação de engenheiros para as empresas

Autoridades governamentais, acadêmicos, gestores de ciência & tecnologia e empresários da França e do Brasil se encontrarão no Fórum Franco Brasileiro "Empresas e Formação de Engenheiros", nos dias 19 e 20 de abril , em São Paulo. O evento é promovido pela Capes, CDEFI e Consulado Geral da França em São Paulo, com organização da Anpei.

No quadro de seu desenvolvimento internacional, as empresas brasileiras e francesas estão interessadas na contratação de engenheiros que tenham uma experiência bicultural e sido formados por meio de parcerias entre instituições de alto nível dos dois países. Embora estas ações visem responder às necessidades das empresas, o espaço que elas ocupam atualmente na implementação deste processo ainda é limitado.

O Fórum será uma oportunidade para trocas sobre a formação de engenheiros. Ele permitirá que as empresas e as universidades se encontrem, se conheçam melhor e avaliem quais ações relativas à estes processos de formação poderiam ser desenvolvidas para melhor atender às necessidades dos parceiros.

O Fórum Franco Brasileiro Empresas e Formação de Engenheiros acontecerá na sede do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), à Av. Paulista, 1313. A programação completa e a ficha de inscrição estão no sítio.

Mais informações: (11) 3842-3533 ou pelo e-mail.

Fonte: Anpei