quinta-feira, 22 de março de 2007

Fim do banho frio

Água quente é um luxo para a maior parte da população carente na zona rural de Itajubá (MG). Quem tem acesso, chega a gastar de 40% a 55% de seu orçamento com energia elétrica.

Mas os dias de banho frio estão contados para essas comunidades. Orientado pelo professor Jorge Henrique Sales, um grupo de estudantes de Tecnologia em Produção Mecânica do Centro Universitário de Itajubá criou um aquecedor solar alternativo de baixo custo e fácil manuseio, utilizando latas de alumínio descartadas.

Com o projeto, o grupo ganhou, em dezembro, o Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio, destinado a pesquisadores de graduação e pós-graduação. Mais de 700 trabalhos foram inscritos em todo o país. O município de 90 mil habitantes, que fica 290 quilômetros a nordeste de São Paulo, possui uma das maiores concentrações de pesquisadores por habitante no Brasil.

Importância ambiental
De acordo com o engenheiro, uma das maiores vantagens do aquecedor, que está sendo aperfeiçoado para produção em escala, é dar às latas de alumínio uma destinação intermediária antes da reciclagem.

O aquecedor utiliza três eventos físicos: reflexão, efeito estufa e absorção da luz. Além da reflexão, as latinhas são instaladas numa caixa com fundo preto e cobertas por um vidro. O fundo preto absorve a luz e o vidro causa o efeito estufa.

O efeito conseguido, segundo Sales, é que a água, que entra a com temperatura próxima a 0 grau Celsius, sai numa temperatura em torno de 70 graus.

O custo do equipamento não passa de R$ 540, atualmente. Segundo o pesquisador, o modelo mais barato no mercado custa cerca de R$ 3 mil. “Mas, claro, não pretendemos competir com o mercado. A intenção é ter um equipamento disponível para comunidades que precisam de uma tecnologia muito barata e fácil de instalar e manusear”, afirmou.

Fonte: Agência Fapesp

ESR - Escola Superior de Redes define cursos para 2007

Os cursos deste ano da Escola Superior de Redes (ESR) da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP/MCT) já estão definidos. Serão abertas turmas em Administração e projeto de redes, Segurança, e Mídias de suporte à colaboração digital, nas unidades da ESR no Rio de Janeiro, Brasília e João Pessoa (PB). As aulas são práticas e os cursos têm duração de 30 horas.

O próximo curso é o de Arquitetura e protocolos de rede TCP-IP, que acontecerá em abril em João Pessoa, e em maio, no Rio e em Brasília. As principais ferramentas de gerência de redes – uma área bastante valorizada atualmente no mercado - serão conhecidas no curso Gerência de redes de computadores, que será iniciado em outubro, também nas três unidades.

A área de segurança de redes é tema de outro curso da ESR. O interesse dos executivos brasileiros pelo assunto tem aumentado nos últimos anos. Isso porque o número de incidentes de segurança verificados na Internet brasileira atingiu 197 mil em 2006, quase três vezes mais que os registrados em 2005, segundo o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br).
Profissionais de TI e outros interessados poderão participar de turmas, entre maio e outubro, como Segurança de redes e sistemas, Gestão da segurança da informação e Segurança em redes sem fio.

Em agosto, cursos sobre operação e administração de sistemas de videoconferência serão realizados no Rio de Janeiro e em Brasília. O assunto é relevante, já que novas aplicações de suporte à colaboração digital são desenvolvidas, diariamente, para atender às necessidades de empresas, instituições de pesquisa e órgãos governamentais.

Mais informações sobre cursos da ESR através do site: www.esr.rnp.br/cursos/agenda/ ou pelo telefone (21) 2275-5578.

Fonte: RNP

Aquecimento Global, para onde estamos indo com o clima do planeta?

“Aquecimento Global, para onde estamos indo com o clima do planeta?” será o tema da palestra que o professor Paulo Artaxo, do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP), irá proferir no dia 27 de março, em São Carlos, interior paulista. A entrada é gratuita.

O evento faz parte do Programa Ciência às 19 horas, um ciclo de palestras mensais de divulgação científica dirigido ao público em geral, promovido pelo Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP).

O objetivo é aproximar a comunidade do meio acadêmico, abordando temas científicos em uma linguagem acessível.

Mais informações: www.ciencia19h.ifsc.usp.br/.

Fonte: Agência FAPESP

Espanhóis propõem cooperação na área de nanotecnologia

O governador da região espanhola da Galícia, Emílio Pérez Touriño, apresentou nesta segunda-feira (19/3) ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva propostas de cooperação empresarial e científica. No encontro, Touriño abordou sobre os interesses de negócios em áreas como a pesca (possibilidade de construção de uma base para a frota pesqueira de Pernambuco) e a nanotecnologia (tecnologia que consiste na construção de estruturas e novos materiais a partir de átomos).

A Galícia dirige atualmente o centro de nanotecnologia existente na cidade portuguesa de Braga.

Para o governador, que está em visita de cinco dias ao Brasil e tem na sua comitiva alguns empresários potencialmente interessados em investir no país, é importante privilegiar as relações com o Brasil no plano econômico e empresarial, já que a sua dimensão e dinamismo prometem boas possibilidades de negócio e de crescimento. Touriño, citado pela agência EFE, disse que a Galícia tem que ser uma "plataforma de relações comerciais e culturais" entre os países do Atlântico e da lusofonia.

A região autônoma da Galícia fica no noroeste da Espanha, junto a Portugal, e tem o galego como uma de suas línguas oficiais. O galego tem uma estrutura muito próxima da língua portuguesa.

Fonte: Agência Lusa

Aproximação entre o Brasil e o Canadá

Brasil e Canadá assinaram nesta quarta-feira (21/03) um protocolo de intenções com o objetivo de iniciar um processo de cooperação bilateral em ciência, tecnologia e inovação.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCT, Luiz Antonio Rodrigues Elias, o protocolo prevê a formação imediata de grupos de trabalho envolvendo atores-chave de setores apontados como focos de interesse e expertise em ambos os países.

A parceria na pesquisa e no desenvolvimento de biocombustíveis foi mencionada como um dos principais focos identificados previamente pelo conselheiro nacional de Ciência e Tecnologia do governo canadense, Arthur Carty. Segundo ele, o Canadá estabeleceu a meta de substituir, até 2012, 2% de todos os combustíveis pelo biodiesel. A meta exige que a produção canadense aumente 40 vezes. Já a produção de bioetanol teria que crescer três vezes, para 2,1 bilhões de litros anuais, para atingir a meta de 5% no total de gasolina consumida até 2010.

Para Elias, o Brasil se encontra num momento intermediário do desenvolvimento científico e tecnológico e tem elementos que deverão propiciar um salto em inovação. Por isso, o momento é extremamente propício para a cooperação internacional.

O secretário afirma que as parcerias serão potencializadas com um um grande aporte de recursos do MCT nos próximos quatro anos, que deverá chegar a R$ 7 bilhões dedicados exclusivamente à ciência, tecnologia e inovação.

Fonte: Agência Fapesp